skip to Main Content
21 de janeiro de 2021 | 04:55 pm

GREVE DEIXA 20 MIL SEM AULA EM ITABUNA; PROFESSORES QUEREM 13,01% DE REAJUSTE

Tempo de leitura: < 1 minuto
Professores fazem "Velório da Educação" (Foto Jeremias Barreto).

Professores fazem “Velório da Educação” (Foto Jeremias Barreto).

Os professores da rede municipal iniciaram, nesta quinta (21), a greve por tempo indeterminado. A categoria cobra reajuste salarial linear de 13,01%, percentual concedido aos profissionais do nível básico. A paralisação afeta cerca de 20 mil alunos matriculados na rede.

O prefeito Claudevane Leite ofereceu, como último proposta, reajuste de 8% em duas parcelas, a primeira delas retroativa a abril, data base da categoria. Durante entrevista nesta semana, Vane do Renascer disse que ainda não sabe nem como pagar o percentual oferecido.

A presidente do Sindicato do Magistério Municipal Público de Itabuna (Simpi), Maria do Carmo Oliveira (Carminha), convocou protesto na Avenida do Cinquentenário, nesta quinta (20). Os educadores desfilaram vestidos de preto com cruzes e caixão, simbolizando enterro do sistema educacional e dos serviços públicos.

SERVIDORES DE ITABUNA APROVAM 7% DE REAJUSTE SALARIAL

Tempo de leitura: 2 minutos
Servidores aprovam reajuste de 7% proposto pelo governo (Foto Divulgação).

Servidores aprovam reajuste de 7% proposto pelo governo (Foto Divulgação).

Os servidores municipais aprovaram a proposta de reajuste salarial apresentada pelo prefeito Claudevane Leite. O município concederá 4% de reajuste retroativo a abril mais 3% em agosto, além de 60% de aumento no tíquete refeição, que passa de R$ 50,00 para R$ 80,00. A assembleia do funcionalismo foi realizada nesta terça (19), no auditório do Sindicato dos Comerciários.

Os 500 beneficiários que têm direito ao ticket continuarem a recebê-lo, mesmo ultrapassando o limite de R$ 1.100,00 pelo acordo entre Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserv) e Prefeitura de Itabuna. O governo se comprometeu a enviar à Câmara projeto de lei que regulamenta o tíquete alimentação.

O governo também acenou com a criação de comissão para implantar o Plano de Cargos, Carreira e Salários, além de outra comissão para analisar casos de assédio moral na administração.

FIM DE CONTRATO COM A E&L

Os servidores também obtiveram garantia de que o município rescindirá contrato com a empresa de softwares E&L. A empresa cometeu erros constantes na confecção da folha de pagamento, lançando cobranças indevidas ou errando na elaboração dos contracheques. A secretária de Administração, Mariana Alcântara, afirmou que os problemas relacionados ao fornecimento dos vales transportes foram sanados.

A direção do Sindserv considerou este o acordo possível “neste momento em que o país vive uma crise econômica aguda”. A direção do sindicato cita municípios brasileiros onde os servidores está sem reajuste salarial “há anos, como acontece na vizinha cidade de Ilhéus”. Negociações setoriais serão conduzidas por uma câmara.

VANE OFERECE 6,41% DE REAJUSTE A SERVIDORES, QUE REJEITAM PROPOSTA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Servidores rejeitaram proposta de 6,41% de reajuste (Foto Divulgação).

Servidores rejeitaram proposta de 6,41% de reajuste (Foto Divulgação).

O prefeito Claudevane Leite ofereceu 6,41% de reajuste aos servidores municipais, ontem (14), em segunda rodada de negociações da campanha salarial deste ano. A proposta acabou sendo rejeitada em assembleia comandada pela presidente do Sindicato dos Funcionários e Servidores Municipais (Sindserv), Wilmaci Oliveira.

A votação ocorreu ontem à noite, pouco tempo depois de concluída a negociação. De acordo com Wilmaci, o entendimento é de que “a proposta apresentada é baixa e não atende às demandas” dos servidores. Os servidores pedem 8,41% de reajuste.

Ainda segundo ela, além de parcelar em duas vezes o reajuste (a primeira retroativa a abril e a segunda em setembro), o governo não pretende reajustar o valor do tíquete alimentação.

– A nossa categoria exige e merece mais respeito e valorização. Queremos a implantação do Plano de Cargos e Salários, reajuste e ampliação do tíquete para todos os servidores e melhores condições de trabalho, além de um reajuste digno – disse Wilmaci, que alertou para a possibilidade de greve, caso a proposta do governo não melhore.

