skip to Main Content
4 de junho de 2020 | 04:26 am

TÁ DOMINADO! TÁ DOMINADO! MAS É TUDO DE MENTIRINHA!

Tempo de leitura: 4 minutos

Aqui na Bahia – para não deixar de fazer jus aos absurdos – um toque de recolher quando todos estão recolhidos: das 8 da noite às 5 da madruga, a partir dessa terça-feira (12) em Ipiaú e Itabuna.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Papagaio come milho e periquito leva a fama! Esse ditado cai como uma luva para essa pandemia do Coronavírus na sua versão Covid-19, que ficou famoso por vir atrelado ao regime ditatorial da China comunista. Se fez estragos na saúde, pior ainda na democracia meio desequilibrada que vive o Brasil, em que os perdedores das urnas não se conformam e querem voltar ao poder aplicando um golpe de estado.

O Covid-19 foi a sopa no mel! Não me digam que não chegou aqui e alhures de forma bem planejada com a missão de embarreirar o crescimento da direita em vários países, a exemplo dos Estados Unidos e Brasil. São países estratégicos por responsáveis pela produção de alimentos de mundão de meu Deus e que prometiam aplicar uma virada na política internacional.

A esquerda não “dorme de touca” e como a Hidra de Lerna costuma se regenerar e a cada cabeça cortada duas nascem em seu lugar. Se a Hidra de Lerna matava os homens apenas com seu hálito, fora da mitologia grega mata as pessoas nas formas físicas e mentalmente. Primeiro com o lindo canto de sereia, tal e qual um moderno Antônio Conselheiro a prometer rios de leite e ribanceiras de cuscuz.

Enganado, só resta à boiada se dirigir mansa e bovinamente ao matadouro, sem um Héracles (Hércules, na mitologia romana) que consiga lhe cortar todas as cabeças com as flechas envenenadas com o próprio sangue [da hidra]. Estrategicamente, a figura do hércules brasileiro foi a primeira a ser dominada por pelas diversas cabeças da hidra tupiniquim, mesmo antes de cercar o pântano estatal.

E o Covid-19 começou a fazer seus estragos sem que muitos notassem, entretidos que estava com a folia carnavalesca, contando com a ajuda de nossos governadores e prefeito para abrir alas para o maior carnaval do mundo. Enquanto os brasileiros sapateavam e apareciam nas imagens das emissoras de TV em todo o mundo, o vírus eram recebidos com todas as honras.

Mas como sempre acontece, a ressaca carnavalesca não perdoa e cobra a conta de toda uma semana de festa com juros e correção monetária. Prefeitos e governadores contabilizam números de turistas, falam dos dólares gastos pelos visitantes, prometem mais e melhor para o próximo ano. Enquanto os sambódromos esvaziavam as unidades de saúde e os hospitais enchiam.

E nossos prefeitos e governadores tão cheios das artes festeiras nada conheciam da ciência da saúde pelo pouco caso que sempre fizeram do SUS [Serviço Único de Saúde], alheios aos planos de marketing dos governos. Sábios que só eles, resolveram aprisionar a população e promover a saidinha do dinheiro do cofre federal. Tudo em nome do povo que sequer foi lembrado.

 

Com tanto poder nas mãos após o presidente dominado, não se contentaram e resolveram fazer uma prévia do regime comunista, socialista ou que o valha, prendendo todos com um trepidante toque de recolher.

 

Como a farra não deu certo, para não pagar o mico, passaram à fase do prendo e arrebento, oferecendo duas opções ou morre de fome ou do Covid-19: decida-se já! Com tanto poder nas mãos após o presidente dominado, não se contentaram e resolveram fazer uma prévia do regime comunista, socialista ou que o valha, prendendo todos com um trepidante toque de recolher.

Aqui na Bahia – para não deixar de fazer jus aos absurdos – um toque de recolher quando todos estão recolhidos: das 8 da noite às 5 da madruga, a partir dessa terça-feira (12) em Ipiaú e Itabuna. Pelo que ouvi dizer – mas não provo – por ser de origem chinesa e transmitida pelos morcegos comidos pelo povo, nosso digníssimo governador considerou ser esse o horário acertado, haja vista os hábitos noturnos dos nossos Chiropteras.

