skip to Main Content
6 de julho de 2020 | 09:34 pm

E A VICE VAI PARA…

Tempo de leitura: 2 minutos

Ricardo RibeiroRicardo Ribeiro | ricardorib@outlook.com
O governador Jaques Wagner disse tudo e, ao mesmo tempo, não disse nada na noite carnavalesca desta quinta-feira (27). O assunto, logicamente, era o que mais causa frisson no momento, sobretudo entre pedetistas e pepistas, estes mais indóceis no afã de conquistar postos de relevo na estrutura do poder.
Ao ser perguntado sobre quando o nome do vice seria definido, Wagner afirmou que a escolha já se deu, porém não declinou o nome. Ou seja, persistem as cólicas em quem não dorme mais, pensando em quem será o homem – ou a mulher – ao lado de Rui Costa (PT). Wagner, que não é o noivo, mas um padrinho de escol, já disse que prefere uma chapa com diversidade de gênero.
Se vingar a pressão do PP, o partido assumirá o posto. Não se sabe se com o deputado federal Mário Negromonte ou com uma mulher, estando cotada nesta hipótese a feirense Eliana Boaventura.
Com uma estrutura menor e sem tanto poder de pressão,  o PDT do deputado estadual Marcelo Nilo já corre por fora na disputa pela vice, mas, caso esta lhe caia no colo,também está disponível o nome da secretária estadual de Ciência e Tecnologia, Andrea Mendonça. Mais distante dessa briga, mas também lembrada, figura a deputada federal Alice Portugal, do PCdoB.
Os aflitos, no entanto, devem reforçar seu estoque de Buscopan, pois o bendito nome – embora já definido, segundo JW –  somente será divulgado dentro de duas semanas. Um tempo precioso para aparar arestas, promover as reengenharias necessárias, reduzir as tensões presentes e se preparar para as futuras. Que talvez sejam maiores.
Ricardo Ribeiro  é advogado.

RODOVIÁRIOS DE ITABUNA NA BRONCA COM A SETTRAN

Tempo de leitura: < 1 minuto

Rodoviários de Itabuna estão indignados com a Secretaria de Transportes e Trânsito. O motivo são as multas que vêm sendo aplicadas pelos agentes da Settran por atrasos nos itinerários.
As multas são dirigidas às empresas, mas estas descontam os valores do salário dos empregados, o que gera revolta na categoria. Motoristas dizem que, na maioria das vezes, os atrasos são provocados pelos engarrafamentos e pela buraqueira em muitas ruas. Ou seja, não é culpa deles e sim da própria gestão municipal, que não organiza o trânsito e ainda pune quem sofre com a bagunça.
Nesta quarta-feira (19), os vereadores Aldenes Meira e Jairo Araújo, ambos do PCdoB, foram até a garagem da empresa São Miguel e ouviram os trabalhadores. Eles se comprometeram a cobrar do governo uma nova postura com a categoria.
 

CUNHADO NÃO É PARENTE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Para quem pensa que Jabes Ribeiro (PP) apoiará a candidatura do cunhado Davidson Magalhães (PCdoB) a deputado federal, vai aqui um balde de água fria. Nesta sexta-feira (7), o irmão e “ajudante de ordens” do prefeito, John Ribeiro, disse para várias pessoas que é zero a chance do brother apoiar o comunista.
“Jabes dará apoio a Mário Negromonte Júnior (PP) para federal e ao nome que Ronaldo Carletto indicar para estadual”, assegurou John”.
A quem perguntava sobre Davidson, o moço só dizia duas palavras: – que nada!

