skip to Main Content
28 de novembro de 2020 | 10:10 am

SUCESSÃO DE ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

O problema é juntar o, digamos, “hibridismo político” no mesmo palanque. Todos de mãos dadas: Geraldo Simões, Fernando Gomes, Augusto Castro, Davidson Magalhães, Claudevane Leite, os médicos Eric Ettinger Júnior e Renato Costa, Roberto Minas Aço e etc .

 

Os articuladores políticos do PT, quando a pauta é a sucessão do prefeito Fernando Gomes, são unânimes em afirmar que a união das legendas da base aliada do governo Rui Costa é imprescindível para derrotar os que eles acham que não farão campanha para o candidato do partido na eleição de 2022.

O comando estadual da legenda, ainda sem o aval do governador, já se posicionou, pelo menos informalmente, mas de maneira incisiva e intransigente, que o lançamento de candidatura própria para o cobiçado Palácio de Ondina é decisão irrevogável.

Os petistas, mais especificamente os mais vistosos, que exercem uma certa liderança sobre os demais, estão preocupados com o fato de que os três prefeituráveis que estão na frente nas pesquisas de intenções de voto não são politicamente confiáveis, não vão rezar pela cartilha dogmática do partido.

Mangabeira, do PDT, é quem mais causa arrepio no staff petista. Vale lembrar que o governador Rui Costa apoiou Fernando Gomes, então candidato do DEM, no pleito de 2016. O alcaide pretende disputar o sexto mandato tendo Rui novamente do seu lado.

O capitão Azevedo, do PTB, vem conversando com o prefeito ACM Neto sobre sua possível filiação ao DEM. O problema do ex-gestor é sua instabilidade política, o que termina colocando algumas pulgas atrás das orelhas do chefe do Palácio Thomé de Souza.

O outro é o ex-tucano e ex-deputado estadual Augusto Castro, hoje filiado ao PSD do senador Otto Alencar. Além de ser um histórico antipetista, que fazia oposição dura aos governos do PT, defende a candidatura de Otto na sucessão de Rui Costa. Como não bastasse, não quer nem ouvir falar do “Lula Livre”.

O problema é juntar o, digamos, “hibridismo político” no mesmo palanque. Todos de mãos dadas: Geraldo Simões, Fernando Gomes, Augusto Castro, Davidson Magalhães, Claudevane Leite, os médicos Eric Ettinger Júnior e Renato Costa, Roberto Minas Aço e etc .

Obviamente que o candidato de ACM Neto, também postulante a ser o morador mais ilustre do Palácio de Ondina, vai ser aquele com mais chances de derrotar a opção que surgirá dessa difícil missão de buscar um nome de consenso da base aliada do governador Rui Costa.

O ex-prefeito Geraldo Simões, hoje uma espécie de “patinho feio” na cúpula do PT, assim que soube da aliança de Rui Costa com Fernando Gomes, a definiu como “casamento de cobra com jacaré”.

Pelo andar da carruagem, parece que Geraldo se enganou. O governador e o prefeito estão tendo um bom relacionamento político. No staff fernandista, tem até quem aposte que o apoio de Rui ao sexto mandato de FG é favas contadas.

PS – Correligionários mais próximos de Fernando Gomes não descartam a possibilidade de ter Azevedo como vice. Esperam, ansiosamente, o resultado da conversa do capitão com ACM Neto.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

FERNANDO, MANGABEIRA, JOSIAS E A DISPUTA DE 2020

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

É bom lembrar que na última vez que falou sobre a sucessão de 2020, no programa de Roberto de Souza, Rádio Nacional, Josias não descartou a possibilidade de sair candidato a prefeito de Itabuna. Transferiria seu domicílio eleitoral de Ilhéus para a irmã e vizinha cidade.

 

Um, dois, três… De quinze pré-candidatos, somente cinco ou seis vão até o fim disputando a sucessão de Fernando Gomes, prefeito de Itabuna por cinco vezes.

Dificilmente teremos outro político para superar essa marca de ter governado Itabuna em cinco oportunidades, sendo sempre derrotado quando tentava o segundo mandato consecutivo.

