skip to Main Content
28 de setembro de 2020 | 03:51 pm

FILME QUE RESGATA OBRA DE POETA ITABUNENSE FOI IGNORADO PELA FICC

Filme resgata obra de um dos maiores nomes da poesia grapiúna
Tempo de leitura: < 1 minuto

O poema Deram um Fuzil ao Menino, do poeta itabunense Firmino Rocha, foi escrito no período da II Grande Guerra, mas o drama exposto em seus versos permanece atual. Evoca uma reflexão humanista a respeito da dilaceração da infância pelos horrores presentes na contemporaneidade.

O projeto “Deram um Fuzil ao Menino: imaginário e violência”, contemplado pelo Edital Setorial de Audiovisual 2016, da Secretaria de Cultura da Bahia (Secult-BA), é o primeiro de sua categoria aprovado para o Território de Cultura do Litoral Sul. Ele tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

O filme parte da experiência lírica do poeta itabunense Firmino Rocha e aborda aspectos históricos da cultura cacaueira. Ainda não se encontra disponível na internet por estar inscrito em festivais que se encontram suspensos devido à pandemia.

SEM APOIO EM ITABUNA

Produzido por Sebáh Villas-Boas, o filme não obteve apoio do município para um projeto de exibição pública no Teatro Candinha Dórea. O projeto foi apresentado bem antes do período da pandemia e quando o professor Daniel Leão estava à frente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc).

A exibição seria gratuita, com doação de 1 quilo de alimento não perecível. Não houve resposta da Ficc. Outra proposta, então, foi a utilização do Teatro Zélia Lessa, no centro de Itabuna. E o município negou-lhe o apoio, apesar da identidade grapiúna no projeto e o baixíssimo custo para o município. Da Redação com Ilhéus Comércio.

Enquanto a obra não vem a público, você pode entrar no clima ouvindo a sua trilha sonora.

O CORONAVÍRUS E AS ARTES

Tempo de leitura: 3 minutos

Aproveite para resenhar. Vamos lá! Precisamos mudar nossos hábitos. Abuse dos telefonemas. Abuse das lives. Mas, por favor, lembre-se de limpar o celular. Vale ouvir uma música também! Vale desenhar. Vale criar! Vale todo esse esforço coletivo! Vale viver solidariamente, mesmo que eu não possa te dar um abraço neste momento.

Efson Lima || efsonlima@gmail.com

Senhores e senhoras, somos uma geração que pouco conheceu o sofrimento coletivo. Poucas vezes paramos diante da televisão para acompanhar os acontecimentos. Lembro-me do 11 de setembro de 2001 nos EUA, que minha geração ficou vidrada diante da TV. Naquele dia e nos outros que sucederam, tivemos nossas rotinas alteradas, mas nada igual a este momento. Nada!

Somos pequenos diante da realidade que ousa a nos impor. A palavra de ordem é: ficar em casa, preferencialmente, a 2 metros de cada pessoa. Para nós baianos, que adoramos os apertos de mãos, os beijos – não basta um, tem que ser dois, tem sido difícil. O tocar respeitosamente é marca de nossa identidade. Tão identificador que surge logo a pergunta: você é baiano? É muito pegar. É muito se aproximar.

Agora, nossos medos, nossos pessimismos ou nossa histeria, caso se aproxime do (não) presidente Bolsonaro são vivenciadas na TV, pelas redes sociais, pelos computadores. Tudo tem sido instantâneo. A pessoa morre e a família sabe pela TV.

Quem diria! está tudo paralisado! O futebol, o vôlei, Formula 1. Tudo segue parado! Vozes do mundo todo surgem para solicitar a mudança de data das Olimpíadas de Tóquio, cujo evento só três vezes foi cancelado, justamente, quando das duas grandes guerras. A Covid-19 paralisou os esportes. Certamente, vão surgir os campeonatos virtuais. O contato físico e a aproximação nem pensar nesse momento trágico. Tem sido um ano que parece ter ensinado a sermos pequenos.

