skip to Main Content
10 de julho de 2020 | 09:05 am

BIG DATA/TV ITAPOAN: RUI LIDERA CORRIDA AO GOVERNO BAIANO COM 57%; JOSÉ RONALDO ATINGE 16%

Tempo de leitura: < 1 minuto

Rui Costa atinge 57% das intenções de voto no Big Data

A mais nova pesquisa Real Time Big Data sobre a disputa ao governo baiano traz Rui Costa (PT) ainda mais consolidado na corrida sucessória. Com 57% das intenções de voto, ele seria reeleito no primeiro turno, de acordo com o instituto. Principal adversário, José Ronaldo (DEM) atinge 16¨.
Marcos Mendes (PSOL) surge com 3%, enquanto João Santana (MDB) e João Henrique (PRTB) têm 1% cada um. Juntos, Célia Sacramento (Rede) e Orlando Andrade (PCO) somam 1%. Votos brancos e nulos representam 13% e os indecisos chegam a 8%, conforme o instituto.
VOTOS VÁLIDOS
Quando considerados apenas os votos válidos, segundo o Big Data, Rui alcança 72% e José Ronaldo chega a 21%. Na sequência, vêm Marcos Mendes, com 4%, e João Santana e João Henrique com 1% cada um.
O instituto informa ter ouvido 1,2 mil eleitores no dia 2. A margem de erro é de 3 pontos percentuais e a pesquisa, registrada na Justiça Eleitoral com o número BA-01122/2018, tem nível de confiança de 95%.

DEBATE NA REDE BAHIA TEM ATAQUES A RUI E DECLARAÇÃO DE VOTO DE ZÉ RONALDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Debate na TV Bahia reuniu 5 dos 7 candidatos ao governo baiano

O debate com candidatos ao governo baiano, nesta noite de terça (2), nas emissoras afiliadas da Rede Globo no Estado, foi marcado por ataques ao governador Rui Costa (PT) e a declaração de voto de José Ronaldo (DEM) ao presidenciável José Bolsonaro (PSL). “Domingo eu vou votar para derrotar o PT”, disse o ex-prefeito de Feira de Santana no quinto bloco, o de considerações finais.
Já o governador e candidato à reeleição, Rui Costa, criticou os ataques sofridos durante o debate e fez questão de ligar, a todo momento, o nome de José Ronaldo ao Governo Temer. Zé Ronaldo retrucava dizendo não ter sido ele quem votou em Temer, numa alusão ao vice da então reeleita presidente da República, Dilma Rousseff (PT).
O debate teve a participação de apenas cinco dos sete candidatos ao governo baiano. Além de Zé Ronaldo e Rui Costa, João Santana (MDB), João Henrique (PRTB) e Marcos Mendes (PSOL) participaram do confronto. A TV Bahia adota regras da Rede Globo, o que acaba por excluir do confronto Célia Sacramento (Rede) e Orlando Andrade (PCO).
Confira trechos do debate em vídeos abaixo
Bloco 1
https://www.youtube.com/watch?v=mD9H2sKUSI8
Bloco 2

Bloco 3

Bloco 4
https://www.youtube.com/watch?v=4XFoFYBZ5kY

PRESIDENTE DO PSC DESCARTA ALIANÇA COM RUI COSTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Heber descartou aliança com Rui Costa || Foto Tácio Moreira/Metropress

O presidente do PSC da Bahia, Heber Santana, descartou possiblidade de aliança eleitoral à reeleição do governador Rui Costa (PT), apesar de o partido ter conversado com o Pastor Sargento Isidório, do Avante, sobre a aliança. “Nós, do PSC, fazemos questão de colocar que não é esse o caminho”, afirmou o deputado estadual e dirigente do PSC.
Heber reclamou, no entanto da falta de definição na chapa do pré-candidato do DEM ao governo baiano, José Ronaldo. Para ele, a indefinição resulta em perdas para o campo oposicionista e cobra fechamento de aliança ainda nesta semana. Além de Zé Ronaldo, o PSC avaliaria possibilidade de coligar com João Santana, do MDB, ou João Henrique, do PRTB, com Irmão Lázaro (PSC) disputando vaga ao Senado Federal.

