skip to Main Content
29 de fevereiro de 2020 | 07:34 am

TAXA DE DESOCUPADOS CAI NO BRASIL, MAS O DESEMPREGO AINDA ATINGE 11,9 MILHÕES

Taxa de desemprego registra recuou|| José Cruz/Agência Brasil
Tempo de leitura: < 1 minuto

A taxa de desocupação no Brasil baixou para 11,2% no trimestre encerrado em janeiro, uma redução de 0,4% em relação ao trimestre anterior (de agosto a outubro de 2019), quando ficou em 11,6%. Mesmo com a redução, ainda existem 11,9 milhões de pessoas desocupadas no País.

Em relação ao trimestre encerrado em janeiro de 2019, quando a taxa foi de 12,0%, houve queda de 0,8% ponto percentual. Os dados são da PNAD Contínua, divulgada nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O nível da ocupação, que mede o percentual de pessoas ocupadas em idade de trabalhar, manteve-se estável (54,8%) em relação ao trimestre antecedente, mas subiu em relação ao mesmo período do ano anterior, quando era estimado em 54,2%”, comenta a analista da PNAD Contínua, Adriana Beringuy.

Leia Mais

ITABUNA REGISTRA SALDO NEGATIVO DE EMPREGO PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO

Tempo de leitura: 2 minutos

Outrora um importante polo de serviços regionais, Itabuna vê o setor encolher e demitir. Em 2019 foram 3.077 contratações com carteira assinada ante 3.946 demissões, um corte de 869 postos de trabalho, bem acima das perdas de 2018, quando o saldo negativo foi de 351 empregos.

Os números surpreendem porque em 2017 e 2016, quando o município registrou saldo positivo de contratações com carteira assinada, foi o setor de serviços que garantiu a maior parte das vagas, enquanto o comércio demitiu mais do que admitiu.

No ano passado, houve recuperação de empregos no comércio, com um saldo positivo de 131 vagas. Em seguida, vieram a construção civil e os serviços industriais de utilidade pública, como a coleta de lixo, ambos com 38 empregos preservados, e administração pública e autárquica, com saldo de três. Ficaram no negativo, além do setor de serviços, a indústria, com 55 empregos a menos, a agropecuária, menos 22, e a atividade extrativa mineral, com dois empregos a menos.

Os números ainda são ruins, mas o fato de o saldo negativo ser menor que o de 2018 já permite um alento. O mês de dezembro também deu um bom sinal, embora tenham ocorrido mais demissões que admissões. No último mês do ano passado ocorreram mais contratações com carteira assina do que o ano anterior e bem menos gente foi mandada embora.

Enquanto isso, a vizinha Ilhéus vem de saldo positivo de empregos formais nos últimos dois anos, com 230 em 2018 e 854 em 2019 e é justamente o setor de serviços que mais tem contratado. O saldo no setor em 2018 foi de 398 empregos com carteira assinada mantidos e em 2019 foram 765, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, responsável pelo registro permanente de admissões e dispensa de empregados no Brasil.

NÚMEROS DE EMPREGOS EM ITABUNA – CAGED

ITABUNA – DADOS DE EMPREGO FORMAL – DEZEMBRO
ANO ADMISSÕES DESLIGAMENTOS SALDO
2019 654 682 -28
2018 640 829 -189

 

SALDO DE EMPREGOS POR SETOR EM 2019 – ITABUNA
SETOR ADMISSÕES DEMISSÕES SALDO
SERVIÇOS 3.077 3.946 -869
COMÉRCIO 3.010 2.879 131
INDÚSTRIA 842 897 -55
CONSTRUÇÃO CIVIL 432 394 38
AGROPECUÁRIA 275 297 -22
SERVIÇOS INDUSTRIAIS DE UTILIDADE PÚBLICA 107 69 38
ADM. PÚBLICA E AUTÁRQUICA 32 29 3
EXTRATIVA MINERAL 1 3 -2
TOTAL 7.716 8.476 -760

 

ITABUNA – DADOS DE EMPREGO FORMAL – DEZ ANOS
ANO ADMISSÕES DESLIGAMENTOS SALDO
2019 7.716 8.476 -760
2018 8.091 9.311 -1.220
2017 8.991 8.934 57
2016 9.850 9.814 36
2015 9.814 12.073 -2.259
2014 12.126 11.376 750
2013 10.639 11.236 -597
2012 11.510 11.403 107
2011 11.708 11.739 -31
2010 12.061 10.999 1.062

MAKRO FECHA LOJA DA RODOVIA ILHÉUS-ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Os funcionários do Makro da Rodovia Ilhéus-Itabuna, em Ilhéus, foram pegos de surpresa, nesta manhã de quarta-feira (15), ao chegar para trabalhar. Logo no portão da loja, um aviso de que a empresa havia encerrado as atividades na loja sul-baiana.

