skip to Main Content
5 de julho de 2020 | 01:34 pm

“LULA JÁ É UMA CARTA FORA DO BARALHO”, AFIRMA BOLSONARO

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Fernando Rodrigues, Bolsonaro diz que Lula é carta fora do baralho

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista ao programa Poder em Foco, do SBT, nesta madrugada de segunda (23), que o ex-presidente Lula “já é carta fora do baralho” para a disputa de 2020. “Agora, o Lula nas suas poucas andanças é criticado e vaiado. Eu acredito que o Lula já é uma carta fora do baralho”, disse Bolsonaro.

O petista, observou, está em liberdade, porém sofreu condenação em segunda instância, o que o impede de disputar o pleito de 2022. “Ele não é cabo eleitoral para mais ninguém”

REFORMA E REELEIÇÃO

Bolsonaro também comentou sofre reformas no país, principalmente a tributária. Ao apresentador Fernando Rodrigues, disse ter recomendado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, não falar em “reforma”, mas em “simplificação tributária”. O presidente da República sinaliza que disputará a reeleição. “Se eu estiver bem, eu disputo”.

A REBELDIA DE RUI COSTA

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

São outros tempos no ambiente do Partido dos Trabalhadores. O governador da Bahia, Rui Costa, vem protagonizando essa mudança, hasteando a bandeira de que o PT precisa fazer uma urgente e profunda reflexão.

 

 

Em nova entrevista, agora na Folha de São Paulo, edição de ontem, sábado (14), o morador mais ilustre do Palácio de Ondina mostrou mais uma vez sua insatisfação com o PT, principalmente com o lulopetismo.

Rui já tinha deixado o ex-presidente Lula irritado quando disse que a defesa do movimento “Lula Livre” não poderia condicionar as alianças com outras legendas. O senador Jaques Wagner impediu uma tomada de posição mais dura da cúpula nacional do petismo, tendo na linha de frente a incendiária Gleisi Hoffamann. Até um possível pedido de expulsão foi ventilado.

O mandatário-mor do quarto colégio eleitoral do Brasil, que se reelegeu no primeiro turno com mais de 75% dos votos válidos, diz que Lula “precisa pregar a pacificação do país”, que o partido “deve ajustar o discurso”, que “a radicalização é um mal”, que os petistas erram ao “condenar investimento privado na área social”. Como não bastasse, Rui joga parte da culpa pela situação econômica no colo da ex-presidente Dilma Rousseff. “É evidente que estamos vindo de cinco anos de recessão”, diz o rebelde governador.

Pois é. Enquanto Rui conquistou o segundo mandato consecutivo com uma invejável votação, Fernando Haddad sequer foi para o segundo turno na tentativa de continuar no cargo de prefeito de São Paulo. O preferido de Lula, chamado de “poste” na última eleição presidencial, perdeu em todas as urnas.

Rui faz também uma crítica a Lula quando deixa claro que o PT deve apoiar candidatos da base aliada que estejam melhor colocados nas pesquisas de intenções de voto nas sucessões municipais, dando assim um chega pra lá na soberba lulista. “O PT não é partido de apoio”, disse Lula quando saiu da cadeia.

É evidente que a legítima pretensão de Rui de ser o candidato do PT à presidência da República ficou mais complicada. Nos bastidores da alta cúpula petista, o que se comenta é que o ex-presidente ficou retado da vida com o “companheiro”. Já é a terceira vez que o governador da Bahia faz declarações que terminam deixando Lula irritado.

Os meios de comunicação ligados ao ex-presidente saíram em sua defesa. O blog Cidadania, por exemplo, estampou a seguinte manchete: “RUI COSTA ACHA QUE PODE DAR LIÇÃO A LULA”.

Toda vez que tem esse pega-pega do governador da Bahia com o comando nacional da legenda, vem à tona a conversa de que Rui Costa pode deixar o PT, que seu destino seria o PSB. Há quem diga que essa articulação vem sendo trabalhada, costurada em doses homeopáticas. Nem a deputada federal Lídice da Mata, presidente estadual do Partido Socialista Brasileiro, tem conhecimento.

Qual será a próxima rebeldia de Rui Costa? Essa é a pergunta que mais se ouve no lulopetismo.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

WAGNER DIZ NÃO TER A PRETENSÃO DE CONCORRER AO GOVERNO BAIANO EM 2022

Tempo de leitura: < 1 minuto

Wagner diz não ter pretensão de disputar 2022 || Foto Antonio Cruz/Agência Brasil

O senador Jaques Wagner (PT) disse, nesta segunda (2), não ter a pretensão de concorrer ao governo da Bahia em 2022. Durante entrevista ao programa Isso é Bahia, d´A Tarde FM, o ex-governador mostrou preferência pela renovação política do partido.

– Essa é uma crítica que eu faço, vejo uma carência de formação de novos quadros. Digo que não é a minha pretensão ser candidato em 2022. Mas se for para o bem do grupo, meu nome está à disposição – disse.

Também falou de nomes naturais do campo de esquerda para 2022 no plano nacional, por ordem, Fernando Haddad, Rui Costa, governador da Bahia, e Flávio Dino, governador do Maranhão. Mas, observa, se Lula estiver impedido de disputar o pleito.

WAGNER SE CONSOLIDA COMO O MAIOR ARTICULISTA PARA ELEIÇÕES BAIANAS DE 2022

Tempo de leitura: 2 minutos

Jerberson Josué

 

 

Os petistas propõem para as eleições de 2022 uma chapa com Wagner governador, tendo um pepista como vice e Otto assegurado na chapa para reeleição ao Senado Federal.

 

O senador Jaques Wagner é, reconhecidamente, incansável em suas movimentações políticas e este fato resultou na convergência de um arco de alianças entre correntes internas do PT, que acabou elegendo um aliado seu para o comando do partido no estado, Eden Valadares, embora o grupo do deputado federal licenciado, Josias Gomes, seja mais sólido e detenha prerrogativas para debates e decisões da Executiva do partido.

O placar ficou 14 a 12 pra o ampliado grupo de Wagner, na Executiva Estadual do PT. Quase que simultaneamente, um movimento assertivo foi feito e o nome do ex-governador Wagner virou quase que unanimidade na base e um trunfo internamente no PT. Foi praticamente alijada qualquer possibilidade de convergência à candidatura majoritária do senador Otto Alencar (PSD), para unificação do situacionismo na sucessão de Rui Costa.

Até o deputado federal Otto filho (PSD) considera impertinente o alinhamento do PSD ao grupo da oposição, tendo em vista os laços do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Os petistas propõem para as eleições de 2022 uma chapa com Wagner governador, tendo um pepista como vice e Otto assegurado na chapa para reeleição ao Senado Federal. Para os aliados do PSB e PC do B, os esforços sinalizariam para viabilizar-se a eleição de um maior número de seus representantes para o Congresso Nacional e Assembleia Legislativa da Bahia.

Este processo eleitoral tem sido, meticulosamente, bem articulado e capitaneado pelo habilidoso Jaques Wagner. Sua desenvoltura assegura favoritismo para a permanência do petismo no comando de mais quatro anos de governo estadual na Bahia e tem merecido reconhecimento, até de adversários políticos, e este é o caso do senador Flávio Bolsonaro, que vê em Wagner um dos mais inteligentes políticos do país.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.

Back To Top