skip to Main Content
3 de abril de 2020 | 08:38 pm

EMPRESAS VÃO INVESTIR R$ 827 MILHÕES NA BAHIA; FÁBRICA EM ILHÉUS AMPLIARÁ UNIDADE

Fábrica anuncia investimentos em ampliação de fábrica em Ilhéus
Tempo de leitura: 2 minutos

O Governo do Estado anunciou que quatro empresas investirão  R$ 827,8 milhões na Bahia  e vão gerar 1,4 mil novos empregos no estado.  Os protocolos de intenções foram assinados com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), na terça-feira (17).

Uma dessas empresas é a Mendoá Chocolates, que anunciou  investimento de  R$ 3 milhões para ampliar sua unidade industrial em Ilhéus, no sul da Bahia. O incremento na capacidade de produção será de 750 quilos/dia.  Com a ampliação a capacidade total da fábrica saltará para 1 mil quilos/dia. Além de manter os 51 empregos existentes, a previsão é de que sejam criados até 30 novos postos de trabalho.

“Nesses 7 anos [de operação na Bahia], nosso consumidor foi ‘catequisado’ para o consumo de um chocolate mais saudável, com alta concentração de cacau e isso nos faz crescer anualmente algo em torno de dois dígitos, levando nossa capacidade fabril a praticamente sua plenitude. Atuamos em 16 capitais do Brasil e isso gerou uma necessidade de pensarmos em ampliar nossa fábrica e projetar uma nova unidade fabril para os próximos três ou cinco anos”, explica Alexandre Soeiro, diretor de Operações da Mendoá.

ENERGIA SOLAR

Já os representantes da Sol do Sertão, no município de  Oliveira de Brejinhos, assinaram  protocolos no valor de R$ 810 milhões para construção de seis usinas para geração de energia elétrica. No total, a empresa, que investe pela primeira vez em energia solar, vai construir três grandes complexos, com um total de oito parques e capacidade instalada de 474 Megawatts (MW).

De acordo com Gilberto Peixoto, diretor de Implantação da Sol do Sertão, as obras civis devem iniciar ainda este mês e gerar 1,2 mil vagas de emprego. “A previsão é que os parques entrem em operação por fases, entre março e julho de 2021. Estamos desenvolvendo também um projeto eólico na região de Xique Xique, com previsão de início de obras para o próximo ano”, declara Gilberto Peixoto, diretor de Implantação da Sol do Sertão.

Leia Mais

GRUPO ESPANHOL PROMETE INVESTIR R$ 425 MILHÕES NA BAHIA E MAIS DE 10 MIL EMPREGOS

Tempo de leitura: 2 minutos

Governo assina protocolo para investimentos na Bahia|| Foto Carlos Prates GOVBA

Representantes do grupo Prima, que atua na Bahia nos setores imobiliário e hoteleiro, comprometeram-se com o governador Rui Costa, durante encontro na Espanha, nesta quarta-feira (3), a investir R$ 425 milhões no Litoral Norte do estado, nos próximos cinco anos. Os empresários estimam a geração de 10.500 empregos diretos e indiretos no estado nos próximos 15 anos.

Atualmente, o grupo está construindo o Ponta de Inhambupe Residencial, que contempla 270 unidades residenciais e 43 lojas em Esplanada. Serão construídos ainda, como parte do Destino Baixio, o Ponta de Inhambupe Hotelaria, com 29 suítes; Condomínio Residencial Rio do Boi, com 162 unidades e resort; pousada com 27 quartos; Condomínio Villas de Esplanada; Condomínio Praias de Esplanada; e o Destino Baixio Premium, com quatro hotéis de luxo.

Para viabilizar os empreendimentos, o governador Rui Costa assinou, nesta quarta-feira (3), um protocolo de intenções com o grupo Prima. O documento garante apoio do Estado em áreas como construção de acesso viário, esgotamento sanitário e abastecimento de água e fornecimento de energia elétrica para o desenvolvimento do Destino Baixio.

Leia Mais

EMPRESA INAUGURA NOVA LINHA DE PRODUÇÃO DE REFRIGERANTES NA BAHIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Grupo inaugura nova unidade de produção em Alagoinhas

O Grupo Petrópolis inaugurou, na quarta-feira (26), uma nova linha de produção de refrigerantes It no município de Alagoinhas, no nordeste da Bahia. Com o funcionamento da nova unidade, a empresa prevê a geração de 150 empregos diretos no município baiano.

De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia (SDE), são gerados mais 4 mil empregos diretos e 16 mil indiretos a partir das unidades de distribuição no estado. No últimos seis anos, o grupo investiu mais de R$ 1,2 bilhão, gerando 470 empregos diretos e 2,6 mil indiretos somente na unidade de produção no município baiano.

