skip to Main Content
15 de abril de 2021 | 11:05 am

PERDEMOS A IRREVERÊNCIA DE TYRONE PERRUCHO

Tyrone faleceu vítima da Covid-19
Tempo de leitura: 4 minutos

Choramos muito, mas devemos homenageá-lo com alegria, como costume na sua vida. 

Walmir Rosário

Véspera de Natal – pelos meus cálculos, o menino Jesus nasceu à meia-noite – e nesta quinta-feira (24) teríamos uma série de atividades a cumprir antes das obrigações com os familiares, em casa. Mas nada deu certo. Nem mesmo nos preocupamos de marcar o encontro num dos muitos bares de Canavieiras que abrigam, semanalmente, a costumeira reunião do Clube dos Rolas Cansadas e da Confraria d’O Berimbau.

É que ainda nos sentimos desorientados, desde o dia 16 de dezembro, com o sumiço do nosso coordenador mor, o jornalista aposentado Tyrone Perrucho, que se encontra lá pras bandas de Ilhéus numa missão deveras importante e ainda sem data aprazada para o retorno nesta foz do rio Pardo. De uma hora pra outra ele resolveu cumprir uma missão importante, desmoralizar – de vez – este tal de Coronavírus, mais conhecido como Covid-19.

Enquanto trava por lá sua guerra particular, aqui andamos torcendo para que ele vença logo mais uma batalha e dê por encerrada essa contenda, digna de um Hércules ou outros mitos que o valham. Destemido, aproveitou os momentos possíveis e imaginários no planejamento da contenda, assim como fez recentemente a pelejar com outro desses males que campeiam o mundo, o câncer: e venceu.

Dono de um currículo invejável, desde menino Tyrone Perrucho se revelou um ser diferente, tipo aquele “Capeta em forma de guri” descrito na música do mesmo nome, cantada pela banda Os Incríveis. Em certos momentos fico em dúvida se a letra da música foi feita exatamente para ele ou se o dito cujo se apoderou dos termos descritos para fazer uma espécie de breviário, uma bíblia…sei lá.

Peraltices tantas que se destacou no colégio e nas aulas de saxofone, tornando-se um dos músicos da briosa Philarmonica Lyra do Commercio, abandonando o quadro musical da vetusta em troca de incursões nas casas mal-afamadas da rua da Jaqueira. Perdemos um saxofonista, embora ainda poderemos recuperar o instrumento no qual está cravado o seu nome, na cidade de Feira de Santana, inativo como o ex-dono.

Embora tivéssemos perdido um músico, ganhamos um jornalista, fundador – com amigos – da revistinha Tabu, posteriormente transformada o jornal. E o nome Tabu foi dado para quebrar o tabu das publicações – todas de vida efêmera –, vivendo altaneira até os 50 anos e morta de morte matada, pois o jornalista aposentado da Ceplac desejava ardentemente se tornar um vagabundo, na essência da boa palavra. Parar de vez.

Se irreverente na escrita, gozando das benesses da aposentadoria sua verve precisava de mais agitação. Não satisfeito de ser um dos fundadores da Confraria d’O Berimbau e do Troféu Galeota de Ouro, fez valer sua inatividade ao criar o Clube do Rola Cansada, com a finalidade de aumentar e justificar as farras das quintas-feiras com os colegas que nada têm o que fazer.

Astucioso como só ele, marcou pelo Tabu a data e horário conclamando os “velhinhos” para a assembleia de fundação do Clube dos Rolas Cansadas, a ser realizada pela manhã, no bar Sombra da Tarde. Pelos meus afazeres profissionais não pude estar presente, embora soubesse posteriormente pelas páginas de o Tabu que teria manifestado meu voto pela internet, através de um orelhão da OI, há muito desativado.

Como acreditava ser Canavieiras uma cidade de vida bucólica, chegando às vias de pachorrenta, passou a realizar encontro etílicos sociais nos bares do centro e da periferia, em locais desconhecidos pelos turistas. Aliás, ocupar seu tempo diariamente em mesa de bar foi uma determinação que tomou assim que foi agraciado com a merecida aposentadoria, após 30 anos de batente na Ceplac.

E cumpriu à risca. Nem mesmo quando um câncer resolveu tentar derrubá-lo cedeu um só milímetro de sua determinação, suspendendo o consumo de cerveja por apenas 20 dias no pós-operatório. Para evitar mais delongas, refutou o tratamento com quimioterapia ou radioterapia, preferindo as rodas de bar com os amigos, o que lhe deixava mais satisfeito e feliz da vida.

