skip to Main Content
28 de maio de 2020 | 04:58 am

VILAS-BOAS EXPLICA NÚMEROS DIVERGENTES DE CASOS DA COVID-19 EM ILHÉUS

Vilas-Boas explica divergência de números da covid-19 em Ilhéus || Foto Paula Fróes/GovBA
Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, explicou ao PIMENTA a divergência relacionada ao total de pacientes infectados pela Covid-19 e com confirmação laboratorial ou por teste rápido em Ilhéus desde o início da pandemia.

Na atualização dos números, Ilhéus apareceu com 425 pessoas infectadas na sexta (15), quando a Sesab fez a integração do banco de dados epidemiológicos com os municípios e, também, o Ministério da Saúde. Já neste sábado (16), o número de casos no município era 372. Diferença, a menor, de 53 infectados.

Por meio do Twitter, apontamos a diferença, a menor. Neste domingo (17), Vilas-Boas respondeu. Os 52 casos a menos foram retirados por inconsistência:

– O novo sistema de notificações do ministério não vinha permitindo os municípios enxergarem seus casos. Conseguimos desbloquear e alguns casos estão sendo expurgados por inconsistências – respondeu Vilas-Boas ao PIMENTA.

A Sesab havia computado para Ilhéus pacientes positivos que não residem no município. Outra inconsistência foi o registro de pacientes negativos como positivos, segundo explicação do secretário de Saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, que, ontem (16), estrilou diante dos 425 casos atribuídos ao município baiano.

JEQUIÉ: MÉDICO MORRE VÍTIMA DA COVID-19; “SACRIFÍCIO NÃO SERÁ ESQUECIDO”, DIZ SECRETÁRIO

Ramon Barbosa está entre os profissionais vítimas do novo coronavírus
Tempo de leitura: < 1 minuto

Um dos médicos da linha de frente do atendimento a vítimas do novo coronavírus em Jequié, no sudoeste da Bahia, faleceu neste domingo (10) do Dia das Mães. Ramon Barbosa atuava na emergência para Covid-19 do Hospital Geral Prado Valadares.

Ramon tinha 43 anos de idade e também era professor. Por meio das redes sociais, o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, disse que recebeu a notícia de falecimento do colega com grande pesar. “Seu sacrifício não será esquecido”, postou o titular da Sesab.

Localizado na região sudoeste da Bahia, Jequié apresentava até o final da tarde deste domingo (10) um total de 87 casos confirmados de Covid-19 e dois óbitos. Com o falecimento do médico, o município atinge 3 óbitos. Na Bahia, Ramon é o segundo médico a falecer por covid-19. Outro colega, Gilmar Calazans, que trabalhava no Hospital Costa do Cacau, em Ilhéus, faleceu em abril.

VILAS-BOAS, PREFEITOS E REITORA DA UFSB NO “BOM DIA BAHIA”

Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, os prefeitos Mário Alexandre (Ilhéus) e Marcone Amaral (Itajuípe) e a reitora da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Joana Guimarães, participarão, neste sábado (2), do programa Bom Dia Bahia, da Rádio Difusora de Itabuna AM-640. Eles discutirão os efeitos da pandemia do coronavírus no sul da Bahia e as estratégias governamentais para enfrentar este desafio.

O Bom Dia Bahia vai ouvir quais são as medidas até agora adotadas pelos Governos Federal e do Estado e pelas Prefeituras contra o coronavírus, um mês após o anúncio da pandemia no sul da Bahia. “Há uma grande preocupação quanto a um aumento no número de casos na região, por isso decidimos saber dessas autoridades quais as ações efetivas para a superação da atual crise”, disse Andirlei Nascimento, que apresenta o Bom Dia Bahia junto com Ederivaldo Benedito (Bené).

As entrevistas ocorrerão em ambiente online, via plataforma Zoom. O programa terá, ainda, a participação do médico cardiologista itabunense Jairo Xavier e do secretário-executivo da Associação dos Municípios do Sul, Extremo-sul e Sudoeste da Bahia (Amurc), Luciano Veiga. Os ouvintes poderão interagir por meio do WhatsApp 73 98889-1909.