Com efeito, nenhum alcaide conseguiu quebrar o tabu de permanecer no cargo pelo instituto da reeleição. O eleitorado itabunense não gosta de reeleger o chefe do Executivo.

O substituto de Fernando, que será conhecido em outubro de 2020, vai sair do grupo do governador Rui Costa ou de Mangabeira, sem dúvida o nome da oposição com mais chances de derrotar o candidato do governismo, seja municipal ou estadual.

O candidato do governador será também o de Fernando Gomes e vice-versa. Não teremos dois postulantes ao Centro Administrativo Firmino Alves dessa aliança. A tendência é pela escolha de um petista.

Nos bastidores, principalmente do Palácio de Ondina, o que se comenta é que Josias Gomes, ex-secretário de Relações Institucionais, seria o nome indicado pela cúpula do PT com o aval de Rui Costa e o ok de Fernando Gomes.

É bom lembrar que na última vez que falou sobre a sucessão de 2020, no programa de Roberto de Souza, Rádio Nacional, Josias não descartou a possibilidade de sair candidato a prefeito de Itabuna. Transferiria seu domicílio eleitoral de Ilhéus para a irmã e vizinha cidade.

Do outro lado, o grupo de Mangabeira com Augusto Castro e todos que querem uma mudança na política de Itabuna, um ponto final no fernandismo, que não pode ser subestimado, continua enraizado e respirando sem ajuda de aparelhos.

Se a eleição fosse hoje, o prefeito de Itabuna seria o médico Antônio Mangabeira, do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

O que chama atenção na sucessão de 2020, é a pretensão de se candidatar dos ex-prefeitos Geraldo Simões, Claudevane Leite e Capitão Azevedo. Os dois primeiros ligados ao PT. O militar a ACM Neto, gestor soteropolitano, presidente nacional do DEM e candidatíssimo ao governo da Bahia no pleito de 2022.

No mais, esperar o desenrolar dos acontecimentos para um comentário mais firme, consistente e com pouca especulação.

Vale ressaltar que especular, dentro de uma certa lógica e racionalidade, é inerente ao jornalismo político. Do contrário, a análise ficaria condicionada ao surgimento do fato, que poderia acontecer até mesmo na véspera do dia da eleição. Portanto, a projeção do que pode vim pela frente é perfeitamente aceitável.

Lá na frente teremos o fernandismo e o petismo de mãos dadas para fazer o sucessor de Fernando Gomes, ilustre integrante do Movimento dos Sem Partido, o MSP.

Marco Wense é articulista e colunista do Diário Bahia.

RUI, NETO E O ENLAMEADO PMDB

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

 

Quando questionados sobre o PMDB, tanto Rui Costa como ACM Neto dão respostas evasivas ou fogem das perguntas como o diabo da cruz.

 

O que ainda faz o PMDB ser procurado é o invejável tempo que o partido dispõe no horário eleitoral, salvo engano quase cinco preciosos minutos.

E aí me lembro da campanha do médico Antonio Mangabeira na sucessão do prefeito Claudevane Leite. O pedetista, obviamente do PDT, tinha 22 segundos na telinha.

Foi um Deus nos acuda. Não deu nem para o vice falar alguma coisa. A turma do marketing, mesmo com esses segundinhos, deu um show de competência.

Mangabeira foi o segundo mais votado com 18.813 votos, seguido de Augusto Castro (PSDB), Capitão Azevedo (PTB), Geraldo Simões (PT) e Davidson Magalhães (PCdoB).

Fernando Gomes, então candidato do DEM, com o apoio do PT, foi eleito. É bom lembrar que Mangabeira teve mais votos do que Simões e Magalhães juntos.

Os motivos que levam o governador Rui Costa e o prefeito ACM Neto a evitar comentários sobre o enlameado PMDB são um pouco diferentes.

O alcaide soteropolitano pensa no PMDB na sucessão estadual. Já o petista não quer atrapalhar as articulações do petismo com o peemedebismo na eleição presidencial.

