skip to Main Content
11 de abril de 2021 | 04:44 am

HOSPITAL DE BASE VAI ABRIR MAIS 5 LEITOS DE UTI COVID, ANUNCIA AUGUSTO

Prefeito fez anúncio nesta segunda-feira (22)
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães vai ampliar de 18 para 23 o número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para tratamento da Covid-19, conforme anúncio feito hoje (22) pelo prefeito de Itabuna, Augusto Castro (PSD), em entrevista ao Brasil Urgente, telejornal da Band Bahia.

O hospital é do município, mas atende pacientes de toda a região. Na manhã desta segunda-feira, apenas 4 dos 18 leitos de UTI estavam disponíveis. As novas unidades passarão a funcionar ainda hoje.

Devido ao crescimento dos casos e das internações provocadas pela Covid-19, conforme o prefeito, a necessidade de adotar medidas para conter o avanço do novo coronavírus se impôs.  “As medidas que adotei em Itabuna, o prefeito Bruno Reis [PSDB], em Salvador, e o governador Rui Costa [PT] são amargas, mas necessárias. A sociedade sabe dos riscos. Por isso, é preciso evitar aglomerações. Precisamos de esforços concentrados para diminuir as curvas de contaminação”, conclamou.

Nesse domingo (21), data do boletim epidemiológico mais recente da Prefeitura, apenas 1 dos 28 leitos de UTI Covid dos hospitais de Itabuna estava disponível. O vírus já matou 394 moradores do município. Atualizado às 18h56min.

ITABUNA: APÓS ACORDO COM O MPT, HOSPITAL DE BASE ABRE 72 VAGAS EM PROCESSO SELETIVO

Tempo de leitura: 2 minutos

Hospital de Base de Itabuna faz processo seletivo com 72 vagas

Após acordo judicial firmado com o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Hospital de Base de Itabuna abriu 72 vagas para contratação de médicos e cirurgiões dentistas. Os salários variam de R$ 5 mil a R$ 13,4 mil, a depender da carga horária e da especialidade. As inscrições são apenas presenciais e devem ser feitas no hospital, no Loteamento Nossa Senhora das Graças, em Itabuna.

Pelo acordo judicial, os profissionais serão contratados pela Fundação de Atenção à Saúde de Itabuna (Fasi) em regime celetista. O contrato, de acordo com o MPT e o edital da seleção pública, terá duração de 22 meses, podendo ser prorrogado por igual período.

O acordo para o processo seletivo foi feito após o MPT ingressar com uma ação de execução de termo de ajuste de conduta que vinha sendo descumprido havia anos pelo município. O MPT concordou em reduzir drasticamente os valores que a Fasi deveria pagar à sociedade em multas por descumprimento do TAC assinado em 2010 caso a Fundação se comprometesse a substituir os contratos pejota por contratos temporários enquanto providencia a contratação efetiva dos profissionais de saúde como servidores efetivos.

CLIQUE E CONFIRA EDITAL COMPLETO

No TAC, segundo o procurador do MPT Ilan Fonseca, responsável pelo caso, havia previsão de pagamento de multa de R$20 mil por cada um dos itens descumpridos. “O ajuste de conduta tratava da obrigação de manter o pagamento dos salários em dia e o recolhimento de contribuições e demais obrigações trabalhistas, mas houve um claro e incontestável descumprimento, o que nos fez ingressar na Justiça. Mas para evitar um prejuízo ainda maior à sociedade, concordamos em converter a maior parte dessa multa em obrigação de substituir os contratos PJ por contratos temporários até o concurso”, explicou.

SEM CONCURSO PÚBLICO

O acordo foi negociado entre o MPT e a Fasi e foi homologado na 1ª Vara do Trabalho de Itabuna. Nele, ficou decidido que a Fasi publicaria o edital para contratação pela CLT em regime temporário de médicos e cirurgiões dentistas. A contratação do servidor por meio de contratos temporários se deve à inexistência de legislação municipal prevendo cargos públicos para médicos a serem preenchidos pela Fasi e pela situação irregular de contratação de pessoas jurídicas, em desacordo com as regras celetistas.

Leia Mais

É PRA FAZER MÁGICA?

Tempo de leitura: < 1 minuto

Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães(1)O presidente da fundação mantenedora do Hospital de Base de Itabuna, Paulo Bicalho, está de pés e mãos atados. As ingerências políticas têm levado a administração a praticamente manter o quadro funcional encontrado no início da gestão: antes o hospital trabalhava com 800 funcionários – muitos não pisavam os pés lá nem para receber o dinheiro, pois este caía direto na conta. Hoje, são 750.
Diante do quadro, pergunta-se: esperam que o novo dirigente faça mágica e coloque o Hblem para funcionar com esse excedente de funcionários, muitos sem o que fazer tal o excesso de pessoal?

GREVE SUSPENSA APÓS NOVO ACORDO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Funcionários retornaram ao trabalho após nova promessa de dirigentes da Saúde.

Funcionários retornaram ao trabalho após nova promessa de dirigentes da Saúde.

A greve dos funcionários do Hospital de Base de Itabuna foi suspensa com a nova promessa do secretário municipal de Saúde, Renam Araújo, de quitar, integralmente, o salário de dezembro dos servidores nesta sexta, 22. Os funcionários do hospital municipal esperam, para a mesma data, o pagamento do salário de fevereiro.
A paralisação, iniciada ontem, se deve a uma quebra de acordo dos dirigentes da saúde, que prometeram pagamento do atrasado de dezembro para o último dia 13. A não-quitação é atribuída a mudanças no sistema de repasses de recursos da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab).

HOSPITAL VETERINÁRIO?

Tempo de leitura: < 1 minuto


A imagem acima é da área de estacionamento do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, em Itabuna. De acordo com funcionários, a invasão de animais de grande porte se tornou comum no único hospital público do município e referência regional.

Os animais aproveitam resíduos lançados em lixeiras espalhadas nas áreas de estacionamento e também fazem “visita” constante ao depósito onde também é jogado resíduo hospitalar (foto abaixo).

CONFUSÃO NO GABINETE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Quase acaba em “vias de fato” uma discussão que reuniu o prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo (DEM), o deputado estadual Coronel Santana (PTN), a gestora do Hospital de Base, Gilnay Santana, e Antonio Carrero, ex-diretor-administrativo do hospital.
Todos tiveram um dedinho de prosa com Azevedo, ao final da tarde de ontem. Gilnay e o irmão-coronel expuseram ao prefeito os esqueletos deixados no armário pelo ex-diretor.
O clima esquentou e sobraram acusações dos irmãos Gilnay e Santana contra Carrero, principalmente contra notas fiscais supostamente geladíssimas. No calor das discussões, sobraram palavras como moleque, safado, ladrão e coisas do gênero. Azevedo pediu calma a Santana, que prometeu não deixar barato para o ex-diretor do Hblem.

Back To Top