ILHÉUS: SECRETÁRIO DIZ QUE CENTRAL DE ABASTECIMENTO DO MALHADO SERÁ INTERDITADA

Central do Malhado será reaberta nesta domingo
Tempo de leitura: < 1 minuto

Durante visita ao Centro de Triagem para Covid-19 em Ilhéus nesta manhã de sexta (1º), o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, afirmou que a Central de Abastecimento do Malhado será interditada a partir deste final de semana. A ação está entre as medidas a serem tomadas para frear o crescimento do número de casos do novo coronavírus (Covid-19) em Ilhéus.

A central ficará interditada até que seja reformulada a distribuição das barracas, segundo afirmou à TV Santa Cruz. A reformulação será feita pela Prefeitura de Ilhéus. De acordo com ele, a interdição valerá para toda a área da central. Além de barracas, a Central do Malhado possui dezenas de boxes para comercialização de produtos.

EM ILHÉUS, 202 CASOS

Ontem (30), a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) confirmou, por meio de teste, 202 pacientes infectados pela covid-19 em Ilhéus. O município de pouco mais de 160 mil habitantes tem a maior taxa de incidência da doença por grupo de milhão de habitantes, conforme a Sesab.

HOSPITAL COSTA DO CACAU TERÁ 41 LEITOS DE UTI PARA ATENDER VÍTIMAS DE COVID-19

Tempo de leitura: < 1 minuto

O governo baiano ampliará de 30 para 41 o número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Costa do Cacau, em Ilhéus, segundo anúncio feito pelo secretário Estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas. “A região Sul da Bahia vive uma situação muito preocupante, com um taxa de contágio muito maior que no resto da Bahia”, disse ele em entrevista.

Além do Hospital da Costa do Cacau, a estrutura de atendimento da região conta com 10 leitos de UTI no Hospital de Ilhéus, da rede privada. Em Itabuna, a Santa Casa de Misericórdia oferece dez leitos adultos no Hospital Calixto Midlej, três leitos infantis de UTI no Hospital Manuel Novaes; além de 40 leitos clínicos.

Ilhéus aguarda ainda o credenciamento de mais 13 leitos no Hospital São José e outros 30 na montagem de um hospital de campanha. Já Itabuna, terá a habilitação do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, que poderá ofertar até 21 leitos de UTI e 38 clínicos.

TESTAGEM EM MASSA: AINDA NÃO É A HORA

Tempo de leitura: 2 minutos

Diante desse cenário, as medidas de achatamento da curva de crescimento deverão continuar focadas nos pilares fundamentais: higiene das mãos, distanciamento social e principalmente, o uso de máscaras.

Fábio Vilas-Boas

A rapidez da transmissão da Covid-19, combinada com a (suposta) baixa taxa de imunidade adquirida, significa que a maioria das pessoas tem um risco considerável de contrair ou espalhar o vírus, de modo que a testagem em massa teria um objetivo legítimo de saúde pública. Mais importante, vincular os testes ao afrouxamento das restrições a tornaria um componente integrante de uma estratégia para restaurar as liberdades civis.

Considere, por exemplo, uma política na qual as pessoas que procuram retornar ao trabalho, escola ou atividades sociais sejam submetidas a testes para detecção de infecção (RT-PCR) e anticorpos. Testes positivos para infecção desencadeariam o auto-isolamento. Testes negativos atestariam a liberdade de movimento por um período definido – digamos, 2 ou 3 semanas – após o qual testes negativos adicionais renovariam a certificação. Se os anticorpos gerados pela Covid-19 forem capazes de gerar proteção a longo prazo contra a reinfecção e a transmissão – o que é plausível, mas ainda não estabelecido – um teste sorológico IgG positivo justificaria a certificação a longo prazo.

No entanto, as limitações nesta abordagem são claras. Seriam necessárias grandes quantidades de testes e equipamentos de proteção individual, nenhum dos quais existe atualmente. Adquirir e transmitir infecções dentro de locais de testagem ainda seria um risco; as pessoas também podem ter resultados negativos no estágio inicial da infecção o que obrigaria a retestagens periódicas.

