skip to Main Content
10 de maio de 2021 | 02:00 am

MÉDICO FAZ ALERTA SOBRE OS RISCOS DAS DOENÇAS VASCULARES CEREBRAIS

Tempo de leitura: 3 minutos

Médico Antônio Fernando Ribeiro Júnior alerta para riscos de AVC

 

Nesta quinta-feira (29) é celebrado o Dia Mundial do Acidente Vascular Cerebral (AVC), doença que afeta 13,7 milhões de pessoas por ano no mundo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, as doenças vasculares são a segunda causa de óbitos, sendo a primeira no sul da Bahia, de acordo com o médico neurologista Antônio Fernando Ribeiro Júnior, da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna.

Com o slogan “Junte-se ao Movimento”, a campanha mundial deste ano busca mostrar a importância da prática do exercício físico para a prevenção ao AVC. “Desde 2018 que temos realizado atividades para alertar a população sobre os riscos das doenças cerebrais. Neste ano, por causa da Covid-19, as atividades são online”, relata Antônio Fernando. No sul da Bahia, a campanha está sendo divulgada nas redes sociais, no instagram: @nep_avc.

O neurologista destaca que existem dois tipos de AVCs. Um deles é o isquêmico, cujo paciente pode ter as chances de sequelas e incapacidade reduzidas se o tratamento for iniciado precocemente. O atendimento deve ser feito na chamada “janela terapêutica”, com medicação para desentupir a artéria que faz a isquemia. Esse processo deve ser feito em, no máximo, 4h30min.

O acidente vascular isquêmico ou infarto cerebral é o entupimento dos vasos cerebrais. Ele pode ocorrer devido a uma trombose, que é a formação de placas numa artéria principal do cérebro; ou embolia, quando a placa de gordura originária de outra parte do corpo se solta e, pela rede sanguínea, chega aos vasos cerebrais.

AVC HEMORRÁGICO

O outro tipo de AVC é o hemorrágico, que ocorre com o rompimento dos casos sanguíneos. Há casos também que ocorre o subtipo de AVC hemorrágico subaracnóide, com o sangramento entre o cérebro e a aracnóide (uma das membranas que compõe a meninge). “Esse subtipo causa pressão intracraniana e provoca altos índices de mortalidade”, observa o médico.

O neurologista orienta que, em caso de suspeita de AVC, a pessoa deve ser levada imediatamente para o hospital. “Quanto o mais rápido a pessoa chegar a um hospital, maiores são as chances da isquemia ser revertida e deixar menos sequelas. Temos estudos mostrando que, a cada minuto em que o cérebro fica em isquemia, morrem aproximadamente dois milhões de neurônios, o que pode comprometer os movimentos”.

Antônio Fernando destaca que existem fatores de riscos modificáveis e não modificáveis. Em um dos grupos devem ser incluídos a genética e a idade, pois quanto mais velha a pessoa fica maior é o risco de sofrer um AVC. “Mas a doença também está relacionada ao estilo de vida. Por isso, há muitos jovens, com idade entre 30 e 45, entre as vítimas de AVC,” explica.

HIPERTENSÃO E DIABETES

No grupo dos casos modificáveis estão pessoas com hipertensão, diabetes, consumo frequente de álcool e drogas, colesterol elevado, estresse, doenças cardiovasculares, sedentarismo e doenças do sangue. Esses fatores de risco do segundo grupo são responsáveis por 90% dos casos de isquemia. Isso significa que o AVC é prevenível em 9 em cada 10 casos. “Sendo que a hipertensão arterial não cuidada está no topo do ranking”.

O médico Antônio Fernando explica que entre os sintomas comuns aos acidentes vasculares cerebrais estão dor de cabeça muito forte, fraqueza ou dormência na face, nos braços ou nas pernas, perda da visão, paralisia, perda súbita da fala, tontura e perda da capacidade de planejar as atividades rotineiras.

O neurologista conta que existe uma sequência de letras que é sempre usada, que é o “Samu”. “O S de sorriso, A de abraço, M de música e U de urgência. Isso significa que se pessoa sorrir e a boca fica torta, vai dá um abraço e o braço está fraco e vai cantar uma música e está com a fala embolada, ligue imediatamente para o Samu porque pode ser um AVC”, orienta.

HIPERTENSÃO ATINGE 24,7% DOS BRASILEIROS QUE RESIDEM EM CAPITAIS; VEJA COMO SE PREVENIR

Tempo de leitura: 2 minutos

Hipertensão afeta praticamente um quarto dos moradores de capitais no Brasil

Uma pesquisa do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018) mostrou que a hipertensão atinge 24,7% dos moradores das capitais do Brasil. Do grupo de entrevistados, 60,9% de pessoas com mais de 65 anos disseram ser hipertensas. É o grupo mais significativo. Entre os entrevistados com idades entre 45 e 54 anos, 49,5% afirmaram ter hipertensão. Os dados foram divulgados hoje (17), no Dia Mundial da Hipertensão. O Vigitel 2018 entrevistou 52.395 pessoas nas capitais brasileiras.

