skip to Main Content
16 de maio de 2021 | 12:38 am

MUTIRÃO VIRTUAL DE PREVENÇÃO DO DIABETES NO BRASIL TERÁ PALESTRAS E DICAS DE PREVENÇÃO

Rafael Andrade, criador do maior mutirão de prevenção do diabetes no Brasil
Tempo de leitura: 2 minutos

Para esclarecer sobre o diabetes, especialmente como proteger a saúde dos olhos, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) realizará, em 21 de novembro, maratona de atividades com 24 horas de entrevistas e palestras com dicas de prevenção. O evento 24 horas pelo Diabetes terá edição virtual devido às limitações impostas pela Covid 19 na realização de mutirões por todo o país.

O evento terá a participação do médico Rafael Andrade, presidente da ONG Unidos pelo Diabetes e coordenador do Mutirão do Diabetes de Itabuna, considerado o maior evento no tratamento e prevenção da doença em todo o país. De acordo com Rafael, serão 24 horas voltadas para orientação sobre prevenção e tratamento do diabetes, “numa grande mobilização nacional, que envolve não apenas médicos”, mas diversos segmentos da sociedade organizada”.

Durante o evento também serão apresentados depoimentos de pacientes, de artistas e celebridades que enfrentam o diabetes. Haverá ainda várias reportagens sobre o tema. A ação digital também contará com a participação dos usuários das redes sociais, que poderão enviar perguntas, depoimentos e comentários.

“O Conselho Brasileiro de Oftalmologia entende que o diabetes é um tema que deve ser visto como prioridade pela saúde pública. Por isso, convidamos Governo, sociedades médicas e entidades da sociedade civil para fazerem parte dessa grande mobilização. Vamos levar esclarecimentos à população sobre o quão prejudicial o diabetes pode ser à visão e a importância da prevenção e do controle da doença, de uma forma geral”, afirmou o presidente do CBO, José Beniz Neto.

O coordenador do evento e vice-presidente do CBO, Cristiano Caixeta Umbelino, demonstra preocupação com os indicadores da doença. “O crescimento da prevalência do diabetes no mundo reforça a urgência de ações efetivas. No Brasil, entre 2006 e 2019, a prevalência de diabetes passou de 5,5% para 7,4%, segundo dados do Ministério da Saúde”, destaca. A programação completa das atividades de 21 de novembro, com foco nas mídias digitais, ficará disponível na página do CBO.

UNIDOS PELO DIABETES PROMOVE AÇÃO INÉDITA DE TRATAMENTO DURANTE A PANDEMIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Itabuna realizou a segunda fase do projeto Unidos pelo Diabetes em ação, com a avaliação dos pacientes que participaram de uma triagem anterior na qual foram diagnosticados com retinopatia diabética, por meio de telediagnóstico com avaliação a distância de oftalmologistas especialistas em retina. Devido à pandemia da covid-19, não haverá o tradicional mutirão. Além da avaliação e triagem, houve exame do pé diabético, utilizando um aplicativo para manejo das informações, coordenada pela professora Roseanne Montargil.

Cerca de 100 pacientes com casos mais graves foram selecionados para a segunda fase, no Hospital Beira Rio. Nessa fase, eles participaram de um atendimento presencial pelo especialista em retina, segundo o médico Rafael Andrade, presidente da ONG, iniciando o tratamento com laser e, com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde, continuarão sendo atendidos nas próximas semanas.

Também de maneira inédita, os pacientes realizaram exames na mácula, área central da retina, através da tomografia de coerência óptica, para uma avaliação mais detalhada. Todos os cem pacientes passaram, também, por avaliação laboratorial, com exames bioquímicos importantes, que podem detectar doenças renais, com o apoio do LAP Laboratório.

Os pacientes passaram por avaliação de nefrologia, comandada pelo médico Rodolfo Nascimento; angiologia, comandada pelo médico Marcelo Araújo e a médica Roseanne Montargil; e cardiologia, comandada pela médica Ana Paula Leal, incluindo a realização de eletrocardiograma e ecocardiograma. Todos exames com protocolos rígidos de distanciamento social.

MODELO PARA O BRASIL

No final da ação, os pacientes receberam orientações importantes sobre prevenção, com as enfermeiras da Atenção Básica de Saúde do Município, numa integração entre os segmentos da saúde pública, para garantir a manutenção e tratamento, um grande diferencial para o projeto.

