skip to Main Content
12 de maio de 2021 | 03:14 pm

NOTA DE PESAR

Tempo de leitura: < 1 minuto

A ASSOCIAÇÃO BAHIANA DE IMPRENSA-Seccional Sul, ainda consternada com o falecimento do seu associado e primeiro presidente da entidade, o jornalista EDUARDO SILVA ANUNCIAÇÃO, ocorrido neste dia 15 de fevereiro, em Ilhéus, vem se associar ao sentimento de perda de toda a classe de comunicadores do sul da Bahia e se solidariza com a dor da esposa Selma e da filha Eduarda, manifestando à família enlutada os mais profundos pêsames pelo infausto acontecimento.
Como jornalista dos mais destacados, lidos e respeitados do sul da Bahia, nos últimos anos escrevendo diariamente a coluna Política, Gente, Poder, no Diário Bahia, EDUARDO ANUNCIAÇÃO teve ainda destacada atuação na vida estudantil, política, artística cultural e social, correspondendo integralmente ao que dele se esperava como profissional da comunicação, que com a sua perda deixa uma lacuna sentida e irreparável.
Itabuna, 15 de fevereiro de 2013
A Diretoria

JUAREZ VICENTE DEIXA UM LEGADO E SAUDADES

Tempo de leitura: 3 minutos

walmirWalmir Rosário | wallaw1111@gmail.com

A sala de aula não foi o seu principal sacerdócio, reservado ao jornalismo, um repórter dedicado, um editor que “não brigava com a notícia”

A única certeza que temos na vida é a da morte. Às vezes ela chega sem esperar e conclui sua empreitada, outras, nem tanto, encosta no indivíduo e fica ali apesar de todas as resistências, minando a saúde até concluir o seu intento. Com Juarez Vicente de Carvalho foi assim, não adiantou espernear, a morte venceu a vida.
Tristes, nós, que gostamos de Juju (apesar dele ter morrido), estamos de luto, embora sua morte não vá apagá-lo de nossas memórias. Cumpriu o ciclo da vida. Nasceu, cresceu, viveu e foi embora. Particularmente, considero a vida (o viver) uma das características mais importante de Juarez Vicente, dada a sua vontade de exercê-la em sua plenitude.
Professor de Química, Juarez deixou um legado de conhecimento repassado aos alunos, hoje homens feitos e que sentem orgulho quando falam do seu professor. Mas a sala de aula não foi o seu principal sacerdócio, reservado ao jornalismo, um repórter dedicado, um editor que “não brigava com a notícia”.
E foi assim que foi conhecido nos veículos de comunicação por que passou, notadamente nos rádios e jornais, onde tratava a notícia com seriedade, mas sem desprezar as especulações. O “Bokadefogo”, como era conhecido pelo título da coluna que sempre levou para os veículos em que trabalhava, cuspia marimbondos. Era implacável.
Com a mesma seriedade com que tratava a comunicação social nos veículos de comunicação, exercia os cargos de assessoria de imprensa de autoridades dos poderes Executivo e Legislativo com responsabilidade. Transitava bem dos dois lados do balcão, como se diz comumente no jargão do jornalismo.
E Juarez não se limitava somente ao exercício da labuta das redações e assessorias. Era um sindicalista que participava de todas as lutas dos profissionais de comunicação, compartilhando com os companheiros de congressos, mesas redondas e workshops com a mesma desenvoltura de uma mesa de negociação salarial.
Juarez Vicente - P&BSua luta está registrada na direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Bahia (Sinjorba), particularmente na Delegacia Sindical do Sul da Bahia, da qual participou como candidato da eleição mais concorrida, no final da década de 1980. Perdeu a eleição, mas não a dignidade e o ímpeto para a luta.
O Juarez Vicente das redações, que por vezes não fazia concessões para escamotear a verdade, era o mesmo Juarez Vicente poeta, com livros publicados e participação ativa na vida cultural grapiúna. Fundador do Clube do poeta, exerceu também sua presidência, cuja contribuição é por demais conhecida.
Multifacetado, ou multimídia, tanto faz, ainda conhecemos o Juarez Vicente cantor, com passagens por diversos grupos musicais e bandas de Itabuna. Com um vasto repertório de sambas, boleros, jovem guarda, bossa nova e jazz, animava as madrugadas nos quatro cantos de nossa cidade.
A boemia era uma das facetas de Juarez Vicente, onde colecionava amigos tantos para um grande bate-papo nas mesas de bar da cidade. Aconchegado num desses ambientes debatia com maestria desde a atividade de um varredor de ruas até as científicas viagens à lua, com argumentos irrefutáveis.
Lá pras tantas, para evitar as distensões por conta da ingestão de cachaça e cerveja dos participantes da mesa, sabia como ninguém encerrar o bate-papo que descambava para o prenúncio de uma confusão:
– Deixa pra lá, isso é uma questão de hermenêutica, está entre a dialética e a metafísica – argumentava com altivez.
E não se fala mais nisso!
Adeus, Juju!
Walmir Rosário é jornalista, advogado e editor do blog Cia da Notícia www.ciadanoticia.com.br

