skip to Main Content
25 de fevereiro de 2020 | 09:24 am

ILUMINAÇÃO CÊNICA DA NOVA PONTE ENTRA EM FASE DE TESTES; CONFIRA IMAGENS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Na noite desta quinta-feira (20), técnicos iniciaram os testes da iluminação cênica da primeira ponte estaiada da Bahia, obra que será a nova ligação do Centro com a zona sul de Ilhéus. Os testes foram acompanhados pelo vice-prefeito José Nazal, também fotógrafo, que fez registros de como ficará a ponte à noite. A iluminação cênica dá novo brilho noturno a uma das mais belas baías, a Baía do Pontal. Confira registros feitos na noite de ontem.

DONA PONTE VEM AÍ… FALTA O SISTEMA VIÁRIO URBANO

Tempo de leitura: 4 minutos

 

Antes que passem a me chamar de insaciável, insatisfeito ou utópico, digo que esse sistema é uma das grandes dívidas que os outros dois entes federativos – Estado e União – devem a Ilhéus.

 

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Há mais de um ano que venho sendo presenteado pelo vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, com fotos bem produzidas sobre o andamento da obra de construção da segunda ponte que ligará o centro de Ilhéus ao bairro do Pontal e ao resto do mundo. Fotógrafo profissional de reconhecida competência, Nazal também brinda os amigos e profissionais da imprensa regional com informações importantes do ponto de vista técnico da obra.

Falar de José Nazal pelo seu amor a Ilhéus é como chover no molhado, mas, a título de informação, não poderia eu deixar de traçar poucas linhas sobre a ponte estaiada – uma novidade na Bahia –, já considerada como um dos mais belos cartões-postais de Ilhéus. A cidade, de reconhecida beleza natural, incorpora uma arte moderna à sua paisagem para contrastar com a beleza arquitetônica do casario construído em épocas distinta da história.

Tive a felicidade de acompanhar os contatos iniciais – desdes as promessas – de construção na nova ponte, primeiro como jornalista, depois como participante da equipe do então prefeito Newton Lima. E, em todas as oportunidades, José Nazal estava na linha de frente, prestando informações históricas e técnicas sobre as possibilidades da implantação desse importantíssimo equipamento para o desenvolvimento da cidade.

De início, destaco a vasta colaboração de Nazal como um marco na área da comunicação, tendo em vista que nenhum veículo de comunicação – rádio, jornal, televisão, blogs ou outros tais – teriam condições para o empreendimento. E explico: nada de novo foi feito por Nazal, que apenas reeditou o chamado setorista dos velhos tempos, acompanhando, pari passu, o andamento, enquanto um veículo faria, apenas, grandes reportagens.

Mesmo fora do governo municipal, José Nazal não se esquivou de continuar colaborando com o governo estadual (dono da obra) e com as empresas construtoras, além de informar, em tempo real, de todos os estágios da obra. Como sempre acontece – principalmente na política – existem os céticos – ou apenas adversários – que dizem não acreditar na execução do projeto, que foi ganhando corpo a cada dia.

Como toda grande obra construída no Brasil, a segunda ponte, ou a dona ponte, como a denomina Nazal, possou por alguns problemas de continuidade, por conta do envolvimento da primeira – a segunda também – com a Operação Lava Jato. Não fosse isso, já estaríamos trafegando por ela há algum tempo, portanto livres dos constantes engarrafamentos na única via de tráfego atual.

Ponte ligando o centro e a zona sul de Ilhéus será a primeira estaiada no estado || Foto Bruno Maciel

Para nós leigos em engenharia, as informações – textos curtos e fotos – fornecidas por Nazal foram bastante enriquecedoras, por não conhecermos os meandros e detalhes da construção de uma ponte estaiada. De forma didática, Nazal passava cada filigrana técnica explicada pelos técnicos responsáveis pela construção, a exemplo da rotineira colocação dos cabos de aço de sustentação.

