skip to Main Content
6 de julho de 2020 | 01:18 pm

BOLSONARO NÃO É EXEMPLO DE POLÍTICO PARA O BRASIL, AFIRMA RUI COSTA

Tempo de leitura: 2 minutos

Rui diz que Bolsonaro não é exemplo de político para o país

O governador Rui Costa avaliou o cenário eleitoral nacional em 2018 e disse acreditar que o pré-candidato Jair Bolsonaro não passe dos 15%, 16% dos votos. “Não é exemplo de político para o Brasil. Acho  que o teto [de voto] dele é esse, 15%, 16%”, afirmou o governador durante entrevista à Rádio Metrópole FM, há pouco.
Para o gestor baiano, Bolsonaro é dos candidatos que pregam ódio, raiva e acham que “a solução pro Brasil é na arma”. Na avaliação de Rui, o país precisa de presidente que saiba discutir sobre temas como saúde, finanças, política econômica e investimentos em infraestrutura no pais e passe confiança aos investidores. “Não é com retórica, bravata que a gente vai conseguir”, completou. O novo presidente, afirma, deverá ser quem tem capacidade de unir e liderar o país.
O governador fez críticas à condenação de Lula (“sem provas”) e disse que os aliados do presidente Michel Temer terão dificuldades nas eleições deste ano. Ele ainda abordou a disputa estadual e, usando a linguagem do futebol, afirmou que seu time tem bons jogadores. “Eu tenho craques para colocar em campo. Tem treinador que falta jogador”, disse, alfinetando o pré-candidato do DEM ao governo do estado, ACM Neto, que tenta fisgar nomes da base aliada adversária.
“BANDIDO SAI DANDO ADEUSINHO”
Ainda durante a entrevista, Rui defendeu mudança na Lei de Execução Penal. “Sou defensor de mudar a lei de execução penal. Sou contra alguém que tira a vida de outra pessoa ter regressão de pena. Mata o pai, a mãe e com 3 anos está em liberdade provisória. Prende e solta. Não é possível. O criminoso que foi pego com arma, assaltando, ele sai antes da delegacia que o policial. Sai dando ‘adeusinho’ e o policial fica preenchendo requerimento e o cara sai antes. Isso desestimula a ação policial”, disse.

A LEI É PARA TODOS

Tempo de leitura: 3 minutos

Juliana Soledade
 

Como pode então o povo querer ser o próprio tribunal de um ex-presidente? É atestar que um país não é democrático e tampouco consegue respeitar e entender a diferença dos três poderes em um país. A única justiça que eu realmente espero é que ele não pague o ‘pato’ sozinho.

 
Eu escolhi o silêncio enquanto pude durante esse processo arrastado do Caso Triplex e das condenações do ex-presidente. Além de ser extremante complexo, preferi observar o comportamento dos juízes de plantão sem nunca terem aberto um livro específico sobre as matérias em discussão.
Na cabeça de muitos o Brasil está dividido em dois lados, mas apenas esses dois lados se apresentam, digladiam e medem forças imaginárias. Esquece-se de uma grande massa que tem muitas faces: a silenciosa, aquela que se articula e discute a possibilidade de um novo candidato no pé de orelha, na mesa do bar ou na reunião de negócios, mas além, não discutem sobre a nova condenação por ser um assunto vencido.
O jeitinho brasileiro nos faz esquecer a premissa básica de que a Lei é para todos, principalmente para os mais influentes e quase intocáveis. Um julgamento desse porte é uma mensagem nas entrelinhas, onde diz: mais respeito aos poderes que regem este país. Assim como foi para o Eike Batista, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Joesley Batista, Geddel Vieira e tantos outros que não imaginavam que o telhado de vidro poderia ser quebrado.
Para determinados fanáticos a figuras públicas é difícil compreender que cadeia não pode ter um porteiro como nessas boates VIPs onde pode se escolher quem deve ou não entrar. A condenação do Juiz Federal foi criticada pelos apaixonados, a mesma condenação foi ratificada e majorada em segunda instância por um colegiado, ainda assim, críticas, habbeas corpus, injustiça, falta de provas. O meu grande questionamento é como o da maioria: O que falta para prender a alma mais honesta do Brasil que já foi investigado, condenado e julgado?
É calamitoso defender uma inocência de quem transformou a sua família em milionária em meses, de quem não cumpriu com a promessa de tirar o Brasil da miséria, e a maior prova é o desespero da grande massa quando surgem boatos do fim de auxílios sociais. O país continua completamente dependente do Estado, principalmente quando abandonou a estabilidade de quando o assumiu. O Brasil tem uma expoente necessidade de abandonar a crise moral que nos assola e sair da crise financeira será tão somente uma decorrência.
A classe da esquerda assemelha-se com crianças mimadas e extremamente birrentas, que, no julgamento do impeachment, anunciaram golpe e após o insucesso, bradaram pelas Diretas Já. Novamente é o mesmo que rasgar a Constituição e derrubar aos gritos um regime democrático.
E como pode então o povo querer ser o próprio tribunal de um ex-presidente? É atestar que um país não é democrático e tampouco consegue respeitar e entender a diferença dos três poderes em um país. A única justiça que eu realmente espero é que ele não pague o ‘pato’ sozinho.
Juliana Soledade é escritora e pós-graduada em Direito.

