skip to Main Content
20 de fevereiro de 2020 | 11:01 am

ANÁLISE NÃO BATE COM AS PESQUISAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

O jornal A Tarde divulga análise, neste domingo, que mostra os votos do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) divididos entre os presidenciáveis José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV).
A publicação de Salvador atribui essa divisão em favor de Serra e Marina a uma declaração de Dilma Rousseff (PT) de apoio irrestrito, e na reta final, a Jaques Wagner, melhor posicionado nas pesquisas de então.
Não é por nada, mas… A decisão de Dilma em favor de Wagner se deu justamente porque as pesquisas feitas mais de um mês antes da eleição mostravam que mais de 70% dos que votavam com Geddel optavam por Serra ou Marina (veja aqui).
Apenas 20% dos que tinham intenção de votar no peemedebista apertariam o 13 de Dilma Rousseff nas urnas. Basta consultar, por exemplo, os relatórios dos levantamentos do Datafolha.

UM ABORTO A CADA 33 SEGUNDOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Tema que se tornou recorrente nesta campanha pela sucessão presidencial, o aborto mata uma mulher a cada dois dias no Brasil, de acordo com dados do Sistema Único de Saúde (SUS). Matéria publicada na edição deste domingo do jornal O Globo, destaca ainda que uma gravidez é interrompida a cada 33 segundos no país.
A abordagem do assunto nos programas eleitorais é vista como equivocada pela pesquisadora Paula Viana, do grupo Curumim. Segundo ela, “o debate não deveria tratar de quem é contra e quem é a favor, mas de como é possível resolver um problema de saúde pública”.
A pesquisadora observa ainda que “mulheres de todas as classes sociais, idades, escolaridades e religiões abortam” e que “muitas acabam no serviço público de saúde, onde são negligenciadas, julgadas e condenadas”.
Segundo estimativas de médicos, para cada caso de aborto que chega ao hospital, outros quatro ocorrem às escondidas, de maneira clandestina. Não é à toa que, em 2009, 183,6 mil  mulheres que fizeram aborto sofreram complicações.

CAMARADAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Kelly Magalhães e Wenceslau Júnior no encontro com o governador

A deputada estadual eleita Kelly Magalhães (PCdoB) bateu altos papos com o vereador itabunense Wenceslau Júnior, que acertou a trave nestas eleições e ficou na primeira suplência dos comunistas. Kelly, cujo domicílio eleitoral é o município de Barreiras, teve a terceira votação do partido, atrás de Fabrício e Álvaro Gomes.
O encontro entre os dois correligionários aconteceu durante evento nesta sexta-feira, 08, em que o governador Jaques Wagner conclamou a esquerda baiana a se empenhar na campanha de Dilma neste segundo turno.

OS "FICHAS SUJAS" AGRADECEM

Tempo de leitura: < 1 minuto

Segundo análise do Globo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem sido flexível na análise da ficha corrida de políticos cassados ou que tiveram contas rejeitadas por tribunas de contas. Segundo a publicação, o TSE estabeleceu que a Lei da Ficha Limpa só é aplicável para os cassados por abuso de poder que foram alvos de um tipo específico de processo, chamado Ação de Investigação Judicial Eleitoral.

