skip to Main Content
27 de maio de 2020 | 09:25 pm

CARNAVAL DE SALVADOR: TESTE IDENTIFICA DROGAS SINTÉTICAS EM MENOS DE UM MINUTO

Resultado dos testes sai em menos de um minuto
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Departamento de Polícia Técnica (DPT) está realizando, durante o carnaval de Salvador, testes rápidos capazes de identificar drogas sintéticas como LSD, Cocaína e ecstasy em um minuto. As substâncias apreendidas pelas polícias Civil e Militar são encaminhadas para análise no posto do DPT instalado no Farol da Barra.

“É um teste rápido que melhora muito nossa atuação no carnaval assim como a das policias civil e militar, que não precisam mais sair dos circuitos para levar as substâncias apreendidas em um laboratório do DPT para análise. Podemos realizar esses testes aqui mesmo em nossa base montada do circuito Barra-Ondina e dar uma resposta muito mais ágil”, afirmou o perito do DPT, Jacob Cabus.

A verificação das substâncias é feita por meio de um exame com reação química. Um aparelho que faz a identificação por análise de onda molecular está em fase de teste.

O resultado obtido no posto do DPT no circuito de carnaval é suficiente para que o portador da substância seja conduzido à delegacia para posterior investigação. “Havendo o indiciamento do portador, é realizado exames mais aprofundados em nossos laboratórios com equipamentos com capacidade para detectar mais de três mil substâncias e um catálogo atualizado. Os resultados obtidos com esses exames mais detalhados serão utilizados no processo criminal”, conclui o perito.

POLÍCIA PRENDE DUPLA ACUSADA DE HOMICÍDIO EM ILHÉUS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Xaninha e Júnior Tatuador foram presos nesta segunda

Ferreira foi morto a pauladas pela dupla, segundo polícia || Reprodução Agravo

Investigadores da Delegacia Territorial (DT), de Ilhéus, prenderam em flagrante Dorisval da Silva Santos Junior, o Junior Tatuador, e Mário Sérgio Santos Oliveira, conhecido como Xaninha, nesta segunda-feira (22). Eles são autores de um homicídio, ocorrido durante a madrugada de ontem. A dupla agrediu até a morte Paulo Ferreira Matos, de 50 anos.

O delegado Thiago Rodrigues de Almeida, explica que o crime foi motivado por uma discussão. O trio se desentendeu durante a divisão das pedras de crack. “Todos os envolvidos eram usuários de drogas”, afirmou o delegado.

Os pedaços de madeira e barras ferro usados para cometer o crime também foram apreendidos e encaminhados para perícia, no Departamento de Polícia Técnica (DPT). Junior Tatuador e Xaninha estão à disposição da Justiça.

MENINO É APREENDIDO COM DROGA E SUBMETRALHADORA EM FEIRA DE SANTANA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Submetralhadora, dinheiro e drogas apreendidos com menor || Foto SSP-BA

Um adolescente de 13 anos foi apreendido na noite desta quinta-feira (20), em Feira de Santana, com uma submetralhadora de 9 milímetros, de fabricação norte-americana e de uso restrito. A apreensão ocorreu em Queimadinha.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), guarnições da 66ª Companhia Independente da Polícia Militar faziam abordagens na região quando o menor foi avistado com uma sacola, na Rua Paraíba. O menor foi apreendido, ainda, com carregador, munições e seis pedras de crack.

O caso foi registrado na Central de Flagrantes do Sobradinho. “Comemoramos a retirada de um armamento desse calibre das ruas, mas lamentamos o fato de um adolescente ter sido flagrado às 23h, sem acompanhamento de adulto e com os materiais ilícitos”, disse o secretário estadual de Segurança Pública, Maurício Barbosa.

O secretário pediu o envolvimento da sociedade na formação dos jovens. “A polícia não vai resolver isso sozinha. A sociedade precisa entender em que momento está errando na formação destes jovens”, comentou Barbosa.

