skip to Main Content
12 de julho de 2020 | 07:05 am

DIA INTERNACIONAL DO GOLEIRO. QUAL O SEU HOMENAGEADO?

Tempo de leitura: 3 minutos

Caso seja bafejado pela sorte, ou quem sabe, a técnica, defendendo sua retaguarda, é aplaudido efusivamente pelos torcedores de sua equipe e xingado pela torcida adversária. Se não foi feliz na sua intervenção, “a casa cai” e imediatamente ganha, no mínimo, a alcunha de frangueiro

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Não sei como surgiu a homenagem aos goleiros, comemorada em todo o mundo no dia 26 de abril. Goleiro é uma das posições que não admitem falha, pois no futebol é o gol quem “manda” e quem marca mais ganha o jogo, o turno, o campeonato. Goleiros bons já tivemos à mancheia, embora os milhões de comentaristas brasileiros sempre disseram que eles não sabiam sair das quatro linhas como os europeus.

Na seleção canarinho sempre foi motivo de amor e ódio. Que o diga o goleiro da Copa de 50, Barbosa, que tomou os dois gols do “Maracanaço”, marcado para sempre e morreu com esse desgosto. Dizem até que o lugar do goleiro – embaixo dos três paus – é tão amaldiçoado que não nasce grama. As diferenças entre o goleiro e os atacantes são abissais e ninguém enfarta caso um atacante perca um gol, mas morre se o goleiro toma.

Marcadas as diferenças, alguns goleiros sabem se impor e conseguem fazer história nos times por que passam – com raríssimas exceções – e na Seleção Brasileira, outros não conseguem essa proeza. Guarda-redes, goalkeeper, arqueiro ou simplesmente goleiro é aquele que consegue fazer voos sensacionais para tirar, com a ponta dos dedos, a bola da direção do gol, se jogar nos pés do atacante, calcular o lado certo da batida da falta ou do pênalti.

Caso seja bafejado pela sorte, ou quem sabe, a técnica, defendendo sua retaguarda, é aplaudido efusivamente pelos torcedores de sua equipe e xingado pela torcida adversária. Se não foi feliz na sua intervenção, “a casa cai” e imediatamente ganha, no mínimo, a alcunha de frangueiro e perde a admiração da torcida e a confiança do treinador e dos cartolas do clube, mesmo sendo o petardo disparado pelo adversário indefensável.

Neste domingo (26), Dia do Goleiro, fiz questão de homenagear o arqueiro Manga, que sabia se colocar em frente da trave como ninguém. No Botafogo foi Campeão Carioca em 1961, 1962, 1967 e 1968, Taça Brasil de 1968, Rio-São Paulo de 1962, 1964, 1966. Já que falei de estatística, pelo Botafogo jogou 442 partidas e sofreu 394 gols. Também jogou 12 partidas pela Seleção Brasileira.

Manga em ação defendendo o Botafogo (RJ)

Pelo Botafogo passaram grandes goleiros, com os quais me identifiquei bastante, mas Manga sempre foi especial pela sua presença e firmeza na pequena área e impunha respeito ao abrir “as asas” e deixar o atacante perdido, sem saber o que fazer. Melhor, ainda, quando o próximo jogo era contra o Flamengo e ele não perdia a esportiva ao dizer que tinha recebido o “bicho” pela vitória antes mesmo do jogo.

Já Maurício Duarte, ex-jogador profissional de grandes equipes brasileiras (Botafogo, inclusive), radialista, comentarista de futebol, amigo de excelente caráter, homenageou o goleiro Laércio, do Itabuna. E a homenagem foi prestada em tempo certo a uma pessoa que não mais se encontra entre nós e fez história no Itabuna Esporte Clube e em Itabuna, chegando a ser o xodó da torcida pelas grandes atuações dentro e fora do campo.

