skip to Main Content
12 de agosto de 2020 | 12:10 pm

IBGE ESTIMA CRESCIMENTO DE 13% NA PRODUÇÃO DE GRÃOS NA BAHIA

Produção agrícola na Bahia terá crescimento
Tempo de leitura: 2 minutos

O sexto Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) projetou a produção baiana de cereais, oleaginosas e leguminosas, para este ano, em torno de 9,3 milhões de toneladas, o que representa uma expansão de 13,% na comparação com 2019.

Em maio, o levantamento apontava uma safra de nove milhões de toneladas. Em relação à área, o IBGE projeta uma ligeira retração de 0,8% na plantada e de 1,4% na colhida na comparação anual, registrando, em ambos os casos, uma extensão aproximada de 3,1 milhões de hectares.

A lavoura de soja ficou estimada em 6,0 milhões de toneladas, a segunda maior da série histórica do levantamento – inferior apenas à de 2018 (6,2 milhões de toneladas). Com isso, houve expansão de 13,5% em relação ao volume produzido em 2019. A área colhida de 1,6 milhão de hectares superou em 1,3% à da safra anterior.

A safra de milho foi revisada para próximo a 2,0 milhões de toneladas, em 593,5 mil hectares plantados, representando uma alta de 21,5% em relação a 2019. A primeira safra do cereal deve ser responsável por 1,6 milhão de toneladas, em 363,5 mil hectares. Por sua vez, a expectativa para a segunda safra da lavoura é de 370 mil toneladas plantadas em 230 mil hectares.

Leia Mais

UM MILHÃO DE MÁSCARAS SERÃO DISTRIBUÍDAS GRATUITAMENTE NO SUL DA BAHIA

Um milhão será distribuído no sul da Bahia|| Imagem ilustrativa
Tempo de leitura: < 1 minuto

Para ajudar na proteção de milhares de moradores no sul da Bahia, foi iniciada, nesta quarta (6), a produção de 1 milhão de máscaras. A ação é liderada pelo Centro Público de Economia Solidária (Cesol), seccional Litoral Sul, em parceria com Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), as secretarias de Emprego, Trabalho, Renda e Esporte (Setre) e de Desenvolvimento Rural (SDR).

Produzidas  por quase 400 costureiras e artesãs do território do Sul da Bahia, as máscaras para a prevenção contra a Covid-19 serão distribuídas gratuitamente em 26 municípios. A previsão é que já na próxima semana seja iniciada a distribuição do equipamento em Itabuna e Ilhéus – duas principais cidades atingidas pelo novo coronavírus.  As costureiras e e artesãs vão receber ajuda de custo durante dois meses.

Para o coordenador no Cesol Litoral Sul, Thiago Fernandes, a produção, que contará com a mão de obra das empreendedoras, só realça a força da economia solidária atuando em rede.  “É num momento como este que enxergamos mais ainda a potência que temos enquanto uma rede de economia solidária articulada e gera renda e também segue com o principal valor da solidariedade, das trocas, ativo em todo o processo”, conclui.

ÁREA AGRÍCOLA CRESCE 44% E OCUPA 7,6% DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

Brasil registra crescimento de área agrícola
Tempo de leitura: 2 minutos

A área agrícola do Brasil cresceu 3,3% entre 2016 e 2018, como aponta o Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra, divulgado nesta quinta-feira  (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  Desde o início da série histórica da pesquisa, em 2000, a área agrícola cresceu 44,8%, chegando a 664.784 km² em 2018, o equivalente a 7,6% do território nacional, considerando a parte terrestre e marítima do país.

Entre 2000 e 2012, cerca de 20% das novas áreas agrícolas vieram da conversão de pastagem com manejo, mas, a partir de 2012, esse número subiu para 53%.  “De todas as mudanças de cobertura e uso que aconteceram em 2016, 2018,16% delas foram conversão de pasto com manejo para área agrícola”, destaca o gerente de Recursos Naturais do IBGE, Fernando Peres, explicando que o tipo de pastagem é caracterizado pela limpeza, adubação, aplicação de herbicidas e plantio.

