skip to Main Content
6 de julho de 2020 | 02:14 am

OPOSIÇÕES DESENCONTRADAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Em artigo que assina neste domingo, 22, no jornal A Tarde, o jornalista Samuel Celestino faz uma análise do momento difícil em que se encontram as oposições, não apenas na Bahia, mas também no cenário nacional. Aliás, o que acontece em âmbito estadual é reflexo da política mais ampla e isso não escapa ao articulista.
Celestino complementa a análise abordando a situação de Salvador, em que PMDB, DEM e PSDB ensaiam, mas não conseguem efetivamente criar um projeto comum para a sucessão municipal.
Corretamente, Celestino observa que as eleições deste ano praticamente antecipam a disputa de 2014 na troca de comando do governo da Bahia. E o cenário atual favorece a continuidade.
Clique aqui para ler o artigo, publicado também no Bahia Notícias.

É MELHOR DESISTIR

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

Na areia movediça da política, não há espaços para os ingênuos e os desprovidos de espírito público.

Os pré-candidatos a prefeito de Itabuna não podem ficar chateados com os comentários sobre suas pretensões políticas, que são legítimas e merecedoras de respeito.
Quem pretende entrar na vida pública, assumindo o poder pelo voto popular, sem dúvida o maior instrumento da democracia, não pode ficar tiririca com o pessoal da comunicação.
O projeto político interessa a todos. A vida privada, se fulano ou fulana gosta disso ou daquilo, aí incluindo a preferência sexual, é problema de cada um.
Comentários sobre o particular dos prefeituráveis, com picuinhas, insinuações maldosas e coisas outras, são ridículos. Não merecem nem a lata do lixo.
Até as freiras do Convento das Carmelitas, por exemplo, sabem que candidatura até o fim do processo eleitoral só com alguma possibilidade de vitória.
Quem não pontuar bem nas pesquisas, tendo como limite a primeira quinzena do mês de setembro, terá, compulsoriamente, que entrar no jogo da cúpula estadual das agremiações partidárias.
Os interesses lá de cima, que envolvem os chamados “mangangões”, os que se acham donos vitalícios dos partidos, são como grandes elefantes na frente de pequenas formigas.
Essa conversa de autonomia de diretório municipal para decidir sobre candidatura é conversa pra boi dormir. Se os diretórios não têm autonomia, imagine as coitadinhas das comissões provisórias.
Um acordo na sucessão soteropolitana, envolvendo os partidos de oposição ao governo Wagner, principalmente o PMDB, DEM e o PSDB, é mortal para as articulações interioranas.
Seria de uma ingenuidade gigantesca, de uma infantilidade inominável, alguém pensar que o ex-ministro Geddel não iria fazer um acordo com ACM Neto porque o PMDB de Itabuna pretende ter candidatura própria.
Ou, então, ACM Neto apoiando o candidato do PMDB em Salvador sem exigir como contrapartida o apoio do peemedebismo de Itabuna ao segundo mandato do prefeito Azevedo (reeleição).
Na areia movediça da política, não há espaços para os ingênuos e os desprovidos de espírito público. O melhor conselho é desistir, sob pena de ficar no meio do caminho.
PDT SEM CARGO

Acácia e Félix (Foto Política Livre).

Em decorrência de um acordo entre os deputados Félix Mendonça e Geraldo Simões, respectivamente patronos das pré-candidaturas de Acácia Pinho e Juçara Feitosa, o PDT ficou sem cargos no governo Wagner.

A dobradinha Félix e Geraldo, de olho também na sucessão do prefeito José Azevedo (DEM), deixou os pedetistas de Itabuna a ver navios. Muita gente insatisfeita nas hostes do brizolismo tupiniquim.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

ANUNCIAÇÃO: PRB, PMDB E PDT QUEREM A VICE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da coluna Política, Gente, Poder (Diário Bahia)
Vane do Renascer, PRB. Não acredito que o PRB terá candidato próprio a prefeito desta capital-cidade do Planeta Cacau, Itabuna. Renato Costa, PMDB. Não acredito que o PMDB terá candidato próprio à Prefeitura de Itabuna. Acácia Pinho, PDT. Não acredito que o PDT terá candidato próprio à sucessão de Nilton Azevedo. PMDB, PRB, PDT querem negociar a vice. A descoberta é saber a vice de quem. Demo ou PT?

