skip to Main Content
11 de agosto de 2020 | 07:35 pm

ANA CAÑAS, LARISSA LUZ E RENATO BRAZ LEVAM MÚSICA E POESIA PARA A 4ª FLIGÊ

Tempo de leitura: 2 minutos

Ana Cañas, Larissa Luz e Renato Braz levam musica e poesia para a Fligê

As noites da Feira Literária de Mucugê Serão animadas por música e poesia, no palco montado na Praça dos Garimpeiros. Este ano, a Fligê leva para a Chapada Diamantina, na Bahia, as cantoras Ana Cañas e Larissa Luz e o cantor Renato Braz, acompanhado por Mário Gil. O evento vai de 15 a 18 de agosto, com realização do Instituto Incluso e do Coletivo Lavra, com patrocínio do Governo do Estado.

Ana Cañas levará para o palco da feira literária voz engajada de Ana Cañas, abordando temas, como o direito das mulheres, presentes no seu mais recente trabalho, o disco Todxs. Dirigido pela própria Ana Cañas, o espetáculo tem no repertório as música que se destacaram na carreira da artista, como Respeita, Pra você guardei o amor e Urubu Rei. A cantora também recitará poemas entre uma canção e outra.

Representante da música negra contemporânea da Bahia, Larissa Luz é dona de uma performance marcante nos palcos. No show Trovão, a soteropolitana apresenta em Mucugê um ritual baile que propõe conexão do sublime com o terreno, atualizando mitos yorubás e conduzindo um encontro entre som e movimento na pista.

Já o cantor e compositor paulistano Renato Braz apresenta um repertório que passeia por sua trajetória musical, incluindo canções do disco lançado em 2018, “Canto Guerreiro, Levantados do Chão”. Renato coleciona prêmios desde a sua estreia, em 1996, como o 5º Prêmio Visa de MPB (2002) e o Prêmio Rival Petrobras na categoria Cantor Popular (2006).

Como já faz parte da tradição, no fim da tarde do domingo (18), a música instrumental que será a trilha sonora do encerramento, com um concerto regido pelo maestro João Omar de Carvalho Mello.

FESTIVAL NO VALE DO CAPÃO REUNIRÁ TALENTOS DO JAZZ NACIONAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Vale do Capão abriga festival de jazz mais uma vez || Foto Açony Santos

O Vale do Capão, um dos destinos mais procurados por quem busca o equilíbrio entre corpo e mente, será palco de um dos mais emblemáticos festivais de jazz do Brasil. O Festival de Jazz do Capão, neste ano, será nos dias 21 e 22 de setembro. Os espetáculos, que reúnem grandes talentos da música instrumental, começarão a partir das 20h, na Praça da Vila do Capão, em Caeté-Açú, distrito do município de Palmeiras, Chapada Diamantina, a 440 km de Salvador.
A programação do Festival, que está em sua 7ª edição, é gratuita. Na sexta-feira (21), A Mostra Capão abre o evento, com Stefano Cortese Trio e convidados. Na sequência, apresentam-se o músico Paulo Mutti, a dupla Filipe Moreno e Tarcísio Santos e o grupo Conexão Berlin, da Alemanha.
A noite do sábado (22) começa com a Mostra EMUS/UFBA, apresentando Jessica Kaline Quarteto, seguida do Eric Assmar Trio – em um Tributo a Álvaro Assmar, do saxofonista Joander Cruz e, para fechar, Dani e Debora Gurgel Quarteto. Confira a programação completa, abaixo.

