skip to Main Content
1 de junho de 2020 | 10:13 am

SÓ NA PRORROGAÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Cortejado, Serpa pode recorrer à prorrogação...

Cortejado, Serpa pode recorrer à prorrogação…

Analista político que bem conhece Major Serpa, comandante do Batalhão da PM em Jequié, diz que ele vai ouvir e ouvir e só aos 45 minutos do segundo tempo – no período das convenções em 2014 – definirá o partido político pelo qual disputará vaga à Assembleia Legislativa – ou espacinho em Brasília.

No momento, é grande o assédio de partidos e candidatos a deputado federal (querendo dobradinha), todos de olho, claro, na boa relação que o sorridente militar tem dentro e fora da caserna. Seus votos podem ajudar a engordar o samburá de um deputado. O namoro parte de PCdoB a PSD – e até de partidos de oposição ao governo estadual.

A candidatura de Serpa tem colocado a barba de molho de outros militares candidatos, a exemplo de Coronel Santana(PTN), Capitão Fábio(PRP) e Capitão Azevedo que (ainda) navega nas escuras águas do DEM.

GEDDEL, GERALDO E DAVIDSON

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

O PMDB não vai apoiar em Azevedo e, muito menos, Geraldo.

O assunto mais enigmático da sucessão do prefeito Azevedo é, sem dúvida, o que envolve o PCdoB, PMDB e o PT, com Davidson Magalhães, Geddel Vieira Lima e Geraldo Simões.
Cito Davidson, deixando de lado Luís Sena e Wenceslau Júnior, também prefeituráveis pela legenda comunista, porque é o nome da preferência não só de Geddel como de Lúcio Vieira, presidente estadual do PMDB.
Não sei a opinião do médico Renato Costa sobre os três pré-candidatos do PCdoB. A impressão que fica é que Renato, que preside o diretório local, evita falar sobre a “disputa”.
A possibilidade do PMDB apoiar o vereador Wenceslau é muito pequena. Em relação a Sena, é quase nula.  Os senistas, obviamente os mais lúcidos, sabem que não existe sequer resquício de esperança.
Davidson é considerado o mais preparado. O que pode deslanchar durante a campanha. Sobre Sena, pesa o fato de ter sido o vice da petista Juçara Feitosa na última sucessão municipal.
Difícil mesmo é o peemedebismo se coligar com o PT, com o ex-ministro Geddel de mãos dadas com Geraldo Simões, tendo as companhias dos ex-prefeitos Ubaldo Dantas e Fernando Gomes.
Na bela festa de aniversário de 30 anos do jornal Agora, Geddel disse ao jornalista Paulo Lima que o PMDB não vai apoiar “nem Azevedo e, muito menos, Geraldo Simões”.
Em termos percentuais, diria que uma coligação PCdoB-PMDB, com Davidson Magalhães encabeçando a chapa, tem 50% para acontecer. Uma candidatura própria com Ubaldo Dantas, 30%. Com o vereador Wenceslau ou Sena, 15%.
Como o processo é político, e os próprios políticos costumam dizer que na política tudo é possível, os 5% restantes ficam por conta de um palanque com Geddel, Geraldo Simões, Renato Costa, Ubaldo Dantas e Fernando Gomes.
Os apupos, em decorrência da estranha e inusitada aliança, serão inevitáveis. Desta vez, Geddel pode ficar tranquilo: as vaias serão democraticamente distribuídas.
A VEZ DOS MÚSICOS

Kocó é pré-candidato.

A candidatura a vereador do conhecidíssimo Kokó do Lordão, pelo Partido dos Trabalhadores, pode incentivar a entrada de outros músicos na política.
O mesmo aconteceu com os militares. Temos hoje, democraticamente eleitos, uma enxurrada deles na vida pública: Capitão Azevedo (prefeito de Itabuna) e o coronel Santana (deputado estadual) são dois exemplos do sul da Bahia.
Sem falar no ex-deputado Capitão Fábio Santana e no major Serpa, convidado a se filiar no PSB para ser o candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada por Geraldo Simões (PT).
A previsão de votos para Kokó é de mais de dois mil. Como o PT caminha para eleger dois vereadores, o ceplaqueano Emanoel Acilino pode sobrar. A outra vaga seria de Vane do Renascer (reeleição).
Marco Wense é articulista da Contudo.

A SUCESSÃO MUNICIPAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

Essa reação, externada de maneira incisiva, de que o PCdoB não é mais subserviente ao petismo, não quer mais o papel de coadjuvante, agrada também ao PSB e o PP.