Pelo que o observei atentamente, esse toque de recolher é inteiramente inócuo, tendo em vista que nessas três cidades os bares, restaurantes e lupanares estão completamente fechados e as empresas de delivery de bebidas já abasteceram os clientes durante o dia. Também não cabe o argumento do funcionamento das farmácias, já que o atendimento está sendo feito diretamente nas unidades de saúde e hospitais.

Pelo sim pelo não, esse tal de lockdown que muita gente não sabe o que é se trata de apenas um confinamento dos serviços públicos prestados pelo Estado e prefeituras para completar o caixa. Já nossos cientistas – governador e prefeitos – ficarão eternamente conhecidos pelo festival de basteiras que cometeram. Basta a simples comparação com a Coreia do Sul, Suécia e outros países que não praticaram o confinamento.

Essa história de tá dominado ficaria melhor nos locais onde geralmente acontecem e nos bailes funks pelos guetos Brasil afora. Campos de concentração é coisa de nazistas, fascistas e comunistas, portanto, não combinam com pessoas honestas e trabalhadoras. Quem sabe seria uma resposta aos produtos chineses comprados e pagos, embora não entregues.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado, além de editor do Cia da Notícia.

(Nota do Autor) – Em carta enviada ao secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, Charles Andrew Tang, afirmou estar à disposição para prestar esclarecimentos e negou conhecer detalhes da compra de respiradores pelo governo da Bahia. A manifestação ocorre após Tang dizer, em entrevista ao A TARDE, que o Estado teria perdido dinheiro após pagar pelos equipamentos a uma empresa fantasma.

Vilas-Boas, por sua vez, reafirmou que o dinheiro “está fazendo o caminho de volta” e argumentou que a empresa citada é homônima. “A Bahia tem todos os contratos de compra. A transação foi toda feita dentro da legalidade. O contrato foi rescindido por impossibilidade de cumprimento dos prazos que se encerraram no dia 20 de abril”, afirmou.

http://atarde.uol.com.br/politica/noticias/2127313-presidente-da-camara-brasilchina-recua-apos-dizer-que-governo-comprou-respiradores-com-empresa-fantasma

BAHIA: PREFEITOS DEFENDEM MAIS 2 ANOS DE MANDATO E ELEIÇÕES UNIFICADAS EM 2022

Tempo de leitura: 3 minutos

Luís Sérgio e os presidente Eures (UPB), Aroldi (CNM) e Lero Cunha (Amurc)

O repasse dos royalties do petróleo para os municípios baianos, a partir de janeiro de 2020, foi um dos compromissos firmados pelo Governador Rui Costa, durante o 2º Movimento Pró-Município, nesta segunda-feira (3), em Salvador. Para o presidente da Associação dos Municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste Baiano (Amurc) e prefeito de Firmino Alves, Aurelino Cunha, Lero Cunha, o encontro demonstrou união e força dos municípios na conquista de reivindicações importantes em nível estadual.

Além dos royalties do petróleo – recursos pagos ao poder público (Estados, Municípios e União) pelo direito de explorar reservas de petróleo, a Amurc, juntamente com a UPB e a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), representada pelo presidente, Glademir Aroldi, defenderam a pauta municipalista de unificação das eleições para mandatos políticos no Brasil, em 2022, tendo em vista o alto custo das eleições a cada dois anos e a necessidade de alinhar orçamentos.

UNIFICAÇÃO DAS ELEIÇÕES EM 2022

“É um movimento legítimo pelo princípio da economicidade. O país passaria ter uma economia maior com relação ao pleito único, quando se fala sobre a questão dos custos sobre as eleições. Além disso, com a paralisação durante 6 meses de cada ano, no período pré-eleitoral, por conta de questões legais, os municípios não podem pactuar com o Estado e a União na realização de obras estruturantes”, lembrou Lero Cunha, presidente da Amurc.