AS HISTÓRIAS DA IMPRENSA

Tempo de leitura: 2 minutos

rribeiroRicardo Ribeiro | ricardo.ribeiro10@gmail.com

 

Antes do jogo, Borges ouvira de um torcedor do Itabuna que queria vencer o jogo de qualquer jeito, mesmo que fosse com um gol roubado. Para ele, foi rigorosamente o que aconteceu.

 

Sempre gostei de conhecer as velhas histórias da imprensa, seja a itabunense, a baiana ou a brasileira. Não é à toa que li “De Tabocas a Itabuna – 100 anos de imprensa”, com os causos antológicos compilados pelo jornalista Ramiro Aquino. E viajei na leitura de livros como “Cobras Criadas”, de Luiz Maklouf Filho; “Minha Razão de Viver”, autobiografia de Samuel Wainer, e “Chatô, o Rei do Brasil”, biografia de Assis Chateaubriand escrita por Fernando Morais.

Vale a pena gastar tempo em uma roda de veteranos, rememorando eventos que se deram nas redações e sabendo como era o trabalho da imprensa no passado. Em Itabuna, um dos que conhecem e viveram boas histórias é o advogado e professor de direito Geraldo Borges, que durante anos militou no rádio e bem mais tarde na televisão. No rádio, ele era conhecido como Geraldo Santos e atuava na cobertura esportiva.

O ex-radialista conta episódio ocorrido na década de 70, na transmissão de um jogo entre Fluminense de Feira e Itabuna pelo Campeonato Baiano. A partida foi disputada no Estádio Joia da Princesa e o Itabuna venceu com um gol chorado, em pênalti duvidoso. Borges, que narrava o jogo, atento ao lance, não constatou a penalidade. Consultou o comentarista Ramiro Aquino, que também não viu absolutamente nada. Lance normal. Mas o juiz marcou e o Itabuna estufou o filó. Pronto.

Atormentado pela dúvida, sem o auxílio luxuoso do replay, o narrador itabunense procurou a ajuda do colega de uma emissora de Salvador. O sujeito lhe disse: “o resultado favorece meu Vitória, portanto foi pênalti e pronto”. Não adiantou, o cabra da capital era fiel  seguidor da regra de que os fins justificam os meios, ainda que estes sejam indecorosos. Isenção zero.

Geraldo Borges (então Santos) e Ramiro Aquino foram os únicos a duvidar do tal pênalti, o que lhes valeu o epíteto de traíras e outros adjetivos desse naipe. Em Itabuna, só faltou serem recebidos por uma artilharia de caroços de jaca, e o dono da rádio, Hercílio Nunes, mandou divulgar nota de repúdio aos dois radialistas. Na própria emissora em que eles trabalhavam.

Antes do jogo, Borges ouvira de um torcedor do Itabuna que queria vencer de qualquer jeito, mesmo que fosse com um gol roubado. Para ele, foi rigorosamente o que aconteceu. Mas não foi a primeira nem será a última fraude a entrar para a história.

