skip to Main Content
21 de fevereiro de 2020 | 09:53 pm

O PAPEL DA ESQUERDA PÓS-ELEIÇÕES DE 2018

Tempo de leitura: 7 minutos

Domingos Leonelli

 

 

Se o marketing político e a propaganda de modo geral já possuíam muito dessa unilateralidade, pois trabalharam com informações sem contraposição no momento em que são veiculadas, o novo webmarketing é ainda mais unilateral.

 

A sociedade moderna já revolucionou a militância política em termos de comunicação digital. Além das discussões políticas pelo Facebook, das mobilizações convocadas pelo zap, proliferaram-se também os sites e blogs políticos de variadas tendências políticas que em grande medida superam jornais, revistas e até canais de rádio e TV. Informações e opiniões são atualizadas por minuto e, quem acompanha pelo celular ou pelo computador os blogs e sites de notícias, praticamente não vê nada de novo nas notícias noturnas de TV e rádio, ou jornais da manhã.

Para o bem ou para o mal, milhões de pessoas são emissores e receptores de informação e opinião políticas.
Assim, é que no terreno instrumental a política já esta inteiramente “up to date”. Mesmo os acertos, as fofocas e os conchavos são, em grande parte, revelados por sites especializados.

E ainda tem as fake news que, de certa forma, são também reveladoras das intenções dos seus emissores.

Velhos axiomas da política, como um que o ex-deputado Jutahy Magalhães Jr, me citou anos atrás, continuam válidos numa sociedade digital: “quando mentem para mim, eu levo a sério e fico agradecido, pois a mentira traz sempre uma informação e revela no que meu interlocutor quer que eu acredite”.

A vitória da ultra-direita nas eleições presidenciais de 2018 que dizimou o centro e a direita tradicional e derrotou o centro-esquerda no segundo turno, além do uso científico e em grande escala da parafernália da internet, largamente manipulada e fortemente financiada (robots, fake news etc.), contou também com um dado absolutamente relevante: o conteúdo.

Bolsonaro revelou-se o personagem certo, no lugar certo, na hora certa para a veiculação de um conteúdo radical e “revolucionário” na forma, contra-revolucionário na essência. Tudo traduzido na linguagem simples, rápida e rasteira dos celulares e notebooks. Mensagem rápidas e fáceis que traduziam os conteúdos mais longos e didáticos das aulas on-line de Olavo de Carvalho e os textos do seus seguidores, como o diplomata Ernesto Araújo (hoje Ministro), da pastora Damares Alves na área de costumes, do “príncipe” Philippe de Orleans e Bragança e até de uma certa contra-cultura de direita de um tipo como Alexandre Frota.

Na área econômica trouxe ao debate as propostas radicais do neo-liberalismo de Paulo Guedes e seus “Chicago boys”. Apropriou-se também da onda anticorrupção provocada pela Lava Jato, concluindo a operação de marketing com o convite a Sérgio Mouro para o Ministério.

E a cobertura desse bolo de conteúdos mais ideológicos foi a mensagem geral de “acabar com tudo que está aí”. Nesse tudo, inclui-se o toma-lá-dá-cá da política tradicional, a corrupção, os acordos políticos, a mídia (parte dela) que ficou contra. E também o desemprego, a “ideologia de gênero”, os direitos trabalhistas excessivos que tornaram “difícil ser patrão neste país”, os direitos dos índios a terras tão grandes, a política externa de apoio a Cuba e Venezuela.

A verdade é que desde a redemocratização não se assiste a uma campanha eleitoral tão rica de propostas e conceitos, tão claramente expostas. Tudo, é verdade, apresentado unilateralmente sem debates nem uso dos canais abertos de TV e rádio, já que Bolsonaro possuía apenas 8 segundos de tempo de TV.

Se o marketing político e a propaganda de modo geral já possuíam muito dessa unilateralidade, pois trabalharam com informações sem contraposição no momento em que são veiculadas, o novo webmarketing é ainda mais unilateral. E tem a vantagem de serem mensagens dirigidas a públicos escolhidos por sua maior receptividade e capazes, portanto, de reproduzirem os conteúdos indefinidamente.