De acordo com a pauta de reivindicações da UPB, o presidente Eures Ribeiro destacou que “o custo de uma eleição municipal está em torno de R$ 12 bilhões, sendo que 80% desse valor é dinheiro público”. A solução, segundo o presidente da CNM, está numa reforma política para a unificação de mandatos. “Nós não aguentamos mais um ano fazendo políticas públicas e outro ano fazendo política partidária. Precisamos mudar isso e a coincidência de mandatos mudará isso”, defendeu.

O evento foi promovido pela União dos Municípios da Bahia (UPB) e marcado pela grande participação de prefeitos e vereadores de toda a Bahia, secretários de governo, deputados estaduais e federais, senadores. Para o prefeito de Barra do Rocha, Luís Sérgio Alves, o movimento resultou na resolução de várias demandas municipais, dentre elas, “a regularização de alguns repasses do Governo do Estado para vários municípios”.

Já o prefeito de Burerarema, Vinícius Ibrann, destacou que o evento foi muito importante “para mostrar tanto ao Estado, quanto a União, que os prefeitos estão unidos e que os municípios estão mais fortalecidos do que nunca. As pautas de reivindicações foram expostas e a gente espera que tenhamos uma resposta o quanto antes, pois se necessário for, marcharemos mais vezes com o objetivo de levar melhorias para nossos municípios”.

Leia Mais

CASAL DE PREFEITOS É ACUSADO DE FRAUDAR MAIS DE 50 LICITAÇÕES

Tempo de leitura: 3 minutos

Casal de prefeitos foi punido em vários processos pelo TCM

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) informou nesta terça-feira (7) que os prefeitos Robério Oliveira, de Eunápolis, e Cláudia Oliveira, de Porto Seguro, no extremo sul da Bahia, foram punidos várias vezes nos últimos anos por fraudes em processos de licitação. Os dois políticos são casados e foram alvos na “Operação Fraternos” realizada hoje pela Polícia Federal e Controladoria Geral da União (CGU).

Robério, Cláudia e o prefeito de Santa Cruz Cabrália, Agnelo Santos, que também está mira da PF, são acusados de desviar mais de R$ 200 milhões por meio de empresas da família. Agnelo é irmão de Cláudia e, segundo o TCM, segue sem punição porque ainda não teve contas analisadas ou processo julgado.  O prefeito de Cabrália assumiu o cargo neste ano. Já Robério vem sendo punido desde 2008.

MUITOS PROCESSOS

Robério Oliveira, que assumiu o primeiro mandato como prefeito de Eunápolis em 2006 –foi reeleito  em 2010– teve nada menos que seis contas anuais rejeitadas e cinco delas foram encaminhadas ao Ministério Público, diante de evidências de crime contra a administração pública, especialmente fraudes em licitações para a contratação de serviços de pavimentação e recuperação de ruas.

Leia Mais

AGENDA DOS CANDIDATOS (QUINTA, 15)

Tempo de leitura: 2 minutos

eleicoes 2016Antônio Mangabeira (PDT)
7h – Gravação de programa de rádio e TV
9h – Corpo a Corpo no Santa Catarina, saindo da quadra de esportes
14h – Corpo a Corpo na Travessa dos Vianas e Parque Verde, saindo da Igreja Adventista
17h30min – Reunião com grupo de profissionais da área de ortopedia
19h – Reunião para apresentação do Plano de Governo no São Pedro

Augusto Castro (PSDB)
8h – Corpo a corpo no São Lourenço
12h45min – Visita à Trifil
14h – Corpo a corpo no Pedro Jerônimo
19h – Seminário Políticas Públicas para a Juventude

Capitão Azevedo (PTB)
9h30min – Reunião com apoiadores de campanha
14h – Visita ao Santa Inês, saindo da praça do bairro
18h50min – Entrevista à TV Cabrália
19h30min – Reunião no Santa Inês
20h30min – Reunião na Califórnia

Coronel Santana (PTN)
8h – Entrevista à TVI
9h – Reunião com a coordenação de campanha
14h – Visita ao Novo Horizonte e ao Corbiniano Freire
19h – Diálogo Políticas públicas com instituições filantrópicas

Davidson Magalhães (PCdoB)
8h – Reunião com a coordenação politica
15h – Corpo a corpo no Nova Itabuna
18h – Reunião com a Coordenação de campanha