COMISSÃO DO PV APOIA VANE E ISOLA GLEBÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Comissão do PV isola Glebão e ratifica apoio a prefeito (Foto Divulgação).

Comissão do PV isola Glebão e ratifica apoio a prefeito (Foto Divulgação).

Do Bahia24horas

O vereador Glebão (PV) perdeu de vez o controle de seu partido em Itabuna. No Carnaval, o engenheiro Alfredo Melo fez uma articulação que alçou o advogado e arquiteto José Barbosa à presidência do diretório municipal do PV. O grupo também é composto pelo secretário de Esportes do município, Evans Maxwel.

O secretário foi indicado por Glebão após a vitória do prefeito Claudevane Leite em 2012, mas depois os correligionários romperam. Maxwel se manteve no governo por um compromisso pessoal do chefe do executivo, porém a relação com o padrinho ficou trincada.

Agora, o novo comando do PV opera para fortalecer o partido como integrante do governo e isolar Glebão. O prefeito até se comprometeu a ouvir mais a legenda sobre “as definições da administração e encaminhamentos políticos”.

O compartilhamento de definições sinaliza para o apoio do Partido Verde à reeleição do prefeito. Mas o que parece bastante remota é a possibilidade de Glebão pedir votos para reconduzir Claudevane Leite ao poder.

Leia mais

CASTRO DESCARTA ALIANÇA COM O PCdoB E COLA IMAGEM DE VANE NOS COMUNISTAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

augusto castroPosicionando-se como candidato a prefeito de Itabuna, o deputado estadual Augusto Castro (PSDB) descartou qualquer possibilidade de aliança com o PCdoB em 2016. Numa entrevista ao Programa Resenha da Cidade (Rádio Difusora), o tucano fez questão de associar a imagem do Governo Vane com os comunistas.

– O PCdoB tem lado – disse Augusto, enfatizando que os comunistas comandam algumas das principais secretarias do governo, dentre elas Saúde e Educação.

Castro, relembrando entrevista do deputado federal Davidson Magalhães, disse que pode conversar sobre ações e projetos para Itabuna, mas nada a ver com a composição eleitoral em 2016. Concluiu que o PCdoB também é governo estadual, enquanto ele integra a bancada oposicionista.

A estratégia tucana é clara: colar a imagem de desgaste do Governo Vane no PCdoB, que pode ir para o pleito com Wenceslau Júnior, hoje vice-prefeito, ou com o deputado federal Davidson Magalhães.

INGRATIDÃO DO PT COM GERALDO?

Castro também comentou sobre a situação política do ex-deputado federal Geraldo Simões. O petista tem sido vetado em cargos estaduais e até mesmo federais pelo comando estadual do PT. Para Augusto, o fato é estranho, pois, lembra ele, Geraldo deu guarida a nomes como Everaldo Anunciação, Josias Gomes e Jonas Paulo, quando foi prefeito de Itabuna. “Há algo de estranho aí”, disse.

O RETORNO DO POPULISMO

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

As pesquisas de intenção de votos apontam Geraldo Simões e Fernando Gomes na frente.

Uma fatia considerável do eleitorado itabunense vibra quando aparece na imprensa determinados nomes que podem disputar o processo sucessório de 2016.

Esses eleitores querem um candidato a prefeito sem nenhuma ligação com tradicionais e empoeirados grupos ou correntes políticas, dando um basta na mesmice.

Não é a tal da terceira via e, muito menos, coisa parecida, quase sempre disfarçada de novidade. É mudança radical mesmo. Um prefeiturável que provoque sobressalto e uma agradável surpresa.

O problema é que a outra fatia que vota nas antigas lideranças, com destaque para Geraldo Simões, Fernando Gomes e o Capitão Azevedo, representa quase 50% do eleitorado.

Vale lembrar que Geraldo, Fernando e Azevedo, respectivamente petista e democratas, obviamente do PT e do DEM, somam sete mandatos como gestor do Centro Administrativo Firmino Alves.

GS, FG e CA não conseguiram acabar com o tabu da reeleição. Nunca se reelegeram. Fernando Gomes, sendo candidato e saindo vitorioso, vai para o seu quinto mandato.

As pesquisas de intenção de votos apontam GS e FG na frente. A volta do “Geraldo versus Fernando” é interpretado pelos “mudancionistas” como a prova inconteste de que Itabuna parou no tempo.