O Makro inaugurou a loja ilheense em 2010, com cerca de 150 funcionários. A empresa informou aos funcionários que haveria, para quem desejar, a opção de transferência para lojas em Minas Gerais.

No mercado, a informação é de que a estrutura na Rodovia Ilhéus-Itabuna pode ser adquirida por um grupo mineiro que já trabalha no sistema atacarejo, o Mineirão Atacarejo, que já atua no extremo-sul do Estado. Desde o ano passado, o Makro está no alvo do Carrefour, dono do Atacadão, para compra em negócio estimado em R$ 5 bilhões.

OUTRO LADO

O PIMENTA entrou em contato com a assessoria de comunicação da Rede Makro. A empresa ainda deverá se posicionar publicamente quanto ao encerramento das atividades no sul da Bahia.

TEL CRITICA PEDIDO DO MPT E APONTA RISCO DE 2 MIL DEMISSÕES EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Unidade da Tel em Itabuna sofreu pedido de interdição por parte do MPT

A direção da empresa de telemarketing Tel Centro de Contatos reagiu ao pedido do Ministério Público do Trabalho de interdição da sua unidade em Itabuna (relembre aqui). Em contato com o PIMENTA, a empresa informou que preza “em cumprir rigorosamente as normas trabalhistas” para salvaguardar a qualidade de vida dos 15 mil colaboradores no país, classificou o pedido como absurdo e apontou risco de 2 mil desempregos no município sul-baiano, com fechamento da unidade.

A empresa ainda acusa o MPT de ter omitido a existência de laudo do Corpo de Bombeiros “atestando que as instalações estão em condições de segurança necessárias para o pleno funcionamento de suas atividades”. A documentação do Corpo de Bombeiros, de acordo com a direção da empresa, já foi apresentada. O processo em que é ré, reforça, segue em fase de instrução na Justiça Trabalhista.

“Nesse cenário, a Tel entende ainda que a ação irrefletida do MPT poderia ocasionar prejuízos à população itabunense com o desemprego de mais de 2.000 pessoas por uma medida que carece de fundamentação e prudência, colocando em xeque o sustento de milhares de famílias que dependem da unidade, assim como a vida econômica da região, nesse momento de tanta dificuldade e crise instalada”.

A empresa já sofreu uma interdição em outubro de 2017 em Itabuna. O ato foi revogado no mesmo dia pela justiça do Trabalho. Abaixo, clique em Leia Mais e confira a íntegra do posicionamento em resposta à matéria veiculada pelo PIMENTA, ontem à tarde.

Leia Mais

1,2 MILHÃO PERDERAM EMPREGO NO PRIMEIRO TRIMESTRE E 13,4 MILHÕES BUSCAM TRABALHO

Tempo de leitura: 2 minutos

Desemprego segue alto no Brasil|| Foto Pedro Ventura/Agência Brasília

Mais de 1,2 milhão de pessoas entraram para a população desocupada no primeiro trimestre do ano, na comparação com o último trimestre de 2018. Com isso, o total de pessoas à procura de emprego no país chegou a 13,4 milhões. A taxa de desocupação subiu para 12,7%, mas ainda é inferior aos 13,1% atingidos no primeiro trimestre do ano passado.

Esses são os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada na terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As maiores quedas no número de ocupados foram no setor da administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, com menos 332 mil pessoas, seguido por construção civil, com perda de 228 mil pessoas. Os outros setores ficaram estáveis.

“Existe uma sazonalidade na administração pública, representada principalmente pelas prefeituras, que contratam servidores temporários e os demitem no início do ano”, explica o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

O contingente de 32,9 milhões de empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada ficou estável frente ao último trimestre de 2018. Já a categoria dos empregados desse setor sem carteira de trabalho assinada registrou perda de 365 mil postos de trabalho, caindo para 11,1 milhões de pessoas. Observou-se também um aumento no rendimento médio dos trabalhadores sem carteira.

Leia Mais

ITABUNA ELIMINA MAIS DE 180 POSTOS DE TRABALHO EM APENAS UM MÊS

Tempo de leitura: 2 minutos

Itabuna elimina 181 empregos em um mês|| Foto José Nazal

Os dados divulgados, nesta quarta-feira (24), pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) revelam que as empresas instaladas em Itabuna voltaram a demitir mais que contratar funcionários. Em março, os setores do município do sul da Bahia que mais sofreram com a crise na econômica brasileira foram comércio e serviços. Juntos, eliminaram 179 vagas.