Segundo o pesquisador do IBGE, a conversão de pastagem com manejo para área agrícola é um método habitual entre os produtores brasileiros. “Temos observado que a dinâmica de ocupação, tanto em áreas florestais como de cerrado, segue uma sequência. Primeiro vem a retirada da vegetação nativa, seguida da instalação de pastagens e, depois de alguns anos, a implantação de áreas agrícolas”, explica.

A expansão agrícola, no entanto, apresentou um ritmo mais lento que o observado em levantamentos anteriores. O maior crescimento das áreas agrícolas foi verificado entre 2012 e 2014, quando subiu 7%, ao passo que o menor foi entre os anos de 2014 e 2016, com 3,1%.

PERDA DE VEGETAÇÃO

O estudo também mostra que, em 18 anos, o Brasil perdeu 7,6% de sua vegetação florestal. A área, que era de 4.017.505 km² em 2000, passou a ser de 3.712.058 km² em 2018, equivalente a 42,4% do território. Já a vegetação campestre, que corresponde às áreas de Cerrado, de Caatinga e dos Pampas, perdeu 10,1% de sua área nesse mesmo período.

O Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra é o único estudo de geociências do IBGE que tem uma série histórica desde 2000, o que permite a observação da evolução e dos padrões de ocupação do território brasileiro. Ele tem o objetivo de espacializar e quantificar a cobertura da terra, em períodos regulares, a partir do mapeamento sistemático.

FELICIDADE INTERNA BRUTA – FIB

Tempo de leitura: 2 minutos

Jaciara Santos

 

 

Estamos cada vez mais exigentes, e as novas gerações mudaram a forma de enxergar sua carreira profissional. A felicidade é algo cada vez mais almejado.

 

A palavra felicidade nos faz refletir quão intensa ela é na nossa existência. Viver impactando a vida das pessoas a nossa volta de forma positiva é de suma importância para nosso processo de busca pela satisfação.

Alguns sinônimos desta palavra são alegria, satisfação, contentamento, bem-estar, prazer, júbilo, ledice, gosto, aprazimento, deleite, regozijo, euforia, bem-aventurança.

Quando relato felicidade, aqui não trato apenas da visão romântica da palavra, mas levo-o  a racionalizar e identificar quais pontos e momentos da sua existência te proporcionam um sentimento de satisfação?

Identifique e reflita sobre os quesitos abaixo:

– O que te faz feliz?

– O que é felicidade para você?

– O que te faz levantar todos os dias para começar uma nova jornada?

Partindo dessas indagações, as organizações baseadas em diversos fatores começaram a se preocupar com o índice de felicidade no trabalho. Começou-se a preocupar-se com o indicador denominado FIB (Felicidade interna Bruta).

O FIB é um indicador explanado pela ONU que retrata da mensuração da Felicidade Interna Bruta,  e foi desenvolvido para medir o desenvolvimento de uma nação, baseado em alguns aspectos relacionados ao  bem-estar humano, utilização dos recursos da natureza de forma consciente, cuidados familiares e organização da utilização do tempo.

Tal indicador dentro das organizações baseia-se no levantamento de alguns fatores. São alguns deles senso de pertencimento, conhecimento e aceitação da cultura organizacional e clima, dentre outros que contribuem significativamente para que essa felicidade seja mensurada no meio institucional.

Questiono-me quando e por que esse indicador fora criado. Já que há um tempo não muito distante a produção era o fator primordial na avaliação dos indivíduos.

Porém, ao aprofundar minha pesquisa,  percebo que se trata de algo mais antigo. O FIB teve suas origens no Butão. Foi criado pelo rei butanês no ano de 1972 como uma forma de indicar o crescimento do país sem considerar apenas o aspecto econômico, mas levando em consideração conceitos culturais, psicológicos, espirituais e ambientais.

Nosso mercado mudou, as empresas mudaram, os clientes estão em busca de empresas que sejam referências em um trabalho significativo na sociedade. Estamos cada vez mais exigentes e as novas gerações mudaram a forma de enxergar sua carreira profissional. A felicidade é algo cada vez mais almejado.