Leia Mais

MÉDICO FAZ ALERTA SOBRE OS RISCOS DAS DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS

Tempo de leitura: 3 minutos

Médico Antônio Fernando Ribeiro Júnior alerta para riscos de AVC

 

Nesta quinta-feira (29) é celebrado o Dia Mundial do Acidente Vascular Cerebral (AVC), doença que afeta 13,7 milhões de pessoas por ano no mundo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, as doenças vasculares são a segunda causa de óbitos, sendo a primeira no sul da Bahia, de acordo com o médico neurologista Antônio Fernando Ribeiro Júnior, da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna.

Com o slogan “Junte-se ao Movimento”, a campanha mundial deste ano busca mostrar a importância da prática do exercício físico para a prevenção ao AVC. “Desde 2018 que temos realizado atividades para alertar a população sobre os riscos das doenças cerebrais. Neste ano, por causa da Covid-19, as atividades são online”, relata Antônio Fernando. No sul da Bahia, a campanha está sendo divulgada nas redes sociais, no instagram: @nep_avc.

O neurologista destaca que existem dois tipos de AVCs. Um deles é o isquêmico, cujo paciente pode ter as chances de sequelas e incapacidade reduzidas se o tratamento for iniciado precocemente. O atendimento deve ser feito na chamada “janela terapêutica”, com medicação para desentupir a artéria que faz a isquemia. Esse processo deve ser feito em, no máximo, 4h30min.

O acidente vascular isquêmico ou infarto cerebral é o entupimento dos vasos cerebrais. Ele pode ocorrer devido a uma trombose, que é a formação de placas numa artéria principal do cérebro; ou embolia, quando a placa de gordura originária de outra parte do corpo se solta e, pela rede sanguínea, chega aos vasos cerebrais.

AVC HEMORRÁGICO

O outro tipo de AVC é o hemorrágico, que ocorre com o rompimento dos casos sanguíneos. Há casos também que ocorre o subtipo de AVC hemorrágico subaracnóide, com o sangramento entre o cérebro e a aracnóide (uma das membranas que compõe a meninge). “Esse subtipo causa pressão intracraniana e provoca altos índices de mortalidade”, observa o médico.

O neurologista orienta que, em caso de suspeita de AVC, a pessoa deve ser levada imediatamente para o hospital. “Quanto o mais rápido a pessoa chegar a um hospital, maiores são as chances da isquemia ser revertida e deixar menos sequelas. Temos estudos mostrando que, a cada minuto em que o cérebro fica em isquemia, morrem aproximadamente dois milhões de neurônios, o que pode comprometer os movimentos”.

Antônio Fernando destaca que existem fatores de riscos modificáveis e não modificáveis. Em um dos grupos devem ser incluídos a genética e a idade, pois quanto mais velha a pessoa fica maior é o risco de sofrer um AVC. “Mas a doença também está relacionada ao estilo de vida. Por isso, há muitos jovens, com idade entre 30 e 45, entre as vítimas de AVC,” explica.

HIPERTENSÃO E DIABETES

No grupo dos casos modificáveis estão pessoas com hipertensão, diabetes, consumo frequente de álcool e drogas, colesterol elevado, estresse, doenças cardiovasculares, sedentarismo e doenças do sangue. Esses fatores de risco do segundo grupo são responsáveis por 90% dos casos de isquemia. Isso significa que o AVC é prevenível em 9 em cada 10 casos. “Sendo que a hipertensão arterial não cuidada está no topo do ranking”.

O médico Antônio Fernando explica que entre os sintomas comuns aos acidentes vasculares cerebrais estão dor de cabeça muito forte, fraqueza ou dormência na face, nos braços ou nas pernas, perda da visão, paralisia, perda súbita da fala, tontura e perda da capacidade de planejar as atividades rotineiras.

O neurologista conta que existe uma sequência de letras que é sempre usada, que é o “Samu”. “O S de sorriso, A de abraço, M de música e U de urgência. Isso significa que se pessoa sorrir e a boca fica torta, vai dá um abraço e o braço está fraco e vai cantar uma música e está com a fala embolada, ligue imediatamente para o Samu porque pode ser um AVC”, orienta.

