skip to Main Content
21 de fevereiro de 2020 | 09:57 am

LOIOLAGATE: JUSTIÇA FEDERAL BLOQUEIA BENS DE EX-PRESIDENTE DA CÂMARA DE ITABUNA

Tempo de leitura: 3 minutos
Condenado a seis anos de prisão, Loiola tem bens bloqueados.

Condenado a seis anos de prisão, Loiola tem bens bloqueados.

Atendendo a requerimento do Ministério Público Federal (MPF) em Ilhéus/BA, a Justiça Federal em Itabuna determinou o bloqueio de R$ 797.777,80 em bens do ex-presidente, Clóvis Loiola de Freitas, do então chefe de Recursos Humanos, Kleber Ferreira da Silva, e dos seus assessores, Eduardo Freire Menezes e José Rodrigues Junior, da Câmara de Vereadores de Itabuna/BA.

Os quatro são réus na ação de improbidade administrativa ajuizada pelo MPF no final do ano passado, por desviarem e se apropriarem de recursos da Caixa Econômica Federal (CEF) por meio de fraude e utilização de documentos falsos para obtenção de empréstimos consignados concedidos a funcionários, muito deles “fantasmas”, da Câmara de Vereadores do município.

No biênio 2009/2010, quando Freitas e Silva integravam a Mesa Diretora da casa legislativa, eles montaram o esquema, se valendo de seus cargos públicos e da estrutura administrativa da Câmara de Vereadores de Itabuna, para fraudar documentos visando a obtenção indevida de empréstimos consignados, em prejuízo à CEF.

O grupo operava por meio da apresentação de contracheques ideologicamente falsos em nome de servidores da Câmara, com margem consignável adulterada e muitas vezes superior ao próprio salário-base do funcionário.

As investigações comprovaram que grande parte dos servidores sequer exercia, de fato, funções na Câmara Municipal de Itabuna/BA. Muitos foram aliciados por Menezes e Rodrigues Júnior para aumentar os lucros auferidos com o esquema, figurando como “fantasmas” e “laranjas”.

PREJUÍZO DE R$ 1 MILHÃO

Há casos também de funcionários da câmara que foram compelidos a firmar os contratos de empréstimo sob a advertência de que, caso se negassem, seriam exonerados de suas funções. Esses “servidores”, apesar de não terem sido os principais beneficiários do esquema, também foram processados criminalmente por terem concorrido com a prática ilícita.

Leia Mais

LOIOLA É CONDENADO A RESSARCIR OS COFRES PÚBLICOS EM MAIS DE R$ 48 MIL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Loiola: devolução de grana.

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) julgou procedente denúncia contra o ex-presidente da Câmara de Itabuna, Clóvis Loiola (PSDC), por irregularidades licitações realizadas em 2009.

O relator do processo, conselheiro substituto Cláudio Ventin, solicitou a formulação de representação ao Ministério Público contra o ex-presidente e determinou o ressarcimento ao erário  de R$ 48.432,00, além de aplicar multa no valor de R$ 3 mil.

A denúncia foi formulada pelo atual presidente, Rui Miscócio Machado (PTB), que apontou irregularidades na carta convite nº 007/2009, para a execução de serviço de manutenção da estrutura física da Câmara. A relatoria também atestou irregularidades na carta convite nº 009/2009, que tem por objeto a prestação de serviços de fotocópias e encadernação.

ITABUNA: MP PEDE AFASTAMENTO DE TRÊS VEREADORES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Loiola, Bacelar e Roberto de Souza estão na mira da justiça

