skip to Main Content
17 de janeiro de 2021 | 03:11 pm

E LÁ SE VAI ODILON PINTO FORA DO COMBINADO

O professor e comunicador Odilon Pinto e dois de seus filhos
Tempo de leitura: 4 minutos

Aos 72 anos, com a diabetes aperreando, morreu vítima de infarto, deixando um legado importante para a comunicação e a educação do Sul da Bahia. Mais um exemplo de vida que nos deixa fora do combinado.

 

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Até parece que foi combinado: Na terça-feira (12) o jornalista Tyrone Perrucho nos deixa aqui neste mundo, e na quarta-feira (13), sem qualquer aviso-prévio, toma o mesmo caminho o radialista, jornalista e professor Odilon Pinto. Além da tristeza e saudade, passo a me considerar um estranho obituarista – função que existe numa redação – essencial para informar os que partem.

Mas como dizia Odilon Pinto: “Rosário, o jornalista é o grande secretário da sociedade, o encarregado de lavrar a ata dos feitos deste mundo, sejam eles bons ou ruins, não importam, têm que ser anotados”. Há alguns anos que não via e nem tinha notícia de Odilon, que há muito se transformou numa pessoa caseira, com o ofício de cuidar da diabetes que lhe acometia e da Língua Portuguesa.

Odilon Pinto era uma artista nato, um homem show, que dedilhava o violão, tocava “sanfona” ou outro tipo de instrumento, amparado por sua voz a cantar músicas de todos gêneros, como já fizera em bandas regionais. A partir dos anos 70, se dedicou às músicas para o homem do campo, como uma extensão do programa De Fazenda em Fazenda, produzido pela Divisão de Comunicação da Ceplac (Dicom).

Narrar, em poucas palavras, a que se prestava o De Fazenda em Fazenda é essencial para conhecermos mais Odilon e sua atuação para agregar todo o pacote tecnológico da Ceplac às fazendas de cacau, convencendo produtores e trabalhadores rurais. Era a comunicação de apoio dos extensionistas, com uma linguagem apropriada para que as práticas agrícolas fossem feitas em sua plenitude. Esse era o nosso mister.

E Odilon chegou à Ceplac com uma bagagem importante: saber se comunicar de forma simples, direta, de igual para igual com os homens que permaneciam no campo e aqueles que se mudaram para a cidade. Esse traquejo vinha da sua larga militância no PCdoB, o que lhe rendeu, além de um grande conhecimento sociológico e antropológico, alguns dissabores, a exemplo do convívio no xadrez por ordem das autoridades militares.

E a necessidade da Ceplac – ainda nos anos de chumbo – e o cabedal de conhecimento de Odilon casaram-se perfeitamente. Com o programa radiofônico em alta, foram aparecendo seus subprodutos, como o “Forró do Mata o Veio” e o programa radiofônico Namoro no Rádio, que encantava a todos. Lembro bem que recebíamos até 700 cartas por semana, correspondências estas enviadas das roças por pessoas pouco alfabetizadas.

E a finalização do De Fazenda em Fazenda era a apoteose com o quadro “Vida na Roça”, tirado das singelas cartas, com toda a verve de Odilon, fazendo com que muitos chorassem. Chegaram as mudanças políticas em nível nacional, eis que a nova direção da Ceplac resolve trocar a veiculação do programa, tirando-o da Rádio Jornal de Itabuna e levando-o para a Rádio Difusora de Itabuna.

Nadando contra a correnteza, Odilon se nega a apresentar o programa na nova emissora e cria o programa Na Fazenda do Odilon, continuando na Rádio Jornal, apesar da ameaça do desemprego. Enquanto isso, continua dando suas aulas de português em diversos colégios de Itabuna, na atual Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Odilon era diplomado em Letras e mestre e doutor em Literatura e Linguística.

Sem perder a simplicidade, continuou apresentando seu programa das 4 às 6h40min, dando aulas nos colégios e universidade, por muitas vezes fazendo esse périplo a pé e de ônibus, numa demonstração de como administrar seu tempo. Volta e meia a diabetes lhe consumia, e ele resolvia tocar o barco pra frente, com mais uma atividade, a exemplo de uma assessoria de comunicação e até ingressar na política.

