skip to Main Content
7 de agosto de 2020 | 05:57 am

DAVIDSON, GERALDO E O PT

Tempo de leitura: 3 minutos

marco wense1Marco Wense

 

PT e PCdoB é uma velha história de amor e ódio. Não tenho nenhuma dúvida de que estarão de mãos dadas na sucessão de 2016. A união dos vermelhinhos é imprescindível para a sobrevivência política do petismo e do comunismo.

 

 

A exoneração do coordenador do Detran em Itabuna, subtenente Gilson Nascimento, indicado pelo PCdoB, me fez lembrar da música “Pode vir quente que estou fervendo”, composta por Carlos Imperial e interpretada pelo rei Roberto Carlos e o tremendão Erasmo Carlos.

O suplente de deputado federal Davidson Magalhães, líder inconteste do comunismo no sul da Bahia, pré-candidato à sucessão do prefeito Claudevane Leite, abriu o verbo contra o PT e sua articulação política.

Davidson Magalhães parecia aquele de priscas eras, do saudoso tempo agitado da política estudantil, gesticulando e bradando em voz alta: “Isso é um absurdo, vai ter troco”.

Já fui o alvo preferencial dos seus inflamados e frenéticos discursos na então FESPI, hoje Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), quando candidato à presidência do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e do DA de Direito. Perdi no primeiro embate, mas sair vitorioso no segundo. Não foi fácil enfrentar os aguerridos meninos do PCdoB. Eu era do PDT, brizolista convicto, mas os danados diziam que eu era da “direitona”. Ser de direita naquele tempo, no ambiente estudantil, era suicídio político.

Sobre o deputado estadual petista Rosemberg Pinto, responsável pela indicação do novo diretor do cobiçado órgão, Davidson disse que “o rapaz não tem nenhuma representatividade, não teve nem três mil votos entre Itabuna e Ilhéus”.

E mais: 1) “… não vamos fazer a transferência do cargo, isso é uma agressão ao resultado da eleição de Itabuna, Ilhéus e Região, uma agressão aos 17 mil votos que tivemos”. 2) “… é por este tipo de coisa que o PT está isolado. É esse tipo de atitude que dificulta aliança com o PT”. 3) “… vai ter troco, vai ter troco”. 4) “… não tenho medo de ameaça nenhuma ao meu mandato”.

O “vai ter troco” foi o desabafo que mais pontuou no duro discurso do prefeiturável. Tiririca da vida, um pouco nervoso, Davidson lembrava um ACM versus Waldir Pires.

Qual seria o “troco” de Davidson Magalhães? Foi o questionamento mais ouvido do pós-descarrego. No início, todos pensavam que o “troco” seria o fim do diálogo com o também pré-candidato Geraldo Simões.

Davidson, no entanto, sabendo que o PCdoB precisa do PT e vice-versa, tratou logo de isentar o PT de Geraldo Simões: “O PT fez um absurdo em Itabuna, não digo que é o PT de Itabuna”.

Como uma espécie de advogado de Geraldo Simões, Davidson foi mais além: “Tem gente querendo ocupar o espaço do ex-deputado, não vão nos jogar contra Geraldo Simões aqui em Itabuna”.

Leia Mais

PARTIDOS DA BASE ASSINAM MANIFESTO EM DEFESA DE DILMA

Tempo de leitura: 3 minutos

Da Agência Brasil

Picciani: "Dilma 100% no cargo".

Picciani: “Dilma 100% no cargo”.

PMDB, PCdoB, PP, PSD e PROS assinaram hoje (15), durante café da manhã na Câmara dos Deputados, um manifesto em defesa do mandato da presidenta Dilma Rousseff. O documento será entregue pessoalmente a Dilma na reunião que ocorre nesta manhã no Palácio do Planalto com líderes da base aliada.

Líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ) disse que a presidenta está “100% forte no cargo” e criticou movimentos da oposição que, desde o início do segundo mandato, vêm buscando fundamentos para abertura de um processo de impedimento do governo.

Há cinco dias, quatro partidos de oposição lançaram um manifesto virtual a favor da saída de Dilma. “Tenho a percepção de que eleição se disputa até as 17h do dia do pleito, após isso tem que se respeitar o resultado das urnas, pode se fazer oposição e críticas, mas tem que respeitar o mandato.”

O deputado ainda afirmou que a tramitação, no Congresso, das últimas medidas anunciadas pelo Planalto, incluindo a possibilidade de recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), não será simples. Ele classificou as propostas de “tema espinhoso”, mas disse que o Legislativo não pode abrir mão de discutir uma solução para a situação econômica do país. “As medidas são no intuito de reorganizar as finanças públicas e fazer com que o país volte a crescer. A economia, neste momento, estagnou-se e é preciso esse movimento para que retome sua trajetória de crescimento.”

