skip to Main Content
22 de fevereiro de 2020 | 11:14 pm

SBP USA A CIÊNCIA PARA REBATER MINISTRA SOBRE “MÉTODO” DE PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

Tempo de leitura: 4 minutos

Ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou, nesta terça-feira (28), um documento científico com considerações sobre a proposta do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, de indicar a abstinência sexual como método eletivo para prevenção da gravidez na adolescência e outras situações de risco à saúde reprodutiva e sexual.No texto, a entidade enfatiza que o amplo acesso à educação e à informação, associado à disponibilidade de serviços de saúde qualificados, representam a única ferramenta comprovadamente eficaz para lidar com a questão.

A SBP reitera o posicionamento de diferentes instituições científicas internacionais que, após a análise de estudos publicados a respeito da eficácia de programas de educação sexual, apontam graves falhas científicas e éticas da abordagem para abstinência sexual exclusiva. Nesse contexto, a entidade ressalta a urgência da elaboração de políticas públicas sempre embasadas em orientações cientificamente reconhecidas e amplamente discutidas entre os especialistas brasileiros e de outros países.

De acordo com a SBP, o tema da prevenção da gravidez em adolescentes é extremamente importante e exige maiores esclarecimentos e informações, sobretudo para serem repassados aos pais e aos próprios adolescentes. Especificamente sobre o início da vida sexual, questões biológicas, psicológicas e sociais precisam ser consideradas neste contexto, segundo os especialistas. Acesse documento aqui.

DIFICULDADE NO PLANEJAMENTO FAMILIAR

Para a entidade, a ausência do uso de métodos contraceptivos, a dificuldade de acesso a programas de planejamento familiar e sobretudo a falta de informação adequada e sistematizada para os jovens têm contribuído para o aumento da gravidez precoce. Além disso, o início cada vez mais precoce da puberdade constitui outro fator relevante, com repercussão na ampliação do intervalo entre o preparo físico do corpo para a atividade sexual e o amadurecimento psicossocial necessário à prática da sexualidade.

Segundo o documento científico da SBP, para fazer frente a essa problemática, diversas possibilidades têm sido aventadas e testadas em todo o mundo. Os Estados Unidos, por exemplo,que detêm um dos maiores índices de gravidez na adolescência entre os países desenvolvidos, têm gastado bilhões de dólares na busca de alternativas.

“O que ensina a experiência americana? Os resultados evidenciam que estratégias combinadas são mais efetivas do que aquelas isoladas. Várias críticas têm sido feitas ao programa americano que estimula unicamente a abstinência sexual entre os adolescentes até o casamento, principalmente pela baixa eficácia de resultados e alto custo”, informa o texto.

Além disso, conforme destaca a publicação, a abordagem de abstinência sexual exclusiva exclui da política de prevenção uma série de grupos, incluindo os adolescentes sexualmente ativos, aqueles que já são pais, os que não se consideram heterossexuais e as vítimas de abuso sexual.

Leia Mais

MEC QUER SABER QUANTAS ESTUDANTES ADOLESCENTES ENGRAVIDARAM EM 2018

Tempo de leitura: 2 minutos

MEC quer saber quantas estudantes adolescentes engravidaram em 2018

O Ministério da Educação (MEC) quer saber quantos casos de gravidez na adolescência ocorreram em 2018.Já está disponível para as escolas públicas e privadas o “Questionário sobre quantidade de casos de gravidez em adolescentes escolares”. O prazo para preencher os dados vai até 15 de abril.

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo questionário, as escolas devem considerar os casos de gravidez em adolescentes na faixa etária de 10 a 19 anos de idade identificados no ano passado. Não será necessário identificar a adolescente.

O questionário deverá ser preenchido por gestores escolares ou por pessoas designadas pelas escolas. O acesso é por meio de um link no Sistema Educacenso,exclusivamente para o perfil escola.

O trabalho faz parte do programa Saúde na Escola, desenvolvido pelo MEC e Ministério da Saúde. A intenção é fortalecer ações conjuntas para reduzir o número de casos de gravidez na adolescência, além de garantir o cuidado integral às adolescentes grávidas.

Leia Mais

URUÇUCA: PREFEITURA E UNICEF PROMOVEM PALESTRA SOBRE PREVENÇÃO À GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Ação da Prefeitura com o Unicef auxilia adolescentes em Uruçuca

Numa ação conjunta das secretarias de Assistência Social e de Saúde com o Selo Unicef, a Prefeitura de Uruçuca promoveu palestra sobre prevenção da gravidez na adolescência. O evento fez parte do conjunto de ações educativas que vêm sendo desenvolvidas pelo Selo Unicef aproveitando a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência. O evento foi realizado na sede do CRAS e reuniu, aproximadamente, 30 adolescentes.

O secretário de Saúde de Uruçuca, Marcos Pereira, falou sobre o suporte que é oferecido às jovens mães e ressaltou a importância da prevenção. A técnica de enfermagem Paula Freitas falou sobre o uso de preservativos e explicou a maneira correta de utilização. Paula ainda respondeu dúvidas dos ouvintes.

As jovens também tiveram oportunidade de ouvir palestra de psicóloga do Creas sobre os impactos de uma gravidez não planejada. A secretária de Assistência Social, Karine Siqueira, e a mobilizadora do Selo Unicef, Raynalle Nascimento, destacaram a importância de os jovens procurar por acompanhamento médico, não só para aprender como se evita uma gravidez, mas para saber como não adquirir infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

Back To Top