skip to Main Content
5 de julho de 2020 | 02:40 pm

VALDERICO JÚNIOR ASSUME A PRESIDÊNCIA DO DEM DE ILHÉUS

Valderico Júnior, ao centro, tomou posse em evento com ACM Neto e Pedro Tavares
Tempo de leitura: < 1 minuto

O empresário Valderico Júnior assumiu a presidência do diretório ilheense do Democratas (DEM). A transmissão de cargo ocorreu em Salvador, na manhã desta terça-feira (3), com as presenças do prefeito da capital, ACM Neto, que é também presidente nacional do partido, e do deputado estadual Pedro Tavares, que deixa a direção do DEM ilheense.

Pedro Tavares se considerou honrado ao passar a presidência do DEM para Valderico Júnior. “Ele como pré-candidato [a prefeito], vai ter liberdade para construir alianças políticas compromissadas aos anseios do povo de Ilhéus”.

Na mesma ocasião, o prefeito ACM Neto declarou que a pré-candidatura de Júnior “é prioritária para a Executiva Nacional do DEM”.

De acordo com sua assessoria, Valderico Júnior tem agenda extensa em Salvador nesta semana. Dentre os compromissos, o empresário vai conhecer politicas públicas de sucesso executadas pela gestão de ACM Neto.

ROSEMBERG APONTA SUCESSO DA SSP-BA EM DESOCUPAÇÃO DE FAZENDAS NO MÉDIO SUDOESTE

Tempo de leitura: < 1 minuto
Rosemberg (à direita) aponta sucesso em operação da SSP no médio sudoeste da Bahia

Rosemberg (à direita) aponta sucesso em operação da SSP no médio sudoeste da Bahia

A operação da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) para desocupação de mais de dez fazendas invadidas, no último domingo (1º), no médio sudoeste baiano, sem registro de violência, foi elogiada pelo deputado estadual Rosemberg Pinto (PT). Invasões ocorreram em propriedades localizadas nos municípios de Itapetinga, Itororó e Itaju do Colônia.

Rosemberg manteve audiência com o titular da SSP-BA, Maurício Barbosa, nesta quarta (4), no Centro Administrativo da Bahia (CAB). “Quero agradecer e parabenizar o secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa, pela presteza nas ações de pacificação na região, sem nenhum registro de violência, o que é mais importante”, disse o deputado.

A desocupação das propriedades foi executada por força-tarefa da SSP-BA, com efetivo das polícias Militar e Civil. Também participaram da audiência, hoje, os parlamentares Luiz Augusto (PP), Eduardo Salles (PP) e Pedro Tavares (PMDB).

Policiais civis e militares negociaram saída de invasores

Policiais civis e militares negociaram saída de invasores

CONCLUSÃO DO PLANO INTEGRADO EVITARIA DEMOLIÇÃO DE BARRACAS DE PRAIA EM ILHÉUS

Tempo de leitura: 2 minutos
Acordo pode evitar demolições na zona sul (Foto Divulgação).

Acordo pode evitar demolições na zona sul (Foto Divulgação).

A conclusão do Plano de Gestão Integrado (PGI) por meio de Acordo de Cooperação Técnica é defendida pelo deputado federal Bebeto Galvão (PSB) para evitar a derrubada de barracas de praia na zona sul de Ilhéus. “Tudo deve começar por onde ficou emperrado o Plano de Gestão Integrado (PGI), que é a assinatura do Acordo de Cooperação Técnica para que seja acelerada a tramitação do plano em tempo hábil”.

Ontem (7), Bebeto e o deputado estadual Pedro Tavares (PMDB) participaram de audiência na Secretaria do Patrimônio da União (SPU). Segundo os parlamentares, “é possível construir um entendimento entre todas as partes envolvidas”, prefeitura, cabaneiros, Ministério Público Federal, SPU e Judiciário.

 

Durante a audiência, o superintendente regional da SPU, Alexsandro Freitas, detalhou o processo. Para Bebeto, houve omissão da prefeitura. A superintendência, de acordo com o parlamentar, esgotou todos os recursos administrativos para regularização das cabanas, porém o município não cumpriu suas obrigações.

A prefeitura não implementou o Plano de Gestão Integrado (PGI) de requalificação da orla. A SPU executou o Registro Imobiliário Patrimonial (RPI), mas o município não concluiu o PGI, que teria sofrido descontinuidade no período de 2010 a 2013, gestões do ex-prefeito Newton Lima e do prefeito Jabes Ribeiro. Dentre as recomendações, a conclusão do Acordo de Cooperação Técnica entre todos os segmentos, incluindo cabaneiros, município, SPU e Judiciário.