NA PANDEMIA, ITABUNA PROMOVE AÇÃO INOVADORA DE PREVENÇÃO AO DIABETES

Tempo de leitura: 3 minutos

Itabuna inova na prevenção ao diabetes na pandemia

A ONG Unidos pelo Diabetes, que promove o Mutirão do Diabetes de Itabuna, deu início a um novo modelo de prevenção da doença, já que, por causa da pandemia da Covid-19, o maior mutirão do país na prevenção e tratamento da doença não será realizado no formato convencional este ano.

Nesta edição especial, os exames foram feitos sempre com horário agendado, no ginásio de esportes do CAIC, no bairro Sarinha Alcântara, situado ao lado da Unidade Básica de Saúde (USB).

Pacientes com diabetes, da rede pública de saúde de Itabuna, previamente selecionados por agentes comunitários da cidade, foram recepcionados para realizar retinografia digital e exame do pé diabético. Os exames foram feitos por meio de sistema de teletriagem e com o auxílio de um aplicativo específico (SISPED).

O projeto “Unidos pelo diabetes em ação”, que conta com o apoio do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e Sociedade Brasileira do Diabetes, antecipa a celebração pelo Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro) e tem o intuito de fornecer aos pacientes da cidade acesso rápido e gratuito a exames diagnósticos para rastreamento de possíveis complicações associadas à doença, principalmente a retinopatia diabética.

Paciente passa por exame oftalmológico

TELETRIAGEM E PREVENÇÃO

“A intenção é auxiliar os pacientes, por meio de uma nova metodologia que respeita os cuidados de distanciamento social e barreira sanitária, essenciais para evitar a disseminação do novo coronavírus”, salienta o oftalmologista Rafael Andrade (foto), presidente da ONG Unidos pelo Diabetes e criador do mutirão.

Pacientes que apresentaram alteração no resultado de seus exames participarão da segunda fase do projeto, prevista para novembro, no Hospital Beira Rio. Eles serão encaminhados para atendimento especializado e terão acesso a outros exames de alta complexidade, como eletrocardiograma, ecocardiograma, tratamento de retina com fotocoagulação a laser e exames bioquímicos, dentre outros. No total, cerca de 600 pessoas devem ser beneficiadas nas duas fases da ação, 100 delas na etapa de novembro, além de ações educacionais

DETECÇÃO PRECOCE

Segundo o médico Rafael Andrade, membro da Comissão de Prevenção à Cegueira do CBO, o diabetes é responsável por provocar alterações nos vasos sanguíneos (vasculopatia), com graves implicações associadas a órgãos como retina, coração, rins e membros inferiores. Entre as principais complicações, estão cegueira, ataque cardíaco, falência dos rins e surgimento de úlceras que podem levar à amputação de membros e extremidades.

“O exame para detecção da retinopatia diabética, que é uma complicação vascular da retina, tem importância central nesse contexto de rastreamento da vasculopatia. Isso porque os olhos são órgãos aparentes, sendo assim, é possível observar de modo claro as alterações da circulação sanguínea, no momento em que o médico realiza a dilatação da pupila”, destaca. “Por outro lado, os órgãos internos, como rins e coração, exigem exames de maior complexidade e, no geral, quando emitem sintomas de alerta a respeito desses problemas vasculares é porque já estão em estado avançado no organismo”, explica.

SANCIONADA LEI DE CRIAÇÃO DE COMPANHIA BAIANA QUE FABRICARÁ INSULINA

Rui Costa sancionou lei de criação da Bahiainsulina
Tempo de leitura: < 1 minuto

Após aprovação pelos deputados estaduais na última quinta (27), a lei de criação da Companhia Baiana de Insulina (Bahiainsulina) foi sancionada pelo governador Rui Costa e publicada na edição deste sábado (29) do Diário Oficial do Estado.

Com a publicação da lei, Governo do Estado fica autorizado a instituir a sociedade de economia mista, com personalidade jurídica de direito privado, patrimônio e receitas próprios e autonomias administrativa, orçamentária e financeira.

“Este projeto belíssimo é uma parceria internacional, com implantação da fábrica e cooperação para transferir em 10 anos a tecnologia para produção de insulina, algo tão necessário para o povo brasileiro e a Bahia. Isso é bom para a ciência, a saúde e também para a economia da Bahia, porque vai gerar emprego”, afirma o governador.

