skip to Main Content
10 de abril de 2020 | 03:37 pm

CRISE NA SAÚDE: HOSPITAL MANOEL NOVAES SUSPENDERÁ ATENDIMENTO PELO SUS

Hospital Manoel Novaes suspenderá atendimento de alto risco
Tempo de leitura: 4 minutos

A provedoria da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna informou que suspenderá o atendimento para parto de alto risco a partir do dia 16 de março. O comunicado foi feito por meio de nota de esclarecimento em que a provedoria cita “a grave situação em que se encontra o serviço de obstetrícia” em Itabuna.

De acordo com a provedoria, o serviço foi afetado com as constantes quebras de acordo por parte da Maternidade Ester Gomes (Maternidade da Mãe Pobre), com várias suspensões de atendimento e, ainda, greve de um mês no serviço no período de dezembro de 2019 a janeiro deste ano (confira na nota abaixo). Segundo a Santa Casa, há sobrecarga de trabalho.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, mantenedora do Hospital Manoel Novaes, torna pública a grave situação em que se encontra o serviço de obstetrícia, colocando em risco a continuidade do atendimento às pacientes usuárias do Sistema Único de Saúde.

Com efeito, desde 01 de agosto de 2019, foi convencionado com a Secretaria de Saúde do Município de Itabuna, que o Hospital Manoel Novaes continuaria atuando na área de obstetrícia em regime de portas reguladas, com dedicação às pacientes de alto risco, o que ensejou a readequação dos plantonistas obstetras. Naquela oportunidade ficou estabelecido que as gestantes classificadas como de baixo risco seriam atendidas por outra unidade de saúde.

Acontece, todavia, que o que foi convencionado não foi do cumprido de forma correta, pois embora esteja recebendo exclusivamente para atender as parturientes de alto risco, o Hospital Manoel Novaes vem recebendo diuturnamente um elevado número de pacientes classificadas com de risco habitual (baixo risco), sobrecarregando os plantonistas.

Leia Mais

ITABUNA: EXAMES EM CRIANÇA DÃO NEGATIVOS PARA NOVO CORONAVÍRUS, DIZ SECRETÁRIO

Vilas-Boas diz que crescimento na Bahia se mantém na média de 23%
Tempo de leitura: < 1 minuto

Saiu ao final da manhã desta quarta-feira (26) o resultado de exames feitos na criança, internada no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, que apresentava quadro suspeito do novo coronavírus. De acordo com o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, o resultado deu negativo.

– O bebê internado em Itabuna com suspeita de infecção pelo Novo Coronavírus (Covid-19) testou positivo para OUTROS VÍRUS: Rhinovirus e Coronavírus NL-63 (variante sem importância clínica maior e não relacionada ao Covid-19). Dessa forma está excluído o caso suspeito – escreveu Vilas-Boas, por meio do Twitter.

Apesar de promover o isolamento dos pais e da avó da criança, apenas o bebê era tratado como caso suspeito do novo coronavírus. Porém, todos foram colocados em observação como medida preventiva.

Além da criança, os pais e uma avó estão sob isolamento. Os exames dos quatro, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), foram processados conforme protocolo internacional, por meio de exame PCR para Influenza e outros vírus respiratórios.

“Na amostra da criança foram detectados Rinovírus, Coronavírus NL63 e Enterovírus. Na amostra do pai foi detectado o Coronavírus NL63, na amostra mãe foram detectados Rinovírus e Coronavírus NL63, enquanto que na amostra da avó foram detectados Enterovírus e Rinovírus”, informou a Sesab por meio de nota.

“As infecções por Coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderada, semelhantes a um resfriado comum. Os coronavírus comuns que infectam humanos são alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1”, ainda segundo a nota.

