skip to Main Content
15 de abril de 2021 | 03:13 pm

PROTESTO NA CAIXA D’ÁGUA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Moradores queimaram objetos, interditando a rua (foto Pimenta)

Moradores queimaram objetos, interditando a rua (foto Pimenta)

Moradores da Rua José Alves Franco, na comunidade popularmente conhecida como Caixa D’Água, em Itabuna, fizeram um protesto contra a Emasa na noite de hoje (18). Sem abastecimento há quase um mês, eles reivindicam a instalação de um tanque comunitário no local.

No protesto, os manifestantes queimaram objetos e deixaram a rua interditada. A Polícia Militar esteve no local e solicitou o apoio do Corpo de Bombeiros para desbloquear a via. Não houve resistência, mas os moradores avisaram que voltarão a se mobilizar se a Prefeitura não instalar o reservatório.

Ouvidos pelo PIMENTA, moradores disseram que enfrentam dificuldade para conseguir água em um tanque instalado pela Prefeitura em outra parte do bairro São Roque, que abrange a Caixa D’Água. Além da distância, eles muitas vezes são impedidos por quem mora mais perto do reservatório improvisado.

Segundo os manifestantes, nem a Prefeitura nem a Emasa enviaram representantes para ouvir suas reivindicações.

TRABALHADORES FECHAM BR-101 EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

protestoSindicalistas e estudantes interditaram a BR-101, em Itabuna, nesta terça-feira (10), num  protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A manifestação foi organizada pela Frente Brasil Popular, juntamente com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), sindicatos e a União da Juventude Socialista (UJS). A rodovia ficou interditada por três horas: das 6 às 9 da manhã.

Além de protestar contra o impedimento da presidente, os trabalhadores atacaram o Projeto de Lei 257/2016, que estabelece o Plano de Auxílio aos Estados e ao Distrito Federal e medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal. A proposta impõe restrições aos Estados, principalmente a redução de gastos com pessoal.

Para o vereador e presidente do Sindicato dos Comerciários de Itabuna, Jairo Araújo (PCdoB), está em curso um golpe contra os trabalhadores. “Querem acabar com os direitos da classe trabalhadora, não podemos permitir que Temer assuma e implemente seu projeto de ataque às conquistas trabalhistas”, disse ele.

As mobilizações de trabalhadores contra o impeachment acontecem hoje em cinco Estados e em Brasília.

MOBILIZAÇÃO EVITA DEBATE DE PROJETO CONSIDERADO PREJUDICIAL AO SERVIÇO PÚBLICO

Tempo de leitura: < 1 minuto
PM José Neto (com o cartaz) acredita que o projeto prejudica o serviço público como um todo

PM José Neto (com o cartaz) acredita que o projeto prejudica o serviço público como um todo

Representantes de servidores de diversos estados fizeram pressão ontem (5), em Brasília, na tentativa de barrar a tramitação da Projeto de Lei Complementar 257/2016, que inclui medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal dos estados. Uma das imposições do projeto é a proibição de aumento nos gastos com pessoal durante 20 anos.

Diretores da Associação de Praças da Polícia Militar da Bahia (APPM-BA) participaram da mobilização na capital federal, que acabo evitando a discussão da matéria. “Diante da pressão dos servidores, os deputados recuaram, pois foi demonstrado o grave impacto que esse projeto causará aos servidores públicos”, afirma o policial José Neto, da diretoria da APPM-BA.

Neto classifica o projeto de lei como um “pacote de maldades”. Segundo ele, a proposta do governo federal, se aprovada, “atingirá o serviço público de modo geral, reduzindo o acesso e aumentando a demanda em todos os segmentos por falta de concursos nas áreas da saúde, segurança e educação”.