A Bahiainsulina será o braço fabril da Bahiafarma para a produção de insulina para o SUS. A Bahiafarma é detentora da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) de insulina humana, que garante que o Ministério da Saúde adquira da Bahiafarma 50% da demanda nacional do SUS.

Com um investimento estimado em R$ 200 milhões, a fábrica prevê a geração de até 300 empregos diretos e mil indiretos. O laboratório ucraniano Indar é responsável pela transferência de tecnologia. A Bahiainsulina funcionará no Centro Industrial de Aratu.

BAHIA USARÁ TECNOLOGIA CUBANA NA PRODUÇÃO DE REMÉDIO DE CONTROLE DO DIABETES

Secretário Vilas-Boas, à esquerda, durante encontro para discutir acordo comercial
Tempo de leitura: 2 minutos

Um acordo de transferência de tecnologia de produção de medicamentos e gerenciamento de saúde na área de diabetes mellitus foi definido entre representantes governamentais de Cuba e o secretário Estadual da Saúde Fábio Vilas-Boas, em visita oficial àquele país, nesta terça-feira (03). De acordo com o secretário Fábio Vilas-Boas, o Governo de Cuba desenvolveu um dos mais bem sucedidos projetos de controle do diabetes e de suas complicações, que incluem amputações e cegueira, em todo o mundo.

Segundo Vilas-Boas, o projeto de parceria com o governo cubano resulta de reuniões iniciadas pelo governador Rui Costa em visita oficial ao país em 2017 e sequenciadas pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma).

Uma molécula desenvolvida pelo Centro Cubano de Engenharia Genética e Biomolecular (CIGB) é capaz de aumentar a circulação de sangue nas pernas e pés afetados pela doença vascular do diabetes, evitando assim a amputação que afeta 4.500 baianos por ano. O medicamento está em fase final de aprovação regulatória do Brasil, sendo a Bahiafarma, junto com a Fiocruz Biomanguinhos, os primeiros laboratórios a aplicarem o novo fármaco no país.

Leia Mais

JOVENS CIENTISTAS BAIANOS DESENVOLVEM MÉTODO PARA O TRATAMENTO DA DIABETES

Tempo de leitura: 2 minutos

Jovens pesquisadores tentam apresentar descoberta no exterior

No Brasil, cerca de 12,5 milhões de pessoas sofrem com a diabetes.Em busca de diminuir este índice, estudantes do Curso Técnico em Química do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), em Catu, iniciaram pesquisas para utilizar uma fruta típica do extremo-sul baiano, o mangostão, para tratar a doença.

A ideia de utilizar o fruto como alternativa para o tratamento da diabetes partiu de um credo popular de que a mesma é benéfica para diminuir o açúcar no organismo. Segundo o orientador do projeto, o professor Saulo Capim, foi em uma feira, em Ilhéus, que surgiu o interesse sobre o alimento.

Ela conta que “ao ver o mangostão pela primeira vez, a vendedora me informou que várias pessoas consomem a infusão da casca. Depois, descobri que nos países asiáticos, a população costuma utilizar o fruto para tratar várias doenças”.

DESCOBERTA

A investigação logo constatou que o mangostão possui alto valor de pectina, substância que ajuda a eliminar colesterol e açúcar do organismo. Mas a questão era, como transformar essa matéria prima em um alimento acessível e prático para consumo? A solução foi criar uma farinha a partir da casca do fruto.

Saulo Capim explica que “cerca de 80% do peso do mangostão está na casca, que geralmente é descartada. Ao ser reutilizado, o material pode ser considerado sustentável, uma vez que não será depositado no meio ambiente. Além disso, a farinha pode ajudar no tratamento de quem tem diabetes ou auxiliar, de forma preventiva, as pessoas que fazem parte do quadro de risco”.

Leia Mais

UNIDOS PELO DIABETES PROMOVE AULÃO AZUL DE VERÃO, NA BEIRA-RIO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Aulão Azul terá edição de Verão em 2019

A ONG Unidos pelo Diabetes promove no próximo dia 1º de fevereiro, o Aulão Azul de Verão, que faz parte do calendário anual de ações de prevenção da doença. O evento começará às 18h, na Praça Rio Cachoeira, no Góes Calmon, com atividade física para crianças e recreação com o Palhaço Linguiça.

