skip to Main Content
24 de maio de 2020 | 06:17 pm

EM PALESTRA, ROTARY ABORDA IMPACTOS ECONÔMICOS DA COVID-19 EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O fechamento de nove lojas na região central de Itabuna está entre os impactos da pandemia na economia do município, apontou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas local, Carlos Leahy, em palestra virtual do Rotary Club Itabuna.

– Os desafios tem sido enormes. Os prejuízos econômicos e sociais são difíceis de mensurar, pois ainda não sabemos até quando essa pandemia irá durar – disse Leahy, que apontou criação de comitê de enfrentamento à Covid-19 para mitigar aos efeitos negativos da pandemia, dentre eles a criação de protocolos de segurança para funcionamento do comércio.

De acordo com Leahy, a maior dificuldade está no atraso do poder público em criar estrutura organizada nos hospitais com UTIs e enfermarias para prestar atendimento à população com a consistência e a urgência que a situação exige.

Enquanto isso, o grupo mantém-se buscando alternativas a curto e longo prazo e conta com o apoio de instituições como a UFSB e a UESC, que se aliam à comissão de combate ao COVID-19 no município para construir um plano bem elaborado a fim de tirá-lo o quanto antes da paralisia generalizada causada pela pandemia.

A VISÃO DE JUVENAL PARA O PÓS-PANDEMIA

Juvenal Maynart e os cenários pós-pandemia
Tempo de leitura: < 1 minuto

Com a experiência de vida e dos cargos que ocupou, Juvenal Maynart fez uma leitura destes tempos e apontou cenários possíveis para o pós-pandemia da Covid-19. Foi num papo com o também experiente jornalista Levi Vasconcelos, d´A Tarde.

Maynart enxerga dois cenários, descritos por Levi em sua coluna:

1 – O governo e as prefeituras ganham a guerra e assistem ao declínio da Covid lá para julho ou agosto, como projetam, tudo que todos querem e esperam.

2 – A Covid invadiu as favelas e o governo perdeu o controle. Cenário de pânico geral, o que ninguém quer.

E vaticina:

– Se tudo correr bem, é bom lembrar que a economia não vai voltar como num passe de mágica, será algo lento, gradual.

Na entrega do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) à Assembleia Legislativa, o secretário estadual Walter Pinheiro (Planejamento) trabalhou com a previsão de declínio da covid-19 em agosto.

“É MELHOR QUEBRAR DO QUE PERDER A VIDA”, DIZ FERNANDO GOMES À CNN

Fernando Gomes defendeu toque de recolher e falou de medidas contra a covid-19 || Reprodução
Tempo de leitura: 2 minutos

O prefeito Fernando Gomes defendeu, hoje (13), as medidas restritivas contra a covid-19 em Itabuna, adotadas em conjunto com o Estado, principalmente o toque de recolher das 20h às 5h. O gestor itabunense observou que “as coisas estão se agravando” e ele, acordado com o governador Rui Costa, decretou o toque de recolher.

Na entrevista à CNN Brasil, Fernando citou número de óbitos pela covid-19 no município (12) e de casos confirmados da doença (393) até o início da noite de ontem (12), cidade mais afetada pela doença no interior do estado. Os dados são da Vigilância Epidemiológica municipal.

Aos apresentadores do canal de TV pago, Fernando também disse que é melhor o toque de recolher, que suprime a liberdade de ir e vir, a perder vidas. “A situação está tão grave que tivemos que tomar essas atitudes. Sei que muitos vão falir, quebrar… Vão, mas é melhor quebrar, falir e amanhã começar a trabalhar de novo do que perder a vida. A vida é mais importante. Perdeu a vida, acabou”. Confira abaixo a íntegra da entrevista.

TOQUE DE RECOLHER

O toque de recolher começou a valer ontem (12) e inicialmente será encerrado no dia 21. Das 20h às 5h da manhã, ninguém pode circular pelas ruas da cidade, a não ser que esteja prestando serviços para a área de saúde, tenha saído para compra de medicamento ou fazer entregas (delivery) de alimentação ou medicamento. Para motoboys que fazem delivery, é necessário o cadastramento. No período, farmácias e três postos de combustíveis na BRs 101 e 415 poderão funcionar.