IMPIEDOSAMENTE DESCARTADO

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense
Até as freiras do Convento das Carmelitas sabiam que o governador Jaques Wagner ficaria com o PP em detrimento do PDT. O tempo da legenda no horário eleitoral foi decisivo.
Os preciosos minutos na telinha são mais importantes do que a pessoa do pré-candidato, que diante da situação vira um mero coadjuvante, não importando os laços de amizade com o detentor da escolha.
Outro detalhe é que a cúpula do PT, agora sob a batuta de Everaldo Anunciação, acha – e continua achando – que os pedetistas são mais, digamos, domáveis que os pepistas.
Ninguém imaginava o deputado João Leão como vice de Rui Costa na chapa governista, já que a disputa era travada entre Mário Negromonte e o presidente da Assembleia Legislativa, o pedetista Marcelo Nilo.
Ficou a impressão de que a postulação de Negromonte era de mentirinha, tudo combinado com João Leão. A maior autoridade do Parlamento estadual foi impiedosamente descartado. Defenestrado.

THIAGO E O PSL

Thiago FeitosaThiago Feitosa (foto), filho do deputado federal Geraldo Simões, saiu do PT para o PSL por conveniência política e não por qualquer outro motivo.
No PT, sua ex-legenda de priscas eras, como diria o saudoso jornalista Eduardo Anunciação, não teria nenhuma chance de ser eleito para o Parlamento estadual.
A figura maior do PSL, João Henrique, ex-alcaide soteropolitano, anda de mãos dadas com ACM Neto. Já declarou que o seu candidato a governador é aquele que Netinho apontar.
O PSL vai apoiar o ex-governador Paulo Souto (DEM). Como a fidelidade partidária é anzol que só fisga peixe pequeno, o jovem Tiago pode declarar, em alto e bom som, que seu candidato ao Palácio de Ondina é o petista Rui Costa.
João Henrique é de uma instabilidade impressionante. Não sabe o que quer. A sabedoria popular costuma chamar o político do “vai e vem” de barata tonta.

COISA DO PASSADO

A educadora Carol Carvalho, após 20 anos de militância no PCdoB, pediu desfiliação da legenda: “Vocês não sabem o que é comunismo”, bradou a professora.
O desabafo da insatisfeita e decepcionada Carol fez lembrar o saudoso poeta e compositor Cazuza: “Ideologia! Eu quero uma pra viver”.
A você, Carol, resta o “consolo” de que não existe outro caminho. O que prevalece hoje é o “pirãonismo” (farinha pouca meu pirão primeiro). Pela coerência, somente os capitalistas merecem parabéns. Continuam os mesmos.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

DE OLHO EM 2014, FILHO DE GERALDO DEIXA O PT, MAS RECHAÇA “PROJETO FAMILIAR”

Tempo de leitura: 3 minutos

tiago-feitosaO empresário Thiago Feitosa, filho do deputado Geraldo Simões, aceitou convite do ex-prefeito João Henrique, de Salvador, filiando-se ao PSL.

Deixou o PT. Pela nova legenda, pode concorrer ao cargo de deputado estadual.

Com 31 anos, Feitosa fala de política, rebate que sua ida para o PSL seja a consolidação do projeto familiar de obtenção de mandatos na política e também fala do passado, quando acabou respondendo a processo sob acusação de ter participado de confusão em apartamento de um produtor rural. O caso deu polícia e foi parar na Justiça. Thiago fala em exageros típicos de período eleitoral por parte da imprensa e diz estar pronto. Confira abaixo:

BLOG PIMENTA – Por que essa opção de deixar o PT e ingressar no PSL?