Às 19 horas, o Aulão Azul terá coordenação do professor de Educação Física Marcus Mucugê e a participação dos professores Tay Hage, Marcelinho, Jamille Marques, Elisabete, Laiza, Débora e Camilo, que atuam nas principais academias de Itabuna. As atividades têm o objetivo de incentivar diabéticos e toda a comunidade a praticar exercícios com regularidade, melhorando a qualidade de vida.

Nesta 1ª edição, o Aulão Azul de Verão terá a Zumba, atividade alegre e de muito swing e gasto calórico, que vai movimentar a praça Rio Cachoeira. A partir deste ano, a ONG Unidos pelo Diabetes realiza uma série de atividades, que culminarão com o 15º Mutirão do Diabetes, evento que é referência para várias cidades do Brasil.

“A prevenção do diabetes deve ser permanente, daí a necessidade de incentivar práticas saudáveis e promover a capacitação e o envolvimento dos profissionais de saúde”, afirma o presidente da ONG e coordenador do Centro Avançado em Retina e Vítreo do Hospital de Olhos Beira Rio, Rafael Andrade.

MAIS DE 1,2 MIL CICLISTAS PARTICIPAM DA PEDALADA AZUL, EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Pedalada Azul teve participação de mais de 1,3 mil ciclistas || Foto Pedro Augusto Benevides

A edição 2018 da Pedalada Azul em Itabuna superou expectativa ao reunir mais de 1,2 mil ciclistas neste domingo (25). A ação promovida pela ONG Unidos pelo Diabetes percorreu alguns dos principais corredores urbanos da região central e do São Caetano, com o apoio de grupos como o Pedal Bom, Amigos das Trilhas, Pedal Livre, Ciclo Bike Grapiuna e Pé de Cana.
A pedalada teve ainda a arrecadação de alimentos não perecíveis que serão entregues a entidades beneficentes de Itabuna. O evento foi encerrado na Praça Cachoeira, em frente ao HOBR, com sorteio de vários brindes entre os participantes que se inscreveram pelo site do Mutirão do Diabetes. Integrante do Pedal Bom, Thessia Lira falou do engajamento dos ciclistas nestas ações. “Estamos unindos as pessoas na prevenção ao diabetes e no incentivo à prática de atividades esportivas para uma vida saudável”.
A Pedalada teve o patrocínio da Águia Branca e da Caixa Econômica Federal. “Esse é um exemplo mobilização social e a Caixa faz questão de apoiar ações que contribuam para melhorar a qualidade de vida das pessoas, como o Mutirão do Diabetes e a Pedalada Azul”, disse Marcus Vinícius Nascimento, superintendente regional da Caixa. “É uma satisfação estabelecer essa parceria, num evento que valoriza a saúde e envolve centenas der pessoas em torno de uma causa nobre”, disse o gerente regional da Águia Branca, Gilmar Abreu.
O presidente da ONG Unidos pelo Diabetes e coordenador das atividades do Novembro Azul em Itabuna, médico Rafael Andrade, apontou o envolvimento da cidade nas ações de prevenção ao diabetes. “A solidariedade marcou a campanha. A cidade se envolveu num movimento pela saúde que cresce a cada ano”.

MAIS DE MIL CICLISTAS SÃO ESPERADOS NA 6ª PEDALADA AZUL DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Pedalada será domingo (25), saindo da Praça Rio Cachoeira || Foto Pedro Augusto Benevides

Mais de mil ciclistas são esperados para mais uma edição da Pedalada Azul, ação que faz parte do Mutirão do Diabetes de Itabuna. A pedalada será neste domingo (25), com largada às 8h, na Praça Rio Cachoeira, no Góes Calmon, e tem percurso de cerca de 10 quilômetros, com carros de apoio com água mineral para hidratar os ciclistas. O encerramento será, novamente, na Praça Rio Cachoeira, com confraternização dos participantes.
A Pedalada Azul deste ano tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e Águia Branca e contará com a participação de grupos de ciclismo como Pedal Bom, Amigos das Trilhas, Pedal Livre, Ciclo Bike Grapiúna e Pé de Cana. O evento se tornou momento de amigos e famílias se unirem à causa de prevenção e combate ao diabetes e vem sendo realizada anualmente pela ONG Unidos pelo Diabetes, HOBR e Associação dos Diabéticos de Itabuna (Asdita).

