skip to Main Content
23 de fevereiro de 2020 | 02:21 pm

O TEATRO, UMA REFLEXÃO

Tempo de leitura: 2 minutos

Daniel Bittencourt

 

 

O Teatro Candinha Dória não acaba com a carência de Itabuna de um local adequado para grandes eventos. Mas, enfim, fico feliz por essa obra.

 

 

Por favor, não me entendam mal, mas eu não poderia deixar de me expressar, como responsável por produções teatrais, justamente no momento em que Itabuna está de parabéns pela inauguração do Teatro Candinha Doria. Bem, não é meu intuito aqui apenas criticar, mas também fazer um desabafo por estar preocupado com o futuro do nosso teatro.

Explico: uma obra com essa grandiosidade não poderia ter apenas 597 lugares. Por todo o aparato envolvido, pode ficar caro para produções locais e desinteressante para grandes produções nacionais pelo fato de ter apenas essa quantidade de cadeiras. Para se ter uma noção, de todos os eventos que fizemos, raros foram os que tiveram um público abaixo de 600 pessoas.

Para essa quantidade de público (597 lugares), com umas poucas cadeiras extras, o Centro de Cultura Adonias Filho – que, por sinal, encontra-se abandonado pelo poder público – já resolveria.

O Teatro Candinha Dória não acaba com a carência de Itabuna de um local adequado para grandes eventos. Mas, enfim, fico feliz por essa obra. Em um país onde a cultura agoniza, e o que vemos são teatros sendo fechados, ter um teatro sendo inaugurado é maravilhoso. Outra coisa! Antes que eu me esqueça, teatro se inaugura com grandes espetáculos teatrais…

Parabéns Itabuna!

Daniel Bittencourt é produtor cultural.

O TEATRO CANDINHA DORIA SOB A LENTE DE PEDRO AUGUSTO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Foto Pedro Augusto

Fachada do Teatro Municipal de Itabuna em imagem captada pelo fotógrafo Pedro Augusto Benevides. A obra será inaugurada no dia 26 de julho e terá concerto da Orquestra Sinfônica da Bahia e apresentação do Balé do Teatro Castro Alves. Tocada pelo município, a obra é concluída com recursos do Governo do Estado, que liberou R$ 24 milhões para a sua conclusão. O teatro levará o nome de um dos ícones da cultura itabunense, Candinha Doria.

O NORDESTE, CABRA DA PESTE

Tempo de leitura: 4 minutos

Efson Lima

 

Nordeste é um complexo de múltiplas identidades. De múltiplos sonhos. Nordeste – tu, você, cê, oxente, continua sendo uma terra abençoada. Compreendê-lo é um desafio para nós, que aqui nascemos e/ou moramos e o mundo. Oxalá!

 

O mês de junho de 2019 chegou ao fim. Para nós baianos e nordestinos é um dos meses – para não ser taxativo – que as tradições ganham fôlego e mostram o quanto temos de identidade. Na, quinta-feira última (04), no almoço com colegas de trabalho e à noite, após encontro de grupos de pesquisa sobre Direito e Literatura, o tema Nordeste voltou à mesa.  E tinha que voltar, afinal, o povo do sertão com o povo da capital juntos reascendem a fogueira. Na mesa havia um gaúcho. Assim, melhor ficou evidenciado o ser nordeste para os baianos. Não é o debate do pior e/ou melhor, apenas discorrendo sobre o sujeito cultural.

De início, a expressão “cabra da peste” marcante e ligada a nossa gente possui mais de uma versão. Há quem considere que a expressão é usada referendar o sujeito destemido, mas também pode ser dita em situação de ofensa. Será que no primeiro caso seria a confirmação do registro de Euclides da Cunha em Os Sertões, onde “o sertanejo antes de tudo é um forte”?