Como não gosto de deixar o leitor na dúvida (ou curioso), revelo que Antonio Mangabeira, Chico França e o bom juiz Marcos Bandeira são as possíveis e agradáveis surpresas da sucessão de Claudevane Leite (PRB).

Em outros tempos, em priscas eras, como diria o saudoso jornalista Eduardo Anunciação, os protagonistas da mudança eram Helenilson Chaves e Ronald Kalid.

Geraldo versus Fernando, disputando mais uma eleição, significa o triunfal retorno do populismo. Geraldistas e fernandistas vão dizer que Vane do Renascer foi eleito pelo “populismo religioso”.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

REPROVAÇÃO AO GOVERNO VANE ATINGE 68,44% EM ENQUETE

Tempo de leitura: < 1 minuto
Prefeito é aprovado por apenas 23% em e (Foto Pimenta).

Prefeito tem baixa aprovação em enquete (Foto Pimenta).

Vai muito mal a relação do Governo Vane com a população. Encerrada a nossa enquete e computados os 1.093 votos, a reprovação à gestão do prefeito Claudevane Leite (PRB) atingiu 68,44%.

Dos votos, 50,32% consideraram o governo “péssimo”, enquanto 10,25% avaliaram a gestão como ruim. O percentual de regular negativo atingiu 7,87%.

De acordo com a enquete, 8,05% têm como apenas “regular” o governo. Devido ao alto índice de rejeição, este regular tende ao negativo.

Conforme a enquete, o percentual dos que aprovam o governo atinge 23,51%. Deste universo, 11,53% avaliam a gestão como boa. Para 5,76%, o governo é ótimo. Outros 6,22% avaliam como regular positivo.

O percentual de 68,44% está quase dez pontos percentuais registrados em uma pesquisa de opinião encomendada pelo governo a um instituto local. A pesquisa do governo mostrou que 76% reprovam o Governo Vane.

PT VERSUS PT

Tempo de leitura: 3 minutos

marco wense1Marcos Wense

Além do escândalo da Petrobras, da crise moral, do fraco desempenho na economia e da dificuldade da presidente Dilma Rousseff para governar, tem o PT versus PT, o PT engolindo o próprio PT. O PT autofágico.

É inquestionável que o Partido dos Trabalhadores, de tantas lutas a favor da democracia, deixou de ter existência política para ter existência puramente eleitoral, como dizia o jornalista Marcelo Coelho, em 2002.

E mais: “O PT buscava ser diferente, ser uma novidade na política brasileira: tratava-se de um partido com programa definido, com instâncias democráticas de decisão, com vocação de massas e níveis de moralidade acima da média. Podia-se concordar ou não com o PT, mas essas qualidades eram reconhecidas por todos”.

O tempo passou. De 2002 a 2015 são 13 anos, coincidentemente o número 13 da legenda. A estrela do PT não brilha mais, caiu na vala comum da corrupção. O PT de antigamente, que tinha o respeito até do mais radical e intransigente oposicionista, escafedeu-se.

Como não bastasse o “tudo aquilo que o PT não é mais”, vem agora o PT intervencionista, o PT que quer impor seus candidatos a prefeito sem nenhum tipo de constrangimento. O PT de cima para baixo.

Depois de três consecutivas reuniões, sobressaltadas lideranças petistas, com o apoio de Flávio Barreto, presidente do diretório municipal, optaram pelo fim do angustiante silêncio.

Segue, na íntegra, ipsis litteris, um trecho do manifesto dirigido a Everaldo Anunciação, comandante estadual do petismo, com cópia para Josias Gomes, secretário de Relações Institucionais do governo Rui Costa.

“Em nosso Estado, passado a euforia do pós-eleitoral, a militância do nosso partido se deparou com uma triste realidade: um Diretório Estadual inacessível, insensível e indiferente às demandas dos diretórios regionais. Prega-se o discurso do pensamento único e da obediência cega ao poder, como se isso fosse possível no PT. Tem-se usado o mandato de dirigente estadual do PT para acertos de diferenças pessoais e políticas, a partir da prática da perseguição às lideranças e diretórios regionais, a exemplo de Itabuna, onde articula-se ações políticas com diretórios e lideranças de outros partidos em desfavor do PT local”.

Que inferno astral, hein! Além do escândalo da Petrobras, da crise moral, do fraco desempenho na economia e da dificuldade da presidente Dilma Rousseff para governar, tem o PT versus PT, o PT engolindo o próprio PT. O PT autofágico.