A campanha de Bolsonaro, baseada na de Obama e Trump, dirigiu-se a um público previamente conhecido, uma minoria de direita, basicamente de classe média, potencializando e transformando a insatisfação em ódio. O ódio contra a “esquerda corrupta”. Ódio contra a defesa dos “direitos humanos de bandidos que geram a violência das ruas”, ódio contra homossexuais e professores que querem “ensinar nossas crianças a serem gays”.

Se isso ocorreu com a classe média de direita, o povão que na sua maioria aderiu, foi fisgado pela insatisfação com o desemprego e a violência urbana.

Mas o que eu quero resumindo o que já se sabe sobre a campanha de Bolsonaro? Demonstrar o quão importante é o conteúdo ideológico apresentado de forma simples, direta e antenada com as principais insatisfações populares.

E enquanto a esquerda fala de democracia, elites (sem dizer quais) desenvolvimento, reparação social, conciliação de capital e trabalho e o empoderamento feminino, a direita foi direto ao ponto com os inimigos implacavelmente definidos e, muitas vezes, personificados em Lula e Dilma.

E também a luta ideológica, contra o comunismo dissoluto, o socialismo da Venezuela, o esquerdismo dos direitos humanos dos bandidos.

Esqueceram Eduardo Cunha e concentraram em Lula, preso por corrupção. Desprezaram o eleitorado do centro e de esquerda e concentraram-se em juntar o ódio pré-existente da classe média à insatisfação popular com três fatores básicos: o desemprego, a violência e a corrupção. Deixaram a agenda dos costumes com os evangélicos e seu imenso potencial de militância.

Ganharam as eleições e agora estão no Governo. Conquistaram o governo nas urnas e estão tratando de consolidar a conquista do Poder com alianças com o DEM dos banqueiros e das telecomunicações, o PP das empreiteiras, o PR dos negócios novos, com a parte do PSDB da burguesia paulista, e com a parte do PMDB fisiológico. E, é claro, articulações com o judiciário de Curitiba ao STF. Essa recomposição com a direita tradicional já obteve duas grandes vitórias: as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com dois quadros jovens do DEM. Com os governadores dos maiores estados da federação completa-se a obra de reaglutinação da direita e parte do centro com a ultra-direita.

A aliança com o DEM e parte do PSDB (João Dória, especialmente) vai possibilitar ao núcleo duro neoliberal radicalizar ainda mais seu programa econômico anti-nacional, rentista e restritivo aos direitos dos trabalhadores.
Enquanto isso a forte presença militar no governo de Bolsonaro ainda é uma certa incógnita. Pode ser um “poder moderador”, porque ao menos os generais têm curso de Estado Maior, noções constitucionais e, presume-se, um resíduo nacionalista.

Nessa área as notícias são contraditórias: Mourão se colocando como bastião do bom senso, contra a intervenção na Venezuela e se posicionando contra o decreto liberando a posse de armas assinado por Bolsonaro e Sérgio Moro. Mas em compensação este mesmo Mourão assinou decreto que mudou a regra de transparência sobre decretos oficiais. E o general Augusto Heleno manda espionar a Igreja Católica.

Como se sabe o governo de Bolsonaro é um arquipélago de grupos familiares, militares, economistas neo-liberais e de costumes. Mas rapidamente pode se reorganizar, juntando a extrema-direita, a direita tradicional e parte do centro fisiológico.

E a oposição?

E a esquerda?

Haverá uma oposição democrática agregando parte da direita tradicional, o centro e a esquerda? Esse parece ser o desejo da maioria das direções dos partidos de esquerda e de centro-esquerda. A formação de uma frente ampla em defesa da democracia. Pode ser que dê certo.

Interesso-me mais, no entanto, nos limites deste texto, a tratar da posição das esquerdas.

Além de cumprir o seu papel fazendo uma oposição aguerrida e, principalmente, inteligente, sabendo se utilizar das contradições no seio do governo, não temendo fortalecer os segmentos menos entreguistas e menos fascistas, valendo-se das modernas tecnologias, políticas e sociais de manejo de dados, a esquerda precisará também de novos métodos e novos conteúdos econômicos, culturais e sociais. Confira a íntegra do artigo clicando no “leia mais”, ao lado.