POPULAÇÃO PROTESTA CONTRA A EMASA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Moradores atearam fogo em objetos em protesto contra a falta de água (foto redes sociais)

Moradores atearam fogo em objetos em protesto contra a falta de água (foto redes sociais)

Há mais de 30 dias sem ouvir uma gota de água cair nos tanques de suas casas, moradores do bairro Califórnia decidiram hoje ir pra rua protestar contra a Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa). Eles interditaram uma das principais ruas do bairro, nas imediações da Unidade de Saúde Alberto Teixeira Barreto, e colocaram fogo em objetos.

Segundo a Emasa, a captação de água para o sistema de abastecimento foi reduzida a 45%, o que resulta em acentuada redução na capacidade da empresa para levar água até as casas dos itabunenses. A mesma situação enfrentada pelos moradores da Califórnia é vivida em toda a cidade.

Para se abastecer, quem pode costuma pagar em média 28o reais por 6 mil litros de água, que chega em carros-pipa. O comércio de água, a preços exorbitantes, tornou-se importante fonte de lucros na cidade e nem sempre há garantia da procedência do que é oferecido.

A Emasa tem um cronograma de abastecimento, mas restringe a divulgação do calendário. Extraoficialmente, um funcionário do setor de comunicação da empresa disse ao PIMENTA que a informação fica restrita para evitar cobranças dos usuários em caso de atraso no serviço quando há algum problema, a exemplo das costumeiras panes elétricas.

CONCURSADOS PROTESTAM NA GOVERNADORIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

concursadosUm grupo de aprovados no último concurso da Polícia Civil realiza protesto na manhã de hoje (23), em frente à Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB). Os manifestantes cobram a nomeação para os cargos de delegado, investigador e escrivão, conforme promessa do governador Rui Costa (PT).

O governador diz que não há condições de nomear neste momento, pois o Estado atingiu o limite prudencial de 46,17% de gastos com a folha. A vedação é da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Ontem (22), a Assembleia Legislativa da Bahia aprovou projeto de lei que transfere para cada poder as despesas com inativos e pensionistas. A medida terá influência no cômputo do gasto com pessoal no Relatório de Gestão Fiscal de 2016.

TERCEIRIZADOS CONVOCAM ASSEMBLEIA NA GOVERNADORIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Indignados com a prática das empresas de atrasar salários e de negligenciar outros direitos, trabalhadores de empresas que prestam serviços terceirizados ao Governo da Bahia farão novo protesto esta semana. Uma assembleia está sendo convocada para a Governadoria, no Centro Administrativo, a partir das 8 horas desta quarta-feira (09).

A convocação é assinada pelo Sindlimp, sindicato que reúne trabalhadores da área de limpeza, e pela CUT-BA. As entidades afirmam que muitos empregados têm sobrevivido com dificuldade, em virtude dos atrasos.  Reclamam ainda de que os funcionários sofrem tratamento discriminatório nos órgãos onde atuam.

“Trabalhamos com lixo, mas não somos lixo. Não aceitamos ser tratados como pessoas de segunda classe onde seguranças nos impedem de usar sanitários e beber água nos bebedouros em prédios públicos sustentados e mantidos com nossos impostos”, desabafa a coordenadora-geral do Sindlimp, Ana Angélica Rabelo.

A representante do sindicato diz que muitos trabalhadores têm usado as redes sociais para expressar sua indignação com as terceirizadas, mas ela acredita que as queixas virtuais não são suficientes. “Não adianta ficar lamentando nas redes sociais. É hora de luta concreta, presencial e não virtual”, defende a coordenadora do Sindlimp.

TERCEIRIZADOS FAZEM NOVO PROTESTO CONTRA ATRASO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Trabalhadores que prestam serviços a órgãos do governo baiano, por meio de contratos de terceirização, voltam a protestar contra o atraso de salários. Uma manifestação está marcada para a manhã desta segunda-feira (29), na sede da Secretaria da Fazenda, em Salvador.

O protesto é organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza Pública (Sindlimp-BA) e pela Central Única dos Trabalhadores, que exigem providência imediata do governo com relação à inadimplência das empresas às quais os trabalhadores estão diretamente vinculados.