Uma política de extensão de privilégios para pessoas com imunidade adquirida (liberar para o trabalho quem testou IgG positivo), paradoxalmente pode representar incentivo para que os profissionais mais jovens ou em maior vulnerabilidade econômica se deixem infectar deliberadamente.

Ressalta-se ainda, que a maioria dos testes rápidos disponíveis é baseada na detecção de anticorpos. Como as pessoas que se infectam pelo novo coronavírus só desenvolvem anticorpos em média após 7 dias de início dos sintomas, esse tipo de teste não é o ideal para investigar pessoas na fase inicial da doença, quando os sintomas se apresentam.

Diante desse cenário, as medidas de achatamento da curva de crescimento deverão continuar focadas nos pilares fundamentais: higiene das mãos, distanciamento social e principalmente, o uso de máscaras. Estudos revelam que a máscara caseira reduziu em até 78% a eliminação de microrganismos no ambiente, além de limitar o contato das mãos com boca e nariz, através de uma barreira física.

Essas e outras imperfeições nas abordagens centradas nos testes em massa fazem com que, no presente momento, um programa abrangente de testagem, certificação e retestagem esteja além dos limites da capacidade do nosso sistema de saúde.

Fábio Vilas-Boas é secretário de Saúde da Bahia e Doutor em Ciências. Artigo publicado originalmente no Correio24h.

LACEN-BA AMPLIA DE 400 PARA 1.000 A CAPACIDADE DE TESTES DIÁRIOS DE COVID-19

Nova ala aumenta em 150% a capacidade de realização de exames no Lacen
Tempo de leitura: < 1 minuto

Com a inauguração de nova ala do Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA), o estado ampliará de 400 para mil a capacidade de exames diários. A nova ala foi entregue hoje (24) pelo secretário estadual da Saúd, Fábio Vilas-Boas. O estado informa ter investido R$ 2 milhões em obras e equipamentos para ampliar o Lacen, que se torna o maior do país em capacidade de realização de exames da Covid-19.

O Laboratório fica na Rua Waldemar Falcão, 123, no Horto Florestal, em Salvador. Ainda de acordo com Vilas-Boas, a construção do prédio, a ampliação do laboratório de biologia molecular, a aquisição de novos equipamentos e a contratação de insumos alçou o Lacen da Bahia à condição de principal laboratório público estadual do Brasil na capacidade de realizar exames para coronavírus”.

De acordo com a diretora-geral do Lacen, Arabela Leal, a unidade tem recebido uma média de 400 exames diariamente, e, com a ampliação, a expectativa é atender até mil pacientes por dia. “Essa nova ala comporta não apenas o setor de biologia molecular, que faz todos os exames de coronavírus, HIV, hepatites e outras doenças, mas, também na parte superior, está montado um laboratório de vigilância sanitária, que faz análises químicas de água, de alimentos, produtos de limpeza, entre outros produtos”.

ESTADO AGUARDA CREDENCIAMENTO DE 122 LEITOS PARA COVID-19 EM ILHÉUS E ITABUNA, SEGUNDO SECRETÁRIO

Hospital de Base poderá ter até 15 leitos de UTI para Covid-19
Tempo de leitura: 2 minutos

A estrutura de leitos para vítimas do novo coronavírus (Covid-19) em Itabuna deverá contar com mais 122 leitos, segundo o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas. De acordo com ele, são aguardados credenciamento de 13 leitos no Hospital São José e 30 no hospital de campanha e outros 20 a serem montados no Centro de Convenções em Ilhéus. Já em Itabuna, é aguardado o credenciamento pelo Ministério da Saúde de 21 leitos de UTI e 38 clínicos no Hospital de Base de Itabuna.

Vilas-Boas observa que o número de casos de coronavírus tem crescido na região de Ilhéus e Itabuna. “Quem apresentar sintomas como febre, garganta inflamada, coriza, falta de ar, deve procurar imediatamente as unidades que são a porta de entrada para o Sistema de Saúde. Em Itabuna, é a UPA do Monte Cristo e em Ilhéus é o Centro de Convenções”, orienta o secretário.