CASAL É PRESO COM 128 QUILOS DE MACONHA EM ILHÉUS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Policiais civis apreenderam 128 quilos de maconha em tabletes, na manhã deste domingo (16), no Malhado, em Ilhéus, no sul da Bahia. A operação comandada pelo delegado Thiago Almeida resultou na prisão do casal Wagner da Silva Alves e Silvana Santos de Lima.
Wagner e Silvana estavam no imóvel onde a droga foi apreendida. Do Malhado, a maconha seria distribuída para vários bairros ilheenses e outros municípios sul-baianos. A droga estava dividida em 149 tabletes.
Ainda no imóvel, situado no Alto da Soledade, no Malhado, os policiais apreenderam um balança de precisão. A ação da Civil é um dos maiores baques no tráfico de drogas às vésperas do início do Verão e da Virada do Ano.

XANDE E ALAN MECÂNICO SÃO PRESOS COM ARMAS E DROGAS EM BUERAREMA

Tempo de leitura: < 1 minuto

“Xande” e “Alan Mecânico” foram presos por tráfico em Buerarema || Foto SSP-BA

Investigadores da Polícia Civil em Buerarema prenderam Alexandre Alves de Oliveira, o “Xande”, e Alan Santos Kruschewsky, o “Alan Mecânico”, neste final de semana. A polícia cumpriu mandado de prisão preventiva por tráfico de drogas, expedido pelo juízo da Comarca local.
Xande e Alan Mecânico são apontados pela polícia como responsáveis pela venda de drogas na “Boca do Xande”. Alan já possui passagem pela polícia. Segundo o delegado de Polícia Civil em Buerarema, Clodovil Moreira Soares, a prisão de Xande e Alan foi solicitada após a apreensão de drogas.
Segundo a autoridade policial, os investigadores apreenderam, na “Boca do Xande”, 45 papelotes de cocaína, seis pedras de crack e 53 buchas de maconha, além de um revólver calibre 32, dez munições e um simulacro de arma de fogo.
Xande e Alan Mecânico foram encaminhados para o Presídio de Itabuna. A droga, arma e munições apreendidos passaram por perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT), conforme o delegado. Alan Mecânico já tem passagem pela polícia. Em 2016, foi preso pelo crime de lesões corporais contra um vereador do município.

O CRESCIMENTO DO MORRO FOI FINANCIADO PELO ASFALTO

Tempo de leitura: 4 minutos

Walmir Rosário
 

E o remédio tem de ser ministrado conforme a doença, para curar e não como paliativo. Não conheço a área de saúde, mas, pelo que me consta, um simples analgésico não combate um câncer em estado terminal. Pode, no máximo, abrandar a dor.