Ricardo Ribeiro é blogueiro e advogado.

O PT e a imprensa

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

Agora, com o “mensalão tucano” entrando na pauta do STF, a grande imprensa tem a oportunidade de mostrar para seus leitores que não é tucana (ou atucanada).

 

O PT se queixa de uma implacável perseguição da chamada “grande imprensa”. O tripé oposicionista, segundo os petistas, é formado pelos jornais Folha de São Paulo, Estadão e o Globo.

Saltam aos olhos que os três jornalões não conseguem despistar o antipetismo encravado nos editoriais, como se o partido do ex-presidente Lula fosse o único integrante do prostituído sistema político.

A declaração da presidente da Associação Nacional dos Jornais (ANJ), Judith Brito – “os meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista” –, deixou os petistas irritados.

A sinceridade de Judith, que é também diretora-superintendente do Grupo Folha, canaliza para a óbvia conclusão de que a oposição, com o PSDB, DEM e o PPS, está fragilizada.

Agora, com o “mensalão tucano” entrando na pauta do STF, a grande imprensa tem a oportunidade de mostrar para seus leitores que não é tucana (ou atucanada).

É bom lembrar que essa sistemática perseguição só está acontecendo porque o PT, como disse o jornalista Mino Carta, perdeu a linha. Demoliu seu passado honrado.

PS – “Há heróis indiscutíveis na trajetória da esquerda brasileira, poucos, a bem da sacrossanta verdade factual. No mais, há inúmeros fanfarrões exibicionistas, arrivistas hipócritas e radical-chiques enfatuados. Nem todos pareceram assim de saída, alguns enganaram crédulos e nem tanto. Na hora azada, mostraram a que vieram. E se prestaram a figurar no deprimente espetáculo que o PT proporciona hoje, igualado aos herdeiros traidores do partido do doutor Ulysses, ou do partido do engenheiro Leonel Brizola, obrigados, certamente, a não descansar em paz”. (Mino Carta).

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

GERALDO PROCESSA JORNALISTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado federal Geraldo Simões (PT) entrou com uma ação judicial contra o jornalista Ederivaldo Benedito, alegando que o profissional teria atingido sua honra com ofensas pessoais. Na petição inicial, o parlamentar diz que as agressões verbais ocorreram no programa apresentado por Bené, como o jornalista é mais conhecido, na Rádio Nacional de Itabuna.

A citação foi entregue na manhã desta segunda-feira, 10, a Bené, que no momento se encontrava na Ceplac, onde ele é servidor, atuando na assessoria de imprensa.

“Tenho quase 40 anos de profissão, iniciada em 1975, e essa é a primeira vez que passo por constrangimento semelhante”, afirma o jornalista. Ele alega não ver motivo para o deputado processá-lo e suspeita de que a ação tenha como objetivo atingir a Rádio Nacional.

Segundo Bené, Geraldo Simões tem uma dívida antiga com a Nacional, que seria de aproximadamente R$ 100 mil. O débito foi gerado no período em que o político assumiu o controle da rádio, no início da década passada, mas é questionado pelo petista, que se recusa a solucionar a pendência e por isso ganhou a inimizade do diretor da emissora, Dinailson Oliveira.

ALIADA, SONINHA DIZ QUE SERRA “É ESTÚPIDO COM A IMPRENSA”

Tempo de leitura: < 1 minuto

A jornalista e ex-candidata a prefeita de São Paulo Soninha Francine (PPS) concedeu entrevista ao jornal Brasil Econômico e não economizou em críticas ao PT, ao ex-presidente Lula e até a quem admira muito, o ex-governador José Serra:

– O Serra é um cara esquentado e cai muito fácil em provocação. Quando está no front, sai faísca. Mas ele também é estúpido com a imprensa – disse.

Soninha fez leitura da campanha eleitoral em São Paulo e explica por que chamou (?) o petista Fernando Haddad de “filho da p…” em escritos nas redes sociais. Haddad lidera as pesquisas de intenções de voto na disputa em São Paulo, no próximo domingo, 28.