Lula anda de namoro com várias lideranças do PMDB, inclusive com o senador Renan Calheiros, um dos responsáveis pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Com essa aproximação, os petistas jogam na lata do lixo o discurso do “golpe” e irrita os segmentos do PT que ainda se mantém com credibilidade.

Quando questionados sobre o PMDB, tanto Rui Costa como ACM Neto dão respostas evasivas ou fogem das perguntas como o diabo da cruz.

Ao ser indagado sobre sua opinião em relação a uma eventual prisão dos irmãos Vieira Lima, Rui saiu pela tangente: “Não gosto de absolver nem condenar ninguém”.

“Não tenho bola de cristal”, diz Neto sobre o futuro do PMDB, que já foi o MDB de Ulysses Guimarães e de tantos outros políticos de respeito.

Rui Costa e ACM Neto, quando o assunto é o PMDB, agem da mesma maneira. Ambos são escorregadios.

Marco Wense é editor d´O Busílis.

ELEITORADO DE ITABUNA CRESCE 14,77% EM OITO ANOS

Tempo de leitura: 2 minutos

eleições 2014O eleitorado de Itabuna cresceu 14,77% em um intervalo de oito anos, de acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No próximo 2 de outubro, 150.221 eleitores poderão ir às urnas.

Já em 2012, quando o eleito foi Claudevane Leite (PRB), que não concorre à reeleição, estavam aptos 145.005. O município possuía 130.889 eleitores em 2008, ano em que Capitão Azevedo, hoje pré-candidato pelo PTB, saiu vencedor.

As mulheres representam 54,29% do eleitorado itabunense, de acordo com os dados divulgados. Os homens, 45,58%. O universo de pessoas que não informaram o sexo chega a 0,11%.

Eleitores que votarão para prefeito e vereador pela primeira vez serão 2.733, dos quais 280 têm 16 anos. Outros 713 têm 17 anos e 1.740, 18 anos.

Dos aptos a comparecer à urna em outubro, 33.120 são jovens – 16 aos 29 anos.

O maior percentual de eleitores situa-se na faixa dos 30 a 34 anos. São 17.798. Dos 35 aos 39 anos, é próximo: 17.076.

Ainda conforme o TSE, quase 20% do eleitorado itabunense é idoso. Representa 28.640 dos aptos a eleger vereadores e prefeito, dos quais 5.116 estão com 79 anos ou mais.

ILHÉUS ATINGE 135,4 MIL ELEITORES

A Justiça Eleitoral aponta que 135.424 pessoas poderão escolher o sucessor de Jabes Ribeiro (PP) e os novos vereadores. Em 2012, eram 132.366.

Dos aptos para as eleições 2016, 71.349 identificaram-se como do sexo feminino, enquanto 63.966 são homens. Os que não informaram o sexo, 109.

2.307 eleitores são da faixa dos 16 aos 19 anos. E 31.471 estão na faixa dos 30 a 39 anos, de acordo com o TSE. Do Pimenta.

FALTA D´ÁGUA: DECRETO PRORROGA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Carro-pipa abastece um dos 140 reservatórios comunitários instalados em Itabuna (Foto Divulgação).

Carro-pipa abastece um dos 140 reservatórios comunitários em Itabuna (Foto Divulgação).

O prefeito Claudevane Leite prorrogou a situação de emergência por mais seis meses em decreto publicado, na última sexta (3), na edição eletrônica do Diário Oficial. A decretação de situação emergencial ocorreu no mesmo dia em que o gestor anunciou a concessão da Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa).

A justificativa para a prorrogação é a falta de chuvas com a consequente paralisação da captação de água nos rios Cachoeira e Almada. A captação da estação de Rio do Braço (Rio Almada) caiu 97%, segundo o decreto.

A água que ainda cai em algumas torneiras de Itabuna é captada na estação de Castelo Novo, porém com teor de cloreto de sódio 32 vezes superior ao aceitável e imprópria para ingestão por humanos e animais.