E as artes? Os espetáculos foram suspensos. Ensaios reprogramados. Ontem, perguntei a minha amiga se o bar dela já havia sido fechado. Ela respondeu que sim e que nem pode fazer a festa de despedida. Estamos a viver dias com “Caras sem Bocas”, fiz um trocadilho com o nome do bar que era” Caras e Bocas”, pois, as cortinas se fecharam, não havia cenário, o palco estava sem ator e a plateia não foi. Os dias soluçam, cujo soluço parece sem fim.

Não é possível, temos que construir outro fim, pois, a criatividade humana, tão buscada e tão cara aos tempos atuais, surge com força. Inovamos nos processos, fazemos adaptações, novos modelos e modelagens, consolidamos a palavra mágica: design thinking. Assim surgem diversas práticas que estimulam as nossas presenças em casas.

Por vezes, questiono-me até onde vai o nosso limite ético, por exemplo, as livrarias aproveitam o momento para vender mais livros, induzem-nos a comprar. Aperfeiçoaram rapidamente o serviço de entrega nas casas. Na alimentação, os aplicativos não param de nos seduzir com promoções. Você não vai ao restaurante, mas eles vêm até nós.

Lembre-se, mesmo em casa, não podemos nos aglomerar. O sistema capitalista se renova e se reinventa. Vai percorrendo suas mazelas sem piedade. Sem crime, sem castigo. As missas podem ser online. Podemos de casa nos livrar do mal. Outras igrejas insistem em realizar cultos, mesmo diante de uma eventual aglomeração. São estratégias para sobreviverem diante do cenário da dor, do pessimismo e do desalento. Amém?

Em Portugal, os artistas se juntaram e fizeram um festival pela internet. No Brasil, já temos o nosso programado. Diversos artistas se juntaram para fazer uma maratona. A Academia Brasileira de Letras enviou e-mails para os seus contatos informando que vai turbinar o projeto, a ABL em Sua Casa, com entrevistas, contos dramatizados… Assim, poderemos acompanhar o conteúdo de nossos lares.

Então, é tempo de assistirmos a um bom filme. Rever aquele filme que marcou sua adolescência. Que tal fazer a leitura de um livro regional? Tantos são os escritores. Pode fazer a leitura de um clássico também. Aproveite para resenhar. Vamos lá! Precisamos mudar nossos hábitos. Abuse dos telefonemas. Abuse das lives. Mas, por favor, lembre-se de limpar o celular. Vale ouvir uma música também! Vale desenhar. Vale criar! Vale todo esse esforço coletivo! Vale viver solidariamente, mesmo que eu não possa te dar um abraço neste momento.

Efson Lima é doutor em Direito (UFBA), especialista em Gestão em Saúde (Fiocruz), escritor e advogado.

FÁBIO LAGO SERÁ NICK EM “O OUTRO LADO DO PARAÍSO”, DA GLOBO

Tempo de leitura: 2 minutos
Fábio Lago interpretará Nick em "O Outro Lado do Paraíso", nova novela da Globo || Divulgação

Fábio Lago interpretará Nick em O Outro Lado do Paraíso, da Globo || Divulgação

Famoso por interpretar o traficante Baiano (Tropa de Elite), o ator ilheense Fábio Lago vai dar vida a um dono de salão de beleza em O Outro Lado do Paraíso, nova novela das 21h, da Globo. Escrita por Walcyr Carrasco, a trama estreia no próximo dia 23. No entanto, o preparo de Fábio Lago para o personagem já dura meses. Em entrevista ao jornal Extra, o ator contou que gosta de passar por mudanças extremas e de poder transitar entre o drama e o humor.

Na televisão e no cinema, ele tem uma extensa lista de personagens, todos eles muito diferentes entre si. “Por um personagem, faço o que for. Até tirar um dente, se valer a pena”, afirma Lago, que na época de Caras & Bocas (2009) divertiu o público com várias caracterizações, de cupido à baiana do acarajé, para que seu Fabiano seguisse a mulher sem ser descoberto.