 
Que os cheiradores, maconheiros, fumantes de crack e outros viciados em drogas ilícitas me perdoem, mas são eles os grandes culpados pelo alto índice de violência que toma conta do Brasil, de norte ao sul. Nesta mesma conta, coloco também os políticos brasileiros responsáveis pela elaboração de leis estapafúrdias, que criminalizam os traficantes de drogas e livram a cara dos consumidores.
O tráfico de drogas é uma atividade ilícita. Claro que para o ato ser consumado necessita da participação de dois atores: o que vende e o que compra, embora nessa cadeia também seja criminalizado o que produz. Fere todos os princípios da lógica impor penalidades apenas para quem produz e vende, descriminalizando quem consume. Essa é mais uma das jabuticabas brasileiras.
É impossível existir o vendedor se, do outro lado, não tiver o comprador. Simples, qualquer tipo de atividade – lícitas ou ilícitas – não conseguirá sobreviver se não for completada com essa ligação. E esse elo foi desfeito pelos políticos apenas para essa legislação, com a simples finalidade de agradar uma grande parte de bandidos – com ficha nos órgãos policiais e judiciários, ou não – que se locupletam com o tráfico.
Chega a ser ridículo a chamada sociedade do asfalto reclamar segurança, quando é ela mesma – com as devidas exceções – quem financia a violência desenfreada, para usar a gíria do próprio Rio de Janeiro. As classes média e alta da chamada zona sul da cidade, hoje nem maravilhosa assim, se abastecem de drogas ilícitas vindas do alto dos morros, agora batizados de comunidade, pagando regiamente aos traficantes, promotores da violência.
O que causa revolta é que todo esse comércio ilegal funciona desde antes com a licença e complacência das nossas autoridades, que utilizam o tráfico de influência em troca de votos, como está largamente provado. E essa licenciosidade vem descendo em cadeia pelos diversos membros dos representantes do Estado, conforme as hierarquias, até chegar aos escalões mais chulos.
A permissividade de nossas autoridades criou um verdadeiro monstro, que deixou de atuar no alto dos morros e invadiu o asfalto – os bairros chiques da zona sul carioca e outras cidades do Grande Rio. E, em vez de papelotes de cocaína, trouxas de maconha e pedras de crack, também chegou espalhando o terror, com as gangues assaltando pessoas nas ruas, nos restaurantes e os conhecidos arrastões nas praias.
Hoje, essas quadrilhas criadas e incentivadas com o dinheiro da venda de drogas se impõem com o dinheiro produto da venda e passou a substituir o Estado no alto do morros, aliciando menores para o trabalho dos “aviões”, futuramente guindados aos cargos de bandidos das mais diversas especialidades. É bom que se diga, que esse volume enorme de dinheiro não paga imposto de renda, previdência nem outros tributos a nós destinados.
E a lei do morro – chamada teimosamente de comunidade – é terrível. Pior do que a Lei de Talião, de olho por olho, dente por dente, tem julgamentos sumários, sem direito a qualquer defesa, nem mesmo dos grupos de direitos humanos. Controlam todo o comércio, as idas e vinda dos moradores, a subida dos visitantes do asfalto em busca das drogas, as direções das obedientes associações de moradores, sob o jugo dos chefões do tráfico, com a leniência dos sucessivos governos.
O poder dos chefões das quadrilhas que comandam o tráfico é tão grande e organizado que, mesmo de dentro dos presídios de segurança máxima, comandam toda atuação como se fosse uma empresa exemplarmente bem administrada. Influenciam na política, nos órgãos do Estado e traçam estratégias logísticas de fazer inveja aos administradores mais conceituados.
Importam equipamentos bélicos por diversas rotas – terra, mar e ar –, seja de forma legal, com notas fiscais, como no caso dos fuzis de grande alcance vindos dos Estados Unidos pelo aeroporto do Galeão, ou por contrabando por nossas vastas fronteiras. Para comprar armas e munições não dependem de obediência à lei das licitações, cumprindo prazos e preços menores. Sequer exigem nota fiscal.
E o Rio de Janeiro exportou esse know how para São Paulo, que o aperfeiçoou e o utiliza, transferindo para todo o país, sem a menor cerimônia, substituindo a direção de presídios e a conduta cheia de regalia dos detentos que têm dinheiro. Esses desmandos deixaram de ser noticiados a boca pequena e passaram ao noticiário das grandes redes de jornais, rádios e televisões, com provas bem documentadas.
A situação é tão grave que o cidadão não pode circular livremente pelas ruas, como antes, sem o risco de ser assaltado, caso carregue dinheiro ou objetos de valor em seu poder, ou tomar uma surra, caso não os tenha. Apesar de todas essas evidências e provas, os números apresentados pelos governos dos estados contrariam a verdade mais do que verdadeira. Todos são honestos porém meu chapéu sumiu.
Se quisermos enfrentar e dizimar o crime organizado, temos que partir para a política de tolerância zero, começando as ações através do voto, separando o joio do trigo na nossa miserável política. Estamos numa guerra em que temos que combater a violência, a falta de ética e de moral em todas os segmentos governamentais e na iniciativa privada, caso contrário, estaremos fadados a nos transformar num Haiti e anos passados.
E o remédio tem de ser ministrado conforme a doença, para curar e não como paliativo. Não conheço a área de saúde, mas, pelo que me consta, um simples analgésico não combate um câncer em estado terminal. Pode, no máximo, abrandar a dor. Caso as ações da intervenção federal na área de segurança pública no Rio de Janeiro não alcance os objetivos, a violência se multiplicará de forma geométrica em todo o Brasil.
Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado. Também edita o www.ciadanoticia.com.br.

CARGA DE DROGAS AVALIADAS EM R$ 1 MILHÃO ABASTECERIA FESTA NO SUL DA BAHIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Três pessoas foram presas pela Polícia Rodoviária Federal, em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, com carga de drogas avaliadas em R$ 1 milhão. O motorista, de 22 anos, uma mulher, 20 e o dono do GM Ônix, 24, partiram de São Paulo.

Foram apreendidos 8.000 comprimidos de ecstasy, 330 pontos de LSD, 490 gramas de anfetaminas, 200 gramas de cocaína, 340 grama de haxixe e 350 gramas de maconha, além de duas balanças de precisão. A apreensão ocorreu no final da segunda-feira de Natal.