RELAÇÕES ESTREMECIDAS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Enquanto Vane discursava, expressão de Davidson Magalhães demonstrava o nível do humor entre os comunistas e o prefeito

Enquanto Vane discursava, expressão de Davidson Magalhães demonstrava o nível do humor entre os comunistas e o prefeito

É notório que o governo itabunense está dividido em pelo menos dois grandes blocos: um com forte presença de evangélicos (ligado ao prefeito Claudevane Leite) e outro formado pelo PCdoB, partido do vice-prefeito Wenceslau Júnior. Não é segredo que as relações entre os dois grupos não é boa e as trombadas são frequentes.
O clima nada amistoso entre comunistas e “irmãos” foi percebido em semblantes carrancudos na manhã desta quarta-feira (29), durante seminário que discute a Região Metropolitana do Sul da Bahia.
O evento é promovido pela Bahiagás e naturalmente o presidente desta empresa, o comunista Davidson Magalhães, estava presente. Ao lado do prefeito, Magalhães permaneceu de cara fechadíssima enquanto Claudevane Leite fazia seu discurso na abertura do seminário.
Na plateia, o vice-prefeito Wenceslau Júnior ocupava a primeira fila e também não dirigia olhares muito simpáticos ao gestor.

VETO À "MEIA PASSAGEM" AZEDA RELAÇÃO ENTRE VANE E ALDENES

Tempo de leitura: < 1 minuto
Vane e Aldenes: relações estremecidas.

Vane e Aldenes: relações estremecidas.

Não convidem para a mesma mesa o presidente da Câmara de Itabuna, Aldenes Meira (PCdoB), e o prefeito Claudevane Leite (PRB).
A relação entre ambos estremeceu de vez, após o prefeito decidir vetar o projeto que concedia a meia passagem aos domingos em Itabuna.
O prefeito alega que a iniciativa é inconstitucional, pois gera despesas, mas o vereador acredita que fatores políticos teriam levado o gestor municipal a vetar a ideia que já é sucesso em várias cidades brasileiras, dentre elas Salvador.
Aldenes vinha reclamando do tratamento de Vane bem antes, por exclui-lo de várias ações governamentais.
A meia-passagem foi a gota d´água, mas fontes próximas lembram que o prefeito deixava de convidar o presidente da Câmara até mesmo em eventos em bases eleitorais do vereador, a exemplo da Roça do Povo, Itamaracá e Mutuns.
Para estes locais, bases do vereador, Vane levava a tiracolo a deputada estadual Ângela Sousa, que é candidata a reeleição. E Aldenes, veja só!, é pré-candidato a deputado estadual.
Ontem, Aldenes estava mais que contrariado. E, num grupo reservado, disse que o prefeito desconhecia os poderes de um presidente de Câmara. Cassação, por exemplo, teria sido uma das palavras pronunciadas. Capas-pretas do PCdoB itabunense (Wenceslau Júnior e Davidson Magalhães) também foram… elogiados.

DOIS BICUDOS

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

Geraldo anda dizendo que Magalhães, que é o diretor-presidente da Bahiagás, vem gastando o dinheiro da empresa na campanha para deputado federal.

O relacionamento político entre o PT e o PCdoB de Itabuna sempre foi marcado por intrigas, picuinhas, traições, falsidades, desconfianças e até ofensas pessoais.
O pega-pega é velho, vem da política estudantil na então Fespi, quando comunistas e petistas se digladiavam pelo comando do Diretório Central dos Estudantes, o cobiçado DCE.
Quando se juntam, como aconteceu em várias sucessões municipais, é por interesse e conveniência, já que a união se torna indispensável para derrotar os adversários comuns.
O PT e o PCdoB são inimigos ferrenhos quando estão separados no processo eleitoral. PCdoB versus DEM ou PT versus PSDB são confrontos civilizados quando comparados a uma disputa PT versus PCdoB.
O mais recente duelo envolve as duas figuras emblemáticas do petismo e do comunismo tupiniquins, sem dúvida o ex-prefeito Geraldo Simões e o ex-vereador Davidson Magalhães.
Geraldo anda dizendo que Magalhães, que é o diretor-presidente da Bahiagás, vem gastando o dinheiro da empresa na campanha para deputado federal.
Defensores de Davidson, irritadíssimos com Geraldo, lembram que o ex-alcaide, em vez de se preocupar com a vida alheia, deveria cuidar da sua condição de réu nos processos que tramitam na justiça.
E mais: corre à boca pequena a informação de que o PT vai reivindicar o comando da Bahiagás assim que Davidson se afastar da presidência para concorrer ao Parlamento.
Dois bicudos não se beijam. Geraldo Simões e Davidson Magalhães sequer se abraçam. É melhor assim do que abraço de tamanduá.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

