skip to Main Content
29 de maio de 2020 | 05:13 pm

ATAQUE DE FACÇÃO CRIMINOSA MATA UM E DEIXA DUAS PESSOAS FERIDAS EM ITABUNA

Mulher Foi Uma Das Vítimas Dos Disparos De Criminosos Mulher foi atingida em ataque de facção criminosa em Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas durante um ataque de integrantes de uma facção criminosa. A emboscada ocorreu por volta das 17h, na ponte Governador Cesar Borges, que dá acesso a bairros como São Caetano, Banco Raso e Jardim Vitória. Os três passageiros embarcaram no táxi nas imediações do Cemitério Campo Santo, no bairro Pontalzinho, e tinham como destinos os bairros São Caetano e Vila Anália. Eles foram atacados quase no final da ponte, sentido São Caetano.

Além do taxista, os disparos atingiram Normandia Simplícia dos Santos, de 40 anos, que conseguiu pular do veículo e se jogar na pista de ciclista, e Cleiton Manuel Novaes da Silva, que morreu no local. O taxista foi atingido de raspão no pescoço. O motorista e Normandia Simplícia foram  levados para o Hospital de Base, e passam bem.

Disparos atingiram táxi e três dos seus ocupantes

Um terceiro passageiro do veículo, amigo de Normandia Simplícia, conseguiu sair ileso. A polícia ainda não tem o nome dele. Normandia Simplícia e, pelo menos, outras sete pessoas solicitaram dois táxis. O que ela estava foi atacado.

De acordo com a Polícia Militar, os passageiros do táxi retornavam do sepultamento de dois suspeitos que morreram em confronto com PMs na noite de quarta-feira (5), no bairro São Caetano. Os homens mortos ontem estavam em um veículo, que saiu em alta velocidade da localidade conhecida como Gogó da Ema. Os policiais iniciaram uma perseguição e houve troca de tiros já na Avenida Manoel Chaves (Kennedy). Os suspeitos foram baleados e morreram.

ATAQUE DE FACÇÃO CRIMINOSA MATA UM E DEIXA DUAS PESSOAS FERIDAS EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Mulher foi baleada na ponte do São Caetano

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas durante um ataque de integrantes de uma facção criminosa. A emboscada ocorreu por volta das 17h, na ponte Governador Cesar Borges, que dá acesso a bairros como São Caetano, Banco Raso e Jardim Vitória. Os três passageiros embarcaram no táxi nas imediações do Cemitério Campo Santo, no bairro Pontalzinho, e tinham como destinos os bairros São Caetano e Vila Anália. Eles foram atacados quase no final da ponte, sentido São Caetano.

Além do taxista, os disparos atingiram Normandia Simplícia dos Santos, de 40 anos, que conseguiu pular do veículo e se jogar na pista de ciclista, e Cleiton Manuel Novaes da Silva, que morreu no local. O taxista foi atingido de raspão no pescoço. O motorista e Normandia Simplícia foram  levados para o Hospital de Base, e passam bem.

Veículo foi atingido várias vezes

Um terceiro passageiro do veículo, amigo de Normandia Simplícia, conseguiu sair ileso. A polícia ainda não tem o nome dele. Normandia Simplícia e, pelo menos, outras sete pessoas solicitaram dois táxis. O que ela estava foi atacado.

De acordo com a Polícia Militar, os passageiros do táxi retornavam do sepultamento de dois suspeitos que morreram em confronto com PMs na noite de quarta-feira (5), no bairro São Caetano. Os homens mortos ontem estavam em um veículo, que saiu em alta velocidade da localidade conhecida como Gogó da Ema. Os policiais iniciaram uma perseguição e houve troca de tiros já na Avenida Manoel Chaves (Kennedy). Os suspeitos foram baleados e morreram.

ITABUNA: LÍDER DE FACÇÃO E ACUSADO DA MORTE DE COMERCIANTE É PRESO EM MINAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Sandro Papel foi preso com documentos falsos e drogas em Minas Gerais

Uma operação que envolveu policiais civis da Bahia e de Minas Gerais levou à prisão de Sandro Ronaldo Borges da Silva, o Sandro Papel, de 40 anos. Apontado como um dos líderes da facção criminosa Raio A, Sandro Papel é acusado de mandar matar o comerciante Romualdo dos Santos Sobral, o Peu, no São Roque, em Itabuna. em setembro deste ano (relembre aqui).