Itabuna sempre foi pródiga em bons goleiros desde os tempos do futebol amador – Fluminense, Flamengo, Grêmio, Janízaros, Bahia, Itabuna, Corinthians e Botafogo, este com um fato inusitado: o goleiro Danielzão mais tarde trocou de posição e passou a jogar como centroavante. Esses mesmos goleiros dos clubes defenderam com mãos de ferro a Seleção de Itabuna, vencedora do Intermunicipal por oito anos seguidos: Octacampeã.

Desfilaram em baixo dos três paus da seleção itabunense os goleiros Carlito, Asclepíades, Ivanildo, Plínio, Luiz Carlos, Betinho, dentre outros, que escreveram seus nomes da história do futebol itabunense. Goleiros que defendiam bolas impossíveis e se atiravam nelas como um esfomeado em busca de um prato de comida, para não deixar de citar a rica e bela gíria futebolística, além dos altamente técnicos.

É uma justa homenagem a um profissional – antes amador – que destoa dos colegas de equipe desde pequeno, por ser raro os que têm o sonho de ser goleiro e lutam para isso nos babas e escolinhas de futebol. Não raro, os goleiros são descobertos por serem aqueles que não têm talento para jogar na zaga, meio do campo e ataque e são escalados nos babas como goleiro, posição pouco disputada nos campinhos.

Por isso e tudo isso, minhas homenagens aos goleiros do Brasil e do mundo. Vai que é sua, Tafarel!

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

ARRASCAETA DIZ QUE VAI CONVIDAR CAVANI PARA JOGAR NO FLAMENGO

Tempo de leitura: 2 minutos

Qual será o destino de Edinson Cavani? Em fim de contrato com o Paris Saint-Germain (PSG), não seria exagero dizer que o uruguaio teria vaga em todos os times do Brasil. Diego Lugano, diretor de relações institucionais do São Paulo e amigo de Cavani, afirmou em entrevista à rádio argentina Club Octubre que, antes de uma possível transferência para o Boca Juniors, por exemplo, o atacante atuaria pelo São Paulo. Porém, se depender de proximidade e amizade, Lugano encontrou um concorrente.

De Arrascaeta também quer Cavani no Brasil, só que no Flamengo. O camisa 14 do time rubro-negro entrou na jogada e brincou sobre articular a vinda do artilheiro.

“A gente brinca com os caras (Cavani e Suárez), mas eles ainda estão no auge, jogando em grande nível na Europa. Se houvesse possibilidade de qualquer um dos dois jogar no ‘Mengão’, a gente ficaria muito feliz se isso se concretizasse. Sabemos que o Cavani agora está finalizando o contrato, então vou mandar uma mensagem pra ele. Vou convidar pra sabe se ele quer ser feliz com a gente”.

Cavani possui vínculo até o fim da temporada com o PSG e, aos 33 anos, tem mercado para jogar no futebol europeu ou até em países de fora do Velho Continente, como nos Estados Unidos.

Na Europa, Cavani continuaria disputando competições de alto nível e seguiria condicionado para a Copa do Mundo do Catar, em 2022. Nos Estados Unidos, encontraria uma liga mais fraca, porém atuaria em um país de moeda forte. O clube brasileiro que tentar contratar o uruguaio terá que desembolsar uma grande quantia.

O próprio presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, acredita que uma negociação neste momento da economia é inviável. Em entrevista ao jornalista Paulo Vinícius Coelho, ele afirmou que ninguém dentro do clube conversou sobre a contratação e que não há nenhuma ação neste sentido. Lugano falou sobre o uruguaio jogar no Tricolor por ser amigo de Cavani. Entretanto, Leco disse que “se um grande jogador quiser jogar no São Paulo a um preço acessível, sempre se vai pensar”.

Leco também lembrou que o momento é de manter as contas em dia durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). A dificuldade financeira não atinge apenas os clubes brasileiros. Na própria Europa, o mercado de transferências deve aquecer apenas após o restabelecimento dos clubes. Enquanto a pandemia de covid-19 impactar nos caixas das equipes, dificilmente surgirão notícias de grandes contratações. Da Agência Brasil.