WAGNER: "EU NÃO SOU CANDIDATO A PRESIDENTE"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Wagner, que aparece em pesquisa Datafolha, diz não disputar presidência || Foto Antonio Cruz/A.Brasil-Arquivo

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), Jaques Wagner, voltou a negar qualquer intenção de disputar a eleição para Presidência da República este ano. Nesta quarta-feira (31), ele apareceu com 2% das intenções de voto em uma pesquisa divulgada pelo Datafolha.
Wagner foi colocado na lista de candidatos em um cenário sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como representante do PT. “Eu não sou candidato a presidente. O Datafolha está simulando nomes. Tenho quase certeza que esses votos são basicamente votos de baianos e nordestinos, mas eu definitivamente não trabalho com essa hipótese. Meu candidato é Lula”, garantiu o secretário em entrevista ao Bahia Notícias nesta quarta.
Ele reforçou que Lula deve tentar viabilizar sua candidatura até não poder mais apresentar recursos à Justiça. “Eu fico grato por quem se lembra do meu nome, mas não é real. Sou candidato a senador e meu candidato a presidente é ele [Lula]”, disse o secretário estadual. Ele disse ainda que o PT “não necessariamente” vai lançar um candidato ao Palácio do Planalto caso Lula fique impedido e cogitou a hipótese de apoiar um nome de um partido aliado. No entanto, Wagner ressaltou que o cenário pode mudar daqui até a eleição. “É muito difícil pensar num cenário porque está muito longe”, explicou. Informações do Bahia Notícias.