No Dicionário do Folclore Brasileiro, Luiz da Câmara Cascudo afirma que “cabra” era como os navegadores portugueses referendavam os índios que “ruminavam o bétel” planta com folhas de mascar. Ao longo do tempo, o animal pode ter sido visto como sinônimo de homem forte em decorrência do leite – percebido mais denso e nutritivo que o da vaca.  Há indicativo que a conotação com “peste” surgiu em virtude da má fama da cabra, identificada como sendo simpática ao diabo na tradição nordestina. Lembro que quando criança, falar o termo “peste” merecia uma tapa da minha mãe, pai, tio, irmãos…

Na Bahia, quem ainda não ouviu Raiz de Todo Bem, do compositor Saulo Fernandes, cantada na voz do mesmo, que parece um hino para Salvador, identifica a expressão facilmente: “Oxente, ‘cê num ‘tá vendo que a gente é nordeste?/Cabra da peste Sai daí batucador”? Mais que um conjunto de palavras, é a representação da nossa identidade, dos nossos sentidos e signos. Sou eu e você! Somos nós!

Do ponto de vista das regiões do Brasil, no ano de 1940, o país tinha as seguintes regiões: Norte, Nordeste, Este, Centro e Sul. No ano de 1950, os Estados do Maranhão e Piauí passaram a compor a Região Nordeste (antes estavam relacionadas ao Norte). O Estado da Bahia só foi incorporado ao Nordeste a partir de 1970.  Antes, estávamos de mãos dadas com os Estados de Sergipe e Espírito Santo na denominada região “ESTE”. Sudeste nem existia.  Registra-se que essas divisões foram sendo sistematizadas a partir de 1913. Geográfico o parágrafo, mas nos oferece uma dimensão política e como foi processada a construção das identidades regionais. A forma do mapinha atual tem sua divisão estabelecida em 1970 pelo IBGE. Aí, sim, caba da peste, somos Nordeste? Não, já nutríamos esse sentimento. Foi um redesenhar.

Abordar Nordeste é muito mais que tomá-lo simplesmente como um espaço geográfico, é recorrer aos povos originários, às tradições orais, à História do Brasil, às invasões, à lavoura da cana de açúcar, falar do mar e das praias, da mata atlântica, do cacau. É enfrentar o problema da desigualdade socioeconômica e da concentração de terras. Euclides Neto, que pertenceu o quadro de membros da Academia de Letras de Ilhéus, já tratou deste assunto. É relembrar literatura e compreender um sentido de território muito mais amplo que um mero signo geográfico, como sinaliza Milton Santos, baiano e com circulação em Ilhéus, professor do IME e também pertenceu a Academia de Letras de Ilhéus.  Símbolo maior da geografia nacional e uma das estrelas da geografia no mundo. Pena que pessoas como ele  têm sido maltratadas na quadra atual.

O obscurantismo parece ser o caminho. Graças que estamos protegidos pelos nordestinos, que ousam não ser seduzidos pelos caminhos fáceis. Nordeste é tratar da proposta educacional de Paulo Freire, Anísio Teixeira… propostas emancipadoras e que apresentam sentidos mais humano e problematizador.

Nordeste é terra de Ariana Suassuna, que aulas mágicas sobre cultura foram proferidas. Encantador. O “oxente” tão bem defendido. De José Lins do Rego, dos engenhos de açúcar e as pontadas do regionalismo.  Do nosso eterno Jorge, o nosso Amado. De Rachel de Queiroz, saudade do Quinze.

Falar de nordeste é tocar na literatura de cordel. É ver a magia de Janete Lainha pelas ruas de Ilhéus e nas praias. De nossos cantores e compositores como Dorival Caymmi. É terra de Lampião e de Maria Bonita. Das lendas e dos mitos. Da Terra onde padre tem muler. É encontro de religiões… É terra de Padim Cícero e de Mãe Menininha, de Mãe Stella de Oxóssi. É ter suas histórias e estórias contadas por escolas de samba do Rio e de São Paulo. Por sinal, Mangueira já sambou o sertão, que enredo arrebatador.  É ver São Paulo com a ajuda de mãos nordestinas subir.  Nordeste é terra – mãe.

É terra de juristas: Teixeira de Freitas, de Rui Barbosa, de Orlando Gomes. É terra do nosso grande tributarista, a maior autoridade viva do direito na Bahia; um de nossos símbolos no Brasil, professor Edvaldo Brito, vivíssimo e atuante. A mim, mais que um advogado, um gigante na docência. Exemplo a ser seguido de comprometimento e dedicação à docência.

