skip to Main Content
24 de maio de 2020 | 06:51 pm

MARÃO AFAGA PAULO MAGALHÃES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Magalhães, à direita, levava Marão (centro) para correr ministérios em Brasília, como o de Kassab, em 2016

O prefeito Mário Alexandre (Marão) resolveu fazer um afago no deputado federal Paulo Magalhães (PSD), a quem concederá a mais alta honraria do município, a Comenda do Mérito de São Jorge dos Ilhéus.

Paulo Magalhães colocou o mandato à disposição do prefeito, obtendo obras e verbas. Porém, decepcionou-se com a retribuição em 7 de outubro passado, o dia da “Prova de Amor”.

O deputado obteve apenas 2.347 votos no município.

A baixa votação em Ilhéus foi uma das razões para ter ficado na suplência da coligação e assumir o mandato há três meses após arranjos feitos pelo governador Rui Costa, colocando parlamentares federais em secretarias estaduais, a exemplo de Josias Gomes, na SDR, e Sérgio Brito na Sedur.

Na estratégia de perdas e danos, Marão deve argumentar que nem a mão dele, Ângela Sousa, teve melhor sorte. Ângela, também do PSD, obteve só 9,6 mil votos em Ilhéus em 2018 ante os 11,5 mil obtidos em 2014, quando não tinha o apoio da máquina municipal. E, com a queda na Terra de Gabriela e região, acabou fora da Assembleia Legislativa…

“QUERO SANGRAR A DILMA”, DIZ SENADOR TUCANO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Senador Aloysio Nunes, do PSDB-SP, quer ver Dilma sangrar (Foto Brasil 247).

Senador Aloysio Nunes, do PSDB-SP, quer sangrar Dilma (Foto Brasil 247).

Dias após o vice-governador baiano João Leão proferir uma daquelas frases infelizes (veja abaixo), surge um senador do PSDB cometendo outro desatino.

Candidato derrotado a vice-presidente do Brasil, o senador Aloysio Nunes concedeu entrevista ao jornal Valor Econômico e, após várias declarações pelo impeachment da presidente Dilma, deu um cavalo de pau e, agora, diz ser contra a saída da presidente, pois quer vê-la sangrar no cargo.

– Não quero que ela saia, quero sangrar a Dilma, não quero que o Brasil seja presidido por Michel Temer (PMDB) – disse Aloysio.

Conhecido pelo seu destempero verbal e por destilar ódio em suas falas, Aloysio fez um mea culpa ao dizer que o PSDB falhou do debate político no processo eleitoral do ano passado. O senador foi vice na chapa encabeçada pelo também tucano Aécio Neves.

“Ê, SAUDADE”

Tempo de leitura: < 1 minuto

Não é apenas dos carnavais dos anos 2000 de Itabuna que o ex-prefeito Geraldo Simões tem saudades (entenda acessando aqui). A julgar pelo seu perfil no Facebook, há uma tremenda saudade, também, dos tempos em que era deputado federal. Na rede social, GS ainda se apresenta como parlamentar. Um lapso…

Geraldo não conseguiu a reeleição em outubro passado, deixando o Congresso após três mandatos como deputado federal (1999-2000/2007-2011 / 2011-2015).

(Clique para ampliar)

(Clique para ampliar)

PRB NA OPOSIÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Após dar um “zig” no PT à beira das eleições de 2014, tentar reatar namoro com o governo baiano e ter recebido um “talvez, quem sabe lá na frente”, o PRB decidiu engrossar as fileiras da oposição ao Governo Rui Costa.

De acordo com a coluna Tempo Presente, d´A Tarde, o partido formará bloco oposicionista que contará com PSDB e PSC, num total de 7 parlamentares. Com a posse dos membros da nova legislatura, ontem (1º), o governo terá 21 deputados integrando a oposição, incluindo os deputados do DEM, PMDB e PV.

