skip to Main Content
28 de outubro de 2020 | 12:21 am

DONA CANÔ: ENTERRO SERÁ NESTA QUARTA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Em 2010, Dona Canô e Lula conversam acompanhados do governador Wagner e a primeira-dama, Fátima Mendonça (Foto Manu Dias).

Em julho de2011, Dona Canô e Lula conversam acompanhados do governador Wagner e a primeira-dama, Fátima Mendonça (Foto Manu Dias).

Dona Canô, matriarca da família Velloso, morreu aos 105 anos nesta terça-feira, 25, em sua residência na cidade de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano. Dona Canô passou a noite de Natal ao lado dos filhos, netos e bisnetos. Segundo informações iniciais, ela teria passado mal na madrugada desta terça. Logo depois, teria morrido cercada pela família.

Canô será velada primeiro em uma cerimônia apenas para a família, em sua casa em Santo Amaro, e depois em cerimônia aberta ao público, às 18 horas, no memorial Caetano Veloso, também na cidade. Segundo informações da assessoria de imprensa de Caetano Velloso, a matriarca será enterrada às 10 horas desta quarta-feira, 26.

Dona Canô teve oito filhos, entre eles os cantores Caetano Veloso e Maria Bethânia. Em outubro de 2011, ela perdeu a filha adotiva Eunice Veloso, aos 83 anos, que morreu com insuficiência respiratória.

Leia mais n´A Tarde

TORCEDOR DO BAHIA É ASSIM…

Tempo de leitura: < 1 minuto

O comunicólogo Pierrot Sampaio é daqueles torcedores do Bahia que não perdem a chance de zoar com o principal adversário, o Vitória. Sabedor das preferências futebolísticas da matriarca da Família Veloso, Pierrot preparou homenagem especial, não sem esquecer do bi brasileiro do Bahêa para espezinhar o (torcedor) adversário…

DONA CANÔ CHAMOU…

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dona Canô e Lula conversam ao lado de Wagner e a primeira-dama (Foto Manu Dias).

A filha mais ilustre de Santo Amaro da Purificação, Dona Canô, recebeu nesta quarta (20) a visita do ex-presidente Lula, acompanhado do governador Jaques Wagner  e da primeira-dama baiana, Fátima Mendonça.
Wagner “bisbilhotou” a conversa de Canô e Lula e, “fuxiqueiro”, passou à frente que um dos pedidos da mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia entregou ao ex-presidente um projeto de despoluição do rio Subaé, contaminado por mercúrio e que sofre com os dejetos lançados sem nenhum tratamento.
E nada de papo sobre os arranca-rabos entre Lula e Caê

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 6 minutos

A MOCINHA, AO ESBARRAR, FALA “DESCULPA”

Ousarme Citoaian

Em Lisboa, a mocinha brasileira esbarra numa senhora carregada de pacotes, criando natural constrangimento. Avoada, porém com relativa educação, ela balbucia um “desculpa”… e entorna de vez o caldo! A senhora lisboeta ficou mais irritada com o “desculpa” do que com o encontrão. É que em boa linguagem se diz “desculpe”, segundo o professor Cipro Neto, aquele da tevê. Eu falo “desculpe”, mas nunca fui às fuças de ninguém (menos ainda duma rapariga avoada) que tropeçasse em mim e dissesse “desculpa”. Também serve, ao esbarrar, dizer, com ar angelical: “Você (a senhora, o senhor) me desculpa?”

TUDO DEPENDE DO TOM DE VOZ E DA ATITUDE

“Desculpa” irrita os lusitanos porque tem um tom imperativo, mandatório, como se ordenasse à vítima que desculpasse a grosseria que lhe fizemos. Já “desculpe” parece mais humilde, o pedido de alguém que, de verdade, lamenta o que fez. É assim que eu penso, na companhia de alguns gramáticos. Mas não creio que haja unanimidade quanto a isso, além do que “desculpa” ou “desculpe” terão valores muito próximos, a depender do tom de voz e da expressão facial de quem as pronuncia. Sugere-se que, ao pisar no calo de alguém, mostre-se sentido com o ato – e a palavra será secundária.

