skip to Main Content
13 de julho de 2020 | 12:54 pm

A BOLA DA VEZ

Tempo de leitura: 2 minutos

Ricardo Ribeiro | ricardoribeiro@pimentanamuqueca.com.br

“Um homem no interior de São Paulo foi ao cartório com a intenção de batizar a filha recém-nascida com o nome de… Sim, senhores! Jabulani”.

Na Copa da África, a dona da festa não é a bola, mas sim a Jabulani, marca da redonda criada pela Adidas e que rola num gramado de controvérsias. Uns dizem ser leve demais, arisca, enganadora de goleiros, um capeta em forma de bola e por aí vai… Outros, naturalmente patrocinados pelo fabricante da Jabu, elogiam a “sorrateira”, dando a entender que tudo não passa de uma disputa comercial.

O fato é que, polêmica ou não, a Jabulani ganhou status de rainha da Copa. É ela que fica ali num pedestal até que os jogadores entram em campo e, num ritual quase sagrado, a recolhem para o jogo. A cada partida, a bola aparece em super closes, tomando a tela inteira da TV, de modo a não restar dúvida de que ela é a dona do espetáculo.

Via ontem um comentarista do Sportv preocupado com tamanho endeusamento, a ponto de recear que as crianças, em breve, não mais digam que vão jogar bola, mas sim que estão indo brincar com a Jabulani. O fenômeno é o mesmo que transforma palha de aço em Bombril e amido de milho em Maizena, mas com um poder de fogo muito maior, um verdadeiro bombardeio da mídia e todos os seus espantosos recursos.

No ESPN Brasil, a Jabulani virou uma comentarista irônica e tão serelepe quanto nos gramados, fazendo troça dos goleiros que ludibria com suas imprevisíveis mudanças de rota. Tornou-se personagem e, por muito pouco, não se transformou em nome de gente. Segundo informações, um homem no interior de São Paulo foi ao cartório com a intenção de batizar a filha recém-nascida com o nome de… Sim, senhores! Jabulani. Justificou-se perante o tabelião, explicando que a pimpolha era toda bonitinha e redondinha, de modo que lhe lembrava a bola da Copa.

O brioso serventuário, com muito mais juízo, negou o pedido e solicitou que o sujeito arranjasse outro nome para a filha. Um tanto indignado, o progenitor concordou com as diversas ponderações apresentadas pelo tabelião, mas no íntimo deve ter saído com o firme propósito de ao menos apelidar sua filha com o nome da “rainha sul-africana”. Sendo assim, a garotinha pode ter qualquer outro nome (por culpa desses cartórios que se metem na vida alheia), mas o pai a chamará sempre de Jabu…

Back To Top