skip to Main Content
12 de agosto de 2020 | 12:32 am

GERALDO, DAVIDSON E ROBERTO JOSÉ

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

 

Dos quatros prefeituráveis de partidos que dão sustentação política ao governo estadual, o ex-alcaide é o grande favorito. Percentualmente, diria que Geraldo tem 90% de chance, Davidson 5%, Roberto José 4% e Leahy 1%.

 

Já estou ficando repetitivo quando digo que o PT de Geraldo Simões e o PCdoB de Davidson Magalhães vão caminhar juntos na sucessão do prefeito Claudevane Leite.

A união entre petistas e comunistas é uma questão de pura sobrevivência política. O cenário aponta uma dependência que tende a ficar cada vez mais escancarada.

Se a junção é considerada como favas contadas, então podemos dizer que o candidato do governismo será Geraldo Simões, com o PCdoB indicando o companheiro da chapa majoritária.

E Roberto José, que é do PSD do senador Otto Alencar, que é aliado do governador Rui Costa, como fica? Vai aceitar passivamente a fritura em torno da sua pré-candidatura?

Ora, até as freiras do Convento das Carmelitas sabem que o governador Rui Costa não medirá esforços para que a base aliada tenha um só candidato a prefeito.

Dos quatros prefeituráveis de partidos que dão sustentação política ao governo estadual – Geraldo Simões, Davidson Magalhães, Roberto José e Carlos Leahy, respectivamente PT, PCdoB, PSD e PSB –, o ex-alcaide é o grande favorito. Percentualmente, diria que Geraldo tem 90% de chance, Davidson 5%, Roberto José 4% e Leahy 1%.

É bom lembrar que a senadora Lídice da Mata, dirigente-mor do PSB, além de ter um bom relacionamento com o governador Rui Costa, comunga com a opinião de que qualquer cisão na base só faz ajudar a oposição.

Robertistas, obviamente os mais lúcidos e politizados, já defendem uma aproximação de Roberto José com o médico Antônio Mangabeira, pré-candidato pelo PDT do saudoso Leonel Brizola.

Muita coisa ainda vai acontecer na movediça areia da sucessão do prefeito Claudevane Leite (PRB).

GEDDEL EM ITABUNA

JuvenalMaynart CeplacAmanhã, sábado (28), o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o mano Lúcio Vieira Lima, cotadíssimo para substituir Eduardo Cunha na presidência da Câmara dos Deputados, estarão em Itabuna para discutirem a sucessão do prefeito Claudevane Leite.

Serão recebidos pelo presidente do diretório do PMDB, Pedro Arnaldo, pelo médico Renato Borges da Costa, o pré-candidato Fernando Vita, o vereador Antônio Cavalcante e, principalmente, por Juvenal Maynart.

Digo principalmente, porque Geddel tem a oportunidade de parabenizar pessoalmente Maynart não só pelo bom trabalho realizado na Ceplac, quando superintendente do órgão, como na valorosa contribuição para a implantação da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

LEVI, AUGUSTO E O PALETÓ

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

 

O candidato que sai na frente, costuma perder. Vai definhando, definhando, e termina sendo o terceiro mais votado. Esse discurso do “já ganhou”, além de desaconselhável, só acaba em uma grande frustração.

 

Davidson Samuel, do conceituado blog Pimenta, salvo engano no mês de agosto, me liga e diz: “Wense, Jairo Costa, do Correio da Bahia, que faz a Coluna Satélite, acaba de me ligar pedindo seu celular. Vai ligar pra você”.

Eu tinha discordado de um comentário sobre o processo sucessório de Itabuna. Depois de uma civilizada conversa, ficou tudo democraticamente acertado: Jairo continuou com sua opinião e eu com a minha.

É preciso acabar com essa mania, com essa babaquice de achar que tudo que se escreve nos jornais da capital é inquestionável, que seus jornalistas políticos não erram. Uma inominável bobagem.

Agora discordo de uma análise de Levi Vasconcelos, do jornal A Tarde, responsável pela coluna Tempo Presente, sobre o mesmo assunto: a sucessão do prefeito Claudevane Leite (PRB).

Levi, pelo qual tenho uma grande admiração, dá como favas contadas a vitória do tucano Augusto Castro se Davidson Magalhães (PCdoB) e Geraldo Simões (PT) continuarem desunidos.

“Augusto Castro pode encomendar o paletó”, diz Levi. É evidente que qualquer cisão no governismo ajuda a oposição e vice-versa.

