skip to Main Content
9 de agosto de 2020 | 09:35 pm

REDES SOCIAIS EM TEMPOS DE ISOLAMENTO SOCIAL: UM CONVITE A CONEXÕES BASEADAS EM VERDADE

Tempo de leitura: 2 minutos

Com toda certeza, colocarei mais esse trecho no meu livro da vida: quando uma pessoa tentou “abafar” a minha voz, eu dei voz e espaço a doze, com o sorriso no rosto e a delicadeza que toda mulher forte tem!

Manuela Berbert || manuelaberbert@yahoo.com.br

Somos as nossas conexões. A nossa rede de relacionamentos, que começa ainda na infância com a família e que se estende ao longo da vida, com os ciclos de amizade e relacionamento amoroso, colegas de trabalho etc. Um vai e vem de pessoas e momentos, e com eles, claro, lições e inúmeros aprendizado. E “se você nasceu com uma visão privilegiada, o seu papel não é abrir guerra contra quem pensa diferente, mas sim levar adiante o que tem de conhecimento”, escutei dia desses, e concordo demais.

Com a crise mundial do COVID-19 e o isolamento social, as conexões virtuais nunca estiveram tão em alta. O universo digital tomou ainda mais força, e com a ela a necessidade de reinventar formas de estar presente, de ser presente. As fórmulas prontas já não constroem resultados significativos, conseguindo até manter um certo “espaço”, mas não gerando audiência. (E isso vai impactar diretamente nas próximas eleições, mas esse assunto é pauta para outro texto).

Há exatamente uma semana iniciei um projeto no Instagram chamado Manu Convida Mulheres. Doze mulheres, das mais diversas áreas e atuações profissionais, estão sendo convidadas a contar suas histórias. E quantas histórias lindas de superação e crescimento temos! Todas narradas com erros e acertos, mas com muita coerência nas falas e atitudes, inclusive nos elogios aos parceiros que validam e incentivam seus progressos. Não há necessidade de rivalidade entre gêneros. O que há é necessidade de igualdade entre todos.

Há algumas semanas convidei um amigo para pautar um tema específico, e fui ignorada. Lembrei que todos os nãos que a vida me deu, transformei. E assim nasceu um projeto que vem inspirando centenas de pessoas por dia. Com toda certeza, colocarei mais esse trecho no meu livro da vida: quando uma pessoa tentou “abafar” a minha voz, eu dei voz e espaço a doze, com o sorriso no rosto e a delicadeza que toda mulher forte tem!

Manuela Berbert é publicitária.

ILHÉUS CONFIRMA 27 CASOS DE COVID-19 E ITABUNA TEM CRIANÇA DE DOIS ANOS INFECTADA

Ilhéus confirma 27 casos da Convid-19
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Secretaria de Saúde de Ilhéus confirmou, na tarde desta quinta-feira (9), o 27º caso de paciente que testou positivo para o novo coronavírus. Hoje, o município registrou a primeira morte causada pela doença, segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab). Leia nota.

Os novos casos confirmados são três mulheres, de 65, 56 e 25 anos, moradoras no Nelson Costa, Residencial Sol e Mar e Banco da Vitória, respectivamente, e de um homem, de 65 anos, do Salobrinho, além de uma menina de quatro anos.

O município contabiliza 144 casos descartados, oito sob investigação – aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen)- 204 casos suspeitos de síndrome gripal, monitorados pela Central Covid-19, além de seis curas clínicas do coronavírus e uma morte.

Itabuna é outro município do sul da Bahia que confirmou novos casos da doença nas últimas horas. De acordo com a Vigilância Epidemiológica, os infectados são uma criança de dois anos e outra pessoa de 35 anos, que estão em isolamento domiciliar.

ROTARY CLUB DE ITABUNA DESTACA FORÇA DA MULHER E PRESTA HOMENAGENS

Mulheres são homenageadas pelo Rotary Club Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

O Rotary Club de Itabuna promoveu, nesta semana, uma homenagem às mulheres com a presença das mulheres rotarianas, dos rotarianos e suas esposas, que fazem parte da Casa da Amizade. A comemoração também contou com a participação do governador do Distrito 4391, Paulo Pereira, e da esposa dele, Auxiliadora Silva, que são membros do clube.