THIAGO FEITOSA – Sempre acompanhei a carreira política da minha família. Sou apaixonado pelo PT e seus quadros, como Lula, Wagner, Dilma e Geraldo. Quando a segunda suplente de senadora [Juçara Feitosa] disputou as últimas eleições em Itabuna [2008 e 2012], diziam que se tratava de projeto familiar. Então, recebi convite do ex-prefeito João Henrique e do presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, e do estadual, Toninho, para engrossar as fileiras do PSL.

PIMENTA – Mas aí continua o projeto familiar. Só muda o partido, não acha?

THIAGO – Mas não foi Geraldo quem me convidou nem estou com candidatura lançada. Fui convidado pelos dirigentes do PSL e busco nova compreensão de partido. E essa palavra independência tem batido em meu ouvido. É uma vontade minha, um espaço onde tivesse altivez e voz. Eu reuni minha família – pais e esposa – e optei por ser independente politicamente.

______________

Meu projeto não é individual, é no plural, só não é familiar.

______________

PIMENTA – Fora do PT?

THIAGO – Continuo dizendo que minha bandeira é outra, mas o sangue é vermelho. É a decisão mais importante de minha vida, aos 31 anos de idade. Espero ter acertado. Conto com muitos companheiros. Consultei diversos na região, ouvi minha turma. As pessoas entenderam que seria uma oportunidade. Meu projeto não é individual, é no plural, só não é familiar.

PIMENTA – Dá para superar as questões do passado, superar esta imagem?

THIAGO – Todos me conhecem. A política na região é muito acirrada. Confundem sigla, bandeira e ideologia partidária com família. Já sofri muito em Itabuna, como meu pai, por discriminação, antes por ser petista. Antes, ser do PT era feio, hoje que a gente governa a Bahia e o Brasil… Precisou de Geraldo Simões para mudar. E tinha aquela imprensa que não contribui com a região nem com o Brasil. Fica difamando as pessoas em vez de discutir projetos. Essa coisa de imagem acho que já foi superada. Sou pai de família, empresário. E podem perguntar: sou bom filho, bom marido, bom pai e bom amigo.

PIMENTA – E como ficou o processo de 2008?

THIAGO – O processo já passou o prazo. Quem tem todo o relatório são meus advogados.

— Clique em “leia mais”, abaixo, para conferir a íntegra da entrevista.

Leia Mais

VIVA O VOTO ABERTO

Tempo de leitura: < 1 minuto
transparencia-ja

Campanha deflagrada pela Associação Comercial de Itabuna tem cobrado o fim do voto secreto na Câmara de Vereadores

A Câmara de Vereadores de Salvador rejeitou nesta segunda-feira, 30, as contas do ex-prefeito João Henrique referentes ao exercício 2011. Não chegou a ser uma novidade, já que as contas de 2009 e 2010 também tiveram o mesmo destino no legislativo soteropolitano, que acompanhou parecer técnico do Tribunal de Contas dos Muncípios (TCM).

O detalhe interessante é que, com a votação aberta, apenas dez vereadores tiveram peito para reprovar o parecer do tribunal. Ao final, o placar ficou em 32 x 10.

O destino das contas de JH em Salvador leva a uma análise sobre a situação do ex-prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo, que terá seu destino selado pela Câmara provavelmente ainda em outubro. A diferença é que na cidade sul-baiana há uma forte operação nos bastidores para que a votação das contas do ex-prefeito seja secreta ou, como se diz no popular, “nas entocas”.

Além disso, vereadores têm recebido forte assédio para votar as contas com base em critérios bem diferentes dos imperativos da consciência. Em tempos nos quais se cobra moralidade e ética na política, Itabuna segue, infelizmente, na contramão.

 

AZEVEDO NO PSL?