Confira a entrevista de Soninha na íntegra

LIBERDADE DE IMPRENSA

Tempo de leitura: 2 minutos

José Januário Félix Neto | netto_felix74@hotmail.com

Alguns servidores desconhecem esse dever e presumem, erradamente, que a solicitação para explicação de determinados assuntos de interesse coletivo configuraria, por parte da imprensa, usurpação de função pública ou  exploração eleitoral.

A liberdade  de informação e o direito de informar estão garantidos constitucionalmente. Para compreender o direito de e à informação, é necessário entender o papel jornalístico da imprensa, a sua relevância como poder transformador de uma sociedade, garantindo direitos e explicitando deveres dos órgãos públicos e instituições privadas.

Os jornalistas, apresentadores, repórteres, locutores, câmeras e todos aqueles que contribuem direta e indiretamente para informar, devem ter seus direitos respeitados e tratados com civilidade e urbanidade quando do seu exercício funcional.

O servidor público quando estiver representando a administração estatal, deverá informar todo e qualquer fato de interesse da sociedade, este dever decorre de tema constitucional (Artigo 37 da Constituição Federal).

A imprensa configura-se como porta-voz do povo em expressar suas mazelas sociais. Sem ela não teríamos uma sociedade justa e igualitária. A administração pública não pode e não tem o direito de cercear a imprensa ou tentar amordaçá-la com restrições ou arrogância em suas atividades.

O profissional de imprensa é o interlocutor, o fiscalizador daqueles que detêm o poder-dever de aperfeiçoar os serviços públicos. Agredir formalmente esse profissional é agredir toda a sociedade, pois deposita nele a esperança de melhora em suas vidas.

O servidor público, seja ele concursado, com estabilidade funcional, contratado temporariamente (Reda) ou exercendo cargo comissionado, deve ter o conhecimento da liturgia estatal que o rege, ou seja, de informar o contribuinte sobre suas ações e seu desempenho administrativo, profissional.

Leia Mais

CONCEIÇÃO DEIXA ASCOM DA CEPLAC

Tempo de leitura: < 1 minuto

Após quatro anos à frente da Assessoria de Comunicação da Ceplac na Bahia, o jornalista Luiz Conceição deixou o cargo nesta sexta-feira (9) ao apresentar pedido de exoneração ao diretor-regional do órgão. Lula, como também é chamado pelos colegas de profissão, diz que sai com o “sentimento do dever cumprido”.
No final da tarde, o jornalista enviou email às redações informando seu desligamento da assessoria. “Quero agradecer a cooperação, o incentivo e a aceitação do meu trabalho por todos vocês: produtores e editores de TV, rádio, jornal e blogs”.
Na despedida, Luiz Conceição também agradeceu a diretores, chefes de departamento e seção e colegas da Ceplac em todo o Brasil. “Sem essa cumplicidade e respeito, jamais poderia comemorar o êxito que foi esta jornada”.

MÉDICO CONFIRMA: "DEI VOZ DE PRISÃO AO REPÓRTER PORQUE ELE ME DESACATOU"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Médico não quer repórteres entrevistando pacientes e acompanhantes dentro do hospital

Ouvido pela reportagem do PIMENTA, o médico Cristiano Conrado, diretor médico do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, de Itabuna, confirmou ter dado voz de prisão ao repórter Hélio Fonseca, da Rádio Difusora. O fato ocorreu na manhã de ontem (9) e foi postado no blog.
Segundo Conrado, o repórter estava importunando um paciente no interior do hospital. “Não pode ficar abordando paciente internado. Tem um livro de ocorrência para ter as informações”, declarou o médico. Segundo ele, o trabalho dos repórteres dentro do Hblem vinha ocorrendo de forma errada, “por mau-costume”.
O médico afirmou que, na condição de diretor do hospital, caso ele permitisse a abordagem dos pacientes, poderia sofrer punição por desvio ético e submeteria o Hblem ao risco de um processo civil.
” (Ontem) Eu tinha acabado de falar e, assim que virei as costas, ele (Hélio Fonseca) continuou (falando com acompanhantes de um paciente internado no hospital). Ele me ignorou e me desacatou, por isso lhe dei voz de prisão como funcionário público”, afirmou Conrado, que é também tenente do Exército.
O diretor informou que conversou ontem com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Rádio e Televisão de Itabuna (Stert), Frankvaldo Lima, e está conversando sobre uma forma de criar, dentro do Hblem, um fluxo de informações “de maneira legal”.