DEFESA CIVIL

Segundo comunicado, o município já enviou o Formulário de Informações do Desastre (FIDE) para o Governo do Estado e para o Ministério da Integração Nacional, eletronicamente, para que o Decreto publicado pela Prefeitura seja reconhecido e homologado.

Roberto Avelino, da Defesa Civil em Itabuna, acrescenta que, atualmente, a captação de água está sendo feita nas estações da Embasa, em Travessão, e em São José da Vitória, para garantir diariamente 1 milhão de litros de água nos 140 reservatórios distribuídos em locais estratégicos para abastecer a população de Itabuna.

LÍDERES DO PCdoB ELOGIAM POSTURA DE VANE

Tempo de leitura: 2 minutos
Daniel Almeida destaca papel de liderança do prefeito Vane.

Daniel Almeida destaca papel de liderança do prefeito Vane.

Líderes nacionais do PCdoB reconheceram o papel do prefeito de Itabuna, Claudevane Leite, no processo de consolidação da pré-candidatura de Davidson Magalhães, ontem (7), no salão nobre da AABB, diante de público estimado em 800 pessoas.

“Vane dá demonstração pública de desapego ao poder, maturidade política e compromisso com um projeto que tirou Itabuna do caos e eleva a autoestima das pessoas”, disse a deputada federal Luciana Santos (PCdoB-PE), presidente nacional do Partido Comunista do Brasil.

O deputado federal Daniel Almeida, presidente estadual da legenda, também enfatizou o papel de lealdade de Vane ao projeto político iniciado em 2012. “Ao apoiar a candidatura de Davidson Magalhães à sua sucessão, Vane se projeta como um político que põe os interesses coletivos acima dos interesses pessoais”, disse.

Davidson Magalhães destacou a necessidade de o grupo político no entorno de Vane manter-se coeso. “Os atuais secretários e dirigentes municipais devem permanecer unidos para defender os avanços do governo Vane que requalificou 31 escolas da rede municipal de ensino, mais de 20 unidades de saúde e constrói duas Unidades de Pronto-Atendimento (UPA) 24 Horas”, afirmou.

Leia Mais

ROBERTO JOSÉ TENTA CONVENCER VANE A MUDAR ESTRATÉGIA DA SUCESSÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Roberto José propõe que o governo apresente duas pré-candidaturas

Roberto José propõe que o governo apresente duas pré-candidaturas

O presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc) ainda se articula para ser candidato a prefeito de Itabuna com apoio do atual chefe do executivo, Claudevane Leite.

Embora o prefeito tenha se definido pelo apoio ao comunista Davidson Magalhães, Roberto não perdeu as esperanças e procurou Claudevane Leite, tentando convencê-lo a mudar de estratégia. A proposta apresentada pelo presidente da Ficc foi para que o governo apresentasse dois nomes: o dele e o de Davidson. Mais adiante, seria utilizado o critério da viabilidade para definir a candidatura oficial.

Segundo informações, Roberto levou essa proposta ao gestor acompanhado pela secretária da Administração, Mariana Alcântara. Mas ambos ouviram uma resposta negativa de Claudevane Leite.

O prefeito argumentou que a apresentação de dois nomes confirmaria a imagem de um governo dividido. Para ele, o melhor é trabalhar em torno de uma única candidatura e buscar fortalecer esse projeto.

Até quinta-feira (3), Claudevane reúne o secretariado para confirmar o nome de seu escolhido. No dia seguinte, a pré-candidatura será apresentada aos ocupantes de cargos de confiança.

ZONA AZUL COM NOVA TARIFA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Tarifa da Zona Azul para carros salta para R$ 2,00 a partir de hoje (Foto Pedro Augusto).

Tarifa da Zona Azul para carros salta para R$ 2,00 a partir de hoje (Foto Pedro Augusto).

A tarifa da Zona Azul foi reajustada em Itabuna. A partir de hoje (1º), o estacionamento rotativo passa a cobrar R$ 2,00 para carros de passeio pela utilização de vaga, na região central da cidade, a cada uma hora. O reajuste foi autorizado por decreto assinado pelo prefeito Claudevane Leite.