Leia Mais

SÉRGIO BRITTO NO TCM

Tempo de leitura: < 1 minuto

Sérgio Britto: promessa de vaga no TCM

Para convencer o deputado federal Sérgio Britto, do PSD, a aceitar o convite para a secretaria de Desenvolvimento Urbano, o governador Rui Costa (PT) teria acenado com, entre outras vantagens, sua indicação para a primeira vaga de conselheiro que aparecer no Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), o que é esperado para os próximos dois anos. Tudo com o propósito de garantir a posse do segundo suplente Paulo Magalhães (PSD) na Câmara dos Deputados, o que depende agora da indicação de um deputado federal petista a uma das quatro secretarias que faltam preencher. Do Política Livre.

ZÉ DIRCEU LANÇA “MEMÓRIAS” EM ILHÉUS, NA SEXTA

Tempo de leitura: 2 minutos

Livro de José Dirceu será lançado nesta sexta, em Ilhéus

O Teatro Popular de Ilhéus receberá na próxima sexta-feira (18), a partir das 18h, o lançamento regional do livro Memórias – Volume 1, do ex-ministro José Dirceu. A autobiografia conta os bastidores inéditos de sua militância estudantil durante a ditadura militar, seu exílio e o treinamento para ser guerrilheiro em Cuba, a cirurgia plástica que mudou seu rosto, a vida clandestina no Brasil nos anos 1970, a volta à legalidade com a anistia, em 1979, e sua ascensão no Partido dos Trabalhadores, onde se tornou presidente e maior responsável pela eleição de Lula à presidência da República.

Nascido na cidade de Passa Quatro, em Minas Gerais, e formado em Direito pela PUC de São Paulo, Dirceu revela, pela primeira vez, segredos dos bastidores da luta política dentro do PT e do próprio governo, onde foi chefe da Casa Civil e provável sucessor de Lula, até ser abatido pelas denúncias do “Mensalão” – cujos episódios serão contados no segundo volume, previsto para ser lançado ainda este ano.

No primeiro volume de suas Memórias, Dirceu, que concederá autógrafos e um bate-papo com os presentes, expõe o que jamais foi dito sobre sua vida e sobre os principais líderes da política brasileira nos últimos 50 anos. Um livro imprescindível para se entender como foi a luta contra a ditadura militar, a redemocratização, a derrubada do presidente Fernando Collor, a oposição aos governos de Fernando Henrique Cardoso, a eleição de Lula e Dilma e o atual momento político do país.

COMPROMISSO

Ao sediá-lo, o Teatro Popular de Ilhéus reafirma seu compromisso com o público e o conteúdo de suas obras. O TPI é um grupo independente apartidário, e além de ter uma longa trajetória de produção de espetáculos ligados à realidade da classe trabalhadora, traçando consistentes críticas políticas e sociais, também sempre abriu suas portas para diversos projetos externos, companhias visitantes, artistas locais e nacionais e demais eventos que sejam de interesse da sociedade.

ACORDO ASSEGURA "RODÍZIO" GOVERNISTA NA PRESIDÊNCIA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Adolfo, Alex Lima, Nelson Leal e Rosemberg || Reprodução Twitter

O deputado Nelson Leal (PP) deverá ser o presidente da Assembleia Legislativa em fevereiro de 2019, após acordo selado entre candidatos ao comando da Mesa Diretora da Alba. No esquema de rodízio, Adolfo Menezes (PSD) deverá comandar a casa no biênio 2021-2022.
Alex Lima (PSB) deverá ser o vice-presidente da Mesa Diretora em 2019, conforme o acordo que também definiu Rosemberg Pinto (PT) como o líder do governo em 2019 (reveja aqui).
O governador Rui Costa usou a conta pessoal no Twitter para dizer que o acordo na base é “histórico”. Para ele, a posição adotada pelos dois maiores partidos aliados “reflete o amadurecimento político” dos parlamentares.

CÂMARA DE ILHÉUS ADIA ELEIÇÃO DA MESA DIRETORA; VOTAÇÃO EM ITABUNA SERÁ HOJE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Carqueija e Jerbson disputam presidência da Câmara de Ilhéus

Os vereadores itabunenses escolherão o novo presidente do Legislativo para o biênio 2019/20 nesta sexta (30), a partir das 14h. O pleito será em chapa única com Ricardo Xavier concorrendo à presidência. Tem o apoio de 13 vereadores do bloco de oposição ao prefeito Fernando Gomes.
Já em Ilhéus, a tendência é de bate-chapa entre Paulo Carqueja e Jerbson Moraes, ambos da base do prefeito Mário Alexandre. Carqueija é o preferido de Marão, enquanto Jerbson pode ir para a disputa com apoio de vereadores do grupo do ex-prefeito Jabes Ribeiro.
A eleição em Ilhéus, aliás, foi adiada. Marcada para o dia 5 de dezembro, a votação ocorrerá dia 12, conforme acertado na última sessão ordinária da Casa.

