skip to Main Content
6 de junho de 2020 | 07:39 pm

O REI DA AMÉRICA QUER O MUNDO

Tempo de leitura: 3 minutos

DanielThameDaniel Thame | danielthame@gmail.com

A Seleção Brasileira pratica, indiscutivelmente, o melhor futebol da América.

Classificou-se para a Copa da Rússia com quatro rodadas de antecedência e vem de inéditas 8 vitórias nas Eliminatórias, uma trajetória mágica que incluiu shows de bola contra Argentina (3×0), Uruguai (4×1) e Paraguai (3×0).

Mais do que os resultados expressivos, vem jogando um futebol que resgatou a paixão pela Seleção, fazendo inclusive com que o exigente torcedor paulista (de vaias memoráveis e atitudes incivilizadas como atirar bandeiras do Brasil no gramado do Morumbi num jogo horrendo contra a Colômbia), se rendesse ao time de Neymar e Cia.

titeAo time de `seu` Adenor, mais conhecido como Tite.

O que se viu na Arena Corinthians foi uma verdadeira lua de mel entre time e torcida, com direito a um “olê, olê, olê, Tite, Tite…” no final do jogo.

Consagrador.

O Brasil voltou o ser o Rei da América.

Ponto.

Parágrafo.

Como quase tudo nesse paraíso tropical bipolar (há controvérsias quanto ao paraíso) vai-se do inferno ao céu e vice-versa num piscar de olhos.

A Seleção, com praticamente os mesmos jogadores, era um quase-Ibis há menos de um ano atrás. Agora é o suprassumo do suprassumo do mundo da bola.

A maravilha da galáxia.

Neymar que era um craque mascarado e individualista, que pipocava na Seleção, agora já é melhor do que Messi e Cristiano Ronaldo juntos, um quase-Pelé.

E por aí vai…

Galvão Bueno puxa o coro da louvação, seguido pelos colegas da imprensa, numa unanimidade em que se ouvem poucas vozes sensatas.

E é preciso mesmo um pouco se sensatez.

Se é verdade que Tite fez da Seleção uma equipe respeitada, que pratica um futebol de primeiro nível, transformou Neymar num craque que joga para o time, letal e as vezes genial, não é menos verdade que a conquista do mundo em 2018 não é algo líquido e certo, como se a gente fosse lá pra Russia, tomasse umas vodcas, dançasse umas balalaicas na praça Vermelha, comprasse umas matrioskas pra agradar as filhas e a patroa, pegasse a taça e voltasse pra casa.

Seria ótimo se fosse assim, mas não é.

Falta combinar com os russos, como diria o saudoso Mané Garrincha. Agora literalmente.

O time está bem, Neymar joga cada dia melhor, Casemiro, Paulinho e Phillipe Coutinho tem se revelado gratas surpresas, mas é preciso manter o foco, saber que tem que evoluir sempre e não cair na tentação do `já ganhou`.

A história está repleta – e Tite sabe disso- de times e seleções que ganharam de véspera e na hora na oncinha beber água ficaram de bico seco.

Ou engoliram um 7×1 ainda não devidamente digerido.

Portanto, é de bom alvitre deixar a torcida e a mídia com os pés nas alturas e manter as chuteiras com pés no chão.

-0-0-0-

É PÊNALTI – A FIFA e seu espírito de Máfia. A punição a Lionel Messi é absolutamente desproporcional e pode custar a vaga da Argentina na Copa. Verdadeira vinditta contra Maradona e sua coragem de denunciar os ´santinhos` da entidade.

0-0-0-

É GOL – Tite para Presidente? Então tá! E Neymar, seria o quê? Ministro da Fazenda ou superintendente da Receita Federal?

Fora Temer (ops!), quem mais se candidata?

Daniel Thame é jornalista e editor do Blog do Thame.