A comemoração foi promovida numa parceria entre Rotary e a Casa da Amizade. Na programação, saudações, sorteio de brindes e homenagens pela atuação das mulheres não apenas dentro da organização. A presidente da Casa da Amizade, Marta Furtado, agradeceu a troca e exaltou as companheiras. “Sinto-me privilegiada em participar desse grupo. Aqui somos todas guerreiras. Quero parabenizar a cada uma na profissão, no dia a dia, no seio da família de vocês e desejar que continuem brilhando em tudo o que fazem”, elogiou.

INSERÇÃO FEMININA NO ROTARY

Coube ao médico João Otávio Macêdo fazer um discurso especial voltado às homenageadas. Macêdo traçou um panorama histórico retratando toda a luta feminina para ocupar espaços de direito e destacou a inserção da mulher no Rotary. “A presença de mulheres no Rotary teve início em 1989. Antes não eram aceitas. Depois que se permitiu que a mulher frequentasse o clube, houve um ganho qualitativo e quantitativo incrível, pois o Rotary passou a ter atuação mais marcante”, explicou, agradecendo e parabenizando a todas.

O governador Paulo Pereira ressaltou a excelência do trabalho da mulher no Rotary. “No Brasil, há 27% de mulheres no Rotary e queremos chegar a 50%. Sabemos que os projetos tocados pela força feminina aceleram muito mais, pois as mulheres estão à frente. Vocês sempre serão bem-vindas pois acreditamos muito na força e no trabalho de cada uma”, disse voltando-se à plateia.

REUNIÕES SUSPENSAS

Devido ao coronavírus, como forma de prevenção, o presidente do clube, Sílvio Roberto, anunciou que as reuniões presenciais estarão suspensas pelos próximos 30 dias ou até que a situação seja normalizada. A decisão foi tomada em consulta ao Conselho Diretor do clube itabunense de acordo com orientações do Rotary International e do Distrito 4391 e respeitando decreto publicado pelo município esta semana proibindo reuniões que contem com mais de 50 pessoas.

UBAITABA: MUNICÍPIO PROMOVE “DIA DE BELEZA” EM HOMENAGEM ÀS MULHERES

Mulheres foram atendidas no Dia de Beleza em Ubaitaba
Tempo de leitura: < 1 minuto

Numa homenagem às mulheres, a Prefeitura de Ubaitaba promoveu um dia de atividades de beleza para mulheres no Centro de Referência em Assistência Social (CRAS). O público feminino pode participar de atividades ligadas à beleza e autoestima feminina, com serviços de limpeza facial, massagens, corte de cabelo, design de sobrancelha e serviços de manicure nesta terça (10).

O evento contou com a presença da prefeita Suka Carneiro. “A mulher é aquela que se dedica por inteiro, seja nos afazeres domésticos, no cuidado com filho, marido e outras atribuições, a mulher é forte e tem seu grande valor”, afirmou a prefeita.

Para a secretária de Assistência Social, Elied Soares, o município teve a oportunidade de “oferecer às mulheres um momento para se embelezarem e reforçar a autoestima”, além de “conscientizá-las sobre o significado do Dia Internacional da Mulher, sensibilizando-as sobre a importância de lutarem pela garantia de seus direitos”.

APÓS 7 ANOS EM QUEDA, DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTA

Mulheres enfrentam aumento na desigualdade salarial || Foto Tânia Rego/Agência Brasil
Tempo de leitura: 4 minutos

Da Agência Brasil

Natália*, 40 anos e Felipe*, 42 anos, são professores, têm formação semelhante e exercem funções semelhantes, mas ao longo de 20 anos de carreira, Natália sempre ganhou menos que o marido. O caso mais marcante foi há dois anos, quando ela fez uma entrevista de emprego para uma escola particular, em São Carlos (SP), e recebeu a proposta salarial de R$ 800 por mês para lecionar seis aulas de 40 minutos cada, por manhã. “Na semana seguinte, a escola conversou com o meu marido e ofereceu R$ 1,7 mil pelo mesmo trabalho”, diz Natália.