RENATO COSTA: "ALIANÇA COM O DEM E O PSDB NÃO SERÁ OBRIGATÓRIA EM ITABUNA"

Tempo de leitura: 3 minutos

O presidente local do PMDB, ex-deputado Renato Costa, está fora do páreo em 2012, mas diz que trabalha pela candidatura própria do partido. Até aqui, a legenda possui quatro pré-candidatos: Maruse Xavier, Ruy Côrrea, Edmilton Carneiro e Leninha Duarte.
O partido define até o final deste mês qual deles será o pré-candidato. O escolhido terá até maio para viabilizar-se, segundo Renato, que não descarta aliança com o PT itabunense, embora haja acordo antipetista firmado entre os diretórios estaduais do PMDB, PSDB e DEM. “Nosso plano “A” é viabilizar nossa candidatura própria”, diz o presidente, que completa: ‘Estaremos abertos a aliança com quem quer que seja”.
Confira bate-papo do PIMENTA com o presidente do PMDB itabunense.
Como o partido se posicionará em 2012?
O PMDB trabalha pela candidatura própria. Definiremos até o fim deste mês quem será o pré-candidato. Enquanto isso, vamos manter conversa com os outros partidos, com a Terceira Via, para ver se a gente apoia ou será apoiado. E, por outro lado, caso não consiga viabilizar candidato ou não compor com a Terceira Via, estaremos abertos a aliança com quem quer que seja.
O PMDB seguirá a orientação da estadual para fechar com o DEM e o PSDB?
O PMDB, por tradição, não costuma agir assim, empurrando goela abaixo. Evidentemente que se for por esse caminho, de fazer alianças, passaremos pelo crivo da Estadual. Não há obrigatoriedade [de compor com o DEM e o PSDB]. Caso a candidatura própria não se viabilize, estaremos livres para fazer aliança com quem acharmos melhor.
Na eleição a governador em 2010, havia expectativa de Geddel ter o apoio de Azevedo, o que não aconteceu. Esse fato atrapalharia o diálogo com o DEM em Itabuna?
Isso foi o que eu disse ao prefeito, de que não haveria nenhuma obrigação de apoiá-lo, pois ele não criou essa obrigação. Ele não se definiu na eleição a governador. Além do mais, Geddel trouxe para Itabuna a maior obra, a mais visível [a cobertura do Canal da Amélia Amado]. Agora essa história de verticalizar as decisões, isso é complicado, não existe. Se fosse para alinhar [de cima], nós já temos o PMDB aliado ao PT no plano nacional. Cada município tem sua realidade, suas diferenças. É muito difícil [verticalizar], não há isso de não pode apoiar esse, não pode aquele. Nós não temos nenhum veto. Nosso plano “A” é viabilizar nossa candidatura própria.
Qual será o nome do partido?
Nós temos Ruy Correa, Maruse [Xavier], Leninha [Duarte] e [Edmilton] Carneiro. Dentro de 15 dias, teremos só um nome.

Essa aliança de Salvador [com o DEM e o PSDB] não será obrigatória aqui. Pode até acontecer, mas não é obrigatória.

E a aliança com o PT, está descartada?
Não há proibição nem obrigação de apoiar. A primeira opção é com os partidos menores, com Vane, PCdoB, Acácia Pinho. Caso não seja possível, a gente vê. Mas isso é lá para maio ou junho. Nós vamos trabalhar pela candidatura própria. Essa aliança de Salvador [com o DEM e o PSDB] não será obrigatória aqui. Pode até acontecer, mas não é obrigatória.
O PMDB tem orientado os diretórios a não se aliar ao PT no interior?
Não, eles apenas dizem que aliar-se ou não com o PT é uma decisão nossa, do diretório. Se a candidatura própria não ganhar musculatura, nós buscaremos aliança. Mas agora vamos decidir o nome do PMDB de forma consensual, apoiar quem tem mais visibilidade.
Juvenal Maynart, do diretório estadual, falou que, dos nomes postos, Leninha seria o melhor do PMDB por ter os três Dês: dimensão, densidade, democracia.
E vocês até falaram do outro D, de dinheiro, né? (risos). Mas os outros nomes também têm simpatia.

PMDB SELA ACORDO ANTI-PT EM ILHÉUS, ITABUNA E 8 CIDADES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Geddel arma aliança com o neto do desafeto ACM para tentar derrubar o PT (Foto ABr).

A direção estadual do PMDB baiano incluiu Ilhéus e Itabuna na relação das dez cidades baianas nas quais o partido não fará coligação com o PT em 2012.
O veto faz parte de acordo construído com legendas do campo oposicionista, a exemplo de PSDB, PPS e DEM. A lista foi publicada pelo jornalista Josias de Souza em seu blog.
O veto aumenta as chances do prefeito Capitão Azevedo (DEM) ter o apoio da legenda na tentativa de reeleição em Itabuna, embora Geddel Vieira Lima e o irmão, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, tenham se afastado do mandatário grapiúna.

"ESTOU BEM NO PSB"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O vereador Ricardo Bacelar é tido entre os nomes do legislativo itabunense que podem mudar de partido para disputar reeleição. Ouvido pelo blog, Bacelar não confirmou nem negou:
– Vou esperar até o dia 30 para definir, mas estou bem no PSB.
A afirmação é vista como diplomática. Internamente, Bacelar sofre críticas por causa da sua relação com o prefeito Capitão Azevedo (DEM).