Na pele de Nicácio – ou Nick, como prefere ser chamado – ele terá sobrancelhas delineadas, megahair de mechas louras, brincos nas duas orelhas, brilho labial, unhas esmaltadas e uma boa dose de feminilidade.

“Antes de a novela ir ao ar, resolvi levar o jeitinho do personagem às ruas. Saio de brincos e unhas pintadas, solto o cabelão… As pessoas me olham torto, confusas”, comenta. E arremata: “Estou adorando este estado gay”.

Fábio lembra que na pele do personagem a empatia do público tem sido muito grande. “A delicadeza é um chamariz num mundo tão machista”, defende. Extra/Correio24h

FILME GRAVADO EM ITAJUÍPE RECEBE MAIS UM PRÊMIO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Vladmir Brichta, um dos atores de  "A Coleção Invisível" (foto Andrew Kemp)

Vladmir Brichta, um dos atores de “A Coleção Invisível” (foto Andrew Kemp)

A Santa Luzia Filmes foi contemplada pelo edital Prodav 7 de suporte automático pelo desempenho artístico da produção A Coleção Invisível. O filme, estrelado por Vladimir Brichta e com cenas gravadas em Itajuípe, obteve a quarta maior pontuação na classificação do Fundo Setorial Audiovisual da Agência Nacional de Cinema (Ancine), por conta das premiações recebidas em festivais nacionais e internacionais.

Co-produzido com a Ondina Filmes, A Coleção Invisível venceu 14 prêmios em festivais no Brasil, Estados Unidos, Colômbia e na Europa. “Foi uma longa jornada e muitos esforços foram feitos para que o filme fosse visto por muitas pessoas”, comemora a sócia-diretora da Santa Luzia Filmes, Gel Santana. Para ela, “é bem gratificante ver que um trabalho inteiramente concebido e realizado na Bahia receba esse reconhecimento ao lado de obras importantes como O Som Ao Redor, Uma Historia de Amor e Fúria ou Tatuagem”.

O filme, dirigido pelo cineasta Bernard Attal, tem como cenário a região cacaueira baiana e reúne no elenco, além de Vladimir Brichta, os atores Walmor Chagas (na sua última apresentação artística), Ludmila Rosa, Clarisse Abujamra, Conceição Senna, Paulo Cesar Peréio e Frank Menezes.

MORRE A ATRIZ MARÍLIA PÊRA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Marília Pêra se tratava de desgaste ósseo (Foto Divulgação).

Marília Pêra se tratava de desgaste ósseo (Foto Divulgação).

Do G1

A atriz, cantora e diretora Marília Pêra morreu às 6h deste sábado (5), no Rio, aos 72 anos. A atriz morreu em casa, em Ipanema, na Zona Sul do Rio. Ela se tratou recentemente de um desgaste ósseo na região lombar, que a fez se afastar do trabalho por um ano.

Marília era uma das artistas mais completas do Brasil: além de interpretar, era cantora, bailarina, diretora, produtora e coreógrafa. Trabalhou em mais de 50 peças, quase 30 filmes e cerca de 40 novelas, minisséries e programas de televisão. Um dos últimos trabalhos da atriz foi sua participação na série “Pé na Cova’, da TV Globo.

Marília Soares Pêra nasceu em 22 de janeiro de 1943, no bairro do Rio Comprido, no Rio. Sua primeira entrada em cena aconteceu quando ainda era bebê, fazendo figuração numa peça, informa seu perfil no Memória Globo. Aos quatro anos de idade, ela atuou com os pais no espetáculo “Medeia”. Sua irmã mais nova, Sandra Pêra, também é atriz e cantora.

WAGNER MOURA SE REÚNE COM RUI E OBTÉM APOIO PARA FILME SOBRE MARIGHELLA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Rui assegura apoio a Moura na produção de Marighella (Foto Carla Ornelas).

Rui assegura apoio a Wagner Moura na produção de filme sobre Marighella (Foto Carla Ornelas).