Leia Mais

HOMEM QUE MATOU ESPOSA NA FRENTE DOS FILHOS É PRESO EM MILAGRES

Tempo de leitura: 2 minutos

João Silva dos Santos foi preso em Milagres pela Polícia Civil

Delegado Ricardo Ribeiro diz que homem vivia em várias cidades para não ser capturado

Investigadores da Delegacia de Polícia Civil em Milagres, na Chapada Diamantina, cumpriram, nesta terça-feira (22), um mandado de prisão preventiva contra João Silva dos Santos, de 65 anos. João matou a esposa com um tiro na cabeça por desconfiar que ela estava traindo ele. O crime ocorreu no município de Brejões, vizinho a Milagres, em 2005.
João fugia da polícia há 13 anos, mudando sempre de cidade. “Ele viveu em Planalto, Irecê, Iaçu e outras cidade, durante este tempo, para não ser capturado”, disse o delegado Ricardo Ribeiro, titular da Delegacia da Polícia Civil em Milagres.
João confessou que matou Ana Lúcia Conceição na frente dos filhos, que na época eram crianças, usando uma arma tipo garruncha. Desde que chegou a Milagres, o criminoso passou a trabalhar como motorista e agia de modo a não levantar suspeitas sobre sua conduta.
Segundo Ricardo Ribeiro, quando os policiais descobriram que João estava na cidade, foi encaminhado um ofício para a Coordenação de Polícia Interestadual (Polinter), que confirmou o mandado de prisão. A Comarca de Amargosa, que responde por Brejões, já foi comunicada sobre a prisão do homicida, que espera o recambiamento.

A UTOPIA CANAVIEIRENSE

Tempo de leitura: 5 minutos

Walmir Rosário 3Walmir Rosário | wallaw2008@outlook.com

Para a Maçonaria, a utopia surge como uma sociedade dentro da própria sociedade, dela extraída por um processo seletivo que pode variar no tempo e no espaço. De simples ideia passa a ser uma prática de vida, na qual o homem sente que pelo exercício de uma disciplina mental, orientada por uma ação divina, pode se viver melhor.

 

Segundo os historiadores, há utopias sonhadas e utopias tentadas. Umas assumem o papel político enquanto outras o religioso. Algumas são apenas sonhos de filósofos, que jamais saem dos livros. Já a Maçonaria abrange as duas, pois é uma utopia filosófica e uma tentativa de implantá-la na prática. Por isso, tem envolvimentos com a política e ainda é confundida com a religião.

A utopia prega um modo de vida universal – como na Maçonaria – com a finalidade de redimir o homem pecador e formar uma verdadeira fraternidade, em que o profano possa conviver com o religioso. Para isso, são escolhidos no meio social indivíduos de elite moral, no sentido de prepará-los para servir de alicerce para essa sociedade, seja nos aspectos espirituais ou interesses mundanos. Mas como é possível fazer isso numa sociedade múltipla, diversa? Veremos com a história de nossa cidade:

Para Canavieiras, convergiram todos os povos, diferentes etnias. Cada um em busca de novas oportunidades. A data mais precisa desta invasão é o ano da era vulgar de 1882, quando foi noticiada mundo afora a descoberta de diamantes no Córrego do Salobro, terras da Vila Imperial de Canavieiras.

Brasileiros e estrangeiros de várias nacionalidades aqui aportaram em navios e canoas – até mesmo em lombo de burros. Entre os nativos, a grande maioria da Chapada Diamantina, com a única preocupação de “bamburrar”, ficar rico e poderoso faiscando os famosos diamantes das fraldas da Serra da Onça.

Sozinhos ou com as famílias, vieram de toda as partes do mundo para desbravar as matas, vasculharem os rios e córregos. Até mesmo uma empresa francesa investiu pesado na importação de equipamentos para esvaziar a Lagoa Dourada, onde acreditava-se ser um depósito fervilhante dessas pedras preciosas. Apesar das motobombas trabalharem dia e noite, todo o esforço foi em vão e quanto mais tiravam, mais água ajuntava.

Como gente atrai gente – por ser o homem um animal gregário –, uma leva de mascates deixou de preambular de povoamento em povoamento para se aqui se estabelecer. Comércios de todos os tipos foram abertos, desde os armazéns de secos e molhados, com produtos para a subsistência e o trabalho, quanto para o luxo e o divertimento, uma praxe para os padrões da época.