ITABUNA: GREVE NA SANTA CASA ENTRA NO 2º DIA; PREFEITURA É ACUSADA DE RETER R$ 25 MILHÕES

Tempo de leitura: 2 minutos

Funcionários em mobilização em frente ao Hospital Manoel Novaes, da Santa Casa

A greve dos funcionários da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna entrou no segundo dia nesta quinta (23). A instituição emprega 1,7 mil pessoas, que entraram em greve por não terem recebido o salário de dezembro e o décimo terceiro. Os hospitais Calixto Midlej Filho e Manoel Novaes e estruturas como o Banco de Sangue de Itabuna, mantidos pela Santa Casa, estão funcionando com apenas 30% dos funcionários no período de greve.

Há pouco, a provedoria da Santa Casa emitiu comunicado no qual informa que ainda não há sinalização, por parte da Caixa Econômica, de liberação de dinheiro que possa quitar os atrasados.

O recurso é oriundo de financiamento às Santas Casas e que, anteriormente, tinha como previsão ser liberado no início de janeiro por parte do Governo Federal. A instituição é acusada de má-gestão por parte do governo municipal.

SOLLA: “PREFEITURA SEGURA R$ 25,5 MILHÕES”

Jorge Solla acusa prefeito Fernando Gomes de reter R$ 25 milhões para hospitais da Santa Casa || Foto Pimenta/Arquivo

Para piorar a situação, a Prefeitura de Itabuna, por meio da Secretaria de Saúde, é acusada, formalmente, pelo deputado federal Jorge Solla de reter R$ 25,5 milhões da Santa Casa de Itabuna, que seria, conforme ele, destinado ao município, por meio de emenda, para serviços como cirurgia bariátrica.

O parlamentar decidiu acionar o Ministério Público Estadual (MP-BA) contra o prefeito Fernando Gomes e solicitou intervenção política do governador Rui Costa, dos senadores baianos e do secretário estadual de Saúde, Fábio Villas-Boas.

– Infelizmente, o uso do cachimbo deixa a boca torta. O atual prefeito tem o DNA do autoritarismo. Age como coronel carlista, que sempre foi, ao se apropriar de R$ 25 milhões do SUS, dinheiro que nunca foi dele. Sua atitude paralisa e sufoca financeiramente serviços de saúde tão importantes, estão ameaçados de morte – afirmou Solla, reforçando que o valor está disponível na conta da Prefeitura desde dezembro último.

SECRETÁRIO CONFIRMA E SUGERE RATEIO

A revelação de Solla provocou uma reunião extraordinária do Conselho Municipal de Saúde. Durante a reunião, o secretário de Saúde de Itabuna, Uildson Nascimento, confirmou que os R$ 25,5 milhões estão no Fundo Municipal de Saúde, mas o recurso não seria de emenda, mas de programa específico.

Ainda durante o encontro com membros do Conselho, Uildson propôs que esse montante fosse rateado entre hospitais. No rateio, a divisão ficaria R$ 5 milhões para o Calixto Midlej, R$ 5 milhões para o Hospital de Base, R$ 3 milhões para a Maternidade Ester Gomes (Mãe Pobre) e apenas R$ 1 milhão para o Manoel Novaes, além de R$ 10 milhões para o Fundo Municipal. As partes ficaram de analisar a legalidade do rateio.

MATERNIDADE FECHA E ATENDIMENTO SERÁ FEITO PELO NOVAES E UPA A PARTIR DO DIA 14

Tempo de leitura: 2 minutos

Secretário estadual confirmou retomada de serviços no Novaes

O atendimento obstétrico e pediátrico será restabelecido em Itabuna após uma intervenção da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) na rede assistencial da região. A decisão foi tomada na noite desta terça-feira (8) durante uma reunião entre o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, e representantes da prefeitura de Itabuna, da Santa Casa de Misericórdia, Hospital de Base e Fundação Fernando Gomes. A direção da Santa Casa confirmou a reabertura para casos de ginecologia e obstetrícia (partos) em reunião com médicos e provedoria nesta manhã de quarta (9).