AS DUAS FORMAS SÃO ENCONTRADAS NA MPB

Padre Zezinho escreveu em Desculpa, mãe: “Desculpa minha mãe/ por não saber te agradecer/ desculpa pelas faltas de respeito/ desculpa este teu filho que cresceu”. Enock Figueiredo, em sequência a Trem das onze, de Adoniran Barbosa, compôs Desculpe, mãe – quando optou pelo emprego do verbo na chamada norma culta: “Desculpe, mãe/ não é por isso que eu vou lhe esquecer/ perdi o trem das onze hora/ sei que irá compreender/ papai também amou a você”. Não preciso explicar que, das duas formas, peço desculpa a quem não concordar, mas prefiro desculpe.

O TOM IMPERATIVO É BOM… PRA CACHORRO

Um anúncio da Caixa Econômica Federal, atualmente na televisão, está em total desacordo com a regra: “Passa na lotérica e faz um X-Cap”, diz a garota, cujo sorriso aberto não reduz o tom ordenatório que me chega. Não é “passa e faz”, mas “passe e faça”. Em geral, “passa”, “entra”, ”sai”, ”deita” são formas recomendadas para usar com nosso cachorro. Mas nem tudo são espinhos: “Quero fazer deste Café um ponto de encontro entre mim e o povo brasileiro”, afirmou a presidenta Dilma, ao estrear o programa de rádio Café com a Presidenta. “Entre mim…” – nestes tempos bicudos, são flores gramaticais.

SPADE: CINISMO E FRIEZA CONTRA O CRIME

“Se for uma boa menina, sairá em 20 anos e eu estarei esperando. Mas se pegar a forca, sempre me lembrarei de você” (Humphrey Bogart para Mary Astor, em Relíquia Macabra/1941, de John Huston).  Bogart é Sam Spade (na foto, o primeiro à esquerda), o detetive mais cínico que a literatura já criou. Suas frases, a exemplo desta, são deliciosas. “Não acreditamos na sua história; acreditamos nos seus 200 dólares”, afirma à cliente. Quando Astor, derretida, diz que ele “caiu do céu”, a resposta é fria como gelo: “Não exagere”. Terno, ele “afaga” a secretária: “Você é um anjo… com coração de cascavel”. Durão, explica ao bandido pé de chinelo: “Se eu lhe der um tapa, vai ter de gostar”.

ENTRE SPADE-HAMMETT E MARLOWE-CHANDLER

O Falcão maltês, livro de Dashiell Hammett (1894-1961), que inspirou o filme, é um clássico noir dos mais cultuados. O detetive Sam Spade, que só aparece nesse romance (além de uns poucos contos que não li), é tido como um dos personagens responsáveis pela consolidação do gênero. Hammett e Spade têm muito a ver, segundo os críticos, com Raymond Chandler (1888-1959) e seu investigador particular Philip Marlowe. A propósito, recebi e (re) li, em fevereiro, uma caixa de cinco volumes de Chandler-Marlowe. Outra confidência: tive uma cadela chamada Asta, como a do ex-detetive Nick Charles, de A Ceia dos acusados (Hammett). Sou fã do romance negro, já se vê.

SÓ “25 DÓLARES POR DIA, MAIS DESPESAS”

Mero leitor, tenho cá os meus indicadores do romain noir, sujeito, é claro, a reprimendas dos exegetas do gênero: narração na primeira pessoa, um crime, a femme fatale (mulher capaz de levar um bom homem à ruína) e o conflito policial-detetive, além das marcas clássicas deste: frieza, cinismo e incorruptibilidade (nem a mulher fatal o tira do sério). Outro clichê muito presente: ele é solitário, tem complexo de culpa e drama de consciência, bebe feito uma raposa e cobra “25 dólares por dia, mais despesas”. Para Marlowe (Chandler), creio que em A dama do lago, esse dinheiro é, basicamente, para gasolina e uísque, não exatamente nesta ordem. Ele não quer enriquecer; quer apenas beber e consertar o mundo.