BANDA PODRE

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

Como não bastasse a turma das mãos sujas, o Parlamento corre o risco de ser presidido por Eduardo Cunha, líder do PMDB. O deputado carioca tem mais de 50 processos contra veículos de comunicação e jornalistas.

A bancada mais numerosa da próxima legislatura, superando a do PT, PMDB e PSDB, respectivamente com 70, 66 e 54 parlamentares, é a dos reeleitos com problemas na justiça.
Os 73 deputados federais respondem a 150 inquéritos e várias ações penais: corrupção, formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, sonegação fiscal e crime contra a Lei de Licitações.
Como são “representantes” do povo e “respeitados” homens públicos, a previsão é de que não aconteça nada com nenhum deles. O nada aí é cadeia, ficar atrás das grades, literalmente presos.
Como não bastasse a turma das mãos sujas, o Parlamento corre o risco de ser presidido por Eduardo Cunha, líder do PMDB. O deputado carioca tem mais de 50 processos contra veículos de comunicação e jornalistas.
Se Cunha fosse do PT, os jornalões e a revista Veja estariam cobrando da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) uma posição firme em relação ao pretendente.
E por falar na ABI, ela sumiu. Escafedeu-se. Qualquer semelhança com a União Nacional dos Estudantes, a ex-atuante UNE, é fato.
marina-versus-dilmaMARINA VERSUS DILMA
Marina Silva anda dizendo, se referindo a sua ex-rival na disputa pelo Palácio do Planalto, que “a realidade desmantela o marketing eleitoral da presidente Dilma”.
A declaração da ambientalista foi provocada pela elevação da taxa básica de juros de 11% para 11,25 pelo Banco Central.
Marina não tem crédito para falar de mudança de comportamento. Como pré-candidata fazia uma defesa implacável da “nova política”. Quando virou candidata, mudou. Subiu até no palanque da família Bornhausen, lá em Santa Catarina.
Dizia que a polarização entre o PT e o PSDB era nociva à democracia, que nunca apoiaria nem o petismo e, muito menos, o tucanato. Terminou apoiando Aécio Neves no segundo turno.
O próximo passo de Marina é retomar a coleta de assinaturas para legalizar a Rede Sustentabilidade. Ninguém sabe se para ser candidata ou vice de Aécio na sucessão de 2018.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

DILMA, O PT E A OPOSIÇÃO

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

Cabe ao PT a tarefa de bombeiro, e não de incendiário. Apagar o fogo com água e não com gasolina como querem alguns aloprados. Qualquer provocação é de uma burrice inominável.

Quando um petista se queixa das dificuldades que cercam a presidente Dilma Rousseff, eu tento acalmá-lo dizendo que é assim mesmo, que faz parte do jogo político.
Dependendo do “paciente”, recomendo até um chá de paquetá, feito com capim santo, limão, água de flor e açúcar. Nada de sal ou qualquer outro ingrediente.
Enfrento a crescente lamúria com um forte e consistente argumento: seria pior, muito pior, se Dilma fosse derrotada. Aí, nem tico, nem taco, como diz o ditado popular.
A oposição, deixando de fora os imbecis que uivam por uma interferência militar ou pelo “fora Dilma”, faz o seu papel. Tem legitimidade e todo o direito de se opor, reclamar e espernear.
Quem não deve criar problemas para o governo Dilma é o PT, sob pena de virar o principal aliado do oposicionismo. Tem que ajudar na construção do diálogo com os diversos segmentos da sociedade e, principalmente, com o Congresso Nacional.
A discussão sobre a candidatura de Lula em 2018 é intempestiva, só faz oxigenar o radicalismo de uma oposição ainda atônita e inconformada com a derrota.
Cabe ao PT a tarefa de bombeiro, e não de incendiário. Apagar o fogo com água e não com gasolina como querem alguns aloprados. Qualquer provocação é de uma burrice inominável.
Tudo que o tucanato deseja é que o Partido dos Trabalhadores e suas lideranças caiam na sua armadilha, na arapuca do “quanto pior, melhor”.
É bom lembrar que Lula desceu do palanque assim que soube da vitória de Dilma. O Lula agora é outro. É o Lulinha paz e amor.
Do outro lado, um Aécio Neves apelando até para o demônio, dizendo que “o diabo se envergonharia da campanha do PT”. Xô, satanás! Sangue de Cristo tem poder.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

QUE OS SENHORES DESÇAM DO PALANQUE

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

A vontade popular não pode ser ameaçada pelos que uivam por ditadura.