Ainda durante o toque de recolher, avenidas e praças serão fechados à noite em regiões centrais e bairros como Santo Antônio, São Caetano, Conceição, Mangabinha, Califórnia e Fátima. Pelo menos 16 viaturas de companhias da PM estão auxiliando Guarda Municipal e Secretaria de Segurança, Transporte e Trânsito na fiscalização durante o toque de recolher e a atenção ao decreto que restringe as atividades comerciais tanto no período do toque de recolher como nas outras faixas horárias.

A TRAGÉDIA DA ANTICIÊNCIA

Tempo de leitura: 3 minutos

Nas outras partes do mundo, os líderes se renderam à realidade imposta pelo vírus e assumiram os seus papéis e responsabilidades, ajudando na redução da curva da covid-19, enquanto aqui o presidente brasileiro passou a ser o principal obstáculo para a recuperação do nosso país ante a pandemia.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

O Brasil vive uma tragédia humanitária. O número de mortos pela covid-19 aumenta exponencialmente no país. O isolamento social tem sido o caminho apontado pelos especialistas da saúde e pesquisadores como o único capaz de ajudar no enfrentamento à doença até que seja encontrada a vacina. Não nos torna imunes, mas causa uma desaceleração da contaminação e, consequentemente, possibilita um ordenamento dos serviços de saúde para que, à medida que adoecermos, exista disponibilidade de vagas nas unidades hospitalares.

O vírus acaba provocando a desaceleração da economia e criando uma falsa ideia de que o isolamento seja o responsável pela crise. A confusão acontece no Brasil e em outros países. É preciso compreender que esse problema aconteceria tanto aplicando ou não o isolamento. Retornar à normalidade na fase atual traria um descontrole no número de casos, caos na saúde e ainda mais mortes – e, consequentemente, mais prejuízo econômico.

No mundo ainda percebemos grupos de negacionistas. Eles desprezam a ciência e argumentam que é “necessário tirar a economia do coma”. Por essa analogia, é preciso compreender que a fase atual exige colocar o paciente (economia) em “coma induzido” e ligar os aparelhos (ações dos governos) como parte do tratamento para recuperá-lo. O governo federal, alinhado com estados e municípios, precisa formular políticas públicas para o enfrentamento da pandemia, cuidando das pessoas, para poder, somente assim, salvar a economia.

Sabemos que até o início de março o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, faziam parte dessa corrente negacionista. Mas, após verem o efeito destruidor do novo coronavírus na Itália e na Espanha, mudaram de posição, principalmente após o primeiro-ministro inglês ser atingido pelo vírus.

Por essa demora na aceitação científica, os líderes computam hoje milhares de mortos em seus países – EUA com mais de 83 mil óbitos e Reino Unido com mais de 33 mil. Após a catástrofe chegar às suas nações, ambos os governos foram obrigados a se juntarem ao bloco de países que foram buscar na teoria keynesiana o centro principal da adoção de medidas. O estado voltou a ser o responsável pela indução da economia e, portanto por manter o nível mínimo da atividade econômica, renda para os seus cidadãos e as demais providências socioeconômicas.

Infelizmente, aqui no Brasil o presidente Jair Bolsonaro participava do mesmo movimento negacionista e, mesmo sabendo dos números da doença nos países liderados pelos seus ex-aliados da corrente, permanece até hoje se opondo à ciência e ajudando a impor dificuldade na adoção das medidas necessárias para enfrentarmos esse trágico momento na vida da sociedade brasileira.

Nas outras partes do mundo, os líderes se renderam à realidade imposta pelo vírus e assumiram os seus papéis e responsabilidades, ajudando na redução da curva da covid-19, enquanto aqui o presidente brasileiro passou a ser o principal obstáculo para a recuperação do nosso país ante a pandemia. Temos hoje, sozinhos, mais casos do que os outros 11 países da América do Sul e o território da Guiana Francesa juntos.

O presidente parece viver num mundo próprio, onde não enxerga muita coisa à sua frente, nem o desespero das 12.484 famílias (até o fechamento desse artigo, nesta quarta, 13) que perderam seus familiares no seu próprio país, nem a obviedade da necessidade de segurar as rédeas agora para, o mais breve possível, voltarmos a movimentar a economia sem a preocupação de morrermos por essa doença.

Rosivaldo Pinheiro é especialista em Planejamento de Cidades (Uesc) e economista.

