skip to Main Content
8 de março de 2021 | 09:01 am

A PALAVRA TEM PODER

Tempo de leitura: 2 minutos

A palavra pode não ter poderes mágicos para garantir bênçãos ou maldições. Porém, a palavra tem o poder de ser inclusiva ou excludente. Afinal, como diz o já consagrado provérbio do mestre Stan Lee, “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”.

Karoline Vital || karolinevital@gmail.com

“Cuidado, menina! A palavra tem poder”! Minha mãe sempre me falava isso, quando eu falava que algo poderia sair errado. Era o modo dela me alertar sobre o peso de tudo aquilo que se diz. Tudo bem que vinha carregado de uma aura meio mística, tipo um encantamento capaz de atrair a energia do que foi proferido. Falar “desgraça”, então…  Pior do que soltar o mais cabeludo dos palavrões. “É o nome da pelada”. Embora minha mãe nunca soubesse me explicar quem era a tal da pelada nem o que faria de tão desgraçado.

Hoje em dia, minha compreensão do poder da palavra vai além de se evocar sobrenaturalmente algo negativo ou positivo. A função de ser benção ou maldição está atrelada ao sentido político daquilo que se diz. Nada de política partidária, mas política de posicionamento, de ideologia, de como enxergar a si e ao outro.

A turma defensora do mundo mais chato após o politicamente correto é um excelente exemplo de como a palavra revela posicionamentos. Dia desses, caí no perfil de uma professora de português que se dizia sem paciência para vocábulos como “empatia”, “gratidão” e “empoderamento”. Em linhas gerais, classificava o uso dos termos como modismo. Infelizmente, essa atitude dela apenas revelou um vazio que carregava em si. Isso porque, apesar de ostentar elegância e uma condição financeira abastada, a professora era incapaz de refletir sobre o que motivava o uso dessas palavras ou os contextos. Usando uma expressão da moda, a profissional apenas “cancelou” porque não fazem parte da sua realidade nem estava disposta a compreender as motivações.

Muitas lutas, para serem tomadas como legítimas, exigem empatia de quem não vivencia as violências ou privações. O empoderamento vem de dar protagonismo, vez e voz a quem é invisível ou silenciado. Já “gratidão”, apesar de parecer apenas coisa de bicho-grilo que aplaude pôr do Sol, demonstra o sentimento de ser grato por algo ou alguém. Isso porque as raízes do “muito obrigado” estão na obrigação de se devolver o favor, bem na cultura do velho “toma lá, dá cá”.

Revisar vocábulos com origens racistas, sexistas ou que remetam a qualquer tipo de preconceito não é se tornar chato. É se tornar consciente sobre como palavras podem reforçar estruturas opressoras, as quais não cabem numa sociedade da era da informação. A palavra pode não ter poderes mágicos para garantir bênçãos ou maldições. Porém, a palavra tem o poder de ser inclusiva ou excludente. Afinal, como diz o já consagrado provérbio do mestre Stan Lee, “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”.

Karoline Vital é jornalista.

MAS, AFINAL, O QUE DIFERENCIOU IVETE SANGALO DE GABRIELA PUGLIESI NO SÁBADO, SE AMBAS ESTAVAM EM CASA?

Tempo de leitura: 2 minutos

Duas mulheres, em casa, com uma arma potente nas mãos, usada de forma completamente distinta: o poder de influência.

Manuela Berbert || manuelaberbert@yahoo.com.br

Sábado à noite, live de uma das maiores cantoras nacionais da atualidade, Ivete Sangalo. No meio de uma pandemia, quando os estados brasileiros começam a sinalizar um possível colapso na saúde: Atenção, Nação! O número de leitos disponíveis pode não conseguir atender à população! E o mais grave: Nosso profissionais (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas etc) estão adoecendo! É grave, e isolamento social é imprescindível!

De um lado, a cantora, na cozinha da sua casa de praia, de pijama de bolinhas, tentando levar ao país um momento de alegria, mas produzido com muito pouco: marido e filho, descalços, amendoim com casca e um prato, e um público lúdico presente, armado com brinquedos simples. Ivete é artista de massa e sabe disso. Tem a real noção de que é seguida e assistida por todas as classes, e incorporou isso majestosamente com simplicidade.