Empresa inaugura unidade e amplia produção na Bahia

O presidente do Grupo Petrópolis, Walter Pires, anunciou que haverá mais investimentos em território baiano nos próximos anos . “Já solicitei da nossa equipe mais estudos para viabilizar novas ampliações na Bahia. Agradeço aos baianos por abraçar nossa empresa. Com o público e o privado caminhado juntos, a Bahia avança”, ressaltou.

Leia Mais

BAHIA: CERVEJARIA ANUNCIA INVESTIMENTO DE R$ 215 MILHÕES EM FÁBRICA DE ALAGOINHAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Empresa anuncia investimento na fábrica de Alagoinhas|| Foto Alberto Coutinho

Nesta quarta-feira (12), na sede da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA), em Salvador, a  Heineken no Brasil, a segunda maior cervejaria do país, anunciou um aporte de R$ 215 milhões na unidade do grupo em Alagoinhas. O investimento faz parte da estratégia para o Nordeste. A unidade recebeu, em 2018, a primeira linha de produção da marca na região.

Nos últimos dois anos, a companhia investiu R$ 140 milhões na unidade em Alagoinhas, que é uma das maiores do grupo no Brasil. De acordo com Marcelo Jorge de Araújo, diretor da Cervejaria de Alagoinhas, a estratégia acompanha o crescimento do mercado de cervejas premium, liderado pela marca Heineken.

O secretário estadual da Fazenda, Manoel Vitório, lembrou que é graças ao equilíbrio fiscal que o governo baiano vem conseguindo atrair novos investimentos privados. Ele destacou que o estado é o segundo em volume de investimentos públicos no país, atrás apenas de São Paulo, “o que se reflete em melhor infraestrutura e condições favoráveis a novos investimentos pelas empresas, gerando empregos e renda em meio à crise”.

Leia Mais

QUASE 90% DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA BAHIA TÊM ORIGEM EM FONTES RENOVÁVEIS

Tempo de leitura: 2 minutos

Bahia se destaca na produção de energia eólica

A Bahia vem se destacando nacionalmente por causa do grande potencial para geração de energia elétrica a partir das fontes renováveis. A capacidade instalada através das fontes hídricas, biomassa e, principalmente, solar e eólica já representa 88% da matriz elétrica do estado.
Na energia solar, o território baiano possui a maior capacidade instalada para produção energética a partir da fonte fotovoltaica no Brasil. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), são 608 MW de potência distribuídos em 26 parques em operação comercial. Essa potência tem uma estimativa de atender cerca de 680 mil domicílios.
O número ganhou relevância principalmente nos últimos dois anos. Nesse período, 24 empreendimentos entraram em atividade com 606 MW de potência. Ou seja, 99,6 % da capacidade atual para geração de energia a partir do sol na Bahia foi adquirida entre junho de 2017 e dezembro de 2018, por meio de leilões. Um investimento de R$ 3,1 bilhões.
ENERGIA EÓLICA
A eólica também é fonte de produção de energia com relevância no estado. De acordo com os dados do Banco de Informação de geração (BIG), disponibilizado pela Aneel, a Bahia tem a segunda maior capacidade instalada do país, com um total de 3.475 MW em 135 parques em funcionamento. Essa capacidade pode fornecer energia elétrica para cerca de 8 milhões de residências. A Bahia fica atrás apenas do Rio Grande do Norte, que possui 3.722,4 MW de capacidade e 138 empreendimentos em operação comercial.
Nos últimos quatro anos, o número de empreendimentos eólicos triplicou no território baiano. De janeiro de 2015 a novembro de 2018, 102 parques entraram em operação e adicionaram 2.634 MW de potência à capacidade instalada do estado. Nesse período, aproximadamente R$ 9,9 bilhões foram investidos.

Leia Mais

UFSB RECEBE REPASSE DE R$ 2,8 MILHÕES PARA CUSTEIO E INVESTIMENTOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Ufsb recebe aporte para continuidade de projetos e obras importantes

Depois de sofrer com cortes feitos pelo governo no início do ano, a Universidade Federal do Sul da Bahia (Ufsb) recebeu um aporte financeiro para pagamento de despesas e continuidade de obras importantes em seus campi. Foram repassados R$ 2.819,704 para investimento,manutenção,custeio e pagamento de assistência estudantil na instituição, conforme o Ministério da Educação.
Além da Ufsb, o MEC fez aporte financeiro para a Universidade Federal da Bahia (R$ 16.446,582); Universidade Federal do Oeste da Bahia (R$ 2.310,863), e Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (R$ 830,625). Para as  instituições de ensino superior, os valores repassados ainda não atendem às necessidades, mas chegam numa boa hora.