O promotor Inocêncio Carvalho é autor de ação civil pública que pede o afastamento e o bloqueio de bens de três vereadores de Itabuna. Estão na mira do Ministério Público os vereadores Clóvis Loiola, Roberto de Souza e Ricardo Bacelar, acusados de montar esquemas que desviaram pelo menos R$ 3 milhões. A roubalheira teria ocorrido nos dois anos (2009 e 2010) em que Loiola presidiu o legislativo municipal, tendo Roberto de Souza como primeiro secretário.
A ação civil pública foi encaminhada pelo promotor ao juiz da 2ª Vara Cível, Comercial e da Fazenda Pública de Itabuna, Gustavo Pequeno. Nela, os vereadores e mais quatro pessoas são apontadas por envolvimento em uma rede de fraudes em processos licitatórios que tinham como objeto a contratação de serviços para o legislativo. O empresário Rui Barbosa, da Mosaico – Fábrica de Resultados, também estaria envolvido.
O promotor também denunciou à justiça o ex-diretor de Recursos Humanos da Câmara, Kleber Ferreira; o ex-diretor administrativo Alisson Cerqueira e três assessores. Dois deles (José Rodrigues e Antônio José Pinto Muniz) são ligados a Roberto de Souza. O terceiro (Eduardo Freire de Menezes), era chefe de gabinete do então presidente Clóvis Loiola.
Carvalho pediu que a justiça decrete a indisponibilidade dos bens de todos os suspeitos, bem como a quebra de seus sigilos bancários, fiscal e telefônico.

PIMENTINHAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Aquele lance macabro de outro dia, quando uma ruma de sindicalista invadiu o plenário da Câmara de Ilhéus com velas, caixão e cânticos fúnebres, assombrando centenas de velhinhas que estavam ali para receber homenagem dos vereadores, ilustra bem os tempos vividos pela política nesse eixo torto Ilhéus-Itabuna.
A falta de seriedade não poupa nem as vovós e é sabido que essa raça de políticos desalmados e vorazes só têm consideração mesmo pelo que lhes favorece a conta bancária, como se viu no caso dos dez fantasmas da mesma Câmara de Ilhéus. Um esquema que desviou R$ 83.700,00 dos cofres públicos em três meses.
Como se percebe, as coisas andam mesmo fúnebres no legislativo municipal, onde caixões e fantasmas formam congestionamento . E o que é mesmo de morte é ser denunciado pelo vereador Aldemir Almeida, conhecido por maquinar estranhas operações na rede pública de saúde e por ter sido um dos beneficiários do velho mensalinho de Valderico Reis, entre outras traquinagens.
O presidente Dinho Gás, com sua pinta de ingênuo, faz cara de paisagem de quem não está entendendo nada. E na porta da funerária – ou melhor, da Câmara – alguém abordou o vereador com uma pergunta capciosa: “vai se safar, Dinho?”
É a treva…
***
O vereador petista ilheense Paulo Carqueja, o outro caça-fantasmas da Câmara, é esperado há mais de três meses para assumir o comando da Secretaria Municipal da Saúde. Carqueja impôs a condição de receber a Secretaria organizada e em condições de prestar um bom serviço.
Talvez assuma o cargo em 2099…
***
Após a mobilização do GAC (Grupo do Almoço Cevado), não teve jeito: a presidenta Dilma finalmente sentiu a poder de pressão itabunense e autorizou a instalação da Universidade Federal na cidade.
E quem deve colocar o assunto na pauta de sua próxima reunião é a Alambique (Academia de Letras, Arte, Música, Birita, Inutilidades, Quimeras, Utopias Etc). A questão agora é definir o local do campus, que a Alambique até aceita que seja na Ceplac…
Chiadeira mesmo vai ser se alguém sugerir a desativação do Katikero para que no lugar do boteco seja instalada a universidade…
***
Anda sumida a vereadora Rose Castro, de Itabuna, que faz companhia a Clovis Loiola no ostracismo. Juntos, eles emplacaram sucessos nas sessões plenárias, como a famosa falta de “cloro” para que fosse votado um projeto (pérola de Loiola) e a pedrada de Rose que, numa discussão com outro vereador, disse que não entraria no “inquérito” da questão…
Com Rose e Loiola apagados, as páginas políticas perdem totalmente a graça.
***
O presidente do PSDB de Itabuna, José Adervan, deverá ter as asas cortadas no toco. No ninho tucano, vigora a regra do “vale quanto pesa” e as aves eleitas não respeitam os cabelos brancos do dirigente.
Adervan, retado da vida, esperneia em papel-jornal. Mas vai acabar empastelado.
***
Leitor deste blog não mostra espanto diante da possibilidade de união entre os ex-prefeitos Fernando Gomes e Geraldo Simões, que eram inimigos desde criancinha.
O atento e conformado internauta recorre à sabedoria popular: “É assim mesmo, meu amigo – Deus faz, o vento espalha e o diabo ajunta”…
***
Até a próxima!