CONTEÚDO É PRECISO; NOME NÃO É PRECISO

A cantora Joyce (foto) atende também por Joyce Moreno, devido ao nome do marido, o baterista Tutty Moreno. Mas não costumo aderir a tais “novidades” (eles são casados há apenas 34 anos!): ainda chamo Jorge Benjor de Jorge Ben, Baby do Brasil de Baby Consuelo e Joyce Moreno de Joyce, pois não ligo muito pra nomes. Ulisses Guimarães chamava o PMDB de MDB, sendo fiel à sua saudade.  Conteúdo é preciso; nome não é preciso. Até pensei em mudar o meu para Formê vô  Bataion, mas fui desaconselhado: Mercúrio e Vênus estão em Áries e Plutão está em Capricórnio, tornando a mudança positivamente desastrosa. Mas voltemos a Joyce Moreno.

UMA MULHER E SUA COLEÇÃO DE ADJETIVOS

Conheci a artista, por imposição profissional, nos anos noventa. Causou-me impressão bem diferente de alguns falsos valores que pululam por aí, montados numa empáfia de fazer pena, talvez para disfarçar o vazio de que são possuídos. Na época, consegui que ela cantasse Clareana (feita para suas filhas Clara e Ana, mais de dez anos antes, em 1980). Adoro essa música, meio berceuse, meio canção de ninar, uma cantiga de mãe-coruja, se me permitem a invenção. Pois eis que há poucos dias, em seu artigo semanal em rede de jornais, Caetano disse estar ouvindo Clareana e pôs Joyce nas alturas.

CANTORA AFINADA E “MÚSICO” EXCEPCIONAL

Para o filho de Dona Canô, Joyce é uma violonista excepcional, da estatura de João Gilberto, Dori Caymmi, Gilberto Gil e João Bosco, “cantando com afinação precisa, compondo com imaginação harmônico-melódica original”. Comparando Joyce e Elis Regina, Caetano afirma que “Elis é a cantora mais músico que chegou ao estrelato no Brasil e Joyce é o maior músico entre as cantoras que vieram depois”. Não é pouco, vindo de quem vem. Gosto de ver assim atestada como verdadeira minha impressão de Joyce e partilhada a sensação que tenho ao ouvir Clareana – aqui num clipe do Fantástico/1980, mostrando a cantora, Clara e Ana.

(O.C)

 

NÃO DESCEU REDONDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Após o cortejo de Santo Amaro da Purificação, que acompanha desde os quatro anos de idade, a matriarca da família Veloso, Dona Canô, 103 anos, participou de um brinde. Fez “tin-tin” com copinho descartável e, sedenta, tomou um bom gole da cerveja não muito gelada.

A turma da Confraria do Alto Beco do Fuxico, que bebe sim e faz apologia do “esporte”, atribuiu à elevada temperatura da bebida o fato de Dona Canô ter reprovado a cerva. “Ô coisa ruim!”, afirmou a mãe de Caetano, afastando o copo dos lábios.

Segundo nota do G1, todos  os que estavam em volta caíram na gargalhada. Já o pessoal do Alto Beco, inconformado com o veredicto, pretende convidar a rainha-mãe de Santo Amaro para uma gelosa no “Artigos para Beber” e, se necessário, até se organiza uma procissão antes do fala-pau.

O confrade Walmir Rosário garante que Dona Canô não resistirá a uma segunda apreciação.

DONA CANÔ DECLARA VOTO EM JW

Tempo de leitura: < 1 minuto

Do Portal Terra:
Todo político baiano, que no estado se radicou ou que passa pela Bahia em campanha vem em buscas das bênçãos dos orixás, dos santos todos, sobem as escadarias da Igreja do Bonfim e, se for passar por Santo Amaro da Purificação, cidade do Recôncavo Baiano, vai em busca das bênçãos da matriarca dos Veloso, Dona Canô.
Aos 103 anos, a mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia demonstra interesse pela política, diz que vai às urnas no dia 03 de outubro – embora a lei não a obrigue – e dá seus pitacos, pelo que se vê agradando, em primeiro lugar, quem está à sua frente, solicitando o carinho.
“Não se aborreça quando falarem mal de você porque você vai vencer as eleições”, disse a matriarca ao candidato à reeleição, o governador Jaques Wagner (PT), que a visitou em sua casa, de número 179, na Avenida Diana Bandeira, na tarde desta segunda-feira (06). Wagner estava acompanhado de todos os candidatos de sua chapa – Otto Alencar e os candidatos ao Senado, Lídice da Mata e Walter Pinheiro. Dona Canô ainda perguntou pela primeira-dama, Fátima Mendonça.
Leia texto completo.

Back To Top