MANGABEIRA CLASSIFICA COMO "MEDÍOCRE" GOVERNO DE FERNANDO

Tempo de leitura: 2 minutos

Mangabeira (à esquerda) avalia governo de Fernando como “medíocre”

Eleito suplente de deputado federal e segundo colocado na corrida à Prefeitura de Itabuna em 2016, Antônio Mangabeira classificou como “medíocre” a gestão de Fernando Gomes. Dr. Mangabeira, como é mais conhecido, emitiu nota conjunta com o PDT na qual faz duras críticas ao governo municipal.
– Itabuna é mais uma vez vítima de um governo medíocre. Já pode ser considerada a capital do atraso na Bahia – diz em nota pública.
A nota conjunta elenca vários problemas administrativos e irregularidades na gestão de Fernando. Segundo Mangabeira, falta planejamento, competência técnica e responsabilidade com a administração pública e sobram “arrogância, prepotência e intimidação”.
Mangabeira ainda aponta que a cidade está “sitiada pelo medo, onde as pessoas temem externar suas opiniões sobre os governos”. E, ainda sobre a gestão de Fernando, o médico e suplente de deputado diz parecer que o governo está no fim, atolado em “problemas administrativos, jurídicos e de colapso dos serviços públicos”.
A nota é emitida depois de um movimento pedir a saída de Fernando do poder durante passeata na Avenida do Cinquentenário (veja aqui) e de o prefeito encerrar contrato de Mangabeira com o município.
O médico hematologista prestava serviço na Policlínica 2 de Julho, da rede municipal. A justificativa para encerramento do contrato foi a de que Mangabeira prestava atendimento em quantidade superior à contratada e descaracterizando a unidade voltada a especialidades médicas. Confira a íntegra da nota no “leia mais”, na sequência.

Leia Mais

ARTISTA BAIANO É MORTO EM BRIGA POR CAUSA DE POLÍTICA

Tempo de leitura: 2 minutos

Moa do Catendê foi morto por criticar Bolsonaro, segundo familiares

Do Correio24h

Uma discussão por motivação política acabou em morte para o compositor e capoeirista Romualdo Rosário da Costa, 63 anos, mais conhecido como Moa do Catendê, 63 anos. Segundo a família, Moa estava em um bar perto de casa, quando acabou esfaqueado por outro morador da localidade, após se mostrar contrário ao candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL). O crime ocorreu por volta da meia-noite, na comunidade do Dique Pequeno, no Engenho Velho de Brotas.

Irmão de Moa, Germinio do Amor Divino Pereira, 51, também foi atingido com um golpe de faca no braço direito durante a confusão e foi socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde permanece internado e sedado. Na ocorrência do posto policial do HGE, testemunhas identificaram o autor das facadas como Paulo Sergio Ferreira.

Segundo o irmão das vítimas, Reginaldo Rosário, 68, Moa estava bebendo com ele e Germinio, no Bar do João, quando o autor da facada começou a defender ideias do candidato do PSL e ouviu críticas do capoeirista.

Ainda de acordo com o irmão das vítimas, após a discussão acalorada um dos irmãos pediu que Moa ficasse calmo, no entanto, após a situação ter sido contornada, o autor da facada teria ido em casa, retornou com uma peixeira e atacou a vítima nas costas. “Foi tudo muito rápido”, disse.

A filha de Moa, Jesse Mahi, disse que o pai tinha um comportamento tranquilo e que se mostrava favoráveis às ideias do Partido dos Trabalhadores (PT), mas nunca tinha se envolvido em discussões políticas.

“O legado dele não acabou, existe muito a ser feito. Meu pai era fanático pelo partido, ele nunca foi a favor dos princípios da direita”, disse.

Uma amiga do compositor, Inácia Alves, 51, diz que Moa era um agitador cultural do bairro e que sempre foi preocupado com a conquista das minorias. “Não consigo descrever tanto ódio. É só o começo do que está por vir. Essa atitude representa o partido e suas ideias”, afirmou.

