skip to Main Content
6 de junho de 2020 | 10:29 am

O HILÁRIO USO DO PRONOME DE TRATAMENTO NOS BATE-BOCAS PARLAMENTARES

Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

 

“Se este fosse um país sério, Vossa Excelência não seria ministro, Vossa Excelência estaria na cadeia”.

 

A formalidade entre parlamentares deixa hilários alguns diálogos. O pronome de tratamento, Vossa Excelência, é usado “para o bem e para o mal”.

Exemplo fictício: No discurso, o deputado Antônio Imbassahy (PSDB) se dirige a José Carlos Aleluia (DEM) afirmando que Vossa Excelência é sinônimo de honestidade. O elogiado devolve destacando que Vossa Excelência nunca se envolveu com empreiteiras, é um político exemplar.

Da ficção para a dura realidade: ACM (PDS) num embate com Jader Barbalho (PMDB) vai à tribuna do senado e brada, “está aqui uma manchete do jornal O Estado de São Paulo: Pará agora só tem ladrão, louco e traidor.”

Em seguida se dirige solenemente ao colega:

– E Vossa Excelência é o ladrão!

Na primeira oportunidade, o senador Jader Barbalho reagiu gritando, “vai sobrar sangue pra todos os lados. Basta lembrar frase de ACM no Jornal do Brasil sobre como ganharia a eleição na BA: com o chicote numa mão e o dinheiro na outra”.

O ex-aliado Geddel Vieira Lima foi outro que não escapou da fúria de Antônio Carlos. Num bate boca gritou, “deputado Funrespol.”

Referia-se ao Fundo Especial de Reequipamento Policial cujos recursos, segundo ele, foram desviados pelo então secretário de Segurança Pública do estado, Afrísio Vieira Lima, para eleger o filho Geddel.

ACM encarava o adversário e repetia as palavras prolongando a última sílaba da sigla: “deputado Funrespooooool, deputado Funrespoooool, deputado Funrespooooool…”

Mas a velha raposa Antônio Carlos, quando ministro das Comunicações, também provou deste veneno. No plenário da Câmara, o então deputado Joaci Góes, dedo em riste, utilizando o tradicional pronome de tratamento disparou:

“Se este fosse um país sério, Vossa Excelência não seria ministro, Vossa Excelência estaria na cadeia”.

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

QUANDO O ARGUMENTO É A ARMA, DE FOGO

Tempo de leitura: 2 minutos

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

Numa movimentação, o mediador Ramiro Aquino percebeu um revólver na cintura do médico Amilton Gomes. Esperou o intervalo e pediu que a arma lhe fosse entregue, discretamente, para ser guardada pelo segurança.

Dirigentes políticos se reuniram para definir a chapa majoritária nas eleições de 2004 em Juazeiro. Participaram Osmar Galdino (Jojó), presidente do PT, Joseph Bandeira, pré-candidato a prefeito ( PT), Paganini Nobre Mota, presidente do PMDB e Geraldo Andrade, coronel reformado da PM e dirigente do PSB.

A discussão foi sobre a vice, cargo disputado por Paganini e Geraldo Andrade, que fez uma pergunta afirmativa: “Eu sou o candidato a vice ou não sou?”

O argumento havia sido colocado em cima da mesa: um revólver calibre 38, carregado. Todos ficaram convencidos e o coronel foi escolhido por unanimidade.

Em Itabuna na campanha de 88 para prefeito, a TV Cabrália promoveu uma série de debates. Num deles, participaram os candidatos Aurélio Laborda, Dr. Zito, Jairo Muniz, Amilton Gomes e Fernando Gomes. Os dois últimos “em pé de guerra”.

Numa movimentação, o mediador Ramiro Aquino percebeu um revólver na cintura do médico Amilton Gomes. Esperou o intervalo e pediu que a arma lhe fosse entregue, discretamente, para ser guardada pelo segurança.

Cenas do debate histórico na TV Cabrália em 1988.

Cenas do debate histórico na TV Cabrália em 1988. Amilton, à direita, estava armado.

Joaci Góes, então Deputado Federal, quando brigou com o senador ACM, passou a portar uma arma. Ele conta que havia a expectativa de ser imobilizado pelos guarda-costas do senador para causar-lhe danos físico e moral. “Então, me preparei para matar ou morrer.”

O ex-presidente escritor José Sarney, quando presidia o PDS, foi com um “três oitão” ao congresso do partido, em 1984, discutir a candidatura de Maluf contra Tancredo.

Sarney articulava contra Maluf e quando chegou ao local poetizou: “estou armado e quem tentar me desmoralizar eu dou um tiro na cara.”

Ele confessou, anos depois, em entrevista ao programa Roda Viva e justificou que os malufistas “falaram que iam me tirar à tapa da presidência do partido, que iam arrancar meu bigode, cabelo por cabelo. Então, achei prudente que eu fosse armado. É chocante, mas é verdade. Não é do meu feitio”.

Outro destaque é o pastor Malafaia, admoestando ovelhas e carneiros a não denunciarem os ladrões: “Teu pastor é ladrão, é pilantra? Sai e vai pra outra igreja.” Encerra com duas frases, uma trágica: “Eu já vi gente morrer por causa disso”. Outra cômica: “Ungido do senhor é problema do senhor. Não é problema teu.”

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.

CONVENÇÃO DO DEM SERÁ NESTA QUARTA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Souto entre Geddel e o presidenciável tucano, Aécio Neves (Foto Valter Pontes/Coperphoto).

Souto entre Geddel e o presidenciável tucano, Aécio Neves (Foto Valter Pontes/Coperphoto).

