skip to Main Content
20 de fevereiro de 2020 | 03:23 pm

OFICIAIS DA PM EM ILHÉUS SÃO DENUNCIADOS POR AMEAÇA A SITE E REPÓRTER

Tempo de leitura: 2 minutos

censura1Oficiais da Polícia Militar em Ilhéus foram denunciados pelo Blog do Gusmão por intimidação com ameaça de prisão ao repórter Thiago Dias. A ameaça ocorreu pessoalmente e por meio de ofício, segundo 0 site. A denúncia é feita contra o major Rivas Júnior e o subtenente Romulo Rego, ambos da 70ª Companhia.

As ameaças, informa o blog, ocorreram após abertura de sindicância motivada por matéria denunciando favorecimento da PM a guincho contratado pelo Governo Jabes. O relato a seguir é do editor do site, Emílio Gusmão, e dá a dimensão da gravidade da conduta dos policiais militares:

“No dia 12 de novembro, depois de ligar para o repórter Thiago Dias e solicitar seu endereço, o subtenente entregou ofício que solicitava a presença do repórter na sede da companhia no dia 19 de novembro. Seguindo orientação de advogados e do editor Emilio Gusmão, Thiago decidiu não comparecer. Ontem (segunda-feira, 23), Romulo voltou a ligar. Alegou que estava sendo obrigado a repetir o “rito”, ou seja, queria notificar novamente o repórter. Thiago explicou que o militar causaria constrangimento a ele e aos seus familiares caso retornasse à sua residência. O militar de maneira insensível retrucou dizendo que estaria à sua porta “em meia hora”. A atitude lembrou os tempos do regime de exceção.

Trouxe novo ofício. No texto o subtenente se comportou como juiz de direito. De maneira surpreendente, utilizou procedimentos da justiça criminal e afirmou que a recusa em depor poderia gerar no mínimo 15 dias de prisão ao repórter. No lugar da farda colocou uma toga invisível e citou trechos do código penal que reproduzimos aqui: “Adiada, por qualquer motivo, a instrução criminal, o juiz marcará desde logo, na presença das partes e testemunhas, dia e hora para seu prosseguimento […], assim como a sua falta reiterada pode ensejar o crime de desobediência. Desobedecer a ordem legal de funcionário público: pena – detenção, de quinze dias a seis meses, e multa”.

Antes de entregar o segundo ofício, durante o telefonema, Romulo disse que o repórter não poderia se “eximir” de testemunhar. Em seguida, em outra chamada, afirmou ao editor que não havia alegado tal obrigação. Logo depois o subtenente voltou a exigir a presença de Thiago Dias na sede da 70ª CIPM para “contribuir” com a investigação.

O editor do blog já havia falado com o Major Rivas no dia 13 de novembro. Informou ao comandante da 70ª que qualquer publicação do blog era de sua responsabilidade, não cabendo qualquer ônus ao repórter. Mesmo cientes dessa informação, os oficiais insistiram em convocá-lo.

Os oficiais querem arrancar uma informação cujo caráter sigiloso é garantido constitucionalmente. No ofício que enviamos ontem à companhia e para o qual ainda não obtivemos resposta, esclarecemos que não temos mais nada a contribuir com a sindicância. Tudo que sabemos foi publicado na matéria. A mesma justificativa foi dada por Thiago Dias em duas conversas presenciais com o subtenente Romulo.

RADIALISTA É DEMITIDO APÓS CRITICAR JABES

Tempo de leitura: < 1 minuto

censuraO radialista Luck Rei foi demitido da Conquista FM. Coincidência ou não, o profissional levou cartão vermelho após criticar a falta de apoio do Governo de Jabes Ribeiro ao Colo-Colo.
– Fiz o comentário na quinta e fui demitido na sexta -disse Luck ao PIMENTA.
No programa, Luck defendia o apoio financeiro da prefeitura ao Tigre Ilheense, líder da Série B de Futebol. E lembrou que mais torcedores não vão ao estádio porque o time está jogando às 15h. “O sol castiga quem fica na geral”.
Os jogos têm começado mais cedo no Mário Pessoa, porque o estádio está sem refletores desde o ano passado. O gradeado das torres de iluminação foi condenado pelo Corpo de Bombeiros durante vistoria em 2013. De lá para cá, nada mudou…