VISÃO EMBAÇADA PODE SER SINTOMA DE DOENÇA GRAVE, ALERTA MÉDICO

  • 14 de julho de 2018
Tempo de leitura: < 1 minuto

Médicos fazem um alerta para quem apresenta visão embaçada. Embora pareça comum, a situação exige cuidados, pois pode ser sintoma grave de deslocamento de retina, olho seco, diabetes, catarata, glaucoma, inflamação do olho ou até mesmo crise hipertensiva.
A dica é procurar ajuda de profissional médico. “Quando falamos em saúde ocular, qualquer mínimo detalhe não pode passar em branco. O ideal é, ao menor sinal de anormalidade, investigar, porque se for algo mais sério, pode ser identificada em um estágio inicial e as chances de um tratamento mais efetivo é muito maior”, afirma o médico Antônio Nogueira Formiga, do Centro de Olhos Especializados (Cenoe).
De acordo com o médico, nem sempre a visão embaçada tem como agente causador um quadro oftalmológico. Ela pode ser causada por hipoglicemia, a enxaqueca e doenças hormonais, dentre outras. “Por isso, é importante procurar um oftalmologista e, se os problemas estiverem descartados, recorrer a outro especialista”.

BAHIAFARMA COMEÇA A FORNECER INSULINA PARA O SUS; EMPRESA COBRIRÁ 50% DA DEMANDA

Tempo de leitura: 4 minutos

Bahiafarma atenderá metade da demanda por insulina no SUS || Foto Tiago Décimo/Bahiafarma

A Bahiafarma começa a fornecer, nesta semana, insulinas para a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) em todo o país. De acordo com o laboratório estadual, os primeiros lotes do medicamento usado para controle da diabetes devem chegar aos postos de saúde nos próximos dias. A Bahiafarma fornecerá 50% da demanda de insulinas Regular (R) e de ação prolongada (NPH) do SUS.
O procedimento marca a primeira etapa do processo de transferência de tecnologia que vai tornar o Brasil um dos poucos países a dominar o processo de fabricação de insulina, um dos medicamentos mais utilizados no mundo – e considerado estratégico pelo Ministério da Saúde.
A compra do medicamento, por parte do ministério, foi publicada no dia 16 deste mês, no Diário Oficial da União, concretizando a redistribuição dos projetos de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) para produção de insulina no País, que havia sido definida por meio da Portaria número 551, publicada no DOU em 21 de fevereiro de 2017.
Para a produção das insulinas, a Bahiafarma tem como parceiro tecnológico o laboratório ucraniano Indar, dentro do regime de PDPs. “É uma empresa que atua exclusivamente em pesquisa e produção de insulinas há mais de 15 anos e é reconhecida por utilizar tecnologias inovadoras, além de realizar operações em diversos países”, ressalta o diretor presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias.
A PDP entre Bahiafarma e Indar prevê a instalação da fábrica de insulinas na Região Metropolitana de Salvador (RMS). “Uma fábrica de insulinas é uma unidade de alta tecnologia, que poucos laboratórios detêm, e estamos dando todos os passos para atingir a excelência na instalação desta unidade”, afirma o executivo, enfatizando que “a Indar tem todo o know-how para auxiliar-nos neste processo, que vai resultar na mudança de patamar da indústria farmacêutica no Norte-Nordeste brasileiro, com atração e formação de mão de obra altamente qualificada”.
FÁBRICA
O protocolo para a instalação da fábrica na Bahia foi assinada entre o governador Rui Costa, a presidente da Indar, Liubov Viktoriyna Vyshnevska, o secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, e Ronaldo Dias, em agosto do ano passado. “É um acordo bom para a saúde dos brasileiros e bom para a economia brasileira”, disse Rui, à época. “Com a fábrica, o Ministério da Saúde passa a fazer a aquisição [da insulina] por um preço muito menor, facilitando assim o acesso a esse medicamento para milhares de portadores de Diabetes.”
De acordo com pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, o número de brasileiros diagnosticados com Diabetes cresceu 61,8% entre 2006 e 2016, passando de 5,5% para 8,9% da população. Somente os portadores de Diabetes tipo 1, dependentes regulares de insulina, são mais de 600 mil brasileiros.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que, no mundo, cerca de 10% dos adultos têm a doença. “A construção dessa fábrica fará história na saúde pública do Brasil”, avalia o secretário Fábio Vilas-Boas, ressaltando a possibilidade de ampliação do acesso à insulina pelo povo brasileiro.
Para Ronaldo Dias, a parceria internacional “concretiza a política do governador Rui Costa de promover a industrialização do Estado”, e amplia, ainda mais, a oportunidade de produtos que podem ser acessados pelo SUS. A previsão é que a planta industrial comece a operar em 40 meses. “Além disso, a unidade produtiva vai poder dar segurança de fornecimento e estabilidade de preços das insulinas ao sistema”.