Esse seu conceito e densidade eleitoral chega aos ouvidos do então candidato a governador Pedro Irujo, que o filia ao PRN e o faz candidato a deputado estadual, com a possibilidade de estar entre os mais votados, conforme as pesquisas. Como não poderia apresentar seus dois programas, substituo-o, mantendo o mesmo estilo, enquanto ele viajava dia e noite para manter o contato com os eleitores.

Disparado nas pesquisas, Odilon comete o pecado de não planejar a famosa boca de urna, e no dia da eleição sai de casa apenas para votar e aguardar a apuração. O resultado não poderia ser dos piores, todas as suas intenções de voto foram providencialmente trocadas nas entradas das cidades, comandadas pelos prefeitos e seus cabos eleitorais, com polpudas ofertas em dinheiro ou outros bens de consumo.

A fragorosa derrota não abalou Odilon, que continuou seu labor no rádio e nas salas de aula. Anos depois, retorna ao seu antigo partido, o PCdoB, porém não se aventura a outra candidatura. E assim esse piauiense tocava sua vida, sem reclamar da sorte, nem mesmo dos períodos em que passou fugitivo trabalhando na zona rural, ou na prisão, onde sofreu todos os tipos de tortura.

Assim como o colega Tyrone Perrucho, Odilon Pinto de Mesquita Filho era agnóstico, mas convivia com as crenças. Sonhava com o delta do Parnaíba, no qual passou parte de sua vida, que levava na esportiva. Numa das nossas muitas viagens, uma delas à Amazônia, não perdia a fleuma em nos acompanhar – a mim e ao fotógrafo Águido Ferreira – nas incursões aos bares e restaurantes, mesmo que tivesse de tomar duas doses de insulina.

Com o tempo, passou a apresentação do programa na Fazenda do Odilon para o filho Rivamar e se dedicou exclusivamente à educação, aos livros e aos artigos que escrevia para o Diário Bahia. Aos 72 anos, com a diabetes aperreando, morreu vítima de infarto, deixando um legado importante para a comunicação e a educação do Sul da Bahia. Mais um exemplo de vida que nos deixa fora do combinado.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado e mantém o blog walmirrosario.blogspot.com.br

PROFESSOR ODILON PINTO MORRE E DEIXA MUITAS HISTÓRIAS NO SUL DA BAHIA

Sul da Bahia perde Odilon Pinto|| Foto Celina Santos/Diário Bahia
Tempo de leitura: < 1 minuto

Itabuna perdeu, nesta quarta-feira (13), um dos seus maiores comunicadores. Muito conhecido no sul da Bahia, principalmente pelos moradores mais velhos da zona rural, o radialista, escritor e professor Odilon Pinto faleceu aos 72 anos. Ele foi vítima de infarto.

Odilon Pinto Mesquita Filho era uma das pessoas mais queridas do rádio regional, tendo comandado, durante décadas, o programa de Fazenda em Fazenda, líder absoluto nas madrugadas e manhãs da Rádio Jornal. Mas também será sempre lembrado na área educacional. Ele lecionou em escolas públicas e faculdades de Itabuna, além da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

Formado em Letras, doutor em Linguística, Odilon Pinto era de uma simplicidade impressionante. “Enquanto tem muita gente sem o título exigindo ser tratado como doutor, o mestre Odilon nunca teve essa vaidade. Em uma das aulas, eu tive a ousadia de falar: doutor, professor Odilon Pinto. Ele, educadamente, respondeu: só professor, Ailton”, recorda-se o jornalista Ailton Silva.

Era dedicado no que fazia e sabia transmitir conhecimento. “Eu tive a sorte grande de ter sido aluno dele no antigo Colégio Polivalente de Itabuna, no Curso de Técnico em Redator e, anos depois, no Curso de Jornalismo, na faculdade. Sempre tive um respeito enorme e a minha admiração será eterna”, afirma Silva.

Odilon não era apenas um comunicador espetacular e excelente professor, mas resenhista de primeira. “Certa vez, numa aula de Língua Portuguesa, focado em passar bem o conteúdo, Odilon lançou várias perguntas para a turma. Uma das indagações foi sobre a perda do trema, na palavra sequestro, quando o Acordo Ortográfico entrasse em vigor. A turma inteira e professor deram muitas gargalhadas quando uma colega, na resenha, disse que o sinal gráfico cometeria o próprio sequestro. Essa é só uma das muitas resenhas na aula dele”, conta o jornalista.