Nesses tempos de pandemia – quando parou mais em casa – resolveu escrever um livro sobre fatos históricos e pitorescos importantes que noticiou nos 50 anos de existência de o Tabu. Antes mesmo que o livro chegasse aos finalmente, foi acamado com uma gripe, combatida com medicamentos populares encontrados em farmácias, chás e outras beberagens da cultura canavieirense.

Ao lembrar de uma crônica que escrevera em o Tabu, noticiando a própria morte, narrada com todos os pormenores e que promoveu uma comoção entre amigos e conhecidos, que, sabedores de suas “safadezas”, resolveram acreditar, resolveu ir em busca de conselhos médicos. Cientes da gravidade da infecção e da idade do ancião, nem mesmo o deixaram sair do hospital.

Nos dois primeiros dias de internamento, por meio do whatsapp, caçoava do tratamento por só ter tomado uma injeção, até ser recolhido a uma unidade de tratamento intensivo, conhecida popularmente como UTI. Nesse tempo em que passou sedado, não sei o que passou por sua cabeça, mas soubemos da corrente de oração encabeçada por sua mulher Yolanda com amigos tantos.

Próximo a completar 15 dias de entubado, os médicos tentaram acordá-lo, em vão, e resolveram tirar o tubo e realizar uma traqueostomia. Pouco lhe incomodou, pois continuou a dormir o sono dos anjos. Sinceramente, não quero nem saber o que ele pensou sobre o que seus amigos fizeram aqui na torcida por sua volta, uma grande corrente de orações, expressas num grupo de whatsapp, por se considerar ateu.

Infelizmente, nesta terça-feira (12), após quase um mês de internado, nosso amigo Tyrone Carlos de Carvalho Perrucho deixa órfãos todos os seus amigos. Desta vez, para sempre e sem direito a manchete de sua morte em o Tabu, feita por ele mesmo, como outrora. Sei que ele deixou todo o roteiro de seu sepultamento escrito – como um testamento –, mas na verdade impossível de ser cumprido pelo protocolo da Covid-19.

Choramos muito, mas devemos homenageá-lo com alegria, como costume na sua vida.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

COMEÇAM NA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA AS INSCRIÇÕES PARA INGRESSO NA UFSB

UFSB abre inscrições para processo seletivo no segundo ciclo
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) inicia, na próxima segunda-feira (14), a segunda chamada  para o processo seletivo para ingresso em cursos de 2º ciclo. O processo seletivo é voltado para estudantes que tenham integralizado um Bacharelado Interdisciplinar (BI) ou Licenciatura Interdisciplinar (LI) na instituição e que queiram dar continuidade aos estudos em cursos de 2º ciclo.

Para essa segunda chamada, são ofertadas 543 vagas. Cada curso possui uma formação exigida, sempre especificada no edital. É importante lembrar que, ao finalizar o 1º ciclo, o estudante recebe o diploma de conclusão de ensino superior, sendo o 2º ciclo sua segunda graduação.

Na primeira chamada, foram 760 vagas, em 25 cursos, distribuídos nos campi de Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas. Entre os cursos estão os novos de Biomedicina, Engenharia Civil, Engenharia de Aquicultura e Recursos Hídricos, Engenharia Sanitária e Ambiental, Gestão Ambiental, Gestão Pública e Social, Jornalismo, Mídia e Tecnologia, Mídias Digitais, Políticas Públicas e Produção Cultural.

O estudante ingressa através do Enem-SiSU ou Enem-Colégios Universitários em cursos de 1º ciclo (BI ou LI). Após integralizar um dos cursos, ele pode participar de um edital interno que possibilita o ingresso em cursos de 2º ciclo. Acesse o edital aqui.

PONTO DE VISTA E A ESTRADA DA VIDA

Tempo de leitura: 2 minutos

Esse contato nos uniu para grandes missões de vida, na política e fora dela. Sou grato a Deus por essa energia positiva e verdadeira.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

Neste sábado, 27 de junho, apresentei o Ponto de Vista, na Rádio Nacional, sem saber ao certo se era o último programa antes das eleições municipais, já que paira uma incerteza no ar em função da PEC que tramita no Congresso para a mudança da data das eleições. Com esse suspense no ar, no entanto recebi dos meus ouvintes e seguidores das redes sociais muito afeto, reconhecimento e apoio.