Leia Mais

ITABUNA REALIZA MAIOR MUTIRÃO DO DIABETES DO BRASIL

Tempo de leitura: 3 minutos

Cidade do Diabetes se tornou a maior em 13 anos || Imagem Senas Produções

O Mutirão do Diabetes se consolidou como o maior evento de prevenção e tratamento da doença no Brasil, e um dos maiores de mundo, reconhecido pela Federação Internacional do Diabetes. Foram cerca de 25 mil atendimentos, segundo os organizadores, entre procedimentos médicos como exames do olho, pé, rim e coração diabético, no Hospital de Olhos Beira Rio, e ações de prevenção, na Praça Rio Cachoeira.

Na Cidade do Diabetes, foram prestados serviços como exame de glicemia, saúde da mulher, educação física, avaliação auditiva, saúde bucal, psicologia, direitos dos diabéticos, fisioterapia, uso de insulina e orientação nutricional. No espaço Diabetes Kids, crianças realizaram exames de detecção precoce da doença e participaram de atividades lúdicas. “Esse é um momento de conscientização não apenas dos diabéticos, mas de toda família e da sociedade para os cuidados na prevenção, um trabalho que deve ser permanente”, destacou a presidente da Associação dos Diabéticos de Itabuna, Marluce Leão.

Mutirão prestou cerca de 25 mil atendimentos || Fotos Pedro Augusto

O médico Paulo Morales, diretor da Federação Nacional do Diabetes, lembrou que o projeto do Mutirão foi apresentado no Congresso Internacional, realizado no Canadá, como um exemplo a ser seguido em todo o mundo. “Itabuna é um exemplo de que quando se une em torno de uma causa, os resultados são positivos”.

Rafael Andrade (ao centro) e o vice-goverandor João Leão durante o evento || Foto Pedro Augusto

O vice-governador da Bahia, João Leão, representou o governador Rui Costa no evento. “A cidade está de parabéns, se mobilizando para um evento que melhora a qualidade de vida de milhares de pessoas e que deve ser levado para outras cidades da Bahia”.

MAIS AÇÕES E ATENDIMENTOS

Rafael Andrade é o idealizador de mutirão || Foto Pedro Augusto

A Prefeitura de Itabuna, por meio da Secretaria de Saúde, ofereceu a estrutura e a logística do Mutirão, com cerca de 600 servidores atuando na Cidade do Diabetes. Além disso, todos os casos que exigem procedimentos e acompanhamento médico, serão tratados através do SUS. “As pessoas já saem do Mutirão com os exames marcados para atendimento na rede de saúde. É importante mostrar o envolvimento de todos os segmentos da sociedade num evento que é orgulho para Itabuna”, disse a secretária Lísias Miranda.

Idealizador e coordenador do Mutirão do Diabetes, que em 2017 envolveu cerca de 1.500 voluntários, incluindo médicos oftalmologistas de Salvador e São Paulo, o médico Rafael Andrade ressaltou o crescimento do projeto.

“A cada ano, o Mutirão vem ampliando as ações e o atendimento, através de parcerias com a Prefeitura, Santa Casa, Uesc, empresas e principalmente com a participação de centenas de pessoas dispostas a colaborar com esse projeto gratificante”.