A histórica briguinha entre petistas e comunistas só vai durar o tempo que o governador Rui Costa achar que ainda é cedo para dizer “chega”. O pega-pega entre PT e PCdoB não é duradouro.

Nem mesmo o próprio Augusto tem certeza de que será o nome da oposição na disputa pelo cobiçado Centro Administrativo Firmino Alves. O jogo daqui de baixo vai ser decidido lá por cima.

É bom lembrar ao caro Levi que o oposicionismo também tem seus imbróglios. É público e notório que os ex-alcaides Fernando Gomes e o Capitão Azevedo, ambos do DEM, não confiam em Augusto Castro (PSDB).

Outro detalhe, caro Levi, é que Augusto Castro, hoje na frente nas pesquisas de intenção de votos, não vai ficar só pilotando em céu de brigadeiro. Sua aeronave vai enfrentar grandes tempestades.

Aqui em Itabuna, caro Levi, o candidato que sai na frente costuma perder. Vai definhando, definhando, e termina sendo o terceiro mais votado. Esse discurso do “já ganhou”, além de desaconselhável, só acaba em uma grande frustração.

O que ficou estranho foi Levi Vasconcelos concluir seu comentário dizendo que “faltam 11 meses para as eleições e até lá muita água vai rolar”.

Ora, se tem muita água para rolar, então não tem nada decidido, mesmo que Davidson não se entenda com Geraldo. Aconselho ao prefeiturável Augusto Castro não encomendar o paletó.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

NOTA PÚBLICA

Tempo de leitura: < 1 minuto

PCdoB É CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DO SANEAMENTO!

O Diretório Municipal do Partido Comunista do Brasil de Itabuna-BA vem a público externar a sua posição.
Somos contra qualquer forma de privatização dos serviços de saneamento, seja na forma da venda de ativos, na forma de concessão privada ou PPP.

Reconhecemos o esforço empreendido pelo município para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico, estudo aprofundado da realidade dos serviços de água e esgoto, resíduos sólidos e drenagem pluvial.

Compreendemos as dificuldades financeiras enfrentadas pelos municípios em virtude da crise econômica e da consequente incapacidade de investimento e endividamento municipal. Propomos aprofundar a parceria já iniciada com o Governo do Estado com a construção da barragem, investimento de R$ 109 milhões, para que irmanados possam viabilizar os recursos necessários para perseguir os objetivos de universalizar o acesso da população aos serviços de saneamento básico e a consequente despoluição do Rio Cachoeira.

Desta forma, defendemos o fortalecimento da parceria Município – Estado, passando ao largo das soluções dadas pelo PSDB e DEM que levaram o estado de São Paulo a uma crise sem precedentes.

Compromisso com Itabuna! Não à privatização!

ÉLVIO NO DIRETÓRIO ESTADUAL DO PCdoB

Tempo de leitura: < 1 minuto

Élvio MagalhãesA conferência estadual que definiu a nova direção do PCdoB baiano, com Davidson Magalhães na presidência, também renovou 11 das 63 vagas do diretório. Dentre os nomes, está o chefe do gabinete do deputado Fabrício Falcão, Élvio Magalhães, com longa atuação em Itabuna e que agora se destaca como dirigente em Vitória da Conquista e no sudoeste da Bahia. “Élvio é quadro político valoroso e experiente”, ressalta Fabrício.

Élvio disse ao Pimenta que a entrada no diretório estadual do partido é prêmio (“uma alegria”) pelos 25 anos de militância. Emilson Piau, que foi chefe de gabinete da Secretaria Estadual de Relações Institucionais no Governo Wagner, aponta as qualidade do novo dirigente estadual.

– A disciplina tática, humildade e senso de coletividade são principais marcas de Èlvio Magalhães. O PCdoB fica mais forte com sua chegada – ressalta Emilson.

PEDRAS NO CAMINHO

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

 

O presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, sonha com uma coligação PT-PCdoB-PSD-PSB-PRB.

 

Continua interditado o caminho que pode levar a um bom relacionamento político entre petistas e comunistas, sem troca de farpas, ironias, indiretas e deboches.

Tem pega-pega para todos os lados, um atrás do outro. Quando a poeira da desavença começa a assentar, aí aparece outra discórdia, outro bafafá. A falta de entendimento volta com toda força.

Até as freiras do Convento das Carmelitas sabem que a relação entre o PT e o PCdoB é de recíproca desconfiança. Só se juntam por conveniência política. Sempre foi assim.