Com a decisão de fechamento da Maternidade Ester Gomes (Mãe Pobre), confirmada pelo conselheiro Sérgio Gomes, presente à reunião, os atendimentos de obstetrícia e ginecologia daquela unidade serão transferidos integralmente para o Hospital Manoel Novaes, pertencente à Santa Casa de Misericórdia de Itabuna. Já os atendimentos pediátricos serão absorvidos, a partir da próxima segunda-feira (14), pela UPA municipal, que será equipada e terá os profissionais contratados ao longo dos próximos dias.

Uma novidade para a população de Itabuna será os dois novos Pronto Atendimentos Pediátricos que serão inaugurados pela Prefeitura nos bairros de São Caetano e de Nova Itabuna. As Unidades Básicas de Saúde daquelas localidades serão transformadas em Unidades Mistas e passarão a contar com pediatras de segunda a sábado das 7h às 19h e estarão aptas a pequenos atendimentos de urgência, como nebulização e reidratação oral.

O novo desenho da rede materno-infantil de Itabuna só foi possível graças à intervenção do secretário estadual, que convocou todos os envolvidos para uma reunião emergencial na sede da Secretaria da Saúde do Estado, em Salvador. Vilas-Boas já havia alinhado desde o último dia 18 de setembro uma solução com representantes da Santa Casa e da Prefeitura de Itabuna e batido o martelo com o prefeito Fernando Gomes.

Porém, a decisão da Maternidade Ester Gomes de fechar as portas para o atendimento obrigou a se buscar um novo arranjo da rede. “Estou confiante que o novo desenho que acordamos aqui resultará no fortalecimento da rede de atendimento à urgência materno-infantil de Itabuna e região”, afirmou Vilas-Boas.

HOSPITAL MANOEL NOVAES VOLTARÁ A ATENDER PELO SUS SEM RESTRIÇÕES, DIZ SECRETÁRIO

Tempo de leitura: 2 minutos

Rui diz que atendimento pediátrico será normalizado || Foto Pimenta

Atendimento no Manoel Novaes será normalizado

O governador Rui Costa e o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, asseguraram que o atendimento pediátrico no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, não terá mais as restrições impostas pelo município em agosto. A garantia foi dada durante a inauguração da Policlínica Regional de Saúde, em Itabuna, hoje (20).

Desde o mês passado, partos e atendimentos de baixa e média complexidade na área pediátrica têm sido feitos apenas na Maternidade Ester Gomes (Mãe Pobre), por decisão da Secretaria de Saúde de Itabuna. Apenas os de alta complexidade eram direcionados, pela Central de Regulação, para o Hospital Manoel Novaes. Essa restrição cairá, de acordo com Rui e Fábio Vilas Boas.

Durante a coletiva, Rui Costa enfatizou que alguns municípios – caso de Itabuna – têm a gestão plena da Saúde e autonomia para agir, porém o governo estadual, via Sesab, está dialogando em busca de soluções. “O secretário Fábio Vilas-Boas fez reunião com toda a rede hospitalar da região [para tratar dos atendimento]”, disse em resposta a pergunta do blog.

REUNIÃO COM A REDE HOSPITALAR

O secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas Boas, disse que, durante a reunião, ficou decidido que o atendimento na rede hospitalar será normalizado. “Nós fizemos uma reunião ontem com todos os diretores de hospitais e com o secretário de Saúde de Itabuna, Uildson Nascimento. E chegamos a um entendimento que vai viabilizar o retorno ao funcionamento normal da rede”, disse ele ao PIMENTA.

Governador e secretário inauguraram, nesta manhã de sexta, a 13ª Policlínica Regional de Saúde do Estado. A nova policlínica atenderá pacientes do SUS de 29 municípios do sul e centro-sul da Bahia em Itabuna.