O titular da Sesab ressalta os cuidados básicos para se evitar a Covid-19. “Fique em casa, só saia em caso de necessidade e usando máscaras, e mantenha a distância de um metro e meio das outras pessoas. Lave bem as mãos e passe álcool em gel”.

REDE DE ATENDIMENTO

A estrutura de atendimento nas duas cidades, já conta com leitos de UTI no Hospital Regional Costa do Cacau e no Hospital de Ilhéus, em Ilhéus, e no Calixto Midlej Filho e no Manoel Novaes em Itabuna. Após o início de registro de casos, o Costa do Cacau informou ter estabelecido nas últimas semanas planejamento para o acolhimento do paciente com suspeita da doença atendendo um fluxograma elaborado para recepção e cuidados, além da precaução da não transmissibilidade do vírus em ambiente hospitalar.

Agora, a pessoa que chega ao hospital, apresentando febre e com sintomas respiratórios, recebe uma máscara cirúrgica e é colocado em isolamento, com o objetivo de evitar ou minimizar os riscos de transmissão da Covid-19. A ação passou a contar também com treinamento de funcionários, segundo a direção do hospital, higienização e uso adequado de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para diminuir o risco de contágio pela Covid-19.

Leia Mais

VILAS-BOAS, DA SESAB, FAZ NOVO ALERTA PARA SURTO DE COVID-19 EM ILHÉUS E REGIÃO

Vilas-Boas diz que houve subida assustadora de casos de covid-19 na região
Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, fez um segundo alerta para o surto do novo coronavírus (covid-19) na região sul da Bahia. O alerta em vídeo chama a atenção para um aumento acelerado de casos no sul da Bahia, principalmente no trecho entre Ipiaú, com 12 casos, e Ilhéus, que registrava 29 até o final da tarde de ontem (11).

O apelo do secretário é para que a população fique em casa e, caso saia, use máscara. Vilas-Boas também pede que os comerciantes forneçam máscaras aos funcionários e, também, aos clienes que chegarem aos estabelecimentos comerciais.

– Os números de Ilhéus subiram assustadoramente. Fique em casa, não vá à praia. Lave as mãos. Vamos combater o coronavírus! – disse ele, há pouco, por meio do Twitter, horas antes da divulgação do novo boletim epidemiológico da Sesab.

Confira o vídeo com o alerta feito pelo secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas.

PREFEITO RECUSA UTI EM HOSPITAL DE ITAMARAJU E ALEGA QUE FICARIA SEM OUTROS SERVIÇOS

Prefeito recusa leitos para Covid em hospital municipal de Itamaraju
Tempo de leitura: 4 minutos

A Secretaria de Saúde da Bahia acusa o prefeito de Itamaraju, no extremo-sul do estado, Marcelo Angênica, de rejeitar a instalação de leitos para tratamento de pacientes com sintomas  do coronavírus (Covid-19), doença que já matou milhares de pessoas no mundo inteiro e que está se espalhando no Brasil e na Bahia. O prefeito teria seguido o posicionamento de um grupo de moradores contrário a implantação dos leitos.

O Estado informou que a implantação de 20 leitos de UTI para a Covid-19 no Hospital Geral de Itamaraju havia sido combinada entre o prefeito, o governador Rui Costa e o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas em reunião por telefone, na última quinta-feira (9). Quando os técnicos da Sesab chegaram ao local, para vistoriar a unidade, o prefeito recuou e impediu que os leitos de UTI fossem montados. O hospital é uma das maiores unidades do extremo-sul e está, em parte, ociosa, segundo a Sesab.

O secretário Fábio Vilas-Boas destaca o risco de morte,  a que a população está exposta, caso não seja montada uma estrutura de atendimento na região. “Os pacientes acabam evoluindo dentro de 24 horas para necessidade de entubação, ventilação mecânica, sendo necessários equipamentos altamente qualificados como respiradores artificiais. Eu espero, com essa decisão que o prefeito tomou, de deixar a população exposta, sem acesso à UTI, sem acesso à ventilação mecânica, que não precise se arrepender, caso pessoas venham a morrer no seu município nos próximos dias”.