O DEM confirma amanhã (18) o nome de Paulo Souto na disputa ao governo baiano. A convenção começa às 9h30min, no Espaço Unique, em Salvador.
A convenção deverá confirmar, ainda, os nomes de Joaci Góes (PSDB) na vice de Souto e de Geddel Vieira Lima (PMDB) para a disputa da vaga baiana ao Senado Federal.
Até agora, o ex-governador conta com 11 legendas na disputa pelo terceiro mandato. Além de PSDB, PMDB e DEM, o partido contará com o apoio do PPS, SDD, PROS, PTC, PTdoB, PRP, PSDC e PTN.
Souto foi senador baiano e governador por dois mandatos. Será a quinta vez que disputará o Palácio de Ondina. As duas últimas tentativas resultaram em derrota para o petista Jaques Wagner em 2006, quando tentou a reeleição, e 2010.
O ex-governador começa a disputa em condição favorável, segundo pesquisa Ibope/Rede Bahia. O levantamento foi divulgado em maio (confira aqui).
Souto apareceu com 42% das intenções de voto, bem à frente de Lídice da Mata (PSB) e Rui Costa (PT), que tinham, respectivamente, 11% e 9%. A pesquisa ainda traz Da Luz (PRTB) com 2% e Marcos Mendes (PSOL), 1%.

OPOSIÇÃO PROMOVE ATO EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Souto, Joaci e Geddel compõem chapa oposicionista.

Souto, Joaci e Geddel compõem chapa oposicionista.

Pré-candidato ao governo baiano pela quinta vez, o democrata Paulo Souto promove ato neste sábado (10), a partir das 16h, na quadra poliesportiva da Ação Fraternal de Itabuna, na Avenida Amélia Amado.
Além do ex-governador, participam do ato da chapa das oposições o pré-candidato a vice, Joaci Góes (PSDB), e o pré-candidato ao Senado Federal, Geddel Vieira Lima (PMDB).
A expectativa fica em torno da participação – ou não – de Capitão Azevedo (DEM). A cúpula do partido tem promovido um silencioso boicote ao ex-prefeito itabunense. A última delas foi o retorno de Fernando Gomes ao partido.
“Cuma”, como também é conhecido o ex-prefeito, apoiará o filho do ex-governador, Fábio Souto (DEM), a uma vaga à Assembleia Legislativa, como parte da estratégia para forçar um embate de Azevedo com o também ex-prefeito petista Geraldo Simões na corrida por uma vaga na Câmara Federal (entenda aqui).

WAGNER: "DURANTE A CAMPANHA FICARÁ CLARO A NATUREZA DA CHAPA DE LÁ"

Tempo de leitura: 2 minutos
Wagner ao lado de Marcelo Nilo no sul da Bahia (Foto Pimenta).

Wagner ao lado de Marcelo Nilo no sul da Bahia (Foto Pimenta).

Apesar de afirmar que o candidato governista ao Palácio de Ondina está apresentando “crescimento bastante significativo”, Jaques Wagner disse não ter preocupações com pesquisas neste período de pré-campanha. “Fala [significa] muito pouco. Eu mesmo sou um exemplo vivo [disso]”, acrescentou em referência ao processo eleitoral de 2006, quando acabou surpreendendo ao ser eleito em primeiro turno.
O petista se negou a comentar a união de adversários tucanos, peemedebista e do DEM, mas não deixou de cutucar.
– Eu nunca me meti no lado de lá. Eu monto o meu time. Quem monta o time de lá, é o time de lá. Eu acho que eles montaram uma chapa… (pausa) Eu não vou comentar… Durante a campanha eleitoral vai ficar clara qual é a natureza da chapa de lá.
A chapa majoritária oposicionista tem o ex-governador Paulo Souto na disputa pela cadeira de Wagner. Geddel Vieira (PMDB) disputará vaga ao Senado, enquanto o empresário Joaci Góes será o vice.
Após a visita a Santa Cruz da Vitória neste final de semana, Wagner volta à região nesta segunda-feira (28). Em Ilhéus e Itabuna, ele assina ordens de serviço de obras de recapeamento e pavimentação asfáltica dos principais corredores urbanos das duas cidades, num investimento de R$ 6,3 milhões.
O evento em Ilhéus será no Palácio Paranguá, às 9h, de onde parte para o compromisso em Itabuna, previsto para as 11h, no auditório da FTC.  O prazo de execução das obras é diferenciado – sendo 90 dias em Itabuna e 150 na cidade vizinha.

WAGNER DIZ QUE COMPOSIÇÃO DE CHAPA OPOSICIONISTA ERA A ESPERADA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Governador diz que composição oposicionista era a esperada (foto Pimenta).

Governador diz que composição oposicionista era a esperada (foto Pimenta).

Instado a comentar a chapa oposicionista anunciada nesta quinta (10), o governador Jaques Wagner disse que não houve surpresa.
– Eles fizeram uma composição que já era esperada com o DEM, PMDB e PSDB. Nós vamos jogar o jogo com a chapa que eles montaram. Eu sempre disse isso. A nossa chapa está montada e com a base totalmente unificada – disse em entrevista ao jornal A Tarde.
A chapa terá Paulo Souto (DEM) para o governo, o empresário e escritor Joaci Góes (PSDB) como vice e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) como candidato ao Senado (reveja aqui). A surpresa ficou por conta de João Gualberto. O tucano era tido como o nome da vice.
Do lado do governo, o ex-secretário da Casa Civil Rui Costa (PT) será o nome ao governo, tendo João Leão (PP) como vice e Otto Alencar (PSD) disputando o senado.
Outra candidatura a governador já anunciada é da senadora Lídice da Mata (PSB), cuja chapa terá a ex-ministra do STJ, Eliana Calmon, disputando vaga ao Senado.

Back To Top