Fernando Gomes (DEM)
8h30min – Gravação de programa eleitoral
10h – Visita aos comerciantes
15h – Visita ao Vale do Sol
19h – Reunião com lideranças da J.S. Pinheiro

Geraldo Simões (PT)
8h – Debate na Santa Casa de Misericórdia de Itabuna
14h – Caminhada no Maria Pinheiro (Baixa Fria)
18h – Reunião com equipe de futebol feminino, no Pedro Jerônimo
19h30min – Reunião com lideranças políticas no São Caetano

Zé Roberto (PSTU)
9h – Panfletagem em pontos de ônibus do centro
16h – Panfletagem na região central
19h – Reunião com coordenação política da campanha

ILHÉUS

Cacá Colchões (PP)
9h – Visita ao Alto do Coqueiro
15h – Caminhada na Conquista, da Coelba até a 19 de Março
19h – Debate sobre cultura

Gurita (PSC)

8h – Visita a Banco do Pedro e Castelo Novo
15h – Caminhada Rua do Cano

WENCESLAU REPRESENTA VANE EM ENCONTRO NO BNDES

Tempo de leitura: < 1 minuto
Wenceslau representa Vane em reunião no BNDES

Wenceslau representa Vane em reunião no BNDES

Representantes das 100 maiores cidades brasileiras participam de encontro na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro. Na reunião, é discutida a adesão preferencial dessas cidades ao Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos.
O prefeito de Itabuna, Claudevane Moreira Leite (Vane), do PRB, está representado no encontro pelo vice-prefeito e secretário municipal de Planejamento e Tecnologia, Wenceslau Júnior (PCdoB).

REPROVAÇÃO EM MASSA

Tempo de leitura: < 1 minuto

DEDO-PARA-BAIXOColuna Tempo Presente (A Tarde)

Conforme os próprios prefeitos haviam previsto, nos diversos encontros que realizaram nos últimos meses para discutir as dificuldades financeiras dos municípios, ocorreu uma maciça desaprovação de contas este ano na Bahia pelo Tribunal de Contas dos Municípios.

Até a última sessão do ano, realizada na quarta-feira passada, das 371 contas de prefeituras julgadas (a Bahia tem um total de 417 municípios), o TCM rejeitou 208, aprovou 163 com ressalvas e não aprovou nenhuma sem ressalvas. O percentual de desaprovação chegou a 56%. Os prefeitos achavam que chegaria a 70%.

Em relação às câmaras municipais, a situação é um pouco melhor. Dez contas foram aprovadas sem ressalvas, 318 aprovadas com ressalvas e 50 rejeitadas. Um total de 378 contas de câmaras municipais foram julgadas pelo TCM em 2013.

FUGA TÁTICA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da coluna Tempo Presente (A Tarde)

O encontro de prefeitos realizado ontem pela UPB no Resort Vila Galé (Guarajuba), teve um tique bem diferente de dois anos atrás, quando o banquete custou R$ 450 mil, pagos por financiadores diversos, como a Ambev: ontem, cada participante pagou pelo menos o almoço, a R$ 190 por pessoa.

A presidente da UPB, Maria Quitéria (PSB), prefeita de Cardeal da Silva, disse que fugiu de Salvador por um detalhe: os prefeitos não suportam o assédio de gente querendo vender de tudo, de  mercadorias a serviços.

De fato, em tais encontros, até ciganos aparecem para oferecer dinheiro.

UNIVERSO PARALELO

Tempo de leitura: 4 minutos

QUANDO JOVEM, PREFERIA GIBI A LIVRO

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

1Pavão misterioso

Para efeito de trabalho (ninguém o chama pra tomar sorvete de coco!), pedem-lhe um currículo com ênfase em atividades literárias. Tem desamor à palavra “ênfase”, mas (noblesse oblige) responde que publicou pouco – graças ao bom Deus, leu mais do que escreveu – e, na adolescência (Escândalo! Escândalo!), preferia gibi a livro. Passou por Luís de Camões, mas não descurou do Pavão Misterioso, Cancão de fogo, A chegada de Lampião no inferno e o amor complicado de Coco Verde e Melancia. E mais: que é filho da poesia popular, os folhetos vendidos na feira, cantados por violeiros, aquilo que os novidadeiros chamam “literatura de cordel”.