SEM MEDO DE SER FELIZ

Tempo de leitura: 2 minutos

daniel_thameDaniel Thame | danielthame@gmail.com

 

Apostou em Paulinho, autor de três gols contra o Uruguai,  que estava perdido na China. Confirmou Casemiro, que hoje brilha no Real Madrid e é um dínamo no meio de campo. Transformou um bando num time. Simples assim.

 

 

Brasil 4×1 Uruguai  no Estádio Centenário,  templo do futebol mundial. Vaga garantida para a Copa da Rússia,  embora a matemática diga que ainda não.

Dane-se a matemática.

O Brasil não apenas está na Copa, como resgatou o respeito perdido depois do 7×1 com Felipão e da sofrida  Era Dunga, parte 2,  que já era.

Tite conseguiu transformar um grupo de jogadores que cintilavam em seus times na Europa e se tornavam burocratas com a camisa amarela da Seleção  numa equipe coesa, confiante e busca a vitória o tempo todo.

Mudou a filosofia. Acabou aquela história de que empatar com Bolívia, Peru e Equador fora de casa era bom resultado.

Acabou também esse negócio de seleções marca bufa enfrentarem o Brasil como se estivessem jogando contra as Ilhas Fiji.

Os 4×1 no Uruguai, incontestáveis diante da superioridade brasileira, mesmo tendo sofrido um golo logo de cara, são a confirmação de que, enfim, temos uma seleção que vai chegar à Rússia como protagonista, não como coadjuvante.

Tite tem acertado em  cheio nas convocações, embora possa se questionar um ou outro nome. Nada que faça dólar cair, o PIB subir e nossos políticos serem pouquinha coisa mais honestos.

Apostou em Paulinho, autor de três gols contra o Uruguai,  que estava perdido na China. Confirmou Casemiro, que hoje brilha no Real Madrid e é um dínamo no meio de campo. Transformou um bando num time. Simples assim.

E principalmente fez Neymar fechar o ciclo de chiliques e individualismo  na Seleção e ser o jogador solidário que é no Barcelona, sem com isso deixar de ser o craque que é.  Ou por isso mesmo estar se tornando um craque completo.

Sem piscadelas para as câmeras de televisão durante o jogo,  sem humilhar os adversários com dribles inúteis. Fazendo o que sabe fazer de melhor: jogar futebol de alto nível. E isso Neymar faz como poucos no Planeta Bola.

O Brasil perdeu o medo de ser feliz.

Pelo menos no futebol, pelo menos no futebol…

´Tovarichs`, podem preparar a vodka que o Brasil está chegando.

É GOL – Aos trancos e barrancos, Lionel Messi vai carregando  a Argentina nas costas rumo à Rússia. A Copa 2018 é a última chance de canonização de ´La Puga`. Porque Deus a Argentina só tem um, Diego, “el Diez”. E, como se não bastasse, ainda um Papa, Francisco.

É PÊNALTI – Ainda é cedo para avaliar o trabalho de Rogério Ceni, mas o encantamento inicial vai se esvaziando, por conta de erros de escalação, invenções que não dão certo e resultados medíocres. Seria a carruagem dourada uma abóbora?

Daniel Thame é jornalista e editor do Blog do Thame.

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO

Tempo de leitura: 3 minutos

daniel_thameDaniel Thame | danielthame@gmail.com

 

Atlético Paranaense x Coritiba pelo Youtube pode ter sido a Sierra Maestra da libertação dos clubes. Ou pode ter sido apenas um daqueles momentos que, embora históricos se perdem nos desvãos da História, porque nascem e morrem como uma intenção que não se transformou em ação efetiva e continuada.

 

Coritiba e Atlético Paranaense protagonizaram um jogo histórico na quarta-feira. Não pela qualidade do futebol, que futebol de qualidade é artigo raro nos campos brasileiros, mas pelo fato de que, pela primeira vez, um dos mais tradicionais clássicos do país não teve transmissão por uma emissora de tevê, aberta ou fechada, mas pelo Youtube, o canal de vídeos do cada vez mais onipresente Google.