JURISTAS SE DIVIDEM SOBRE SENTENÇA CONTRA LULA E AVALIAM CANDIDATURA

Tempo de leitura: 4 minutos

Lula poderá concorrer à presidência em situação precária || Foto Divulgação

A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, com aumento da pena decretada anteriormente pelo juiz federal Sérgio Moro, gerou diferentes opiniões de advogados, ex-juízes e professores de Direito. Há, de um lado, a avaliação de que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) acertou ao confirmar a sentença do magistrado da 13ª Vara Federal de Curitiba, já que ao longo do processo foram apresentadas provas materiais. Já os críticos da decisão acreditam que os indícios eram frágeis para a condenação do ex-presidente. Os juristas também acham que Lula ainda teria recursos para se candidatar à Presidência este ano, mas em situação jurídica bastante precária.
Para a professora Beatriz Vargas, da Universidade de Brasília, a semelhança entre as falas dos desembargadores, que por 3 votos a 0 mantiveram a condenação, causou surpresa. “Não foi unanimidade, foi homogeneidade. Parece que o voto é um só. Não concordaram só na dosimetria. Eles concordaram nas premissas todas, nas conclusões. É exato, a mesma palavra. Num caso complexo como esse, [isso acontecer] é uma coisa raríssima”, avaliou. A especialista em direito penal e criminologia entende que não houve “prova cabal” ou “indício forte” de que Lula e a ex-primeira dama Marisa Letícia, de fato, eram proprietários de um apartamento triplex no Condomínio Solaris, no Guarujá (SP), nem de que a aquisição teria sido fruto de propina paga pela empreiteira OAS, conforme acusa o Ministério Público.
Já de acordo com Pedro Paulo Castelo Branco Coelho, juiz federal aposentado e professor de processo penal, o tribunal tem razão. “Existem fotografias e depoimentos de testemunhas que viram o casal com o filho visitando o apartamento, que era tido como deles. O vigia, o segurança, os porteiros, todos eles foram ouvidos. Não é a toa que [o juiz Moro] chega a dar uma sentença de 200 e tantas laudas. Havia provas materiais que serviam de fundamento à condenação. Não foi elucubração, sonhos e devaneios, porque os desembargadores são políticos. Nada disso”, afirmou.
O juiz aposentado acredita que os embargos de declaração, que devem ser apresentados pela defesa ao próprio TRF4, devem ser julgados em, no máximo, um mês, o que dará início às próximas etapas de recursos. Segundo o ex-juiz, no entanto, como a pena determinada (12 anos e um mês) é superior a oito anos, a tendência é que o ex-presidente a cumpra em regime fechado.
CANDIDATURA
O professor de direito eleitoral Marcos Ramayana diz que não há empecilhos legais para o PT, em um primeiro momento, registrar o ex-presidente como candidato às eleições, mas avalia que seria uma escolha que viola moralmente a legislação dos próprios partidos políticos e a Constituição Federal. “Ao contrário do que pensam alguns, a lei deve ser mantida. Se há uma condenação de um órgão colegiado, o partido deveria ser o primeiro a dizer [que não apresentará candidato condenado em segunda instância]”, afirmou. Segundo ele, a Lei da Ficha Limpa está sendo cumprida apenas parcialmente, já que os partidos políticos, representantes da sociedade, continuam apresentando candidatos “bons de voto”, mas que enfrentam impasses jurídicos à candidatura.
Ramayana explica, porém, que Lula poderia se tornar um candidato sub judice (em julgamento) caso consiga uma liminar monocrática no Superior Tribunal de Justiça, até que os ministros da Corte avaliem o mérito da decisão. No caso, o petista poderia fazer campanha e receber votos, que seriam ou não considerados nulos a depender da decisão em definitivo do tribunal. Já na hipótese de julgamento de impugnação da candidatura pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o pedido precisa partir de siglas contrárias ao PT ou do próprio Ministério Público Eleitoral. “Transferir esse ônus da moralidade para a Justiça é, como se diz, judicializar a eleição”, criticou o professor.

Leia Mais

ACOMPANHE O JULGAMENTO DE LULA NO TRF4

Tempo de leitura: < 1 minuto

Ex-presidente Lula tem recurso em julgamento no TRF4, em Porto Alegre

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, julga recurso do ex-presidente Lula contra decisão em primeira instância no Caso do Triplex do Guarujá. Nela, foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão. A análise do recurso deve durar até o início da tarde, conforme previsões. Acompanhe o julgamento ao vivo, via Youtube.

O TEMOR DE ACM NETO

Tempo de leitura: 2 minutos

ACM Neto e o presidente Michle Temer || Rodrigo Stuckert/Arquivo

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), deverá aguardar o desfecho do julgamento do ex-presidente Lula, no Tribunal Regional Federal, em Porto Alegre (RS), para anunciar se é ou não candidato ao Governo da Bahia.

Dentro do DEM, a leitura é a de que uma possível liberação da candidatura de Lula à presidência da República acabaria por tornar quase imbatível outra candidatura, a do governador Rui Costa. Conforme levantamentos para consumo interno, Lula chega a obter 64% das intenções de voto na Bahia, o que alavancaria o nome do petista baiano.

Do outro lado, Neto teria a oposição de Rui e Lula e somará a isso o desgaste de ter apoiado Michel Temer nas reformas trabalhista e da Previdência. E, também, ter ao seu lado aliados de “peso” como Lúcio Vieira Lima e o ex-ministro Geddel, que curte temporada como preso da Justiça. E a imagem dos R$ 51 milhões em dinheiro vivo tem outro peso considerável.

Internamente, outros nomes são testados para tirar o foco, a exemplo do prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), e Bruno Reis (MDB), vice-prefeito de Salvador. Hoje, Neto teria a seu favor o fato de contar com gestão municipal bem avaliada. Para Rui, a candidatura de Lula é o melhor dos cenários, porém terá que arbitrar tensões e evitar debandada de partidos com peso razoável, a exemplo do PR e PP.