________________

Cacau na barcaça e boiada no pasto

A rap de pé quebrado prefere repente bem rimado. Mas cedo descobriu que ouvir versos faz poetas, tanto quanto batina fabrica vigários: aventurou-se num soneto dedicado à vizinha, muito lutou com papel, lápis e borracha, suou em bicas, pensou, penou, sofreu, correu contra o tempo e chegou atrasado: nem pingara o ponto final no primeiro quarteto e a pretendida já estava de vestido branco alugado e casório apalavrado com sujeito promissor: imune a livros e outras moléstias, com pés literalmente na terra (herdeiro de cacau secando na barcaça e boiada berrando no pasto), era o marido que ela, de mãos postas, rogara a Santo Antônio, o casamenteiro.

 ______________

3MachadoViu a vingança sintetizada numa frase

Saiu-se da aventura, tirante o sofrimento de meses, sem maior prejuízo, portando dois efeitos, um bom, outro nem tanto. Agastado, atirou ao lixo aquele começo de mau soneto; depois, ressentido, meteu-me a ler Queda que as mulheres têm para tolos, que pensava ser de Machado de Assis, mas hoje duvida. A primeira atitude livrou o mundo de mais um poetastro; com a segunda, entrou em risco de ser transformado em detestável erudito. Na época, viu sua vingança sintetizada numa frase: “O homem de espírito é o menos hábil para escrever a uma mulher”. Salvou-se da condenação dos amores desencontrados. De versejar ainda sofre recaídas.

ENTRE PARÊNTESIS, OU…

A maldade como “privilégio” de poucos

Conta-se que o cineasta Carlos Manga, então responsável pelo controle de qualidade da dramaturgia da Globo, ao ser convidado para dirigir o núcleo de novelas da Vênus Platinada, recusou a promoção, com uma frase bem construída: “Não tenho maldade suficiente para tanto”. Talvez os termos não sejam, rigorosamente, estes – a memória deste colunista já se mostra mais inclinada à essência do que à precisão. Mas é o que me vem à mente quando observo o estágio deplorável em que se encontram minhas cidades de Ilhéus e Itabuna: parece até que ser prefeito exige um grau de maldade que é “privilégio” de poucos.

REALIDADE E FICÇÃO EM SANDRO MOREYRA

5Cartão vermelhoNos relatos do jornalista Sandro Moreyra, sobre futebol, realidade e ficção se fundem. Diz ele: “Um dos mais curiosos exemplos de que, no futebol, o crime também não compensa, aconteceu com o zagueiro Fontana, que foi do Cruzeiro, Vasco e Seleção Brasileira. Num jogo contra o Fluminense, levou um drible de Samarone e foi ao chão. Irritado, partiu no encalço do adversário, desfechando pontapés. Errou todos. Porém não se livrou de um cartão vermelho e uma distensão muscular, fruto dos seus chutes fora do alvo. Saiu de maca, expulso, sob risos até dos companheiros”.
________________

“Raparigas que andam de tetas do léu”

Aqui, ele é personagem: “Numa radiosa manhã de sol, chego ao Hotel do Guincho, em Cascais, onde se hospedava a delegação brasileira, para conversar com os dirigentes e os jogadores, e não vejo ninguém com aquele inconfundível agasalho verde-amarelo. Pergunto então ao seu Carvalhosa, o velho porteiro, se a Seleção, por acaso, saiu para algum treino, e ele, muito atencioso, prontamente responde: ´Não, senhor, ninguém saiu. Estão todos acolá, ao redor da piscina, a mirar as raparigas que andam de tetas do léu´. Era o topless português” (Histórias de futebol – Coleção O Dia Livros/1998).