O resultado, 2×0 para o Atlético, é o que menos importa, já que o Campeonato Paranaense, a exemplo dos demais estaduais, perdeu qualquer relevância.

O verdadeiro significado deste já histórico embate é que os clubes brasileiros podem estar dando o primeiro passo para se livrar das amarras das federações, verdadeiras sanguessugas e não raro antro das mais deslavadas negociatas, e da Rede Globo, emissora que detém os direitos de transmissão e praticamente monopoliza o futebol, dos jogos da Seleção Brasileira ao torneiozinho mais chinfrim.

É a Rede Globo quem determina quanto vai pagar aos clubes, os horários dos jogos e as partidas que vai transmitir, tudo de acordo com a sua grade de programação. O que implica, por exemplo, em jogos de meio de semana no obsceno horário das 22 horas, impraticável num país onde o transporte público funciona mal e a violência faz com que, à noite, não apenas todos os gatos sejam pardos, como também todo torcedor/cidadão seja uma vítima em potencial.

Ressalte-se que a Rede Globo está no direito de pagar quanto acha que deve pagar (e as vezes paga muito por um futebol de quinta categoria, vide o medonho Brusque 0x0 Corinthians na quarta-feira, pela Copa do Brasil) e transmite (ou não transmite) o que acha conveniente, ainda que num sábado de Carnaval, opte por transmitir Fluminense 0x0 Madureira (outro show de horror), privando o torcedor de assistir ao Flamengo x Vasco, com futebol igualmente horrendo, mas com muito mais apelo.

Posto que a Globo pode pagar o que quer e transmitir o que quer, desde que os clubes aceitem e assinem os contratos de transmissão. Aos que não aceitam buscar outros caminhos, cabe romper o status quo que impera desde que a bola é redonda.

E é ai que está a importância histórica do Atletiba. O jogo, segundo os dois clubes que o transmitiram em seus canais no Youtube, atraiu cerca de 3 milhões de pessoas.

Imagine-se o potencial de um Palmeiras x Corinthians, São Paulo x Corinthians, Flamengo x Vasco, Cruzeiro x Atlético Mineiro, Inter x Grêmio, Bahia x Vitória.

Os próprios clubes poderão negociar cotas de patrocínio, placas publicitárias nos estádios e uma infinidade de possibilidades de arrecadação que a internet, acessada do celular ao aparelho de tevê, permite. Isso sem as amarras e as intermediações das federações e sem as imposições de horário e de tabela das tevês.

É um longo e difícil caminho, mas é também uma revolução.

E como todo caminho longo e difícil, como toda revolução, exige perseverança, união, luta, paciência e resistência a forças poderosas.

Atlético Paranaense x Coritiba pelo Youtube pode ter sido a Sierra Maestra da libertação dos clubes. Ou pode ter sido apenas um daqueles momentos que, embora históricos se perdem nos desvãos da História, porque nascem e morrem como uma intenção que não se transformou em ação efetiva e continuada.

Cabe aos clubes brasileiros, com o caminho foi sinalizado e o primeiro passo dado, decidir se querem seguir em frente ou se contentar com um bolo que é dividido de forma desigual e em que a maioria tem que se contentar apenas com migalhas.

Recorramos a um simbolismo, esse sim inegavelmente Histórico: de Sierra Maestra a La Habana não é fácil, mas `si, se puede`.

Daniel Thame é jornalista e edita o Blog do Thame.

INTEGRANTES DA TORCIDA BAMOR FRAUDAVAM PROGRAMA DE SÓCIOS DO BAHIA

Tempo de leitura: 2 minutos
Pablo, Ricardo, Gilson, Jailson e Gabriel são acusados de fraudar programa sócio-torcedor do Esquadrão (Fotomontagem).

Pablo, Ricardo, Gilson, Jailson e Gabriel integram quadrilha (Fotomontagem).