CHOCOLATES BRASILEIROS QUEREM DESBANCAR PREFERÊNCIA POR IMPORTADO, DIZ JORNAL

Tempo de leitura: 2 minutos

A atual produção de chocolate por produtores de cacau baianos e paraenses e grupos empresariais brasileiros estão colocando o derivado do cacau em evidencia. Além representar concorrência às marcas de chocolates finos suíços, belgas e italianos nas prateleiras de grandes redes de supermercados e empórios.

O assunto é tema de reportagem neste domingo no jornal Folha de São Paulo que vê o chocolate nacional começando a ganhar a concorrência sólida com marcas de chocolate estrangeiras.

De acordo com a publicação, feito de cacau nativo, esse chocolate conta com uma produção que passa por processos de qualidade, tem preocupação socioambiental e é acompanhada em todas as etapas, da amêndoa à barra.

“É um mercado que vem crescendo muito no país. A questão é que agora estamos valorizando a produção de um cacau de qualidade, que antigamente era exportado. O processo é parecido com o qual o grão de café especial brasileiro passou”, diz Luiz Araújo, gerente acadêmico da Universidade Anhembi Morumbi.

IMPACTO SOCIAL

A reportagem cita marcas recém-chegadas ao mercado consumidor, como a Danke que inaugurou uma fábrica no Pará em agosto com capacidade de produção de mil toneladas ao mês. A marca aposta em um modelo de venda baseado no varejo, sem lojas próprias em São Paulo e Rio de Janeiro.

Cita ainda a Dengo, marca de chocolates brasileiros que existe desde 2017. Em novembro, a empresa inaugurou a Fábrica de Dengo —uma estrutura de 1.500 m² e quatro pavimentos na avenida Faria Lima, em São Paulo— que tem como ideia mostrar ao visitante como o chocolate é feito.

Atualmente, o consumidor que visita uma das 19 lojas da Dengo —a maioria em shoppings, em cidades como São Paulo, Curitiba e Brasília— tem como tíquete médio R$ 80.

O jornal diz ainda que, além da atenção à qualidade e ao impacto social, o consumidor também começa a entender as diferenças de terroir do cacau produzido no Brasil. Para isto, cita Juliana Aquino, 55, dona da marca de chocolate Baianí.

LUTA ANTIGA

Ela integra o movimento de produtores chamado bean to bar (na tradução, da amêndoa à barra), que se destaca por um maior domínio do processo, do cultivo até a produção. Podem existir discordâncias na definição do chocolate bean to bar, mas a ideia segue alguns pilares, diz ela, que é presidente da Associação Bean to Bar Brasil.

“Um deles é a sustentabilidade. E, o outro, a técnica, que sempre parte da amêndoa integral do cacau e tem todo o processo de produção feito em um local só, sem adição de essências ou aromatizantes”, diz.

No Brasil, são cerca de 150 marcas com esse perfil. “Hoje, o consumidor do chocolate bean to bar entende que existem nuances que são geradas pelo processamento artesanal. Agora, essa conversa começa a chegar num consumidor que é menos especializado”, afirma.

E lembrar que desde a criação da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), em 1957, pelo presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, criação do Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec), seis anos depois, se busca consolidar o mercado brasileiro de chocolates? Pena que tais instituições sofram descaso do governo federal…

A partir primeira década do milênio, o cacau fino para a produção de chocolates premium entrou no radar. Graças aos esforços de pesquisadores do Cepec, a exemplo do biólogo Raimundo Camelo Mororó.

A QUASE PROMISSORA PARCERIA DE ILHÉUS COM A CHINA

Tempo de leitura: 3 minutos

– Quem bom, embaixador! Essa é uma ótima notícia para a população de Itabuna, que poderá ficar livre dessa terrível doença. Basta utilizar o bagunço como supositório, que estarão imunizados – brincou (mas não necessariamente com essas palavras).