Antes de comentar o artigo de hoje, devo dizer que fui criticado por leitores contrários à minha declaração de voto na reeleição da presidente Dilma Rousseff.
Faço também um devido, oportuno e necessário esclarecimento: não sou da imprensa. Apenas um modesto e esforçado colaborador do Diário Bahia e do Blog PIMENTA.
Respeito quem acha que jornalista que escreve sobre política não deve dizer que vai votar em fulano ou sicrano, sob pena de perda de credibilidade.
Tenho outra opinião: prefiro o jornalista que tem lado, que defende sua posição com firmeza, sem tapeação e, principalmente, sem o deplorável e nojento puxa-saquismo.
Voltando ao comentário, confesso que cheguei a rascunhar sobre o que diria em uma eventual vitória de Aécio Neves (PSDB), já que o tucano, com mais de 70% das urnas apuradas, estava com cinco pontos percentuais na frente de Dilma.
Resolvi escrever um parágrafo – que seria o primeiro do artigo – que servisse tanto para Aécio como para Dilma, era só tirar do texto o nome do perdedor. Segue abaixo, literalmente.
“A eleição acabou. A vitória maior é da democracia, em que pese um processo eleitoral mais agressivo do que propositivo. Agora é descer do palanque e torcer para que (Aécio ou Dilma) faça um bom governo”.
Ledo engano. O palanque continua armado. Não querem aceitar o incontestável resultado das urnas. Apostam na instabilidade política e na desarrumação institucional. São adeptos do quanto pior, melhor.
O que se espera de todos é responsabilidade, respeito aos Poderes da República, ao Estado democrático de direito, ao povo brasileiro e a nossa Constituição.
Que os senhores desçam do palanque. Não há mais espaço para os golpistas de plantão. A vontade popular não pode ser ameaçada pelos que uivam por ditadura.
Dilma Rousseff foi democraticamente reeleita. Ponto final.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

PROCURADORIA PEDE CASSAÇÃO DE REGISTRO OU DIPLOMA DE SUÍCA POR CRIME ELEITORAL

Tempo de leitura: 2 minutos
Suíca pode perder registro ou diploma (Foto GAPtv).

Suíca pode perder registro ou diploma (Foto GAPtv).

A Procuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE/BA) acionou o vereador Luiz Carlos Suíca, de Salvador, por uso eleitoral da ONG Grupo Alerta Pernambués (GAP) no pleito de 2014. Suíca concorreu a uma vaga à Assembleia Legislativa pelo PT. De acordo com a PRE, o vereador soteropolitano usou a estrutura da associação para fazer campanha.

A procuradoria pediu a cassação do registrou ou diploma de Suíca, que ficou na suplência da coligação encabeçada pelo PT, além de requerer que o vereador seja multado, assim como o secretário estadual de Promoção Social e Combate à Pobreza, Henrique Gonçalves Trindade.

O GAP atende a boa parte da população de baixa renda dos bairros de Pernambués e Narandiba, com opções de atendimento médico, encaminhamentos para realização de exames, cursos de qualificação profissional, além de acesso a computadores para inscrição no Programa Minha Casa Minha Vida.

De acordo com o procurador eleitoral auxiliar André Batista Neves, a ONG fazia propaganda eleitoral ostensiva de Suíca. O vereador é um dos fundadores da ONG, cuja sede está instalada no bairro em que estudou e onde mantém um de seus redutos eleitorais.