WENCESLAU, O “BOMBEIRO”

Tempo de leitura: < 1 minuto

Wenceslau2 coletiva www.pimenta.blog.brO vice-prefeito de Itabuna, Wenceslau Júnior (PCdoB), apressou-se a apagar um foco de incêndio que mais uma vez ameaçava as relações entre os comunistas e o grupo de dirigentes municipais afinado com o prefeito Claudevane Leite (PCdoB).

No caso, com o perdão do trocadilho, o foco estava situado na Ficc.

Surgiram rumores de que o PCdoB operara para boicotar uma festa de Réveillon organizada pelo presidente da fundação de cultura, professor José Roberto da Silva. A versão era a de que a iniciativa melindrou os comunistas e gerou mal-estar no governo.

Segundo Wenceslau, não houve boicote nem mal-estar, mas simplesmente uma decisão administrativa do prefeito relacionada ao decreto de estado de emergência por causa das chuvas. Além disso, haveria preocupação com a segurança do evento, no qual estariam presentes nomes como Zeca Baleiro e a banda Detonautas.

Ah bom!

DAVIDSON CONTINUA NA PISTA

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

Ao ilustre filiado do PCdoB, sem dúvida uma das mais importantes lideranças da legenda, cabe a missão de não deixar que o hoje seja o amanhã.

Ainda é cedo para afirmar que a pré-candidatura de Davidson Magalhães ao Parlamento federal não vai decolar, que vai ser uma grande decepção para o PCdoB.

Essa onda de pessimismo em torno do comunista, com o nítido propósito de deixá-lo cabisbaixo, não é protagonizada somente pelo PT de Geraldo Simões.

O DEM e o PRB também torcem para que o diretor-presidente da Bahiagás fique sem gás na sua legítima e democrática caminhada rumo ao cobiçado Congresso Nacional.

Democratas, petistas, comunistas e a turma do PRB, legenda sob o comando da Igreja Universal, são adversários na eleição de 2014, com cada qual defendendo seus candidatos.

Não sei como anda a campanha do bispo Marinho, se ele vai precisar dos votos de Itabuna para se reeleger. Davidson Magalhães e os ex-prefeitos Azevedo e Geraldo dependem de uma boa votação na cidade.

Geraldo Simões, José Azevedo e Marinho, quando o assunto é o insucesso eleitoral de Davidson e, por tabela, o enfraquecimento do PCdoB, estão mais que juntos. São aliados afinadíssimos.

As pesquisas de intenção de voto, pelos menos a que eu tive acesso ou informação confiável, apontam Davidson em uma situação desconfortável, até mesmo surpreendente, já que o comunista fica bem atrás dos outros concorrentes.

E os concorrentes não se limitam a Geraldo, Azevedo e Marinho. O deputado Félix Mendonça Júnior, presidente estadual do PDT, aparece na frente do comunista.

É evidente que tudo pode mudar. As pesquisas são retratos de um momento político. A pré-candidatura de Davidson Magalhães ainda continua na pista.

Ao ilustre filiado do PCdoB, sem dúvida uma das mais importantes lideranças da legenda, cabe a missão de não deixar que o hoje seja o amanhã.

Mas mesmo decolando, melhorando nas consultas populares, sua eleição é considerada difícil. A falta de carisma de Davidson e o semblante insosso são apontados como pontos incorrigíveis.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

OPOSIÇÃO AO PCdoB

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

A tendência, com a proximidade do pleito de 2014, é de um acirramento cada vez mais intenso entre o PCdoB e o PRB, com cada qual defendendo seus candidatos.