Se foi o último da temporada, me despeço com uma sensação gratificante de dever cumprido e com o coração transbordando de felicidade pelas inúmeras entrevistas e informações de qualidade que conseguimos levar para todo o público ao longo da existência do programa. Caso não tenha sido, estarei de volta no próximo sábado.

Criei o Ponto de Vista com muito carinho há quase três anos, e desde então conto com pessoas maravilhosas no Brasil e ao redor do mundo nesse que se tornou o programa dos itabunenses, chegando com grande receptividade nos lares, estabelecimentos comerciais e nos veículos da minha cidade querida – e, para minha alegria, também de outras cidades da região cacaueira e outras mais através da internet.

Contribuímos de forma efetiva com o jornalismo, com prestação de serviço e cidadania, tudo em duas horas de muito dinamismo, interação, olhares plurais e intensidade, que começa a acontecer muito antes de a luz verde do estúdio acender. Preparamos o programa com muita dedicação e esforço, o que eu e minha equipe fazemos com muito esmero e querendo levar o melhor conteúdo para os espectadores.

Na Rádio Nacional e com o nosso público, construí grandes relações. Meu muito obrigado a todos que me acompanham na Comunicação e que se juntaram a mim nessa linda caminhada de vida pela qual tenho tanto amor e respeito. Esse contato nos uniu para grandes missões de vida, na política e fora dela. Sou grato a Deus por essa energia positiva e verdadeira.

Saio para uma outra missão e espero contar com o apoio da sociedade itabunense. Após a eleição, estarei de volta ao batente do rádio, afinal esse veículo serve de âncora para a transformação social através da prática de informar. Mas, como sei que não conseguirei ficar longe da Comunicação – um chamado que entendo, no meu íntimo, ser para a vida toda, enquanto Deus me permitir servir -, continuarei a me comunicar pelas minhas redes sociais.

Minha imensa gratidão por todo o carinho que recebo todos os dias. Peço a Deus que esteja em nossas proteções e permitindo a superação dessa crise sanitária do novo coronavírus, na certeza de que continuaremos juntos na estrada da vida.

Encontro vocês no projeto #EmCasaComRosivaldo, no Instagram e no Facebook: @rosivaldopinheirorp.

Rosivaldo Pinheiro é especialista em Planejamento de Cidades (Uesc) e economista.

MORRE O JORNALISTA GILBERTO DIMENSTEIN, AOS 63 ANOS

Dimenstein faleceu nesta sexta, em São Paulo, aos 63 anos || Foto Reprodução
Tempo de leitura: < 1 minuto

O jornalismo brasileiro perdeu um dos seus maiores nomes, nesta sexta-feira (29), com a morte de Gilberto Dimenstein, aos 63 anos. Também escritor, Dimenstein faleceu em São Paulo e enfrentava câncer no pâncreas.

O jornalista teve passagem marcante pela Folha de São Paulo e criou um dos mais inovadores projetos de jornalismo comunitário e de entretenimento, o site Catraca Livre, e era reconhecido por sua preocupação social.

Ele também passou pela Veja, Jornal do Brasil e Correio Braziliense, além da Rádio CBN. Dimenstein escreveu mais de uma dezena de livros e ganhou prêmios nacionais com obras como O Cidadão de Papel.

AUTORIDADES E ENTIDADES LAMENTAM MORTE DE ROBSON NASCIMENTO

Robson Nascimento faleceu nesta terça (19), em Itabuna
Tempo de leitura: < 1 minuto

Autoridades regionais e instituições emitiram nota de pesar lamentando a morte do jornalista, fotógrafo e ex-diretor comercial dos jornais Agora e Correio e da TV Santa Cruz Robson Nascimento, ontem (19), vítima da covid-19. Robson havia sido internado há cerca de 10 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Calixto Midlej Filho, em Itabuna.

O prefeito Fernando Gomes emitiu nota de pesar em que também se solidariza com familiares e amigos de Robson. “Que Deus conforte seus corações, amenizando toda dor e sofrimento”, expressa em nota.

Aurelino Cunha (Lero Cunha), presidente da Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia (Amurc), citou os laços fortes e duradouros de Robson com o municipalismo. “O momento é de grande tristeza e comoção para toda a sociedade itabunense, diante do falecimento prematuro de Robson”.