As reações de Wenceslau Júnior, presidente do PCdoB de Itabuna, reafirmando candidatura própria na sucessão de 2012, têm provocado uma incontrolável euforia nos democratas (DEM).
Qualquer comentário de que o PCdoB não terá candidato, novamente apoiando o PT, é logo bombardeado pelos três prefeituráveis da legenda: Davidson Magalhães, Sena e Wenceslau.
Um racha na oposição, principalmente entre comunistas e petistas, é “a azeitona que faltava na empada do prefeito Azevedo”, costuma dizer um azevista de carteirinha.
Tem até correligionários com a opinião de que a reeleição de Azevedo depende mais da cisão oposicionista do que da realização de obras na periferia.
Essa reação, externada de maneira incisiva, de que o PCdoB não é mais subserviente ao petismo, não quer mais o papel de coadjuvante, agrada também ao PSB e o PP.
Com o PCdoB longe do PT, a indicação do candidato a vice na chapa encabeçada por Geraldo Simões seria disputada por socialistas e pepistas.  O empresário Roberto Barbosa, que preside o PP local, é um fortíssimo vice-prefeiturável.
O PT de Geraldo Simões não quer nem ouvir falar do médico Edson Dantas e do vereador Ricardo Bacelar como opções do PSB para uma composição na chapa majoritária.
Não é à toa que Ruy Machado, presidente da Câmara de Vereadores, trabalha para levar o colega Gerson Nascimento para o Partido Socialista Brasileiro.
Ruy Machado sabe que a coligação do PSB com o PT é favas contadas. A senadora Lídice da Mata, mandatária-mor do PSB, já decidiu que o partido deve apoiar o ex-prefeito Geraldo Simões.
De olho no segundo mandato, Ruy Machado, mesmo em outro partido, faria de tudo para emplacar o colega Gerson como vice de Geraldo. A contrapartida do edil seria o apoio a sua reeleição.
Para fazer frente ao ambicioso plano do presidente do Legislativo, alguns membros do diretório vão convidar o major Serpa para se filiar ao PSB, se tornando assim um vice-prefeiturável.
Pelo andar da carruagem, parece que o caminho da reconciliação entre petistas e comunistas é cada vez mais difícil. A tábua de salvação do PCdoB é o PMDB.
O PCdoB não pode lançar candidatura própria sem o imprescindível apoio do PMDB, sem o tempo que a legenda dispõe no horário eleitoral destinado aos partidos políticos.
Davidson Magalhães, por exemplo, não pode fazer uma campanha com alguns segundos na telinha. Uma campanha, digamos, enesiana, na base do “meu nome é Davidson”.
Marco Wense é articulista político.

PSICÓLOGA CHAMA POLICIAL DE "CACHORRA"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Uma professora dirigia pela estrada Ilhéus-Itabuna e, de repente, é abordada por uma policial rodoviária. Checa daqui, checa dali, descobre-se que o extintor de incêndio do veículo está vencido. A policial ouve poucas e boas da educadora ao notificá-la devido à irregularidade.
O caso foi narrado pela própria professora em sala de aula na Unime-Itabuna. Não dispensando o adjetivo “cachorra” à policial, a psicóloga Conceição Vita disse aos alunos que a agente da Polícia Rodoviária Estadual não tinha dinheiro suficiente nem para a compra de um extintor e estava ali, querendo aplicar-lhe a multa…
A história caiu nos ouvidos do comandante da Polícia Rodoviária Estadual no sul da Bahia, Major Serpa, que, numa entrevista ao programa Tribuna Livre, apresentado por Costa Filho, repudiou a ação da educadora.
Agora, a ironia das ironias: a professora revelou o caso e fez os elogios públicos à policial durante uma aula de Ética Profissional, para alunos do 8º semestre do curso de Psicologia na faculdade Unime-Itabuna. O repórter Costa Filho afirma que nem a professora nem a direção da faculdade quiseram comentar o assunto.

AÇÃO SOCIAL NA PRE

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) arrecadou cerca de 400 quilos de alimentos não-perecíveis na festa realizada no último final de semana. Toda a arrecadação será doada a entidades assistenciais de Itabuna. Major Valcir Serpa, do comando regional da PRE, informa que haverá uma triagem para identificar as instituições que mais precisam e para as quais serão doados os alimentos.
Os dirigentes de entidades candidatas às doações podem apresentar informações na sede da Companhia, até a próxima quinta, 29.

OPERAÇÃO CARNAVAL: DOBRA NÚMERO DE ACIDENTES EM ESTRADAS SUL-BAIANAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Praticamente dobrou o número de acidentes registrados em rodovias estaduais que cortam a região cacaueira. De acordo com as estatísticas da Polícia Rodoviária Estadual, ocorreram 33 acidentes e duas mortes neste carnaval, ante 17 acidentes e uma morte em igual período de 2009.

De acordo com o major Serpa, da Companhia Independente da PRE,as estatísticas são justificadas com o aumento de 100% no volume de veículos transitando nas estradas sul-baianas, principalmente nos acessos ao litoral sul da Bahia. Os dados são referentes ao período de 8h de sexta-feira (12) às 8h desta quarta (17).

Parte desse aumento no fluxo ocorreu após a inauguração da ponte Itacaré-Camamu, em novembro. A polícia leva em conta os dados das rodovias BAs 001, 262 e 263 e na estadualizada BR-415, que liga Ilhéus a Itabuna.

Back To Top