LOIOLA E ROBERTO SÃO OUVIDOS PELO MP

Tempo de leitura: < 1 minuto

Roberto de Souza e Loiola

O vereador Clóvis Loiola (PPS), ex-presidente da Câmara de Itabuna, e seu colega Roberto de Souza (PR) foram ouvidos nesta segunda-feira, 07, pelo Ministério Público. A audiência faz parte do processo que apura desvios milionários no legislativo municipal.

Loiola foi apontado como responsável pelo “desaparecimento” de pelo menos R$ 2 milhões da Câmara. Parte do dinheiro foi desviada num esquema que envolvia a empresa Mosaico Fábrica de Resultados, que recebia R$ 47 mil mensais do legislativo. Desse dinheiro, R$ 7 mil era a comissão da empresa e o restante era devolvido ao então chefe de gabinete de Loiola, Eduardo Menezes. Este, por sua vez, afirmou que repassava os valores ao ex-presidente.

Roberto de Souza, que era primeiro-secretário da Câmara à época dos fatos, foi considerado omisso, mesmo enquadramento dado ao vereador Ricardo Bacelar (PSB), que será ouvido nesta terça-feira, 8, às 10 horas da manhã.

Também foram ouvidos nesta segunda-feira, Eduardo Menezes e o ex-diretor administrativo da Câmara, Alisson Cerqueira. Já o ex-chefe do setor de Recursos Humanos, Kleber Ferreira, apresentou atestado médico e conseguiu ser liberado do depoimento.

LOIOLA DEIXOU FUNCIONÁRIOS SEM GRANA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Servidores da Câmara Municipal de Itabuna, que foram exonerados no apagar das luzes da gestão do ex-presidente Clóvis Loiola, ficaram sem o pagamento da remuneração do mês de dezembro. A bomba caiu no colo do atual presidente, Ruy Machado, e do diretor administrativo da casa, Moacir Smith Lima.

No último dia 20, a Câmara pagou os salários referentes ao mês e janeiro e a pendência com os exonerados não foi resolvida. Segundo o diretor, o problema é que a gestão passada não realizou o empenho da verba necessária ao pagamento.

“Se fôssemos pagar essa parcela que ficou sem receber o mês de dezembro, estaríamos infringindo a lei e cometendo uma irregularidade”, afirma Moacir, para tristeza de quem perdeu o emprego… e ainda ficou sem salário.

LOIOLA FORA DO PPS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Fonte do PPS acaba de informar ao PIMENTA que o ex-presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Clóvis Loiola, foi expulso do partido nesta manhã. A expulsão foi recomendada pelo Conselho de Ética da legenda, que apontou conduta indevida do filiado.

Loiola teve o nome arrolado entre os envolvidos nos desvios de mais de R$ 1 milhão da Câmara de Vereadores, além de ter entrado em choque com o diretório municipal do PPS em diversas ocasiões.

Outro vereador do partido que está na berlinda é Raimundo Pólvora, mas para ele o PPS estuda uma medida mais branda.