O Mutirão do Diabetes de Itabuna, promovido pela ONG Unidos pelo Diabetes, Hospital de Olhos Beira Rio e Asdita, foi encerrado com o programa Balanço Geral, da TV Cabrália/Rede Record, com shows da Banda Lordão, Tays Reis e a Banda Vingadora e Raneychas.

CRESCE 61,8% NÚMERO DE DIAGNOSTICADOS COM DIABETES NO BRASIL

Tempo de leitura: 3 minutos
Aferir nível de glicose é medida para controlar ou combater diabetes (Foto Fábio Pozzebom/Agência Brasil).

Diagnóstico é feito por aferição do nível de glicose (Foto Fábio Pozzebom/Agência Brasil).

O número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos, passando de 5,5% da população em 2006 para 8,9% em 2016. A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada hoje (17) pelo Ministério da Saúde, revela ainda que as mulheres registram mais diagnósticos da doença – o grupo passou de 6,3% para 9,9% no período, contra índices de 4,6% e 7,8% registrados entre os homens.

Segundo o estudo, o Rio de Janeiro é a capital brasileira com a maior prevalência de diagnóstico médico de diabetes, com 10,4 casos para cada 100 mil habitantes. Em seguida, estão Natal e Belo Horizonte (ambos com 10,1), São Paulo (10), Vitória (9,7), Recife e Curitiba (ambos com 9,6). Já Boa Vista é a capital brasileira com a menor prevalência de diagnóstico da doença, com 5,3 casos para cada 100 mil habitantes.

O levantamento revela que, no Brasil, o indicador de diabetes aumenta com a idade e é quase três vezes maior entre os que têm menor escolaridade. Nas pessoas com idade entre 18 e 24 anos, por exemplo, o índice é de 0,9%. Já entre brasileiros de 35 a 44 anos, o índice é de 5,2% e, entre os com idade de 55 a 64 anos, o número chega a 19,6%. O maior registro, entretanto, é na população com 65 anos ou mais, que apresenta índice de 27,2%.

Já em relação à escolaridade, os que têm até oito anos de estudo apresentam índice de diagnóstico de diabetes de 16,5%. O percentual cai para 5,9% entre os brasileiros com nove a 11 anos de estudo e para 4,6% entre os que têm 12 ou mais anos de estudo.

HIPERTENSÃO ARTERIAL

Ainda de acordo com a pesquisa, o número de pessoas diagnosticadas com hipertensão no país cresceu 14,2% na última década, passando de 22,5% em 2006 para 25,7% em 2016. As mulheres, novamente, registram mais diagnósticos da doença – o grupo passou de 25,2% para 27,5% no período, contra índices de 19,3% e 23,6% registrados entre homens.

Leia Mais

DOMINGO TEM PEDALADA AZUL EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos
Organizadores querem reunir, pelo menos, mil ciclistas (Foto Pimenta).

Organizadores querem reunir, pelo menos, mil ciclistas (Foto Pimenta/Arquivo).

Evento atrai ciclistas de todas as idades e estilos (Foto Pimenta).

Evento atrai ciclistas de todas as idades e estilos (Foto Pimenta).

Cerca de mil ciclistas são esperados para a Pedalada Azul, em Itabuna, no próximo domingo (20), em mais um evento de mobilização para o Mutirão do Diabético. A largada será às 8 horas, na Praça Rio Cachoeira (Beira-Rio), com percurso total de 10 quilômetros. Qualquer pessoa pode participar.

Grupos de ciclistas como o Pedal Bom, Amigos das Trilhas e Pé de Cana participam da ação de prevenção ao diabetes em Itabuna. “Está comprovado que o exercício físico diminui a glicemia no sangue, daí a importância de praticar atividades saudáveis. Vamos pedalar e transformar a cidade numa onda azul contra o diabetes”, diz Ana Salles, do Pedal Bom.

Promovida pelo Hospital de Olhos Beira Rio, Asdita e TV Record/Cabrália, a Pedalada Azul é aberta à toda comunidade, independente do modelo das bicicletas. O evento terá um minitrio, com mensagens educativas sobre a prevenção da doença. O mutirão será no próximo dia 26, na Praça Rio Cachoeira.

– Esse ano o envolvimento da cidade com o mutirão certamente consolidará Itabuna como a capital brasileira da prevenção do diabetes – diz o médico Rafael Andrade, coordenador do Mutirão do Diabético.

Back To Top