O comércio registrou, no mês passado, 270 desligamentos e 198 contratações, o que representou o fechamento de 72 postos de trabalho com carteira assinada. A situação foi ainda pior no setor de serviços, que registrou 334 demissões contra 227 admissões, com eliminação de 107 empregos. Na agropecuária foram suprimidas outras 17 vagas. No geral, Itabuna registrou saldo negativo de 181 postos em março.

No acumulado do trimestre, as empresas instaladas em Itabuna fizeram 2.034 contratações e eliminaram 2.219 empregos formais. O pior resultado no período foi no setor de serviços, que perdeu 206 vagas; seguido do comércio, que suprimiu outras 107. Nos últimos 12 meses, o saldo de empregos no município também é negativo (-889).

ILHÉUS

Em Ilhéus, o prejuízo para os trabalhadores foi um pouco menor. Houve a eliminação de 59  vagas, com resultados negativos na agropecuária (-23),  serviços (-18),  serviço industrial de utilidade pública (-14), comércio (-3) e construção civil (-2). No acumulado do primeiro trimestre, o saldo é negativo em 85 postos de trabalho, resultado provocado por desempenho ruins em setores como agropecuária (-50) e comércio (-33).

Outros setores com resultados ruins no período foram de serviços (-32) e serviço de utilidade pública (-32). No primeiro trimestre, a construção civil apresentou o melhor desempenho, com saldo positivo de 64 postos de trabalho. No geral, no acumulado dos últimos 12 meses,  Ilhéus tem saldo positivo de 544 vagas.

ITABUNA REGISTRA FORTE AUMENTO DO DESEMPREGO EM AGOSTO; ILHÉUS TEM SALDO POSITIVO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Agosto é marcado por demissões em Itabuna e contratações em Ilhéus

Agosto é marcado por demissões em Itabuna e contratações em Ilhéus

Itabuna encerrou agosto com o fechamento de 341 postos de trabalho, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego.

Foi um dos piores resultados mensais de 2017 para o município sul-baiano. Itabuna registrou 692 contratações no período, porém atingiu 1.033 demissões no período. No acumulado dos oito primeiros meses do ano, o saldo é negativo (-332).

Ilhéus seguiu a tendência nacional. Como poucas vezes nos últimos dois anos, gerou empregos. Abriu 38 novos postos de trabalho no mês passado, saldo das 525 contratações ante 487 desligamentos.

A economia da Terra de Gabriela, porém registra saldo negativo quando analisado o período de 1º de janeiro a 31 de agosto. Ilhéus fechou 415 postos de trabalho no acumulado de 2017, segundo cruzamento feito pelo PIMENTA a partir de dados do Caged.

ITABUNA E ILHÉUS CORTAM MAIS DE 500 POSTOS DE TRABALHO EM 2017

Tempo de leitura: 2 minutos
Itabuna e Ilhéus fecharam 5 meses no vermelho na geração de empregos | Foto Cidadesnet

Itabuna e Ilhéus fecharam 5 meses no vermelho na geração de empregos || Foto Cidadesnet

As duas principais economias do sul da Bahia fecharam o acumulado de janeiro a maio deste ano com saldo negativo de empregos. Itabuna cortou 59 postos de trabalho. Ilhéus, outros 482, , aponta o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Os dados do Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados (Caged), do MTE, revelam que o setor de serviços em Itabuna abriu 197 novas vagas no período de janeiro a maio, mas outros tradicionais geradores de emprego foram em sentido contrário, a exemplo da indústria, do comércio e da construção civil.

A indústria de transformação encerrou o período com saldo negativo ao cortar 158 postos de trabalho (316 admissões ante 474 desligamentos). Foi seguido, a distância, pelo setor do comércio (corte de 42 postos) e pela construção civil (-35).

Quando considerado apenas maio, o município fica no zero a zero. Gerou 725 empregos, porém registrou 725 desligamentos. Serviços e administração pública geraram, respectivamente, 27 e 4 novos empregos. Apresentaram saldo negativo, dentre os principais setores, indústria (-21), construção civil (-7) e comércio (-2).

O PIMENTA fez cruzamento de dados dos últimos 12 meses. O acumulado de um ano revela saldo positivo neste período em Itabuna: 779 novas vagas. Fica no azul ao ser puxado pelo setor de serviços, que gerou 1.252 novos empregos, tendo como principal responsável a área de telemarketing.

