skip to Main Content
28 de outubro de 2020 | 02:46 am

ITABUNA: CONVENÇÃO DO MDB OFICIALIZA CHARLIANE COM HARRISON NOBRE NA VICE

Charliane Sousa terá o engenheiro Harrison Nobre na vice
Tempo de leitura: < 1 minuto

Durante convenção na manhã deste sábado (12), o MDB confirmou a candidatura de Charliane Sousa para prefeita de Itabuna. Ela terá o engenheiro Harisson Nobre na vice, formando uma chapa puro-sangue. A convenção foi realizada por meio de plataforma digital.

O partido homologou também a candidatura de vereadores. Na corrida por vagas na Câmara, 45% da chapa é composta por mulheres. Até aqui, Charliane é o único nome feminino na disputa pela Prefeitura de Itabuna.

Charliane Sousa tem 44 anos, é itabunense, mãe de Taiane Borges da Silva, formada em Ciências Contábeis, proprietária da Ágape Contabilidade e vereadora de Itabuna. Ela disputará segunda eleição. Em 2016, foi eleita a única vereadora de Itabuna. Disputou a vaga pelo PTB, do qual se desfiliou para concorrer à Prefeitura pelo MDB. Atualmente, também é vice-presidente da Câmara.

ITABUNA: A RASTEIRA DO DIRETÓRIO NACIONAL DO PTB NA COMISSÃO PROVISÓRIA

Ação do PTB atinge Charliane e tira Tia Nem do comando em Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

A direção nacional do PTB, comandado pelo ex-deputado Roberto Jefferson, destituiu a comissão provisória do partido em Itabuna, no sul da Bahia, no final de semana. A decisão atinge a pré-candidatura a prefeita de Charliane Sousa (MDB), pois o partido decidiu deixá-la ao Deus-dará e garantiu apoio a Capitão Azevedo (PL).

Maria Gonçalves (Tia Nem) emitiu nota pública sobre o ocorrido. Ela presidiu a comissão provisória do PTB e fez considerações sobre a forma como agiu o diretório nacional do partido. Confira a íntegra da nota abaixo:

A VELHA POLÍTICA NÃO CONSEGUE SE ESCONDER POR TODO O TEMPO

A ainda comissão provisória do PTB – Itabuna, vem, através dessa nota deixar tudo da forma mais transparente possível sobre a forma agressiva que a direção nacional interviu na comissão provisória.

Foi agressiva, pois o prazo para filiação encerrou dia 04 de abril, ou seja, levarão o partido ao colo da velha política sem possibilidade de filiar novos membros para disputarem a eleição.

Será que fizeram essa agressão por conta de 15 segundos de televisão? Pouco provável para o candidato que terá um dos maiores tempos de tv.

A intenção mais que clara está no fato de enfraquecer e tirar do jogo a pré-candidatura da vereadora Charliane a quem até esse momento marchamos juntos.

A velha política dos acordos sombrios por apoio está mais evidente que tudo, após um período em que tentou se esconder no discurso dos novas pessoas para governar.

Resta-nos pedir desculpas publicamente a cada pré-candidato a vereador(a) que se filiou ao PTB, acreditando que o partido estaria apoiando a pré-candidatura de Charliane Sousa a prefeita.

Itabuna já conhece e tem medo desse tipo de política, pois o resultado todos nós sabemos: descaso, caos na saúde, salários atrasados, obras inacabadas.

Que o processo eleitoral seja pautado na esperança de um futuro melhor, mas também na história de cada um dos candidatos.

Maria Gonçalves – Tia Nem

CÂMARA DE ITABUNA TERÁ COMISSÃO PERMANENTE DE DEFESA DA MULHER

Tempo de leitura: 2 minutos

Projeto de Charliane criou comissão em defesa das mulheres || Foto Pedro Augusto

A partir deste ano, o Legislativo de Itabuna funcionará com oito comissões permanentes, uma a mais. O novo órgão colegiado será a Comissão de Políticas e Defesa dos Direitos da Mulher, criada por meio do projeto de resolução de Charliane Sousa (PTB), única vereadora da Casa. Os integrantes serão nomeados após a abertura do Ano Legislativo, marcada para o próximo dia 15.

