skip to Main Content
24 de janeiro de 2021 | 11:04 pm

PELAS RUAS DE CACHOEIRA

Tempo de leitura: 3 minutos

jaqe2Jaqueline Cerqueira | Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP

 

O que vemos nada mais é do que o pensamento de um povo sobre o mundo, suas impressões, seus sistemas de valores e relacionamentos complexos.

 

A cidade baiana de Cachoeira, situada a 100 km de da capital Salvador, foi ao longo dos séculos XVIII e XIX, região produtora de açúcar, com uso de mão-de-obra escrava e também produtora de tabaco, utilizado na compra de escravos na costa africana. Situada às margens do Rio Paraguaçu, a cidade teve momentos de grande parte da produção agrícola da Bahia, principalmente açúcar e fumo. Além disso, Cachoeira foi historicamente, devido a sua privilegiada localização, cruzamento de rotas de escravos, negros fugidos e quilombolas. Este fato agregou na região comunidades que se instalaram nos antigos engenhos desativados. Hoje, essas comunidades se reconhecem como remanescentes de quilombos e mantêm vivas tradições culturais e cultivam basicamente mandioca e dendê.

Para a Antropologia, a observação das relações humanas se dá, a partir da perspectiva da cultura, das diferenças, da geografia, ou seja, através das relações do homem com o espaço. Cachoeira continua sendo uma cidade emblemática carregada de significados. Neste ensaio, busca-se destacar a importância do centro da cidade, tombado em 1971 e que concentra a maior parte da arquitetura tradicional, hoje bastante arruinada. Centro de trocas sociais apropriado pela população em seu cotidiano como mercado, sobrados de uso habitacional ou serviços, palco de grandes festas.

Podemos identificar o patrimônio cultural de Cachoeira a partir da história de ocupação do seu território. Desta forma, temos embutidas duas vertentes: patrimônio material e patrimônio imaterial. A relação entre essas duas vertentes se dá através das manifestações culturais e o território no qual historicamente elas ocorrem. Estamos diante de um território de fortes referências culturais. Em toda a cidade há cerca de 28 processos de tombamentos pelo IPHAN que buscam preservar cerca de 60 bens. Um desses processos elevou a cidade à condição de Monumento Nacional. As fotos retratam construções que fazem parte desse processo. Pelas ruas da cidade, é possível perceber forte presença da arquitetura religiosa (capelas, convento, igrejas matrizes), arquitetura civil (casarões, sobrados), edificações em praças e a tão importante ponte D.Pedro II.

Estação de Cachoeira, no recôncavo baiano (Foto Jaqueline Cerqueira).

Estação de Cachoeira, no recôncavo baiano (Foto Jaqueline Cerqueira).

A elevação de Cachoeira a Cidade Monumento se fez em referência às tradições cívicas da cidade, remetendo às lutas pela independência em 1822. A arquitetura e a paisagem são marcos desse momento.

A heterogeneidade e as intensas manifestações culturais despertam interesse de turistas, intelectuais e visitantes. Dentre as referências culturais pode-se destacar: Festa da Boa Morte, Festa da Ajuda, Festa de São João, Festa de 25 de junho; além das mais variadas formas de expressão popular: Banda Filarmônica, Samba de Roda, Esmola catada.

O Rio Paraguaçu foi decisivo na forma de ocupação da cidade. O rio sofreu duas diferentes alterações: em sua forma ( para atender a diferentes objetivos das práticas sociais, como construção de armazéns e aterros nas margens e porto de canoeiros) e seu significado no caráter religioso, tido como sagrado para grupos específicos.

Leia Mais

CACHOEIRA DE ESGOTO

Tempo de leitura: < 1 minuto

No detalhe, é possível perceber melhor o vazamento que cai direto no Rio Cachoeira (foto Pimenta)

A Emasa precisa tomar alguma providência para acaba com um vazamento na tubulação que leva esgoto da estação elevatória situada próximo ao Príncipe Hotel até a estação de tratamento do bairro São Judas.

O cano está danificado há um bom tempo e a Emasa tem conhecimento do problema. O mais grave é que os dejetos caem diretamente no Rio Cachoeira, cada vez mais poluído e quase morto no trecho que corta Itabuna.

O PIMENTA entrou em contato com a assessoria da empresa, mas não havia informações sobre essa situação. O setor se comprometeu a buscar esclarecimentos com técnicos da Emasa.