 

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

No segundo mandato de Antônio Olímpio (AO) como prefeito de Ilhéus, o então deputado federal Haroldo Lima (PCdoB) trouxe à região uma comitiva da República Popular da China. O interesse do deputado comunista era ampliar o comércio entre os dois países, notadamente de cacau, à época atravessando uma das suas muitas crises – esta, causada pela vassoura de bruxa.

Àquela época, os técnicos em agropecuária da Ceplac, ideologicamente ligados aos partidos de esquerda – PCB, PCdoB, PT e PSB – convenceram seus dirigentes nacionais que a saída para o cacau era comercializar o cacau com a China. Após os cálculos feitos em várias reuniões, acreditavam que se cada chinês tomasse, diariamente, uma pequena xícara de chocolate, o preço do cacau subiria às nuvens.

Tese aprovada pelos cardeais vermelhos da esquerda brasileira, a primeira providência era convencer os herdeiros de Mao Tsé-Tung a introduzir esse novo hábito alimentar no cardápio de seus compatriotas. Para tanto, deveriam convidar uma comissão de alto nível para conhecer o Sul da Bahia e provar as qualidades alimentares e afrodisíacas do cacau, que poderia voltar a ser conhecido como frutos de ouro.

Nada mais fácil para camaradas e companheiros arrebanharem as pessoas mais importantes e decisivas numa negociação entre Brasil e China, que prometiam mostrar ao mundo capitalista os bons resultados de uma negociação com dois países com governos ideologicamente próximos, diria até, iguais. Data marcada, a cúpula das instituições políticas e da cacauicultura do Sul da Bahia se engalanaram para receber os chineses.

Entre os “camaradas” da comitiva estavam o embaixador da República Popular da China no Brasil (chefiando a delegação), o Cônsul, funcionários graduados da embaixada, empresários, técnicos e jornalistas. Aqui, cumpriram uma extensa programação, que incluiu visita a três fazendas de cacau, Ceplac, Conselho Nacional dos Produtores de Cacau (CNPC) e as prefeituras de Itabuna e Ilhéus.

Convidado pelo prefeito Antônio Olímpio para um almoço no Hotel Canabrava, a delegação compareceu em peso. Bem falante, o cicerone Haroldo Lima demonstrava todo o seu conhecimento sobre a região cacaueira – local onde permaneceu clandestino nas fazendas de cacau durante a ditadura militar –, encantava os chineses com informações sobre a Mata Atlântica (fauna e flora), além de características sobre a história e a população.

Lá pelas tantas, Haroldo Lima apresentou uma das frutas mais famosas da árvore Artocarpus heterophylla, a jaca, responsável pela alimentação da população rural e os doces que poderiam ser feitos com ela. Entusiasmado com as ricas propriedades da jaca, o embaixador chinês pediu a palavra e discorreu sobre as propriedades medicinais da fruta, conhecida dos chineses, que a plantam no sul do seu país, junto ao cacau.

Prosseguindo, o embaixador chinês revelou um estudo científico realizado pelos chineses para combater a Aids, por possuir em sua composição uma substância de propriedades medicinais, a “jacaína”. A cada frase, o embaixador fazia uma pausa, para que o tradutor fizesse a transcrição para os presentes, quando foi aparteado pelo prefeito então prefeito de Ilhéus, Antônio Olímpio.

– Quem bom, embaixador! Essa é uma ótima notícia para a população de Itabuna, que poderá ficar livre dessa terrível doença. Basta utilizar o bagunço como supositório, que estarão imunizados – brincou (mas não necessariamente com essas palavras).

Os chineses apenas sorriam – como sempre – mas não entendiam o porquê do silêncio sepulcral no ambiente. É que a intervenção de Antônio Olímpio causou um profundo mal-estar entre os presentes de língua portuguesa, inclusive no tradutor, que ficou embasbacado sem saber como verter a frase para o chinês, para desespero do embaixador, que continuava sem saber o que estava acontecendo.

Explicações de pé de ouvido entre uns, troca de olhares entre outros, fortes risadas entre os brasileiros que naturalmente conheciam Antônio Olímpio e sabiam da sua verve humorística. Na verdade, quem conhece Antônio Olímpio sabe que ele perde o amigo, mas não perde a piada, e que nem se lembrava ou importava que ele, nascido em Ferradas, à época distrito e hoje bairro de Itabuna, era um autêntico papa jaca.