"TEJE PRESO!"

Tempo de leitura: < 1 minuto

O repórter Hélio Fonseca, da rádio Difusora de Itabuna, entrevistava o acompanhante de um paciente do Hospital de Base na manhã desta quinta-feira, 9, quando foi abordado pelo médico Cristiano Conrado. Este solicitou que o radialista abortasse a entrevista, mas não foi atendido e reagiu de forma inusitada.
Segundo Fonseca, Conrado, que é também tenente do Exército, deu-lhe voz de prisão e solicitou que dois policiais que se encontravam no local (apesar da greve) detivessem o repórter. Passados alguns minutos, os policiais liberaram o funcionário da Difusora sem necessidade de habeas corpus. O médico-tenente, é óbvio, quis apenas dar um susto no rapaz, muito embora sua atitude tenha caráter abusivo.
Em tempo: circulam rumores de que Conrado será candidato a vereador em Itabuna. Como o legislativo municipal tem sido  um frequente cenário de malfeitos, o homem faria bem se exercitasse a prática do “teje preso” entre seus possíveis futuros colegas. Faria o maior sucesso!

CALEM A BOCA, JORNALISTAS!

Tempo de leitura: < 1 minuto

Jaciara Santos
Em 1980, repórter do hoje extinto Jornal da Bahia, eu acompanhava visita do então governador Antonio Carlos Magalhães às obras de construção da Paróquia Nossa Senhora dos Alagados, na Península Itapagipana, uma das áreas de Salvador que, à época, simbolizava a pobreza extrema na cidade. O templo, em estilo contemporâneo e com acabamento em tijolinho aparente, foi construído em três meses para ser inaugurado pelo Papa João Paulo II, quando de sua primeira visita à Bahia, em julho daquele ano.
Estava bem próxima ao governador, quando ele respondeu com uma cotovelada à pergunta de uma repórter da TV Itapoan, do seu arqui-inimigo Pedro Irujo. Não recordo o que a moça perguntou ao velho mandatário, mas jamais esquecerei a expressão dele: imperturbável, manteve no rosto o característico sorriso com que costumava obsequiar seus seguidores. Jovem e inexperiente – não passava de uma “foca”, como se diz no jargão jornalístico – fiquei chocada com a cena. Na categoria, o sentimento era de indignação. Protestamos, lançamos manifestos, vociferamos contra o estilo truculento do governante, que usava a força para tentar calar a voz da imprensa, num claro atentado às liberdades democráticas.
A roda do tempo girou. Ano passado, no finalzinho do segundo mandato, o presidente Lula que adquiriu popularidade por conta de sua relação amistosa com a mídia, engrossou a voz. Sem cerimônia, começou a cuspir no prato em que comeu anos a fio.
Leia texto completo.

MACHADADA NA IMPRENSA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Ruy: "A Câmara sou eu"

O presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ruy Machado (PRP), já é chamado a boca pequena nos corredores do legislativo de Luís XIV, o rei que governou a França no século XVIII e, de tão autoritário e centralizador, tornou-se famoso pela frase “L’État c’est moi”. Traduzindo, significa “O Estado sou eu”.
Imitando o monarca francês, o reizinho itabunense implantou a ditadura na Câmara e uma de suas medidas é a de censurar blogs que afetem a sua sensibilidade. Por ordem sua, o acesso a determinadas páginas virtuais na rede da Câmara está terminantemente proibido.
O pequeno déspota age como se a Câmara lhe pertencesse e estivesse sujeita aos seus caprichos. Pior é contar com o silêncio dos outros vereadores, que aceitam todas as machadadas de Ruy sem esboçar reação.