Uma quadrilha que fraudava o programa de sócios do Esporte Clube Bahia foi desarticulada, nesta quinta-feira (9), em Salvador, por equipes do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), da Polícia Civil. Foram presos Gabriel Pereira Silva, de 21 anos, Ricardo Henrique Almeida da Silva, 25, Pablo Rodrigo Barral dos Santos, 22, Gilson Silva de Almeida Junior, 22, e Jailson Conceição dos Santos Junior, 22.

Todos eles, segundo a polícia civil, integravam a torcida organizada Bamor e possuíam mandado de prisão temporária expedido pela Justiça, por organização criminosa e estelionato. Segundo o delegado Alexandre Narita, do Draco, o grupo aparecia nos arredores do estádio e até na casa dos torcedores com uma identificação falsa. “Eles ofereciam uma espécie de promoção para integrar o Esquadrão Torcedor, que é o clube de sócios do Bahia, e, com isso, possuir as vantagens de ser associado por um valor muito abaixo do real”, explicou o delegado.

O grupo utilizava cartões de crédito de pessoas desconhecidas para se cadastrar no clube, de modo online, e embolsava o valor pago pelo torcedor. Quando o dono do cartão percebia, solicitava o estorno da cobrança, mas o novo membro acabava permanecendo como sócio por um bom tempo. Ainda de acordo com Narita, cerca de 400 pessoas foram enganadas pela quadrilha.

A investigação, que durou cerca de seis meses, identificou também a participação de mais duas pessoas – Rodrigo Carvalho Teixeira, 25, e de Geovane Lima Silva, 23, este último integrante da torcida organizada Jovem do Galo, do Esporte Clube Treze, da Paraíba. Ambos possuem mandado de prisão em aberto. Todos os presos possuem passagem pela polícia por briga em estádios, sendo que Gilson também já foi preso por furto. Eles estão à disposição da Justiça.

INSTITUTO APONTA O BAHIA COM A MAIOR TORCIDA DO NORDESTE

Tempo de leitura: < 1 minuto
Torcida do Bahia é a maior do Nordeste, segundo pesquisa.

Torcida do Bahia é a maior do Nordeste, segundo pesquisa.

Um levantamento realizado pelo instituto Paraná Pesquisas aponta a torcida do Bahia com mais que o dobro que a do Vitória. O tricolor tem também a “maior do Nordestão”, como sua torcida canta no estádio, e a 11ª maior do Brasil, com 2% da população nacional. A do Leão é a 16ª, com 0,8%.

Mais de 4,1 milhões de brasileiros têm o Esquadrão de Aço como clube do coração, o que coloca a torcida tricolor à frente dos cariocas Botafogo e Fluminense. Os fãs rubro-negros são 1,6 milhão, empatados com Atlético-PR e Fortaleza.

No Nordeste, a torcida do Vitória aparece em 4º lugar, atrás também de Sport e Ceará. É a primeira vez na década que o Leão não aparece entre as três maiores da região, independentemente do instituto de pesquisas. Na mais recente, divulgada em abril pelo Paraná Pesquisas, a lista tinha apenas as 14 maiores torcidas, sem o Vitória. O Bahia já era 11º.

Durante dez meses, de março a dezembro de 2016, foram ouvidas 10,5 mil pessoas em 23 estados. A pesquisa foi divulgada pelo jornal O Globo e mostrou também que 40 milhões de brasileiros (19,5%) afirmam não ter time nenhum. A soma supera até a torcida do Flamengo, que continua a maior do país, com 33 milhões (16,2%), seguida por Corinthians (13,7%) e São Paulo (7,4%) no top 3. Do Correio24h.

BANDEIRA BRANCA NA ARENA

Tempo de leitura: 2 minutos

marianaferreiraMariana Ferreira | marianaferreirajornalista@gmail.com

Seguimos observadores da banalização e espetacularização da violência dentro daquilo que deveria ser o seu antídoto, o esporte. A educação talvez um dia mude esse padrão e modifique o leque de palavras e comportamentos.

