skip to Main Content
25 de novembro de 2020 | 02:49 am

MÉDICA MORRE EM ILHÉUS DE COMPLICAÇÕES DA COVID-19

Médica Alba Mesquita mais uma vítima da Covid-19
Tempo de leitura: < 1 minuto

Mais um profissional de saúde do sul da Bahia entrou para lista de mortos por complicações causadas pelo novo coronavírus. Desta vez, a vítima foi a médica Alba Santos Mesquita, de 58 anos, que faleceu na madrugada deste sábado (21), em Ilhéus.

Internada desde o dia 21 de outubro numa Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Ilhéus, a médica atuava no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Pronto Atendimento (PA) da Zona Sul, Programa Saúde da Família (PSF) e na Clínica de Assistência Renal (CAR) no município do sul da Bahia.

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, divulgou nota lamentando o falecimento da médica. A nota diz que “neste momento de dor e tristeza, Mário Alexandre presta as sinceras condolências aos familiares e amigos por esta inestimável perda, rogando a Deus que na sua infinita misericórdia conforte a todos”.

A médica deixa um grande legado pelo trabalho desenvolvido no serviço público e pelos ensinamentos diários de respeito e amor ao próximo. Alba tinha três filhos: Paulo, Flora e Daniel.

Devido à pandemia, não haverá velório. O sepultamento acontece na manhã deste sábado (21), no Cemitério da Vitória, no Alto Teresópolis, em Ilhéus. Esse não foi o primeiro óbito de médico em Ilhéus. A primeira vítima do novo coronavírus foi o médico Gilmar Calazans Lima, de 55 anos. Ele faleceu em abril.

PESQUISAS ELEITORAIS X URNAS DA GPE/SÓCIO ESTATÍSTICA

Tempo de leitura: 3 minutos

A fragmentação do eleitorado em várias candidaturas bastante competitivas e a menor restrição ao nome de Augusto Castro facilitaram a sua vitória.

Agenor Gasparetto

Como é praxe desde a criação do instituto, em 1990, após cada eleição, no formato jornal impresso e, atualmente, por mídias eletrônicas, realizamos uma balanço, comparando resultados das urnas em relação à pesquisa registrada ou à última pesquisa realizada nos municípios. Neste texto apresentamos os dados de Itabuna e Ilhéus.

(*) Prefeito, candidato à reeleição, candidatura sub judice / (**) Ex-prefeito de Itabuna, candidatura sub judice                                                                                                                                Fonte: Pesquisa registrada no TSE sob o Nº BA-05162/2020. Amostra 1.100 eleitores, com um erro amostral de 3%; no período de 3 a 6 de novembro.

Em Itabuna, no período anterior à pandemia, lideravam as pesquisas pela ordem Dr. Mangabeira, Capitão Azevedo e Augusto Castro, os dois primeiros próximos aos 20% de intenções de voto e Augusto Castro, em terceiro, entre 12 e 15%. A partir da retomada das pesquisas em agosto, o quadro começou a se alterar. Augusto Castro, recuperado após longo período de internação pela Covid-19, começou a melhorar seu desempenho. A partir de meados de outubro, já se desenhava um cenário como provável vitorioso. Em fins de outubro alcançou patamar pouco superior a 30 pontos e se manteve com pequenas taxas de crescimento ao longo das semanas seguintes. Paralelamente, Dr. Mangabeira passou a perder aderência, estabilizando-se próximo a pouco mais de 10%. Capitão Azevedo também perdeu aderência, ficando num patamar próximo aos 15%. O prefeito Fernando Gomes entrou tardiamente na campanha, e ocupou um patamar próximo aos 15 pontos percentuais, alternado segunda posição com Azevedo. Geraldo Simões, Charliane Sousa e Dr. Isaac Nery, se situavam num patamar pouco inferior a 5 pontos. A fragmentação do eleitorado em várias candidaturas bastante competitivas e a menor restrição ao nome de Augusto Castro facilitaram a sua vitória.