Em poucos dias teremos a entrega da obra pela empresa construtora e caberá ao governo do estado marcar a data da inauguração da ponte, com a escolha do nome do equipamento, o que poderá render questionamentos mil. De início, vamos ao primeiro questionamento: Qual o critério para a escolha da pessoa que emprestará o nome? Caberá aos cidadãos de Ilhéus a escolha desse nome?

Certo dia, em tom de brincadeira, questionei Nazal se com a nova ponte em operação, além da melhoria substancial do tráfego entre o centro e zona sul, não poderíamos, também, ter mais um problema… E explico: Como a ponte atual é o local preferido pelos manifestantes dos vários setores para realizar os protestos, passariam, também, a atazanar a vida da população realizando-os, concomitantemente, na outra ponte?

Pois é, já antevejo a festa da inauguração – mormente num ano de eleições municipais – com presenças de políticos e autoridades todos os tipos no palanque dos governos estadual e municipal. Melhor do que se apresentarem como pais e mães da criança, prestariam um grande serviço apresentar a execução de um projeto do sistema viário do município, retirando o tráfego do centro da cidade.

São obras de custo módico, tendo em vista as pequenas distâncias entre o bairro do Banco da Vitória e os dois pontos da BA-001 nos sentido Sul – proximidades de Olivença – e Norte – lá pelos lados da Ponta do Ramo. Com isso, grande parte do tráfego, principalmente o pesado, seria desviado do centro da cidade, evitando danificar o pavimento e equipamentos enterrados de saneamento.

Antes que passem a me chamar de insaciável, insatisfeito ou utópico, digo que esse sistema é uma das grandes dívidas que os outros dois entes federativos – Estado e União – devem a Ilhéus. Sem gastar muito verbo, pois todos são sabedores da importância de Ilhéus e região como colaboradores e contribuintes dos tesouros da Bahia e Brasil. A dívida é grande, está vencida e poderá ser levada ao cartório de protesto eleitoral.

Se querem saber como fazer o sistema viário, garanto que Nazal prestará mais esse obséquio por sua terra sem qualquer dificuldade.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

AZEVEDO DIZ QUE VAIDADE DENTRO DA EQUIPE PROVOCOU DERROTA ELEITORAL EM 2012

Tempo de leitura: 9 minutos

O ex-prefeito Capitão Azevedo diz que a disputa entre as áreas de marketing e de coordenação de campanha, por vaidade, causou a sua derrota em 2012, quando tentou a reeleição. Azevedo perdeu para Claudevane Leite (Vane do Renascer) por uma diferença de 1.107 votos (45.623 a 44.516). Pré-candidato pelo PL, Azevedo concedeu entrevista ao PIMENTA e diz que errou ao não adotar critério técnico na formação da equipe de governo em 2009, quando assumiu a Prefeitura de Itabuna.

Hoje, Azevedo diz ter um grupo novo e que governará ouvindo todos os setores da sociedade. Para ele, a vitória em 2008 oxigenou a política de Itabuna ao interromper a polarização entre os grupos de Fernando Gomes e de Geraldo Simões. Atribui a si o título de recordista na captação de recursos e execução de grandes obras, embora fosse de um partido de oposição aos governos estadual e federal à época.

Na última semana, parte da entrevista já havia sido publicada, quando Azevedo respondia se aceitaria ser vice de Fernando Gomes. Diz que sua condição não será outra que não a cabeça de chapa. Também fala que, se eleito, vai “destravar a cidade” apostando em mobilidade urbana. E diz ter sido frustrado pelo ex-governador Jaques Wagner, que prometeu duplicar o trecho da BR-415 que vai da Nova Itabuna até Ferradas. Abaixo, confira a íntegra da entrevista que abre a série com pré-candidatos.

Blog Pimenta – O senhor terminou a disputa de 2016 em 4º lugar. Por que a decisão de se candidatar novamente a prefeito?

Capitão Azevedo – Agora ficou mais claro para a população que os meus sucessores [Vane do Renascer e Fernando Gomes] não tiveram a mesma capacidade para captar recursos e executar obras. Sem apoio político, nós captamos R$ 98 milhões e executamos grandes obras, como a cobertura do Canal Lava-Pés, na Avenida Amélia Amado. Lembra como era aquilo quando chovia? Demos outra cara àquela região. Ali passam 90% dos ônibus de Itabuna.