Como bem nos narra o livro Canavieiras – Terra Mater do Cacau, de autoria dos professores Durval Pereira da França Filho e Aurélio Schommer, no capítulo “Todos Diferentes, Todos Iguais”, aqui se misturaram europeus, africanos, asiáticos, indígenas e os já brasileiros, numa grande miscigenação. Aos poucos, os nomes estrangeiros foram se associando aos locais, formando a população que hoje conhecemos.

Essa mudança na cor da pele também influenciou os costumes, a maneira de agir e de falar, deixando para trás usos e costumes tradicionais. A herança cultural nem sempre era conservada, ou pouco preservada em raros momentos do recesso do lar. Agora, tudo girava sobre o fazer fortuna em Canavieiras, conforme a pretensão de cada um que para aqui se deslocou com essa finalidade.

Leia Mais

FEIRA LITERÁRIA DE MUCUGÊ PRESTA HOMENAGEM A EUCLIDES DA CUNHA

Tempo de leitura: 2 minutos
A bela Mucugê será a capital literária baiana em agosto || Foto Elói Corrêa/GovBA

A bela Mucugê será a capital literária baiana em agosto || Foto Elói Corrêa/GovBA

A 2ª edição da Feira Literária de Mucugê (Fligê) vai movimentar a Chapada Diamantina, de 10 a 13 de agosto. Este ano, a feira tem como homenageado o autor de Os Sertões, Euclides da Cunha (1866-1909), como parte das comemorações pelos 120 anos da Guerra de Canudos. Entre os nomes já confirmados para o evento, estão a atriz e escritora Ingra Liberato, o deputado federal e também autor literário Jean Wyllys, além de atrações musicais como o cantador Elomar e a Orquestra Juvenil da Bahia (Neojiba).

Com o tema “Somos paisagens dos sertões em rotas de composições”, a Fligê tem o propósito de apresentar, difundir e valorizar a obra literária em sua natureza plural e em diálogo com outras expressões artísticas. Durante a feira, o público poderá ainda conhecer mais sobre o trabalho das poetisas Martha Galrão e Ângela Wilma, cuja participação também já confirmada.

Adroaldo lança obra na Fligê || Divulgação

Adroaldo Almeida, de Itororó, lança obra na Fligê || Divulgação

Grande parte da programação se concentrará no Centro Cultural de Mucugê, mas haverá também atividades na Casa da Filarmônica Vila Igatu, escolas e espaços públicos da cidade. Nesses locais, acontecerão conferências, mesas de conversa, encontros literários, concertos lítero-musicais, lançamentos de livros, leituras guiadas, contação de estórias, oficinas, estandes/editoras, intervenções artísticas, filmes, shows e atividades afins, com a participação de conceituados autores e autoras do circuito nacional, bem como a nova geração que se dedica a encontrar seu espaço para apresentação de sua obra.

A programação, totalmente gratuita, dirige-se ao público adulto, mas também, dispõe de um espaço para o encontro do público infantil e comunidade estudantil: a Fligezinha, que permitirá aos participantes, experimentações literárias, além de vivências de leitura inclusiva. A Feira Literária de Mucugê tem o apoio financeiro do Governo do Estado, por meio das secretarias de Cultura e da Fazenda do Estado, além do Ministério da Cultura (MinC), e conta com parceria da Prefeitura de Mucugê.

FAMÍLIA OFERECE RECOMPENSA POR INFORMAÇÕES DE ESPANHOL DESAPARECIDO NA BAHIA

Tempo de leitura: 2 minutos
Hugo está desparecido desde 20 de dezembro passado (Foto Álbum de Família).

Hugo desapareceu em dezembro (Foto Álbum de Família).

A dor pelo desaparecimento de Hugo Ferrara Tormo levou a família do espanhol a oferecer recompensa a quem repassar informações que ajudem a localizar o jovem ou o seu corpo. Giovanni Ferrara disse estar sem informações do filho desde o dia 20 de dezembro do ano passado, data de registro do desaparecimento na Chapada Diamantina, na Bahia.

O rastreamento de informações comprovam que ele se registrou e passou por uma trilha do Vale do Capão, a 21, no ponto de encontro com o Ribeirão. O destino, conforme a família, era Lençóis, também na Chapada Diamantina, na Bahia.