O caso de Natália e Felipe não é isolado. Historicamente, no Brasil, homens ganham mais que mulheres. Após sete anos de quedas consecutivas, em 2019, houve um aumento da diferença dos salários de mulheres e homens de 9,2% em relação a 2018.

Em 2011, homens com ensino superior ganhavam, em média, R$ 3.058, enquanto as mulheres com o mesmo nível de formação ganhavam, em média, R$ 1.865, o que representa uma diferença de salário de 63,98%.

Em 2012, essa diferença começou a cair, passando para 61,78%. Em 2018, chegou a ser 44,7%, com homens ganhando, em média, R$ 3.752 e, mulheres, R$ 2.593. Em 2019, a diferença aumentou e passou a ser de 47,24%, com homens ganhando em média R$ 3.946 e, mulheres, R$ 2.680.

Os dados foram compilados para a Agência Brasil pela Quero Bolsa, plataforma de bolsas e vagas para o ensino superior, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

“Muitas vezes não é só o currículo que conta, a capacidade, o profissionalismo, mas o simples fato de ser mulher. Se é mulher, você não é contratada porque vai dar problema, como já ouvi muitas vezes”, diz Natália. Ela conta que certa vez, uma escola de Jaú (SP) pediu que ela se comprometesse a não engravidar para não comprometer o ano letivo enquanto lecionasse na instituição. Ela recusou a vaga.

PREVISÃO CONSTITUCIONAL

A jornalista Clara*, 52 anos, passou por situação semelhante. Enquanto trabalhou na redação de um jornal em São Paulo, ganhou menos que um colega na mesma posição. “Recebi explicações superficiais sobre a diferença de salário. Mesmo mostrando que fazia a mesma coisa, com o mesmo volume de trabalho, a explicação foi de que cada salário era calculado de um jeito”, diz.

Clara, que tem 30 anos de profissão, ressalta que a equiparação salarial está prevista na Lei 1.723/1952, que assegura que sendo idêntica a função, “a todo trabalho de igual valor prestado ao mesmo empregador, na mesma localidade, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade”.

“Algumas empresas cumprem, outras acham que como a mulher engravida, tem licença maternidade, o custo dela como funcionária é maior. Logo, ela tem que ganhar menos, ou seja, pagar pela licença maternidade. Mas paga muito, muito mais. Não tem fiscalização e, com a crise, infelizmente esse cenário piorou”, diz a jornalista.

Leia Mais

MULHERES AUMENTAM ESCOLARIDADE EM RELAÇÃO AOS HOMENS, MOSTRA PESQUISA

Tempo de leitura: 4 minutos

O ano de 1991 foi um marco para o perfil da mulher no mercado de trabalho porque, pela primeira vez, o nível de escolaridade feminina superou o dos homens. Segundo a professora Hildete Pereira de Melo, uma das coordenadoras do Núcleo de Pesquisa em Gênero e Economia (NPGE) da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF), nesse período o tempo de estudo das mulheres passou a ser maior.

Conforme a pesquisadora, as mulheres aumentaram em um ano a escolaridade média em relação aos homens. “É a maior conquista das mulheres brasileiras terem conseguido se educar no século 20. Embora, a gente não tenha construído a igualdade, a gente conseguiu realmente uma vitória. Não houve política pública que facilitasse isso. Foram decisões pessoais das mulheres”, afirmou, acrescentando que no Censo 1900 as mulheres eram analfabetas e terminaram o século 20 mais escolarizadas do que os homens.

A evolução da escolaridade é um dos dados abordados pela pesquisa, que comprova a desigualdade de rendimentos entre homens e mulheres no Brasil. O trabalho foi desenvolvido por Hildete e pela professora Lucilene Morandi, também coordenadora do NPGE. “A ideia dessa pesquisa era ter uma noção do impacto da diferença de participação no mercado de trabalho e na renda de homens e mulheres”, disse Lucilene.

ESCOLARIDADE X SALÁRIO

O aumento da escolaridade, no entanto, não representou o fim do desequilíbrio salarial entre homens e mulheres. As pessoas com mais escolaridade no Brasil ganham mais, mas Hildete citou o próprio exemplo para comentar a diferença de gênero na questão salarial. “A distância entre o que eu ganho como doutora em economia e o meu colega que é doutor em economia é muito grande. É muito maior do que quando pega uma escolaridade mais baixa, então, educação é um prêmio para todos, mas o prêmio para os homens é bem superior ao que ela permite às mulheres”.