O Partido dos Trabalhadores, sem mais nem menos, volta a provocar o PCdoB na pessoa do deputado federal Davidson Magalhães, a maior liderança do comunismo no sul da Bahia.

Vejamos algumas declarações de petistas sobre Davidson: 1) “Apoiar a candidatura de Davidson é uma loucura”. 2) “Davidson é o principal responsável pela administração do prefeito Claudevane Leite”. 3) “Além de quase não pontuar nas pesquisas, Davidson não vai conseguir se desvincular de Vane”. 4) “Como fará sua campanha? Combatendo Vane, uma construção sua?”.

O petismo acha que a pré-candidatura do parlamentar está comprometida devido a sua ligação com o governo municipal. Esquece, no entanto, que foi o voto útil dos petistas que elegeu Claudevane Leite (PRB).

O contra-ataque de Davidson não pode ser público, sob pena de criar um atrito desnecessário com o governador Rui Costa. O PCdoB tem o forte argumento de que é melhor ter o apoio do prefeito Vane do que apoiar um candidato do PT, partido com maior índice de rejeição.

O presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, defende uma ampla aliança em torno do nome do ex-prefeito Geraldo Simões: “Vamos buscar unidade com os partidos da base aliada”.

A ampla aliança de Everaldo é uma coligação PT-PCdoB-PSD-PSB-PRB. Todos no mesmo palanque: Geraldo Simões, Davidson Magalhães, Roberto José, Carlos Leahy e um representante da Igreja Universal.

Só o governador Rui Costa pode pavimentar o caminho da unificação dos partidos da base. Na oposição, o imbróglio envolve Fernando Gomes, Capitão Azevedo e o tucano Augusto Castro. Um querendo destruir o outro.

Volto a repetir que a candidatura independente do médico Antônio Mangabeira, pelo PDT, pode ser a grande surpresa da sucessão de 2016. O nome do pedetista já chegou na periferia: “Vou votar no doutor”.

PATINHOS FEIOS

A última pesquisa do Ibope aponta que os pré-candidatos à presidência da República estão tecnicamente empatados no quesito rejeição.

O primeiro da fila é Lula com 55%, seguido de Serra com 54%, Alckmin 52%, Ciro Gomes também 52%, Marina Silva 50% e Aécio Neves com 47%. Colados igual a relê de carro velho.

A conclusão é de que o eleitorado já cansou dessas figuras carimbadas. Quer gente nova disputando o comando do Palácio do Planalto, que nunca disputou uma eleição.

Esse sentimento de mudança, cada vez mais intenso, ocorre aqui em Itabuna. Pesquisas apontam que 60% do eleitorado não pretendem votar em candidatos que já foram prefeitos.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

FORA DO TRILHO

Tempo de leitura: 3 minutos

marco wense1Marco Wense

 

Uma coisa é certa: só o governador Rui Costa pode evitar que o trem do governismo saia do trilho. É bom lembrar que o chefe do Executivo não é de duas conversas, conversa mole e, muito menos, de conversinha.

 

O suplente de deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB) sonha com uma ampla união em torno da sucessão do prefeito Claudevane Leite, que já declarou que não será candidato à reeleição.

Davidson quer uma junção em torno dele. Acha que Geraldo Simões, por ser do PT, vai ter dificuldades. Quando questionado sobre Roberto José, trata logo de descartá-lo: “Não será candidato”.

Como resposta a contundente afirmação do comunista, Roberto se reúne com o comando estadual do PSD e diz que é candidatíssimo, que não abre mão da sua legítima e democrática pretensão.

“Não há mais espaço para a velha política e os velhos modos de fazer política”, alfineta Roberto José. A verdade é que o relacionamento entre o prefeiturável do PSD e do PCdoB tende a ficar mais aceso, intenso e incontrolável.

Tem ainda o imbróglio entre o PT e o PCdoB em torno da Codeba. É que os comunistas andavam dizendo que os petistas apoiariam a candidatura de Davidson em troca de um cargo na Companhia das Docas do Estado da Bahia.

Tiririca da vida, Geraldo Simões, ainda a maior liderança do petismo grapiúna, desmentiu os camaradas com uma fina ironia: “Se o PCdoB não teve força para manter um gerente do Ciretran, vai ter força para indicar um diretor da Codeba?”

Difícil mesmo é colocar no mesmo palanque os evangélicos de Vane, os comunistas de Davidson, os lulistas de Geraldo Simões, o núcleo duro do vanismo, os robertistas do PSD e o pessoal do PRB da Igreja Universal.