VÍTIMA DA COVID-19, MORRE ROBSON NASCIMENTO

Robson Nascimento faleceu nesta terça, em Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

Por Walmir Rosário 

Faleceu nesta terça-feira (19) Robson Aguiar do Nascimento. Ele se encontrava internado no Hospital Calixto Midlej Filho, na Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, acometido do vírus Covid-19.

Natural de Coronel Fabriciano, em Minas Gerais, Robson Nascimento mudou para a Bahia no final da década de 1970, residindo em Salvador e em Feira de Santana. Em 1993 mudou-se definitivamente para Itabuna.

Na década de 80 trabalhou no comercial do jornal Agora e editou o Jornal Interbahia. Em seguida se transferiu para o Correio da Bahia e permaneceu como o chefe da sucursal de Itabuna, responsável por todo o sul, extremo-sul e baixo-sul.

No Correio da Bahia estimulou a criação de um caderno regional, o Sul da Bahia, de circulação quinzenal e com cobertura de toda a região, veículo que se tornou líder de vendas nas principais cidades da região.

Também atuou na TV Santa Cruz, de Itabuna, no departamento de Marketing e Comercial, desbravando novas fronteiras de mercado. Após deixar a Rede Bahia foi cuidar dos negócios pessoais.

Na década de 2000 retornou ao jornalismo – sua grande paixão – no jornal Agora, no cargo de diretor comercial e responsável pelos clientes do setor governamental, onde trabalhou até final de 2017/2018.

Recentemente, voltou a se dedicar aos negócios particulares e se dividia entre Itabuna e sua casa de veraneio na praia dos Lençóis, em Una. Entre os projetos que planejava, selecionar e catalogar todo o material jornalístico e fotográfico de sua coleção.

PROFISSIONALISMO

Fotógrafo (como o pai), jornalista, publicitário, comercial e bacharel em Direito, exerceu essas profissões com muita paixão e colecionou muitas amizades por onde passou, dentro e fora das empresas em que trabalhou.

Após pouco mais de uma semana internado acometido pelo Covid-19, deixa viúva, filhos e netos e uma legião de amigos. Conforme o protocolo do Ministério da Saúde, aos amigos não será permitido acompanhar o sepultamento, no cemitério do Campo Santo, em Itabuna, em horário ainda não agendado.

A ERA DA INFORMAÇÃO PÓS-COVID-19

Tempo de leitura: 2 minutos

A pandemia mudou a economia. Isso reflete diretamente nos diversos setores. Um novo cenário surge quando as empresas precisam se alinhar, cortar custos, ao mesmo tempo que precisam investir no digital do seu negócio, inovando outras empresas.

Andreyver Lima || andreyver@gmail.com

Ainda é cedo para entender os efeitos da pandemia na sociedade. Novas mídias e tecnologias, sempre tão importantes para a humanidade, iniciam uma nova era para a história da comunicação.

Por muito tempo, nos comunicamos exclusivamente por meio da fala ou da escrita e por volta de 1450, chega a Era da Imprensa, quando aprendemos a reproduzir textos de maneira massiva, moldando um mundo de palavras. O processo histórico, a partir daí, nos levou a um sistema econômico chamado de Capitalismo, o qual vivemos desde então.

Essa nova era comunicacional pós-Covid e as transformações trazidas com ela consolida a capacidade da internet como transformadora da política, economia e cidades à medida que mudamos a maneira como consumimos informação.

Os novos hábitos e comportamentos, como home office, pagar boletos no aplicativo, assistir lives, fazer lives, pedir delivery e matar a saudade por videoconferência nos fazem adaptar à digitalização de nossa rotina. E a inteligência artificial dos celulares bomba como nunca.

Além disso, mais médicos fazem consultas online como uma maneira de ver seus pacientes em situações não emergenciais. Os especialistas esperam que a telemedicina continue como uma tendência.

O teórico da comunicação McLuhan, bastante conhecido pelo termo “aldeia global”, muito antes da internet como conhecemos, já previa o que aconteceria nos anos futuros. Hoje em dia, o mundo realmente se tornou uma aldeia, quebrando fronteiras geográficas e sociais.

A pandemia mudou a economia. Isso reflete diretamente nos diversos setores. Um novo cenário surge quando as empresas precisam se alinhar, cortar custos, ao mesmo tempo que precisam investir no digital do seu negócio, inovando outras empresas. Num mapa econômico pró-China, sérias mudanças na estruturação de empresas acontecerão daqui para a frente, na velocidade de uma conexão 5g.