O uso da ONG para fins eleitorais foi comprovado por meio de fotos disponibilizadas no próprio site da ONG com Suíca e outros políticos carregando cartazes com o seu número de campanha; por meio de uma matéria jornalística de um portal local, de depoimentos prestados à PRE e de um áudio que vincula o gabinete do vereador à ONG, já que a atendente do gabinete afirma, no áudio, que o “Grupo Alerta Pernambués, uma instituição que faz parte do projeto do vereador”.

De acordo com o procurador eleitoral auxiliar André Batista Neves, Suíca fez uso e foi beneficiário, na campanha eleitoral, de serviços públicos de caráter social, dotados de grande potencial de atração de eleitores, além de ser o controlador de fato da ONG. O secretário responde à representação por deixar de fiscalizar a prestação de serviços públicos, que tinham sido delegados à ONG e, com isso, permitiu seu uso eleitoreiro.

EM URUÇUCA, MOACYR FESTEJA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Moacyr: esperançoso.

Moacyr: esperançoso.

Moacir Leite Júnior (PP), ex-prefeito de Uruçuca, anda rindo à toa com os resultados das urnas no seu município. No primeiro turno, o candidato dele ao governo, Paulo Souto (DEM), venceu em Uruçuca, assim como Geddel Vieira Lima, peemedebista que disputou vaga ao senado.
Nas eleições proporcionais, Paulo Azi, seu candidato a deputado federal, obteve 2.287 votos. Já o candidato a estadual, Augusto Castro, foi o mais votado no município. Os dois venceram.
Após o bom desempenho no primeiro turno, Moacir viu o tucano Aécio Neves obter 44,83%, apesar de toda a máquina municipal operar em favor de Dilma Rousseff. O ex-prefeito apostou suas fichas no nome do PSDB.
Analistas acreditam que os números de 2014 projetam eleição acirrada em 2016 e grandes chances de Moacir retornar ao comando do município. Para isso, as conversas com setores de oposição avançam.

PT ITABUNENSE PREPARA RETORNO DE NOMES HISTÓRICOS

Tempo de leitura: 2 minutos
Veridiano aposta em novo momento do PT itabunense (Foto Pimenta).

Veridiano aposta em novo momento do PT itabunense (Foto Pimenta).

José Carlos Veridiano, ex-vereador e ex-presidente do PT itabunense, anda empolgado com o que pode ser chamado de recriação da legenda em Itabuna. Nomes conceituados em Itabuna e quadros históricos do partido serão convidados para participar deste projeto como filiados.
– Não é algo contra ninguém [Geraldo Simões, deputado federal], mas queremos um partido fortalecido, sem “dono” – disse Veridiano ao PIMENTA enquanto comemorava a reeleição de Dilma.
Segundo ele, será uma ação pactuada. Dentre os alvos da velha guarda petista, estão nomes como o do médico sanitarista Humberto Barreto e o ceplaqueano Francisco Gilton. “As conversas estão avançadas”, disse Veridiano, que ainda acrescentou o nome do prefeito Claudevane Leite, hoje no PRB.
As conversas para este novo momento tem a aprovação não apenas do diretório estadual, mas de nomes de peso, a exemplo do governador Jaques Wagner e do governador eleito, Rui Costa. Estes apoios, na opinião de Veridiano, darão mais segurança para o retorno do prefeito.
O governador eleito diz ter um carinho especial pelo sul da Bahia. Internamente, governistas dizem que, após as ações no Semiárido e em mobilidade na Região Metropolitana de Salvador e de Feira, a região sul-baiana passa a ser a “Menina dos Olhos”, pois foram superados obstáculos ambientais.
Para 2015, deverão deslanchar obras e projetos como Aeroporto, duplicação da Ilhéus-Itabuna, Porto Sul e Ferrovia Oeste-Leste, o que poderá representar um novo ciclo de desenvolvimento regional. O governador eleito já anunciou que o centro logístico destes novos investimentos será implantado em Itabuna.

Back To Top