Discretos, os chineses não disseram o motivo pelo qual abriram mão de importar milhões de toneladas de cacau prometidas pelos comunistas brasileiros. Se contaram ficou em segredo de Estado.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

HÁ INTELIGÊNCIA NO PLANETA CACAU – FALTA DISSEMINAR

Tempo de leitura: 4 minutos

Atuando hoje nas mais diversas áreas do conhecimento, a Uesc volta seu foco de ação para os municípios regionais, notadamente para o enfrentamento à pandemia da Covid-19, incluindo aí os planos de abertura econômica, que pode ser – ou não – referendado pelos prefeitos.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Na noite desta quarta-feira (9) tive a grata satisfação de assistir a uma live organizada pelo Laboratório de Ensino de História e Geografia (Lahige) da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Em pauta, os Impactos nas Cidades e na Economia no Contexto da Pandemia da Covid-19, debatidos pelo Magnífico Reitor Alessandro Fernandes e o vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal.

Finalmente, tivemos a felicidade de constatar que há inteligência no planeta cacau, embora a prática e a execução nem sempre chegue ao destinatário, o cidadão, que paga a conta e não recebe os benefícios. Desta vez, espero que mudem-se os comportamentos e a Uesc possa interagir com a sociedade, como reclamava o ex-professor de Economia José Adervan de Oliveira, desde os tempos de cuspe e giz.

Em duas horas e meia, o reitor Alessandro Fernandes discorreu sobre como fazer ciência na academia e repassar esses conhecimentos às instituições políticas para a aplicação nas diversas cidades da região. Sei que não é fácil esse intercâmbio, haja vista os interesses díspares entre a academia e a política. Se hoje a Uesc faz tudo para sair do Salobrinho, a realidade entre os políticos se volta para o carcomido modelo do clientelismo.

Dentre os políticos do planeta cacau destaco – sem medo de cometer qualquer pecado ou injustiça – o vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, como o único que caminha com desenvoltura por entre as instituições, sempre em busca do conhecimento para aplicar em sua cidade. Não existe em qualquer cidade do sul e extremo-sul da Bahia alguém que estude Ilhéus e região e tenha os conhecimentos acumulados como ele.

Se sobram conhecimentos a Nazal, falta-lhe a caneta, como frisou durante a live, fornecendo dados contundentes, a exemplo dos arquivos digitais de aerofotogrametria do município de Ilhéus, guardados sem que prefeitos demonstrem o menor interesse sobre eles, essenciais para organizar a cidade, prospectar investimentos. É o mesmo que comprar livros de capas duras e coloridas, guardá-los numa vistosa biblioteca, não lê-los, como se ganhasse conhecimento pelos simples olhar e, quem sabe, a osmose.

A Uesc – mais uma grande criação de José Haroldo Castro Vieira – toma seu lugar no mundo da ciência e passa a administrar parte do acervo e serviços prestados pela Ceplac, igualmente criada por José Haroldo. Esse legado também será dividido com a Embrapa e a UFSB, após a decisão da morte por inanição da maior instituição de pesquisa, ensino e extensão da cacauicultura.

Atuando hoje nas mais diversas áreas do conhecimento, a Uesc volta seu foco de ação para os municípios regionais, notadamente para o enfrentamento à pandemia da Covid-19, incluindo aí os planos de abertura econômica, que pode ser – ou não – referendado pelos prefeitos. Embora as prefeituras sejam as maiores empregadoras em seus municípios, nem sempre contam com pessoal qualificado.

E nesta realidade, a Uesc é um campo fértil para as prefeituras, que por falta de bons projetos, nem sempre conseguem prospectar recursos disponíveis em bancos de desenvolvimento e no governo federal. Outro “calcanhar de Aquiles” das prefeituras é a áreas de compras – licitações –, na qual os servidores municipais poderiam “beber em fonte limpa”, e acabar com dissabores da rejeição de contas – junto com a área contábil –, caso queiram trabalhar com técnica e lisura.