Acompanhando as eleições em Itabuna desde 1992, esta eleição fugiu ao padrão itabunense de disputa eleitoral, caracterizado por disputas muito acirradas em que no domingo anterior à eleição, havia situações de empate técnico, diferenças apertadas e uma expectativa de virada de última hora. Nesta eleição, isto não se repetiu. Nas últimas quatro pesquisas realizadas por nosso instituto, ao longo dos últimos dois meses, em todas elas o cenário se manteve e a urna confirmou. Nesse sentido, de todas as eleições acompanhadas até hoje pelo instituto, esta foi a mais fácil, a mais previsível. Seu padrão se aproximou ao da vizinha Ilhéus, caracterizado pela previsibilidade, pela grande antecedência.

Amostra: 1.027 eleitores, com um erro amostral de 3%; no período de 5 a 7 de novembro. Essa pesquisa não foi registrada.

Ilhéus, mais uma vez, como sempre aconteceu desde que nosso instituto passou a acompanhar eleições, 1992, com meses de antecedência já era possível antever o vencedor. Desta vez, ainda que um pouco mais tardiamente, também se observou esse padrão. Todavia, antes da pandemia, se alguém me perguntasse se o prefeito poderia se reeleger, da perspectiva da pesquisa, seria categórico: improvável. Provavelmente, não! No entanto, a pandemia criou um clima em que os prefeitos dos municípios, como regra, melhoram sua imagem, e estudos poderão comprovar que a maior parte fez sucessor ou se reelegeu. Ilhéus foi um dos casos em que isto aconteceu. Entender como se deu esse processo e suas nuanças merece ser objeto de estudo aprofundado.

Obviamente, no caso de Ilhéus, há ainda dois componentes relevantes e que merecem destaque: o primeiro, a ação do Governo do Estado, destacando-se a inauguração da nova ponte, um novo cartão postal de Ilhéus, e o prolongamento da via que dá para as praias do sul. E o segundo fator, que poderia ter resultado em desfecho diferente, a fragmentação da oposição, destacando-se Valderico Jr. e Cacá, mas também Professor Reinaldo, Cosme Araújo e Bernardete. Caso houvesse uma polarização, uma eleição plebiscitária, o atual prefeito correria sérios riscos de não se reeleger. Mas se elegeu com relativa facilidade por esse conjunto de circunstâncias. O quadro captado pela urna e pelas pesquisas se manteve estabilizado com semanas de antecedência.

Agenor Gasparetto é sóciólogo e diretor da GPE-Sócio Estatística.

EM ILHÉUS, MARÃO É REELEITO COM 43,24% DOS VOTOS

Marão é reeleito prefeito de Ilhéus com mais de 40% dos votos || Foto Divulgação
Tempo de leitura: < 1 minuto

Mário Alexandre, Marão (PSD), acaba de ser reeleito prefeito de Ilhéus, com 43,24% dos votos válidos. O médico bateu nas urnas o empresário Valderico Junior (DEM), que obteve 23,50% dos votos. Na terceira colocação, ficou o ex-vice-prefeito Cacá Colchões (PP), com 16,05%.

Confira a votação dos demais candidatos:

Professor Reinaldo (PTB) – 7,03%
João Barros (PRTB) – 3,41%
Cosme Araújo (PDT) – 3,40%
Bernardete Souza (PSOL) – 2,84%
Roberto Barbosa (Solidariedade) – 0,53%

ILHÉUS: MARÃO ATINGE 41,75% DOS VOTOS VÁLIDOS EM RESULTADO PARCIAL

Marão é o mais votado com 24,01% das seções apuradas até agora
Tempo de leitura: < 1 minuto

Com 24,01% das urnas apuradas, o prefeito e candidato à reeleição de Ilhéus, Mário Alexandre, o Marão (PSD), atingiu 41,75% dos votos válidos. É perseguido pelo candidato do DEM, Valderico Junior, com 23,85%. O terceiro colocado é Cacá Colchões (PP), com 16,54%, seguido por Professor Reinaldo (PTB), com 7,21%.