Sandro Papel foi preso, nesta quarta-feira (16), em Belo Horizonte (MG), por agentes da Civil de Minas, com grande quantidade de drogas e documento falso, segundo a polícia.

Ele estava foragido da Justiça baiana há cerca de seis anos e é responsável, de acordo com a autoridade policial, por vários crimes em Itabuna e no sul da Bahia, dentre eles, tráfico e homicídios.

Os agentes da Polícia Civil em Itabuna descobriram a localização de Sandro Papel há mais de uma semana. A partir daí, começaram a planejar a prisão com o apoio da equipe de Operações Especiais da Civil mineira.

QUATRO MANDADOS DE PRISÃO

Somente em Itabuna, Sandro Papel possui em aberto quatro mandados de prisão por homicídio, além de responder por tráfico e associação para o tráfico de drogas, conforme a Polícia Civil.

Ele morava no Bairro Novo das Indústrias em Belo Horizonte, com esposa e filhos, de acordo com a investigação. Durante depoimento em Minas, conforme a Polícia Civil, ele negou participação em atividades criminosas, mas reconheceu que tinha problemas com a Justiça baiana.

STF NEGA HABEAS CORPUS PARA “DONA MARIA” E MANTÉM CONDENAÇÃO DA JUSTIÇA BAIANA

Tempo de leitura: 2 minutos

“Dona Maria” é acusada de tráfico internacional| Foto Alberto Maraux

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou habeas corpus na qual a defesa de Jasiane Silva Teixeira, mais conhecida como Dona Maria, condenada a quatro anos e nove meses de prisão no regime inicial semiaberto por associação para o tráfico de drogas, pedia a redução da pena ou o cumprimento em regime domiciliar. Ela é apontada pela polícia como a maior traficante de entorpecentes da Bahia.

Jasiane foi condenada pelo juízo da 2ª Vara Criminal de Vitória da Conquista a cinco anos de reclusão. O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) redimensionou a pena para quatro anos e nove meses, ao levar em conta o cálculo das circunstâncias judiciais desfavoráveis. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do TJ-BA.

No habeas corpus impetrado no STF, a defesa alegou a desproporcionalidade da pena-base imposta, pois só foram consideradas desfavoravelmente duas das oito circunstâncias judiciais e não foi achada nenhuma droga com Jasiane. Argumenta ainda que não foi aplicado o parágrafo 4º do artigo 33 da Lei de Drogas (Lei 11.343/2006), que admite a redução da pena se o condenado for primário, tiver bons antecedentes, não se dedicar às atividades criminosas nem integrar organização criminosa.

MENTORA INTELECTUAL

O ministro Marco Aurélio observou que, na fixação da pena, as instâncias anteriores consideraram que Jasiane participava de estrutura criminosa organizada e era mentora intelectual das atividades do grupo, que atuava em vários bairros de Vitória da Conquista. Assim, não verificou nenhuma ilegalidade na dosimetria.

Em relação ao pedido de prisão domiciliar, o relator explicou que a condenada não preenche os requisitos previstos no artigo 117 da Lei de Execução Penal (LEP), segundo o qual o sentenciado em regime aberto poderá se recolher em residência quando tiver mais de 70 anos, estiver acometido de doença grave, tiver filho menor ou deficiente físico ou mental ou for gestante. No caso, a condenação de Jasiane prevê o regime semiaberto. “O quadro não se amolda à previsão legal”, concluiu o ministro.

PRISÃO

Considerada pela Secretaria da Segurança Pública como a maior traficante de drogas da Bahia, a Dama de Copas do Baralho do Crime da SSP-BA foi presa, no dia 25 de setembro, na cidade de Mogi das Cruzes, em São Paulo. “Dona Maria” foi detida por equipes da Polícia Civil e da Superintendência de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública.

De acordo com a Polícia Civil, além da distribuição de drogas, “Dona Maria” tem envolvimento com homicídios, corrupção de menores, roubos, falsificações, tráfico de armas, entre outros crimes. Natural de Vitória da Conquista, ela comandava uma facção atuante na região sudoeste da Bahia, com ramificações nos estados de Minas Gerais e São Paulo, conforme a polícia.