Andreyver Lima é comentarista político no Jornal Interativa News 93,7FM e editor do site sejailimitado.com.br

MORRE O DIPLOMATA E ACADÊMICO AFFONSO ARINOS

Affonso Arinos faleceu neste domingo no Rio de Janeiro || Foto ABL
Tempo de leitura: 2 minutos

O acadêmico e diplomata Affonso Arinos de Mello Franco morreu na manhã de hoje (15), em casa, aos 89 anos de idade, vítima de problemas respiratórios. Ainda não há informações sobre o sepultamento. O presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), Marco Lucchesi, lamentou a perda do amigo. “Perco um amigo querido. Um homem probo e severo. Um grande brasileiro”.

E lembrou a carreira do embaixador Affonso Arinos. “Foi um memorialista de águas cristalinas e dotado de profunda intuição”. Eleito em 22 de julho de 1999 para a Academia Brasileira de Letras, Affonso Arinos de Mello Franco foi o sexto ocupante da cadeira nº 17 e sucedeu o também diplomata e filólogo Antônio Houaiss.

O acadêmico nasceu em Belo Horizonte, em 11 de novembro de 1930. Arinos fez o curso de bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil, no período de 1949 a 1953. Em 1952 completou o curso de preparação à Carreira de Diplomata no Instituto Rio Branco, do Ministério das Relações Exteriores, e em 1955 o curso de doutorado em Seção de Direito Público, na Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil.

Leia Mais

FÁBIO LUCIANO REASSUME COMANDO DA ASSESSORIA DE IMPRENSA DA CÂMARA DE ITABUNA

Fábio Luciano mantido no comando da Ascom da Câmara de Itabuna
Tempo de leitura: < 1 minuto

O radialista e jornalista Fábio Luciano reassumiu o comando da Assessoria de Imprensa e Comunicação (Ascom) da Câmara de Vereadores de Itabuna em substituição à administradora e psicanalista Mariana Benedito, que decidiu focar na área de formação. No Legislativo há mais de 15 anos, o comunicador manifestou expectativa de o setor ter alcance ainda maior junto à comunidade.

Segundo Fábio, a rádio web da Câmara está prestes a ser inaugurada, as sessões passaram a contar com intérpretes de Libras (Língua Brasileira de Sinais) e a casa conta com profissionais nas áreas de jornalismo, rádio e televisão. “Reassumo com o compromisso de manter a sociedade de Itabuna informada sobre as ações do Poder Legislativo”, afirmou profissional.

Sempre próximo à pujante comunicação de Itabuna, Fábio Luciano começou aos 14 anos de idade, quando era chefe de circulação do então jornal Correio da Bahia, hoje Correio24h. Fábio começou no rádio em Itabuna há 22 anos e acumula experiências nas três emissoras AMs de Itabuna – Difusora, Jornal e Nacional.

POLÍCIA DETÉM JORNALISTAS NA BAHIA E SINJORBA EXIGE RETRATAÇÃO DO ESTADO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (Sinjorba) manifesta veemente repúdio pela prisão, nesta sexta (14), de dois jornalistas que apuravam as circunstâncias da morte do ex-capitão Adriano da Nóbrega, acusado de ser chefe da Milícia Escritório do Crime, após “confronto” com a Polícia Militar da Bahia, em Esplanada (BA), domingo passado (9).

Os dois jornalistas da revista Veja, Hugo Marques e Cristiano Mariz, estavam em pleno e livre exercício profissional e se identificaram quando abordados pela viatura da PM-BA. Mesmo assim, foram conduzidos a uma delegacia e tiveram o gravador de trabalho inspecionado, antes de sua devolução, em claro sinal de intimidação a consecução de suas tarefas.

A Constituição do Brasil garante a liberdade no trabalho da imprensa, preceito magno que vem sendo atropelado pelas autoridades de Segurança Pública. Vivemos um quadro de clara intimidação a quem tenta cumprir o papel social do jornalismo: informar os fatos, de forma transparente e responsável, aos cidadãos brasileiros.

Uma morte cujas circunstâncias e motivações são cercadas de dúvidas impõe que o trabalho da imprensa seja livre de sanções, para um melhor acompanhamento das investigações e divulgação dos fatos. O ocorrido com os dois jornalistas da Veja só ajuda a alimentar as suspeitas de que há mais a se informar do que foi até agora revelado.