POTENCIAL/A TARDE: MARÃO TEM 34% E VALDERICO E CACÁ ATINGEM 13% CADA UM

Tempo de leitura: 2 minutos

Marão lidera, com 34%, e Cacá e Valderico estão empatados, com 13%

Pesquisa da Potencial encomendada pelo jornal A Tarde aponta a liderança do prefeito Mário Alexandre, Marão (PSD), na corrida sucessória em Ilhéus, com 34% das intenções de voto. Na sequência, aparecem Valderico Junior (DEM) e Cacá Colchões (PP), ambos com 13%.

Professor Reinaldo (PTB) tem 5% e o ex-vereador Cosme Araújo (PDT) surge com 3%. Bernardete Souza (PSOL), João Barros (PRTB) e Roberto Barbosa (Solidariedade) têm 1% cada um. Os indecisos somam 22% e a soma dos brancos 7%.

O levantamento foi feito de 30 de outubro a 2 de novembro, com 600 eleitores – 500 na sede e 100 nos distritos. A margem de erro é de 4 pontos percentuais e o nível de confiança, conforme o instituto, é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BA-09710/ 2020.

ESPONTÂNEA

Na espontânea, Marão tem 33% das intenções de voto, Valderico 13% e Cacá surge com 12%. Reinaldo atinge 4% e Cosme Araújo 3%. Bernadete, João Barros e Roberto Barbosa têm 1% cada um.

Para o diretor do Instituto Potencial, Zeca Martins, a vantagem de 21 pontos percentuais de Marão não é cenário consolidado, pois 37% dos entrevistados podem mudar o voto, há número expressivo de indecisos, indicando eleitorado “vulnerável”.

– Como tem alguns insatisfeitos e aqueles que ainda podem mudar [o voto], então não é um cenário consolidado. Está bem encaminhado, mas não considero consolidado. [O prefeito] Está abaixo do seu potencial [eleitoral], porém tem rejeição do tamanho do potencial. E a avaliação não é tranquila – avalia Zeca Martins na pesquisa contratada pelo jornal soteropolitano.

Ainda segundo a pesquisa, Valderico tem eleitorado mais decidido – somente 24% dos eleitores que anunciaram intenção de voto no democrata podem mudar de opinião, conforme o Instituto Potencial. Esse percentual sobe para 31% quando os avaliados são aqueles os que anunciaram intenção de votar em Marão. E atinge 32% quando o nome é Cacá.

ILHÉUS: EXECUTIVOS DO CANA BRAVA DECIDEM APOIAR MARÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Rafael, Marão e Ednei durante anúncio de apoio à reeleição

O prefeito Mário Alexandre, Marão (PSD), obteve o apoio dos executivos do Grupo Cana Brava, Ednei e Rafael Espírito Santo, na sucessão municipal de 2020. O apoio à reeleição foi selado nesta terça (20).

Proprietários do Cana Brava Resort, Opaba Hotel e do Batuba Beach, os empresários são pioneiros nos investimentos de expansão da rede hoteleira de Ilhéus, desde a década de 1990, quando inauguraram a primeira unidade na cidade.

Marão disse considerar “uma adesão valiosa” a dos empresários “para sua campanha de reeleição”, tendo em vista que o grupo Cana Brava pretende aumentar os seus investimentos no município de Ilhéus. “Isso vai contribuir para impulsionar a economia da nossa cidade, com a oferta de aproximadamente 400 novos empregos”, enfatizou o candidato.

ILHÉUS: PC DO B “RACHA” E 7 CANDIDATOS A VEREADOR ANUNCIAM APOIO A MARÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Sete dos candidatos aparecem em vídeo anunciando apoio a Marão

Sete dos candidatos a vereador de Ilhéus pelo PCdoB abandonaram a tese do partido e decidiram fechar apoio à reeleição do prefeito Mário Alexandre, Marão (PSD).