Pimenta – Essa seria a razão principal?

Azevedo – Olha, nós trabalhamos nos bairros direitinho, fazendo esgotamento sanitário, asfaltando, construindo casas dignas. São Pedro, Manoel Leão, Santa Clara, Maria Pinheiro, Zizo, Daniel Gomes, Pedro Jerônimo. No Maria Pinheiro, existia uma rua que chamavam de Rua da Bosta. Esse era o nome real. O esgoto corria pela rua. Hoje isso é passado. Bairros que não eram vistos pelo poder público. Atacamos a infraestrutura, investimos nas pessoas.

____________

Existiam ali, [na eleição de 2012], a equipe de marketing e a coordenação, que estavam tendo desentendimentos e aquilo prejudicou. Foi vaidade. Cada um querendo ser melhor que o outro.

_________

Pimenta – O senhor diz que fez captação recorde de recursos, executou grandes obras. A que o senhor atribui a não reeleição?

Azevedo – Eu atribuo a erros dentro da equipe. Na véspera do pleito, no sábado, fizemos a maior caminhada da história de Itabuna. Os adversários filmaram tudo e tomaram providência para agir na virada da noite, foram para o voto útil. Veja só: perdi a eleição de forma apertada, por 1.107 votos.

Pimenta – E o “racha” interno…

Azevedo – Exatamente. Existiam ali a equipe de marketing e a coordenação, que estavam tendo desentendimentos e aquilo prejudicou. Foi vaidade. Cada um querendo ser melhor que o outro. Isso, realmente, cria embaraços, é até comprometedor.

Pimenta – O que o senhor não repetiria em um eventual governo?

Azevedo – Não repetiria o critério de formação da equipe. Hoje, temos que ter técnicos para dar os resultados que a sociedade precisa. Estamos buscando a inteligência das universidades daqui, ouvindo todos os setores. Vamos ouvir o empresariado, trazer grandes investimentos para gerar emprego que é o que nossa juventude precisa.

Pimenta – Com quem o senhor está conversando em relação a alianças?

Azevedo – Estamos conversando com todo mundo. Temos que sair dessa briga ideológica, partidária. Só traz atrasos. A cidade vem perdendo terrivelmente competitividade. O momento exige alguém sem barreiras ideológicas, partidárias, que seja suprapartidário. Quando prefeito, nós quebramos a polarização que existia em Itabuna. A cidade respirou.

Pimenta – O senhor disse que está aberto, vai procurar todo mundo. O senhor procuraria o prefeito para novamente formar chapa?

Azevedo – Eu nem sei se o prefeito é candidato. Isso é lá na frente que vai se ver. Eu estou decidido. Não abro mão da cabeça de chapa.

Pimenta – O senhor não aceitaria composição sendo vice?

Azevedo – Em hipótese alguma. Isso está descartado. O projeto nasceu, está aqui na minha mente. Vamos colocar nossa proposta para a sociedade, com um novo modelo. A gente realmente reconhece os erros que tivemos no governo e eles devem ser corrigidos. Além do lado da resposta do desenvolvimento socioeconômico da cidade, temos que buscar respostas para cuidar da dignidade humana.

____________

A gente não pode aceitar que uma mãe não possa ser atendida na hora do parto, tendo que se deslocar pra Ilhéus, Jequié ou outra cidade para ter filho, criança morrendo em porta de hospital.

_________

 

Pimenta – O senhor tem sido cuidadoso nas críticas ao governo de Fernando. Isso se deve a quê? É pensando em aliança?

Azevedo – Nós temos que respeitar as pessoas. Sou amigo de Fernando, mas quando chega na questão administrativa, a gente não pode aceitar que uma mãe não possa ser atendida na hora do parto, se deslocando pra Ilhéus, Jequié ou outra cidade para ter filho. Criança morrendo em porta de hospital. A gente não pode aceitar isso. Veja, faço crítica construtiva, para melhorar.