Veja também

https://www.pimenta.blog.br/2019/09/20/rui-se-nega-falar-sobre-lula-e-politica-na-inauguracao-de-policlinica-em-itabuna/


———–

FACULDADE DE ILHÉUS FAZ PRIMEIRA CIRURGIA DE PACIENTE COM FISSURA LABIOPALATINA

Tempo de leitura: 3 minutos

O anestesista Paulo de Tarso, as estudantes Larissa Emily e Iana Midlej, e o professor David Moreira

O curso de Odontologia da Faculdade de Ilhéus realizou a primeira cirurgia resultante do projeto de atendimento a pacientes com fissura labiopalatina, serviço pioneiro na região sul e extremo-sul da Bahia. O procedimento ocorreu no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, que mantém convênio com a instituição de ensino superior.

A primeira paciente foi K.A.S.O, de 2 anos, de Itajuípe, submetida a uma palatoplastia realizada pelo cirurgião-dentista bucomaxilofacial David Moreira, acompanhado pelo anestesista Paulo de Tarso. O projeto conta a colaboração gerencial das estudantes do 8º semestre do curso de Odontologia Larissa Emily e Iana Midlej, sob a orientação e supervisão do professor David Moreira.

Segundo o coordenador do curso, Fábio Silveira, o principal objetivo do projeto é restabelecer não só a estética, mas a autoestima dos pacientes, além de corrigir problemas na fala ou na ingestão de alimentos que possam causar algum constrangimento. Silveira informa ainda que o projeto abrange municípios como Ilhéus, Itabuna, Camacan, Canavieiras, Itajuípe, Itororó, Uruçuca e Itacaré, entre outros.

Fissura labiopalatina atinge uma em cada 550 crianças

De acordo com o professor David Moreira, coordenador do projeto, este é um momento mágico do curso de Odontologia. “Foi a realização de um sonho, pois esse serviço na Bahia é realizado pela UFBA (Universidade Federal da Bahia) e agora também pela Faculdade de Ilhéus. Gostaria de dividir com todos essa realização e o momento de enorme satisfação para nosso curso”, comemorou o professor juntamente com os alunos.

O Projeto de Extensão Fissurados, aprovado pelo Núcleo de Iniciação Cientifica Pesquisa e Extensão (NICPEX) da Faculdade de Ilhéus, em 2018, promove atendimento especializado odontológico, e cirúrgico, a adultos e crianças com fissuras labiopalatinas, e mantém ações conveniadas com hospitais de Ilhéus e de Itabuna.

Ele acrescenta que há mais três cirurgias agendadas para este mês e adiantou que, a partir de agora, será intensificado o processo de interdisciplinaridade com os cursos da área de saúde – Nutrição, Enfermagem e Psicologia – a fim de aprimorar a necessária assistência a esses pacientes.

A fissura labial é a separação do lábio superior em duas partes, algo que atinge um em cada 550 bebês no Brasil. Tal como a fissura palatina, a fissura labial é causada pela junção inadequada dos dois lados da face quando o bebê ainda está no útero. Embora ninguém saiba ao certo o porquê desta deficiência, ela tende a ser hereditária. A fissura palatina ocorre quando há uma abertura direta entre o palato, ou céu da boca, e a base do nariz.

Os pacientes que procuram esse tipo de cirurgia devem manter contato com a Clínica de Odontologia da Faculdade de Ilhéus, pelo telefone (73) 3201.1720, para agendamento. O atendimento acontece às sextas-feiras, pela manhã, das 8h às 11h30min, quando é feito o exame clínico, pedidos de exames complementares e procedimentos odontológicos necessários para a realização das cirurgias, que são totalmente gratuitas.

AGRAVAMENTO DA CRISE NA SAÚDE DE ITABUNA

Tempo de leitura: 3 minutos

Raimundo Santana

 

 

Os serviços ofertados na UPA foram reduzidos – para diminuir custos – e o Hospital São Lucas e o Cemepi (pediátrico) fecharam, mas esses valores não foram alocados em novos serviços. Ainda assim, com a “sobra” a Secretaria de Saúde de Itabuna não consegue pagar com regularidade os prestadores em funcionamento, apesar de receber rigorosamente do Fundo Nacional de Saúde

 

 

A população de Itabuna, que tem sofrido sucessivas perdas de oferta de serviços de saúde nos últimos tempos, irá se deparar com mais um risco de desassistência. No dia 31 de julho de 2019, encerra-se o contrato de prestação de serviços de saúde entre o Hospital Manoel Novaes (Santa Casa de Misericórdia) e o poder público municipal.