AÇÃO NA JUSTIÇA FEDERAL

Enquanto as negociações não acontecem, os cabaneiros tentarão uma liminar para suspender a ordem de demolição das barracas na zona sul. São mais de 20 cabanas que geram, aproximadamente, mil empregos diretos e indiretos. A derrubada às vésperas da alta estação geraria crise no turismo e na economia ilheense.

CACÁ COLCHÕES NO PP

Tempo de leitura: < 1 minuto
Jabes se filiará ao PP de Jabes Ribeiro.

Jabes se filiará ao PP de Jabes Ribeiro.

O vice-prefeito de Ilhéus, Cacá Colchões, anunciou em entrevista coletiva, hoje, no Palácio Paranaguá, que está de malas prontas para deixar o PMDB. O político anunciou que se filiará ao mesmo partido do prefeito Jabes Ribeiro, o PP.

A mudança tem a ver com a nova postura do ex-padrinho Geddel Vieira Lima, dono do PMDB baiano. Já em 2014, Geddel e o irmão, Lúcio, lançaram o nome do deputado estadual Pedro Tavares à sucessão em Ilhéus.

TAVARES PLANEJA CANDIDATURA EM ILHÉUS

Tempo de leitura: < 1 minuto

pedrotavaresO PMDB se articula para ter candidato próprio nas eleições municipais ilheenses de 2016. E o nome que aparece no cenário não é o do atual vice-prefeito Cacá Colchões, mas o do deputado estadual Pedro Tavares.
Internamente, membros da cúpula do partido avaliam que Tavares seria uma novidade no cenário local, enquanto Cacá estaria desgastado.

CONFLITO NO SUL DA BAHIA: AUDIÊNCIA REÚNE 400 AGRICULTORES E 8 DEPUTADOS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Poucos deputados compareceram à audiência até agora.

Poucos deputados compareceram à audiência até agora.

A audiência pública na Assembleia Legislativa baiana, para tratar dos conflitos fundiários nos municípios de Buerarema, Ilhéus e Una, começou há quase uma hora e reúne, até o momento, apenas 7 dos 63 deputados estaduais. São eles Ângela Sousa, Augusto Castro, Yulo Oiticica, Timóteo Brito, João Carlos Bacelar, Rosemberg Pinto e Pedro Tavares. Por enquanto, dos deputados federais que tinham se comprometido a partir da audiência, apenas Geraldo Simões compareceu.

O conflito envolve pequenos produtores e índios tupinambás. Os tupinambás reivindicam uma área superior a 47 mil hectares, que abrange os três municípios sul-baianos. Além da baixa presença de deputados estaduais, a audiência não tem representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai), Justiça Federal nem do Ministério Público Federal. Na mesa do evento, os produtores são representados por Luiz Uaquim.

De acordo com a assessoria, todos os órgãos foram convidados. Os tupinambás também não enviaram representantes. A audiência conta com aproximadamente 400 pequenos agricultores. A depender do resultado da audiência, eles podem realizar manifestação logo após o compromisso no legislativo estadual, segundo fontes do PIMENTA. O evento começou com 40 minutos de atraso.

LAVAGEM, POLÍTICA E VAIAS

Tempo de leitura: < 1 minuto
O vereador Zé Silva, o vice-prefeito Wenceslau Júnior, Pedro Tavares, Davidson Magalhães e Augusto Castro (Foto Marcos Souza/Pimenta).

O vereador Zé Silva, o vice-prefeito Wenceslau Júnior, Pedro Tavares, Davidson Magalhães e Augusto Castro abriram espaço para tratar de costuras políticas para 2014 (Foto Marcos Souza/Pimenta).

A Lavagem do Beco do Fuxico foi oportunidade para o desfile político. O presidente da Bahiagás e pré-candidato a deputado federal, Davidson Magalhães, aproveitou ao máximo o tempo de desfile – desde o cortejo no Beco do Fuxico, no início da tarde, ao show de Armandinho, Dodô&Osmar. Ao lado dele, um séquito e possíveis dobradinhas políticas, a exemplo dos parlamentares estaduais e candidatos à reeleição Augusto Castro e Pedro Tavares.
Sem a presença de Vane do Renascer – que, apesar de ser prefeito, evoca a condição de evangélico para não comparecer a eventos como este, o vice Wenceslau Júnior o representou em todo o evento. Cometeu um erro: foi discursar em um evento no qual o público quer é música. As vaias somente cessaram quando o comunista deixou o microfone.
Pior, o folião já estava cansado do discurso do secretário de Indústria e Comércio, José Humberto Martins. Políticos como Geraldo Simões e Fernando Gomes cometeram erro semelhante – e nunca mais repetiram. O exemplo não serviu para todos.

Back To Top