CHINESES PRIORIZAM INVESTIMENTOS NA FIOL E PORTO SUL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Chineses priorizam investimentos na Fio e Porto Sul|| Foto Antônio Carlos/TV Oeste

O projeto de construção e operação da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), que rasga o interior da Bahia, e a construção do Porto Sul em Ilhéus, para escoar a carga, são tidos como prioritários para investidores chineses, informa A Região.
Segundo fontes do governo baiano e da iniciativa privada, o empreendimento logístico é o de maior interesse da China no Brasil. A dificuldade tem sido formatar o leilão para ser realizado ainda em 2018.
Segundo o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Jorge Arbache, um dos principais interlocutores dos asiáticos, as empresas chinesas buscam não só garantir o suprimento de commodities ou exportar para o Brasil.
Ele disse, em entrevista ao Valor Econômico, que elas estão procurando aumento de escala e participação mais ativa em bons negócios, com diversificação, deixando de focar apenas em bens e investindo em serviços.
A China já tem US$ 117 bilhões em investimentos diretos acumulados no Brasil, segundo o Ministério, mas concentra quase 45% em apenas três setores: energia, mineração e agronegócio. Agora querem a logística.

BARRAGEM DO COLÔNIA ENTRA EM FASE DE TESTES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Barragem entra em fase de testes || Foto Daniel Thame

As obras de construção da Barragem do Rio Colônia, em Itapé, entraram na fase de conclusão com a montagem de equipamentos hidromecânicos e a instalação das comportas, além da realização de testes.
A barragem terá capacidade para reservação de 62 milhões de metros cúbicos de água, sendo considerada indispensável para resolver problema da falta d´água em Itabuna pelos próximos 50 anos.
Além de garantir o abastecimento de água para os cerca de 230 mil moradores de Itabuna e contribuir para a atração de novos empreendimentos, a barragem minimizará ainda o impacto das enchentes que inundam parte da cidade de Itabuna e melhorará as condições sanitárias do Rio Cachoeira.
INÍCIO EM 2013
A obra começou a ser executada em 2013, após assinatura de ordem de serviço pelo então governador Jaques Wagner e o prefeito Vane do Renascer. Após disputa judicial com a empresa Galvão Engenharia, o governo baiano retomou a obra em 2016, com recursos do governo do Estado. Os investimentos do governo baiano e da União é de R$ 108 milhões, quando incluídos indenização, remanejamento de rede elétrica e novo traçado da rodovia que liga os municípios de Itapé e Itaju do Colônia.

COMPLEXO SOLAR NA LAPA GERA ENERGIA PARA ATÉ 166 MIL LARES

Tempo de leitura: 2 minutos
Complexo tem capacidade para gerar energia para cidade de 166 mil habitantes || Foto Manu Dias

Complexo tem capacidade para abastecer cidade de 166 mil residências || Foto Manu Dias

Executivos da Enel Green Power, o governador Rui Costa e o prefeito Eures Ribeiro inauguraram, nesta quinta (28), o maior parque de energia solar do país, construído pela empresa italiana em Bom Jesus da Lapa. Composto por duas usinas, o parque tem capacidade de gerar anualmente cerca de 340 Gigawatt-hora (GWh), o suficiente para atender mais de 166 mil lares brasileiros em um período de 12 meses.

A energia produzida no complexo de Bom Jesus da Lapa será injetada diretamente na rede elétrica, auxiliando os estados que mais sofrem com a falta de chuvas. De acordo com o governador, as fontes renováveis vão trazer, ainda, oportunidades de emprego e desenvolvimento para a população da região.

Governador, Eures e executivas da Enel inauguram usina || Foto Manu Dias

Governador, Eures e executivas da Enel inauguram usina || Foto Manu Dias

POTENCIAL SOLAR E EÓLICO

Com temperaturas médias elevadas e altos índices de radiação, a Bahia é líder nacional em projetos para energia solar. De acordo com informações da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), são 34 projetos, sendo sete já em operação, 11 em construção e 16 serão iniciados e finalizados até 2018. A atração dos projetos representa um investimento de mais R$ 4,1 bilhões.

Leia Mais

NAZAL QUESTIONA ESTIMATIVA E RELEMBRA EQUÍVOCOS DO IBGE EM CENSOS

Tempo de leitura: 3 minutos
Nazal questiona estimativa feita pelo IBGE para Ilhéus || Foto Maurício Maron

Nazal questiona estimativa feita pelo IBGE para Ilhéus || Foto Maurício Maron

O vice-prefeito e secretário de Planejamento de Ilhéus, José Nazal, emitiu nota pública para questionar a estimativa populacional divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) sobre o município. Nazal observa que a redução pode afetar Ilhéus na atração de investimentos.