Comércio de Ilhéus fechou período no negativo.

Comércio de Ilhéus fechou período no negativo.

ILHÉUS

Ilhéus fechou o período de janeiro a maio em situação ainda pior. Os principais cortes de postos de trabalho ocorreram na área de serviços (-176), construção civil (-151) e comércio (-148).

O setor agropecuário também apresentou saldo negativo, limando 79 postos de trabalho.

Apenas o setor de serviços de indústria de utilidade pública fechou bem: criou 94 novos postos de trabalho. O setor inclui serviços como transporte coletivo, água e luz, por exemplo.

Dos mais de 480 postos de trabalho cortados nos primeiros cinco meses do ano, 106 deles se deram em maio. Comércio e construção civil puxaram as demissões. Corte de 46 postos de trabalho cada um. O de serviços cortou 14. Já nos últimos 12 meses, o município ilheense fecha com saldo ainda mais negativo: -707 postos.

BAHIA E BRASIL

Os números de maio no país foram positivos, com a criação de 34.253. Na Bahia, também. O estado criou 2.966 novos empregos. Nos cinco primeiros meses do ano, geração de 6.203 novos postos de trabalho. Já no acumulado dos últimos 12 meses, o saldo é negativo: -42.937, de acordo com o MTE.

ITABUNA CRIA NOVOS EMPREGOS E ILHÉUS FECHA FEVEREIRO NO VERMELHO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Ilhéus registrou nova queda no número de empregos (Foto José Nazal).

Ilhéus registrou nova queda no número de empregos (Foto José Nazal).

Ilhéus encerrou fevereiro com saldo negativo de empregos, segundo o Ministério do Trabalho. Ilhéus efetuou 472 contratações em fevereiro e 665 demissões, resultando em corte de 193 postos de trabalho.

Seguiu na contramão dos desempenhos nacional e de Itabuna. O país e o município vizinho fecharam o mês “no azul” no quesito geração de novos empregos. Itabuna criou 41 novos empregos em fevereiro.

O desempenho itabunense foi razoável por causa do saldo positivo no setor de serviços, com abertura de 154 novos empregos, e administração pública (9). Dentre os setores que mais empregam, o comércio fechou 33 vagas, a indústria de transformação ‘limou’ outras  57 e a construção civil mais 24.

Retornando ao cenário ilheense, três dos setores cruciais fecharam no negativo. Maior corte ocorreu no setor de serviços (-58), seguido por comércio (-51), construção civil (-49), agropecuária (-33) e indústria (-14).

ILHÉUS FECHA MAIS DE MIL POSTOS DE TRABALHO COM CARTEIRA ASSINADA

Tempo de leitura: 2 minutos

 

desempregoSegundo maior PIB (Produto Interno Bruto) do sul da Bahia, Ilhéus obteve resultado negativo na geração de empregos com carteira assinada em janeiro, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Fechou 103 postos de trabalho no mês passado. O número é pior se levado em conta o período de 12 meses, quando a economia perdeu 1.044 postos de trabalho.

O corte acima de mil empregos formais é resultado de 7.029 admissões e 8.073 demissões no período. O setor de serviços responde por quase 40% do corte de postos no ano passado (limou 395 empregos no período).

Já quando levado em conta o primeiro mês deste ano, o setor de serviços fechou no azul, mas timidamente – apesar da alta estação. Porém, construção civil, comércio e indústria desafinaram.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego, o setor de serviços abriu 21 vagas e a agropecuária criou outros 4. Na contramão, a construção civil fechou 73 postos de trabalho, seguido de comércio (-30) e indústria de transformação (-23).

ITABUNA

Itabuna também fechou no vermelho em janeiro, conforme o Ministério do Trabalho. O município cortou 42 postos de trabalho no primeiro mês do ano.

Os setores da construção civil e de serviços foram os maiores responsáveis pelo desempenho ruim. Cortaram, respectivamente, 32 e 21 postos de trabalho.

O comércio mostra recuperação com a abertura de 19 novas vagas no primeiro mês do ano. Com 10 novos postos, a agricultura também fechou no azul em relação a empregos com carteira assinada.

Já no acumulado dos últimos 12 meses, Itabuna criou 123 novos empregos – 10.402 admissões ante 10.279 desligamentos no período.

Como o PIMENTA mostrou em janeiro, o resultado positivo na geração de empregos nos últimos meses tem a ver com as contratações feitas pela Tel Centro de Contatos. A empresa de telemarketig criou mais de 1,5 mil empregos no período de mais de um ano. Já neste início de ano, a Tel deu freio nas contratações.

Back To Top