Leia Mais

DAVIDSON CRITICA MUDANÇA NO DETRAN EM ITABUNA E PROMETE “TROCO” NO GOVERNO

Tempo de leitura: 2 minutos
Davidson ficou irritado com mudança no Detran e bateu no governo.

Davidson: irritado com mudança no Detran.

O deputado federal Davidson Magalhães bateu forte no Governo Rui Costa, ontem (12), por causa da exoneração do coordenador do Detran em Itabuna, subtenente Gilson Nascimento. Para o deputado, o governo foi desleal com o PCdoB. “Vai ter troco. Isso não é possível”. O ataque ocorreu durante almoço em homenagem a Gilson em uma churrascaria de Itabuna.

Davidson disse ter levado a sua insatisfação ao próprio Rui Costa, a quem afirma ter dito que a mudança foi “uma agressão” ao PCdoB. O cargo deverá ser assumido pelo advogado Edmundo Tavares, por indicação do deputado Rosemberg Pinto e do deputado federal licenciado e secretário de Relações Institucionais, Josias Gomes, ambos do PT. Edmundo espera concluir curso, até a próxima semana, para assumir.

“A articulação política do governo fez um absurdo em Itabuna”, disse Davidson, enfatizando que a gestão de Gilson era considerada referência até dentro do governo. “Nós temos uma gestão excelente no Detran”.

O parlamentar federal disse não ter medo de perder o mandato (ele é segundo suplente na coligação com o PT) e rejeitou o cargo de diretor do SAC em Itabuna.”O PCdoB não é o partido da boquinha. Nós não queremos aquele cargo lá,”, completou. Ele afirma reconhecer a importância do SAC, mas reprova a atitude do governo e, por isso, rejeita a mudança.

Nas pancadas em Rui e na articulação política, Davidson também lembrou do início da campanha eleitoral, em 2014, para falar da lealdade do seu partido. Citou que o PCdoB fechou com Rui, embora o petista estivesse com 6% nas pesquisas. Um vídeo com o discurso do deputado foi divulgado pelo site Chapa Quente.

Sobrou até para gente do próprio partido do parlamentar. Davidson, que é da executiva estadual do PCdoB, mandou recado para o presidente da Câmara de Itabuna, Aldenes Meira.

– Quem do PCdoB estiver assanhado para indicar cargo lá, que faça sozinho. É uma migalha e não corresponde á nossa força política. Se alguém quiser fazer sozinho, que faça. Mas enfrentará as consequências dentro do partido.

MUDANÇA DE CRITÉRIOS

Coube a Aldenes a indicação do nome para substituir Maria Fernanda Galvão no comando do SAC em Itabuna. Nanda Galvão chegou ao cargo por indicação do ex-deputado Geraldo Simões.

A mudança de critérios para indicação dos cargos no governo estadual tem provocado insatisfações. Pelas regras atuais, somente os ex-candidatos a deputados estadual e os eleitos para a Assembleia Legislativa indicam os ocupantes de cargos. Foi isso que deu direito a Aldenes da indicação para o SAC. E levou à derrota política de Davidson no Detran de Itabuna e de Geraldo no SAC.

Davidson bateu na articulação política do governo, em Josias Gomes e, ainda mais forte, em Rosemberg Pinto, enfatizando que o parlamentar teve menos de 3 mil votos em Ilhéus e de 2 mil em Itabuna. Rosemberg, porém obteve mais de 16 mil votos no Território Litoral Sul.

Leia também

“NÃO PODEM ME CULPAR DE UMA REGRA
DEFINIDA COM O PCdoB”, DIZ ROSEMBERG

 

PORFÍRIO DIZ QUE FICA NO PT

Tempo de leitura: < 1 minuto

O assessor parlamentar Manoel Porfírio descartou sua ida para o PCdoB. “Não desejo sair do PT”, disse, acrescentando que mantém ótimas relações com a direção do PCdoB itabunense.

Ainda sobre eventuais desavenças com o secretário estadual de Relações Institucionais, Josias Gomes, Porfírio diz que não foi posto “na geladeira”. “Prova disso é que almoçamos há duas semanas, juntos, eu, o presidente estadual do PT, [Everaldo Anunciação], e o secretário Josias”, disse Porfírio.

Por fim, o assessor parlamentar do vereador Paulinho do INSS diz manter relações cordiais com políticos de todos os matizes. E enfatizou: “De membros do PCdoB a Val Cabral”, complementando que teve um prolongado “bate-papo com Geraldo Simões [ex-deputado federal]”, na Ceplac.

O JUÍZO DOS OBEDIENTES

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

 

O caminho menos espinhoso, em decorrência do desgaste do PT e de um governo municipal com nota baixa, é o da oposição, em que pese a falta de credibilidade dos seus dois prefeituráveis.

