skip to Main Content
3 de abril de 2020 | 08:01 pm

NOVO PAPA É ACUSADO DE SER CÚMPLICE DE CRIMES MILITARES NA ARGENTINA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Papa Francisco é acusado de ajudar ditadura argentina (Foto Uol).

Papa Francisco é acusado de ajudar ditadura argentina (Foto Uol).

Do Opera Mundi
Recém-eleito papa, o argentino Jorge Mario Bergoglio é acusado de ter sido cúmplice de crimes cometidos pela ditadura cívico-militar de seu país (1976-1983). Arcebispo de Buenos Aires, o cardeal chegou a ser convocado para testemunhar em julgamento sobre a desaparição de sacerdotes durante os anos de terrorismo de Estado.
De acordo com a Associação Mães da Praça de Maio, Bergoglio foi “cúmplice da ditadura”. O cardeal é acusado de facilitar o sequestro dos sacerdotes jesuítas Francisco Jalics e Orlando Yorio. A versão é corroborada pelo jornalista Horacio Verbistky, autor de diversos livros sobre o assunto. “[Ele] era chefe da Companhia de Jesus, às quais eles pertenciam, mas em vez de protegê-los, lhes tirou a proteção eclesiástica e poucos dias depois foram sequestrados”.
“Ele os denunciou por estarem vinculados com a subversão e de terem desobedecido seus superiores hierárquicos”, continuou o jornalista, afirmando que a informação estava documentada na chancelaria argentina.
Em 2011, durante as audiências do processo sobre o plano sistemático de roubo de bebês – nascidos em prisões clandestinas, durante a ditadura, e adotados ilegalmente por outras famílias, em sua maioria próximas a autoridades militares –, Bergoglio chegou a ser citado para declarar, após testemunhas apontarem que ele estava ciente deste tipo de crime.
Leia mais

PRIMEIRO DIA DE CONCLAVE TERMINA SEM DEFINIR NOVO PAPA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Renata Giraldi | Agência Brasil

Fumaça preta no primeiro dia de conclave.

Fumaça preta no primeiro dia de conclave.

O primeiro dia de votações hoje (12) do conclave, que elegerá o sucessor do papa Bento XVI, acabou sem consenso. A fumaça escura, indicando a ausência de decisão, foi vista pela chaminé da Capela Sistina por volta das 19h40h (15h40 de Brasília). O cálculo dos vaticanistas é que o conclave dure, no mínimo, três dias e, no máximo, 11.
A previsão é que amanhã (13) ocorram votações pela manhã e pela tarde. A expectativa é que por volta do meio-dia seja vista uma fumaça branca, no caso de eleito o papa, e escura, se as divergências se mantiverem. Uma segunda fumaça deverá ser emitida pela chaminé no começo da noite indicando a decisão do conclave.

DOM ODILO ESTÁ SENDO QUEIMADO

Tempo de leitura: 2 minutos
Dom Odilo Scherer.

Dom Odilo Scherer.

Maurício Savarese | Blog da Noblat
A imprensa italiana é a única lida por todos os 115 cardeais que votarão no conclave a partir de terça-feira. São os especialistas daqui que acompanham em fartura toda a glória e o infortúnio da igreja, enquanto a maioria dos grandes veículos de comunicação deixa no Vaticano uma equipe pequena, capaz de repercutir bem menos o que se passa por estas bandas.
Quando os diários italianos especulam sobre candidatos a papa, a leitura não pode ser tatibitate. Pode até haver convicção de quem planta notícia. Mas não se descarta lobby de assessores e, sem dúvida, uma disfarçada tentativa de inviabilizar um adversário. Muitas vezes, por os holofotes sobre um papabile serve exatamente para cristalizar impressões e evitar novas adesões.
Pois neste domingo, dois potenciais oponentes nas votações rezaram missas pré-conclave diante de mais jornalistas do que fiéis. Já são citados como os líderes da corrida para a sucessão do papa emérito Bento 16. O que pregaram não importa muito, nada saiu do roteiro. Mas os relatos dos jornais locais certamente não ajudam o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer.
Na agência italiana Ansa, a mais dedicada na cobertura do Vaticano, e nos jornais “La Reppublica” e “La Stampa”, dom Odilo é citado como “candidato da Cúria”, enquanto o arcebispo de Milão, Angelo Scola, faria parte de uma corrente reformista. O mesmo tom usou o canal de notícias 24 horas da TV estatal, a RAI, que exibiu um longo perfil do brasileiro depois de ignorá-lo até aqui.
A Cúria Romana, envolvida em uma série de denúncias de corrupção, é tudo o que a maioria dos 115 votantes quer evitar. O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, um dos pivôs de um escândalo de desvio de verbas da igreja, é tido como o apoio mais tóxico do conclave: quem ele apoiar, quase certamente será derrotado, dizem os especialistas italianos.
Leia a íntegra clicando aqui

VATICANO INDICA CONCLAVE RÁPIDO E CONSENSO

Tempo de leitura: 2 minutos
Cardeais participarão de conclave para escolha de novo papa.

Cardeais participarão de conclave para escolha de novo papa.

Renata Giraldi | Agência Brasil
Vaticano – O conclave, que começa na terça-feira (12), pode ter resultado rápido e com consenso. Porém, é impossível arriscar quanto tempo levará. Mas a indicação sobre o curto prazo de duração foi dada hoje (9) pelo porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi. Ao detalhar os assuntos da oitava reunião antes do conclave, Lombardi admitiu que há um esforço entre os 115 cardeais, com direito a voto, em buscar um nome comum.
“[A expectativa é a] rápida convergência de alguns candidatos”, disse o porta-voz, sem sinalizar quem são os candidatos com mais chances de consenso. Nas ruas, italianos e fiéis de várias nacionalidades fazem apostas. Assunto que é repetido pelas emissoras italianas de televisão em programas de debates e telejornais.
Os ambulantes que vendem objetos religiosos dentro da área do Vaticano e próximos à Basílica de São Pedro preferem apostar em nomes consagrados. Nas banquinhas dos ambulantes é possível comprar terços, rosários e estatuetas com as imagens do papa João Paulo II (que morreu em 2005) e do emérito Bento XVI.

Leia Mais
Back To Top