O ator baiano Wagner Moura vai dirigir um filme sobre um dos maiores personagens da luta armada contra a ditadura militar no país, Carlos Marighella. Ontem, Wagner reuniu-se com o governador Rui Costa em busca de apoio para a produção cinematográfica da qual será diretor.

O projeto do filme foi apresentado ao governador. “É uma passagem importante da luta contra a ditadura, que vai ser contada com um personagem baiano e imagens da Bahia. Será sucesso sem dúvida e vamos apoiar”, disse Rui.

Wagner Moura disse que a proposta é fazer um filme de ação atraente para o público e possibilite às pessoas “conhecer a história desse baiano”. Com o apoio garantido, o ator e diretor de cinema falou de expectativas quanto à produção: “É muito bom ter o apoio do governo do Estado e espero que possamos fazer um grande filme”.

CINECLUBE ÉQUIO REIS EXIBE “OS FILHOS DA MATA”

Tempo de leitura: < 1 minuto
Cineclube exibe "Os filhos da mata" nesta quinta.

Cineclube exibe “Os filhos da mata” nesta quinta.

A Tenda Teatro Popular de Ilhéus (localizada na Avenida Soares Lopes) recebe uma sessão especial do Cineclube Équio Reis, nesta quinta-feira (18), às 19h, com a exibição do documentário Konehõpe Upu Ibá – Os Filhos da Mata. O filme foi produzido pelo coletivo “En Cleta Vamos”, composto por jovens argentinos que viajam pela América do Sul de bicicleta, exibindo filmes gratuitamente.

O documentário teve as imagens gravadas entre os meses de fevereiro e março deste ano, quando os integrantes do coletivo moraram, por um mês, na Reserva Pataxó da Jaqueira, localizada a 13 km de Porto Seguro, no sul da Bahia. Trinta famílias da etnia Pataxó vivenciam a sua cultura e preservam 827 hectares de mata atlântica na localidade.
O documentário aborda assuntos como as consequências do massacre de 1951; o processo de homologação e demarcação do território indígena; a criação de uma escola com educação diferenciada; as tradições e costumes dos Pataxós, e o etnoturismo. Além disso, o filme também enfatiza a importância das mulheres na construção da história daquela comunidade.
Após a exibição, os integrantes do coletivo “En Cleta Vamos” vão falar um pouco sobre a produção deste documentário e responder possíveis questionamentos do público. A classificação é livre e a entrada é gratuita.

CINE CLUBE PRESTA HOMENAGEM A MULHER

Tempo de leitura: < 1 minuto

Com a exibição gratuita do filme Jogo de cena, o Sindicato dos Comerciários de Itabuna presta homenagem à mulher nesta quinta (6), a partir das 18h30min, no auditório do sindicato, na Avenida do Cinquentenário.
Jogo de cena, do documentarista Eduardo Coutinho, traz a história de 23 mulheres selecionadas há quase oito anos. Os dramas, as conquistas, tristezas e alegrias destas mulheres foram interpretados por várias atrizes, dentre elas Marília Pêra, Fernanda Torres e Andréa Beltrão. Confira trailer.

HORIZONTE PERDIDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc) vem promovendo sessões de “cinema” gratuitas todas as terças-feiras, a partir das 19 horas.  É o Cine Ficc, que funciona na sede da instituição, na Praça Laura Conceição, 339.

Hoje, por exemplo, será exibido o filme Horizonte Perdido, que não tem nada a ver com a situação de prefeitos sul-baianos, ao contrário do que alguém pode supor.

O filme, na verdade, conta a história de um grupo de sobreviventes que, após um desastre aéreo no Himalaia, descobre um lugar chamado Shangri-la, onde existe a eterna juventude e a felicidade plena.

MUDANÇA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Os responsáveis pela exibição do documentário “Cuíca de Santo Amaro” informam alteração na temporada do filme em Porto Seguro. Segundo a equipe, as sessões no Cine Plaza foram canceladas “por motivo alheio à nossa vontade”.

Está mantida a exibição do longa no dia 12, às 19 horas, no Centro de Cultura.

Back To Top