EXPORTAÇÕES DO SETOR AGROPECUÁRIO CRESCEM 17,5% NO QUADRIMESTRE

Brasil registra bom desempenho no campo
Tempo de leitura: 2 minutos

As vendas externas da agropecuária brasileira tiveram um crescimento de 17,5% no primeiro quadrimestre, em relação a igual período  de 2019.  Houve aumento das exportações para a Ásia, com destaque para a China. A participação do agro no total das exportações passou de 18,7% em 2019 para 22,9% em 2020.

Os produtos que tiveram aumento no período foram: soja (+ 29,9%, de US$ 8.968,3 milhões para US$ 11.653,7 milhões), algodão em bruto (+ 69,5%, de US$ 659,2 milhões para US$ 1.117,6 milhões), madeira em bruto (+ 28,9%, de US$ 26,1 milhões para US$ 33,6 milhões), mel natural (+ 17,2%, de US$ 18,4 milhões para US$ 21,6 milhões), especiarias (+ 3,2%, de US$ 85,7 milhões para US$ 88,5 milhões).

Segundo dados divulgados na segunda-feira (4) pelo Ministério da Economia, em abril as exportações brasileiras somaram US$ 18,312 bilhões e as importações, US$ 11,611 bilhões, com saldo positivo de US$ 6,702 bilhões e corrente de comércio de US$ 29,923 bilhões.

No ano, as exportações totalizam US$ 67,833 bilhões e as importações, US$ 55,569 bilhões, com saldo positivo de US$ 12,264 bilhões e corrente de comércio de US$ 123,402 bilhões. Diferentemente do quadro mundial, o Brasil manteve sua balança praticamente estável.

Alguns produtos do agronegócio bateram recordes históricos mensais de exportações em volume no mês de abril, como soja, com 16,3 milhões de toneladas; farelo de soja, com 1,7 milhão de toneladas; carne bovina fresca, refrigerada ou congelada, com 116 mil toneladas; carne suína, com 63 mil toneladas e algodão bruto, com 91 mil toneladas. Por outro lado, tiveram queda: trigo, centeio e milho não moído, exceto milho doce, café não torrado, animais vivos, frutas e nozes.

ÁSIA

As exportações brasileiras (de todos os setores) para a Ásia subiram 15,5% no primeiro quadrimestre do ano, na comparação com o mesmo período de 2020. O mercado asiático passou a representar 47,2% do total de nossas exportações.

Apesar do impacto da pandemia sobre a economia chinesa, as exportações brasileiras para a China cresceram 11,3% no período, com destaque para a soja (+ 28,5%), carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+ 85,9%), carne suína fresca, refrigerada ou congelada (+153,5%) e algodão em bruto (+ 79,%).

Os números do primeiro quadrimestre mostram que, em dólares, a China comprou do Brasil o triplo do importado pelos Estados Unidos e o dobro demandado pela União Europeia.

NOS 20 ANOS DO SHOPPING JEQUITIBÁ, NETO APOSTA EM UNIÃO E ENCARA FUTURO COM OTIMISMO

Manoel Chaves Neto, diretor-geral do Shopping Jequitibá
Tempo de leitura: 4 minutos

O Shopping Jequitibá completa 20 anos nesta terça-feira (5). Iniciativa pioneira e visionária no sul da Bahia do empresário Helenilson Chaves, o maior centro de compras, lazer e serviços da região, segundo o diretor Manoel Chaves Neto, transformou a data em momento de reflexão sobre o futuro, que o encara com otimismo.

Nesta entrevista, Neto fala dos reflexos da pandemia da covid-19 na economia, na sociedade e os passos futuros – e o que é necessário – para uma reabertura do comércio. O diretor também fala de novos empreendimentos que vão se somar ao mix de atrações do empreendimento.

Como você resume estas duas décadas do Shopping Jequitibá?

Manoel Chaves Neto – Quero agradecer, agradecer e agradecer por hoje completarmos 20 anos de vida, de relação e de muito amor por Itabuna e todo sul da Bahia. Estas duas décadas passaram voando, ultrapassamos diversos obstáculos, vencemos dezenas de crises, chegamos até a ficar órfãos do nosso fundador e idealizador Helenilson Chaves. Entretanto, as raízes do Shopping Jequitibá são fortes, profundas e sólidas, proporcionando estarmos comemorando seus 20 anos, com empreendimento, completo, regional, dominante no sul da Bahia.