Do outro lado, uma das maiores influenciadoras digitais do país, Gabriela Pugliesi, sem noção alguma. Salvo engano, Gabriela foi uma das primeiras mulheres a postar sua rotina (lifestyle) no instagram, aqui no Brasil. Recentemente, uma das primeiras pessoas públicas a testar positivo para a Covid-19 (após o casamento de sua irmã, em um resort de luxo em Itacaré) e a divulgar. Manteve o isolamento social até a cura, mas sábado protagonizou um verdadeiro desserviço ao país: recebeu amigos em casa para uma festa e postou nas redes sociais vídeos em que os brindes eram regados a frases como “Foda-se a vida!”, que soou para todos como um “Fodam-se vocês, estou imune!”.

Ainda que a sua carreira e visibilidade não sejam comparadas à de Ivete, vê-se claramente a importância da RESPONSABILIDADE SOCIAL de cada uma em um momento tão delicado como este. Gabriela é seguida por milhares, de todas as classes sociais, e serve de inspiração para muitas empresas também, afinal é bem comum inclusive vermos marcas apresentando produtos similares aos que ela consome, mais baratos, com campanhas que abusam de frases como “baseado no produto X que a Pugliesi usa”. Não é bacana, nós sabemos, mas é a realidade da nossa população consumista, pelo menos até esta crise atual. (Depois disso, muita coisa pode e deve mudar, mas aí é pauta para outro texto.)

Duas mulheres, em casa, com uma arma potente nas mãos, usada de forma completamente distinta: o poder de influência. De um lado, a ironia e a soberba de quem vive a sua própria bolha e no fundo está pouco se importando com quem está do outro lado da tela. Na contramão e com muito bom senso, uma cantora que ainda brincou com o tamanho da “calçola” que estava usando, com empatia a quem está em casa alternando entre dias bons e ruins, instabilidade econômica e com medo do Sistema Único de Saúde, que ainda salva, mas que não sabemos até quando…

Manuela Berbert é publicitária.

REDE DE HIPERMERCADOS DO SUL DA BAHIA APELA PARA EMPATIA EM ÉPOCA DE CORONAVÍRUS

Rede de Hipermercados no sul da Bahia faz campanha pela compra racional de produtos
Tempo de leitura: 2 minutos

Uma rede de hipermercados do sul da Bahia lançou, nas redes sociais, uma campanha para orientar o consumidor sobre os riscos das aglomerações nesse período de pandemia do novo coronavírus. O objetivo também é evitar estoque desnecessário de alimentos em casa, desabastecimento nas lojas e disparada de preços dos produtos.

Lançada na sexta-feira (20) pela Rede de Hipermercados Itão, a campanha “Não Estoque Nada!” orienta o consumidor a não estocar comida, álcool gel, remédios e máscaras para que não faltem produtos para quem realmente precisa.  No Facebook, em poucas horas, o card da campanha foi compartilhado por mais de 3 mil pessoas.

Para o gerente de compras da empresa, Gilson Cesar de Jesus, esse é o momento de o brasileiro demonstrar empatia, amor e compaixão pelo próximo.  “É uma situação em que a pessoa não pode pensar somente em si mesma. Estamos no momento de cuidarmos um do outro para que, unidos, possamos vencer essa guerra”, afirmou ao PIMENTA.

Gilson Cesar destaca que a super aquisição de produtos só vai dificultar ainda mais a vida de todos, inclusive de quem está correndo para estocar.  “As pessoas precisam ter calma e entender que as compras desnecessárias podem gerar desabastecimento e disparada de preços. Então, compre para o seu consumo normal”, orienta.

PROTEÇÃO PARA QUEM MAIS PRECISA

Ele diz que outra preocupação é com as pessoas com menor renda, que terão o poder de comprar ainda menor se os preços dos produtos dispararem. “Outra grande preocupação é não deixara pessoa que realmente precisa usar máscara sem essa proteção, por exemplo. Quem usa determinado remédio sem poder comprá-lo. Coisas assim que precisamos evitar”.

Além disso, a recomendação das autoridades na área de saúde é para que as pessoas evitem aglomerações, principalmente em locais fechados,  para reduzir a possibilidade de disseminação do novo coronavírus e diminuir a quantidade de pessoas doentes.

A campanha sobre a importância da compra consciente não foi a única medida adotada pela rede de hipermercados, que possui lojas em Itabuna e Ilhéus. Foi criado um horário especialmente para atendimento prioritário, que vai das 7 às 8h da manhã. Assim, evita-se aglomeração e exposição de pessoas mais vulneráveis.

 

Back To Top