REI DO INTERMUNICIPAL, BETO OLIVEIRA QUER MAIS TÍTULOS E TREINAR A SELEÇÃO DE ITABUNA

Tempo de leitura: 12 minutos

Poucos treinadores conquistaram tantos títulos no futebol do interior da Bahia como Beto Oliveira. São seis troféus do Campeonato Intermunicipal, três deles consecutivos (2017-2018-2019), e uma conquista com equipe profissional, no comando do Itabuna Esporte Clube, em 2002, na Segunda Divisão do Baiano.  A equipe conseguiu o acesso invicta depois de 10 anos sem disputar nenhuma competição.

Em entrevista exclusiva ao PIMENTA, o treinador fala do sonho de conquistar um Campeonato Baiano e mais três títulos do Intermunicipal. Ele também comenta sobre o sufoco que passou por conta da desconfiança dos torcedores de Itamaraju durante a temporada passada, quando teve de montar uma equipe completamente diferente da que se sagrou campeã em 2018.

Beto Oliveira afirma ainda que é louco para treinar a Seleção de Itabuna e observa que o Campeonato Interbairros deveria ser no primeiro semestre, não no segundo, como é realizado hoje. O técnico também fala de Pep Guardiola, Abel Braga, Jorge Jesus e do time rubro-negro carioca: “O Flamengo de hoje é encantador”.

Veja a íntegra da entrevista.

Blog Pimenta – Sua carreira começa na década de 80 como jogador. Exatamente quando?

Beto Oliveira- Comecei na base do Itabuna Esporte Clube em 1982 e me profissionalizei três anos depois. Atuei pelo Itabuna até 87. Rodei por algumas equipes profissionais no país. Em 91 voltei para o Itabuna e um ano depois fui para o Grêmio Maringá. Em 93 encerrei a carreira como jogador de futebol e comecei a treinar a divisão de base do Itabuna, em 94, sendo técnico do time que disputou a Copa Rio daquele ano. Fiquei como treinador da equipe por três anos seguidos.

Pimenta- E no futebol profissional?  

Beto – Comecei em 2000, quando treinei o Grapiúna nos últimos quatro jogos da Segunda Divisão do Campeonato Baiano. Vencemos o Astro, Bahia de Feira, Barreiras e Jequié, salvo engano. Uma das equipes utilizou um jogador irregular, houve alteração na classificação e perdemos a chance de disputar o título naquele ano.

Pimenta – Um início de carreira de treinador empolgante, por sinal.

Beto Foi sim. Em 2001, treinei o Grapiúna que disputou a Taça São Paulo de Futebol Júnior. No retorno, voltei à equipe profissional do Grapiúna para, mais uma vez, disputar a Segunda Divisão do Baianão. Ficamos com o vice-campeonato. Perdemos o título para o Palmeiras do Nordeste, então filial do Palmeiras de São Paulo. Eles tinham uma equipe muito forte e subiram.

Pimenta – E o primeiro título na carreira?

Beto Em 2001, fui contratado para treinar a Seleção de Coaraci no Intermunicipal. Ali, ganhei o meu primeiro título. No outro ano, voltei ao futebol profissional para comandar o Itabuna Esporte Clube na Segunda Divisão. A equipe estava há 10 anos sem participar de competições. Conquistamos o título da Série B de forma invicta e garantimos vaga na elite do futebol baiano.

Pimenta – Em 2002 a sua primeira competição nacional. Foi isso?

Beto Sim. Como treinador do Colo Colo no Campeonato Brasileiro da série C. Em 2003 voltei ao profissional do Itabuna e ficamos na terceira colocação no Baianão. Perdemos a semifinal para o Vitória, que estava na série A do Campeonato Brasileiro.

