skip to Main Content
4 de julho de 2020 | 06:11 am

DESORGANIZAÇÃO E ABANDONO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Mendigos na Praça José Bastos, no centro de Itabuna.

Mendigos na Praça José Bastos, no centro de Itabuna.

Indignado com o abandono de áreas de lazer em Itabuna e a desorganização na área central, leitor do blog resolveu desabafar. Eis o lamento:

Hoje, qualquer morador que gosta de Itabuna tem vergonha de receber um visitante e apresentar a cidade. O centro é uma completa desorganização: pedestres disputam espaço com ambulantes, o entorno da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) transformou-se numa extensão do Centro Comercial, uma grande feira-livre. As praças centrais são morada de mendigos e usuários de crack. A praça José Bastos, no coração da cidade, é cenário dos mais deprimentes. Ali, mendigos utilizam o espaço para lavar e secar suas roupas, cozinhar e até manter relações sexuais.

A atual gestão está vivendo seus últimos dias. Infelizmente, não podemos contar com a prefeitura nem para resolver os menores problemas do dia a dia. Parece que o prefeito Claudevane Leite não vê a hora de passar a bola, o pepino para o seu sucessor.

ACESSIBILIDADE: O ESPAÇO URBANO E SEUS CONFLITOS

Tempo de leitura: 3 minutos

rpmRosivaldo Pinheiro | rpmvida@yahoo.com.br

 

A Conferência das Cidades deste ano, inclusive, propõe o imenso desafio de melhorar a qualidade de vida atual e possibilitar avanços consistentes para não se comprometer a sustentabilidade futura.

 

As cidades também são conhecidas como “espaços de conflitos”, tamanhas são as necessidades de atendimento a diversas expectativas dos seus residentes. Dentro desse cenário existem agravantes, um deles é que a instalação dos equipamentos físicos (fixos) atende aos interesses dos investidores públicos e privados e não à necessidade primária dos que buscam o atendimento das suas pautas reivindicatórias, gerando uma série de impactos à vida dos munícipes. A mutação da realidade após a instalação das novas construções impacta no direcionamento do fluxo – indivíduos, produtos, ideias e tudo que se move.

A alteração do espaço urbano visa atenuar os conflitos oriundos dos movimentos organizados em prol de influenciar na organização da cidade, tendo em vista a contemplação dos seus anseios, e isso exige do poder público uma série de investimentos. À medida que há uma evolução da sociedade no aspecto do conhecimento dos seus direitos, há uma intensificação dos debates, influenciando diretamente na forma de organização da cidade.

A Conferência das Cidades deste ano, inclusive, propõe o imenso desafio de melhorar a qualidade de vida atual e possibilitar avanços consistentes para não se comprometer a sustentabilidade futura. O tema da conferência das cidades esse ano atende ao objetivo de compreensão das funções das cidades: Função Social da Cidade e da Propriedade; Cidades Inclusivas, Participativas e Socialmente Justas.

Leia Mais

PERIGO NA RUFFO GALVÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Imóvel Ruffo GalvãoUm imóvel em reforma está sendo usado como abrigo por usuários de drogas no centro de Itabuna. Tornou-se um perigo para comerciantes da região. Os pequenos furtos tornaram-se ainda mais comuns no trecho da Rua Ruffo Galvão onde está localizado o imóvel. A obra, aparentemente, não possui autorização do Conselho Regional de Engenharia (Crea).

UM LAGO DE ESGOTO NO CENTRO DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

esgoto

A Emasa precisa tomar uma providência urgente com relação a um problema na rede de esgoto que há semanas transformou parte da Praça Laura Conceição (trecho do cruzamento entre as ruas Duque de Caxias e Alício de Queiroz) em um imundo lago de dejetos.
Nem precisa dizer que a empresa responsável pelo saneamento básico da cidade já foi informada da situação, faltando apenas comparecer para resolvê-la. Enquanto isso, o cenário é esse da foto.
Providencialmente, alguém tirou uma placa que estava em outro ponto da praça e fixou-a no meio da imundície. A mensagem associa cidade limpa a povo civilizado, mas é importante lembrar dos órgãos ou empresas que às vezes deixam de cumprir suas obrigações.

CHOVEU, ALAGOU…

Tempo de leitura: < 1 minuto

alagou

A Avenida Cinquentenário, em Itabuna, é assim: basta uma chuva rápida para alguns trechos ficarem alagados. A água empossada invade lojas e dificulta o tráfego dos pedestres.