Recorri aos personagens recentes, que viveram no século XX ou alcançaram esse século. Muitos outros, que descansam na infinitude, poderiam ser convidados a falar, mas optei por deixá-los lá, quietos.  Com a vênia, como ainda estamos no clima do 2 de Julho, com carinho mencionamos Maria Quitéria, nossa heroína da Independência brasileira. Afinal, caso os portugueses não tivessem sido expulsos, imagino que Bahia não seria Brasil. Oh, céus! Perdoe-me. Isto é Nordeste. Isto é vida.

Nordeste é um complexo de múltiplas identidades. De múltiplos sonhos. Nordeste – tu, você, cê, oxente, continua sendo uma terra abençoada. Compreendê-lo é um desafio para nós, que aqui nascemos e/ou moramos e o mundo. Oxalá!

Efson Lima é advogado, coordenador-geral da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão da Faculdade 2 de Julho, coordena o Laboratório de Empreendedorismo, Criatividade e Inovação e é doutorando, mestre e bacharel em Direito pela UFBA.

CULTURA: PAWLO CIDADE AFIRMA QUE SAI “DE CABEÇA ERGUIDA” DO GOVERNO MARÃO

Tempo de leitura: 2 minutos

Pawlo Cidade foi exonerado no 500º dia à frente da Cultura em Ilhéus || Foto Divulgação

Pawlo Cidade foi exonerado, ontem (10), do cargo de secretário de Cultura de Ilhéus. Por meio das redes sociais, o gestor cultural disse lamentar a saída justamente quando completava 500 dias à frente do setor no Governo Marão e que sai de cabeça erguida.

– Gente boa desse mundão do meu Deus! Quero aqui externar minha gratidão por estes 500 (quinhentos) dias que passei à frente da Secretaria Municipal da Cultura de Ilhéus. Foram 500 dias de aprendizado e construção de uma política pública de cultura voltada para a descentralização, a desconcentração, a democratização e, acima de tudo, a transparência com os recursos destinados à nossa Cultura – escreve.

Mais adiante, Pawlo Cidade brinca com a exoneração. “A política, não a Cultural, tem dessas coisas. A gente sabe o dia que entra, mas não tem como saber o dia que sai (ou cai! RS)”, não sem antes apontar ter apresentado no governo um projeto – “com começo, meio e quase fim” – agora interrompido.

Pawlo também lembra que 500 tem a ver com o projeto pensado para a Pasta, o Cultura 500 e agradece o período em que pôde tocar a política do setor no município que, no próximo dia 28, completa 458 anos de fundação.

– Nestes 500 dias – também número do nosso Programa de Ação o Cultura 500, tentei forjar uma política cultural de escuta, de proposições, de ações e de responsabilidades. Uns compreenderam, outros ficaram apenas no campo das ideias e muitos apenas observaram. Perdemos a oportunidade de solidificar um projeto que nos pautaria pelos próximos anos. Afinal, nosso papel, enquanto gestores culturais, é o de criar soluções e políticas de Estado.

Gestor cultural pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e também escritor, Pawlo Cidade deixa a Secretaria de Cultura de Ilhéus após reforma administrativa implementada pelo prefeito Mário Alexandre (Marão). Sai para dar lugar ao empresário Fábio Júnior. Marão fundiu as pastas da Cultura e do Turismo. A de Turismo estava sem titular desde a saída de Alcides Kruschewsky, há dois meses.

CONQUISTA: FIB 2019 TERÁ WESLEY SAFADÃO, IVETE SANGALO, ANITTA E MARÍLIA MENDONÇA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Frejat, Marília Mendonça, Léo Santana, Iza, Elba, Alceu e Geraldo Azevedo, Ivete, Nando Reis, Safadão e Anitta são as atrações do FIB 2019, em Conquista

A grade de atrações do Festival de Inverno Bahia, em Vitória da Conquista, terá nomes como Wesley Safadão, Anitta, Ivete Sangalo e Marília Mendonça neste ano. Todas as atrações foram divulgadas pela organização da festa. O FIB entra no 15º ano, no Parque de Exposições Teopompo de Almeida, de 23 a 25 de agosto.