Pimenta – E o seu segundo título no Intermunicipal?

Beto – Foi em 2004, com a Seleção de Itamaraju.

 

 

Já fiz uma análise e cheguei à conclusão de que ainda é cedo para parar. Quero retornar ao futebol profissional e ganhar mais títulos.

 

Pimenta – Rodou muito como treinador…

Beto – Minha carreira foi entre equipes amadoras e profissionais. E o terceiro título no Intermunicipal também foi no extremo-sul do estado. Em 2009 fechei um contrato com a Seleção de Porto Seguro por dois anos. Ficamos em terceiro lugar, mas conquistamos o título, invicto, em 2010.

Pimenta – Sete anos depois mais um título…

Beto Em 2017, com a Seleção de Eunápolis. No ano seguinte retornei à Itamaraju, onde conquistamos dois títulos consecutivos do Campeonato Intermunicipal.

Pimenta – Beto Oliveira foi um bom jogador?

Beto Tenho uma família de atletas. Danielzinho começou a carreira no Itabuna e passou por equipes como Palmeiras (na base) e Bragantino, na década de 80. Guiovaldo também tem passagem pelo Itabuna, futebol de Portugal e várias equipes no Brasil. Acho que fui um bom jogador sim. Comecei como volante e depois fui atuar como zagueiro. Nas décadas de 80 e 90, tínhamos muitos craques. Era muito difícil para o profissional do interior ser contratado por um time grande do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais ou Sul do País.

Pimenta – Já pensou em parar?

Beto Já fiz uma análise e cheguei à conclusão de que ainda é cedo. Quero retornar ao futebol profissional e ganhar mais títulos.

Pimenta – Já recebeu propostas para trabalhar neste ano?

Beto Recebi uma proposta de um dos times da Primeira Divisão do Campeonato Baiano, mas não possível o acerto por questões financeiras. Ofereceram um valor menor do que eu ganhava no Intermunicipal. Entendi ser uma desvalorização muito grande. Para trabalhar no profissional, na elite do Baiano, o técnico merece ter uma remuneração melhor.

 

 

Tenho algumas propostas. Provavelmente em março, estarei treinando uma equipe da Segunda Divisão do Baiano.

 

 

Pimenta – Você não estaria em uma vitrine melhor?

Beto No futebol profissional a cobrança é muito maior. Todos da cidade exigem uma campanha excelente. A expectativa gira em torno de vencer Bahia e Vitória e conquistar o título de campeão. Tenho algumas propostas. Provavelmente em março, estarei treinando uma equipe da Segunda Divisão do Baiano.

Pimenta – Qual foi a conquista de Campeonato Intermunicipal mais fácil e a mais difícil?

Beto Não existe conquista fácil, ainda mais em se tratando do Intermunicipal, que é disputado por 64 equipes. É uma competição que dura seis meses. Enfrentamos muitas dificuldades. Às vezes, perda de jogadores importantes no decorrer da competição.

Pimenta – O título mais marcante, então?

Beto O mais prazeroso foi primeiro, conquistado com a Seleção de Coaraci. Embora tivesse sido vice-campeão da segunda divisão com Grapiúna, chegamos sem muito conhecimento sobre o Intermunicipal, que é uma competição totalmente diferente. Peguei uma seleção formada basicamente por ex-jogadores profissionais e vividos na competição e eu sem experiência.  Achei um pouco mais difícil para impor a minha metodologia de trabalho, mas tudo deu certo.

Clique em leia mais, abaixo, e confira a íntegra da entrevista.

Leia Mais

VITÓRIA DA CONQUISTA NO RANKING DE VENDAS DA NOVA CAMISA DO FLAMENGO

Vitória da Conquista aparece entre os maiores compradores nacionais da nova camisa do Flamengo
Tempo de leitura: < 1 minuto

Em alta por causa das conquistas do ano passado, quando foi campeão Carioca, Brasileiro e da Taça Libertadores, além da decisão do Mundial, que perdeu para o Liverpool, o Flamengo fatura com vendas de camisas oficiais neste início de temporada. Vendeu 15 mil peças somente na sexta-feira (15), durante o lançamento do novo uniforme.