Pimenta – O senhor faria composição com o prefeito Fernando Gomes?

Azevedo – Fernando Gomes tem a linha dele e eu tenho a minha. Eu estou decidido a ser cabeça de chapa e ir até o final… Agora, não podemos rejeitar apoios. Quem quiser me seguir…

Pimenta – E partido, o senhor vai para a disputa no PL mesmo?

Azevedo – Pelo PL, 22.

Pimenta – Está fechado?

Azevedo – (risos) Está, e com garantia.

Pimenta – Com a garantia de quem?

Azevedo – Do presidente, José Carlos Araújo.

Pimenta – E essa disputa de Araújo com o João Bacelar, que é ligado a Fernando Gomes, não pode deixar o senhor sem legenda?

Azevedo – O presidente me garantiu. Confio na palavra dele. Ele disse “eu sou homem e enfrentei o maior chefe de quadrilha desse país, o Eduardo Cunha. Eu garanto o partido”. Ali, ele demonstrou o perfil de homem determinado…

Pimenta – O PL é da base. O senhor buscará os partidos da base do governo estadual?

Azevedo – Eu não tenho restrições. Hoje a nossa base é Itabuna. Queremos criar o momento. Quando o político se elege, ele tem que procurar o governador, o presidente. A gente não tem como fugir disso aí. Eu era prefeito pelo Democratas e consegui recursos no Estado e na União em governos que eram do PT, com [Jaques] Wagner e Lula. Quebramos esse paradigma. Agora, eu tive sanções, né? Na saúde, a gente não recuperou a gestão plena [perdida no governo de Fernando Gomes, em novembro de 2008, e só recuperada em 2013, com Vane do Renascer].

 

____________

Olha, no meu governo só foram dois secretários de saúde. Quanto mais muda de secretário, complica. E os efeitos são terríveis para a sociedade, para quem mais precisa.

_________

 

Pimenta – O senhor acha que escolheu os melhores quadros para a Saúde?

Azevedo – Olha, a saúde é uma pasta complicada. Dr. Antônio Vieira contribuiu bastante. Depois, entendemos que deveríamos ter um alinhamento político, havia boicote em algumas áreas, e nomeamos um outro secretário, [Geraldo Magela, hoje secretário de Ilhéus]. Olha, no meu governo só foram dois secretários de saúde.

Pimenta – É uma crítica indireta a Fernando Gomes, que está no sexto secretário de Saúde desde 2017?

Azevedo – É dizer que é uma área complicada e só foram dois, né? Acho que quanto mais muda de secretário há solução de continuidade, complica. E os efeitos são terríveis para a sociedade, para quem mais precisa.

Leia Mais

OBRAS DA NOVA PONTE DE ILHÉUS AVANÇAM; CONFIRA IMAGENS FEITAS POR JOSÉ NAZAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Obras da nova ponte estaiada seguem com instalação de 10º par de cabos || Foto José Nazal

As obras da primeira ponte semiestaiada baiana devem ser entregues ainda no verão 2019/2020. No último domingo (1º), foram instalados mais dois cabos de sustentação da estrutura da ponte. No total, são 23 pares e até agora foram instalados 10. As obras são executadas pelo governo baiano, por meio da Secretaria Estadual de Infraestrutura.

– Essa grande obra de mobilidade urbana vai facilitar muito o dia a dia da população de Ilhéus e das pessoas que a visitam a passeio ou trabalho. Além disso, a ponte será uma das mais bonitas do Brasil, à altura dessa grande cidade. Os trabalhos avançam em ritmo acelerado e serão concluídos em breve – disse o governador Rui Costa.

Ponte fará ligação do centro, pela Soares Lopes, com a zona sul || Foto José Nazal

Vista aérea das obras no sentido zona sul-centro || Foto José Nazal

A ponte terá 533 metros de comprimento. A implantação do equipamento beneficiará 511 mil habitantes de Buerarema, Canavieiras, Itabuna, Itacaré, Uruçuca e Una, junto com Ilhéus. Além disso, contemplará o escoamento da produção agrícola, principalmente do cacau, e o desenvolvimento do turismo no litoral sul baiano. O investimento é de R$ 99 milhões, segundo o governo baiano.