 

O desejo-mor do governismo é o mesmo da oposição: um rompimento interno nas hostes do adversário. Ou seja, Fernando Gomes versus José Azevedo e Geraldo Simões versus Davidson Magalhães.

Oposicionistas e situacionistas concordam que a união é imprescindível para conquistar a cobiçada prefeitura de Itabuna, o mais populoso e importante município do sul da Bahia.

Já é consenso que o lado que dividir perde a eleição. O eleitorado de Fernando Gomes e José Azevedo, assim como o de Geraldo Simões e Davidson Magalhães, pertence a um mesmo campo.

O problema é que cada um se acha melhor do que o outro e nenhum quer ser companheiro de chapa. Geraldo Simões, por exemplo, chegou a dizer que é “velho demais para ser vice”.

O governador Rui Costa e o prefeito soteropolitano ACM Neto, ambos em plena campanha para o Palácio de Ondina – o petista querendo se reeleger e o democrata querendo seu lugar –, só esperam o momento certo para definir o candidato.

Disse aqui, na coluna da última sexta-feira de agosto, que o governador Rui Costa não vai aceitar dois candidatos da mesma base aliada. O mesmo raciocínio vale para ACM Neto.

A oposição tem outro nome, o deputado estadual Augusto Castro (PSDB). O tucano entraria no jogo em caso de inelegibilidade de José Azevedo e Fernando Gomes, que continuam “sujos” diante da Lei da Ficha Limpa.

O prefeito Claudevane Leite, que desistiu de disputar mais quatro anos de governo, vai apoiar o nome apontado pelo governador Rui Costa. O PRB, partido do alcaide, se não lançar candidatura própria, deve apoiar o candidato da coligação DEM, PSDB e PMDB.

O caminho menos espinhoso, em decorrência do desgaste do PT e de um governo municipal com nota baixa, é o da oposição, em que pese a falta de credibilidade dos seus dois prefeituráveis.

Não acredito em cisão e, muito menos, rebeldia. Talvez um passageiro calundu. Fernando Gomes, Capitão Azevedo, Geraldo Simões e Davidson Magalhães vão seguir a ordem do comando maior.

Concluo dizendo que os pré-candidatos serão obedientes aos seus chefes políticos. Rui Costa ainda tem um bom tempo no poder e ACM Neto é um fortíssimo candidato na sucessão de 2018.

Manda quem pode, obedece quem tem juízo. A ditadura das agremiações partidárias e o mandonismo dos senhores dirigentes são implacáveis. Eles se acham proprietários vitalícios de suas legendas. É assim que funciona.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

JAIRO ANUNCIA DAVIDSON NA DISPUTA À PREFEITURA DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Jairo anuncia o nome de Davidson como pré-candidato (Foto Divulgação).

Jairo anuncia o nome de Davidson como pré-candidato (Foto Divulgação).

O nome do deputado federal Davidson Magalhães foi confirmado pelo PCdoB na disputa à sucessão do prefeito Vane do Renascer (PRB). “Somos o principal partido na administração municipal e Vane reconhece a importância do nosso papel. Entendemos que Vane teria o direito à reeleição, mas conversas na cidade têm apontado para a possibilidade de ele não disputar”, disse o presidente do PCdoB de Itabuna, Jairo Araújo.

Para Jairo, o perfil de Davidson, “de gestor dos novos tempos”, reforça a opção comunista. No último final de semana, o vice-prefeito Wenceslau Júnior, também do PCdoB, saiu do páreo, abrindo espaço para o deputado.

– Davidson, com a experiência que possui, com o perfil político e técnico que tem, se enquadra nos desafios impostos pelas administrações modernas e nos desafios que a própria Itabuna enfrenta, em decorrência dos problemas financeiros advindos do pacto federativo – disse Jairo por meio de nota.

Internamente, ainda há quem veja alternativas ao nome escolhido pelo PCdoB. “O partido ignora o nome mais leve e forte para uma disputa municipal, que é o de [Luiz] Sena, dono de estilo conciliador e de visão”, aponta, mas sem esquecer da “ótima gestão de Davidson à frente da Bahiagás”.

HARRISON LEITE NO PCdoB

Tempo de leitura: < 1 minuto
Harrison Leite: convidado para ingressar no PCdoB (Foto Pedro Augusto).

Harrison Leite: convidado para ingressar no PCdoB (Foto Pedro Augusto).

O vice-prefeito Wenceslau Júnior foi elogiado pelo procurador-geral do Município, Harrison Leite, pela sua performance na propaganda partidária do PCdoB na televisão.

Nas inserções, Wenceslau, que é pré-candidato a prefeito, fala do esforço e o desempenho do governo municipal em áreas prioritárias, principalmente em pasta comandadas pelo partido, a exemplo da Saúde.