A situação é antiga e perdura ao longo de sucessivos governos, que ainda não demonstraram capacidade para melhorar o sistema de drenagem da avenida e de outras vias do centro de Itabuna, onde ocorre idêntico problema.

O governo Azevedo, aliás, recebeu verba para revitalizar a Cinquentenário e o que fez não foi mais que um passeio ridículo, no qual mulheres precisam ter habilidade de equilibrista para caminhar.

A foto é do repórter Oziel Aragão, do Plantão Itabuna.

PROBLEMAS NA COLETA DE LIXO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Lixo acumulado nesta manhã na Rua Duque de Caxias, centro de Itabuna (foto Pimenta)

Lixo acumulado nesta manhã na Rua Duque de Caxias, centro de Itabuna (foto Pimenta)

Moradores de vários bairros de Itabuna se queixam da deficiência na coleta de lixo. Na manhã desta segunda-feira, 22, pilhas de resíduos podiam ser vistas amontoadas tanto em áreas da periferia como no centro da cidade.

A situação é crítica em determinados locais, como o loteamento Monte Líbano, no bairro São Roque. Moradores da rua onde funciona a unidade de saúde Dilson Cordier afirmam que o serviço de coleta não é realizado ali há aproximadamente dez dias.

Próximo desse local, na esquina da Rua Independência com a João Timóteo, no acesso ao bairro Castália, também há lixo acumulado.

Na semana passada, o PIMENTA denunciou a empresa responsável pela coleta por não fornecer equipamentos de proteção individual aos funcionários, expondo os mesmos a riscos.

PRAÇA CLARA KAUARK

Tempo de leitura: < 1 minuto

A arquiteta Clara Kauark, falecida em abril de 2011, vai virar nome de praça em Itabuna. O logradouro fica no bairro Zildolândia, bem próximo à casa onde a homenageada residia.

O projeto que presta a homenagem originou-se de um abaixo-assinado de moradores do bairro e é de autoria do vereador Júnior Brandão (PT), tendo sido aprovado por unanimidade na primeira votação nesta terça-feira, 16. A segunda apreciação será hoje, a partir das 17 horas.

A propósito da praça em questão, ela ainda é apenas um terreno baldio. O plano é que, depois de ganhar o nome da arquiteta que desenhou tantos projetos em Itabuna (a exemplo da Praça Rio Cachoeira), a área seja transformada

ONDE É QUE AMARREI MEU “JEGUE”

Tempo de leitura: < 1 minuto
Orelhão, que não servia para nada, ganhou uma utilidade (foto Zeka/Pimenta)

Orelhão, que não servia para nada, ganhou uma utilidade (foto Zeka/Pimenta)

Duas coisas bastante comuns em Itabuna: animais soltos pelas ruas e telefones públicos que não funcionam. Pois a lógica e a conveniência determinaram a união desses dois fenômenos tipicamente itabunenses, fazendo surgir o “Jegue Parking” (aportuguesando, é estacionamento de jegue mesmo). Serve também para equinos (como o da foto), cachorros e outros animais. O negócio é não deixar o bicho solto.

Mas é bom aproveitar, pois por enquanto nem a Secretaria de Trânsito nem a Oi estão cobrando pelo serviço.

EMASA COMPARECE NA JOÃO TIMÓTEO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Serviço foi realizado na tarde desta segunda (foto Pimenta)

Serviço foi realizado na tarde desta segunda (foto Pimenta)

A Emasa atendeu aos reclamos dos moradores da Rua João Timóteo, no bairro Castália, e finalmente resolveu o problema na rede de esgoto daquele logradouro. O serviço foi realizado na tarde desta segunda-feira, 1º, acabando com um riacho de dejetos que fazia parte da paisagem do local há dois meses.
A situação da João Timóteo foi denunciada pelo PIMENTA na quinta-feira, 28.

VALEU O PROTESTO II

Tempo de leitura: < 1 minuto

Assim como na Rua Rio Colônia, bairro Góes Calmon, onde os moradores protestaram devido a um buraco aberto pela Emasa e a empresa logo deu jeito no problema (veja), a situação da Rua Major Dórea, no Castália, também foi resolvida após uma queixa publicada neste blog na segunda-feira, 27.
Ontem, a Prefeitura mandou “passar a máquina” na rua, que estava cheia de crateras após 25 anos de esquecimento por parte do poder público.
A pressão funcionou. Quanto ao governo, não faz mais que sua obrigação ao cuidar da cidade e fazer jus (e ainda falta muito para isso) aos impostos pagos pelos cidadãos.

Back To Top