De acordo com o clube rubro negro, entre as sete localidades com maior volume comercialização de camisas está Vitória da Conquista. O município do sudoeste da Bahia aparece ao lado de Brasília, Juiz de Fora, Manaus, Belém, Aracaju e Vitória. Somente em Brasília foram vendidas 1,5 mil camisas do novo uniforme, que será usado neste domingo (16), na decisão da Supercopa.

A decisão do título será às 11h, no estádio Mané Garricha, às 11h, contra o Athlético-PR, atual campeão da Copa do Brasil. O campeão do torneio ficará com R$ 5 milhões e o vice, embolsará R$ 2 milhões. A partida será transmitida ao vivo pela TV Globo.

HORA DE FATURAR

Tempo de leitura: < 1 minuto

Milton fatura uns trocados vendendo camisa do Flamengo || Foto Pimenta

Blusa florida e sem revelar o time para o qual torce, Milton vendia camisa do Flamengo a R$ 40,00 a unidade, no Centro Comercial, neste sábado (21). A vendagem hoje começou logo nas primeiras horas da manhã, sempre com a esperança de zerar o estoque de camisas rubro-negras ainda antes da finalíssima do Mundial de Clubes da Fifa. Do outro lado, o Liverpool. A torcida pelo título do Flamengo tinha mais a ver com a possibilidade de faturar ainda mais do que pelo fato de ser brasileiro.

MENOS DE 24H APÓS TÍTULO DA LIBERTADORES, FLAMENGO É CAMPEÃO BRASILEIRO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Flamengo conquistou a Librertadores ontem e fatura o Brasileirão sem entrar em campo neste domingo || Foto Alexandre Vidal/CRF

O Flamengo nem entrou em campo neste domingo, mas acaba de conquistar, matematicamente, o Campeonato Brasileiro de 2019, menos de 24 horas depois do título de bicampeão da Libertadores da América.

O título nacional foi confirmado com a ajuda do Grêmio, que bateu o Palmeiras, em São Paulo, por 2 a 1. Como o time paulista ficou a 13 pontos do Flamengo e restam, agora, só 4 rodadas, o Palmeiras não tem mais como superar o rubro-negro na tabela de classificação (68 pontos contra 81 do time carioca).

Domingo inesquecível para os rubro-negros. A entrega da taça do Brasileirão 2019 deve ocorrer na próxima quarta, quando o Flamengo enfrentará o Ceará, às 21h30min, no Maracanã. O título antecipado é o sétimo dos cariocas na história do Brasileirão.

FLAMENGO É BICAMPEÃO DA LIBERTADORES DA AMÉRICA COM VIRADA ÉPICA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Flamengo é bicampeão da Libertadores da América em 2019 || Reprodução

Numa virada histórica, o Flamengo acaba de faturar a Libertadores da América de 2019 diante do argentino River Plate, por 2 a 1. O bicampeão chegou ao título depois de sofrer um gol antes dos 15 minutos de jogo e virar a partida no finalzinho, com Gabigol marcando duas vezes, aos 43 e aos 46 minutos do segundo tempo.

FLAMENGO E RIVER PROTAGONIZAM FINAL INÉDITA – E HISTÓRICA – DA LIBERTADORES

Tempo de leitura: 2 minutos

Flamengo e River Plate fazem final inédita e histórica da Libertadores || Fotos Reuters/Agência Brasil

Neste sábado (23), a partir das 17h (horário de Brasília), Flamengo e River Plate, da Argentina, escreverão mais uma página da longa história de conquistas e glórias do futebol sul-americano, protagonizando uma final inédita de Copa Libertadores da América, no Estádio Monumental de Lima (Peru).