"ESTOU AFASTADO DE GERALDO HÁ DOIS ANOS"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O presidente do PTB itabunense, Moacir Smith Lima, ex-geraldista de carteirinha, não recebeu bem as críticas e o rótulo de traidor por ter aparecido na foto (confira aqui) ao lado do prefeito Capitão Azevedo.
Moacir disse estar afastado do deputado federal:
– Estamos afastados há mais de dois anos, por incompatibilidades do pensamento político de cada um – disse em entrevista ao Agoranarede.
O dirigente da comissão provisória do PTB não descartou participar do governo democrata e disse que ajuda o petista em alguns processos porque tem “tudo guardado” em casa. Afirmou, ainda, receber o homem Geraldo [Simões] tranquilamente, mas o político Geraldo… Não.

AUGUSTO CASTRO DIZ QUE ADERVAN É "AFOITO"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Esquentou a polêmica entre o presidente da executiva do PSDB de Itabuna, José Adervan, e o deputado estadual Augusto Castro, do mesmo partido. Depois de afirmar que os tucanos deverão aliar-se ao DEM na sucessão municipal e ser criticado pelo presidente, que aposta na candidatura própria, Castro emitiu nota na qual sustenta a opção pela aliança tucano-democrata e chama Adervan de afoito.
“Não podemos agir de forma afoita como José Adervan, que tenta a todo custo convencer a Executiva Estadual da candidatura de Ronald Kalid”, bicou o tucano da Assembleia Legislativa, que ontem foi acusado pelo correligionário de querer impor o nome do prefeito Capitão Azevedo, movido por “interesses pessoais”.
Para o deputado, o momento não é de antecipar candidaturas a prefeito e o PSDB até poderá encabeçar uma chapa majoritária, desde que tenha um nome viável.“ O presidente da Executiva Municipal deveria, sim, estar preocupado em conquistar novos nomes para a lista de filiados do PSDB, buscando compor uma forte chapa proporcional de candidatos a vereadores”, aconselha o parlamentar.
Em outra “bicada” no presidente da executiva municipal, o tucano deputado disse que Adervan talvez ainda não tenha percebido o fato dele ter sido eleito para a Assembleia Legislativa e “ter consolidada uma liderança natural”.

PARA ADERVAN, AUGUSTO CASTRO DEFENDE "INTERESSES PESSOAIS"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O presidente do PSDB itabunense, José Adervan, disse que a tentativa do deputado Augusto Castro de impor o nome de Capitão Azevedo (DEM) aos tucanos em detrimento da candidatura própria soa a ditadura. Para Adervan, se o deputado imagina impor suas vontades à Executiva Municipal do PSDB, antes terá de correr em busca de apoio para dissolvê-la:
– Somente assim, depois de assumir o controle total e absoluto do PSDB, poderá nominar seus pré-candidatos a prefeito sem consultar os membros do Diretório.
O presidente do diretório itabunense ainda ensina que, no tucanato local, as decisões são sempre colegiadas, “ouvindo os membros do partido e nunca poderão ser ditadas no calor dos seus interesses pessoais, visando defender uma negociação que possa lhe render bons dividendos”.
O tucano itabunense não deixou por menos ao apontar interesses pessoais do deputado quando atua em favor de Azevedo. Uma empresa de familiares do deputado presta consultoria jurídica ao governo municipal. Há pouco, o dirigente fez publicar resposta ao deputado no Agoranarede (confira).

MOACIR SMITH E PTB COM AZEVEDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Moacir (de óculos) à direita na foto e atrás do Capitão Azevedo: mudanças (Foto Vinicius Borges).

O técnico agrícola Moacir Smith Lima foi dos mais fiéis aliados do ex-prefeito e deputado federal Geraldo Simões nos últimos dez anos, período em que ocupou secretaria de Governo (2001-2004), coordenou campanhas eleitorais de GS e da esposa do deputado e, ainda, presidiu o Instituto Biofábrica de Cacau. Por último, assumiu o cargo de diretor-administrativo da Câmara de Vereadores de Itabuna, ainda sob as bênçãos de GS.
Neste final de semana, surpreendeu a imagem de Moacir posando para fotos ao lado do prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo (DEM).
O PTB, presidido por Moacir, definiu apoio ao prefeito e adversário do deputado e, de lambuja, filiou o secretário de Desenvolvimento Urbano, José Alencar, que deixou o PP e encontrou nova casa. O arranjo feito pelo presidente da Câmara, Ruy Machado (PRP), ainda garante tranquilidade e votos a Azevedo para aprovar o que quiser na Câmara.
Azevedo aniquilou o que restava de oposição no legislativo e – ao que deixa transparecer a foto oficial – ainda fisgou um dos mais fiéis geraldistas da última década. Vai “tratorando” rumo a 2012, tendo como aliado nesta hora um vereador que coleciona pequenos partidos para negociá-los caro em 2012.

Back To Top