skip to Main Content
15 de abril de 2021 | 03:26 pm

CRISE NO HOSPITAL SÃO JOSÉ

Tempo de leitura: < 1 minuto

Para não fugir à regra, o Hospital São José, da Santa Casa de Misericórdia de Ilhéus, também anda maltratando seus funcionários e os pacientes do SUS. Os salários acumulam dois meses de atraso, faltam medicamentos e até o lanche que era fornecido aos trabalhadores foi cortado. Segundo informações, a alimentação das pessoas internadas na instituição também entrou em ritmo de racionamento.

O problema tem a ver com a irregularidade nos repasses da Secretaria Municipal da Saúde.

NEWTON AFASTA AUGUSTO MACEDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Caso Augusto Macedo ameaçou relação entre o prefeito e a deputada Ângela Sousa, mas governo assegura que ela concordou com o afastamento do secretário "trançado"

O prefeito de Ilhéus, Newton Lima, afastou nesta quarta-feira, 03, o titular da Secretaria da Assistência Social, Augusto Macedo. Ele é acusado de várias irregularidades no comando da pasta e, de acordo com portaria publicada pelo governo, o afastamento se dá em caráter temporário, para não comprometer as investigações dos ilícitos apontados.
Juntamente com a portaria que determinou o afastamento, o prefeito mandou publicar outra, que nomeia uma comissão de sindicância. Esta será presidida por José Eduardo Santana Salomão, tendo como vice-presidente o advogado Pedro Sanches de Oliveira e, como secretário, Júlio Cezar de Oliveira Gomes.
O prefeito considerou imprescindível o afastamento de Augusto Macedo durante as apurações e afirmou que a medida não significa prejulgamento. “Não podemos prejulgar nem tampouco deixar o ocupante do cargo respondendo pela pasta no decorrer das apurações”, declarou Newton Lima.
Ainda segundo o prefeito, a madrinha política de Augusto Macedo, a deputada estadual Ângela Sousa, está de acordo com o afastamento temporário do secretário.
Leia mais

OS DONOS DA BOLA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Como noticiamos ontem, a ordem na Prefeitura de Itabuna é cortar radicalmente o pagamento de horas extras e outros adicionais e gratificações dos servidores municipais. Caberá a estes a maior parcela de contribuição para que o barco não afunde de vez, se é que vai ser possível evitar o naufrágio.
Outra informação que chega ao conhecimento do Pimenta é que as folhas de pagamento só estão sendo liberadas após detido exame da advogada Juliana Burgos, procuradora-geral do município. Sem o seu “ok”, não se paga nada no governo.
Em várias secretarias do Centro Administrativo, é grande a queixa contra a concentração de poderes nas mãos da família que mais dita as regras no governo Azevedo.

MACUCO EM CRISE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Não bastasse o conflito agrário, Buerarema vive também uma crise político-administrativa que se arrasta há mais de um ano e meio. Hoje, o secretário de Administração, o primeiro-ministro Eribaldo Lima, entregou o seu pedido de exoneração. Seguiu os passos da secretária de Saúde, Maria do Carmo. Outro pedido “na gaveta” é o da titular da Pasta da Educação, Edvanete Torquato.

A secretária de Saúde, que enfrentava greve dos servidores há quase duas semanas, nem falou com o prefeito-interino, Eudes Bonfim. A carta foi entregue a um dos irmãos do mandatário. A surpresa na política de Macuco foi o pedido de exoneração de Eribaldo Lima. Ele integrava o time de frente do (des) governo. Preferiu pular fora antes que o barco afunde – de vez.

REMÉDIO AMARGUÍSSIMO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Em post abaixo, relatamos a insatisfação dos fiscais do município de Itabuna com a perda de alguns direitos trabalhistas.  Pois a situação tende a piorar e não apenas para os  servidores da fiscalização.

Em um almoço com empresários, no Hotel Tarik, o secretário de Administração Gilson Nascimento desfiou um rosário de problemas decorrentes da queda na arrecadação. Segundo Gilson, os gastos com o funcionalismo já estão em 52%. Isto é, bem próximos do limite constitucional de 54%.

Nos próximos dias, a Prefeitura deve anunciar medidas drásticas para reduzir o peso da folha. Entre as ações previstas, estão a proibição do pagamento de horas extras e a extinção das chamadas funções gratificadas, que ajudam a melhorar o salário de alguns servidores.

O secretário admite que haverá choro e ranger de dentes, mas afirma que não tem jeito. E se a situação não melhorar, o governo pode até adotar medidas ainda mais impopulares para estabelecer a harmonia entre o que se arrecada e o que se gasta.

BRASIL SAI DA CRISE MAIOR DO QUE ENTROU

Tempo de leitura: < 1 minuto
.

O Brasil saiu da turbulência global maior do que entrou. Às vésperas do mês em que se completa um ano da crise iniciada com a concordata do Lehman Brothers, em 15 de setembro, o otimismo com o País tornou-se consensual. “O fato de que o Brasil passou tão bem pela crise tinha mesmo de instilar confiança”, diz Kenneth Rogoff, da Universidade Harvard, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI). Para Jim O´Neill, do Goldman Sachs, e criador da expressão Bric (o grupo de grandes países emergentes, Brasil, Rússia, Índia e China), “o Brasil passou por essa crise extremamente bem, e pode crescer a um ritmo de 5% nos próximos anos”.

O crescimento de importância do Brasil e de outras economias emergentes é uma das características do novo mundo surgido com a crise econômica. Para comentar essa e várias outras mudanças, o Estado ouviu oito grandes economistas estrangeiros e brasileiros: Rogoff; O´Neill; Barry Einchengreen, da Universidade de Berkeley; José Alexandre Scheinkman, de Princeton; Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central (BC) e sócio gestor do Gávea Investimentos; Edmar Bacha, consultor sênior do Itaú BBA e codiretor do Instituto de Estudo de Políticas Econômicas – Casa das Garças (Iepe/CdG); Affonso Celso Pastore, consultor e ex-presidente do BC; e Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco.

Leia as análises no Estadão (clique aqui)

Back To Top