Durante a live, muitas questões sobre a região cacaueira foram levantadas, sendo uma delas a realização de um amplo diagnóstico socioeconômico – nos moldes do realizado no início da década de 1970 –, em parceria com os municípios. Como suscitou Nazal, um trabalho dessa envergadura colocaria a região numa situação privilegiada para colocar o trabalho de baixo de braço – ou mandá-la por meio digital para investidores, se transformando em recursos garantidos para investimentos variados.

A esmagadora maioria dos sul-baianos não tem a menor noção do que representa o Complexo Intermodal do Porto Sul em termos de investimentos, crescimento e, possivelmente, desenvolvimento regional. Bilhões de reais serão investidos neste projeto, e o melhor: em diversas cidades, produzindo riquezas de forma solidária à população por meio da geração de emprego e renda.

Como bem disse Nazal, a qualquer dúvida sobre Ilhéus e região ele sai em busca soluções para os problemas apresentados junto aos produtores de conhecimento, notadamente determinadas áreas dos governos federal, estadual e as universidades (Uesc e UFSB). Esse seria um bom caminho a ser trilhado pelos políticos – parlamentares e gestores municipais –, que preferem o discurso vazio eleitoreiro, daí nosso estado de pobreza.

Por tudo isso e muito mais, rogo ao Magnifico Reitor Alessandro Fernandes e aos professores Humberto Cordeiro e Gilsélia Lemos que colaborem – ainda mais – com a região, disponibilizando no site da Uesc ou outro meio de comunicação as lives produzidas. Por certo, contribuirá para melhorar o nível de informação e de interesse sobre o desenvolvimento regional.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

AOS 31 ANOS, MORRE A ADVOGADA ANDREZZA BRANDÃO

Andrezza e a mãe, Marta Brandão: luta pela vida
Tempo de leitura: < 1 minuto

A advogada Andrezza Brandão faleceu na noite desta segunda (1º), em Salvador, após lutar pela vida e ocorrer uma mobilização de parentes e amigos pela doação de sangue à jovem. Aos 31 anos, Andrezza seria submetida a uma cirurgia no cérebro, no Hospital da Bahia, ainda ontem, quando os pais, José Carlos “Chapéu” e Marta Brandão, receberam a notícia de que ela não havia resistido, informa o Diário Bahia.

A jovem chegou a ficar internada por uma semana no Hospital Calixto Midlej Filho com a suspeita de ter contraído o novo coronavírus. Teste deu negativo. Sem diagnóstico de que doença acometia Andrezza, os pais batalharam pela transferência da advogada para o Hospital da Bahia, em Salvador, em uma UTI aérea. Lá, também não houve diagnóstico, segundo contou o pai, José Carlos, ao Diário Bahia.

Andrezza faleceu no momento da cirurgia. “Não sei ainda se ocorreu antes ou depois da cirurgia”, disse José Carlos ao Diário Bahia. A jovem era muita querida em Itabuna, assim como os pais, José Carlos, ceplaqueano de longa data, e Marta Brandão, servidora pública municipal. Hoje, a presidência da OAB Itabuna emitiu nota de pesar pelo falecimento da advogada.

NOTA DA REDAÇÃO: A mãe da advogada Andrezza Brandão, Marta Brandão, diz que ao contrário do informado, a jovem já havia sido diagnosticada com leucemia no Hospital Calixto Midlej Filho, em Itabuna. A transferência de Andrezza para Salvador, observa ela, ocorreu para que se identificasse o tipo de leucemia. 

Marta Brandão esclareceu que não houve cirurgia, mas, sim, a jovem, que tinha 31 e não 32 anos, teve hemorragia cerebral, o que causou a morte. “Ela estava bem, já fazendo quimioterapia”, observou, afirmando que Andrezza faria um transplante de medula. Pelos equívocos presentes no texto aqui reproduzido, com base nas informações anteriores da família, pedimos desculpas.

JACKSON MOREIRA ASSUME DIREÇÃO DO INSTITUTO BIOFÁBRICA

Jackson Moreira assume direção da Biofábrica
Tempo de leitura: 2 minutos

O administrador de empresas Jackson Moreira vai dirigir o Instituto Biofábrica da Bahia. Ele foi escolhido pelo Conselho Deliberativo, por unanimidade, e vai substituir o engenheiro agrônomo Lanns Almeida. A Biofábrica é responsável pela fabricação e distribuição, em escala industrial, de mudas clonadas de cacau, mandioca, banana, cítricos entre outros.