O partido faz parte da coligação do candidato do Progressistas à Prefeitura de Ilhéus, Cacá Colchões, mas os candidatos decidiram pular de barco.

Jacks Rodrigues, Gilmar Marques, Jorge Xavier, Marcos Lessa, Nelson Pinheiro, Edson Santos e Leidinha gravaram até vídeo para anunciar apoio a Marão. Destes, apenas 3 tinham autorização do partido.

Ainda não houve pronunciamento da direção do PCdoB ilheense quanto a possíveis punições aos candidatos, atraídos para a base de Marão com a promessa de apoio na corrida eleitoral.

Antes das convenções e durante parte da pandemia, a direção municipal do PCdoB decidiu dar trégua a Marão e estudou a possibilidade de apoiar a reeleição do prefeito.

Ordens da cúpula estadual fizeram o diretório fechar com Cacá Colchões, do Progressistas, em articulação que também contou com a participação do secretário-geral do PP baiano, o ex-prefeito Jabes Ribeiro.

NOTA DE AFASTAMENTO RADIALISTA LUKE REY

Tempo de leitura: 2 minutos

OS PROFISSIONAIS DA GABRIELA FM, RADIALISTAS E TÉCNICOS, VÊM A PÚBLICO ESCLARECER AS RAZÕES PARA O AFASTAMENTO DE LUKE REY DA PROGRAMAÇÃO DA EMISSORA.

1 – Desde a pré-campanha eleitoral, profissionais da Gabriela FM têm sido vítimas de uma campanha sistemática de intimidação, através de ações judiciais, impetradas pelo prefeito Mário Alexandre e por seu partido, PSD, em função da divulgação de fatos jornalísticos e análises críticas dos atos e omissões por parte da atual Gestão Municipal.

2 – A partir de 11 de setembro, 12 ações foram impetradas contra profissionais da emissora. Desse total, nove tiveram como alvo Luck Rey, um dos líderes de audiência do rádio ilheense. O expressivo volume de ações, por si só, demonstra a intenção intimidadora. Acrescenta-se que a estrutura jurídica montada pelo prefeito atua de forma ostensiva em prejuízo ao livre exercício da imprensa, não se limitando a Gabriela FM, mas também a outros veículos não considerados aliados da Gestão Municipal, a exemplo do Blog do Gusmão, que igualmente responde a várias ações de censura impetradas pelo prefeito e o PSD.

3 – Como se sabe no âmbito jurídico, a repetição sistemática de ações contra o mesmo suposto autor, conforme as impetradas pelo prefeito e seu partido político contra Luck Rey, se torna um caminho para possíveis sanções legais que, no caso, poderiam ser multas ou até mesmo o seu afastamento do exercício profissional. Diante desses fatos, os seus colegas insistiram junto a ele e a direção da emissora, para tirá-lo do ar, ainda que temporariamente.

4 – Ressalta-se que os autores da enxurrada de ações contra o radialista, obviamente utilizaram-se da estratégia de opressão econômica, ciente de que o profissional não teria condições financeiras de arcar com os elevados custos advocatícios ensejados por tantas ações.

5 – Como profissionais de imprensa, estranhamos a atitude do presidente do Sindicato dos Radialistas de Ilhéus, Manoelito Puentes, já que a primeira obrigação da instituição é a defesa da liberdade de expressão. No nosso entendimento, o citado presidente deveria ter se afastado das suas funções sindicais ao ter assumido, em 27 de agosto último, o cargo de Chefe de Divisão de Pesca e Aquicultura, na Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Município, em pleno período eleitoral, o que coloca sob suspeita a sua necessária isenção.