A Secretaria da Segurança Pública informou que o autor do crime foi preso e será apresentado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), às 11h.

DEPUTADO JOÃO GUALBERTO DESISTE DE TENTAR A REELEIÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Gualberto anuncia desistência de reeleição

O tucano João Gualberto anunciou, nesta terça (14), a desistência de reeleição a deputado federal. O empresário e ex-prefeito de Mata de São João havia tentado disputar o Palácio de Ondina, porém foi rifado para que o partido dele, o PSDB, do qual é presidente estadual, formasse aliança com o DEM e apoiasse a candidatura a governador de José Ronaldo.
“Não vou ser mais candidato a deputado. Não é de hoje. Fui prefeito, gostei, mas Câmara… É ambiente ruim, chato, horroroso. Fiquei contrariado lá. Foi para o meu extremo”, disse ele numa entrevista ao Bahia Notícias, para quem afirmou ter remoído a decisão até anunciá-la. Gualberto deverá ser mantido no comando do PSDB baiano e apoiará a candidatura presidencial de Geraldo Alckmin.

CANAVIEIRAS: PREFEITO FAZ GESTO DE ARMA E CHAMA CHEFE DA RESEX PARA BRIGAR "DE HOMEM PRA HOMEM"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dr. Almeida faz gesto de arma e chama Joaquim para briga (no detalhe)

O prefeito Clóvis Almeida, o Dr. Almeida (PPS), surpreendeu alunos, professores e ambientalistas durante debate sobre a Reserva Extrativista de Canavieiras (Resex) ao chamar para a briga, “no meio da rua”, o chefe da Resex, Joaquim Rocha Neto.
O chefe da Reserva tentou mostrar que o prefeito se equivocada ao falar de reserva extrativista.
Dr. Almeida reagiu, fazendo gesto de arma com os dedos:
– Fui covardemente chamado de “Burro” por Joaquim. Só não entendeu quem não quis. Então, se ele tiver coragem de me chamar de burro no meio da rua, a gente resolve de homem pra homem – disse.
A cena foi gravada por um dos presentes no debate, nesta quinta (26), no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães. Confira o vídeo, abaixo.

"SEREI UM FILHO QUE VAI TRABALHAR MUITO POR ITABUNA", AFIRMA ROSEMBERG AO RECEBER TÍTULO DE CIDADANIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Rosemberg, à esquerda, recebe título de cidadão das mãos de Aldenes

Numa solenidade marcada por muita emoção e lembranças sobre a sua trajetória política, o deputado Rosemberg Pinto (PT) recebeu, na noite desta quinta-feira (26), o título de cidadão itabunense, durante cerimônia realizada no Salão Nobre da AABB de Itabuna.
A honraria foi concedida pela Câmara, por unanimidade, após indicação do vereador Aldenes Meira (PCdoB), segundo ele, em agradecimento à luta do deputado Rosemberg no desenvolvimento do município. O evento contou com a presença de diversas autoridades locais, da região e estaduais.
O petista afirmou estar muito feliz pela homenagem, destacando a importância do título recebido, e lembrou da luta pelo desenvolvimento de Itabuna e de todo o sul da Bahia.
– Itabuna é uma cidade acolhedora. Acolheu a minha família, quando meu pai veio de Buerarema, se estabeleceu aqui e, depois, se mudou para Itororó. Passo a ter um compromisso ainda maior de cuidar desta cidade. Serei um filho que vai trabalhar muito pelo desenvolvimento dela – agradeceu o parlamentar petista.
O vereador Aldenes afirmou que Rosemberg foi um deputado que abraçou Itabuna. “Itabuna fica feliz por ter Rosemberg como filho. Ele merece esta honraria em agradecimento à sua parceria e ajuda à nossa cidade, lutando por projetos importantes que têm beneficiado toda a população”, afirmou Aldenes.
Entre os relevantes serviços prestados ao município, apontado pelos dois parlamentares, estão a luta em prol da revitalização da lavoura cacaueira na região; a luta pela construção da Barragem do Colônia, em Itapé, que vai garantir o abastecimento de água em Itabuna nos próximos 20 anos; a participação e defesa na Assembleia Legislativa da Bahia na redefinição dos limites territoriais de Itabuna, garantindo a oportunidade de novos negócios, além da defesa pela duplicação da Rodovia Ilhéus-Itabuna, que agora só depende de liberação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Back To Top