Além disso, a pesquisa mostra que a doença, também conhecida como “pressão alta”, atinge mais pessoas no Rio de Janeiro, Maceió, João Pessoa e Vitória. Já São Luís, Porto Velho, Palmas e Boa Vista são as capitais com menor incidência de hipertensão entre seus habitantes.

Dados preliminares do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde mostram que, em 2017, o Brasil registrou 141.878 mortes devido a hipertensão ou a causas relacionadas a ela. Isso significa que 388,7 pessoas morreram a cada dia. Segundo o ministério, grande parte dessas mortes é evitável e 37% dessas mortes são precoces, ou seja, em pessoas com menos de 70 anos de idade.

O sal de cozinha é um dos maiores vilões da pressão alta. Isso porque o seu principal componente é o sódio, presente também em alimentos industrializados. Dados do ministério revelam ainda que, embora 90% dos homens e 70% das mulheres consumam mais sal do que o máximo recomendado, 85,1% dos brasileiros adultos consideram seu consumo de sal adequado.

PREVENÇÃO E TRATAMENTO

Para o combate à hipertensão, o ministério recomenda a adoção de um estilo de vida saudável desde a infância até a terceira idade e a realização dos exames de saúde pelo menos uma vez no ano. A prática de exercícios físicos é outro hábito recomendado pela pasta.

Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) fornece medicamentos para hipertensão em unidades básicas de saúde e em cerca de 31 mil unidades farmacêuticas credenciadas ao programa Farmácia Popular.

Para retirar os remédios, é preciso apresentar um documento de identidade com foto, CPF e receita médica dentro do prazo de validade (120 dias). A receita pode ser emitida por um profissional da rede pública ou de hospitais e clínicas privadas.

CAMPANHA ALERTA PARA OS RISCOS DA PRESSÃO ALTA

Tempo de leitura: 2 minutos

Campanha alerta para os cuidados com a pressão alta || Foto Marcelo Camargo

Para alertar a população dos riscos da pressão alta, a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) inicia hoje (26), Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão, a campanha Meça sua Pressão. A iniciativa visa a informar e orientar sobre a importância de fazer a aferição regular da pressão arterial e de como prevenir a doença. São consideradas hipertensas pessoas com pressão arterial maior que 140/90 mmHg, mas, de acordo com a nova diretriz americana, esse parâmetro já baixou para 130/80 mmHg.
“A hipertensão arterial é uma doença silenciosa, pois não causa sintomas e é progressiva. Atinge homens e mulheres e 32,5% dos brasileiros sofrem com ela”, explica a enfermeira Grazia Guerra, coordenadora da campanha, que contará com programação extensiva na capital paulista.
Haverá ainda uma ação conjunta com o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, representante brasileiro para a ação MMM-18 da Sociedade Internacional de Hipertensão. Em termos globais, a campanha visa a medir a pressão arterial de cerca de 25 milhões de pessoas durante o mês de maio, dedicado mundialmente à hipertensão arterial.
Coordenadora médica do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, Roberta Saretta explicou durante bate-papo que a hipertensão é multifatorial, elevando em torno de 30% o risco de qualquer pessoa ser hipertensa. “Isso tendo uma vida regrada, sendo magro, fazendo exercícios, com uma qualidade de vida adequada, dieta equilibrada, essa chance é de 30%. Porém, se a gente ajuda o meio ambiente no sentido negativo, ou seja, se não faz atividade física, está com excesso de peso, tem alimentação com excesso de sal, fuma, não tem sono adequado, então isso incrementa enormemente o risco [de ser hipertenso]”, adverte.
A cardiologista Amanda Gonzales Rodrigues lembrou que o exercício físico é fundamental para combater a hipertensão. “Os números mostram que a prevalência de hipertensão nos últimos dez anos aumentou 14%, de obesidade, 60%, e a prática de exercícios aumentou somente 7%. Segundo ela, o exercício é uma das estratégias mais importantes tanto na prevenção quanto no tratamento.
FATORES DE RISCO
De acordo com o Hospital Sírio-Libanês, no Brasil a hipertensão arterial atinge 32,5% (36 milhões) de indivíduos adultos, mais de 60% dos idosos, contribuindo direta ou indiretamente para 50% das mortes por doença cardiovascular. “Dados do Ministério da Saúde mostram que um em cada cinco indivíduos sofrem da doença e apenas 20% fazem o controle adequado”, explica o diretor do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, Roberto Kalil Filho.
Diversos fatores contribuem para a elevação da pressão arterial, entre eles o envelhecimento da população, a obesidade, o consumo excessivo de sal, sedentarismo e o uso abusivo de bebida alcoólica e drogas. A melhor forma de combater a doença, além da utilização de medicação adequada, é adotar hábitos saudáveis, alimentação rica em frutas, oleaginosas e sais minerais, além da prática de exercícios físicos. Da Agência Brasil.