Segundo o Regimento Interno, a nomeação dos vereadores para as Comissões técnicas é feita pelo Presidente da Casa após indicação das bancadas partidárias. Cada Comissão terá, no mínimo, cinco membros (presidente, vice e três relatores), excluídos o presidente da Casa e o 1º Secretário. Em Itabuna, apesar de não estar institucionalizada, a 4ª Relatoria vem sendo adotada em todas as Comissões há seis anos com aval do Plenário.

As Comissões são órgãos destinados ao estudo prévio das proposições e demais matérias submetidas à deliberação do Plenário, manifestando-se por meio de pareceres. Na composição deve ser observado, tanto quanto possível, a representação proporcional dos partidos políticos ou blocos parlamentares. Os membros das comissões permanentes terão mandato de dois anos.

Leia Mais

TRF MANTÉM SUSPENSA A POSSE DE CRISTIANE BRASIL

Tempo de leitura: 2 minutos

Cristiane Brasil sofre nova derrota judicial || Foto Wilson Dias/AB

O juiz substituto do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) Vladimir Vitovsky negou, na noite desta quarta-feira (10) os pedidos apresentados pela defesa da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) e pela Advocacia-Geral da União (AGU), para suspender os efeitos da liminar do juiz titular em exercício da 4ª Vara Federal em Niterói, no Rio de Janeiro, Leonardo da Costa Couceiro, que impediu a posse da parlamentar como ministra do Trabalho.
O  Palácio do Planalto ainda não se manifestou sobre a decisão de hoje.
A liminar de primeira instância foi concedida na segunda-feira (8) em resposta a uma ação popular do Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes. O mérito da ação popular ainda será julgado pela primeira instância. O relator do processo é o desembargador federal Sergio Schwaitzer, da 7ª Turma Especializada do TRF2.
Na decisão de hoje, o juiz Vladimir Vitovsky destaca que a liminar “não tem o condão de acarretar risco de dano grave, de difícil ou impossível reparação. Outrossim, é prematuro afirmar estar demonstrada a probabilidade de provimento do recurso. Com efeito, a competência do presidente [Michel Temer] para escolher e indicar seus ministros é matéria eminentemente de mérito”, diz Vitovsky.  O juiz ressalta ainda que não há motivos suspender a liminar, para permitir a posse, antes de uma decisão do mérito da questão pela 1ª Instância.
Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa de Cristiane Brasil afirmou apenas que “no momento adequado, a deputada emitirá nota esclarecendo todos os assuntos de competência da mídia”. (AB)

RUI, NETO E O ENLAMEADO PMDB

Tempo de leitura: 2 minutos

marco wense1Marco Wense

 

Quando questionados sobre o PMDB, tanto Rui Costa como ACM Neto dão respostas evasivas ou fogem das perguntas como o diabo da cruz.

 

O que ainda faz o PMDB ser procurado é o invejável tempo que o partido dispõe no horário eleitoral, salvo engano quase cinco preciosos minutos.

E aí me lembro da campanha do médico Antonio Mangabeira na sucessão do prefeito Claudevane Leite. O pedetista, obviamente do PDT, tinha 22 segundos na telinha.

Foi um Deus nos acuda. Não deu nem para o vice falar alguma coisa. A turma do marketing, mesmo com esses segundinhos, deu um show de competência.

Mangabeira foi o segundo mais votado com 18.813 votos, seguido de Augusto Castro (PSDB), Capitão Azevedo (PTB), Geraldo Simões (PT) e Davidson Magalhães (PCdoB).

Fernando Gomes, então candidato do DEM, com o apoio do PT, foi eleito. É bom lembrar que Mangabeira teve mais votos do que Simões e Magalhães juntos.

Os motivos que levam o governador Rui Costa e o prefeito ACM Neto a evitar comentários sobre o enlameado PMDB são um pouco diferentes.

O alcaide soteropolitano pensa no PMDB na sucessão estadual. Já o petista não quer atrapalhar as articulações do petismo com o peemedebismo na eleição presidencial.

Lula anda de namoro com várias lideranças do PMDB, inclusive com o senador Renan Calheiros, um dos responsáveis pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Com essa aproximação, os petistas jogam na lata do lixo o discurso do “golpe” e irrita os segmentos do PT que ainda se mantém com credibilidade.

Quando questionados sobre o PMDB, tanto Rui Costa como ACM Neto dão respostas evasivas ou fogem das perguntas como o diabo da cruz.

Ao ser indagado sobre sua opinião em relação a uma eventual prisão dos irmãos Vieira Lima, Rui saiu pela tangente: “Não gosto de absolver nem condenar ninguém”.