"COM LOIOLA, TODOS VIRAMOS LADRÕES"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Para o vereador Ruy Machado (PRP), que nesta sexta-feira, 31, disputa a presidência da Câmara de Itabuna, o atual presidente Clóvis Loiola (PPS) fez com que todos os membros do legislativo municipal passassem a ser vistos pela população como ladrões.
A declaração foi feita durante entrevista do vereador no programa Cacá Ferreira (Rádio Nacional). Machado se referia aos escândalos em série produzidos na gestão de Loiola, os quais foram identificados por uma Comissão Especial de Inquérito e levaram o Ministério Público a pedir o afastamento do presidente da Câmara, além do primeiro-secretário Roberto de Souza (PR) e do segundo-secretário Ricardo Bacelar (PSB).
“A gestão de Loiola fez com que todos os vereadores se tornassem ladrões, aos olhos da população”, comentou o vereador. Ele acrescentou ainda que, no seu caso, “um idoso”, isso “não fica bem”.

MINISTÉRIO PÚBLICO PEDE AFASTAMENTO DE LOIOLA, ROBERTO DE SOUZA E RICARDO BACELAR

Tempo de leitura: 2 minutos

EM PRIMEIRA MÃO

Loiola, Roberto e Bacelar são investigados pelo Ministério Público (Fotomontagem Pimenta).

A promotora Thiara Rusciolelli ingressou, nesta manhã de quinta-feira (16), com pedido de liminar para que a Justiça afaste, preventivamente, os vereadores Clovis Loiola (PPS), Roberto de Souza (PR) e Ricardo Bacelar (PSB). O Ministério Público estadual investiga um esquema de corrupção que teria desviado, pelo menos, R$ 1 milhão da Câmara de Vereadores de Itabuna.
O pedido deverá ser julgado pelo juiz da 2ª Vara Cível e da Fazenda Pública, Gláucio Klipel. Loiola é o presidente da Câmara e Roberto de Souza e Ricardo Bacelar ocupam, respectivamente, a primeira e a segunda secretarias da Mesa Diretora do legislativo.
A promotoria iniciou na semana passada as investigações sobre o “Loiolagate”, como ficou conhecido o esquema de desvio de dinheiro do legislativo por meio de empresas fantasmas, notas frias e obtenção de crédito consignado por meio fraudulento.
Quatro empresas foram utilizadas para drenar recursos públicos na Câmara. Vereadores também são citados num esquema de adulteração de contracheques para aumentar a margem consignável de empréstimos tanto dos parlamentares como de assessores. Em alguns casos, o crédito concedido era 340% superior ao permitido por lei.
Além dos três vereadores, a promotora cita no pedido liminar apresentado ao juiz Gláucio Klippel o afastamento dos já exonerados ex-diretores Alisson Cerqueira e Kleber Ferreira. Na semana passada, a promotora Thiara Rusciolelli recebeu das mãos do relator da CEI do Loiolagate, Claudevane Leite (PT), as conclusões da investigação feita pela Câmara.
A subseção da OAB-Itabuna disse que a decisão do Ministério Público é importante para dar uma resposta à sociedade e restabelecer a moralidade no legislativo. “Não esperávamos outra atitude da promotora, que nos prometeu agilidade nas investigações de corrupção na Câmara. Agora, esperemos a decisão da Justiça”, disse o presidente da OAB-Itabuna, Andirlei Nascimento. A promotora foi procurada, mas estava em horário de almoço.

A PRESIDÊNCIA DA CÂMARA DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Loiola (atual presidente), Roberto de Souza e Ruy Machado - protagonistas em um cenário político macabro

A poucos dias de 2011, ninguém sabe ao certo quem será o presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna. Dois reivindicam o comando da casa: Roberto de Souza (PR), eleito com grande antecedência graças a uma mexida no Regimento Interno da Casa, e Ruy Machado (PRB), escolhido em 30 de novembro passado, após outra futucada nas regras do jogo e na fechadura do plenário, que havia sido trancado para impedir a eleição.
Indagada sobre o imbróglio, a secretária parlamentar Margareth Brandão, grande conhecedora do legislativo itabunense, não titubeia. Segundo ela, as duas eleições estão irregulares e, portanto, devem ser anuladas para que uma terceira decida quem será o presidente. Considere como uma espécie de tira-teima.
Para se ver a que nível de esculhambação chegou a política local…

Back To Top