Jackson Moreira, servidor aposentado da Ceplac, diz que assume o órgão com a expectativa de ajudar os demais atores a impulsionar a agricultura na Bahia, especialmente a familiar e a agricultura de subsistência, pensando na reconstrução da economia rural no pós-pandemia do coronavírus.

“Quero ajudar a fortalecer as relações políticas e institucionais da Biofábrica, a fim de melhorar a captação de recursos para fomentar uma expansão da produção, visando não apenas números, mas garantindo uma vida melhor para as famílias do campo e das cidades, pensando no pós-pandemia”.

Jackson afirma que o presidente do Conselho Deliberativo, Deraldo Alves Carlos foi extremamente simpático, assim como todo os membros, que aproveitaram para garantir apoio à nova direção, especialmente as secretarias da Agricultura, do Desenvolvimento Econômico e a de Desenvolvimento Rural, bem como a Ceplac, Embrapa, Uesc e UFSB, dentre outras instituições.

Leia Mais

‘LIVE’ ABORDA HISTÓRIA DO CACAU NO BRASIL E SUA EXPANSÃO PELO MUNDO

Fernando Mendes participará da live e contará a história do cacau no Brasil e no mundo
Tempo de leitura: < 1 minuto

A história do cacau no Brasil e a importância de Portugal e Espanha para sua expansão no mundo. É sobre esse tema que o empresário Marco Lessa conversa com o pesquisador Fernando Mendes, chefe de pesquisa e extensão rural no Pará e no Amazonas. O bate-papo será nesta quinta-feira (14), às 17h, durante live (transmissão ao vivo) no perfil do Chocolat Festival no Instagram.

Idealizador do Chocolat Festival, o maior do segmento no Brasil, Marco Lessa brinca. “É fundamental para quem trabalha com cacau e chocolate, e muito interessante para quem gosta, portanto 99% das pessoas (1% faz charme), conhecer a incrível história do fruto de ouro e alimento dos Deuses, o cacau, principalmente em nosso país e na América Latina”, diz Marco Lessa, idealizador do Chocolat Festival, maior evento do segmento no Brasil.

As lives do Chocolat Festival são sempre às quintas-feiras e trazem temas variados e curiosos sobre o universo do cacau e do chocolate.

GESTÕES INOVADORAS PARA CIDADES REAIS

Tempo de leitura: 2 minutos

 

Cabe a todos, inclusive ao eleitor, a valorização de um novo modo de administrar, rompendo com os vícios que nos aprisionam ao longo das décadas.

 

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

As necessidades apresentadas pelos munícipes derivam de longos ciclos de gestores que administram nossos territórios como se estivessem gerindo uma propriedade que herdaram e que, portanto, supostamente, deveria servir aos interesses pessoais. O passar do tempo demonstra que a administração pública vem sofrendo transformações e seguindo rumo a um melhor controle social, impondo a necessidade de se desenvolver gestões inovadoras.

Essas mudanças são impostas pelas legislações e atuação mais sistematizada dos órgãos de controle. É visível a melhoria da consciência crítica. Essa constatação é perceptível de forma crescente e tem como uma das variáveis mais importantes o amplo acesso às informações por parte de camadas cada vez maiores da população.

Esse novo tempo obriga aos gestores se esforçarem para reduzir os conflitos existentes na espacialidade urbana, afinal, parafraseando o geógrafo Milton Santos, a cidade é o espaço dos conflitos onde os fixos determinam os fluxos.

Assim sendo, cabe aos gestores adotarem ferramentas que reduzam a distância entre a cidade virtual e a cidade real. A cidade virtual é aquela que se apresenta nos mapas de arquivo e que, quase sempre, norteiam as decisões nos “quadrados do poder”, enquanto a cidade real se apresenta no ir e vir dos cidadãos, na ocupação do espaço urbano e na sua funcionalidade, influenciando diretamente na qualidade de vida de todos.

É ponto passivo a necessidade de enfrentamento dos problemas na cidade real, buscando superar as dificuldades que se apresentam. Esse esforço precisa ser exercido cotidianamente pelos que gerenciam as “engrenagens públicas”, por meio da otimização dos recursos existentes e captação de novos e da apresentação de ações que dotem as cidades de mecanismos de controle capazes de melhorar o seu modelo, por consequência, o nível de vida da sua população.