Fomos pegos de surpresa pela forma avassaladora da pandemia, fazendo com que mudássemos por completo nossas programações e atividades comemorativas para esta data. Ainda assim, continuaremos constantemente atentos, trabalhando duro, estudando e nos adaptando para manter o Shopping Jequitibá por muitas décadas como um equipamento único e de vanguarda para o novo normal.

Lia Chaves e o esposo e idealizador do Shopping, o empresário Helenilson Chaves

Hoje temos 46 dias do Decreto Municipal que culminou com o fechamento de todo comércio. Em relação ao Shopping Jequitibá, como está sendo este momento e quais os impactos?

Está sendo dificílimo, pois a pandemia da Covid-19 interrompeu, repentinamente, o ciclo operacional do Shopping Jequitibá e dos nossos lojistas. Por consequência, colocando todos numa fragilidade econômica e financeira de fluxo de caixa, entretanto, os reais impactos só saberemos no médio prazo.

 

Continuaremos constantemente atentos, trabalhando duro, estudando e nos adaptando para manter o Shopping Jequitibá por muitas décadas como um equipamento único e de vanguarda para o novo normal.

 

Qual geração de empregos do Shopping Jequitibá?

Juntamente com nossos lojistas, aproximadamente 1.300 empregos diretos.

Haverá demissões no Shopping Jequitibá?

Não iremos demitir nossos colaboradores, pois utilizaremos todos os benefícios do Governo Federal para segurar ao máximo todos os postos de trabalho existentes antes da Covid-19.

Já existem cerca de 80 shoppings centers abertos no Brasil. Quando serão abertas as portas do Shopping Jequitibá?

A abertura do Shopping Jequitibá está diretamente ligada ao prazo estipulado no decreto municipal em vigor. Entretanto, estamos conscientes que, para abrir o Jequitibá, necessariamente os hospitais da nossa cidade terão que estar minimamente estruturados para enfrentamento das futuras demandas que virão. Hoje esta situação carece da chegada de respiradores, pois só temos 10 leitos de UTI da Santa Casa.

 

Estamos conscientes que, para abrir o Jequitibá, necessariamente os hospitais da nossa cidade terão que estar minimamente estruturados para enfrentamento das futuras demandas que virão.

 

Qual será o protocolo de abertura para o Shopping Jequitibá?

Neste período, nós adequamos o Shopping Jequitibá, com as normativas e protocolos listados pela OMS (Organização Mundial de Saúde), com objetivo de prevenir e dar segurança à saúde de todos que ali frequentam.

Shopping Jequitibá chega aos 20 anos de fundado

As lojas que estavam contratadas e com previsão de abertura serão concretizadas?

Nestes últimos 46 dias, tivemos várias evoluções na construção de lojas Vivara, Natura, ISE Grelhados e Restaurantes e Meu Chapa, além da reforma da Patroni. Em fase de análise final de projetos, temos a Barbearia e a Gráfica que ficarão na alameda de serviços.

 

Tivemos várias evoluções na construção de lojas Vivara, Natura, ISE Grelhados e Restaurantes e Meu Chapa, além da reforma da Patroni. Em fase de análise final de projetos, temos a Barbearia e a Gráfica que ficarão na alameda de serviços.

 

Quantas lojas do Shopping Jequitibá já fecharam as portas por causa dos efeitos da Covid-19?

A IPlace já apresentava desde 2019 o desejo de fechar por motivos de não descolar ponto de equilíbrio e, face a pandemia e consequentemente aumento do dólar, os produtos importados aumentariam de preço e possivelmente haveria retração de vendas.

Como está a relação da administração do Shopping com seus lojistas?

Nossa relação é de união, transparência e parceria reforçada, pois só sairemos desta crise unidos, com muito trabalho e criatividade.

Quais as perspectivas, novidades do Shopping Jequitibá?

Nossa perspectiva é mantermos o Shopping Jequitibá sempre atraente, aconchegante, seguro para receber bem cada vez mais nossos clientes. Além disto, vamos demandar esforços para criar novas alternativas de canais de vendas e distribuição para nossos lojistas.