A Santa Casa tem debatido nas suas instâncias internas. Inclusive, apresentou os números do balanço financeiro da instituição no Conselho Municipal de Saúde, em reunião que contou com a presença do Secretário Municipal de Saúde. Durante a reunião, o consenso entre os presentes foi de que a situação da Instituição é preocupante.

O Hospital Manoel Novaes, unidade materno-infantil cujo atendimento é 90% SUS, referenciada na realização de partos de alto risco, está entre as três unidades hospitalares que realizam cirurgias pediátricas no Estado – as outras são Hospital Martagão Gesteira, em Salvador, e Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana. O Manoel Novaes é uma das duas instituições hospitalares que realizam atendimentos em oncologia pediátrica no estado. Nessa especialidade, o hospital itabunense atende a pacientes de mais de 300 municípios do Estado da Bahia.

Na apresentação, a Santa Casa informou um déficit operacional mensal de R$ 1 milhão e 457 mil, que, segundo a mesma, vem sendo debatido com a SESAB e com a Secretaria Municipal de Saúde, sem, contudo, receber dos entes públicos garantias de um encaminhamento que sane tal dificuldade até o momento. O coordenador administrativo da Santa Casa de Itabuna, André Wermann, afirmou que não será possível manter a instituição nesse nível de endividamento contínuo, sob pena de inviabilizá-la.

A politica de saúde em Itabuna precisa passar por um debate importante de financiamento e viabilidade de manutenção dos serviços de saúde em funcionamento, necessariamente envolvendo SESAB e Secretaria Municipal de Saúde. É importante registrar que os valores mensais de repasses da MAC (média e alta complexidade) para Itabuna são insuficientes – cerca de 8 milhões e 400 mil reais.

Por sua vez, os serviços ofertados na UPA foram reduzidos, para reduzir custos, o Hospital São Lucas e o Cemepi (pediátrico) fecharam e esses valores não foram alocados em novos serviços. Ainda assim, com a “sobra” a Secretaria de Saúde de Itabuna não consegue pagar com regularidade os prestadores em funcionamento, apesar de receber rigorosamente em dia do Fundo Nacional de Saúde, por volta do dia 12 de cada mês, o que agrava e muito a situação dos prestadores. Isso é inexplicável.

Se não quisermos passar pela destruição total do sistema de saúde em nosso município, precisamos também de uma atuação contundente do Conselho Municipal de Saúde, do Ministério Público Estadual (MP-BA) e da Vara da Fazenda Pública para que esses abusos de poder praticados pelas autoridades politicas sejam coibidos. Assim, asseguramos a assistência e proteção aos usuários dos serviços de saúde.

Raimundo Santana é dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Itabuna e Região (Sintesir).

SOBRE O FECHAMENTO DO CEMEPI

Tempo de leitura: 2 minutos

Raimundo Santana | jrsantana13@gmail.com
 

O Sintesi requereu ao Ministério Público Estadual que promova uma mediação com o Município de Itabuna e a direção do CEMEPI, com vistas a tentar encontrar uma saída negociada em que os mais afetados não sejam os usuários do SUS, sobretudo os mais carentes.