VOCÊ CONSEGUIU DORMIR BEM ESTA NOITE?

Tempo de leitura: 2 minutos

dr gustavo2Gustavo Leal de Lucena Tavares

A maioria das pausas respiratórias não é passível de ser observada durante o sono sem o monitoramento adequado feito em um Instituto do Sono

A correria e do stress do dia a dia, associado à alimentação de má qualidade, levando ao sobrepeso e obesidade de grande parcela da população, acabamos desenvolvendo distúrbios que nos impedem de obter uma boa noite de sono.

Os distúrbios mais frequentes são o ronco e a apneia do sono (Síndrome da Apneia e Hipopneia Obstrutiva do Sono – Sahos). A Apneia do sono é uma parada na respiração, durante o sono, maior ou igual a 10 segundos. Quanto maior o número de apneias, maior a gravidade do quadro clínico.

Os sintomas mais frequentes da Sahos são sonolência excessiva diurna, fadiga, sensação de sono não reparador, alterações do afeto, humor e comportamento em geral (depressão, ansiedade e irritabilidade) e alterações cognitivas (piora da concentração, atenção e memória).

Quando este quadro se apresenta e não é diagnosticado nem tratado com eficácia, pode resultar em alterações metabólicas no organismo e, consequentemente, em alterações hormonais, obesidade, aumento do colesterol e triglicérides, hipertensão arterial e arritmias cardíacas.

Há, ainda, risco de o paciente sofrer doenças cardiovasculares (infarto, angina) e cerebrovasculares, comparáveis ao risco oferecido pelo tabagismo e obesidade. Inclusive, está claro na medicina atual que o tripé apneia do sono-obesidade-hiperaldosteronismo (um hormônio) dificulta o controle da pressão arterial de muitos indivíduos, levando ao quadro de hipertensão refratária.

Na suspeita do distúrbio do sono, um otorrinolaringologista deve ser consultado, pois a maioria das pausas respiratórias não é passível de ser observada durante o sono sem o monitoramento adequado feito em um Instituto do Sono. Por isso, caso perceba um ou mais dos sintomas correlacionados abaixo, procure um médico especialista o mais breve possível.

1. Você ronca?
2. Engasga ou fica sem ar durante o sono?
3. Alguém lhe disse que você parou de respirar enquanto dormia?
4. O seu peso mudou nos últimos 5 anos?
5. Cochila com facilidade?
6. Sente dificuldade de concentração?
7. Tem tido dificuldade de memória?
8. Tem dores de cabeça pela manhã?
9. Tem se sentido depressivo?
10. Irrita-se com facilidade?
11. Tem tido insônia ultimamente?

Gustavo Leal de Lucena Tavares é medico otorrinolaringologista, cirurgião plástico facial e diretor do Otoclin (Centro Avançado de Otorrinolaringologia e Instituto do Sono).

ANVISA SUSPENDE LOTE DE MEDICAMENTO PARA HIPERTENSÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu hoje (19) a distribuição, comercialização e o uso, em todo o território nacional, do Lote nº 713005 do medicamento Aldosterin (Espironolactona 100mg, cartela com 16 comprimidos). O produto, fabricado pela empresa Aspen Pharma Ind. Farm. Ltda., tem validade até 4/2016.
De acordo com a Anvisa, a suspensão se deve a resultados insatisfatórios obtidos em ensaios de descrição de amostra e aspecto. A Anvisa determinou ainda que a empresa promova o recolhimento do estoque existente no mercado. A medida foi publicada hoje no Diário Oficial da União.

O REMÉDIO PARA A HIPERTENSÃO DE LULA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Marco Wense

A nova pesquisa do instituto Vox Populi sobre a corrida presidencial, que aponta uma queda de 14 pontos na diferença entre José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), é um santo remédio para a crise de hipertensão do presidente Lula.

Pelo andar da carruagem, o “vou votar na menina do presidente Lula, aquela lá de Brasília”, como anda dizendo os eleitores das regiões nordestinas, se espalha como rastilho de pólvora.

O pior, para o desespero do tucanato, é que a capacidade de transferência de votos do presidente Lula não foi exaurida. O Lula, como cabo eleitoral, ainda tem muita energia armazenada.

A pequena diferença de 7 pontos (Serra 34%, Dilma 27%) vai acelerar os pedidos de “pelo amor de Deus” para que o governador de Minas, Aécio Neves, aceite o convite para ser o vice de Serra.

O articulador-mor da chapa puro sangue ou, então, tucano-tucano, é o deputado federal soteropolitano Antônio Carlos Peixoto de Magalhães Neto, o ACM Neto, do Partido do Democratas (DEM).

Abaixo, vídeo dos primeiros atendimentos médicos ao presidente Lula, em Recife (PE), na quarta, à noite.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Back To Top