Obras da ponte têm previsão de entrega no próximo verão || Foto José Nazal

Imagem feita por José Nazal mostra avanço da obra no sentido zona sul

ILHÉUS: AVENIDA CANAVIEIRAS SERÁ INTERDITADA HOJE E NO SÁBADO; CONFIRA HORÁRIOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Avenida Canavieiras será interditada durante o final de tarde e à noite

A Avenida Canavieiras, um dos principais corredores urbanos de Ilhéus, será interditada em horários de intenso tráfego nesta sexta (17) e no sábado (18). Segundo a Superintendência de Trânsito e Mobilidade (Sutram), a interdição será das 16h30h às 23h, nos dois dias, devido à realização do Congresso de Mulheres da Assembleia de Deus, período de grande movimentação de pedestres.

Neste horário, somente moradores poderão transitar para as suas garagens, segundo a Sutram. As linhas de ônibus que trafegam pela Avenida Canavieiras em direção à Avenida Itabuna que têm a Praça Coronel Pessoa como parada (Supermercados Alana) terão o ponto deslocado para a região do Posto Renascer, na subida do viaduto Catalão.

O Congresso de Mulheres da Assembleia de Deus começou nesta quinta-feira (16) e prossegue até sábado (18), com a participação de membros e líderes evangélicos de Ilhéus e do sul da Bahia.

PONTE EM ILHÉUS DEVE FICAR PRONTA SÓ EM 2019

Tempo de leitura: < 1 minuto

Obras da nova ponte atingem 55% de conclusão || Imagem GovBA

As obras da nova ponte que ligará o centro de Ilhéus e a zona sul do município atingiram 55% de conclusão, segundo o governo baiano. A ponte semiestaiada terá 533 metros de comprimento por 24,6 metros de largura. As obras são tocadas pela OAS.
A ponte contará com passeio, canteiro central, pistas duplas nos dois sentidos e ciclovia. O projeto viário, segundo o governo baiano, terá 2,74 quilômetros de extensão, e contempla área de estacionamento. O investimento previsto é R$ 99,6 milhões.
ATRASOS
A previsão ainda não oficial é de que a obra fique pronta em maio de 2019. O cronograma era de entrega no final deste ano, mas a greve dos trabalhadores da construção civil pesada em toda a Bahia, por duas semanas, e a lentidão na obra tornaram difícil a conclusão dentro deste prazo.

POR QUE AS PREFEITURAS NÃO PRECISAM AUMENTAR A TARIFA DE ÔNIBUS TODO ANO

Tempo de leitura: 4 minutos

Rafael Calabria
 

O fato de a população ter pouco conhecimento sobre a legislação e as alternativas que outras cidades buscaram, aliado à grande pressão midiática, cultural e econômica em favor do uso do carro em nossa sociedade, facilita a omissão das administrações públicas e torna os repetidos aumentos tarifários medidas recorrentes.