O Sinjorba exige do Governo do Estado uma retratação e, sobretudo, uma mudança de postura dos agentes policiais para que cessem os abusos contra o trabalho da imprensa na Bahia.

NESTE 31, HOMENAGENS PÓSTUMAS PARA CHARLES HENRI

Tempo de leitura: 3 minutos

Walmir Rosário

 

Perdemos nós as suas ideias – extravagantes, para alguns pobres de espírito – e que nos faz falta pela alegria contagiante. Hoje, em seu aniversário, será tudo diferente do que ele faria: não teremos bolo, não teremos champagne, nem cantaremos parabéns.

 

Hoje, 31 de janeiro, comemoramos o aniversário de Carlos Henrique Brito do Espírito Santo, o fenomenal Charles Henri, itabunense que conquistou o Brasil com sua irreverência e modo de viver. Na minha humilde concepção, morre o homem mas fica a fama (melhor seria conceito), daí considerar a data como dia de comemoração. Fui alertado pelo Facebook, apontando, que se vivo estivesse, completaria hoje 72 anos.

Confesso que não sou bom (péssimo, aliás) para lembrar os aniversários dos amigos e familiares, o que considero de minha parte uma falta de educação ou reciprocidade com pessoas da minha estima. Muito sabem disso e nem por isso nossa amizade fica estremecida. Em nome dessa legião cito como um bom exemplo o amigo Rui Carvalho, sempre o primeiro a me felicitar, embora a recíproca não seja verdadeira. Deixa pra lá.

Charles Henri continua merecendo todas as honras no dia do seu aniversário e fora dele pelo que representou para o jornalismo itabunense e regional. Além de mudar o vocabulário que nem todos os leitores de jornais entendiam, viveu com intensidade a vida social(?), promovendo festas monumentais com todos requintes dos grandes centros do Brasil e do mundo.

Mas falar de Charles Henri referindo-se apenas às festas que promovia é uma atitude mesquinha e que não condiz com a grandeza de suas atitudes quando o assunto era a sociedade. Não me prendo à alta sociedade comumente compreendida pelos frequentadores assíduos das colunas sociais escritas por Charles e tantos outros que se dedicaram a este segmento do jornalismo.

Destaco o Charles Henri destemido que assumiu o Itabuna Esporte Clube após ter sido abandonado pelos cartolas devido aos altos investimentos que nem sempre alcançavam os resultados pretendidos. Mostrou ser possível formar uma grande equipe investindo dedicação, unindo forças antagônicas em torno de um ideal. Com a mesma determinação que solicitava recursos aos cacauicultores, reivindicava a construção do estádio.

Quando dado como “morto” o Sindicato de Jornalistas do Sul da Bahia, Charles Henri partiu para mais uma ressurreição e se lançou candidato à presidência da entidade, vencendo mais uma peleja. Suas empreitadas não tinham limite e sempre foram vencedoras por atuar com foco e denodo, conseguindo reunir pessoas diversas num mesmo ideal.

Com a mesma dedicação que organizava um evento para uma autoridade pública, para uma pessoa de posses (financeira), com todo o requinte promovia um encontro com amigos despossuídos. Muito comum receber dele o convite para participar de um almoço, jantar, enfim, qualquer evento para homenagear uma pessoa de sua (nossa) convivência dentro dos padrões do custo 0800.

Charles Henri desfilando no carnaval do Rio de Janeiro pela Escola Beija-Flor

Charles Henri vivia, de forma macro, a sociedade 24 horas por dia. Com o mesmo destaque desfilavam por suas colunas pessoas poderosas, bem como as desconhecidas do high society. Viveu todo o luxo e riqueza da época áurea do cacau, acudiu instituições no período do debacle (vacas magras), atravessou com galhardia o período de recuperação econômica com o mesmo fôlego e galhardia em que desfilava como um dos principais destaques da Escola de Samba Beija-Flor no carnaval carioca.

Em novembro de 2018 Charles Henri muda de projeto, nos deixa neste mundo e parte para o além ou qualquer lugar neste universo. Perdemos nós as suas ideias – extravagantes, para alguns pobres de espírito – e que nos faz falta pela alegria contagiante. Hoje, em seu aniversário, será tudo diferente do que ele faria: não teremos bolo, não teremos champagne, nem cantaremos parabéns.

Nos basta a lembrança desta magnífica figura humana.