“Não tenho bola de cristal”, diz Neto sobre o futuro do PMDB, que já foi o MDB de Ulysses Guimarães e de tantos outros políticos de respeito.

Rui Costa e ACM Neto, quando o assunto é o PMDB, agem da mesma maneira. Ambos são escorregadios.

Marco Wense é editor d´O Busílis.

PARTIDOS MUDAM NOME; PT DESCARTA ALTERAÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto

camaleaoDo Blog do Levi Vasconcelos

O PTdoB virou Avante, o PSL Livres e o PTN Podemos. Não é por acaso. A ideia básica é fugir do mix partidário dos tempos da Lava Jato, todos mal afamados diante da opinião pública e, segundo o deputado Lúcio Vieira Lima, presidente da Comissão da Reforma Política, a tendência é generalizada.

— A grande maioria dos partidos deve mudar de nome. Imagine você que o PSDB em Minas teria muitas dificuldades de se apresentar depois do episódio de Aécio.

Lúcio diz que as mudanças devem acelerar no rastro da reforma política, até porque, com a implantação do “distritão”, uma fórmula provisória, o voto de legenda perde importância.

O PT fica – Embora tenha sido o partido mais bombardeado com a Lava Jato, o PT deve permanecer PT. O deputado Rosemberg Pinto diz que nunca se cogitou tal mudança.

— O PT tem um legado. E se tivesse de mudar, seria lá atrás, não agora.

JUSTIÇA NEGA PEDIDO DE AZEVEDO PARA ANULAR JULGAMENTO DE CONTAS DE 2011

Tempo de leitura: 2 minutos
Azevedo teve pedido negado pela justiça.

Azevedo teve pedido negado pela justiça.

O titular da da 1ª Vara da Fazenda Pública, Ulysses Maynard Salgado, julgou improcedente pedido feito pela defesa de Capitão Azevedo para declarar nulo julgamento das contas de 2011 pela Câmara de Vereadores de Itabuna. Azevedo é pré-candidato a prefeito pelo PTB e a decisão complica-o, eleitoralmente, com base na Lei Ficha Limpa.

A decisão do juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública foi tomada na última sexta (15), porém publicada nesta segunda-feira.

As contas de Azevedo relativas ao exercício financeiro de 2011 foram julgadas pela Câmara em dezembro de 2013, sendo reprovadas por 11 votos a 10 (relembre aqui). Os vereadores seguiram recomendação do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Para ser candidato em 2014, quando disputou vaga à Assembleia Legislativa, Azevedo conseguiu liminar que suspendia os efeitos da decisão do legislativo. Agora, o magistrado, ao julgar o mérito da ação, negou o pedido para anular o julgamento da Câmara.

Na ação, o ex-prefeito enfatizou nunca ter sido “citado, pessoalmente, para apresentar defesa. E, acrescenta, tecnicamente, “nunca foi aberto prazo de defesa” por parte do legislativo.

AZEVEDO VAI RECORRER

Apesar da decisão, a coordenação da pré-campanha de Capitão Azevedo mantém a esperança de candidatura. Questionada pelo PIMENTA se a decisão não complicaria, eleitoralmente, a situação de Azevedo, a resposta foi política.

– Já estávamos esperando [essa decisão]. O juiz precisava dar uma sentença. Agora, o jogo começa.

Azevedo recorrerá da decisão. “São duas situações. O julgamento jurídico, onde sempre se presume a inocência, e o popular, que é notoriamente a favor de Azevedo”.

Ainda, no entendimento da coordenação de campanha, a decisão em primeira instância não deixa o político inelegível, o que seria decidido apenas pela Justiça Eleitoral, que se pronunciaria até o prazo dos registros, 15 de agosto.

OS CAMINHOS DO PMDB NA SUCESSÃO ITABUNENSE

Tempo de leitura: < 1 minuto
Eduardo Kowalski é cotado para vice em possível composição entre PSDB e PMDB

Eduardo Kowalski é cotado para vice em possível composição entre PSDB e PMDB

O PMDB de Itabuna está em uma encruzilhada na sucessão municipal. Um caminho, que parece pouco provável, conduz ao nome de Fernando Vita como pré-candidato a prefeito. Uma segunda via, defendida em articulações de bastidores pelo presidente do diretório, Pedro Arnaldo, leva ao apoio da sigla ao ex-prefeito Capitão Azevedo (PTB). A terceira, propagada abertamente pelo ex-deputado Renato Costa, tem como destino a aliança com Augusto Castro (PSDB).