ASSUNÇÃO DEFENDE JORNALISTA, MAS NÃO PERDOA A VEJA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) tomou a palavra nesta segunda-feira, 8, em sessão na Câmara, para repudiar a agressão sofrida pelo repórter Rodrigo Rangel, da sucursal da Veja em Brasília. Na semana passada, Rangel levou uma gravata, chute na barriga e um soco que lhe arrancou um dente. O autor da sessão de pancadaria, ocorrida em um restaurante da capital da república, na frente de mais de dez testemunhas, foi o lobista Júlio Fróes, que estaria envolvido em negociatas com o Ministério da Agricultura.
Assunção condenou a violência e disse que já foi vítima de arbitrariedades.  “Eu quero me somar a todos aqueles que não concordam com isso nem aceitam qualquer tipo de agressão contra qualquer profissional”, declarou o parlamentar.
Mais adiante, o petista aproveitou a deixa para cutucar a Veja, revista em que o agredido trabalha: “nós temos que ficar indignados, mesmo sendo o jornalista de uma revista como a Veja”, tascou.

DEPUTADA E JUIZ CENSURAM BLOG ILHEENSE

Tempo de leitura: < 1 minuto

A deputada estadual Ângela Sousa (PSC) conseguiu, por via judicial e em segunda tentativa, censurar o Blog do Gusmão. O site foi obrigado a retirar postagens que tratavam das suspeitas de gatunagem e desvios de dinheiro da Secretaria de Ação Social, quando era comandada por Augusto Macedo, ex-assessor de gabinete da parlamentar.
Ângela havia ingressado com ação no Juizado Especial Cível no ano passado, mas a juíza Raquel François negou o pedido, alegando atentado à liberdade de imprensa e livre manifestação de pensamento. A deputada estadual decidiu entrar com a mesma ação na 3ª Vara Cível. O juiz Jorge Luiz Dias Ferreira entendeu diferente da colega do Juizado Especial e obrigou o blog a retirar três postagens que relacionavam apontavam suspeitas dos desvios de dinheiro na Secretaria de Ação Social para a campanha da deputada.
Editor do blog, Emílio Gusmão disse que retirou as postagens, mas seus advogados já recorreram ao Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). No primeiro semestre deste ano, o mesmo juiz Jorge Luiz Dias Ferreira já havia imposto censura ao Blog do Gusmão, em processo movido pelo secretário de Serviços Públicos de Ilhéus, Carlos Freitas. A decisão do juiz ilheense foi cassada pelo TJ-BA em decisão da desembargadora Ilza Maria da Anunciação (relembre aqui).

A REGIÃO (TALVEZ) SÓ NA INTERNET

Tempo de leitura: < 1 minuto

Marcel Leal: possível fim da edição impressa (Foto A Região).

Quem anuncia é o próprio Marcel Leal na coluna que assina, semanalmente, n´A Região: o principal veículo impresso do sul da Bahia pode seguir o exemplo do Jornal do Brasil e ficar só online. “Depois de quase 24 anos, é provável que neste ano a gente encerre de vez a edição impressa e fique só com a online”.

O empresário e jornalista disse que está difícil “manter os custos de um impresso em região onde empresários não valorizam independência”. É uma pena e , daqui, fica a torcida para que o cenário mude.

Pela redação do jornal itabunense passaram nomes como Daniel Thame, Luiz Conceição, Walmir Rosário, Maurício Maron, Rose Marie Galvão, Domingos Matos, Vera Rabelo e Ailton Silva, revelado pela publicação e ainda um dos editores do semanário.

As dificuldades financeiras do jornal vêm desde a segunda metade dos anos 90, quando sofreu perseguição econômica dos governos do estado e municipal (ACM, Paulo Souto e César Borges, no plano estadual, e Fernando Gomes, no municipal).

A Região é considerado símbolo de destemor e responsável por desvendar a fraude que mudou a história dos vestibulares da Uesc ao revelar que a quebra de sigilo das provas de 1995. De lá para cá, a universidade terceirizou o processo de formulação e aplicação do vestibular, mas há 16 anos é sempre realizado pela Consultec.

Back To Top