 
Há uma guerra de versões sobre o fechamento do CEMEPI. A direção da unidade hospitalar alega que os recursos pagos pelo Município de Itabuna são insuficientes para manter a instituição, que funciona com 100% SUS com portas abertas, com pronto-socorro funcionando 24 horas. Afirma que só está em funcionamento, ainda, por causa do repasse mensal de um subsídio de R$ 100.000,00 que as duas gestões municipais anteriores faziam – e levantou o repasse ideal para abrir uma negociação, que já se arrasta, faz bom tempo, sem encaminhamento concreto.
Por sua vez, o secretário de Saúde, Isaac Nery, alega que já paga além do faturado pelo hospital e a direção da unidade hospitalar foi inflexível e precipitada no processo, não deixando margem para negociação que viabilize a manutenção do funcionamento do hospital. O secretário prometeu buscar uma alternativa com outro prestador que propicie a manutenção dos leitos que eram utilizados pelo CEMEPI. O hospital fazia cerca de 470 consultas/mês e cerca de 100 internamentos/mês.
Na verdade, o que está em jogo é a manutenção ou não de uma importante parcela do atendimento pediátrico em Itabuna e região com o fechamento de uma unidade hospitalar com 50 anos de serviços prestados, que emprega diretamente 46 funcionários.
Quando se fala em buscar alternativa de internamento para absorver essa demanda, não é tão simples assim. A Maternidade Ester Gomes encontra-se à beira da falência, com cerca de 7 meses de salários atrasados deixados pela gestão anterior e cerca de 3 meses de salários atrasados da atual gestão, problema com pagamento de folha médica, etc.
Já o hospital Manoel Novaes tem um papel importante no atendimento de pediatria, atendendo SUS e convênios de Itabuna e região, com uma considerável sobrecarga. A UPA chegou a ser um alento no atendimento de pediatria em nossa cidade, contudo o Município renegociou o contrato com o instituto que administra a unidade alterando de R$ 900 mil para R$ 500 mil o contrato e reduzindo os serviços. Porém, já no pagamento da primeira fatura, quitou-se apenas R$ 350 mil. Como ato final, os médicos pediram demissão coletiva.
O financiamento da SUS deveria ser tripartite (União, Estado e Município). Todavia, o gestor municipal não leva esse fato em consideração. Essa inobservância está transformando Itabuna e demais cidades da região em cemitérios de hospitais.
A partir dessa realidade, o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Itabuna (Sintesi) requereu ao Ministério Público Estadual que promova uma mediação com o Município de Itabuna e a direção do CEMEPI, com vistas a tentar encontrar uma saída negociada em que os mais afetados não sejam os usuários do SUS, sobretudo os mais carentes.
Raimundo Santana é dirigente do Sintesi.

PROGRAMA RODA DE CONVERSA ORIENTA GESTANTES EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Roda de conversa atende moradores de Itabuna

Implantado há pouco mais de um ano no Hospital Manoel Novaes, o programa Roda de Conversa já beneficiou centenas de mães em Itabuna. Elas recebem orientações sobre os momentos do pré-parto, parto e pós-parto, durante encontros realizados sempre nas quarta-feiras, às 8h. A cada semana, o programa atende moradores de um dos bairros da cidade.
A enfermeira obstetra Renata Marques explica que, durante as rodas de conversa, as mães são apresentadas aos instrumentos que irão auxiliá-las no parto de livre escolha. “Levamos as bolas, banquetas e orientamos as mães sobre o uso deles no momento do pré-parto. Elas aprendem a fazer os exercícios e são instruídas sobre o que levar para a maternidade”.
O momento é também de estreitamento de laços entre as gestantes, a unidade básica de saúde e o Hospital Manoel Novaes. “Quando passam pelas rodas de conversas, as mães chegam mais tranquilas ao hospital e sabem que serão devidamente assistidas”, disse a enfermeira.
PARTICIPAÇÃO DOS COMPANHEIROS
Além de aprender sobre diferentes tipos de parto, um momento importante durante o desenvolvimento do projeto é a participação dos pais dos bebês. “Nas rodas as mães aprendem sobre os tipos de parto, sobre a classificação de risco e como devem se comportar em cada etapa”.
A enfermeira obstetra Cristina Vieira, observa que “as mães se sentem protegidas quando recebem o apoio de seus companheiros, então, sempre falamos de como esse momento é importante para o casal e para o bebê. Os pais são levados a refletir sobre o a importância de seu papel e como ele pode ajudar a companheira também no momento do parto, pois acreditam ser um momento apenas da mulher”.