Pelo que se observa, os peemedebistas devem se limitar às duas últimas opções. E, segundo fontes do partido, há uma tendência mais forte de coligação com o tucano, o que dependeria apenas de composições que vêm sendo negociadas em outros dois municípios.

No caso de uma possível composição entre PSDB e PMDB, a surpresa poderá ser o surgimento de um novo nome no cenário sucessório. Trata-se do médico Eduardo Kowalski, que é vice-presidente do diretório municipal do PMDB e pode acabar se tornando vice também em futura chapa majoritária.

Kowalski ainda não disse sim, mas seu nome teria a preferência de Renato Costa.

PRÉ-CANDIDATOS PROGRAMAM LANÇAMENTO PARA MAIO

Tempo de leitura: 2 minutos
Augusto, Mangabeira e Roberto José  lançam pré-candidaturas em maio

Augusto, Mangabeira e Roberto José lançam pré-candidaturas em maio

Maio será um mês de intensa movimentação política em Itabuna, com a previsão do lançamento de  novas pré-candidaturas a prefeito. Tirando Davidson Magalhães (PCdoB), que abriu os trabalhos no dia 7 de março, e Fernando Gomes (DEM), que realizou seu evento no dia 23 , pelo menos outros três pré-candidatos devem colocar oficialmente o bloco na rua no próximo mês.

O deputado Augusto Castro (PSDB) anunciou o lançamento da pré-campanha para o dia 5 de maio, às 18h30, no Grapiúna Tênis Clube. O tucano anuncia que irá receber lideranças estaduais e nacionais do seu partido, como os deputados federais Jutahy Magalhães Jr., João Gualberto e Antônio Imbassahy, e o senador José Serra.

O médico Antônio Mangabeira (PDT) programou uma sequência de eventos, que começa amanhã (19), com a eleição do próprio Mangabeira para a presidência do diretório municipal da legenda. Ainda sem data definida, mas com previsão para a primeira quinzena de maio, acontecem a inauguração da sede do PDT e o lançamento da pré-campanha.

O ex-presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc), Roberto José, do PR, disse ao PIMENTA que pretende agendar o lançamento da pré-candidatura para a segunda quinzena do mês que vem. Segundo ele, o planejamento leva em conta a agenda de lideranças nacionais do partido, que ele ressalta estar complicada no momento em função da crise em Brasília.

AINDA SEM DATA – O ex-prefeito José Nilton Azevedo (PTB) ainda está sem data para o lançamento oficial da pré-campanha. Essa é também a situação do ex-prefeito e ex-deputado Geraldo Simões (PT). Consultado pelo blog, o presidente do diretório municipal do PT, Flávio Barreto, declarou que o grupo do pré-candidato está trabalhando no cronograma e no momento se dedica à discussão do programa de governo.

O blog não conseguiu contato com outros pré-candidatos, mas deixa aberto o espaço para a divulgação das pré-campanhas.

DEPUTADO VAI AO STF PARA QUE COMISSÃO DO IMPEACHMENT CONSIDERE DELAÇÃO DE DELCÍDIO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Arnaldo Faria de Sá quer delação acolhida no processo de impedimento

Arnaldo Faria de Sá quer delação acolhida no processo de impedimento

O deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) impetrou mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra decisões do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e da Comissão Especial do Impeachment, Rogério Rosso (PSD/DF), que determinaram o desentranhamento da delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Faria de Sá, que integra a Comissão Especial, relata que os autores do pedido – os advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal – requereram, posteriormente ao oferecimento da denúncia por crime de responsabilidade, a juntada da delação. Em 17 de março, Rogério Rosso decidiu que a comissão não deveria considerar o documento, devendo se limitar aos termos da denúncia e seus documentos iniciais. Eduardo Cunha, por sua vez, negou provimento a recurso de Faria de Sá contra a decisão de Rosso, com o fundamento de que não caberia à presidência da Câmara interferir nos trabalhos da comissão.

No mandado de segurança, o parlamentar do PTB argumenta que, embora a íntegra da delação de Delcídio tenha vindo a conhecimento público depois da apresentação do pedido de impeachment, os fatos relatados pelo senador foram articulados previamente na denúncia. Segundo Faria de Sá, o documento seria “imprescindível para o próprio esclarecimento da denúncia”.

Back To Top