SEGUNDO TURNO

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense
A posição mais confortável para Marina Silva e o Partido Verde (PV) é a de neutralidade diante do segundo turno. Ficariam bem com qualquer resultado da disputa presidencial, com Serra eleito ou Dilma.
Totalmente descartada é a hipótese de Marina dar o seu apoio pessoal ao candidato tucano, que no debate da Rede Globo disse que Marina e Dilma são iguais, como se fossem “farinhas do mesmo saco”.
Nervoso com a pergunta da ambientalista, que queria saber a posição dos tucanos em relação ao programa Bolsa Família, o candidato do PSDB, com um semblante destilando raiva, disse: “Você, Marina, parece muito com a Dilma”.
Além de comparar Marina com Dilma, o tucano acusou a candidata do PV de omissão no escândalo do mensalão protagonizado pelos aloprados do PT. Marina era ministra do Meio Ambiente do governo Lula.
José Serra, candidato do PSDB ao cobiçado Palácio do Planalto, de olho nos eleitores que votaram na candidata do PV no primeiro turno, diz agora que Marina é muito diferente de Dilma.
Serra lembra Fernando Henrique Cardoso. O ex-presidente pediu para que o povo brasileiro esquecesse os seus escritos. José Serra quer que o eleitor de Marina esqueça o que ele andou falando da então candidata.
Cinismo, tapeação e demagogia são ingredientes inerentes aos políticos. As exceções existem, mas, infelizmente, pouquíssimas. Depois ficam se queixando das pesquisas de opinião que apontam a classe política como a mais desacreditada pelo povo brasileiro.
GASPARETTO
1 – O governador Wagner será reeleito, até com certa facilidade, no primeiro turno. 2 – A “onda verde” vai empurrar a eleição presidencial para um segundo turno. 3 – O médico Renato Costa perderá votos com o apoio do ex-prefeito Fernando Gomes.
Em uma rápida conversa no tradicional Café Pomar, quinze dias antes da eleição, eu e o sociólogo Agenor Gasparetto, da empresa Sócio Estatística, concordamos com os três pontos acima.
Na sucessão estadual de 2006, Gasparetto apostou na eleição de Jaques Wagner logo no primeiro turno. É bom lembrar que as pesquisas davam a reeleição do então governador Paulo Souto como favas contadas.
Espero ter outra conversa com Gasparetto em relação ao segundo turno presidencial. O cafezinho fica por minha conta. Somente o cafezinho.
AZEVEDO E O DEM
Correligionário bem próximo do prefeito Azevedo, daqueles considerados como “imexível” em uma provável reforma administrativa, disse para esta modesta coluna que o prefeito de Itabuna não tem mais clima para permanecer no DEM.
O problema não é Maria Alice, que comanda o diretório municipal. Azevedo tem um civilizado relacionamento com a dirigente, cujo trabalho na legenda é reconhecido até mesmo pelos adversários.
O grande entrave é Paulo Souto, que não perdoa a indecisão do prefeito em relação a sua candidatura ao governo da Bahia. O ex-pefelista, cria de ACM, é o presidente estadual do Partido Democratas.
O ex-governador acordou no dia da eleição sem saber se o prefeito Azevedo iria votar nele. Paulo Souto obteve pouco mais de 28 mil votos em Itabuna, atrás do petista Jaques Wagner, com quase 48 mil.
A próxima legenda do chefe do Executivo será da base política do governo Wagner. Nos bastidores, o que se comenta é que o PP pode ser o próximo abrigo do Capitão Azevedo.

A INTERNET E A ELEIÇÃO

Tempo de leitura: 2 minutos
Ricardo Ribeiro | ricardoribeiro@pimentanamuqueca.com.br
.
O uso intensivo da internet e, principalmente, das redes sociais, colaborou muito para a vitória do primeiro presidente negro da história americana. E a experiência daquela eleição se tornou uma espécie de marco de um novo momento na concepção das campanhas eleitorais e da comunicação.
.
De olho nessa revolução do “www”, já na pré-campanha a candidata Dilma Rousseff mostrava que usaria a receita Obama, principalmente com a formação de uma grande frente de simpatizantes na web, propagando mensagens favoráveis e repetindo à exaustão as virtudes do governo Lula e da eleição de sua sucessora.
.
O jornalista Marcelo Branco foi contratado para recrutar os soldados da web-campanha e rodou o Brasil, falando do poder descomunal da internet e do seu crescimento no país, onde a rede se popularizou e superou as publicações impressas. “Usem seus twitters, facebooks e orkuts para fortalecer a imagem da Dilma”, essa era a palavra de ordem do jornalista. Mas os “Dilmaboys” não surfavam sozinhos nessa onda.
.
Ao longo da campanha, quem se esmerou no uso da web foram os “Serraboys” (aqui não nos referimos àquele grupinho sem graça da terra da garoa). A partir de bases espalhadas por todo o país, numa ação de guerrilha, o exército tucano disparou mensagens contra a candidata do PT, alardeando falhas reais, espalhando defeitos inventados e velhas piadinhas desconcertantes, explorando o estilo durão da petista para caracterizá-la como uma mulher cruel, desumana e inimiga dos religiosos, numa verdadeira reedição da cartilha da TFP (Tradição, Família e Propriedade).
.
Todo esse viés taleban das últimas semanas do confronto resultou na “fuleirização” da campanha, que acabou empobrecida e desviada de temas mais importantes para o país, e foi decisivo para levar o pleito ao segundo turno.  O interessante é que Dilma perdeu terreno na web, exatamente onde  saiu na frente.
.
Será que deu branco?