O primeiro dia, 23 de agosto, levará ao palco Dilsinho, Frejat e Marília Mendonça. O sábado (24) será “gordo”, reunindo Iza, Ivete Sangalo e Léo Santana, além de Alceu Valença, Elba Ramalho e Geraldo Azevedo com o Grande Encontro.

Para encerrar o FIB 2019, atrações de peso no cenário nacional e com grande projeção internacional: Anitta, Wesley Safadão e Nando Reis, no domingo (25).

INGRESSOS

Os ingressos já estão à venda e variam de R$ 48,00 (Arena, meia) a R$ 134,00 (Camarote VIP). O passaporte para os três dias vai de R$ 118,00 (arena, meia) a R$ 320,00 (Camarote VIP).

ILHÉUS: TPI PROMOVE MOSTRA DE CORDEL E FEIRINHA DE PRODUTOS REGIONAIS

Tempo de leitura: 2 minutos


No próximo dia 29 (sexta-feira), a partir das 19h, o Teatro Popular de Ilhéus realizará a Mostra de Poesia Popular de Cordel, evento que tem o objetivo de incentivar a expressão da literatura popular e de cordel no sul da Bahia. Aberto ao público, o encontro será na área externa da Tenda. Haverá encontro de poetas cordelistas em performances declamadas de poemas de cordel para o público. No prelúdio da mostra e durante toda a noite também ocorre a Feirinha Popular de Produtos Regionais, com abertura marcada para as 18 horas.

A mostra contará com a presença do professor e poeta Lourival Piligra numa exposição oral sobre o reconhecimento da Literatura de Cordel como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. Na sequência, ocorrerá uma homenagem a Minelvino Francisco dos Santos, grande nome do cordel. A noite também será de lançamento do cordel O Encontro de Helena com o Sereio, de Alessandra Simões e Franklin Costa.

A atração musical da noite ficará por conta do Grupo 4° Compasso, formado por jovens oriundos da Filarmônica Capitania dos Ilhéos e que tem a proposta de resgatar gêneros brasileiros tradicionais e principalmente nordestinos como o Chorinho, o Baião, o Xote, o Maxixe, o Frevo, o Maracatu e misturar tudo isso com gêneros urbanos.

Outra atração especial será a dupla de dança, composta por Aldenor Garcia e Fernanda Carolina, que apresentará um número de forró ao som de um solo de sanfona. Em seguida, o casal segue a noite acompanhando o som do Grupo 4º Compasso.

A Feirinha Popular de Produtos Regionais também é parte da programação da noite, e será montada para oferecer vários produtos feitos por pequenos comerciantes da região. O público terá a possibilidade de consumir itens como artesanatos diversos, produtos de beleza, moda e saúde, além de variedades gastronômicas a preços populares. O TPI sugere que os visitantes procurem trazer seus próprios copos, canudos e sacolas reutilizáveis a fim de diminuir a produção de lixo e assim contribuir para a preservação do meio ambiente.

Leia Mais

CASA DE CULTURA EM BUERAREMA ABRE VAGAS PARA OFICINAS DE TEATRO E CAPOEIRA

Tempo de leitura: 2 minutos

Abertas as inscrições para oficina de teatro em Buerarema

A Casa de Cultura Jonas e Pilar, em Buerarema, abriu nesta segunda-feira (11) as inscrições para as oficinas de Capoeira e Teatro Infantojuvenil. Os interessados podem se inscrever pela internet – email oficinacasajonasepilar@gmail.com – ou presencialmente até o próximo dia 28, das 9h às 12h e das 15h às 18h.

De acordo com os coordenadores, a oficina de iniciação teatral para o público Infantojuvenil busca desenvolver a expressividade psicofísica do participante, estimular o desenvolvimento da capacidade criativa e o potencial artístico, exercitar a expressão vocal e corporal, desinibir e liberar formas dinâmicas de comunicação e concretizar a afetividade do trabalho em grupo.

Já a oficina de Capoeira visa vivenciar o jogo de capoeira e seus estilos, promovendo discussões e reflexões sobre os rituais e regras da roda de capoeira. Podem participar candidatos de diferentes faixas etárias.