O ineditismo do jogo está no fato de as duas equipes se enfrentarem pela primeira vez na decisão da competição. E a importância histórica se dá porque esta é a final de número 60 da Libertadores, torneio que, pela primeira vez, terá uma final em partida única.

Uma decisão de Libertadores entre um time do Brasil e outro da Argentina não é uma novidade na história da competição. Elas já aconteceram em 14 oportunidades, com cinco vitórias brasileiras e nove argentinas. O Flamengo nunca esteve nesta situação, enquanto o River já encontrou um time brasileiro em confrontos decisivos, há mais de 40 anos. Foi em 1976. E deu Brasil. O Cruzeiro acabou campeão.

O rubro-negro carioca e os millonarios já se enfrentaram em quatro oportunidades na história da Libertadores. No ano de 1982, em uma semifinal em formato triangular que também contava com o Peñarol, o Flamengo derrotou o River Plate em duas oportunidades, por 3 a 0 jogando em Buenos Aires, e por 4 a 2 atuando no Rio de Janeiro.

As duas outras partidas aconteceram em 2018 pela fase de grupos da competição. Elas terminaram empatadas, 2 a 2 no Rio de Janeiro e 0 a 0 em Buenos Aires. Com informações d´Agência Brasil.

EM PITUAÇU, BAHIA VENCE O GRÊMIO E ENTRA NO G-4

Tempo de leitura: < 1 minuto

Fernandão fez o gol da vitória contra o Grêmio || Foto Felipe Oliveira/ECBahia

Um gol de pênalti colocou o Bahia, provisoriamente, entre os 4 melhores do Brasileirão 2019, há pouco, no Estádio de Pituaçu, em Salvador. O gol foi marcado pelo atacante Fernandão, batendo o temível Grêmio por 1 a 0.

O time chega aos 13 pontos – empatando com o Flamengo e o líder, Palmeiras – e alcança a terceira colocação em 7 jogos. Já o Grêmio, caiu na Zona de Rebaixamento.

Com o resultado, manteve a invencibilidade no Brasileirão dentro de casa – incluindo as partidas na Fonte Nova e em Pituaçu. A próxima partida do Esquadrão de Aço será contra o Ceará, no próximo sábado (8). Confira lances do jogo no vídeo abaixo.

https://youtu.be/U8xyy-_Qvog?t=233

ISAQUIAS QUEIROZ ASSINA CONTRATO COM O FLAMENGO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Contrato com rubro-negro carioca vai até 2020

O maior medalhista do Brasil numa edição de Olimpíada, com três conquistas, o canoísta Isaquias Queiroz assinou contratado com o Flamengo até os Jogos de Tóquio, em 2020. Nascido em Ubaitaba, no sul da Bahia, o atleta será a principal referência do Projeto Flamengo Náutico e poderá ter o contrato estendido até 2024. Além de destaque nos Jogos no Brasil, em 2016, o canoísta é dono de 10 medalhas em mundiais.

Isaquias Queiroz seguirá treinando e morando com a Seleção Brasileira de Canoagem, em Lagoa Santa, em Minas Gerais, e se deslocará para o Rio de Janeiro para treinamentos especiais.  O gerente de Remo e Canoagem do Flamengo, Marcello Varriale, explica que o clube está alinhado com o Comitê Olímpico do Brasil, já que o interesse é o mesmo, “dar suporte para que Isaquias conquiste medalhas olímpicas”.

Garantir vaga para os Jogos de Tóquio-2020, no Mundial da Hungria, em agosto, é uma das principais metas do atleta, que neste ano disputará o Pan-Americano e a Copa do Mundo de Canoagem. “Quero turbinar ainda mais minha carreira e ter meu nome entre os ídolos de um dos clubes mais importantes do país”, disse o canoísta baiano.

Back To Top