ITABUNA: COMÉRCIO ESSENCIAL FECHADO NO DIA DO TRABALHADOR

Tempo de leitura: < 1 minuto

Por meio de nota, o Sindicato dos Comerciários e das Comerciárias de Itabuna informou que, mesmo os estabelecimentos comerciais considerados essenciais não funcionarão na próxima sexta-feira, 1º de Maio, Dia do Trabalhador. Ainda conforme a nota, o feriado é válido, também, para trabalhadores de supermercados, seguindo o que determina a Convenção Coletiva de Trabalho dos Empregados no Comércio de Itabuna.

Há mais de 30 dias, apenas segmentos do comércio e de prestação de serviços considerados essenciais (farmácias, supermercados, distribuidoras de águas e bebidas e pet shops, dentre outros) estão funcionando em Itabuna. A restrição aos demais segmentos ocorre devido à pandemia do novo coronavírus. O município já tem 164 casos confirmados da doença, segundo a Vigilância Epidemiológica de Itabuna.

ROGÉRIO SALUME, DA WINE, FALA SOBRE E-COMMERCE PARA EMPRESÁRIOS DE ITABUNA

Salume, da Wine, fará palestra online na próxima terça (28)
Tempo de leitura: < 1 minuto

Dos principais nomes do e-commerce brasileiro, Rogério Salume, da Wine, será o palestrante do I SOS Empresarial – E-commerce na contramão da crise, organizado pela Associação Comercial e Empresarial de Itabuna (ACI). A palestra online será na próxima terça (28), às 19h. Salume, que é itabunense e um dos fundadores da Wine, trará informações do varejo online e apresentará estratégias para que empreendedores driblem a crise e vendam mais.

A ação é do Programa de Qualificação Social, Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Itabuna e do Movimento Empresarial Sul da Bahia em Ação. A palestra online será transmitida, via Zoom, com o investimento no valor de R$ 20,00.

A taxa será revertida em mantimentos e distribuída para as pessoas pobres. Para participar é necessário apenas fazer o cadastro pelo link: https://www.sympla.com.br/sos-empresarial__838966, baixar o aplicativo ZOOM, e no dia e horário do evento realizar o acesso ao site do Sympla, na aba “Meus Ingressos”.

QUANDO VAMOS ABRIR O COMÉRCIO?

Tempo de leitura: 3 minutos

Um bom termômetro para saber a hora de abrir o comércio e medir a confiança das pessoas, um método bastante eficiente, seria perguntando aos pais: “Se as escolas abrissem hoje, você mandaria seus filhos as aulas?”.

Gerson Marques || gersonlgmarques@gmail.com

A vontade dos comerciantes de abrirem suas lojas é uma legítima. A vontade dos ambulantes irem às ruas venderem seus produtos, idem. O medo dos trabalhadores perderem empregos com as empresas fechadas, também. Estes sentimentos não podem ser desprezados nem varridos para o campo ideológico.

Não é factível três, quatro, cinco meses de vidas paradas, isolados, nem econômica, social ou fisicamente. As consequências são inúmeras e as econômicas são só parte do problema.

Dito isso, reafirmo: Nada é mais legítimo que a vida, o direito de viver, e o direito de não perder a vida. Esta legitimidade se sobrepõe às demais.

A pandemia é uma força da natureza, de origem mais poderosa que a capacidade humana de se defender, ainda que consigamos uma defesa parcial. Assim como uma tsunami, um terremoto ou acontecimentos ainda maiores como um choque com meteoritos, cuja evidências dizem sobre a extinção de grande parte da vida no planeta em outras eras, uma pandemia tem uma lógica imprevisível – e só por isso se torna uma ameaça existencial, um infausto.

E se o vírus passar por uma mutação e adquirir características ainda mais agressiva? E se o simples fato de tê-lo mesmo que assintomático não nós imunizar? E se a vacina ou terapias não forem encontradas? Existem diversas doenças sem cura, não é mesmo? E qual será o custo humano até circular por todo planeta? Não temos respostas para isso.

Portanto, estamos enfrentando uma situação colocada em um patamar acima da lógica da vida. Pelo menos, das nossas vidas, e com isso não sabemos lidar adequadamente, apesar de não ser a primeira vez que ocorre na história da civilização humana.

Buscar respostas nas ideologias é como buscar respostas nas religiões. Conforta, mas não resolve. Simplesmente, elas não respondem racionalmente, porque estes acontecimentos estão fora da dinâmica existencial e fora da lógica temporal, histórica e sociológica de nossa existência.