Outro detalhe é que tanto Geraldo como Davidson dão como favas contadas o apoio do PSB, desconsiderando a pré-candidatura de Carlos Leahy. O ex-presidente da CDL diz, peremptoriamente, que vai até o fim.

As articulações em torno do processo sucessório vêm de cima para baixo, o que não é nenhuma novidade. Se diretório municipal e nada é a mesma coisa, imagine comissão provisória. É o manda quem pode, obedece quem tem juízo. O que prevalece são os interesses da cúpula.

Uma coisa é certa: só o governador Rui Costa pode evitar que o trem do governismo saia do trilho. É bom lembrar que o chefe do Executivo não é de duas conversas, conversa mole e, muito menos, de conversinha.

MANGABEIRA E AS PESQUISAS

mangabeiraO pré-candidato do PDT, médico Antônio Mangabeira, acredita que vai iniciar o ano de 2016 com uma boa pontuação nas pesquisas de intenção de votos.

Mangabeiristas mais otimistas falam até em um percentual acima de 10%. O prefeiturável, no entanto, acha que as coisas vão acontecer no seu devido tempo.

Mangabeira, que é o presidente do diretório municipal, comunga com a opinião de que a eleição é complicada: “Temos que trabalhar muito. Não é fácil enfrentar o populismo demagógico”.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

NOTA OFICIAL

Tempo de leitura: 2 minutos

PCdoB não se intimida com ameaças do DEM

A imprensa noticiou no último domingo (18/10) a decisão do DEM, partido do prefeito de Salvador, ACM Neto, de entrar na Justiça contra o PCdoB, por conta de nossas inserções no rádio e na TV.

Durante a ditadura militar, apoiada pela família Magalhães e pelos partidos que antecederam o DEM, os comunistas eram perseguidos com tortura, exílios e assassinatos, pelos que não aceitavam a nossa presença no cenário político. Não será com ameaças agora, quando vivemos em um ambiente mais democrático, que o partido herdeiro da ditadura vai nos calar.

É necessário esclarecer que o DEM tentou tirar do ar todas as nossas inserções, tendo conseguido seu intento em apenas duas, em caráter liminar. Como no período dos generais, eles não aceitam vozes discordantes, não toleram crítica, querem impor um discurso único, de que Salvador vai às mil maravilhas na gestão de ACM Neto, o que vem a ser rigorosamente falso.

Alegam os dirigentes do DEM que as nossas inserções teriam passado a ideia de que o prefeito estaria associado às denúncias do Ministério Público do Estado contra o ex-secretário Alexandre Paupério. No nosso texto, e nas imagens reproduzidas, não há uma passagem sequer afirmando isso. A mensagem diz que o Paupério, que foi presidente do Conselho de Ética da Prefeitura de Salvador e secretário de Gestão indicado por ACM Neto, mesmo já havendo as denúncias contra ele, foi acusado de desviar R$40 milhões do erário.

Dissemos que o dinheiro seria suficiente para construir as encostas que poderiam ter evitado as tragédias da chuva e, no final, cobramos apuração e punição dos envolvidos. O DEM faz esse tipo de interpretação apenas porque não quer que o povo saiba que o prefeito manteve por tanto tempo em sua gestão um secretário reincidente em denúncias feitas pelo Ministério Público, e que, quando pediu demissão, recebeu rasgados elogios públicos de ACM Neto.

A tentativa de intimidação por parte do DEM esconde outras razões. A verdadeira preocupação dos “Democratas”, neste momento, é com o fato de o PCdoB ter uma forte candidata a prefeita de Salvador, capaz de fazer o enfrentamento para valer com o atual prefeito. Eles temem que a população de Salvador dê um basta em um modelo de gestão elitista, autoritário e antidemocrático. A deputada federal Alice Portugal simboliza o sentimento de uma cidade com foco no social, com mais democracia.

O PCdoB repele a calúnia dos dirigentes do DEM de que nossas inserções são “ataques vindos do PT”, conforme matéria do jornal A Tarde de domingo (18), como se o nosso partido não tivesse autonomia e funcionasse a serviço de outra agremiação. O PCdoB vai interpelar o presidente estadual do DEM, José Carlos Aleluia (ex-Arena e ex-PDS) para que ele demonstre com provas que o PCdoB terceiriza seus programas de TV e de rádio ao Partido dos Trabalhadores.