GERALDO, GEDDEL E O PMDB

Geraldo Simões 3Até as freiras do Convento das Carmelitas sabem que o PMDB, com o segundo maior tempo no horário eleitoral, é a legenda mais cobiçada da sucessão do prefeito Claudevane Leite (PRB).

Existe uma notória preocupação no PT de Itabuna com uma possível saída do prefeiturável Geraldo Simões de Oliveira, hoje em posição confortável nas pesquisas de intenção de votos.

A desfiliação do ex-gestor de Itabuna não é mais remota e, muito menos, remotíssima. Passa a ser uma possibilidade que não pode ser descartada e nem subestimada.

Francamente, como diria o saudoso e inesquecível Leonel Brizola, acho difícil que o PMDB seja o futuro partido de GS. Mas como na política tudo é possível, prefiro não apostar.

Pedro Arnaldo, presidente interino do diretório municipal, anda dizendo que o comandante-mor Geddel Vieira Lima não faz política com o fígado, deixando nas entrelinhas que uma reaproximação entre Geraldo e Geddel não pode ser defenestrada.

Não à toa que vanistas e comunistas querem o PMDB na administração do governo municipal. Uma maneira pragmática de afastar Geraldo Simões do peemedebismo. O vezeiro toma-lá-dá-cá.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

VANE (NOVAMENTE) DESCARTA RETORNO AO PT

Tempo de leitura: < 1 minuto
Vane descarta em entrevista o seu retorno ao PT (Foto Pimenta).

Vane descarta em entrevista o seu retorno ao PT (Foto Pimenta).

O prefeito de Itabuna, Claudevane Leite (PT), voltou a descartar o seu retorno ao PT. “Nesse momento, eu continuo no PRB”, disse ele em entrevista a Cacá Ferreira, na Rádio Difusora. O prefeito citou que os convites de retorno à legenda partiram do presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, e do deputado federal e secretário de Relações Institucionais, Josias Gomes.

Provocado pelo radialista se estaria dividido quanto a retornar para o partido ou ficar no PRB, Vane emendou: “Não estou dividido”, mas completou relembrando suas boas relações com o PT.

Vane lembrou o fato de ter sido eleito vereador pelo PT por dois mandatos e, em 2012, ter se filiado ao PRB para concorrer à prefeitura. Não deixou de apresentar a sua fatura quanto à eleição a governador no ano passado.

– Sou uma pessoa que tenho lado, atitudes dentro daquilo que penso. Deixo isso claro. Naquele momento em que a candidatura de Rui [Costa] não daria certo, fui com Rui para perder ou para ganhar – disse.

 

Nas conversas com Rui, afirmou, colocou dentre as suas reivindicações investimento em saneamento básico. Os dois governos discutem um modelo de parceria entre as empresas de saneamento estadual (Embasa) e municipal (Emasa) para melhorar a captação e distribuição de água, além de ampliar a rede de esgotamento sanitário, incluindo investimentos em tratamento.

SINJORBA E ABI CRITICAM DELEGADO E VANE POR AMEAÇA À IMPRENSA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Ex-secretário e Vane são criticados em nota da ABI e Sinjorba (Foto Pimenta).

Ex-secretário e Vane são criticados em nota da ABI e Sinjorba (Foto Pimenta).

A Associação Baiana de Imprensa (ABI) e o Sindicato dos Jornalista da Bahia (Sinjorba) emitiram nota pública em que condenaram afirmações do ex-secretário de Transporte e Trânsito de Itabuna Clodovil Soares de que será “ainda mais perigoso”, ao retornar ao cargo de delegado, com quem o criticou e fez críticas ao prefeito Claudevane Leite.

“As declarações [do ex-secretário] foram ameaçadoras e tiveram o intuito de intimidar o exercício da profissão”, ressalta a nota. Para as duas entidades, o delegado fere a liberdade de expressão e, ao mesmo tempo, reforça, com a sua postura, “histórico de violência contra profissionais de imprensa da Bahia”.

O prefeito Claudevane Leite também é criticado pela ABI e Sinjorba na nota por não “manifestar qualquer censura ao delegado, no ato da agressão”. A nota cita ainda que o comportamento do delegado “foi lamentável na medida em que partiu de um homem público, responsável constitucionalmente a garantir segurança e bem-estar a todo cidadão itabunense”.

Back To Top