Há cinco anos escrevi um artigo acadêmico que analisava a banalização da violência nos esportes de massa pela imprensa esportiva. Hoje, no período de luto pela equipe da Chapecoense, a solidariedade, que moveu dezenas de clubes no apoio ao time catarinense e milhões de pessoas pelo mundo se declarando suas torcedoras, parecia estabelecer-se, enfim, nesse universo esportivo. As torcidas organizadas poderiam, agora, ser menos gladiadoras? A imprensa passaria a ser mais zelosa na linguagem? Os clubes seriam menos beligerantes?

Somente as dez maiores torcidas de futebol do Brasil possuem juntas mais de 120,8 milhões de torcedores – a população nacional é de aproximadamente 206,8 milhões de habitantes. As agremiações como um todo possuem torcidas organizadas com verdadeiros espíritos de guerra, que transformam estádios e ruas em arenas medievais para agredir os oponentes até o limite da vida. O país é campeão no número de mortes de torcedores por conflitos entre torcidas organizadas. Foram nove mortes esse ano e outras seis estão sendo investigadas por possível elo com o futebol.

O futebol, em particular, como é o assunto que mais mobiliza a massa brasileira, é tratado com alta prioridade pelos veículos de diferentes plataformas. É importante que cada um reavalie seu papel nesse cenário; afinal, vale a pena oferecer a emoção de um combate ao torcedor/espectador, utilizando de linguagem bélica, com forte influência e banalização da violência? O esporte não deveria ser uma fuga da violência? Por vezes, quando escrevia para a editoria de esportes do Jornal Agora, essa reflexão se fazia presente.

Leia Mais

GOL DO SAN LORENZO

Tempo de leitura: 3 minutos

DT blog 3Daniel Thame | danielthame@gmail.com

 

E nem o Destino, esse trapaceiro, é capaz de voltar o tempo e fazer a desgraçada dessa bola que parou nos pés de Danilo entrar e abortar o voo para o vazio ainda da pista…

 

23 de novembro de 2016. 23 horas e 35 minutos.  São 45 minutos do segundo tempo. A Chapecoense, time do interior de Santa Catarina que há sete anos disputava a Serie D do Campeonato Brasileiro, segura o 0x0 contra o poderoso San Lorenzo, da Argentina.

O resultado garante a inédita e surpreendente vaga na final da Copa Sul Americana, o segundo torneio mais importante do continente.  Falta na lateral da grande área a favor do time argentino. Na Arena Índio Condá, milhares de corações batem no compasso da expectativa: glória ou tragédia.

Na Fox Sports, o narrador Deva Pascovicci eleva a emoção até a estratosfera: “que o índio Condá fique debaixo das traves. Que o espirito de Condá  esteja com todos os jogadores. Olha o lançamento, bola na pequena área, Bland chuta a queima roupa,  o goleiro Danilo tenta tirar com o pé direito,  mas a bola morre mansamente no fundo das redes”

1×0 San Lorenzo, fim de jogo.

A Chape, como é chamada,  para nas semifinais. Deva, mais controlado, diz que o time caiu de pé. O comentarista Mário Sérgio Paiva,  com seu estilo direto, afirma que faltou experiência pra segurar a bola, mas que serve como lição para um time novo no cenário do futebol internacional. “O time ainda está muito verde para chegar a uma decisão tão importante”, diz o também comentarista Paulo Clement,  fazendo um trocadilho pouquinha coisa mais do que infame com as cores do clube.

Entrevistados pelo repórter Victorino Chermont, os jogadores lamentam o gol sofrido no final do jogo, mas reconhecem que o time sai da competição de cabeça erguida. A torcida concorda, tanto que permanece no estádio após o fim da partida e aplaude de pé  os jogadores e o técnico Caio Junior.