Acho muito ignorante a politização da doença, do vírus, de suas consequências, mas não posso dizer o mesmo sobre a politização do debate sobre as formas de enfrentar, sobre as políticas de governo para proteger a população ou não, e suas ações para resolver a questão central e suas consequências. Aí, sim, é legítimo o debate político, no campo social e econômico, na construção das saídas.

Por isso, é muito ruim quando os comerciantes defendem seu legítimo sentimento de abrir o comércio usando um discurso ideológico, baseado no negacionismo, ou na relativização do que se vê em outros países, e dos parâmetros científicos.

Quem perde com esta linha de defesa são os próprios comerciantes, que assustam a população ao demostrar os interesses financeiros acima da vida, inclusive de seus funcionários e clientes, também por não entenderem que a questão básica, mesmo depois de terminada a fase do distanciamento social, se chama confiança. Sem esta, sem segurança de não se contaminar, de pouco adianta a loja estar aberta. Ninguém terá coragem de brigar de esconde-esconde com um vírus de comportamento desconhecido e agressivo e medicação inexistente.

Um bom termômetro para saber a hora de abrir o comércio e medir a confiança das pessoas, um método bastante eficiente, seria perguntando aos pais: “Se as escolas abrissem hoje, você mandaria seus filhos as aulas?”.  Faça essa pergunta a você mesmo e veja o grau de confiança. E olhe que as crianças, teoricamente, ressalto, só “teoricamente”, não são do grupo de risco. Quando a resposta for sim, tá na hora de reabrir o comércio.

E as questões econômicas? Vejam como as outras nações estão resolvendo. É o estado. É pra isso que existem os estados: amparar, subsidiar, alimentar, isentar, oferecer, liberar, ajudar, minimizar, combater… Existem dezenas de verbos tipicamente estatais. É aí que está a política, é neste ambiente que cabe a opinião, a ideia, o protesto, a pressão…

Na pandemia, no vírus, na UTI, na terapia, nos procedimentos preventivos, não. A única autoridade aí é a ciência e ciência não se faz com palpites. Muito menos palpites ideológicos.

Gerson Marques é produtor de cacau e chocolate.

WALDERY: GOVERNO PODE LIBERAR RECURSOS EXTRAS PARA AUXÍLIO EMERGENCIAL

Waldery Rodrigues, do Ministério da Economia || Foto Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Tempo de leitura: 2 minutos

Com orçamento de R$ 98,2 bilhões para os próximos três meses, o auxílio emergencial poderá ter recursos extras liberados caso a demanda fique maior que a prevista, disse, nesta terça (15), o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. Segundo ele, não há limites na verba do benefício pago às camadas sociais mais afetadas pela pandemia de coronavírus, mesmo que a liberação aumente o rombo nas contas públicas neste ano.

“Caso haja demanda além dos R$ 98,2 bilhões, o governo federal analisará e, atendendo a diretriz de cobertura dos mais vulneráveis e da manutenção do emprego, [a demanda] será atendida. Isso vai gerar um aumento das despesas primárias, mas a diretriz do governo é direta. Em 2020, associado à calamidade pública, não faltará recursos para atendimento a esses estratos nem a essas diretrizes”, disse o secretário.

O governo calculou o orçamento para o auxílio emergencial com base na projeção de que 54 milhões de brasileiros receberiam o benefício de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras) pelos próximos três meses. No entanto, o Ministério da Cidadania tem informado que até 71 milhões de pessoas enquadram-se nas condições para requerer o benefício.

Segundo Rodrigues, o pagamento do auxílio emergencial tem alta complexidade técnica, e o governo tem dificuldade de saber quem e quantos são os potenciais beneficiários. Embora o Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) e o Bolsa Família forneçam uma estimativa dos brasileiros em situação de vulnerabilidade, o secretário informou que os números sobre os trabalhadores informais são imprecisos.

Rodrigues disse que inicialmente o governo esperava que 20 milhões dos 38 milhões de trabalhadores informais fossem requerer o auxílio emergencial, mas que a demanda final pode ser maior.

Uma eventual ampliação do orçamento para o auxílio requer a edição de créditos extraordinários, que precisam ser votados pelo Congresso. Apesar de piorarem o déficit primário do governo, esses créditos não violam o teto de gastos por se tratar de gastos emergenciais, que podem ser concedidos fora do limite de despesas federais.

Back To Top