“O governo do Estado precisa agir para não ser chamado de omisso”, afirma Edson Conceição Araújo, membro da direção da CUT-BA. Há pouco mais de um mês, cerca de 180 terceirizados da empresa Locservice cruzaram os braços em protesto contra o atraso nos pagamentos. No dia 27 de janeiro, manifestantes fecharam a sede do Núcleo Regional de Educação (NRE 5), em Itabuna.

TERCEIRIZADOS PROTESTAM CONTRA A SEC-BA EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Terceirizados fazem protesto em frente ao NRE 5, em Itabuna (Foto Divulgação).

Terceirizados fazem protesto em frente ao NRE 5, em Itabuna (Foto Divulgação).

Cerca de 180 funcionários de uma empresa que presta serviços de portaria e administrativos em escolas estaduais no sul da Bahia cruzaram os braços nesta quarta (27). Eles cobram, da Locserv, o pagamento do salário de dezembro do ano passado e auxílios alimentação e transporte referentes a janeiro.

Acorrentados, funcionários fecharam a sede do Núcleo Regional de Educação (NRE 5), nesta quarta (27), para cobrar salário e auxílios. A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza da Região Sul e Extremo Sul da Bahia (Sindilimp) informou que os grevistas estão dispostos a continuar na sede do Núcleo da Secretaria Estadual de Educação “até que se encontre uma solução”.

Nem a Locserv nem a Secretaria Estadual de Educação se posicionaram quanto às reivindicações dos terceirizados.

POR ÁGUA, MORADORES DA CALIFÓRNIA FECHAM SEMIANEL RODOVIÁRIO

Tempo de leitura: 2 minutos
Moradores bloquearam semianel para pedir água (Foto Pimenta).

Moradores bloquearam semianel para pedir água (Foto Pimenta).

Moradores da Rua da Palmeira, na Califórnia, em Itabuna, interditaram o semianel rodoviário, que liga as BRs 101 e 415 (Rodovia Ilhéus-Itabuna), nesta manhã de quarta (30). Os manifestantes reclamam que estão há cerca de dez dias sem água.

Danilo Sousa, um dos manifestantes, disse que até mesmo o tanque de 10 mil litros colocado pela Emasa na localidade leva, em média, três dias para ser reabastecido. “Quando eles vêm, só colocam pela metade. Não dá para ninguém”, disse ele.

Moradores da Califórnia recorrem a poço na Rua da Palmeira (Foto Pimenta).

Moradores da Califórnia recorrem a poço na Rua da Palmeira (Foto Pimenta).

Os moradores decidiram cavar um poço numa das margens da rua. O que aparece é uma água preta e sem nenhum teste que assegure se o produto pode ser consumido. “A gente se vira como pode”.

Itabuna vive racionamento d´água há mais de 30 dias. A região vive forte estiagem e não há chuva consistente no município e nos mananciais que abastecem Itabuna (rios Almada e Cachoeira) há cerca de 150 dias. As previsões mais animadoras são de chuva acima de 20 milímetros a partir do dia 8 de janeiro.

PROTESTO CONTRA DILMA REÚNE MENOS DE 30 PESSOAS EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Em Itabuna, 28 pessoas se reuniram no Jardim do Ó para protesto contra Dilma.

Em Itabuna, 28 pessoas se reuniram no Jardim do Ó para protesto contra Dilma (Foto WhatsApp).

Os protestos contra a presidente Dilma Rousseff e pelo seu impeachment levaram público, na média, 70% menor que em outras manifestações ocorridas neste ano. Em São Paulo, 40 mil foram à Avenida Paulista pedir a saída de Dilma, segundo o Datafolha. Já em Salvador, 500 pessoas, conforme a Polícia Militar.

Proporcionalmente, a queda de público foi ainda maior em Itabuna. Dos 200 registrados na última manifestação, em agosto, o público de hoje não passava de 30. Para ser exato, 28 pessoas se reuniram no principal ponto de concentração para manifestações em Itabuna, o Jardim do Ó.