De início é bom dizer que a oposição ao Partido Comunista do Brasil, o velho e aguerrido PCdoB, tem duas vertentes: dentro do governo Vane e fora dele.

Do lado externo, os petistas comandam o oposicionismo com o deputado federal Geraldo Simões na linha de frente. O alvo principal é Davidson Magalhães, presidente da Bahiagás.

Aqui em Itabuna, o PT e o PCdoB se juntaram em várias sucessões municipais, mas tudo em nome da sobrevivência política, como aliados pragmáticos e circunstanciais.

O relacionamento PT e PCdoB sempre foi marcado por muito cinismo, tapeação, desconfiança e sabedoria de ambos os lados. O pega-pega vem do movimento estudantil.

Em priscas eras, como diria o saudoso jornalista Eduardo Anunciação, enfrentei o PT e o PCdoB na eleição para o Diretório Central dos Estudantes, o DCE da então FESPI, hoje Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Sob pena de perderem o comando do DCE para o PDT, comunistas e petistas se uniram contra minha candidatura. Derrotado, continuei na luta. O troco veio depois: fui eleito presidente do DA de Direito.

Internamente, o PCdoB tem o PRB, legenda do prefeito Claudevane Leite, na sua cola. O secretário de Assistência Social, José Carlos Trindade, com o aval silencioso do bispo Márcio Marinho, é o adversário-mor.

O conceituado blog Pimenta não é de inventar nada. Trindade disse mesmo que Davidson Magalhães não teria cinco mil votos em Itabuna para deputado federal. Continua dizendo, agora mais precavido.

A tendência, com a proximidade do pleito de 2014, é de um acirramento cada vez mais intenso entre o PCdoB e o PRB, com cada qual defendendo seus candidatos.

Em relação ao Parlamento estadual, tudo com bolinhas azuis. Ângela Sousa (PSD-reeleição) já tem o explícito e empolgado apoio do prefeito Vane. O céu é de brigadeiro.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

GERALDO SIMÕES X DAVIDSON MAGALHÃES

Tempo de leitura: 2 minutos
Petista critica comunista, que lhe devolve o "afago"

Petista critica comunista, que lhe devolve o “afago”

Inimigos íntimos, o deputado federal Geraldo Simões (PT) e o presidente da Bahiagás, Davidson Magalhães (PCdoB) estão mais uma vez em pé de guerra. Se é que um dia deixaram de estar.

No último sábado (2), a batalha entre os dois políticos saiu da latência, quando o petista, entrevistado no programa Resenha da Cidade (Rádio Difusora AM) falou mal do comunista, criticando patrocínios liberados pela empresa Bahiagás para eventos culturais no interior do Estado.

Irônico, Simões chegou a dizer que a quantidade de patrocínios oferecida pela empresa é tamanha, que isso seria capaz de influenciar o preço do gás. Ele também afirmou que os gastos estariam associados à pré-campanha de Davidson Magalhães, que deverá disputar cadeira na Câmara dos Deputados em 2014.

A resposta do comunista veio nesta terça-feira (5), em entrevista concedida a Ricardo Bacelar, na Rádio Nacional. Instigado a responder ao deputado, Magalhães destacou investimentos realizados pela Bahiagás no sul da Bahia, como os R$ 50 milhões na instalação do gasoduto e R$ 14 milhões na ampliação da rede de distribuição de gás.

Segundo o comunista, esses investimentos, assim como a política de patrocínios, vão continuar. Ele acrescentou que as críticas de Geraldo Simões são contra o governo, já que as ações da Bahiagás estariam alinhadas com a gestão estadual e suas contas são auditadas por um conselho, presidido pelo vice-governador Otto Alencar (PSD), e pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

– É lamentável ver que um deputado que deveria estar ajudando a sua cidade, sua região, fica em Brasília criticando os investimentos que estamos fazendo, e, enquanto isso, ele ( Geraldo) só se preocupa em mandar emendas duvidosas para outros municípios de bem longe – disparou Magalhães na entrevista.

Back To Top