Em todo começo de ano, milhões de pessoas são “assombradas” com os anúncios de aumento de tarifa nos sistemas de ônibus e trens pelo Brasil. Com a justificativa de cobrir a inflação ou reajuste das contas, os governos e prefeituras tratam o aumento como algo inevitável, se escorando no argumento da responsabilidade fiscal. Mas o que essa explicação esconde é que existem alternativas para as prefeituras tratarem a tarifa de ônibus com a responsabilidade que o assunto merece.
Um dos resultados marcantes dos protestos de junho de 2013 que se espalharam pelo país foi o destaque dado ao debate sobre o valor da tarifa de transporte no país. A discussão, porém, se concentrou em como a tarifa restringe o acesso de cidadãos aos serviços de transporte e não avançou sobre as formas de reduzir efetivamente o custo da tarifa.
A conta do transporte nas cidades tem um custo alto, não há como negar. Portanto, não se trata de baratear o transporte, piorar os ônibus ou degradar a qualidade. O objetivo é buscar formas de pagar o custo desse transporte, melhorar a qualidade e baratear a tarifa final do usuário, garantindo o acesso de mais pessoas ao direito à mobilidade.
Escolher como pagar as contas deve ser parte da decisão política de cada prefeito ou prefeita, governador ou governadora, e este é um dos casos em que já existe uma lei para ajudar o governante a tomar diferentes decisões para não aumentar, ou até reduzir o custo da tarifa.
A Política Nacional de Mobilidade Urbana, aprovada em 2012, envolve essa discussão e possibilita que o gestor público busque recursos em algumas áreas para cobrir o custo da tarifa. Esses recursos podem vir de receitas alternativas ou de compensações e tributações de outras categorias que se beneficiam dos serviços de transporte.
As receitas alternativas são interessantes e não oneram nenhum cidadão. As mais conhecidas são os espaços para propaganda dentro dos ônibus e exploração comercial de espaços de terminais e estações ferroviárias trazendo outros serviços agregados para o usuário do transporte e gerando receita para baratear a tarifa. Essa possibilidade é especialmente importante para cidades que estão discutindo suas licitações de ônibus, como é o caso de São Paulo, Natal e Porto Velho.
A outra opção, a tributação de setores que se beneficiam do serviço de transporte, seria uma importante ferramenta para melhorar a mobilidade das grandes cidades. Essa solução envolve várias opções como uma taxação sobre o litro da gasolina, políticas de estacionamento, uso do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) ou até outorgas que recolham receitas da valorização imobiliária de terrenos valorizados pelo transporte. Embora gere bastante rejeição, a tributação do uso do carro é a opção política mais interessante, pois, além de baratear o custo das passagens, desestimula o uso do automóvel particular, trazendo melhorias para a fluidez do transporte público e para a qualidade do ar das cidades.

Leia Mais

EVENTO DA OAB REÚNE CICLISTAS EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Edição do Advobike deste ano ocorrerá à noite, saindo da OAB.

Edição do Advobike deste ano ocorrerá à noite, saindo da OAB.

Ciclistas de todas as faixas etárias participam, hoje (22), da quarta edição do Advobike, evento de ciclismo promovido pela subseção da OAB de Itabuna. O passeio ciclístico pelas principais ruas do centro de Itabuna é gratuito e chama a atenção do itabunense para a mobilidade urbana e consciência ambiental. O evento ocorre durante a Semana Nacional do Trânsito neste ano.

A largada será às 19 horas, em frente à sede da OAB, na Rua Ruffo Galvão, centro, cerca de 400 metros após o Fórum Ruy Barbosa. Antes de iniciar a pedalada pelo centro, os participantes terão um momento para carregar as baterias com um pequeno lanche (breakfast).

O presidente da OAB Itabuna, Andirlei Nascimento, a intenção é ampliar o debate sobre mobilidade urbana e estimular a prática do ciclismo. A partir das primeiras edições do Advobike, Itabuna conquistou a ampliação de espaços exclusivos para circulação de bicicletas, as ciclofaixas. São cerca de oito quilômetros de vias sinalizadas na região central de Itabuna. O evento também estimula a discussão sobre meio ambiente, com

Informações podem ser obtidas pelo telefone 73-3613.1892 ou na sede da OAB, na Rua Ruffo Galvão, 179, centro.

ADVOBIKE CHAMA ATENÇÃO PARA A MOBILIDADE URBANA

Tempo de leitura: 2 minutos

Advobike 2015A quarta edição do Advobike será realizada em 22 de setembro em Itabuna. O passeio ciclístico que chama atenção para a mobilidade urbana, prática esportiva e consciência ambiental é promovido há quatro anos pela subseção da OAB em Itabuna. A partida será às 19 horas, da sede da entidade, na Avenida Ruffo Galvão, centro, 200 metros depois do Fórum Ruy Barbosa.