Walmir Rosário é jornalista, radialista e advogado, além de editor do Cia da Notícia.

COM ROSIVALDO PINHEIRO, “PONTO DE VISTA” ESTREIA NOVO HORÁRIO NA RÁDIO NACIONAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Rosivaldo vai retomar programa em novo horário neste sábado

Há mais de dois anos no ar pela Rádio Nacional 870 AM, o programa Ponto de Vista com Rosivaldo Pinheiro vai estrear novo horário a partir deste sábado (1º). O programa irá ao ar das 10h às 12h. Além do horário, o programa ganhará novo formato.

Segundo Rosivaldo Pinheiro, o Ponto de Vista manterá a pauta de opinião sobre assuntos do cotidiano e da política, que é o carro-chefe do programa, aliado ao entretenimento com músicas e participações dos ouvintes. Agora, diz o apresentador, contará também com a presença em estúdio de Leandro Viana, como noticiarista, e a atuação dos repórteres plantonistas Carlos Barbosa, Fábio Ferreira, Hélio Fonseca e Wagner Mendes.

– É um momento novo do Ponto de Vista, com novas ideias e novo conceito, sem deixar a essência de um programa de opinião. Esse time que vem agora comigo certamente vai entregar as notícias mais apuradas que a cidade quer e precisa ouvir. Informação é a chave para uma sociedade evoluída e nós apostamos nisso. Agradeço aos meus ouvintes pela fidelidade ao longo desses dois anos e meio e sei que muitos outros estão chegando para somar e serão muito bem-vindos – destacou Rosivaldo Pinheiro.

Rosivaldo Pinheiro diz que o programa continuará sendo semanal, sempre aos sábados. “As mudanças na grade de programação da emissora fazem parte do novo momento da Rádio Nacional, agora sob a direção-geral de Juliana Oliveira”, reforça.

FAKE NEWS É TEMA SEMINÁRIO PROMOVIDO EM ITABUNA POR SINJORBA, ABI E SINAPRO

Tempo de leitura: 2 minutos

Moacy, Ernesto, Coronel, Fábio e Lídice são os palestrantes do evento em Itabuna

Sensibilizar a sociedade para a crescente onda de notícias falsas, as chamadas fakes news, no Brasil, em especial neste ano de eleições municipais, e mobilizar os profissionais da área do sul da Bahia na luta pela preservação da profissão de jornalista são dois dos objetivos do Seminário Jornalismo do sul da Bahia – Realidade e desafios no combate a Fake News. O evento ocorrerá na manhã da próxima quinta-feira (30), no auditório da Coopec/Sicoob, na Avenida do Cinquentenário, em Itabuna.

Durante uma manhã, das 8h às 12h30min, com intervalo para coffee-break, representantes da sociedade participarão de dois painéis com a presença do senador Angelo Coronel, presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das Fake News do Congresso Nacional; da deputada Lídice da Mata, relatora da Comissão, do advogado Fábio Santos, especialista em Direito Digital, e dos jornalistas Moacy Neves, presidente do Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba), e Ernesto Marques, diretor da Associação Bahiana de Imprensa (ABI).

“O Sinjorba e a ABI-Bahia, juntamente com a Fenaj-Federação Nacional dos jornalistas, lançaram uma campanha em defesa da categoria. A proposta do seminário é reunir os diversos segmentos representativos e fortalecer a luta contra a onda crescente de “fakes news” que, além de prejudicar a imagem dos profissionais de imprensa, vem causando um grande mal à sociedade”, afirmou jornalista Daniel Thame, diretor do Sinjorba.

O encontro, promovido pela AM3-Assessoria e Consultoria em Comunicação, Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba), Associação Bahiana de Imprensa (ABI) e Sindicato das Agências de Propaganda da Bahia (Sinapro-Bahia), está previsto para as 8h e deverá reunir 230 participantes, dentre eles, jornalistas, radialistas, publicitários, empresários, parlamentares, professores, estudantes e dirigentes de veículos de Comunicação e líderes comunitários.

Em Itabuna, o tema “Fake News” e os limites da informação na Internet vem sendo discutido publicamente desde o início de junho do ano passado, quando a Câmara de Vereadores promoveu uma edição do projeto “Queremos Saber”, com a participação da delegada da Polícia Civil e professora de Direito, Katiana Amorim. A proposta foi discutir e coibir os possíveis casos de violação do direito à intimidade das pessoas ou de divulgação de informações ofensivas e discriminatórias.