BARONESAS VOLTAM A SE ACUMULAR NO CACHOEIRA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Local onde a vegetação se acumula exala forte mau cheiro (foto Pimenta)

A pouca chuva que caiu em Itabuna nos últimos dias não ajudou a melhorar a situação nas estações de captação de água, mas foi suficiente para provocar novo acúmulo de baronesas no Rio Cachoeira.

A vegetação está represada na altura da barragem situada no centro da cidade. No local, o rio exala forte mau cheiro e forma a já conhecida espuma, que indica o alto teor de poluentes na água.

Por volta das 8 horas de hoje (19), um único funcionário da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano era visto puxando quantidades mínimas de baronesa para o sangradouro da barragem.

CACHOEIRA BATE SANTALUZ E TOMA VANTAGEM EM DISPUTA DO INTERMUNICIPAL

Tempo de leitura: < 1 minuto
Santaluz e Cachoeira disputam título do Intermunicipal 2014.

Santaluz e Cachoeira disputam título do Intermunicipal 2014.

A Seleção de Cachoeira fez valer o mando de campo e superou Santaluz por 2 a 1, hoje, na primeira partida das finais do Intermunicipal de Futebol 2014. Os gols foram marcados por Noel e George. Robinho descontou para Santaluz.
A partida prometia com os três gols do primeiro tempo. Ficou na promessa. Na etapa final, ninguém conseguiu balançar a rede adversária.
Cachoeira pode sagrar-se campeã do Intermunicipal até mesmo se empatar por qualquer placar. Santaluz precisa vencer por placar 1 a 0 ou mais de dois gols de diferença se a adversária marcar um gol. Se a partida terminar 2 a 1 para Santaluz no tempo normal, a campeã será decidida em cobrança de pênaltis.
Cachoeira busca o segundo título do Intermunicipal. Santaluz ainda não sentiu o gostinho de levantar o troféu de campeã. Pode ser no domingo (21).

CACHOEIRA E SANTALUZ DISPUTAM TÍTULO DO INTERMUNICIPAL

Tempo de leitura: < 1 minuto
Santaluz e Cachoeira disputarão título do Intermunicipal 2014.

Santaluz e Cachoeira disputarão título do Intermunicipal 2014.

Santaluz e Cachoeira decidirão o título do Campeonato Intermunicipal 2014. Santaluz entra com vantagem na disputa ao jogar a finalíssima em casa.
O primeiro jogo será no domingo (14), em Cachoeira. O campeão sai no dia 21, em Santaluz.
Cachoeira conquistou a vaga na final ao bater Itapetinga por 1 a 0 há uma semana e 2 a 1 neste domingo (7). Santaluz também venceu as duas partidas da semifinal contra Itamaraju: 2 a 0 fora e 3 a 1 em casa.

CONCURSOS OFERECEM 33,5 MIL VAGAS. SALÁRIO PODE CHEGAR A R$ 26,5 MIL

Tempo de leitura: 7 minutos

concursosA semana começa com oferta de 33.556 vagas em, aproximadamente, 100 concursos públicos pelo País. A maior remuneração é oferecida pelo Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás (TCM-GO), com R$ 26.589.
São 15.104 vagas que exigem nível superior, segundo levantamento da Folha Dirigida. Outras 9.076 vagas são destinadas a profissionais de nível médio e 3.085 para nível técnico. Quem tem nível fundamental pode concorrer a 6.219 vagas.
Dentre as oportunidades, estão os concursos da Prefeitura de Cachoeira e do Tribunal de Justiça da Bahia, que oferece 200 vagas e até R$ 5.117,24 de remuneração em certame com oportunidades para níveis médio e superior.
O concurso do tribunal baiano tem inscrições até dia 4 de dezembro. Confira onde estão as oportunidades clicando no “leia mais”.

Leia Mais

ITAJUÍPE DÁ ADEUS AO INTERMUNICIPAL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Itamaraju bateu Itajuípe por 1 a 0 no tempo normal e venceu a seleção da casa nos pênaltis por 3 a 2. Com o resultado, a seleção do extremo-sul garantiu vaga na semifinal do Intermunicipal de Futebol 2014 e despachou a última campeã da competição.
O jogo foi disputado no Estádio Humberto Badaró. Após vencer o jogo de ida por 1 a 0, Itajuípe se classificaria caso empatasse por qualquer placar. Acabou permitindo a vitória simples de Itamaraju no tempo normal. E, também, nos pênaltis.
Itamaraju enfrentará Santaluz, que eliminou a antes favorita Santo Antônio de Jesus ao empatar em 2 a 2 hoje. A outra semifinal será entre Itapetinga e Cachoeira. Itapetinga bateu Ibirataia nos pênaltis, enquanto Cachoeira despachou Ipirá ao empatar em 2 a 2.