De acordo com Giovanni, as informações de que o filho passou pela trilha do Vale do Capão, chegando até o final do Canyon, foi obtida por meio de busca com cães de resgate. “Agora estão realizando uma busca com cães, mas ainda não temos notícias”, diz o pai do homem de 27 anos. “Gostaria que houvesse mais interesse por parte das autoridades brasileiras em colaborar”.

A família está oferecendo recompensa de R$ 15 mil a quem passar informações corretas. “Nossa família poderá descansar mais tranquila depois de saber o que realmente aconteceu com meu filho e esse sentimento não se pode pagar com dinheiro”, diz Giovanni.

Os contatos para informações, passados pela família, são os de Giovanni — telefone 0034 659711392 (WhatsApp) ou gerencia@bcntraducciones.com — ou da irmã de Hugo, Paola Ferrada — telefone 0034 660903053 (Whatsapp) e ferraratormopaola@gmail.com.

 

MPF ENCONTRA INDÍCIOS DE INCÊNDIO CRIMINOSO NA CHAPADA DIAMANTINA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Incêndios na Chapada Diamantina avançam sobre 30 mil hectares (Foto ICMBio).

Incêndios na Chapada Diamantina avançaram sobre 30 mil hectares (Foto ICMBio).

O Ministério Público Federal (MPF) em Irecê/BA requisitou instauração de Inquérito Policial para apurar se os incêndios ocorridos no Parque Nacional da Chapada Diamantina foram resultado da atuação humana, o que pode representar crime ambiental. Os ofícios foram expedidos à Polícia Federal ontem (26).

Durante investigação que buscou apurar as providências adotadas pelos órgãos competentes para combater o fogo, o MPF encontrou indícios de que o incêndio pode ter sido provocado pelo homem. De acordo com os esclarecimentos encaminhados pela Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) na Bahia e pela Secretaria do Meio Ambiente no Estado da Bahia (Sema), há sinais de que as queimas, que já atingiram uma área de aproximadamente 30 mil hectares, possam estar ocorrendo de forma intencional.

Para o procurador da República Márcio Albuquerque de Castro, “é revoltante descobrir que um dos fatores que propiciaram tal devastação ambiental corresponde, justamente, à atuação criminosa do ser humano.” Castro requisitou a visita de equipe da Polícia Federal até o Parque, o mais rápido possível, para apuração dos fatos.

FAB REFORÇA COMBATE A INCÊNDIO NA CHAPADA DIAMANTINA

Tempo de leitura: 2 minutos
Incêndios na Chapada Diamantina avançam sobre 9 mil hectares.

Incêndios na Chapada Diamantina avançam sobre 9 mil hectares (Foto ICMBio/Divulgação).

O governador Rui Costa garantiu a ampliação do combate aos incêndios que atingem a Chapada Diamantina. O Ministério da Defesa liberou o envio de duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) para atuar na região a partir desta semana, além do apoio do Exército com equipamentos que serão enviados o quanto antes. As duas aeronaves devem pousar na Chapada Diamantina nesta segunda-feira (16).

Os aviões da FAB, modelo Hércules, irão se juntar aos outros quatro aviões Air Tractor e dois helicópteros já enviadas à Chapada Diamantina pelo Governo do Estado. Sete veículos, também enviados pelo Estado, estão sendo utilizados para transporte de bombeiros e brigadistas em áreas de difícil acesso, no combate às chamas na região.

O Exército Brasileiro também disponibilizou três carros-pipas, quatro jipes marruá para o transporte de equipamentos e pessoal. Juntamente com os equipamentos, o Exército envia 21 militares para que possam operar esses equipamentos. “A situação é muito crítica e ainda não está controlada. Estamos empregando todo o efetivo necessário e já identificamos uma redução no número de focos de incêndio desde a última sexta”, pontuou o governador.

O estado diz ter investido cerca de R$ 7 milhões em estrutura para combater esse tipo de ocorrência. “Mas o trabalho precisa ser articulado entre os diversos poderes e segmentos da sociedade. E é isso que temos buscado”, explicou Rui.