ACM NETO COMPARA BOLSONARO A CAVALO PARAGUAIO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Neto não acredita em potencial de Bolsonaro

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), tem duas certezas quanto à corrida eleitoral presidencial brasileira. Uma delas: os partidos tidos como de direita devem se preparar para enfrentar o ex-presidente Lula (PT). A outra é que o deputado federal e pré-candidato Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é uma espécie de “Cavalo Paraguaio”, aquele que chega, chegando, mas no fim…

Na avaliação do democrata, a tendência é de desidratação de Bolsonaro até as eleições de 2018, segundo afirmou ao Estadão. Ocorreria com o político e militar fenômeno idêntico ao acontecido com o prefeito de São Paulo, Doria Jr., que já se retirou da disputa pelo Palácio do Planalto. A última pesquisa Datafolha, divulgada no sábado (2), mostra Bolsonaro com 17% das intenções de voto em cenário em que Lula obtém de 34% a 37%.

GASPARI: WAGNER É O PLANO B DO PT

Tempo de leitura: < 1 minuto

Wagner é o Plano B do PT, diz Gaspari

Quem conhece o PT e as dinâmicas de campanhas eleitorais suspeita que o verdadeiro candidato do comissariado na hipótese do afastamento de Lula é o ex-governando baiano Jaques Wagner. Fernando Haddad seria um biombo.

Com três mandatos de deputado, Wagner governou a Bahia durante oito anos e elegeu seu sucessor. Além disso, foi ministro-chefe da Casa Civil, das Relações Institucionais, do Trabalho e da Defesa. Mais: o baiano é nordestino e carioca.

Jaques Wagner seria o primeiro candidato a presidente judeu.

Da Coluna de Elio Gaspari, na Folha

SEDE NO PODER

Tempo de leitura: 3 minutos

Afonso DantasAfonso Dantas | afonso.dantas@camaracomunicacao.com.br

 

 

O Temer, o que bebe o Temer? Não foi comprovado seu gosto vampiresco por sangue, embora milhões de brasileiros pensem o contrário com a série de denúncias sobre seu governo pululando na imprensa e nas redes sociais.

 

Analisando o perfil dos nossos presidentes, observo a relação destes com as bebidas. Não lembro se o Sarney apreciava alguma “branquinha” daquelas com infusão de maribondos e devidamente flambada, para fazer alusão ao seu tão famoso livro de poemas, nem dos gostos dos sisudos militares ou do querido Tancredo. O mais famoso, sem dúvida, nesse setor foi o Jânio Quadros, que disse “Bebo porque é líquido, Se sólido fosse, come-lo-ia.”…Mas vamos lá!

Collor era apaixonado pelo Logan, um whisky escocês de 12 anos – e por causa disso, as importações desse bom whisky dispararam no Brasil. (Há quem suspeite até de sociedade com a destilaria. Pura fofoca.)

Itamar não demonstrava preferência por nenhuma bebida, embora no episódio da modelo Lílian, sem calcinha, no camarote oficial da presidência, durante o carnaval, alguns aleguem que não seria possível ele não estar em um estado um pouco alterado. Ficará sempre a dúvida.

Uma pausa nos presidentes da república para lembrar de outro presidente, o Ulisses Guimarães, eterno presidente do PMDB, que lançou moda ao revelar seu gosto por um aguardente de pêssego, que inclusive vinha com uma pera dentro. A garrafa do Poire Williams, caríssima, era sinônimo de intimidade com o poder e ostentá-la na mesa do Piantella, restaurante preferido da fauna política da Capital Federal, era requisito para atrair a atenção do Doutor Ulisses.

Fernando Henrique Cardoso, era colecionador de cachaças, embora alguns afirmem que isso era para tentar ser um pouco mais “pé na cozinha”, frase que disse e que o acompanhou até o fim do mandato como um presidente que “forçava” seu lado popular. Sua coleção de cachaças foi “socialmente compartilhada” – seria esse o termo politicamente correto? – pelos companheiros do MST, Movimento dos Sem-Terra, que invadiram sua fazenda e degustaram sem cerimônia a sua tão estimada coleção.