Findo essa explanação com um texto de Carlos Drummond de Andrade, que diz: “Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar, e acima de tudo ouvir. Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo. Que tenham ideais e medo de perdê-lo. Que amem ao próximo e respeitem sua dor. Para que tenhamos certeza de que: “Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade”.

Sejamos felizes!

Jaciara Santos é coach.

BRASIL REGISTRA RECORDE DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM MAIO

Tempo de leitura: 3 minutos

Produção de petróleo bate recorde em em meio || Foto José Augusto Alves/Agência Petrobras

A produção de petróleo e gás natural no Brasil em maio atingiu 3,473 milhões de barris por dia, superando o recorde anterior registrado em dezembro de 2016, quando foram produzidos 3,433.

A produção de petróleo alcançou o volume de 2,731 milhões de barris por dia, superando a marca anterior, registrada também em dezembro de 2016: de 2,730 bilhões de barris por dia. Houve um aumento de 4,9% na comparação com o mês anterior e de 4,7% em relação ao mesmo mês de 2018.

Já a produção de gás natural foi de 118 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d), superando o recorde anterior de 117 (m³/d) registrados em outubro de 2018. Em relação ao mês anterior o crescimento foi de 4,4% e de 5,4% na comparação com maio de 2018.

Leia Mais

HÁBITOS E IMPACTOS SOBRE O MEIO AMBIENTE

Tempo de leitura: 2 minutos

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

 

 

Kofi Annan passou parte de sua vida repetindo que padrões insustentáveis de produção e consumo e mudanças climáticas são problemas centrais da humanidade. Deixar essa discussão para depois foi um dos maiores erros cometidos por todos.

 

O mundo vive uma constante busca por consumo, os países vivem escravos de um modelo de produção que tem no Produto Interno Bruto (PIB) a principal variável para avaliação do crescimento e, portanto do padrão de vida da população. Essa visão não considera a taxa de concentração de renda nem outras variáveis que evidenciam o nível de qualidade de vida da população de forma mais estratificada.

Vivemos sob a lógica do agronegócio – “agro é tudo!”. Mas nossa maior produção de alimentos advém da agricultura familiar. São necessárias políticas públicas que estimulem a vida no campo, permitindo fixação e qualidade de vida para esse importante contingente, responsável por abastecer diuturnamente as nossas mesas.

A morte de abelhas, por exemplo, é um claro demonstrativo de que precisamos mudar métodos, conteúdo e forma do modelo agroexportador na direção de um comportamento mais humanista, conforme defende o setor agroecológico. Somente em três meses desse ano no Brasil, foram encontradas mortas 500 milhões de abelhas – e isso em apenas quatro estados – Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul (Exame, 16/03/19).

A mudança se faz urgente para garantir sustentabilidade, inclusive a do próprio agronegócio. A morte desses insetos nos coloca em alerta, dada a importância deles para a produção e para o equilíbrio da vida humana, face o importantíssimo papel que cumprem para o equilíbrio ambiental.

Diante dessas percepções, vem avançando no mundo a opção pelo consumo de alimentos saudáveis e socialmente justos – o crescimento é de 20% ao ano. Nessa opção, busca-se a aplicação de práticas socioambientais com vistas à eliminação das compensações químicas e dos experimentos laboratoriais de resistência a pragas e aumento da escala de produção.

Kofi Annan passou parte de sua vida repetindo que padrões insustentáveis de produção e consumo e mudanças climáticas são problemas centrais da humanidade. Deixar essa discussão para depois foi um dos maiores erros cometidos por todos. Num ritmo de vida cada vez mais fugaz, faz-se necessário termos consciência de que a mudança que queremos no mundo começará quando incorporarmos dentro de cada um de nós um novo modelo de hábitos que melhore os impactos sobre o meio ambiente. E não será possível obtermos esse resultado sem mudarmos o nosso padrão de consumo e mentalidade.

Rosivaldo Pinheiro é ex-secretário de Agricultura, Indústria e Comércio de Itabuna, economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

Back To Top