6 – Por fim, ressaltamos que Luck Rey continuará tendo todo o apoio dos seus colegas da Gabriela FM, assim como da direção da emissora, mas principalmente do seu grande público, de toda a sociedade de Ilhéus e de todos que defendem a liberdade de imprensa.

O QUE MARÃO TEM A MOSTRAR SE TIRAR AS OBRAS DO ESTADO?, QUESTIONA JABES

Tempo de leitura: 2 minutos

Jabes fez questionamentos durante live com Jerberson Josué

O secretário-geral do PP baiano, Jabes Ribeiro, disse que a eleição deste ano será a oportunidade de o eleitor ilheense se perguntar o que o prefeito Mário Alexandre, Marão (PSD), faz com os R$ 500 milhões de receitas anuais do Município.

– Tira a ponte, tira o asfalto, tira o Hospital Costa do Cacau, o que é que tem? O que é que esse governo de Ilhéus pode mostrar [se tirar as obras do governo estadual]? – questionou Jabes durante live com o candidato a vereador Jerberson Josué (PT) na noite desta segunda (12).

Jabes, ex-prefeito de Ilhéus por quatro mandatos, diz que essas são as questões a serem enfrentadas na sucessão de 2020 pelo candidato à reeleição em Ilhéus. O secretário-geral do PP da Bahia ainda lembrou que a maioria das obras tocadas pelo estado foi iniciada ainda no seu último governo, a exemplo do hospital, a ponte estaiada e o saneamento básico da zona sul.

– [Marão tem que mostrar] isso aqui é produto dos R$ 500 milhões de arrecadação no ano. Como Marão gastou esse dinheiro da prefeitura? – provoca Jabes, afirmando que eleição em Ilhéus está aberta e cita como principais nomes, além de Marão, Valderico Junior (DEM) e Cacá Colchões (PP).

Para o ex-prefeito e secretário-geral do PP, Marão não teria obras a mostrar que tenham sido tocadas com o dinheiro arrecadado pelo município. E completa: “É saber se Ilhéus quer manter essa opção de quatro anos atrás. Se quiser manter, mantenha. Mas depois não vale chorar o leite derramado”.

AUMENTO DE PASSAGEM

O ex-prefeito disse que a conversa nos bastidores da política é de que “Marão, que ganhe ou perca”, dará aumento de passagem no final do ano. Antes, Jabes criticou o sistema de transporte na atual gestão, que ficou muito caro no Governo Marão. “O transporte ficou mal avaliado, pessimamente avaliado”, disse.

MARÃO DIZ QUE SHOPPING ANUNCIADO PELO GRUPO CHAVES “VAI IMPULSONAR ECONOMIA” DE ILHÉUS

Marão, de rosa, com o presidente do Grupo Chaves, Manoel Chaves Neto
Tempo de leitura: < 1 minuto

Prefeito e candidato à reeleição pelo PSD, Mário Alexandre (Marão) disse que o primeiro shopping center do município vai impulsionar a economia de Ilhéus. Na última quinta (9), Manoel Chaves Neto, presidente do Grupo Chaves, anunciou a construção do Shopping Jequitibá Ilhéus (relembre aqui).

O grupo empresarial é o mesmo que fundou o primeiro shopping center do sul da Bahia, em 2000. Hoje, o Jequitibá Itabuna possui 150 lojas, cinema, academia e serviços e contará com centro médico.

No final de semana, Neto se reuniu com o prefeito Marão e apresentou o projeto, que será executado com uma empresa parceira. “Um shopping como o Jequitibá vai trazer mais empregos, impulsionar o turismo e a economia”, disse Marão ao confirmar o empreendimento no município.

Neto fez o anúncio de construção de shopping em Ilhéus na noite da última quinta (9), durante uma live (transmissão ao vivo) com o economista e candidato a vereador de Itabuna pelo PP Rosivaldo Pinheiro. Ainda na live, Neto antecipou novidades para o Jequitibá de Itabuna neste final de ano.

Back To Top