Apenas Danilo continua inconsolável: “eu poderia ter defendido aquela bola…”

30 de novembro de 2016. 22 horas e 15 minutos. Atlético Nacional e San Lorenzo fazem em Medellin o primeiro jogo da decisão da Copa Sul-Americana. O goleiro Danilo assiste em casa à partida, transmitida pela televisão. A cada lance, o mesmo pensamento: “eu poderia estar lá com a Chapecoense, se não fosse aquela bola no fim do jogo…”.

É despertado do estupor pelo abraço do filho pequeno, vestido com a camisa da Chape, e pela voz da mulher: “vem dormir, porque amanhã você tem treino pra pegar o Atlético Mineiro pelo Brasileirão”.

Na Fox Sports,  Deva Pascovicci narra e Mário Sérgio comenta o jogo do estúdio. Em Medellin,  Vitorino Chermont, que seguiu para a Colômbia num voo de carreira, faz reportagens de campo já com cabeça na Copa Libertadores 2017 com Palmeiras, Flamengo, Santos e outros times de títulos, torcida e tradições mundiais.  A Chapecoense foi um breve sonho de primavera que o time do Papa tratou de interromper no derradeiro minuto de jogo. A  vida e o jogo não podem parar.

0-0-0-

E nem o Destino, esse trapaceiro, é capaz de voltar o tempo e fazer a desgraçada dessa bola que parou nos pés de Danilo entrar e abortar o voo para o vazio ainda da pista…

Daniel Thame é jornalista, escritor e editor do Blog do Thame.

CRUZ VERMELHA DIZ QUE 60 CORPOS JÁ FORAM RESGATADOS DE AVIÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Equipe de buscas no local de queda (Foto Polícia de Antioquia).

Equipe de buscas no local de queda (Foto Polícia de Antioquia).

A Cruz Vermelha da Colômbia disse que já foram resgatados 60 corpos do acidente com o avião que levava o time da Chapecoense para Medellín, na Colômbia. Um representante da Cruz Vermelha disse à rádio Blu Colombia que 60 dos 75 corpos que estavam no local do acidente foram recuperados e levados para Olaya Herrera.

O avião da companhia Lamia tinha capacidade para 95 pessoas, mas contava com 81 pessoas a bordo no momento do acidente, sendo que nove delas eram membros da tripulação. Além de dirigentes esportivos e jogadores, entre os passageiros havia 21 jornalistas e representantes da imprensa esportiva brasileira. Da Agência Brasil.

MORRE CARLOS ALBERTO TORRES, CAPITÃO DO TRI DO BRASIL EM 1970

Tempo de leitura: < 1 minuto
Torres faleceu nesta terça.

Torres faleceu nesta terça.

Morreu nesta terça-feira (25) Carlos Alberto Torres, aos 72 anos. Ele foi capitão do tricampeonato da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970. O ex-atleta sofreu um infarto fulminante.

Carlos Alberto, além de ter tido uma participação marcante na seleção canarinho, também foi figura de destaque em times como Santos e Fluminense. No primeiro, foi pentacampeão paulista. No Flu, Carlos Alberto conquistou o tricampeonato carioca.

Atualmente, o ex-jogador trabalhava como comentarista da Sportv. Sua última aparição no programa Troca de Passes foi neste domingo, 23. O quadro estava previsto ainda para ir ao ar. Informações d´A Tarde.

VITÓRIA FORA DA ZONA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Vitória saiu da Zona de Rebaixamento da Série A do Campeonato Brasileiro, hoje (28), ao bater o América-MG, na Fonte Nova, em Salvador. O Rubro-Negro venceu o time mineiro por 2 a 1,  alcançando a 15ª posição, com 26 pontos.

Quem abriu o placar foi Marcelo. Ele aproveitou rebote da entrada da grande área e mandou no cantinho do goleiro do América. David fez 2 a 0. Já no finalzinho do jogo, a equipe mineira – lanterna do Brasileirão – diminuiu, com Diego Barcelos.

Confira os principais lances no vídeo abaixo.

Back To Top