O governo está trabalhando com 57 soldados praças dos bombeiros, 14 oficiais na função de coordenação e comando, sete técnicos da Sema/Inema e 50 brigadistas voluntários, em campo, combatendo as chamas diariamente.

Leia Mais

FESTIVAL DE LENÇÓIS COMEÇA HOJE

Tempo de leitura: 2 minutos
Festival de Lençóis espera reunir cerca de 30 mil pessoas (Foto Divulgação).

Festival de Lençóis espera reunir cerca de 30 mil pessoas (Foto Divulgação).

Começa nesta sexta-feira (9), na Chapada Diamantina, a 17ª edição do Festival de Lençóis. A organização da festa tem a expectativa de levar aproximadamente 30 mil pessoas para a região, até o show da Baiana System, última banda a subir ao palco, no domingo (11). O festival tem patrocínio do Governo Baiano, por meio do FazCultura.

Mais uma vez, o evento apresenta na Praça Horácio de Mattos uma grade musical que deve agradar diferentes gostos. Entre as atrações nacionais, estão Pedro Mariano, Leo Jaime e Diogo Nogueira. Entre as bandas que embarcam de Salvador, a Baiana System e Scambo.

A cantora Márcia Castro é outra baiana que deve fazer balançar a praça com seu show bom de assistir e dançar. As atrações locais também estão na mira do público, que sempre se surpreende com o belo trabalho que levam para o festival. Este ano, a cidade anfitriã está representada musicalmente pelos grupos Choro Labuta, Helio Bahia e banda, Griô e Raiz do Vento.

Nesta edição, o Festival de Lençóis apresenta uma mensagem pelo meio ambiente, diante das queimadas que estão acontecendo em algumas regiões da Chapada Diamantina. Os artistas se engajarão na causa e convocarão o público a abraçar a bandeira contra os incêndios, tendo cuidado com pontas de cigarro, uso de velas e outros materiais inflamáveis perto das matas. O evento apoia a campanha Bahia contra o Fogo.

Programação (palco principal)
A partir das 19h30min

Sexta-feira (9)
Choro Labuta
Márcia Castro
Leo Jaime
Hélio Bahia e banda

Sábado (10)
Griô
Pedro Mariano
Scambo
Banda Zion

Domingo (11)
Raiz do Vento
Diogo Nogueira
Baiana System

HOTÉIS E EMPRESAS AÉREAS FAZEM PROMOÇÕES DURANTE A COPA

Tempo de leitura: 3 minutos
Viagens estão mais em conta com promoções de agências e aéreas (Foto ABr).

Viagens estão mais em conta com promoções de agências e aéreas (Foto ABr).

Da Agência Brasil
Quem pensa em viajar durante as férias de julho e não se programou com antecedência pode ter uma boa surpresa ao pesquisar os preços de pacotes turísticos e passagens. Como as vendas ficaram abaixo do que muitos empresários esperavam para o período de Copa do Mundo, agências de viagens, hotéis e empresas aéreas tentam atrair os viajantes de última hora com promoções.
Segundo a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), cujos associados respondem por 90% dos pacotes turísticos comercializados no país, a coincidência entre a realização do Mundial e as férias teve um “efeito colateral”, esvaziando alguns destinos turísticos tradicionais. Para recuperar a clientela, algumas dessas localidades estão oferecendo pacotes de viagem até 40% mais baratos que no mesmo período de 2013.
De acordo com o presidente da Braztoa, Marco Ferraz, além da comodidade, fatores como os altos preços cobrados meses antes do início da Copa e o medo de problemas e transtornos desestimularam muitos brasileiros a viajar, levando-os, em um primeiro momento, a optar por ficar em casa durante as férias de julho.
Mesmo sem dados consolidados, o diretor de comunicação da Confederação Nacional de Turismo, José Osório Naves, atribuiu a ociosidade de poltronas em voos domésticos e de leitos em hotéis, pousadas e resorts, principalmente das cidades onde não já jogos, à expectativa que antecipou o Mundial.

Leia Mais
Back To Top