SITE SOFRE CENSURA EM ILHÉUS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Jamesson Araújo condena boicote ao seu site

Jamesson Araújo condena boicote ao seu site

O editor do site Agravo, de Ilhéus, Jamesson Araújo, acusa o governo ilheense de promover boicote à sua página virtual. Segundo Araújo, há quatro meses tem sido impossível acessar o Agravo nos computadores das repartições públicas municipais.
O responsável pelo site diz ter solicitado uma análise especializada, que confirmou o bloqueio em parecer técnico. De acordo com ele, além de barrar o acesso nos computadores dos órgãos públicos municipais, a empresa que fornece serviço de internet à Prefeitura foi além e estaria impedindo também que seus demais clientes vejam o site.
O editor afirma que esteve nesta quinta-feira (21) na Prefeitura e ouviu vários servidores se queixando da impossibilidade de abrir a página do Agravo. “Num país democrático, essas práticas têm que ser extintas, principalmente em relação à imprensa”, pondera Araújo.

CÂMARA PODE AVANÇAR NA VOTAÇÃO DE PROJETO SOBRE BIOGRAFIAS NÃO AUTORIZADAS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Gil, Caetano e Chico Buarque encabeçam movimento que defende censura às biografias

Gil, Caetano e Chico Buarque encabeçam movimento que defende censura às biografias

Carolina Gonçalves | Agência Brasil

A Câmara dos Deputados pode avançar hoje (23) na votação do projeto de lei que libera as biografias não autorizadas. O deputado Newton Lima (PT-SP), autor do projeto que prevê a publicação desse tipo de obra independente da autorização da pessoa biografada ou da família, conseguiu convencer os líderes partidários a votar a urgência da matéria.

Com a aprovação da urgência para o projeto, ele passará a ter prioridade na pauta da Câmara. A intenção é votá-lo antes do dia 28, quando as votações em plenário ficam trancadas pelo projeto do Marco Civil da Internet. Mas existe a possibilidade de o projeto ser votado ainda hoje, logo depois da aprovação da urgência.

Para garantir que o texto avance, Lima precisou ajustar pelo menos uma recomendação. Diante do temor de que a retirada de autorização abrisse espaço para publicações de fatos ofensivos, calúnias e difamações, o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) apresentou uma emenda que altera o rito judicial para retratação nesses casos.

Para Newton Lima, a emenda soluciona a principal polêmica do texto. “Pode ser que uma obra traga informação ofensiva e a Justiça é muito lenta. Isso dará maior celeridade nesses casos”, concordou o autor, que vai apresentar hoje um texto com a nova adaptação, sabendo que, em plenário, mais deputados ainda podem apresentar emendas.

Leia mais

CARTA ABERTA A CAETANO, GIL E CHICO, SEM CENSURA!

Tempo de leitura: 2 minutos

Manu BerbertManuela Berbert | manuelaberbert@yahoo.com.br

 

A cada declaração concedida por vocês e a cada matéria que leio sobre o tema, a sensação é de frustração.

 

Eu poderia começar essa carta comentando o quanto admiro (embora de formas diferentes) o trabalho e história de cada um de vocês, ou relatando o quanto os três foram e são importantes para a cultura brasileira, mas prefiro ir diretamente ao assunto: acompanhando essa polêmica toda em que vocês se colocam contra as biografias não autorizadas de personalidades públicas, a primeira palavra que vem à mente é INACEITÁVEL.