EQUIPE ENVIADA

Vilas-Boas explica que a implantação dos leitos havia sido acordada com o prefeito. “Na última quinta-feira (9), eu participei de uma reunião telefônica com o governador Rui Costa e com o prefeito de Itamarajú, Marcelo. Nessa reunião ficou combinado que o Hospital Geral de Itamaraju seria transformado em uma unidade dedicada ao atendimento de pacientes portadores de coronavírus na região. O prefeito ofereceu a unidade para que nós colocássemos lá 20 leitos de terapia intensiva, que funcionasse também como porta de entrada de leitos de enfermaria de retaguarda”.

Segundo o secretário, na sexta-feira (10), foi enviado um avião com técnicos da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), para avaliar o que seria necessário para implantar imediatamente os leitos de UTI. “Surpreendentemente,  fomos acolhidos por um grupo de manifestantes contrários a essa instalação e, posteriormente, pela manifestação pública do prefeito, se dizendo contrário àquilo tudo que havia sido combinado e acordado entre ele e o governador.

“Eu lamento que o prefeito tenha voltado atrás na sua decisão Nós esperaríamos que ele tivesse contactado o Governo do Estado e manifestado o seu desinteresse, ao invés de tornar públicas inverdades que não ocorreram diante da relação respeitosa que o Governo do Estado possui com o município de Itamaraju”.

Vilas-Boas garantiu que a população do extremo-sul não vai ficar desassistida, apesar da negativa do prefeito, Marcelo Angênica. “A população do extremo-sul da Bahia, da região de Teixeira de Freitas, Itamaraju, Prado, pode confiar que o Governo do Estado vai procurar a melhor solução para amparar a assistência à saúde da população. O Grupo Suzano procurou o Governo do Estado e colocou à disposição 30 equipamentos de ventilação mecânica e nós vamos estruturar a melhor operação que garanta a saúde da população, mesmo com a negativa do prefeito de Itamaraju em disponibilizar o seu hospital para a comunidade e para a saúde de toda a Bahia”.

Dr. Marcelo explica recusa e ataca governo estadual

VERSÃO DO PREFEITO

O prefeito alegou que, para implantação dos leitos de UTI, seria interrompido outros tipos de atendimento. “Na proposta do governador seria necessário fechar o nosso hospital, que é o único na cidade. Fazemos em torno de 100 partos por mês, serviço de urgência e emergência em cirurgia geral, obstetrícia, ortopedia e urologia e outros” afirmou ao Correio 24h.

“Argumentei que não tinha como fechar o hospital, mas que precisamos da ajuda do governador para dar segurança ao nosso povo”, disse. Angênica pontuou ainda que pediu para conversar novamente com o governador. “Queria explicar  poderíamos conduzir o caso em nossa região, mas foi ele que se precipitou em fazer o anúncio. Eu sabia que a maioria da população era contra a vinda dos leitos nestas condições”, alegou.

Eem sua rede social, o prefeito se queixou do governador e explicou aos moradores os motivos da rejeição.  “Estou me dirigindo a vocês como gestor, e desta forma devo agir, não posso agir no calor da emoção, nem utilizar expressões desrespeitosa com o governador, mas posso lhes garantir que sou contra a posição dele, tenho 3 anos de gestão e nunca o governo nos atendeu em nada, nem mesmo em um simples reconhecimento de nosso serviço de ortopedia. Mas sei que por força da lei, devido ao estado de calamidade, ele pode impor isso em nossa cidade. Por isso, devo agir com cautela, equilíbrio e sem histeria para não criar um fato contra nossa cidade”, escreveu.

Pelo menos, nas redes sociais, a decisão do prefeito de Itamaraju conta com apoio da maioria dos internautas, principalmente empresários locais. Muitos acreditam que, com a instalação dos leitos, pacientes doentes em outros municípios seriam levados para lá e, em pouco tempo, a Covid-19 se disseminaria.

Back To Top