TRABALHO DOMÉSTICO

Outra avaliação da pesquisa, ao analisar o Produto Interno Bruto (PIB) feminino e masculino, é a falta de captação do resultado do serviço doméstico feito pelas mulheres, inclusive com extensão de jornada. “O problema do trabalho não pago, o trabalho gratuito, que as mulheres realizam, é que se somasse os dois tempos, o do que a gente chama pago ou produtivo com o não pago nos cuidados com as crianças, com a casa, com os doentes, com os idosos, vê-se que a jornada das mulheres é cinco horas maior”, observou.

Leia Mais

MULHERES DEDICAM QUASE O DOBRO DO TEMPO DOS HOMENS ÀS TAREFAS DOMÉSTICAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Mulher ainda trabalha muito mais que o homem em casa|| Foto Licia Rubinstein

As mulheres dedicaram, em média, 21,3 horas por semana com afazeres domésticos e cuidado de pessoas em 2018, quase o dobro do que os homens gastaram com as mesmas tarefas – 10,9 horas. É o que revela o suplemento Outras Formas de Trabalho da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A situação no mercado de trabalho também pouco impactava na jornada doméstica feminina. Mesmo trabalhando fora, a mulher cumpria 8,2 horas a mais em obrigações domésticas que o homem também ocupado.A diferença era ainda maior entre homens e mulheres desempregados. Nessa condição, elas trabalhavam 11,8 horas a mais que eles.

Segundo a pesquisa, estima-se que 87% da população com 14 anos ou mais realizaram afazeres domésticos e/ou cuidado de moradores ou de parentes em 2018, o que representa 147,5 milhões de pessoas. Essa incidência era maior entre as mulheres, 93%, do que entre os homens, 80,4%.

Os dados também mostraram que na condição de cônjuge ou companheira, as mulheres trabalhavam ainda mais, chegando a alcançar 97,7% delas, enquanto entre os homens, na mesma situação, a incidência foi de 84,6%.

Leia Mais

#ELENÃO: ATO CONTRA BOLSONARO ATRAI MILHARES AO CENTRO DE ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos

Movimento das mulheres contra Bolsonaro teve reforço em Itabuna || Foto Pimenta

O movimento das mulheres brasileiras contra o presidenciável Jair Bolsonaro atraiu milhares de pessoas ao centro de Itabuna, no sul da Bahia, na manhã deste sábado (29). Pintadas, com faixas e cartazes nas mãos ou soltando gritos de ordem contra o candidato do PSL, mulheres se concentraram no Berilo, próximo ao Centro de Cultura Adonias Filho, e seguiram em passeata pela Avenida do Cinquentenário, por volta das 11h. Faixas e cartazes faziam críticas a declarações machistas e homofóbicas já proferidas pelo presidenciável.
A organização do movimento #EleNão calcula ter reunido cerca de 4 mil pessoas no ato em Itabuna. O movimento está ocorrendo em todo o país neste sábado. Em São Paulo, a estimativa é de que o ato contra Bolsonaro esteja reunindo, ao menos, 150 mil pessoas. Já no Rio de Janeiro, na Cinelândia, outras 100 mil pessoas.
No sul da Bahia, também houve manifestação contra Bolsonaro em Ilhéus, com passeata e apresentações culturais em frente ao Teatro Municipal, no Centro Histórico.
REAÇÃO
Os atos em Itabuna e Ilhéus foram pacíficos. Não houve registro de tumulto durante a caminhada em Itabuna, que ganhou maior proporção. Os favoráveis ao presidenciável Bolsonaro prometem reagir com carreata, neste domingo (30), que começará em Itabuna e será encerrada na vizinha Ilhéus.

Manifestantes prestam homenagem a Maria Aparecida, vítima de feminicídio || Foto Pimenta

HOMENAGEM A APARECIDA
Ainda na principal artéria comercial do centro de Itabuna, as manifestantes pararam em frente à drogaria onde a comerciária Maria Aparecida Reis trabalhava, próximo à agência principal do Bradesco no município. As manifestantes fizeram minuto de silêncio em homenagem à vítima de feminicídio em 8 de junho passado.