ACUSADOS POR SÉRIE DE HOMICÍDIOS EM ITABUNA SÃO PRESOS; UM SUSPEITO FOI MORTO

Tempo de leitura: 2 minutos

Polícia prende acusados por série de homicídios em Itabuna|| Foto divulgação

Megaoperação integrada prendeu, na quarta-feira (6), oito pessoas acusadas de fazer parte de duas facções criminosas apontadas como responsáveis por uma série de assassinatos em Itabuna. Um dos suspeitos foi baleado no confronto com policiais e não resistiu aos ferimentos. Ele foi identificado como Wesley Melo de Jesus, o “Lélis”, com quem foi encontrada uma arma calibre 38.
O alvo principal da megaoperação foi Edson Januário da Silva, o ‘Didiu’, acusado de ser líder de uma facção criminosa envolvida com tráfico, homicídios e roubos, que cumpre pena no Conjunto Penal de Itabuna. Além da prisão, ele será remanejado para o presídio de segurança máxima, localizado na cidade de Serrinha. Wenerson Reis da Silva, o ‘Calango’, e Wagner Nascimento Cordeiro, o ‘Guito’, foram os outros detentos com mandados cumpridos.
Fora do sistema prisional, Simone Januário dos Santos, irmã de Didiu, Taciana Santos Paixão, Silvanei José dos Santos, Marcos Venicius Santos Nery, gerente da quadrilha, e Davi Rosa do Carmo acabaram presos.
No Conjunto Penal de Itabuna, os policiais e agentes penitenciários encontraram facas, celulares, carregadores e porções de maconha. Com o quinteto do lado de fora, dois revólveres calibre 38 foram achados.
“As equipes da 6ª Coordenadoria Regional da Polícia Civil (COORPIN), da PM e do sistema prisional estão de parabéns. Excelente resultado que demonstra a força do trabalho integrado e de inteligência. Com certeza novos desdobramentos serão realizados”, enfatizou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.

DELEGADO DIZ QUE HÁ NOVA FACÇÃO CRIMINOSA EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos
Líderes do tráfico em Itabuna foram transferidos há um ano (Foto Jorge Cordeiro).

Líderes do tráfico em Itabuna foram transferidos há um ano (Foto Jorge Cordeiro).

Macedo: facção quer aniquilar família de rivais (Foto Diário Bahia).

Macedo: facção quer aniquilar família de rivais (Foto Diário Bahia).

A briga pelo comando do tráfico de drogas fez surgir uma nova facção criminosa em Itabuna, segundo afirma o delegado Marlos Macêdo em entrevista ao Diário Bahia. A facção DMP reúne bandidos dos bairros Daniel Gomes, Maria Pinheiro e Pedro Jerônimo e seria a responsável por boa parte das mais de cinquenta mortes ocorridas em Itabuna só em 2014.
Titular da Delegacia de Homicídios, Macêdo afirma que a DMP foi criada por ex-integrantes das facções Raios A e B. As mortes são uma tentativa de aniquilar adversários, segundo a autoridade policial.
A facção tomou corpo após a mega-operação que transferiu os chefes do tráfico em Itabuna para o presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. O objetivo dos criminosos, por enquanto, é aniquilar os rivais.
A disputa pelo comando do tráfico no município – ou, pelo menos, na região do DMP – levou o grupo a metralhar a residência de um dos antigos chefes do crime no município, Sidmar Soares Santos, o Bolota.
Segundo o delegado, a disputa tem como alvo, também, os familiares dos bandidos presos. O ataque, conforme Macêdo, teria sido ordenado pelo chefe do DMP, Thiago Penteado, que tem contra si um mandado de prisão.
Macêdo voltou a repetir que tem a sensação de que a polícia enxuga gelo ao tentar combater o tráfico de drogas. E explica:
– Quanto mais prendemos, citando a PM e a Civil, a gente observa que sempre há alguns adolescentes assumindo os postos de comando do tráfico de drogas. Estamos sempre prendendo as mesmas pessoas.
Clique e confira a reportagem de Simone Nascimento no Diário Bahia.

Back To Top