Por fim, desafiamos o prefeito a liberar o apoio da sua bancada de sustentação na Câmara Municipal à criação de uma Comissão Especial de Inquérito para investigar todos os contratos da prefeitura que tiveram o aval de Alexandre Paupério, durante a atual gestão. Se ACM Neto diz que as irregularidades aconteceram somente na gestão anterior, seria uma boa oportunidade para provar que não houve na atual.

Comitês estadual e municipal do PCdoB

Salvador, 19/10/2015

APARANDO ARESTAS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Nos extremos e observados por Jabes Ribeiro, Davidson (esq.) e Aldenes Meira.

Observados por Jabes Ribeiro, Davidson (esq.) e Aldenes Meira (Foto Pimenta/2013).

O deputado federal Davidson Magalhães conseguiu jogar água nas labaredas que consumiam sua relação com o presidente da Câmara de Itabuna, Aldenes Meira.

O clima entre os dois ficou tenso, após Davidson bater forte nas pretensões legítimas de Aldenes de indicar o novo coordenador da unidade do SAC (Serviço de Atendimento ao Cidadão) de Itabuna.

A artilharia foi aberta quando Davidson afirmou que se algum membro do PCdoB se ouriçasse para ocupar o posto no SAC sofreria as consequências. Foi a indicação regional que restou aos comunas, resultado das mudanças nas regras de preenchimento de cargos estaduais.

A poeira baixou. As arestas foram aparadas em nome da paz e do jogo eleitoral de 2016. Davidson, mais que nunca, precisa de aliados para a sucessão de Vane do Renascer. Agora, a preocupação é fechar aliança com o PSD de Roberto José, Oton Matos e Marcos Cerqueira, além dos demais partidos da base.

A DISPUTA COMEÇOU

Tempo de leitura: < 1 minuto
Davidson discursa entre vencedores da disputa no Jorge Amado.

Davidson discursa entre vencedores da disputa no Jorge Amado.

A sucessão municipal foi antecipada com a decisão de Vane de não ir para a peleja em 2016. E o processo vai além das disputas internas (nos partidos, grupos políticos ou governos). Ontem, a eleição que definiu a nova diretoria da Associação de Moradores do Jorge Amado teve as cores da sucessão de 2016.

No aplicativo WhatsApp, o pré-candidato a vereador Rosivaldo Pinheiro (PCdoB) comemorava a vitória de Uilson do JA à presidência do bairro. O vencedor recebeu apoio do pré-candidato a prefeito Davidson Magalhães. O cururu discursou e posou para fotos ao lado do presidente eleito.

Uilson obteve 546 votos ante 126 de Salatiel Santos. O apoio do pré-candidato a prefeito Dr. Mangabeira (PDT) ao vencido foi o ingrediente de 2016.

DUREZA DE VANE CONTRARIOU “VETERANOS”

Tempo de leitura: 2 minutos
Vane diz que inibirá uso da máquina em 2016 (Foto Marcos Japa/Pimenta).

Vane diz que inibirá uso da máquina em 2016 (Foto Marcos Japa/Pimenta).

A dureza do prefeito Vane do Renascer quanto ao uso da máquina pública na eleição de 2016 por parte dos aliados provocou insatisfação em aliados. O entendimento do prefeito é de que o nome definido internamente terá o seu apoio, usará as conquistas do governo (“marcas”). Não mais que isso.

Aliados, internamente, avaliam que a negativa de Vane iguala o jogo em um momento em que os adversários à direita apresentam-se com folga na pesquisa. O prefeito, sabe-se, terá de ser extremamente rigoroso e vigilante para cumprir o prometido na entrevista de ontem, quando afirmou: “Da prefeitura, não sai um santinho”.

A expectativa ontem era que Vane repetisse o que fez em reunião com secretários, quando informou que seu candidato será Davidson Magalhães (PCdoB). Apesar dos elogios ao PCdoB e lembrar que o partido esforçou-se para que ele disputasse a reeleição, Vane deixou para anunciar o escolhido do governo depois (e, naturalmente, depois de conversas com aliados).

A análise é de que Davidson acabou jogando contra si ao carregar demais contra o governo estadual, há dias recuados – e como diria Eduardo Anunciação – ao perder a indicação do cargo de chefe do Detran em Itabuna. A esperança está numa série de encontros com os vários pretensos candidatos no governo. Pretende-se aproximar os grupos de Davidson e do secretário de Transporte e Trânsito (Settran), Roberto José.

Back To Top