Temos em Itabuna e Ilhéus um conjunto de células de conhecimento que podem ajudar as cidades-pólo e, por conseguinte, o conjunto regional. Essas células precisam ser chamadas para dentro das administrações públicas, com o propósito de, a partir do tripé ensino, pesquisa e extensão, ajudarem o desenvolvimento regional: Universidade Federal do Sul da Bahia, Universidade Estadual de Santa Cruz, faculdades privadas, Institutos de Educação, Sistema S (Sebrae, Sest Senat, Senac), CEPLAC, Instituto Biofábrica da Bahia e ONGs – com especial destaque para o “Sul da Bahia em Ação”.

Enfim, pelo elenco de instituições, podemos presumir os mecanismos que podem ser desenvolvidos para a construção dos “saberes” que podem ajudar as administrações municipais, possibilitando expertise para alterarmos qualitativamente as características, como diria o saudoso Eduardo Anunciação, do nosso “Planeta Cacau”. A sociedade regional exige essa mudança de olhar e direção na busca por melhor condição de vida. Cabe a todos, inclusive ao eleitor, a valorização de um novo modo de administrar, rompendo com os vícios que nos aprisionam ao longo das décadas.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

CEPLAC 62 X 61 INSTITUTO DE CACAU

Tempo de leitura: 2 minutos

Tyrone Perrucho

 

Hoje, quando a Ceplac ultrapassa em um ano a idade com que foi sepultado o coirmão Instituto de Cacau, estaria ela em vias de desencarnar, vítima de falência múltipla em seu já debilitado corpo?

 

 

Outrora um órgão moderno e pujante, a esvaziada Ceplac dos últimos tempos carrega nas costas, já cambaleante, o peso dos seus 62 anos de vida, criada que foi em 1957.

Criado em 1931, o Instituto de Cacau da Bahia foi também, em seus primeiros tempos, um eficiente órgão prestador de serviços à região, e que terminou extinto em 1992, aos 61 anos de existência.

Então, ao tempo em que vivenciamos os 62 anos da Ceplac, vêm à memória lembranças do falecido Instituto de Cacau, sepultado aos 61 anos. Vem daí, o título deste artiguete.

Pode ele ser tomado como um textinho insólito, ou descabido, mas que não passa em verdade de uma simplista elucubração sobre os dois instrumentos de governo que permearam os últimos 88 anos desta região (1931-2019).

Quando se emitiu o atestado de óbito do Instituto de Cacau em 1992, ele já era, há tempos, uma espécie de zumbi, um organismo morto com a aparência de vivo, sinais vitais irremediavelmente comprometidos.

Hoje, quando a Ceplac ultrapassa em um ano a idade com que foi sepultado o coirmão Instituto de Cacau, estaria ela em vias de desencarnar, vítima de falência múltipla em seu já debilitado corpo?

Sei de ceplaqueanos que já lavaram as mãos, dizendo-se desiludidos com o rumo das coisas. Sei também de outros que, ainda na ativa, têm esperanças de reversão dessa marcha batida para o fim.

Num e noutro grupo há gente capacitada para conceber uma nova Ceplac, afinada aos novos tempos. Mas seria mesmo o caso, nesses tempos bicudos de hoje, de se propor uma nova Ceplac? Ou de se fazer o que já se fez com boa parte de seu quadro de pessoal, acoplá-lo a outros órgãos? E aí esses outros órgãos, que já atuam Brasil afora, incorporariam nossa região às suas jurisdições?

Por que vejo hoje a Ceplac capengando nos seus 62 anos é que me ocorre que foi, aos 61 anos, que se fez o funeral do saudoso Instituto de Cacau.

Uma coisa tem a ver com a outra? Ou não tem?

Em tempo: Me desliguei da Ceplac por aposentadoria após 30 anos de trabalho. Isso já faz 25 anos e até hoje, não poderia ser diferente, ela está presente em mim. Confesso que sinto saudades daquele tempo e abatimento com o que vejo, sinto e sofro hoje.

Tyrone Perrucho é ceplaqueano e jornalista aposentado.

Back To Top