PREFEITURA TEM PROTESTO DE ESTAGIÁRIOS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Estagiários fazem protesto na porta da Prefeitura de Itabuna.

Estagiários fazem protesto na porta da Prefeitura de Itabuna.

Estagiários contratados pela Prefeitura de Itabuna estão sem receber a bolsa-estágio há quase três meses. Os estagiários atuam como monitores em unidades de ensino da rede municipal. Os estagiários dizem que há um “jogo de empurra” em que saem prejudicados.

Por causa dos seguidos atrasos, estagiários fizeram protesto em frente ao Centro Administrativo Firmino Alves (sede da prefeitura) com “panelaço”, cartazes com mensagens cobrando do prefeito Vane do Renascer e questionando onde está o dinheiro das bolsas.

VIOLÊNCIA CONTRA ESTUDANTES PAULISTAS É CRIME, DIZ ESPECIALISTA

Tempo de leitura: 3 minutos
PAU DE ARARA? Estudante do ensino médio em São Paulo,  Elissantro Dias Nazaré da Siqueira é levado preso, algemado, em posição de pau-de-arara por policiais.

PAU DE ARARA? Estudante do ensino médio em São Paulo, Elissantro Dias Nazaré da Siqueira é levado preso, algemado, em posição de pau-de-arara por policiais (Foto Marivaldo Oliveira/Estadão).

Leyberson Pedrosa e Líria Jade | Agência Brasil

As manifestações de alunos contra a proposta de reorganização das escolas estaduais em São Paulo mostraram uma nova força do movimento estudantil secundarista e evidenciaram a violência policial contra os adolescentes. De acordo com Ariel de Castro Alves, advogado e coordenador estadual do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), mais de 10 jovens foram apreendidos e agredidos ilegalmente. Na opinião do especialista, alguns deles chegaram a ser torturados.

Para a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do estado, a ação de desbloqueio da avenida aconteceu porque os manifestantes “desrespeitaram a Constituição Federal, deixando de realizar o prévio aviso sobre os locais onde iriam atuar e bloqueando integralmente as grandes vias de acesso, de maneira a impedir o legítimo direito de ir e vir de estudantes e trabalhadores”, afirmou, em nota.

O artigo 178 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) impede que menores de idade acusados de cometer ato infracional sejam transportados em compartimento fechado de veículo policial em condições que atentem contra a dignidade ou impliquem risco à integridade física ou mental do indivíduo sob pena de responsabilidade. Contudo, registros audiovisuais nas mídias sociais e na imprensa mostram diversos adolescentes sendo levados em camburões pela PM e até mesmo sendo algemados.

O estudante Francisco Musatti Braga, de 16 anos, da Escola Técnica de São Paulo ( ETESP), foi apreendido por policiais, levado em uma viatura para a 23ª DP, em Perdizes, sozinho e relata seu tratamento pelas autoridades como “intimidador”. Ele disse que um homem que estava detido na mesma delegacia teve que levar pontos na cabeça por ter sido atingido com um cassetete.

“Tudo aconteceu num momento de confusão quando liberamos uma faixa para passagem de uma ambulância. Quando tentamos fechá-la novamente, a polícia não deixou. Eles foram algemar um menino no chão e eu tentei impedir”, conta. O rapaz afirma que um policial o atacou com um cassetete: “Fui imobilizado com o cassetete e arrastado até uma moto, onde me algemaram. Depois, fui encaminhado para a delegacia e fui intimidado. Dois outros jovens foram presos no mesmo momento e os policiais e o delegado nos ameaçavam”, completa. O jovem teve o apoio de seu pai, que foi à delegacia onde estava apreendido e de outros manifestantes. Para ele, a truculência só reforça o movimento e a união dos manifestantes.

A Súmula 11 do Supremo Tribunal Federal (STF) afirma que o uso de algemas só deve ocorrer em caso de resistência e receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia. O que, na opinião de Alves, passa longe do que aconteceu em São Paulo. “São jovens que não estavam cometendo crimes, mas se manifestando pacificamente em vez de traficar ou fazer atos de violência”, relata.