Leia Mais

CAMPANHA ESTIMULA DOAÇÃO DE LEITE MATERNO

Tempo de leitura: 3 minutos

Doação de leite materno é estimulada || Foto Valter Campanato/Agência Brasil

O Ministério da Saúde, em parceria com a Rede Global de Bancos de Leite Humano e o Programa Iberoamericano de Bancos de Leite Humano, lançou nesta sexta (18), em São Paulo, a campanha nacional Doe Leite Materno, Ajude quem Espera por Você.
O objetivo é incentivar mães que amamentam a serem doadoras, ajudando a ampliar o volume de leite humano coletado e distribuído a recém-nascidos prematuros e de baixo peso. Com o leite materno, o bebê fica protegido de infecções e diarreias, além de se desenvolver melhor, diminuindo o tempo de internação.
A iniciativa celebra o Dia Mundial de Doação de Leite Humano, a ser comemorado neste sábado (19). A madrinha da campanha é a atriz Sheron Menezzes.
“Estaremos com a campanha na mídia até o mês que vem, mas essa é uma campanha para durar o ano inteiro e até mais. As crianças nascem, as mães amamentam, e é muito provável que, no início, haja uma sobra de leite. A mãe pode ter muito mais leite do que o filho precisa. Estamos trabalhando com essa visão, a de compartilhar e salvar vidas. Temos cerca de 330 mil crianças que nascem prematuramente no brasil, por ano, e com necessidade de leite e a mãe, às vezes, ainda não tem leite para amamentar”, disse o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.
“Temos que ampliar isso [a doação de leite materno], porque salva vidas, protege os recém-nascidos e, principalmente, os que nascem prematuramente”, ressaltou Occhi, no lançamento do programa.
Segundo o ministro, qualquer quantidade doada aos bancos de leite é válida. “Qualquer miligrama é importante. Se vocês entrarem no site do Ministério da Saúde, vão encontrar os locais de coleta em todo o Brasil. Qualquer mulher que esteja amamentando pode tirar seu leite em um frasco e levá-lo para doar. Guarde na geladeira ou no freezer e leve para o local de coleta, que isso será muito bem-vindo”, disse o ministro. Dependendo do tamanho do bebê prematuro, 1 ml de leite humano pode ser suficiente para nutri-lo.
O leite materno coletado nos bancos passa por controle de qualidade antes de ser distribuído, de acordo com o Ministério da Saúde.
Entre os anos de 2009 e 2017, o Banco de Leite Humano do Brasil já beneficiou dois milhões de recém-nascidos. No ano passado, o volume coletado em todo o país atingiu 212 mil litros, beneficiando 198 mil bebês prematuros. Apesar disso, o número de doações no país ainda é baixo em relação à demanda, atingindo, aproximadamente, 60% do público a que se destina.

Hospital de Itabuna mantém banco de leite materno

DOAÇÕES
Para ser doadora de leite materno, a mãe precisa ser saudável, estar amamentando, produzindo leite em excesso e não fazer uso de nenhum medicamento que impeça a doação. No sul da Bahia, a doadora pode entrar em contato com o Banco de Aleitamento Materno do Hospital Manoel Novaes. O telefone para contato é o 73 3214.4346.
Para doar, basta que a mãe compareça a um banco de leite, onde vai receber as orientações necessárias. As interessadas devem preencher um cadastro e apresentar exames laboratoriais de sorologia realizados nos últimos seis meses. Alguns bancos oferecem serviços de busca em domicílio e kits [como gorros, máscaras e frascos de armazenamento] para garantir a qualidade do alimento doado. Redação com Agência Brasil.

Back To Top