Tempo de leitura: < 1 minuto

O presidente estadual do PSL, Toninho Olívio, convidou o ex-prefeito de Itabuna Capitão Azevedo (DEM) para se filiar ao partido e ser candidato a deputado federal em 2014. Foi criada a Frente Partidária Jorge Aleluia, composta por PSL, PSDC, PTdoB, PEN e PRP, que estarão coligados nas eleições proporcionais de 2014.

O ex-prefeito de Salvador, João Henrique, deverá se filiar ao PSL para ser candidato a deputado federal. Segundo informações, antes da chegada de João Henrique, a coligação estava na expectativa de ter uma média 350.000 votos, e para garantir um Deputado são necessários 185 mil votos, com a sobra poderia eleger dois deputados. Informações do Políticos do Sul da Bahia.

SEM (MUITOS) ENTRAVES

Tempo de leitura: < 1 minuto

O governador Jaques Wagner agiu republicanamente, domingo passado, ao se pronunciar quanto ao resultado das urnas em Salvador. Como se sabe, Wagner apoiou Nelson Pelegrino (PT), mas deu ACM Neto (DEM). Quem espera uma relação conturbada entre Wagner e Neto, pode tirar o cavalinho da chuva.

O governo sabe que se a gestão de Neto for ruim, sobra (também) para Wagner e para quem ele indicar à sua sucessão em 2014. Esse é um entendimento antigo da equipe do “Barbudinho de Ondina” que, no entanto, pouco podia ou pôde fazer para amenizar os efeitos do governo de João Henrique (PP), hoje dono de uma das três maiores reprovações dentre as gestões de capitais brasileiras, segundo o Ibope.

“JOÃO HENRIQUE SERÁ O MÁRIO KERTÉSZ DO FUTURO”, DIZ COLUNISTA DO PIMENTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

JH, o artista.

O colunista Ousarme Citoaian, que assina a coluna UNIVERSO PARALELO aqui no Pimenta, disse (em resposta a comentário de leitor) que “João Henrique será o Mário Kertész do futuro”, referindo-se à notícia de que o prefeito de Salvador estaria inscrito num curso intensivo de radialista. Não foi um elogio, pois O.C. acrescentou que “isso, por certo, não nos ajuda”.

Ele também afirmou que já chega de apresentadores a dar murros, pauladas e patadas para expressar uma indignação nem sempre autêntica. “Em geral são indivíduos reacionários, que pregam a violência contra a violência e volta e meia se metem a disputar votos de eleitores incautos”, analisou.

Com uma leitora que perdeu comentário a enviar, ele retomou o caminho da ternura. “Eu saí perdendo, pois estou certo de que sua contribuição era doce feito mel de engenho”, disse, derramado feito caldo de cana caiana. Por fim, o entusiasmo com a lembrança do álbum Kind of Blue, de “Miles, Miles, o Divino”.

Para acessar a coluna desta semana, clique aqui. Para ver os comentários, aqui.

MÁRIO E A CASA DE TOLERÂNCIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Mário: “Salvador virou um grande brega”.

Mário Kertész não é lá de usar meio termo quando quer falar algo. Hoje, talvez tenha se superado ao participar de programa (radiofônico, bem entendido!) na CBN, quando foi sabatinado pelos jornalistas Raul Monteiro (Política Livre), Emerson José e Alex Ferraz.

Mário traçou paralelo dos governos de Lídice da Mata, na década de 90, e o atual, de João Henrique. Não deixou de provocar risos ao comparar Salvador a um brega:

– Lídice entregou a cidade em uma situação difícil, mas não estava desorganizada como está hoje. Lídice não foi boa administradora, mas ela tinha compostura política. Ela sabia que tinha um futuro e cuidava disso. Hoje Salvador virou um brega, só faltou a luz vermelha. O brega principal é o Palácio Tomé de Souza.

Mário está na disputa com Nelson Pelegrino (PT) e ACM Neto (DEM) para ver quem leva a chave do, digamos, lupanar…

Back To Top