Lula, presidente extremamente popular, nos tempos do sindicato adorava uma cachacinha e uma cervejinha gelada. A marca? Gelada! No poder, ainda curtiu uns licores de jenipapo e quentões em uma festa junina palaciana, mas, encantado com as benesses do poder, foi conquistado pelo mundo do vinho, estimulado pelo seu marqueteiro Duda Mendonça – esse influenciado pelo ex-governador de São Paulo Paulo Maluf – e fez uma adega de fazer inveja aos Rothschild. Uma boa garrafa de Romanée-Conti, devidamente “decantada”, sonho de consumo de enólogos pelo mundo todo, passou a fazer parte de sua degustação diária. Um luxo.

Dilma Rousseff em matéria de bebidas não se destacou, embora afirmem que não seriam normais suas declarações e discursos em estado de sobriedade. Mas, por via das dúvidas, vamos deixar esse assunto para lá, pois fora a farra de vinhos bem acima da média na escala em Lisboa, de uma viagem internacional, com fotos um pouco comprometedoras em termos de falta de sobriedade, nada temos a comentar muito. Melhor ficar de bico calado, para não sermos acusados de machismo. Tempos difíceis.

O Temer. O que bebe o Temer? Não foi comprovado seu gosto vampiresco por sangue, embora milhões de brasileiros pensem o contrário, com a série de denúncias sobre seu governo pululando na imprensa e nas redes sociais. A bebida predileta do atual mandatário do Palácio do Jaburu (não quis o Alvorada, pois, dizem, tinha muita luz…) é um mistério, embora haja suspeita de que exista um estoque reforçado de uma bebida escura, a base de catuaba, feita por um raizeiro de origem libanesa, que é melhor do que muita pílula azul famosa que existe por aí.

Um brinde ao poder.

Afonso Dantas é administrador de empresas e especialista em Gestão Cultural pela Uesc, além de sócio e diretor de criação da Camará Comunicação Total.

FERNANDO PARA MANGABEIRA: “O QUE VEM DE BAIXO NÃO ME ATINGE”

Tempo de leitura: 2 minutos
Fernando ao lado do governador, hoje, durante evento em Itabuna.

Fernando ao lado do governador, hoje, durante evento em Itabuna.

Após o candidato derrotado à Prefeitura de Itabuna Antônio Mangabeira (PDT) afirmar que Fernando Gomes é “ficha suja” e “dono de imensa rejeição”, o prefeito reagiu nesta segunda (9). Abaixo, trechos de provocações feitas pelo PIMENTA e TV Contudo a Fernando.

– Eu não estou preocupado com [Mangabeira] não. Tem muitos loucos por aí afora… Deus me deu inteligência para não ser louco. O que vem de baixo não me atinge.

A decisão do STF não atinge o senhor?

– Não, porque está aí tudo feito. A obra [que rendeu impugnação da candidatura] está pronta. É só [o TCU] vir olhar.

Um palanque com o senhor e Geraldo Simões é possível em 2018?

– Meu compromisso é com Rui Cooosta.

O senhor sobe no mesmo palanque com Geraldo?

– Subo, porque estou com Rui Costa, tanto é que não faço parte de partido nenhum. Meu partido hoje é Itabuna.

E os convites do PP, PSD, PR?

– Convite tem. Evidente que o meu grupo irá para algum partido, mas eu ficarei em stand by.

E para presidente… Se o governador chamar o senhor para apoiar Lula?

(Risos) Meu compromisso é com Rui Costa.

O senhor acha que Lula foi um bom para o Brasil?

– (Risos) Meu compromisso é com Rui Costa…

E o que o senhor achou dos mandatos dele?

– Quem pode responder é o povo. Está aí a situação. Vocês estão vendo na TV aí os processos.

E Bolsonaro?

– Sei lá. Tem tanto candidato a presidente. Paro ano eu vou ver se tem algum [candidato a presidente] que me preencha, que olhe para a sociedade, o povo que precisa ser olhado.

E como o senhor avalia Rui Costa para o sul da Bahia?

Para o sul da Bahia, é nota mil. Os outros aqui nada fizeram.

Nem o finado ACM?

Tudo porcaria, besteira.

Back To Top