Ricardo Ribeiro é um dos responsáveis pelo blog Pimenta na Muqueca.

DATAFOLHA SAINDO DO FORNO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Datafolha conclui nesta sexta-feira, 8, a primeira pesquisa registrada sobre o segundo turno da sucessão presidencial. Ela poderá ser divulgada já nas primeiras horas deste sábado, 9. O levantamento ouve cerca de 3.220 eleitores em todo o país e começa a captar a movimentação dos quase 20 milhões de votos de Marina Silva (PV).
Levantamentos feitos até aqui, mas não registrados, apontam que José Serra tem levado boa parte dos votos da verde, mas ainda não em volume suficiente para garantir a vitória tucana – para sorte de Dilma Rousseff (PT).
(A pesquisa será divulgada ao final da noite deste sábado, 9).

MARINA NÃO INFLUENCIARÁ 2º TURNO

Tempo de leitura: 3 minutos

Do jornalista Paixão Barbosa  | Política & Cidadania:
Não há dúvida quanto ao favoritismo de Dilma Rousseff neste segundo turno eleitoral, tanto pelo que lhe ficou faltando de votos para chegar aos 51% como pelos registros históricos, que mostram uma tendência quase absoluta de vitória daqueles que saíram liderando no primeiro turno das eleições já realizadas no Brasil. São pouquíssimos os casos de virada e, quando elas aconteceram, é porque no primeiro a disputa foi mais acirrada e a diferença entre os dois primeiros muito pequena, o que não é o caso.
Não quis, de propósito, ficar aqui falando sobra as razões que frustraram o sonho do presidente Lula e do PT de vencerem a eleição ainda no primeiro turno, porque sei, de longas datas, que nunca existe um só motivo para que um candidato não alcance o total de votos que esperava.
Não se pode atribuir apenas à campanha suja que pipocou pela internet nos últimos dias (atribuindo a Dilma declarações a favor do aborto e de menosprezo a Jesus Cristo). Também não se pode responsabilizar somente uma alta abstenção nos Estados nordestinos (isto é desculpa de institutos de pesquisa para tentar encobrir seus erros). Nem tampouco se deve atribuir o resultado somente à chamada “onda verde”, que teria feito Marina Silva crescer além dos limites previstos pelas pesquisas.
Foi um pouco de tudo isto e mais o fato de Marina ter sido o desaguadouro dos insatisfeitos com Dilma e Serra, de parte do eleitorado jovem que estava indeciso até o último instante, de conservadores e religiosos. Enfim, um movimento não-coordenado que, em determinado momento, confluiu para a candidatura do PV, tirando votos de Dilma em todas as regiões e provocando mais uma onda de descrédito nos nossos tão auto-elogiados institutos de pesquisa.

Leia Mais

VELOSO SONHA COM A PREFEITURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dono de minguados 3.696 votos em Ilhéus, o deputado federal Raymundo Veloso (PMDB) tenta encontrar na resposta das urnas alguma mensagem misteriosa sobre o seu futuro. Para o político, a derrota nestas eleições pode significar que haveria algo mais interessante reservado para  ele. No caso, o governo ilheense.
É uma interpretação um tanto complicada, mas faz parte da natureza humana procurar a tal da luz no fim do túnel. Veloso acha que a lamparina dele está acesa no Palácio Paranaguá, mas a fila dos que desejam o mesmo que ele não está pequena.

Veloso pai e Veloso filho "morreram" abraçados na eleição

Back To Top