O valor para estacionamento para motos continua o mesmo – R$ 1,00 por hora -, assim como a diária para caçamba-entulho estacionada em locais onde há cobrança da zona azul. O valor é R$ 14,00 por dia.

O reajuste passaria a valer em 15 de fevereiro, mas houve reação de motoristas, o que levou a empresa que explora o serviço em Itabuna, a Dom Parking, a adiá-lo para 1º de março.

VANE DIZ TER ASSEGURADO RECURSOS PARA OBRAS DO “PACÃO”

Tempo de leitura: < 1 minuto

claudevane leiteO prefeito Claudevane Leite disse ter obtido garantia do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, de que as obras do “Pacão” (PAC II) terão continuidade. Foi uma resposta do governo a uma nota deste site em que revelamos a paralisação das obras na zona oeste do município (confira aqui). “Tivemos boas notícias e estamos confiantes no reinício”, disse o prefeito.

O gestor itabunense disse ter se reunido com o ministro durante audiência em Brasília, quando o representante do Governo Federal também assegurou liberação de 30% dos mais de R$ 3 milhões para a obra de duplicação do prolongamento da Avenida Juracy Magalhães, na saída para Ilhéus.

Segundo o governo, 80% da rede de esgoto no Nova Itabuna e 50% das redes de drenagem já estão concluídos. Na Rua de Palha (Maria Matos), 70% da implantação de redes de esgotamento e drenagem já estão prontos. As obras integram o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC II).

É PRECISO CORAGEM

Tempo de leitura: 2 minutos

claudio_rodriguesCláudio Rodrigues | aclaudiors@gmail.com

 

Todos nós sabemos que a Emasa não precisa de 400 funcionários para atender bem a população. Mais de 70% do seu quadro funcional é para atender as demandas político-partidárias.

 

 

Para quebrar paradigmas, excluir vantagens, contrariar interesses e buscar o que é melhor para a comunidade é preciso coragem. Em artigo publicado neste site, o prefeito de Itabuna Claudevane Leite, não fugindo do seu script habitual, faz as lamentações de como pegou a Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa), para depois afirmar que não fará concessão – e muito menos privatização – da estatal municipal e que buscará empresas interessadas em realizar um Procedimento de Manifestação de Interesses (PMI) , sem ônus para o município, a fim de diagnosticar a viabilidade técnica e econômico-financeira da Emasa.

Todos nós sabemos que o município não dispõe de recursos para investir na melhoria do saneamento da cidade. Em qualquer período de maior estiagem, estamos condenados a sofrer com a falta d’água e consumir água salgada – quando esta chega nas torneiras.

O governador Rui Costa propôs ao prefeito a devolução da Emasa para a Embasa com a finalidade de viabilizar uma Parceria Público Privada (PPP) para investir na melhoria do saneamento de Itabuna. Pela declaração do prefeito em seu artigo, isso não vai acontecer, porque o nosso mandatário acredita que é melhor garantir os 400 empregos que existem na Emasa – para não contrariar interesses de Sindicato e de partidos políticos – a devolver a empresa para o Governo do Estado para que ocorram investimentos necessários no setor do saneamento. Todos nós sabemos que a Emasa não precisa de 400 funcionários para atender bem a população. Mais de 70% do seu quadro funcional é para atender as demandas político-partidárias.

A Emasa é um grande cabide de emprego, não só nessa gestão, como nas anteriores. Vão questionar: “você quer pagar uma tarifa cara?” Respondo: prefiro pagar uma tarifa cara e ter o líquido precioso na torneira do que pagar barato e não ter – se bem que nossa tarifa não é tão barata assim. Pagamos taxa de esgoto e o mesmo corre “a céu aberto”. O Rio Cachoeira recebe todos os nossos dejetos sem o menor tratamento, as estações elevatórias de esgoto estão abandonadas. Enquanto o sistema de saneamento estiver sobre o controle do município, essa situação não mudará. Para solucionar essas questões é preciso coragem. Muita coragem.

Cláudio Rodrigues é jornalista e empresário.

Back To Top