UM RARO REPRESENTANTE DO “DÓ DE PEITO”

7Dó de peitoNos relatos do jornalista Sandro Moreyra, sobre futebol, realidade e ficção se fundem. Diz ele: “Um dos mais curiosos exemplos de que, no futebol, o crime também não compensa, aconteceu com o zagueiro Fontana, que foi do Cruzeiro, Vasco e Seleção Brasileira. Num jogo contra o Fluminense, levou um drible de Samarone e foi ao chão. Irritado, partiu no encalço do adversário, desfechando pontapés. Errou todos. Porém não se livrou de um cartão vermelho e uma distensão muscular, fruto dos seus chutes fora do alvo. Saiu de maca, expulso, sob risos até dos companheiros”.
________________

O auxílio luxuoso de… Ângela Maria!

Quando menino, Agnaldo costumava imitar os cantores da época, sobretudo Cauby Peixoto, sua referência. Pobre, aos nove anos já carregava malas na Rodoviária de Caratinga, engraxava sapatos, vendia frutas… e cantava! Vencia os concursos de canto promovidos pelos circos que chegavam à cidade. Mais tarde, já mecânico, mudou-se para Governador Valadares, continuando sua peregrinação pelos programas da rádio, em busca de sua oportunidade. Que veio quando, nos anos 60, como motorista do marido de Ângela Maria, então Rainha do Rádio, esta o apoiou na pretensão de tornar-se artista. Aqui, uma das muitas versões que Agnaldo gravou: Os verdes campos da minha terra (Greengreen grass of home).

 

DILMA LIBERA R$ 3 BI PARA MUNICÍPIOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Yara Aquino e Carolina Sarres | Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff anunciou hoje (10), na Marcha dos Prefeitos, repasse emergencial de R$ 3 bilhões aos municípios, cuja primeira parcela estará disponível a partir de agosto, e a segunda, a partir de abril de 2014. Também haverá facilidades para o Programa Minha Casa, Minha Vida em municípios com menos de 50 mil habitantes, a serem executadas pelo Caixa Econômica Federal e pelo Banco do Brasil.

De acordo com Dilma, o repasse emergencial será desvinculado e dirigido para o custeio de serviços públicos. A presidenta fez os anúncios acompanhada de 25 ministros, do vice-presidente Michel Temer e dos presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Pouco antes de Dilma finalizar seu discurso, os prefeitos começaram a cobrar que ela mencionasse o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), cujo aumento entre 1% e 2% era uma das principais reivindicações da marcha – o que não ocorreu. Ao terminar a fala sem anunciar qualquer aumento, houve um misto de vaias e aplausos à presidenta.

Leia mais

ESTRESSE PÓS-ELEITORAL

Tempo de leitura: 2 minutos
Ana Verena se assustou com o que viu, e pediu pra sair

Ana Verena se assustou com o que viu, e pediu pra sair

É notório que há prefeitos por aí sem a menor ideia de como descascar os abacaxis que encontraram. No exercício do cargo, os problemas se tornam bem mais complicados do que eles faziam crer nos discursos de campanha. Ainda assim, quase todos continuarão tentando de alguma maneira.
A maioria infelizmente não conseguirá grandes resultados, simplesmente porque, apesar de eventuais divergências políticas, as gestões se igualam em práticas nefastas, como a de transformar prefeituras falidas em cabides de emprego. Isto sem falar na necessidade de retribuir, com privilégios indevidos e preços elevados, o apoio que empresas lhes deram na campanha. São vícios que levam fatalmente ao fracasso administrativo.
Há casos raros de prefeitos que, uma vez eleitos, admitem de fato não ter a menor ideia da confusão em que se meteram. Essa foi a situação da prefeita de Ipirá, no sertão da Bahia. Como a imprensa noticiou em meados de janeiro, a médica Ana Verena Colonezzi (PR), licenciou-se do cargo logo após a posse, alegando problemas de saúde, com sintomas como estresse e pressão alta. Em seu lugar, assumiu o vice, Ademildo Almeida (PT).
Em Ipirá, o que se diz é que Ana Verena não retorna mais ao cargo. O motivo de seu piripaque foi, na verdade, o assombro com a dramática situação da Prefeitura, para a qual ela não estava minimamente preparada. Em suma, a ficha caiu e a eleita, que mal experimentou a cadeira, tende a renunciar.
 

Back To Top