Segundo Alves, a atitude da polícia militar se configura como um crime com pena de detenção. “O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) afirma que crianças e adolescentes não podem ser submetidos a vexame ou constrangimento”, questiona.

CASOS DE TORTURA

O MNDH pretende recolher todos os casos de abuso policial contra jovens e levar as denúncias em bloco para a Ouvidoria da PM. “Nós vimos a atuação da polícia jogando bombas de gás lacrimogênio, espancando estudantes. Alguns casos podem se configurar, inclusive, práticas de tortura em adolescentes”, denuncia.

Leia Mais

FUNCIONÁRIOS PROTESTAM CONTRA PRIVATIZAÇÃO DA EMASA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Os funcionários concursados da Empresa Municipal de Águas e Saneamento (Emasa) iniciaram protesto, há pouco, para cobrar do prefeito Claudevane Leite respostas quanto às intenções de privatização da estatal municipal.

Eles paralisaram as atividades e planejam grande protesto em frente à Prefeitura de Itabuna, no Bairro São Caetano. Cerca de 100 funcionários saíram da Estação de Tratamento de Água, no São Lourenço, para a prefeitura.

A intenção é pressionar para que sejam, finalmente, recebidos pelo prefeito. Nem a direção da Emasa nem o prefeito Claudevane Leite respondem às solicitações de informações feitas pelo Sindae.

Há mais de 30 dias, o sindicato dos funcionários, o Sindae, cobra do Governo Vane informações sobre possível privatização da empresa.

De acordo com sindicalistas em entrevista ao Pimenta, há várias semanas executivos da Odebrecht têm se reunido a portas fechadas com a direção da Emasa. Suspeita-se que o governo esteja preparando plano de “privatização branca”, com a empresa sendo repassada à Embasa (estatal estadual) e, daí, para a Odebrecht.

Atualização às 9h54min – Neste momento, os manifestantes estão no gabinete do prefeito Claudevane Leite, com quem conversam e cobram informações sobre a venda da Emasa ou processo de Parceria Público-Privada (PPP) sugerido pelo Governo Baiano.

CONQUISTA: PROTESTO DE DONOS DE VANS TRAVA BR-116

Tempo de leitura: < 1 minuto
Protesto de donos de vans formou grande congestionamento na BR-116 (Foto Blog do Anderson).

Protesto de donos de vans formou grande congestionamento na BR-116 (Foto Blog do Anderson).

Donos de vans protestam desde as 5 horas de hoje (6), em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano. Como consequência, quem precisa pegar a BR-116 enfrenta grande congestionamento, informa o Blog do Anderson. A Polícia Rodoviária Federal diz que manifestantes não informam o motivo do protesto. Exigem a presença de representante da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

MORADORES DE VILA CACHOEIRA INTERDITAM A ILHÉUS-ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Moradores fizeram barricadas e atearam fogo para impedir passagem de veículos (Foto Ciro Zatele).

Moradores fizeram barricadas e atearam fogo para impedir passagem de veículos (Foto Ciro Zatele).

Teste de paciência para quem tentou se deslocar entre Ilhéus e Itabuna nesta manhã de quarta (28). Moradores de Vila Cachoeira bloquearam a Rodovia Ilhéus-Itabuna (BR-415) por mais de três horas. Os moradores cobram reforço na segurança pública, transporte público com melhor qualidade e obras de infraestrutura.

A manifestação começou por volta das 6h, com o bloqueio das duas pistas em frente à estrada de acesso à vila, no quilômetro 14 da rodovia, com madeira e pneus. Logo após, atearam fogo na barricada para impedir a passagem de veículos. Policiais e Corpo de Bombeiros foram acionados para tentar o desbloqueio da rodovia.

Rodovia foi bloqueada pelos moradores nos dois sentidos (Foto Ciro Zatele).

Rodovia foi bloqueada pelos moradores nos dois sentidos (Foto Ciro Zatele).

Back To Top