Nazal observa equívocos dos últimos censos feitos pelo IBGE em Ilhéus. “No ano 2000, a população do bairro da Conquista era de 22.045 habitantes e o bairro possuía 5.703 domicílios. Já em 2.010, o mesmo bairro possuía 6.379 domicílios e registrava apenas 18.892 habitantes. Então, segundo o IBGE, ao tempo em que o número de residências cresceu 11%, houve uma redução da população em torno de 15% por cento. Portanto, o IBGE nunca conseguiu explicar razoavelmente os dados relevantes e incongruentes, constantes do censo do ano 2000”.

Confira a nota, na íntegra.

NOTA PÚBLICA

Os números projetados e divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), instituição nacional responsável pela guarda, controle e contagem da população brasileira, mais uma vez mostraram o crescimento populacional negativo no município de Ilhéus.

Chama a atenção da opinião pública, especialmente dos ilheenses, a significativa diminuição populacional ocorrida no município entre as contagens do Censo de 2000 e o de 2010.

Há sete anos, representando Ilhéus na Comissão de Geografia e Estatística, fui informado pelo coordenador que a projeção que estava sendo feita, com base nos dados levantados até aquele momento, daria ao município algo em torno de 185 mil habitantes, o que se comprovou com o registro oficial de 184.236 habitantes.

A perplexidade ocorreu ao compararmos aqueles números com os do Censo de 2000, que identificou uma população de 222.127, ou seja, 37.891 habitantes a menos, num período de 10 anos.

Por conta desta significativa diferença, auditores do IBGE fizeram uma aferição nos dados coletados entre os censos, quando se verificou que, em várias localidades do município, especialmente na zona rural, o número de domicílios e de habitantes contados era inferior ao que havia sido coletado pelo mesmo Instituto, no ano 2000. Por razões que desconhecemos, os números do censo do IBGE do ano 2000, irreais, superestimaram a nossa população.

No ano 2000, a população do bairro da Conquista era de 22.045 habitantes e o bairro possuía 5.703 domicílios. Já em 2.010, o mesmo bairro possuía 6.379 domicílios e registrava apenas 18.892 habitantes. Então, segundo o IBGE, ao tempo em que o número de residências cresceu 11%, houve uma redução da população em torno de 15% por cento. Portanto, o IBGE nunca conseguiu explicar razoavelmente os dados relevantes e incongruentes, constantes do censo do ano 2000 e que, a partir desse logro, vem gerando desdobramentos igualmente desacreditados, contrariando a lógica, a matemática e a percepção geral.

É considerando os números do ano 2000/2010, e utilizando os vetores resultantes desses levantamentos, que o IBGE vem fazendo a cada ano essas projeções, chegando a uma estimativa da população do município. Ora, se o vetor 2000/2010, revela decréscimo demográfico, atribui-se o mesmo declínio aos anos subsequentes, alheio às possibilidades de estagnação do decréscimo, ou mesmo reversão do vetor. Assim, a população de Ilhéus continuará definhando, mesmo que não seja verdade, até que um novo censo populacional seja efetuado.

Outros sintomas, como o aumento do número de domicílios e a quantidade expressiva de novas construções, além do considerável crescimento da “mancha urbana”, são fatos incontestáveis e que contrariam as projeções do IBGE. Ou seja, a incongruência se evidencia, mais uma vez: enquanto o município se expande e a população decresce.
Oficializamos a reclamação de Ilhéus no escritório do IBGE na Bahia, à metodologia questionável do Censo de 2000. Uma demanda jurídica para anulação do referido censo chegou a ser cogitada, mas demonstrou-se inviável, pois seria demasiadamente longa e os efeitos buscados se perderiam.

A título de esclarecimento, os novos números apresentados não representam nenhum tipo de prejuízo financeiro direto, mas, eventualmente, podem gerar consequências danosas nas avaliações sobre o nosso município, conquanto a prováveis investimentos pelos quais nos empenhamos diuturnamente, mas cujo decréscimo populacional pode vir a representar um dado desestimulante.

Por isso, em que pese a queda nos índices populacionais, faz-se necessário informar que Ilhéus se manteve com uma boa margem de segurança na faixa de transferências constitucionais a que teríamos direito, sobretudo o Fundo de Participação dos Municípios (FPM).
Externo as minhas convicções de que esse erro será desmistificado em 2020 – quando está previsto a realização de um novo Censo Demográfico Nacional – e a verdade restabelecida.

Ilhéus, 31 de agosto de 2017

José Nazal Pacheco Soub
Vice-prefeito e secretário municipal de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável

Back To Top