A carga, segundo o dono do veículo, seria vendida em uma festa no sul da Bahia. De acordo com a PRF, o dono do carro já foi preso por tráfico de drogas. Ele também disse à polícia que o negócio renderia R$ 1 milhão. Todos foram indiciados por tráfico, segundo a PRF, que não divulgou os nomes dos envolvidos.

ACUSADO DE TRÁFICO NO SUL DA BAHIA MORRE EM CONFRONTO COM PMs EM IBICARAÍ

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dênis comandava “boca de fumo”, segundo polícia || Montagem Pimenta

Um homem com passagens por tráfico de drogas e homicídios em pelo menos três municípios do sul da Bahia foi baleado, na manhã desta sexta-feira (10), durante operação policial para combater a criminalidade em Ibicaraí. Valdenir de Jesus dos Santos, o Dênis, 30 anos, foi internado no Hospital Municipal de Ibicaraí, mas não resistiu aos ferimentos.

Com o traficante, policiais da Rondesp Sul e do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) apreenderam um revólver e 145 buchas de maconha que eram comercializadas num imóvel no Bairro Bela Vista. Além de apontado como dono de “boca de fumo”, Dênis é acusado de, pelo menos, dois assassinatos nos municípios de Itacaré e Una. De acordo com os policiais, os comparsas de Dênis conseguiram fugir do cerco.

TRAFICANTES SÃO PRESOS COM 1,2 MIL COMPRIMIDOS DE ECSTASY EM PORTO SEGURO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Os 1,2 mil comprimidos de ecstasy foram apreendidos em Porto Seguro || Foto PC-BA

Os 1,2 mil comprimidos foram apreendidos em Porto || Foto SSP-BA

Cerca de 1.200 comprimidos de ecstasy, avaliados em R$ 100 mil, foram apreendidos, na noite de ontem (3), por guarnições da Companhia de Emprego Tático (Ceto) do 8° Batalhão da Polícia Militar (Porto Seguro). A apreensão da carga ocorreu em Arraial D’Ajuda, Porto Seguro, no extremo-sul do Estado.

Eudes Messias Conceição e Pedro José de Andrade Neto, ambos com 28 anos, foram presos em flagrante. A polícia apreendeu, ainda, meio quilo de haxixe com a dupla. Eudes e Pedro José “caíram” durante blitz da PM em Arraial.

As informações iniciais são de que os comprimidos seriam comercializados em Arraial e Trancoso. Os traficantes e o material foram encaminhados para a Delegacia Territorial de Eunápolis. O comandante de operações da PM, coronel Paulo Uzêda, disse que o consumo de drogas aumenta na alta estação.

– Quem faz uso dessas substâncias precisa estar ciente de que financia quadrilhas responsáveis por homicídios, latrocínios, roubos a banco, veículos, entre outros crimes. É fácil consumir a droga com a alegação do divertimento e achar que não tem participação nessa cadeia de crimes – diz o comandante de operações da PM.

POLÍCIA APREENDE 2,7 KG DE DROGAS NO VILELA; SUSPEITO MORRE EM CONFRONTO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Drogas e armas apreendidas em ação no Vilela

Drogas e armas apreendidas em ação no Vilela

Policiais militares da 70ª Companhia em Ilhéus apreenderam mais de 2,7 quilos de drogas e armas durante ação no Bairro Teotônio Vilela, na noite desta quarta (27). Homens do Pelotão de Emprego Tático Operacional (Peto) da companhia foram acionados, após denúncia anônima de tráfico de drogas na Rua Santa Bárbara, no bairro.

De acordo com a guarnição do Peto, um grupo de criminosos correu com a chegada da polícia, refugiando-se numa casa, de onde começou a atirar. A polícia revidou. Durante o confronto, um dos criminosos foi alvejado. Os demais fugiram.

Segundo o comando da 70ª CIPM, a guarnição encaminhou o suspeito para o Hospital Geral Luiz Viana Filho. Alef Figueiredo Santos não resistiu. Durante as buscas na casa onde os criminosos se esconderam, foram encontrados 2 quilos e 28 gramas de cocaína, 744 gramas de maconha, uma pistola 380 e um revólver calibre 32.

Back To Top