ITAJUÍPE VENCE IBICARAÍ E AVANÇA NO INTERMUNICIPAL

Tempo de leitura: < 1 minuto

futebolApós derrotar Ibicaraí por 1 a 0 neste domingo (9), Itajuípe vai em busca do terceiro título no Intermunicipal. Já nas quartas de final, a seleção enfrentará Itamaraju. O primeiro jogo será na casa adversária. Itajuípe terá a chance de definir a vaga em casa.
Também avançaram às quartas as seleções de Santaluz, Cachoeira, Santo Antônio de Jesus, Ibirataia, Itapetinga e Ipirá.
Ibirataia eliminou Buerarema ao vencê-la por 1 a 0, em casa, enquanto Itapetinga goleou Maragogipe por 4 a 1 e Itamaraju venceu Eunápolis nos pênaltis, após empate em 1 a 1 no tempo regulamentar.
Ipirá se classificou ao derrotar Remanso por 5 a 4 nos pênaltis. Santaluz derrotou Mairi por 2 a 0 e Cachoeira se manteve na disputa após passar por Conceição do Coité (1 a 0). A forte São Francisco do Conde empatou em 1 a 1 com Santo Antônio de Jesus. Como perdeu por 2 a 1 o primeiro jogo, deixou o campeonato.
Confira os confrontos da próxima fase
Itamaraju x Itajuípe
Ipirá x Cachoeira
Itapetinga x Ibirataia
Santo Antônio de Jesus x Santaluz

RODOVIAS DO RECÔNCAVO EM PÉSSIMO ESTADO. ADOLESCENTE FATURA TAPANDO BURACOS

Tempo de leitura: 2 minutos
C.N. consegue uns trocados tapando buracos (Foto Pimenta).

C.N. consegue uns trocados tapando buracos na BA-242 (Foto Pimenta).

O menor C.N., de 14 anos, estudante da 4ª série, mora na rua da Estação, próximo à BA-242, que liga a BR-101 aos municípios de Conceição do Almeida e São Felipe, no Recôncavo da Bahia.
C., nas horas em que não está na escola, passa o tempo com um pedaço de tábua recolhendo terra para tapar os buracos que infestam a BA-242 e assim conseguir algumas moedas dos motoristas que trafegam por essa estrada.
A péssima situação da BA-242, não é exceção e sim regra em relação às BAs que cortam a região do Recôncavo. Na 026, que leva à cidade histórica de Cachoeira, o motorista tem que ter muita habilidade para não ficar na estrada. Os 10 quilômetros são uma verdadeira aventura para quem deseja conhecer a cidade patrimônio histórico tombado pelo Iphan.
Situação idêntica é a da BA-420, que liga a cidade de São Félix a Maragogipe. São 15 quilômetros de estrada. Se estivesse em boas condições, o trajeto seria cumprido em 20 minutos. Mas, diante da quantidade de buracos da BA-420, leva-se até 40 minutos para ser percorrido.
Além de afetar a vida dos moradores dessas localidades, as péssimas condições dessas rodovias atingem diretamente os criadores de frango que possuem granjas nas cidades de Conceição da Feira, São Gonçalo dos Campos e Cachoeira (distrito de Belém). Os pequenos avicultores também sofrem com a situação das BAs 242, 026 e 420, pois dependem dessas estradas para fazer escoar a produção.

SUGESTÃO DA VEREADORA

Tempo de leitura: < 1 minuto
baronesas

Segundo Carmem, o rio está “um gramado perfeito”

A  vereadora itabunense Maria do Carmo Ferreira, mais conhecida como Carmem do Posto Médico, do PR, fez o plenário dar uma sonora gargalhada na sessão desta quarta-feira, 2. Carmem, que normalmente concentra suas críticas na questão da saúde pública, demonstrou que tem outras preocupações. Como o esporte, por exemplo.

A vereadora sugeriu que o secretário de Esportes do município, Ewans Maxwell, considere a possibilidade de utilizar o Rio Cachoeira como local de jogos do Campeonato Interbairros de Futebol. E justificou o conselho: “o rio tá um gramado perfeito”.

A referência era ao “tapete” de baronesas que há muito cobre boa parte do espelho d’água do velho e poluído Cachoeira.

Back To Top