Além de participarem dos painéis, os inscritos no Seminário “Jornalismo do sul da Bahia–Realidade e desafios no combate a Fake News” debaterão o tema com os palestrantes e apresentarão propostas e sugestões enfrentar combater as “fakes news em nosso meio. Conta com o apoio da Coopec/Sicoob, da UniFTC-Itabuna, RCM-Propaganda, Visão Propaganda, Itabuna Palace Hotel e da Câmara de Vereadores de Itabuna. O auditório da Coopec/Sicoob está situado na avenida Cinquentenário, n.º 1.100, centro de Itabuna. Inscrições: Gratuitas, limitadas e online, até o dia 28 de janeiro, pelo site “Eventbrite” – www.eventbrite.com.br.

PRESIDENTE E RELATORA DA CPMI DAS FAKE NEWS PARTICIPAM DE DEBATE EM SALVADOR

Tempo de leitura: 2 minutos

Senador Angelo Coronel e deputada Lídice da Mata participarão de debate em Salvador || Foto Geraldo Magela/Agência Senado

Para discutir a propagação de notícias falsas nos meios digitais e as consequências desse processo à democracia e à categoria dos jornalistas, ocorrerá em Salvador o debate “Contra a pior fake news, o bom jornalismo”, na próxima sexta (20), às 9h, na sede da ABI. A atividade terá a participação dos parlamentares que estarão à frente da recém-instalada Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Fake News, o senador Angelo Coronel (presidente), e a deputada federal Lídice da Mata (relatora).

Também farão parte da mesa o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Bahia (Sinjorba), Moacy Neves, o presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), Walter Pinheiro, e a diretora da Faculdade de Comunicação/Ufba (Facom), Suzana Barbosa. O evento é aberto ao público e será realizado nesta sexta (20), às 9h, no auditório da ABI, na Rua Guedes de Brito, nº 1, Praça da Sé.

Apesar de notícias falsas sempre existirem, ressalta Moacy Neves, do Sinjorba, elas nunca foram tão disseminadas e tiveram tanta influência na agenda política do país a partir do surgimento das redes sociais. Durante a eleição presidencial de 2018, com a polarização e o acirramento das disputas políticas, as fake news foram muito utilizadas.

“Empregada em alta escala as notícias falsas ameaçam a democracia do país, uma vez que interferem no acesso à informação como um direito do cidadão. Precisamos debater seus impactos, os meios para identificar e punir a indústria da fake news e, ainda, como nós jornalistas devemos agir para combatê-la”, afirmou o presidente do Sinjorba.

CPMI DAS FAKE NEWS

Instalada no dia 04 deste mês, o requerimento para a criação da CPMI teve o apoio de 276 deputados e 48 senadores. Em um prazo de 180 dias, os 15 deputados e 15 senadores da Comissão Parlamentar investigarão, entre outros itens, a criação de perfis e difusão de informações falsas em larga escala com possível influência, inclusive, em processos eleitorais. As questões do bullying virtual e do aliciamento de menores em redes sociais também serão pautas da CPMI.

MORRE O JORNALISTA PAULO HENRIQUE AMORIM

Tempo de leitura: < 1 minuto

Paulo Henrique Amorim em lançamento de livro na Bahia || Foto Marival Guedes

O jornalista e apresentador Paulo Henrique Amorim faleceu na manhã desta quarta (10), aos 77 anos, em sua residência, no Rio de Janeiro. A causa da morte informada foi um infarto fulminante.

Com passagens pela Rede Globo, onde foi repórter e correspondente internacional, jornais e revistas, Paulo Henrique apresentava telejornais da TV Record desde 2003.

Em junho deste ano, Paulo Henrique Amorim acabou afastado do jornalismo da emissora e da apresentação do Domingo Espetacular, por interferência política. O jornalista editava o blog Conversa Afiada, do qual era proprietário, um dos mais combativos sites do espectro de esquerda no país.

Em setembro de 2015, PHA, como também era conhecido entre os colegas, lançou em Salvador o livro O quarto poder – Uma outra história, quando concedeu entrevista a Marival Guedes para o PIMENTA. Nela, falou de regulamentação da imprensa, do Partido da Imprensa Golpista (PIG), termo largamente usado por ele para denominar a oposição aos governos petistas de Lula e Dilma Rousseff (reveja aqui).

Back To Top