Antes da partida, os ciclistas participam de coffee break natural e energético para os ciclistas. Depois, percorrem as principais vias do centro da cidade, com o apoio logístico da Prefeitura de Itabuna, por meio da Secretaria de Transporte e Trânsito (Settran).

A presidente da Comissão Comissão de Cultura Esporte e Lazer da OAB Itabuna, Lorena Matos, diz que o evento chama a atenção do poder público e da sociedade para importância da mobilidade urbana e da prática esportiva. “O Advobike busca mostrar para a população que é possível se locomover pela cidade sem carro ou moto e que essa prática (ciclismo) só faz bem para o corpo, a mente e o meio ambiente”.

ATRAVECITY
A novidade deste ano é que o Advobike apoiará o AtraveCity, gincana ciclística fotográfica que está programada para acontecer em todo país e faz parte da Semana Nacional do Trânsito. Itabuna é a segunda cidade do Nordeste a receber essa gincana e a primeira da Bahia.

O Atravecity será em 20 de setembro e abordará “temas diversos e transversais ao mesmo tempo e tem como objetivo principal propagar a utilização da bicicleta como forma de lazer e transporte na cidade. A gincana ciclística propõe, em seu lado lúdico, o redescobrimento da cidade, por meio de busca de seus prédios históricos, praças e monumentos”.

De acordo com Andirlei Nascimento, presidente da OAB Itabuna, a Ordem sempre será parceira de iniciativas que visam melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. “Desde o inicio da gestão de nossa diretoria a frente da OAB grapiúna é que nós estamos na vanguarda de projetos assim. Lutamos pela recuperação do nosso Rio Cachoeira, pela arborização de nossa cidade, pela criação das ciclovias e por tudo que possa dar um ganho na qualidade de vida das pessoas, pois esta também é uma das nossas funções como voz constitucional da população”, disse Andirlei.

EMPRESAS ECONOMIZAM INCENTIVANDO USO DE BICICLETA EM SALVADOR

Tempo de leitura: 2 minutos
Professor Eduardo Luedy circula em Salvador de bicicleta (Foto Almiro Lopes/Correio).

Professor Eduardo Luedy circula em Salvador de bicicleta (Foto Almiro Lopes/Correio).

Naiana Ribeiro || Correio da Bahia

O uso de bicicletas pelos funcionários pode trazer benefícios para as empresas. O aumento da qualidade de vida e na saúde dos trabalhadores se reflete no ambiente de trabalho, tornando-o mais agradável e produtivo. Ao mesmo tempo, as empresas têm custos menores com planos de saúde e com o absenteísmo dos colaboradores. 

Outra dica: uma estrutura básica para pendurar uma bike custa de R$ 30 a R$ 100. Enquanto isso, para construir um novo estacionamento na área central da cidade gasta-se, em média, R$ 50 mil por vaga. No mesmo espaço utilizado por um carro cabem até 12 bicicletas.

Alguns destes dados fazem parte do Manual De Bicicleta para o Trabalho, lançado hoje no II Fórum Salvador Vai de Bike, na Casa do Comércio, Av. Tancredo Neves. Com o tema As Empresas, a Bicicleta e a Cidade, o evento terá como foco o setor empresarial.

“Queremos sensibilizar as empresas a estimular os empregados a usar mais bicicletas e menos carros e ônibus. Estas podem agir diretamente, através de incentivo e implementação de ações com seus  funcionários”, explicou o secretário de projetos especiais da prefeitura, Isaac Edignton.

ECONOMIA

o professor de Arte e Educação e de Música da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Eduardo Luedy,  48 anos, trocou o carro velho pela bike. O motivo inicial para a troca foi dinheiro.

Ao invés dos R$ 1 mil que gastava por mês, a bicicleta lhe consome, hoje, menos de R$ 20. Além de sempre andar pela cidade com a sua ‘queridinha’, Luedy pedala dez quilômetros do Corredor da Vitória, onde mora, até a região do Iguatemi, onde pega um ônibus fornecido pela Uefs para ir ao trabalho.

Leia matéria na íntegra no Correio

Back To Top