Leia Mais

SUCESSO DE PÚBLICO E CRÍTICA, "A BOFETADA" TEM APRESENTAÇÃO ÚNICA EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Bofetada volta a Itabuna em apresentação única || Foto Leto Carvalho

Fanta Maria, Vânia, Dirce, Pandora Luzia sobem ao palco do Terceira Via Hall, em Itabuna, às 21h desta sexta (9), para apresentação única em turnê dos 30 anos d´A Bofetada, da Companhia Baiana de Patifaria.
A peça estreou em 1988 e continua lotando teatros pelo Brasil com bordões que se tornaram famosos, como “é a minha cara”, de Fanta Maria, ou ´eu tou tão tão que nem nem’.
A Bofetada inspirou-se em clássicos da comédia brasileira da década de 80 e tem como marca o improviso. O riso é garantido. Nas três décadas em cartaz, a criação baiana já foi assistida por mais de 2 milhões de espectadores, segundo contabiliza a Companhia.
Nesta temporada, as personagens são interpretadas por Mário Bezerra, Marcos Barreto, Rodrigo Villa e Lelo Filho, que assina a direção da peça e concepção original de Fernando Guerreiro.
Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria, no estande do Batuba Beach no Shopping Jequitibá e no Cadê Ingressos (Praça Camacã, centro de Itabuna).  A peça tem patrocínio das Lojas Buriti e da Topvel, apoio do Shopping Jequitibá, Achados Itabuna, Docita, Burguer House, Restaurante Codornas e Grill a Kilo.
SERVIÇO
A Bofetada, da Companhia Baiana de Patifaria
Quando: Sexta (09/11)
Onde: Terceira Via Hall
Ingressos: R$ 40,00 / R$ 20,00 (meia)
Informações: (73) 99114.1240 (Adois Produções)

NADADORAS DE ITABUNA DOMINAM TRAVESSIA EM OLIVENÇA

Tempo de leitura: 2 minutos

Competição atraiu nadadora sensação do esporte na Bahia em 2017 || Foto Clodoaldo Ribeiro

Nadadoras de Itabuna dominaram a prova da segunda edição da Travessia das praias Milagre a Batuba, em Olivença, realizada no final de semana. Com apenas 18 minutos de prova, Isis Rosário, de 15 anos, venceu a travessia, seguida de Isabele Andrade.
Ísis foi a campeã geral da prova. A atleta foi eleita a nadadora do ano, em 2017, pela Federação Bahiana de Desportos Aquáticos. A segunda colocada, é a atual campeã baiana de maratonas aquáticas. Na categoria “Salva-Vidas”, o vencedor foi Bonifácio Costa. E, na categoria “Indígena”, chegou em primeiro lugar o nadador Gabriel Melgaço.
Ao comentar a prova, Isabele disse que foi legal e diferente pela necessidade técnica de ter que entrar na arrebentação. “O mais legal é a história que está por trás disso tudo”, completou. Isabele se refere à origem da prova. Conta a história que os índios da etnia Tupinambá realizavam na Sexta-Feira, o Banho da Paixão. Eles se jogavam ao mar em um ritual religioso que significava que nenhum mal cairia sobre o povo o ano inteiro.
A competição esportiva e de recuperação cultural do evento, coordenado por um salva-vidas, descendente da etnia, que vive em uma das aldeias de Olivença, teve apoio da Prefeitura. Equipes de segurança, com a presença da Guarda Municipal, e de primeiros-socorros, da Secretaria de Saúde, estiveram na área durante toda a competição.
Os competidores utilizaram pranchões O percurso de um quilômetro de natação é sempre executado em mar aberto.

SEXTA TEM CONCERTO DE NATAL NO JEQUITIBÁ

Tempo de leitura: < 1 minuto

Shopping terá Concerto de Natal nesta sexta

O Grupo Ponto de Cultura Música para Todos e a Banda do Colégio da Polícia Militar de Itabuna são as atrações do Concerto de Natal, do Shopping Jequitibá, desta sexta-feira (15).

O grupo musical e a banda do CPM prometem emocionar o público com repertório especial com músicas natalinas e internacionais tocadas com instrumentos de sopro.

A apresentação especial começará às 21 horas, na Praça de Alimentação do shopping.

 

Back To Top