Maria Aparecida foi baleada e esfaqueada pelo ex-companheiro em um ônibus, na Praça Olinto Leone. A marcha #EleNão foi encerrada exatamente na praça onde ocorreu o feminicídio (relembre aqui).

Mulheres exibem cartazes com mensagens contra presidenciável || Foto Pimenta

MULHER FINGIA INCORPORAR ESPÍRITO MASCULINO PARA SE RELACIONAR COM VÍTIMAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Andreza Souza é acusada de aplicar golpe em mulheres de várias cidades baianas

As tramas criadas pela estudante de direito Andreza Souza Dias Souza, 22 anos, para envolver mulheres em relacionamentos amorosos e conseguir arrancar-lhes dinheiro são dignas dos famosos romances do escritor Nelson Rodrigues. Ela se passava por homens, atraía as vítimas através de sites de relacionamentos e WhatsApp e ainda se dizia capaz de manter uma ‘canalização’ com um espírito masculino para se relacionar sexualmente com as mulheres.
“Ela criava perfis falsos com fotos de pessoas do sexo masculino com o intuito de obter benefícios financeiros. Depois, quando o relacionamento parecia real, ela se passava por sobrinha do homem e dizia que ele incorporaria nela para manter relações sexuais com as vítimas”, explicou a promotora de Justiça Ana Emanuela Rossi Meira, coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco). As fotos dos homens eram pegas de forma aleatória em redes sociais e os nomes eram fictícios.
Conforme a promotora, a estudante conseguia manipular a voz para falar com as vítimas como se fosse o suposto namorado e, durante uma conversa, sugeria que as mulheres conhecessem uma sobrinha, que era a própria suspeita. Ainda de acordo com ela, Andreza dava diversas desculpas para evitar o contato pessoal entre o ‘namorado’ e as vítimas e para conseguir dinheiro.
“Ela sempre dizia que estava viajando a trabalho, que estava com problemas pessoais e que precisava de dinheiro para fazer uma cirurgia. Se apresentava como médicos, agentes da Polícia Federal e outros profissionais”, contou a coordenadora.
APLICAVA GOLPE DESDE 2013
Andreza, que também é funcionária pública com cargo comissionado na prefeitura de Santo Antônio de Jesus – Recôncavo Baiano –, vinha agindo desde 2013, quando ainda era uma adolescente de 17 anos. Nesses mais de cinco anos, ela conseguiu ludibriar mais de 20 mulheres. A promotora não soube informar com quantas vítimas a estudante se relacionou sexualmente.

Leia Mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA LEVA SERVIÇOS PARA MORADORAS DE URUÇUCA

Tempo de leitura: 2 minutos
Programa inicia atendimento em Uruçuca

Programa inicia atendimento em Uruçuca nesta quinta-feira (24)

O programa Saúde sem Fronteira Rastreamento do Câncer de Mama atende as moradoras de Uruçuca desta quinta-feira (24) a 1º de setembro. De acordo com a secretária de Saúde do município, Domilene Borges, a meta é atender 1.169 mulheres, na faixa etária de 50 a 69 anos.

Na sede, o procedimento será feito em uma unidade móvel, na Praça Régis Pacheco, até o dia 31 deste mês. Na Vila de Serra Grande, o mutirão será nos dias 31 de agosto e 1º de setembro, na Praça Pedro Gomes. O horário de atendimento será das 7h às 12h e das 14h às 17h.

O prefeito Moacyr Leite Júnior destaca que a realização do exame é muito importante. “Eu fico muito feliz em poder fazer parcerias que proporcionem melhor qualidade de vida para nossa população”, disse o prefeito. Para ser atendida, a mulher deve levar um documento de identidade, Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e comprovante de endereço.

TRATAMENTO

O Saúde sem Fronteiras é um programa que tem como diferencial o acompanhamento das mulheres com mamografias inconclusivas, com a oferta de exames complementares para o diagnóstico e o encaminhamento ao tratamento, visando à integralidade do atendimento.

Para as mulheres com diagnóstico positivo, o tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico será realizado em unidades de alta complexidade em oncologia. O programa é uma ferramenta de acesso da mulher às ações de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

Back To Top