Perdoe a intimidade, Gil, mas é como se aquela doce e paciente professora que me alfabetizou, ainda na infância, agora dissesse que eu não sei escrever.  A cada declaração concedida por vocês e a cada matéria que leio sobre o tema, a sensação é de frustração. Eu não posso aceitar que os meus guerreiros do Tropicalismo, que lutaram pela liberdade de expressão no final da década de 60, sob o massacre de uma ditadura militar, agora lutem contra o direito de acesso a suas fascinantes histórias. É inaceitável.

Não, eu não sou contra o direito à privacidade, Caetano, e concordo quando você diz que a lei deve servir para todos, mas é preciso ser coerente e admitir que um cidadão, ao optar por seguir uma carreira pública, deve estar preparado emocionalmente para os ônus e bônus que ela possa lhe proporcionar. Perdoe a minha audácia, mas eu não posso aceitar que vocês, que me fizeram acreditar que a liberdade de expressão deve ser ampla e irrestrita, agora estejam fomentando uma discussão sobre privacidade alegando direitos autorais.

Mas e aí se alguma dessas biografias lhes causarem constrangimento? Assim como qualquer cidadão brasileiro, recorram à justiça e lutem pela punição dos envolvidos. Cada um que arque com as responsabilidades dos próprios atos. Vocês esqueceram o que é democracia? Sugiro que recorram aos próprios acervos, leiam e assistam suas próprias entrevistas. Aqui para nós, ninguém jamais ousou falar em democracia melhor que vocês nestas últimas décadas. Impedir biografias, nobres ídolos, é como retroceder e pedir que o Brasil esqueça, inclusive, a trajetória que os faz importantes e famosos até hoje.

Manuela Berbert é publicitária e colunista do jornal Diário Bahia.

A VOLTA DA CENSURA

Tempo de leitura: 2 minutos

O secretário de Indústria, Comércio e Turismo de Itabuna, Carlos Veloso Leahy, promoveu cena das mais lamentáveis deste início de campanha eleitoral. Por volta das 13h, insatisfeito com o conteúdo de entrevista concedida pelo prefeito Capitão Azevedo ao PIMENTA, Leahy partiu para a censura contra um dos jornalistas deste blog.

Fez pior.

Extremamente nervoso e aproveitando-se da vantagem física, forçou o profissional a lhe entregar a gravação. A entrevista apenas abordava os pedidos de impugnação sofridos pela candidatura de Azevedo.

O prefeito tratou do assunto sem objeções e foi respeitoso com a nossa equipe. Nada justificava a atitude arrogante e prepotente do senhor Carlos Leahy, que reduziu a própria biografia de empresário e secretário a leão de chácara sem causa.

Após tomar o aparelho do jornalista, Leahy sumiu e somente entregou o equipamento por volta das 18h30min, depois de várias ligações da direção do blog.

Ele foi além da intimidação física e a pressão psicológica praticada contra um profissional com mais de 30 anos de estrada e respeitado. Com o gravador em mãos, Leahy simplesmente deletou a entrevista. Após a devolução, o secretário saiu em disparada quando constatamos que o conteúdo havia sido apagado.

A ação de Leahy, que também se apresentou como coordenador do comitê eleitoral da campanha, é incompatível com os novos tempos democráticos. Incompatível, inconcebível e inaceitável para quem é homem público e diretor comercial e sócio de uma emissora de rádio em Itabuna.

A atitude descabida do secretário-coordenador de comitê exige da campanha do prefeito um posicionamento público firme quanto ao ocorrido. Ou corre-se o risco de manchar a candidatura e um nome que – até onde sabemos – sempre respeitou a liberdade de imprensa.

Carlos Leahy, no círculo, coagiu repórter e deletou entrevista de prefeito (Foto Pimenta).