Ao ser elogiado, Wenceslau não perdeu tempo. Rápido no gatilho, convidou o procurador a se filiar ao PCdoB. Harrison ainda não deu a resposta, mas a alegria do cururu pode ser bom indicativo…

PRÉVIAS DO PT EM CONQUISTA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Márcio Matos entra na disputa interna do PT.

Márcio Matos entra na disputa interna do PT.

O PT não terá vida fácil nas eleições de 2016 em Vitória da Conquista. O partido governa a cidade há 19 anos consecutivos, mas os planos para a sucessão do próximo ano não contarão, pelo menos no primeiro turno, com apoio de antigos aliados, como o PCdoB, que lançou o nome do deputado estadual Jean Fabrício.

Ontem, para apimentar ainda mais o processo – internamente, uma das tendências internas do partido lançou nome para a sucessão, Márcio Matos, da direção nacional do Movimento Sem-Terra (MST). Márcio deverá se desligar do cargo para disputar a prefeitura conquistense. Ele tem 30 anos e é filho do ex-deputado e ex-prefeito de Conquista Jadiel Matos e integra a tendência Esquerda Popular Socialista (EPS), do PT.

Com a sinalização de Márcio, podem ocorrer prévias para a definição de um nome do PT à sucessão de Guilherme Menezes. Outro nome já posto é o do deputado estadual José Raimundo, ex-prefeito de Conquista. Zé Raimundo, no entanto, enfrenta resistências de Guilherme. De acordo com as últimas pesquisas, quem lidera a corrida eleitoral na “Suíça Baiana” é o peemedebista Herzem Gusmão.

SÓ PENSA NAQUILO…

Tempo de leitura: < 1 minuto
Rodrigo Cardoso: foco é vaga no legislativo.

Rodrigo Cardoso: foco é vaga no legislativo.

O sindicalista Rodrigo Cardoso, presidente do Sindicato dos Bancários de Ilhéus e ex-presidente do diretório municipal do PCdoB, vai levar a cabo sua candidatura a vereador.

A amigos, revelou que não pretende retornar à presidência da legenda em outubro, durante a conferência municipal, justamente para poder tocar a candidatura.

Dos dois vereadores que o partido tem na cidade, somente um, o médico Josevaldo Viana (Dr. Jó), é cururu orgânico, o que aumenta o apelo da militância por uma candidatura de base.

O DILEMA DE GERALDO

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

O que se comenta nos corredores do Palácio de Ondina é que o PCdoB, com Vane fora da disputa, tende a uma reaproximação com Geraldo Simões, sob pena de ficar isolado no processo sucessório

Pessoas bem próximas do ex-deputado Geraldo Simões, assentadas no argumento de que o PT não faria tamanha malvadeza com um ilustre e histórico filiado, tratavam sua saída da legenda como uma invencionice.

Os geraldistas, para fugir do assunto e encerrar a conversa, diziam que era mais uma intriga da oposição, da desinformação de setores da imprensa e de incautos comentaristas políticos.

E quando os “incendiários de plantão” citavam o PMDB dos irmãos Vieira Lima como opção partidária, era um Deus nos acuda, cruz credo, um xô satanás.

Esses mesmos correligionários, que achavam que tudo não passava de mais uma picuinha inerente ao movediço e traiçoeiro processo político, já defendem um xaveco do líder-mor com o peemedebismo.

O problema é que a candidatura de Geraldo Simões depende do prefeito Claudevane Leite. Ou seja, GS só será candidato se o enigmático chefe do Executivo não disputar o segundo mandato.

São favas contadas que a reeleição de Vane conta com o apoio do governador Rui Costa e do diretório estadual do PT, tendo na linha de frente o ex-geraldista e ex-vereador Everaldo Anunciação.

E como fica o PCdoB? Se Vane for candidato, fica tudo no mesmo. E se o prefeito desistir da reeleição, os comunistas lançam candidato próprio? Confesso que tenho minhas dúvidas.

Aliás, o que se comenta nos corredores do Palácio de Ondina é que o PCdoB, com Vane fora da disputa, tende a uma reaproximação com Geraldo Simões, sob pena de ficar isolado no processo sucessório.

O que se espera, diante de um iminente e inevitável bafafá entre o PCdoB e o PRB, entre os prefeituráveis Davidson Magalhães e Roberto José, é uma neutralidade do chefe do Executivo.

O dilema de Geraldo Simões vai ficar cada vez mais intenso, já que a posição do prefeito Claudevane Leite só será conhecida na véspera do limite permitido para se mudar de partido.

Vale ressaltar que o “sim” de Vane, decidindo enfrentar as urnas na eleição de 2016, está condicionado ao comportamento do segmento evangélico diante da reeleição.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Back To Top