MÉDICO CONFIRMA: "DEI VOZ DE PRISÃO AO REPÓRTER PORQUE ELE ME DESACATOU"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Médico não quer repórteres entrevistando pacientes e acompanhantes dentro do hospital

Ouvido pela reportagem do PIMENTA, o médico Cristiano Conrado, diretor médico do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, de Itabuna, confirmou ter dado voz de prisão ao repórter Hélio Fonseca, da Rádio Difusora. O fato ocorreu na manhã de ontem (9) e foi postado no blog.
Segundo Conrado, o repórter estava importunando um paciente no interior do hospital. “Não pode ficar abordando paciente internado. Tem um livro de ocorrência para ter as informações”, declarou o médico. Segundo ele, o trabalho dos repórteres dentro do Hblem vinha ocorrendo de forma errada, “por mau-costume”.
O médico afirmou que, na condição de diretor do hospital, caso ele permitisse a abordagem dos pacientes, poderia sofrer punição por desvio ético e submeteria o Hblem ao risco de um processo civil.
” (Ontem) Eu tinha acabado de falar e, assim que virei as costas, ele (Hélio Fonseca) continuou (falando com acompanhantes de um paciente internado no hospital). Ele me ignorou e me desacatou, por isso lhe dei voz de prisão como funcionário público”, afirmou Conrado, que é também tenente do Exército.
O diretor informou que conversou ontem com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Rádio e Televisão de Itabuna (Stert), Frankvaldo Lima, e está conversando sobre uma forma de criar, dentro do Hblem, um fluxo de informações “de maneira legal”.

"TEJE PRESO!"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O repórter Hélio Fonseca, da rádio Difusora de Itabuna, entrevistava o acompanhante de um paciente do Hospital de Base na manhã desta quinta-feira, 9, quando foi abordado pelo médico Cristiano Conrado. Este solicitou que o radialista abortasse a entrevista, mas não foi atendido e reagiu de forma inusitada.
Segundo Fonseca, Conrado, que é também tenente do Exército, deu-lhe voz de prisão e solicitou que dois policiais que se encontravam no local (apesar da greve) detivessem o repórter. Passados alguns minutos, os policiais liberaram o funcionário da Difusora sem necessidade de habeas corpus. O médico-tenente, é óbvio, quis apenas dar um susto no rapaz, muito embora sua atitude tenha caráter abusivo.
Em tempo: circulam rumores de que Conrado será candidato a vereador em Itabuna. Como o legislativo municipal tem sido  um frequente cenário de malfeitos, o homem faria bem se exercitasse a prática do “teje preso” entre seus possíveis futuros colegas. Faria o maior sucesso!

TWITTER COM CENSURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

G1 com agências internacionais
O Twitter informou nesta quinta-feira (26) que agora tem a capacidade de bloquear tweets em um país específico – se legalmente for obrigado a tomar tal decisão. A empresa afirmou que desenvolveu um sistema de censura para impedir que mensagens inadequadas para algumas culturas ou países estejam ao alcance dos usuários nos territórios afetados.
Para justificar a medida, os representantes da rede social argumentaram que a ideia de liberdade de expressão é entendida de forma diversa em diferentes pontos do planeta, e citou como exemplo o fato de que alguns governos, como os de França e Alemanha, proíbem a publicação de conteúdos favoráveis ao nazismo.
“À medida que continuamos crescendo em nível internacional, vamos entrar nos países que têm diferentes ideias sobre os limites da liberdade de expressão”, afirmou o Twitter em seu blog.

MACHADADA NA IMPRENSA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Ruy: "A Câmara sou eu"

O presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ruy Machado (PRP), já é chamado a boca pequena nos corredores do legislativo de Luís XIV, o rei que governou a França no século XVIII e, de tão autoritário e centralizador, tornou-se famoso pela frase “L’État c’est moi”. Traduzindo, significa “O Estado sou eu”.
Imitando o monarca francês, o reizinho itabunense implantou a ditadura na Câmara e uma de suas medidas é a de censurar blogs que afetem a sua sensibilidade. Por ordem sua, o acesso a determinadas páginas virtuais na rede da Câmara está terminantemente proibido.
O pequeno déspota age como se a Câmara lhe pertencesse e estivesse sujeita aos seus caprichos. Pior é contar com o silêncio dos outros vereadores, que aceitam todas as machadadas de Ruy sem esboçar reação.

Back To Top